Your SlideShare is downloading. ×
Noções Básicas de Lógica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Noções Básicas de Lógica

43,304
views

Published on

http://historicofilosoficas.blogspot.com

http://historicofilosoficas.blogspot.com

Published in: Education

2 Comments
16 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
43,304
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
14
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
2
Likes
16
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1.  
  • 2.
    • O conceito é a representação mental, universal, de uma realidade. Permite substituí-la quando esta está ausente, pois permite nomeá-la. A expressão material do conceito é o termo , isto é, quando dito ou quando escrito, o conceito passa a termo. Quando falamos em conceito, devemos distinguir a sua extensão e compreensão .
  • 3.
    • A extensão diz respeito ao número de realidades às quais o conceito pode aplicar-se, isto é, é o conjunto ou classe de seres a que o conceito se aplica.
    • A compreensão diz respeito ao conjunto de propriedades que constituem o conceito. Assim, a compreensão de um conceito é o conjunto das propriedades que o caracterizam e são comuns a todos os elementos que formam a sua extensão.
  • 4.
    • Ao pedir-te para organizares por ordem crescente de extensão os conceitos de: Júpiter; Universo; corpo celeste; planeta , a resolução seria: Júpiter; planeta; corpo celeste; Universo .
    • Por exemplo, se te pedir para organizares por ordem crescente de compreensão os seguintes conceitos: alemão; homem; filósofo, Heidegger , a resolução seria: homem; alemão; filósofo; Heidegger.
  • 5.
    • A relação entre a compreensão e a extensão de um conceito varia na ordem inversa, isto é, quanto maior for a extensão de um conceito menor será a sua compreensão e, do mesmo modo, quanto maior for a sua compreensão menor será a sua extensão.
  • 6.
    • O juízo é a operação do pensamento que implica, por parte da razão, a união de pelo menos dois conceitos. É a afirmação ou negação de uma realidade. Materialmente expresso no discurso, o juízo torna-se proposição. A proposição é um juízo escrito ou dito.
  • 7.
    • Aristóteles apresentou-nos as proposições categóricas que são constituídas por dois termos: o sujeito (S) e o predicado (P). A ligação entre estes dois termos faz-se através da cópula (forma do verbo Ser).
  • 8.
    • Aristóteles apresenta-nos uma classificação das proposições quanto à qualidade e quanto à qualidade :
  • 9.  
  • 10.
    • Uma mesma proposição pode ser classificada em função da qualidade e da quantidade. Assim, utilizam-se as quatro primeiras vogais para designar os quatro tipos de proposições. As proposições A e I são afirmativas e as E e O são negativas.
    • Aqui tens uma ajuda para memorizares: A F I RMO e N E G O
  • 11. QUALIDADE Afirmativas Negativas QUANTIDADE Universais A Todo o S é P E Nenhum S é P Particulares I Algum S é P O Algum S não é P
  • 12.
    • O termo sujeito (S) pode referir-se à totalidade da sua extensão (é universal) ou pode referir-se apenas a uma parte da sua extensão (é particular).
    • Quando é tomado em toda a sua extensão, o termo está distribuído, porque a proposição afirma algo sobre cada um dos elementos que o termo designa.
    • O termo sujeito (S) não está distribuído quando não é tomado em toda a sua extensão, porque a proposição não afirma algo sobre cada um dos elementos que o termo designa.
  • 13.
    • EM CONCLUSÃO :
    • O termo sujeito (S) das proposições universais (A e E) está distribuído.
    • O termo sujeito (S) das proposições particulares (I e O) não está distribuído.
  • 14.
    • Vamos passar agora à distribuição do predicado.
    • O predicado está distribuído nas proposições negativas (E e O). Já nas proposições afirmativas (A e I) o predicado não se encontra distribuído.
  • 15.  
  • 16.
    • Fazer uma inferência significa retirar de uma ou mais proposições outras proposições que nelas estejam implícitas. É possível fazer inferências imediatas e mediatas.
    • Inferências imediatas : consistem em extrair de uma premissa conhecida uma ou mais conclusões.
  • 17.
    • Dizemos que duas proposições são opostas quando uma nega e outra afirma o mesmo predicado em relação ao mesmo sujeito, por exemplo, “Todo o homem é mentiroso” opõe-se a “Nenhum homem é mentiroso” .
    • Aristóteles elaborou o chamado Quadrado Lógico da oposição, partindo da distinção entre universal e particular e afirmação e negação.
  • 18.  
  • 19.
    • Pela análise do quadrado lógico, podes verificar o seguinte :
    • Contraditórias são duas proposições que diferem ao mesmo tempo pela quantidade e qualidade (A e O; I e E);
    • Contrárias são duas proposições universais que diferem pela qualidade (A e E);
    • Subcontrárias são duas proposições particulares que diferem pela qualidade (I e O);
    • Subalternas são duas proposições que diferem entre si pela qualidade (A e I; E e O).
  • 20.
    • A dedução é o processo mental que nos permite, partindo de premissas gerais, concluir implicações particulares.
    • Na dedução partimos de uma ou mais proposições conhecidas (antecedentes) e concluímos uma proposição que de algum modo nelas já se incluía.
    • Assim, o conteúdo que se retira da inferência dedutiva já está nas premissas.
    • Se um argumento dedutivo é válido, então significa que as premissas estão de tal modo relacionadas com a conclusão que, se as primeiras são verdadeiras, a conclusão também será verdadeira.
  • 21.
    • A forma mais conhecida do raciocínio dedutivo é o silogismo.
    • Aristóteles definiu o silogismo como o raciocínio segundo o qual das duas primeiras premissas se retira uma conclusão (terceira premissa).
    • Esta forma de dedução, em que a conclusão se infere de dois juízos categóricos, ligados por um termo médio, designa-se por silogismo categórico.
  • 22.
    • Exemplo de um silogismo:
    • Todo o homem é mortal. (Premissa maior)
    • Sócrates é homem. (Premissa menor)
    • Sócrates é mortal. (Conclusão)
    • Neste exemplo, “mortal” é o termo maior – P, predicado da conclusão; “Sócrates” é o termo menor – S, sujeito da conclusão; “homem” é o termo médio – M (estabelece a ligação entre S e P).
  • 23.
    • Para que a inferência seja válida, os termos e as proposições têm que obedecer a determinadas regras. Tradicionalmente, considera-se que um silogismo, para ser válido, deve reger-se por oito regras
  • 24. Regras do Silogismo 1ª O silogismo dever ter três termos: maior, menor e médio. 2ª A conclusão não pode conter o termo médio. 3ª O termo médio deve estar distribuído pelo menos uma vez. 4ª Nenhum termo pode ter maior extensão na conclusão do que nas premissas. 5ª Se duas premissas são negativas, nada se pode concluir delas. 6ª Se duas premissas são afirmativas, não podem gerar uma conclusão negativa. 7ª A conclusão segue sempre a parte mais fraca, isto é, se uma premissa é negativa, a conclusão é negativa, se uma premissa é particular, a conclusão é particular. 8ª Nada se pode concluir de duas premissas particulares.
  • 25.  

×