Memórias Digitais
MEMÓRIA RAM E MEMÓRIA ROM
Alunos: Sérgio, João Paulo, Augusto
Sumário:
1. Definição
2. Um pouco de história
3. Tecnologias de implementação
4. Memórias Voláteis
5. Memoria Principal ou...
Memória Digital
 Memória são todos os dispositivos que permitem a um computador
guardar dados, temporariamente ou permane...
História
 Os primeiros computadores por volta do ano 1940 e início de 1950 usavam
tubos de raios catódicos, similares aos...
Tecnologias de implementação
As principais tecnologias de implantação de memórias em uso
corrente são:
 Portas lógicas e ...
Memórias Voláteis
As memórias voláteis caracterizam - se por perder suas informações em
caso de interrupção do forneciment...
Memoria Principal ou Memoria RAM
Memória RAM
 RAM (Random Access
Memory )(Memória de
Acesso aleatório);
 Memória de Trabalho;
 Volátil;
 Permite Gravaç...
SRAM(Static Random Acess Memory)
 Memória muito mais rápida que a memória dinâmica
 Utiliza, ao invés de capacitores, ci...
 A memória RAM do micro é formada por circuitos
de memória dinâmica.
 Esse tipo de circuito armazena bits através de
min...
Módulos de memória
 Mais um aspecto importante nas memórias RAM, ao qual deve-se ficar
atento, principalmente se for adqu...
Memórias RAM: Principais Modelos
SDR-SDRAM (Single Data Rate Sincronous Dynamic Random Access Memory):
 Essa foi a primei...
DDR-SDRAM (Double Data Rate):
As memórias DDR superavam as memórias SDR por sua capacidade de realizar
duas transferências...
DDR2:
A taxa de transferência por ciclo de clock dobrou novamente, e as
memórias DDR2 são capazes de realizar quatro trans...
DDR3:
Como acontece com os processadores, aumentar a clock base aumentava
exponencialmente o consumo de energia e geração ...
Memória Fpm(Fast-Page Mode, ou "modo de
paginação rápida"):
A primeira melhora significativa na arquitetura das memórias
v...
Memórias EDO(Extended Data Output):
As memórias EDO (Extended Data Output) foram introduzidas a partir de 1994 e
trouxeram...
Memórias não voláteis
São aquelas que guardam todas as informações mesmo quando não
estiverem a receber alimentação. Como ...
Memória ROM
Memória ROM
 A ROM (Read Only Memory) é um circuito eletrônico de memória onde os
seus dados não podem ser modificados, i...
 Inclui instruções de rotina para o funcionamento básico de
um computador, como as operações de arranque ou de
interacção...
Tipos de memórias ROM
 MASK-ROM: Esse tipo de memória é gravado na fábrica do circuito
integrado e não há como apagarmos ...
 EEPROM (Electric Erasable Programmable ROM): A EEPROM (ou
E2PROM) é uma EPROM onde o apagamento não é feito através de
l...
http://www.reocities.com/researchtriangle/4480/academic/academic-
files/memorias.html
http://www.infowester.com/memoria.ph...
Memórias digitais1
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Memórias digitais1

474 views

Published on

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
474
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Memórias digitais1

  1. 1. Memórias Digitais MEMÓRIA RAM E MEMÓRIA ROM Alunos: Sérgio, João Paulo, Augusto
  2. 2. Sumário: 1. Definição 2. Um pouco de história 3. Tecnologias de implementação 4. Memórias Voláteis 5. Memoria Principal ou Memoria RAM 5.1. Tipos de Memórias RAM 5.2. Memórias RAM: Principais Modelos 6. Memórias não voláteis 7.Memória ROM 7.1Tipos de memórias ROM 8.Bibliografia
  3. 3. Memória Digital  Memória são todos os dispositivos que permitem a um computador guardar dados, temporariamente ou permanentemente. Memória é um termo genérico para designar componentes de um sistema capazes de armazenar dados e programas em forma de sinais digitais (ou seja em forma de 0 e 1).  A memória é um “depósito” onde são guardados elementos(informações) para serem usadas quando desejado(recuperação).
  4. 4. História  Os primeiros computadores por volta do ano 1940 e início de 1950 usavam tubos de raios catódicos, similares aos tubos de televisão, para armazenar dados.  Por volta de 1950, a IBM desenvolveu as memórias de núcleo magnético, ou magnetic core memory. A memória magnética foi usada durante 1960 até a década de 1970.  O próximo passo do desenvolvimento de memórias veio com a introdução dos circuitos integrados, que permitiam a colocação de múltiplos transístores em um só chip.  O próximo passo do desenvolvimento de memórias veio com a introdução dos circuitos integrados, que permitiam a colocação de múltiplos transístores em um só chip.
  5. 5. Tecnologias de implementação As principais tecnologias de implantação de memórias em uso corrente são:  Portas lógicas e flip-flops, usados na implementação da memória cache.  Transistores e circuitos de refrescamento, usados na implementação da memória principal.  Arranjos de conexões, utilizados na implementação de certas ROMs (memórias de leitura).  Fitas magnéticas, utilizadas principalmente para cópias de segurança e arquivamento a longo prazo.  Discos magnéticos, como discos rígidos e disquetes - a principal tecnologia de implementação de memória secundária.  Discos ópticos, como CDs e DVDs, e suas diversas variações.  Memória flash, um tipo de memória semicondutora não volátil muito usada em câmeras digitais e leitores de MP3. tecnologias que foram usadas no passado, mas tornaram-se obsoletas:  Memórias de tecnologia delay line, uma das primeiras tecnologias de memória principal, que armazenavam os dados na forma de pulsos sonoros em uma coluna de mercúrio.  Memórias CRT, também chamadas de Williams-tube, um tipo de memória que usava um tubo CRT para armazenar dados na forma de pontos luminosos.  Memórias de núcleo de ferrite, uma tecnologia popular de implementação da memória principal nas décadas de 1940 e 1950.  Memórias de filme fino, uma melhoria da tecnologia de núcleo de ferrite, utilizada em alguns computadores na década de 1960.  Cartões e fitas perfuradas, que já foram os principais meios de memória não-volátil.
  6. 6. Memórias Voláteis As memórias voláteis caracterizam - se por perder suas informações em caso de interrupção do fornecimento de energia, ou seja, quando desligamos o Microcomputador, os dados armazenados na memórias do tipo voláteis são perdidos automaticamente, a menos que você tenha salvo esses dados em algum outro tipo de memória de armazenamento, como HD por exemplo.
  7. 7. Memoria Principal ou Memoria RAM
  8. 8. Memória RAM  RAM (Random Access Memory )(Memória de Acesso aleatório);  Memória de Trabalho;  Volátil;  Permite Gravação e Leitura;  Onde são armazenados os dados e informações que estiverem sendo executadas em tempo de processamento, enquanto o computador estiver ligado, pois essa memória é mantida por pulsos elétricos.  Todo conteúdo pode ser acessado diretamente e é apagado ao desligar-se a máquina.
  9. 9. SRAM(Static Random Acess Memory)  Memória muito mais rápida que a memória dinâmica  Utiliza, ao invés de capacitores, circuitos digitais chamados flip-flop para armazenar os dados. Constituída internamente apenas por transístores. Menor capacidade de armazenamento. Tipos de Memórias RAM
  10. 10.  A memória RAM do micro é formada por circuitos de memória dinâmica.  Esse tipo de circuito armazena bits através de minúsculos capacitores.  O problema de utilizar capacitores é que depois de algum tempo eles descarregam, sendo necessário períodos de recarga (refresh).  Barata  Fácil integração (muita capacidade em pouco espaço)  Baixo consumo Memória RAM Dinâmica(DRAM)
  11. 11. Módulos de memória  Mais um aspecto importante nas memórias RAM, ao qual deve-se ficar atento, principalmente se for adquirir novas, é o seu módulo. Isto é, o formato dos conectores da placa de memóra.  O modelos para desktops que ficaram mais conhecidos são: o SIMM, single in-line memory module; o DIMM, dual in-line memory module e o RIMM, Rambus in-line memory module.  Já o modelo SODIMM serve para notebooks. Essas são memórias que se diferenciam essencialmente nos modos como organizam os pinos nos conectores e transmitem os dados.
  12. 12. Memórias RAM: Principais Modelos SDR-SDRAM (Single Data Rate Sincronous Dynamic Random Access Memory):  Essa foi a primeira memória capaz de trabalhar sincronizada com os ciclos da placa-mãe, sem tempos de espera. Esse tipo de memória superava as antigas memórias EDO (Extended Data Out) e FPM (Fast Page Mode) por sua capacidade de dividir os módulos de memória em vários bancos, alocando até oito bancos em um módulo DIMM (Dual Inline Memory Module).
  13. 13. DDR-SDRAM (Double Data Rate): As memórias DDR superavam as memórias SDR por sua capacidade de realizar duas transferências por ciclo, o que não necessariamente dobrava a velocidade efetiva (devido ao mesmo tempo de acesso inicial), mas chegavam quase lá. Essa característica é possível devido à inclusão de circuitos adicionais, responsáveis por ler/escrever dados duas vezes por ciclo. Com exceção dessa alteração, as trilhas tanto dos pentes de memórias como da placa-mãe permaneceram inalteradas, assim como as demais características, o que contribuiu para o baixo preço e popularização desse padrão. DDR: 266 MHz, 333 MHz e 400 MHz DDR: 2,5 V 184 terminais
  14. 14. DDR2: A taxa de transferência por ciclo de clock dobrou novamente, e as memórias DDR2 são capazes de realizar quatro transferências por ciclo mas mantendo praticamente o mesmo tempo de acesso inicial, os módulos DDR2 são capazes de rodar os sistemas operacionais modernos sem gargalos e com bastante fluidez. Elas também são consideradas SDRAM, assim como os modelos subsequentes, então se tornou comum chamar as memórias apenas como "DDR2" ou "DDR3". 533 MHz, 677 MHz e 800 MHz voltagem: 1,8 V 240 terminais
  15. 15. DDR3: Como acontece com os processadores, aumentar a clock base aumentava exponencialmente o consumo de energia e geração de calor, então a solução mais efetiva foi dobrar de novo a quantidade de transferências por ciclo. Se o tempo de acesso continuasse o mesmo, as memórias DDR3 não ofereceriam grandes vantagens em relação às DDR2, mas esses novos módulos trouxeram também um sistema de calibração de sinal, o que diminui a latência sem comprometer o desempenho. A união de uma velocidade de transferência maior e um tempo de acesso menor ainda supre tanto o mercado de computadores domésticos quanto os de alto desempenho nos dias de hoje. 1066MHz (2x533) ou 1333MHz (2x667) Voltagem:1,5V
  16. 16. Memória Fpm(Fast-Page Mode, ou "modo de paginação rápida"): A primeira melhora significativa na arquitetura das memórias veio com o FPM (Fast-Page Mode, ou "modo de paginação rápida"). A ideia é que, ao ler um bloco de instruções ou arquivo gravado na memória, os dados estão quase sempre gravados sequencialmente. Não é preciso então enviar o endereço RAS e CAS para cada bit a ser lido, mas simplesmente enviar o endereço RAS (linha) uma vez e em seguida enviar uma sequência de até 4 endereços CAS (coluna), realizando uma série rápida de 4 leituras. Foi a forma original da DRAM. Ela espera o processo inteiro de localização do bit de dado por coluna e linha e então lê o bit antes de começar a ler o próximo
  17. 17. Memórias EDO(Extended Data Output): As memórias EDO (Extended Data Output) foram introduzidas a partir de 1994 e trouxeram mais uma melhoria significativa no modo de acesso a dados. Nas memórias EDO, o controlador faz a leitura enviando o endereço RAS (como de costume) e em seguida enviando os 4 endereços CAS em uma frequência predefinida, sem precisar esperar que o acesso anterior termine. Não espera todo o processo do primeiro bit para seguir para o próximo. Tão logo o endereço do primeiro bit é encontrado, a EDO DRAM começa a procurar o próximo bit. Ela é aproximadamente 5% mais rápida que a FPM.
  18. 18. Memórias não voláteis São aquelas que guardam todas as informações mesmo quando não estiverem a receber alimentação. Como exemplos, citam-se as memórias conhecidas por ROM, FeRAM e FLASH, bem como os dispositivos de armazenamento em massa, disco rígido, CDs e disquetes. As memórias somente para leitura, do tipo ROM (sigla de Read Only Memory), permitem o acesso aleatório e são conhecidas pelo fato de o usuário não poder alterar o seu conteúdo.
  19. 19. Memória ROM
  20. 20. Memória ROM  A ROM (Read Only Memory) é um circuito eletrônico de memória onde os seus dados não podem ser modificados, isto é, o seu conteúdo é sempre o mesmo. Em compensação, o conteúdo dessa memória não é perdido quando cortamos a sua alimentação.  Um programa (software), quando armazenado em ROM, recebe o nome de firmware. Dentro da memória ROM do micro, há basicamente três programas (firmwares): BIOS(Basic Input/Output System); POST(Power-On Self-Test); Setup (Configuração);
  21. 21.  Inclui instruções de rotina para o funcionamento básico de um computador, como as operações de arranque ou de interacção com dispositivos de I/O.  Memória apenas de leitura.  As informações nelas contidas mantêm-se inalteradas durante as operações de processamento.  É um conjunto de rotinas que operam diretamente com o hardware para suportar a transferência de informações (entrada e saída) entre os elementos do sistema, como as memórias, os discos, o monitor, entre outros. Memória ROM
  22. 22. Tipos de memórias ROM  MASK-ROM: Esse tipo de memória é gravado na fábrica do circuito integrado e não há como apagarmos ou regravarmos o seu conteúdo.  PROM (Programmable ROM): Essa memória é vendida “virgem” e o fabricante do dispositivo que utilizará esse circuito se encarrega de fazer a gravação de seu conteúdo. Entretanto, uma vez gravada, não há como apagar ou reprogramarmos o seu conteúdo. Gravada pelo usuário uma única vez.  EPROM (Erasable Programmable ROM): Da mesma forma que a PROM, a EPROM é vendida virgem e deve ser gravada pelo fabricante do dispositivo que a utilizará. Ao contrário dos outros dois tipos, o seu conteúdo pode ser apagado, o que é feito colocando-se o circuito integrado exposto à luz ultravioleta (esse circuito tem uma janela transparente para que o apagamento possa ser feito). Dessa forma, esse circuito pode ser regravado.
  23. 23.  EEPROM (Electric Erasable Programmable ROM): A EEPROM (ou E2PROM) é uma EPROM onde o apagamento não é feito através de luz, mas sim através de impulsos elétricos. Essa tecnologia permite a reprogramação de circuitos sem a necessidade de removê-los. Na EEPROM, é possível apagar o conteúdo de apenas um endereço e reprogramar somente um determinado dado.  Flash - ROM: A Flash - ROM é uma EEPROM que utiliza baixas tensões de apagamento e este é feito em um tempo bem menor. Hoje em dia, a ROM da maioria das placas-mãe é formada por um circuito Flash - ROM, permitindo a reprogramação de seu conteúdo via software. Portanto, há duas diferenças importantes entre uma EEPROM e uma Flash - ROM: o apagamento da Flash - ROM é extremamente rápido e, ao contrário da EEPROM, não é possível reprogramar apenas um único endereço, isto é, quando a memória é apagada, todos os seus endereços são zerados.
  24. 24. http://www.reocities.com/researchtriangle/4480/academic/academic- files/memorias.html http://www.infowester.com/memoria.php http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAkeIAH/memorias http://canaltech.com.br/o-que-e/memoria/Fique-por-dentro-de-todos-os- modelos-de-memoria-RAM/ http://www.hardware.com.br/guias/memoria-ram/fpm.html http://tecnologia.hsw.uol.com.br/memoria-ram4.htm Proença, Alberto José. (1999) Arquitectura de Computadores: Notas de Estudo. [1] SICA, Carlos. "Sistemas Automáticos com Microcontroladores 8031/8051", Editora Novatec, 2006. VELLOSO, Fernando de Castro. Informática: conceitos básicos. 8ed. Rio de Janeiro:Elsevier,2011. Bibliografia

×