Rai ds

238 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
238
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Rai ds

  1. 1. Temas • RAID -Níveis de RAIDs • Backup • Controlo de Riscos no Servidor
  2. 2. RAID O que é? RAID (Redundant Array of Independant Drives) é o metodo mais comum e eficiente de armazenamento, utilizando vários discos, que têm como objectivo tornar o armazenamento mais seguro e rápido. Existem vários tipos de RAIDs (designados como Níveis), desde as mais básicas, usando apenas duas Drives, até RAIDs de grande escala, usando inúmeras Drives.
  3. 3. Niveis de RAIDs • RAID 0 Linear – é a simples concatenação de partições para criar uma grande partição virtual. Os ficheiros dividem-se em varias partes, e essas partes vão para os vários discos da RAID. Isto torna o acesso muito mais rápido, porém, se algo acontece a um dos discos (ou uma das partes) o ficheiro inicial torna-se inacessível e irrecuperável. • RAID 0 Stripping – opta pela mesma metodologia que o ‘0 Linear’, porém divide o ficheiro num numero superior de partes, tornando a transferência mais rápida.
  4. 4. • RAID 1- é o nível de RAID que implementa o espelhamento de disco, também conhecido como mirror. O funcionamento deste nível é simples: todos os dados são gravados em dois discos diferentes; se um disco falhar ou for removido, os dados preservados no outro disco permitem a não descontinuidade da operação do sistema. Com isto atinge-se uma segurança maior, pois se um dos discos do Servidor falhar, pode-se substituir sem perda de dados. Porém, isto aumenta o tempo de transferência da informação.
  5. 5. RAID 2 – A RAID 2 hoje em dia é considerada obsoleta. Em 1980, nem todas as Drives tinham ‘Automatic Error-checking’, por isso a RAID 2 permitia ligar varios discos, uns com Error-Checking, e outros sêm. RAID 3 – A RAID 3 é uma versão simplificada do RAID 2. Enquanto que a informação é gravada em todos os discos, a Paridade certifica- se que a gravação é feita sem corrupção de bits. Porém, os discos têm de estar todos com a mesma latência rotacional, estando sincronizados. A leitura e escrita são rápidas, mas a sua montagem e preparação são dificeis.
  6. 6. • RAID 4 – O RAID 4 funciona com três ou mais discos iguais. Um dos discos guarda a paridade (uma forma de soma de segurança) da informação contida nos discos. Se algum dos discos avariar, a paridade pode ser imediatamente utilizada para reconstituir o seu conteúdo. Os discos restantes, usados para armazenar dados, são configurados para usarem segmentos suficientemente grandes (tamanho medido em blocos) para acomodar um registro inteiro. Isto permite leituras independentes da informação armazenada, fazendo do RAID 4 uma organização perfeitamente ajustado para ambientes transaccionais que requerem muitas leituras pequenas e simultâneas.
  7. 7. • RAID 5 - O RAID 5 é frequentemente usado e funciona similarmente ao RAID 4, mas supera alguns dos problemas mais comuns sofridos por esse tipo. As informações sobre paridade para os dados da organização são distribuídas ao longo de todos os discos da RAID, ao invés de serem armazenadas num disco dedicado, oferecendo assim mais desempenho que o RAID 4, e, simultaneamente, tolerância a falhas. Para aumentar o desempenho de leitura de uma organização RAID 5, o tamanho de cada segmento em que os dados são divididos pode ser optimizado dependendo dos discos utilizados.
  8. 8. • RAID 1+0 (10) - O RAID 1+0 é uma combinação dos níveis 0 (Striping) e 1 (Mirroring), onde os dados são divididos entre os discos para melhorar o rendimento, mas também utilizam outros discos para duplicar as informações. Assim, é possível utilizar o bom rendimento do nível 0 com a redundância do nível 1. No entanto, é necessário pelo menos 4 discos para montar um RAID desse tipo. Tais características fazem do RAID 1+0 o mais rápido e seguro, porém o mais caro de ser implantado. No RAID 1+0, se um dos discos vier a falhar, o sistema vira um RAID 1.
  9. 9. Backup Backup é o nome que se dá ao processo efectuado de gravação de informação, que têm como objectivo garantir a segurança e integridade do que é gravado. Existem vários tipos de Backup:
  10. 10. • Backup Normal: Um backup normal copia todos os arquivos seleccionados e os marca como arquivos que passaram por backup (ou seja, o atributo de arquivo é desmarcado). Com backups normais, você só precisa da cópia mais recente do arquivo ou da fita de backup para restaurar todos os arquivos. Geralmente, o backup normal é executado quando você cria um conjunto de backup pela primeira vez. • Backup Diferencial: Um backup diferencial copia arquivos criados ou alterados desde o último backup normal ou incremental. Não marca os arquivos como arquivos que passaram por backup (o atributo de arquivo não é desmarcado). Se você estiver executando uma combinação dos backups normal e diferencial, a restauração de arquivos e pastas exigirá o último backup normal e o último backup diferencial. • Backup Incremental: Um backup incremental copia somente os arquivos criados ou alterados desde o último backup normal ou incremental. e os marca como arquivos que passaram por backup (o atributo de arquivo é desmarcado). Se você utilizar uma combinação dos backups normal e incremental, precisará do último conjunto de backup normal e de todos os conjuntos de backups incrementais para restaurar os dados.
  11. 11. Controlo de Riscos no Servidor Visto como os servidores são também máquinas, existem vários métodos para assegurar a integridade e a constante segurança do servidor, para garantir que não exista falhas na eficiência da sua utilização.
  12. 12. • UPS – As UPSs (uninterruptible power supply) é um sistema de alimentação secundário de energia eléctrica que entra em acção, alimentando os dispositivos a ele ligados, quando há interrupção no fornecimento de energia primária.
  13. 13. Módulo ____ – __________________

×