Desfile de 7 de setembro de 2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,804
On Slideshare
1,776
From Embeds
28
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 28

http://marcosrsmendes.blogspot.com 26
http://marcosrsmendes.blogspot.com.br 1
http://marcosserramendes.blogspot.com.br 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Afro descendência Danças Afro
  • 2. AFRO DESCENDÊNCIA GNAWA TAMBOR DE CRIOULA REGGAE SÃO JOÃO BATISTA – MA 07 – 09 – 11
  • 3.
    • AFRODESCENDÊNCIA
    • Danças afrodescendentes: gnawa, reggae e tambor de crioula.
    • Hoje, 07 de setembro de 2011, dia que o Brasil completa 189 anos de independência e é o ano da afrodescendência, a Unidade Integrada “Marly Sarney” apresenta em seu desfile a temática: “Danças Afro” .
    • São inúmeras as danças afro, mas destacaremos neste desfile a dança GNAWA que é uma dança africana, o reggae e o tambor de crioula que além de serem afrodescendentes fazem parte da cultura maranhense.
  • 4.
    • A origem e a importância da dança africana
    • A dança originou-se na África como parte essencial da vida nas aldeias. Ela acentua a unidade entre seus membros, por isso é quase sempre uma atividade grupal. Todos os acontecimentos da vida africana são comemorados com dança: nascimento, morte, plantio, colheita, caça...
    • As danças africanas chegam a apresentar algumas vezes até seis ritmos ao mesmo tempo e seus dançarinos podem usar máscaras ou enfeitar o corpo com tinta para tornar seus movimentos mais expressivos.
    • GNAWA é uma dança que teve origem no sul da África com a finalidade de reproduzir os movimentos feitos pelos homens africanos quando saiam para caçar alimentos para o sustento dos seus familiares.
    • Os dançarinos usam pinturas e roupas feitas de materiais colhidos diretamente da natureza.
  • 5.
    • TAMBOR DE CRIOULA OU PUNGA é uma dança de origem africana praticada por descendentes de escravos africanos no estado brasileiro do Maranhão , em louvor a São Benedito , um dos santos mais populares entre os negros . É uma dança alegre, marcada por muito movimento dos brincantes e muita descontração.
    • Os motivos que levam os grupos a dançarem o tambor de crioula são variados, podendo ser: pagamento de promessa para São Benedito , festa de aniversário, chegada ou despedida de parente ou amigo, comemoração pela vitória de um time de futebol , nascimento de criança, matança de bumba-meu-boi , festa de preto velho ou simples reunião de amigos.
    • O tambor de crioula apresenta coreografia livre e variada. A brincante que está no centro é responsável pela demonstração coreográfica principal, mostrando sua forma individual de dançar. No centro da roda, os movimentos são mais livres, mais intensos e bem acentuados, seguindo o compasso dos tocadores.
    • Os tambores são bastante rústicos, feitos manualmente de troncos cortados nos três tamanhos e trabalhados exteriormente com plainas para que a parte superior fique mais larga que a inferior. Internamente, o tronco é trabalhado a fogo com o auxílio de instrumentos de ferro para que fique oco. A cobertura do tambor é feita com o couro de boi, veado, cavalo ou tamanduá. Depois da cobertura, é derramado azeite doce no couro que fica exposto ao sol para enxugar e atingir o "ponto de honra", quando é considerado totalmente pronto. Durante a dança, os tambores são esquentados na fogueira para que tenham afinação perfeita.
  • 6.
    • REGGAE – original da década de 1960 , o ritmo divide-se em dois subgêneros, o “roots reggae” (raízes do reggae ) e o “dancehall reggae” , que é originário da década de 1970 . O reggae é constantemente associado ao movimento religioso rastafari , que, de fato, influenciou muitos dos músicos apologistas do estilo reggae nas décadas de 1970 e 1980. De qualquer maneira, o reggae trata de vários assuntos, não se restringindo à cultura rastafariana, como o amor, o sexo e principalmente a crítica social.
    • Uma das características que podem caracterizar o reggae é a crítica social, como por exemplo cantar a desigualdade, o preconceito, a fome e muitos outros problemas sociais.
  • 7.
    • Diretora:
    • Arlete de Fátima Pinto Souza
    • Diretora Adjunta:
    • Ione Aranha Mendes
  • 8.
    • Professores:
    • Adelmar Costa Júnior
    • Aldenilze Gonçalves Ferreira
    • Ana Cristina Sousa Santos
    • Ana Maria Lindoso Sousa
    • Anízia Cristina Souza Penha
    • Carlos Alberto Soares Gomes
    • Conceição de Maria Penha Mendes
    • Domingas de Jesus Maranhão Santos
    • Elizabeth Araújo
    • Eulálio Costa Serra
    • Ivanilson Gonçalves Costa
    • Jaqueline Alves Serra Freire
    • Josef de Jesus Pires Figueiredo
    • Jovita Silva Pereira Costa
    • Lucina Fonseca Costa
    • Márcia Valéria Lindoso Pinheiro
    • Marcos Roberto Serra Mendes
    • Maria do Socorro Costa Diniz
    • Maria Filomena Cardoso Monteiro
    • Marineide Soares Campos
    • Raimunda Gonçalves Ferreira
    • Raquel dos Anjos Costa
    • Ronaldo Corrêa Serra
    • Ronilze Gomes Pereira
    • Rosinete Corrêa Assunção
    • Sebastiana de Jesus Coelho
    • Valter Ferreira Costa Filho
    • Vandelson Pinto Santos
  • 9.
    • Auxiliares Administrativos:
    • Lenildes Costa Gaspar
    • Liziane Silva Pinheiro
    • Rosiane do Nascimento Pinheiro
    • Tomásia Cristina Cutrim
  • 10.
    • Zeladoras:
    • Abigailde Gaspar Mendes
    • Alcenir Soares Costa
    • Maria Antônia Pinto Soares
    • Vânia de Kássia Barros Diniz
    •  
    • Vigias:
    • Ailson Fábio Santos dos Santos
    • Jhemysson Cláudio Gomes Pinheiro
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14.  
  • 15.  
  • 16.  
  • 17.  
  • 18.  
  • 19.  
  • 20.  
  • 21.  
  • 22.  
  • 23.  
  • 24.  
  • 25.  
  • 26.  
  • 27.  
  • 28.  
  • 29.  
  • 30.  
  • 31.  
  • 32.  
  • 33.  
  • 34.  
  • 35.  
  • 36.  
  • 37.  
  • 38.  
  • 39.  
  • 40.  
  • 41.  
  • 42.  
  • 43.  
  • 44.  
  • 45.  
  • 46.  
  • 47.  
  • 48.  
  • 49.  
  • 50.  
  • 51.  
  • 52.  
  • 53.  
  • 54.  
  • 55.  
  • 56.  
  • 57.  
  • 58.  
  • 59.  
  • 60.  
  • 61.  
  • 62.  
  • 63.  
  • 64.  
  • 65.  
  • 66.  
  • 67.  
  • 68.  
  • 69.  
  • 70.  
  • 71.  
  • 72.  
  • 73.  
  • 74.  
  • 75.  
  • 76.  
  • 77.  
  • 78.  
  • 79.
    • Cinegrafista:
    • Adelmar Costa Júnior
    •  
  • 80.
    • Coreografia da dança:
    • Conceição de Maria Penha Mendes
    •  
  • 81.
    • Produção:
    • Marcos Roberto Serra Mendes
    •