Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao

15,358 views
15,183 views

Published on

Slides da dsciplina psicopedagogia clinica: avaliação e intervenção ministrada pelo Dr. Sergio Luis dos Santos Lima

1 Comment
13 Likes
Statistics
Notes
  • Gostei do material professor,bastante conteúdo para auxiliar tanto os estudantes como os profissionais!!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
15,358
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
750
Comments
1
Likes
13
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Psicopedagogia clinica institucional: avaliacao e intervencao

  1. 1. Dr. Sergio Luis dos Santos Lima Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  2. 2. Psicopedagogia Clínica e Institucional AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO Dr. Sergio Luis dos Santos Lima sergiolusalima@hotmail.com Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  3. 3. OBJETIVOS promover a reflexão e pensar a atuaçãoescolar visando: detectar, prevenir e ajudar nas dificuldades de aprendizagensLevar o educador a compreender os caminhosmetodológicos do diagnóstico e a realização de avaliações pedagógicas Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  4. 4. PROGRAMAContextualizar o diagnóstico psicopedagógicoConceituar aprendizagemBases teóricas de avaliação pedagógica e psicológicaEtapas da avaliação psicopedagógicaVisões sobre intervenção psicopedagógicaEstratégias de intervençõesPesquisa de instrumentos de intervenções Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  5. 5. Segundo Weiss (2012)...“a clínica psicopedagógica possui uma sequência, um caminho mais ou menos constante perpassando diversas queixas escolares e familiares quanto à baixa produção escolar e/ou a dificuldades de aprendizagem escolar”: 1. Grande exigência familiar e/ou escolar em exercícios, provas, jogos livres, atividades esportivas etc. 2. Impossibilidade de responder à altura do que o próprio aluno espera em relação àquilo que acha que pode realemnet produzir, responder, vencer – envolve a questão da autoestima, do autoconceito Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  6. 6. Sequencia das queixas...3. Ansiedade causada pela frustação de não conseguir o queacha que pode, que sabe – ansiedade agravada pela baixaresistência à frustação4. Aumento gradativo da ansiedade – envolve o fato de pais eprofessores não perceberem o que está acontecendo no iníciodo processo5. Nível de ansiedade insuportável Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  7. 7. Sequencia das queixas...6. Autodefesa em relação a essa grande ansiedade, gerandouma “fuga” da situação ameaçadora pela diminuição do focode atenção, dispersão, fantasiasvariadas, agitação, acarretando a saída do próprio lugar ou dasala de aula, mexida com os colegas mais próximos e outrosmecanismos de defesa Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  8. 8. DiagnósticoPsicopedagógico A compreensão da singularidade do filho e do aluno é que possibilitará a pais e professores a reflexão sobre como estão agindo com ele, como é importante permanecer com certas condutas que dão certo e mudar totalmente outras que agravam a situação Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  9. 9. Objetivo Básico do DP O objetivo básico do diagnóstico psicopedagógico é identificar os desvios e os obstáculos básicos no Modelo de Aprendizagem da pessoa que a impedem de crescer na aprendizagem no nível esperado pelo meio social Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  10. 10. Modelo deAprendizagem Conjunto dinâmico que estrutura os conhecimentos que a pessoa possui, os estilos usados nessa aprendizagem, o ritmo e as áreas de expressão da conduta, a mobilidade e o funcionamento cognitivo, as modalidades de aprendizagem assimilativa e acomodativa e suas distorções Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  11. 11. Aprendizagem Um processo de construção que se dá na interaçãopermanente do sujeito com o meio que o cerca. Meio esse expresso inicialmente pela família, depois pelo acréscimo da escola, ambos permeados pela sociedade em que estão Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  12. 12. Aprendizagem Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  13. 13. Condicionamento Clássico Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  14. 14. Condicionamento operante Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  15. 15. Aprendizagem Pedagogia da Autonomia - FreireZona Proximal de Desenvolvimento – VygotskyAprendizagem Significativa Subsunçores (Teoria de Auzubel) Aprendizagem SituadaPiaget – Estágios do Desenvolvimento Cognitivo Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  16. 16. VygotskyO pensamento verbal não é uma forma de comportamento natural e inata, mas édeterminado por um processo histótico culturalSendo o pensamento sujeito às interferências históricas às quais está o indivíduosubmetido, entende-se que, o processo de aquisição da ortografia, a alfabetização e ouso autônomo da linguagem escrita são resultantes não apenas do processopedagógico de ensino-aprendizagem propriamente dito, mas das relações subjacentesa istoVygotsky diz ainda que o pensamento propriamente dito é gerado pelamotivação, isto é, por nossos desejos e necessidades, nossosinteresses e emoções. Por trás de cada pensamento há uma tendênciaafetivo-volitiva. Uma compreensão plena e verdadeira do pensamento de outrem só épossível quando entendemos sua base afetivo-volutiva (Vygotsky, 1991 p. 101)É necessário fazer uma análise do contexto emocional, das relações afetivas, do modocomo a pessoa está situada historicamente no mundo Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  17. 17. Vygotsky demonstrou a importância da integração social, como fonte do conhecimento. A teoria se baseia na interação do indivíduo com o meio social, onde, ele pode avançar além de seu desenvolvimento atual coma ajuda de outros indivíduos. Descreve dois níveis de desenvolvimento, denominados desenvolvimento real e desenvolvimento potencial. O desenvolvimento real é aquele que já foi consolidado pelo indivíduo, de forma a torná-lo capaz de resolver situações utilizando seu conhecimento de forma autônoma. O desenvolvimento potencial é aquele que o sujeito poderá construir com o auxílio de outros. Assim a Zona de Desenvolvimento Proximal define a distância entre o nível de desenvolvimento real, determinado pela capacidade de resolver um problema sem ajuda, e o nível de desenvolvimento potencial,determinado por meio de resolução de um problema sob a orientação de um profissional ou em colaboração com outro companheiro Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  18. 18. PiagetAssimilação: É o processo cognitivo de colocar (classificar) novos eventos em esquemas existentes. É a incorporação de elementos do meio externo (objeto, acontecimento, ...) a um esquema ou estrutura do sujeito. Em outras palavras, é o processo pelo qual o indivíduo cognitivamente capta o ambiente e o organiza possibilitando, assim, a ampliação de seus esquemas. Na assimilação o indivíduo usa as estruturas que já possui Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  19. 19. PiagetAcomodação: É a modificação de um esquema ou de uma estrutura em função das particularidades do objeto a ser assimilado A acomodação pode ser de duas formas, visto que se pode ter duas alternativas: Criar um novo esquema no qual se possa encaixar o novo estímulo, ou Modificar um já existente de modo que o estímulo possa ser incluído nele Após ter havido a acomodação, a criança tenta novamente encaixar o estímulo Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  20. 20. Piaget – Teoria do Desenvolvimento CognitivoEstágio Sensório-motor (0-2 anos) • Confiam em seus sistemas sensoriais e motores • O pensamento da criança é em grande parte confinado à ação • Não há Representação Mental / Pensamento Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  21. 21. Piaget – Teoria do Desenvolvimento Cognitivo Estágio Pré-Operacional (2-7 anos) • Apreensão dos símbolos – Inteligência Simbólica • Pensamento egocêntrico • Tende a ver o mundo, em grande parte, de suas próprias perspectivas • Não aceita a idéia do acaso e tudo deve ter um porque • Encontram dificuldades em se colocarem no lugar dos outros e compreender pontos de vistas alternativoMostra-se para a criança, duas bolinhas de massa iguais e dá-se a uma delas a forma desalsicha. A criança nega que a quantidade de massa continue igual, pois as formas sãodiferentes. Não relaciona as situações Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  22. 22. Piaget – Teoria do Desenvolvimento Cognitivo Estágio das Operações Concretas (7-11 anos) • Param de confiar tão fortemente em informação sensorial e passam a confiar na razão • Raciocínio procedural - Se... logo • Capacidade cognitiva aumenta (categorização) • neste estágio a criança desenvolve noções de tempo, espaço, velocidade, ordem, casualidade • Ainda não são capazes de lidar racionalmente com idéias abstratas Despeja-se a água de dois copos em outros, de formatos diferentes, para que a criançadiga se as quantidades continuam iguais. A resposta é afirmativa uma vez que a criança já diferencia aspectos e é capaz de "refazer" a ação Dr. Sergio Luis dos Santos Lima 61 9286-8418 Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  23. 23. Piaget – Teoria do Desenvolvimento Cognitivo Estágio Operações Formais • Pensa a respeito do pensamentoSe pede a criança para analisar um provérbio, por exemplo: "de grão em grão, a galinha enche o papo", a criança já trabalhará com a lógica da idéia (metáfora) e não com a imagem de uma galinha comendo grãos Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  24. 24. Pedagogia da Autonomia• Pedagogia da Autonomia deve estar centrada em experiências estimuladoras da decisão, da responsabilidade, ou seja, em experiência respeitosas da liberdade. O professor como ser político, emotivo, pensante não pode ser imparcial em suas atitudes, deve sempre mostrar o que pensa, apontando diferentes caminhos, evitando conclusões, para que o aluno procure a qual acredita, com suas explicações, se responsabilizando pelas consequências e construindo assim sua autonomia. Deste modo, destaca-se que somente quem sabe escutar é que aprende a falar com os alunos Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  25. 25. O Ensinar Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  26. 26. Aprendizagem SignificativaOs novos conhecimentos que se adquirem relacionam-se com o conhecimento prévio que o aluno possui. Ausubel define este conhecimento prévio como “conceito subsunçor” ou simplesmente "subsunçor". Os subsunçores são estruturas de conhecimento específicos que podem ser mais ou menos abrangentes de acordo com a freqüência com que ocorre aprendizagem significativa em conjunto com um dado subsunçor. Aaprendizagem significativa ocorre quando a nova informação ancora-se em conceitos relevantes (subsunçores) preexistentes na estrutura cognitivado aprendiz. A ocorrência da aprendizagem significativa implica no crescimento e modificação do conceito subsunçor. A partir de um conceito geral (jáincorporado pelo aluno) o conhecimento pode ser construído de modo a liga-lo com novos conceitos facilitando a compreensão das novas informações o que dá significado real ao conhecimento adquirido. As idéias novas só podem ser aprendidas e retidas de maneira útil caso se refiram a conceitos e proposições já disponíveis, que proporcionam as âncoras conceituais. Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  27. 27. Dificuldades deAprendizagem As dificuldades de aprendizagem são decorrentes de alterações estruturais, mentais, emocionais ou neurológicas que repercutem nos processos de aquisição, construção e desenvolvimento das funções cognitivas Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  28. 28. O fracasso escolar... Resposta insuficiente do aluno a uma exigência ou demanda da escola. Essa questão deve ser analisada e estudada por diferentes perspectivas: a da sociedade, a da escola e a do aluno Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  29. 29. Pontuando ...O fracasso escolar deve ser levada em conta, não literalmente comofracasso, mas como desafio e ser enfrentado, e ao se trabalhar essefracasso, trabalha-se respectivamente a dificuldades inerentes e existentes navida, dando oportunidade à pessoa de ser independente e de reconstruir-seA aprendizagem não deve ser imposta e sim mediadaÉ necessário levar em conta os efeitos emocionais que o fracasso escolaracarreta, se faz necessário para a pessoa um suporte humano e apoiadorDeve-se reconhecer que o fracasso escolar faz parte de um sistema Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  30. 30. Pontuando ...Só conseguiremos mediar o fracasso na escola, quando fizermos daaprendizagem um processo significativo, no qual o conhecimento a seraprendido e apreendido faça algum sentido para o aluno não somente na suaexistência educacional como também na sua vida cotidianaÉ consensual a necessidade de se identificar e prevenir o mais precocementepossível a dificuldade de desenvolvimento cognitivo de uma pessoa, depreferência ainda na pré-escola Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  31. 31. Fracasso escolarÉ causado por uma conjugação de fatores interligados que impedem o bom desempenho do aluno Escola Fracasso Escolar Sociedade Aluno Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  32. 32. Fracasso escolar...deve ser percebido como desafios e serem enfrentados, e ao se trabalhar essas dificuldades, trabalha-se respectivamente adificuldades existentes na vida, dando oportunidade a pessoa de ser independente e de reconstruir-se É consensual a necessidade de se identificar e prevenir o mais precocemente possível, de preferência ainda na pré-escolasó conseguiremos mediar o fracasso escolar quando fizermos daaprendizagem um processo significativo, no qual o conhecimentoa ser aprendido e apreendido faça algum sentido para o aluno nãosomente na sua existência educacional como também na sua vida cotidiana Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  33. 33. Pichon-Rivière...Contribuiu para a compreensão das dificuldades de aprendizagem resultantes de ansiedades vividaspelo estudante no momento em que se vê colocado em situação de aprendizagem nova Medo à perda – teme perder o equilíbrio emocional obtido com a segurança que possui no domínio dos conhecimentos anteriores, já integrados Medo ao ataque – surge quando não se sente devidamente instrumentadona situação nova que está vivendo Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  34. 34. Pichon-Rivière...complementa o conceito desses dois “medos” propondo a análise de 3 momentos sequenciais1º momento confusional Todo início, desarrumação2º momento de discriminação separação e procura dos lugares dentro dos conhecimentos já integrados anteriormente para colocar e relacionar o conhecimento novo3º momento de integração Integração do conhecimento novo a tudo o que o sujeito já sabe, a tudo que realmente já aprendeu. Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  35. 35. Aspectos básicos de investigação Aspectos básicos de investigação 1. Aspectos Orgânicos 2. Aspectos Cognitivos 3. Aspectos Emocionais 4. Aspectos Sociais 5. Aspectos Pedagógicos Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  36. 36. Aspectos básicos de investigação 1. Aspectos orgânicos • Relacionados à construção biofisiológica do aluno 2. Aspectos cognitivos • As estruturas cogniscivas em seus diferentes domínios 3. Aspectos emocionais • Aspectos ligados ao desenvolvimento afetivo • Remete aos aspectos inconscientes Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  37. 37. Influência dos eventos psíquicos Fenômeno: dissociação do campo de conduta Para Françoise Dolto, são “saídas do inconsciente e precisam ser interpretadas e colocadas em seu devido 1. Aspectos orgânicos 2. Aspectos cognitivos lugar” 3. Aspectos emocionais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  38. 38. Melanie Klein 1. Aspectos orgânicos 2. Aspectos cognitivos 3. Aspectos emocionais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  39. 39. KleinPerspectiva Relacional da Psicanálise 1. Aspectos orgânicos 2. Aspectos cognitivos 3. Aspectos emocionais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  40. 40. Klein Perspectiva RelacionalComo as crianças começam a pensar e a representar outras pessoas (na própria mente)Como as crianças começam a pensar e a representar outras pessoas (na 1. Aspectos orgânicos 2. Aspectos cognitivos própria mente) 3. Aspectos emocionais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  41. 41. Klein Examinou padrões no início da infância, como areação de um bebê quando é tirado do seio da mãe depois de amamentado O seio é a grande fonte de satisfação do bebêPortanto, quando essa fonte é removida, o bebê de alguma forma culpa a mãe 1. Aspectos orgânicos 2. Aspectos cognitivos 3. Aspectos emocionais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  42. 42. Klein Ambivalência: presença simultânea, na relaçãocom um mesmo objeto, de tendências, de atitudes e de sentimentos opostos, fundamentalmente o amor e o ódioamamos e odiamos ao mesmo tempo as pessoas que nos são mais íntimas 1. Aspectos orgânicos 2. Aspectos cognitivos 3. Aspectos emocionais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  43. 43. Klein Este Conflito é solucionado quando o bebê passa a compreender que o amor da mãe não é apenas o seio dela Há uma diferenciação e uma compreensão mais profunda Este princípio de compreensão para com os outrosestabelece o padrão das relações futuras com outras pessoas 1. Aspectos orgânicos 2. Aspectos cognitivos 3. Aspectos emocionais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  44. 44. Klein LudoterapiaCom a Capoeira as criançasresolvem afetos e conflitos inconscientes 1. Aspectos orgânicos 2. Aspectos cognitivos 3. Aspectos emocionais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  45. 45. Dimensões Imaginário Simbólico Real 1. Aspectos orgânicos 2. Aspectos cognitivos 3. Aspectos emocionais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  46. 46. Psicopatologia - Nosologia PSICOSE NEUROSE Perversão Psicopatias 1. Aspectos orgânicos 2. Aspectos cognitivos 3. Aspectos emocionais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  47. 47. Aspectos básicos não se pretende classificar o paciente em determinadas categorias nosológicas, mas sim obter uma compreensão global da sua forma de aprender e dos desvios que estão ocorrendo nesse processo 1. Aspectos orgânicos 2. Aspectos cognitivos 3. Aspectos emocionais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  48. 48. Aspectos básicos de investigação 1. Aspectos orgânicos • Relacionados à construção biofisiológica do aluno 2. Aspectos cognitivos • As estruturas cogniscivas em seus diferentes domínios 3. Aspectos emocionais • Aspectos ligados ao desenvolvimento afetivo • Remete aos aspectos inconscientes Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  49. 49. Aspectos básicos de investigação 4. Aspectos sociais • referem-se a família e a escola. A cultura e a sociedade 5. Aspectos pedagógicos Metodologia de ensino, à avaliação, à dosagem de informações, à estruturação de turmas, à organização geral etc. Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  50. 50. Aspectos Básicos do Diagnóstico Todo Diagnóstico Psicopedagógico é, em si, uma investigação, umapesquisa do que não vai bem com a pessoa em relação a uma conduta Portanto é o esclarecimento de uma queixa do próprio sujeito, da família e na maioria das vezes, da escola SINTOMA Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  51. 51. Psicanálise Pulsão de Vida x Pulsão de Morte Princípios que regem o funcionamento mental Freud: representação coisa (visual) – Ics representação palavra (acústica) – PCs-Cs 2ª Tópica de Freud: ID – EGO - SUPEREGO Recalque da representação e Repressão do afeto SINTOMA Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  52. 52. Representação Mental do Conhecimento Histórico - Filosofia Designa aquilo que representa, o que forma o conteúdo concreto de um ato de pensamento e, em especial, a reprodução de uma percepção anterior SINTOMAFonte: LALANDE (1995) Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  53. 53. Representação Mental do Conhecimento SINTOMA Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  54. 54. CogniçãoConjunto de atividades e processos pelos quais um organismo adquire informação e desenvolve conhecimentosMecanismos mentais que agem Processos Cognitivos:sobre a informação memória, categorização, atençãsensorial, buscando a sua o, resolução deinterpretação, classificação e problemas, tomadas deorganização decisão, tipos de raciocínio, linguagem SINTOMA Cognição é o processo de conhecer Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  55. 55. Processo Informação Cognitivo recebida (BIT/seg) Recepção sensorial 1.000.000.000 Conexões nervosas 3.000.000 Consciência 16 Armazenamento permanente 0,7 SINTOMAFonte: Velásquez, Losano e Escalante (1995) Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  56. 56. em toda a moral efetiva elaboram-se certos princípios, valores ou normas ... todo ato moral inclui a necessidade de escolher entre vários atos possíveis as escolhas não existem a priori, instalam-se na relação entre o desejo e uma ação devem basear-se numa preferência Essa preferência deve-se porque os atos se apresentam como atos valiosos (valor que atribuímos às coisas e aos objetos) como atos de valor moral (valor com respeito à conduta humana) SINTOMA Para Sartre (1970), a pessoa se faz escolhendo a sua moral Depende da pessoa o sentido que ela dá à vida, e o valor nada mais é do que esse sentido escolhidoFonte: Vasquez (2006) Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  57. 57. Teoria dos Valores Schwartz (2005)Identifica as principais características dos Valores de cinco formas: 1 Valores são crenças Crenças intrinsecamente ligadas a emoção e não a idéias. Quando os valores são ativados, conscientemente ou não, eliciam sentimentos positivos e negativos 2 Valores são um construto motivacional Referem-se a objetivos desejáveis que as pessoas se esforçam por obter 3 São transituacionais SINTOMA São objetivos abstratos 4 Guiam a seleção e avaliação de açõe, políticas, pessoas e eventos Crenças intrinsecamente ligadas a emoção e não a idéias. Quando os valores são ativados, conscientemente ou não, eliciam atitudes 5 São ordenados pela importância relativa aos demais Os Valores das pessoas formam um sistema ordenado de prioridades axiológicas que as caracteriza como indivíduos Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  58. 58. Valor é um conceitomultidimensional, composto por distintos significados Searle (2000) chave para compreensão do significado o significado é uma forma de “intencionalidade derivada” A intencionalidade original (ou intrínseca) da representação mental da pessoa é transferida para o objeto SINTOMA Caso o serviço/produto seja significativo, o objeto passa a ter uma intencionalidade derivada da representação mental. A representação não tem apenas um significado convencional, mas também um significado desejado pela pessoa Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  59. 59. Representação Mental do Conhecimento A noção de representação pode ser entendida tanto num sentido técnico, quanto num sentido psicológico e num semiológico representação é como um conjunto de propriedades, relações e Sentido Psicológico valores ligados a um objeto do pensamento Sentido Técnico é a expressão de um conhecimento por meio de um sistema de signos SINTOMA a representação é a relação entre o Sentido Semiológico significante de um signo e seu objetoFonte: LE-NY (1994) Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  60. 60. O conceito de sintoma em Psicanálise Pulsão de Vida x Pulsão de Morte Princípios que regem o funcionamento mental Freud: representação coisa (visual) – Ics representação palavra (acústica) – PCs-Cs 2ª Tópica de Freud: ID – EGO - SUPEREGO Recalque da representação e Repressão do afeto Clivagem da Representação Dois caminhos distintos de SINTOMA tratamento da informação Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  61. 61. O conceito de sintoma em Psicanálise Pulsão de Vida x Pulsão de Morte Princípios que regem o funcionamento mental Freud: representação coisa (visual) – Ics representação palavra (acústica) – PCs-Cs 2ª Tópica de Freud: ID – EGO - SUPEREGO Recalque da representação e Repressão do afeto Representação SINTOMA substitutiva SINTOMA Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  62. 62. Psicanálise Imagos Parentais Resoluções do Complexo de Édipo Compulsão à Repetição Método Psicanalítico: “recordar, repetir e elaborar” SINTOMA Resistência Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  63. 63. Psicanálise O Normal O Saudável O Ideal O Sublimado SINTOMA O Pathos Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  64. 64. Multicausalidade Psíquica • Fenômenos do tipo experiência e rendimento e suas disposições psicológicas • Conceito psicanalítico essencial: representação Biológica • Fenômenos do tipo autoconservação e reprodução repercutindo em outros fenômenos e suas disposições biológicas • Conceito psicanalítico essencial: pulsão SINTOMA Social • Fenômenos do tipo mediação e interação e suas disposições sociológicas • Conceito psicanalítico essencial: objeto Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  65. 65. Psicopatologia - Nosologia PSICOSE NEUROSE Perversão Psicopatias SINTOMA Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  66. 66. Desenvolvimento Psicossexual Fase Oral Fase Anal Fase Fálica SINTOMA Fase Latência Fase Genital Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  67. 67. Desenvolvimento da Libido e Nosologia IDADE Estágios da Organização Estágios evolutivos de Nosologia da Libido relação objetal 1 Oral Primária Anobjetal Esquizofrenia 2 Oral tardio Incorporação total do objeto Melancolia - Maniaxxxxxxxxxxxxxxxxx Linha Divisória entre Estágios pré-genitais e genitais xxxxxxxxxxxx 3 Sádico anal primário Ligação objetal com Paranóia incorporação 4 Sádico anal secundário Ligação objetal parcial Neurose obsessiva 5-6 Fálica Ligação objetal com Histeria exclusão genital SINTOMA 7 a 10 Latência Inibição dos objetivos sexuais 11 Genital Amor Objetal Normalidade Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  68. 68. Aspectos Básicos do Diagnóstico Sempre “diz alguma coisa”; se comunica, e “sobre o SINTOMA sintoma sempre se pode dizer algo Sintoma é o que emerge da personalidade em interação com o sistema social em que a pessoa está inserida Refere-se a certo tipo de desvio. Desvio em relação a quê? Parâmetros, que vão definir a qualidade e a quantidade do desvio e sua importância no desenvolvimento da escolaridadeVygotsky Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  69. 69. Aspectos Básicos do Diagnóstico PARÂMETROS Formação Classe Idade cultural socioeconômica Exigência Exigência familiar escolarWeiss Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  70. 70. Aspectos Básicos do Diagnóstico PARÂMETROS Relação entreconteúdos escolares Exigências escolares Psicogênese da e desenvolvimento durante a leitura e da escrita de estruturas do alfabetização pensamento Outros parâmetros Desenvolvimento que dependerão do biopsicológico contexto ensino- aprendizagemWeiss Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  71. 71. Início do Diagnóstico Psicopedagógico Eixo Vertical Eixo Horizontal (a-histórico): X Visão do presente Eixo Horizontal “aqui, agora, comigo” Eixo Vertical: (histórico) Visão do passadoVisão da construção da pessoa Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  72. 72. Início do Diagnóstico Psicopedagógico Eixo Horizontal Entrevista Familiar Exploratória Situacional - EFES Entrevistas com toda família, incluindo o paciente e os irmãos Entrevista Operativa Centrada na Aprendizagem - EOCA Sessões Lúdicas Centradas na Aprendizagem Provas e testes diversos Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  73. 73. Início do Diagnóstico Psicopedagógico Eixo Horizontal Diagnóstico Operatório Entrevistas com a equipe da escola e com outros profissionais Análise da produção da pessoa fora do setting (provas, desenhos, material escolar, ...Weiss Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  74. 74. EFESEntrevista com os pais e o cliente para uma sessão conjunta de 50 minutos Estabeleça um clima de confiança para que haja alivre circulação de sentimentos e informações a fim de que possam fazer observações como:1. Se há diálogo livre entre os tres; se um respeita a opinião do outro, dando-lhe tempo pra falar; e se o desacordo pode ser explicitado Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  75. 75. EFES 2. Se os pais permitem as interrupções da criança ou adolescente, deixando-o discordar, acrescentar ou modificar fatos por eles relatados 3. Se apenas um dos pais fala, impedindo a expressão dorestante da família. Nesse caso, é fundamental que o terapeuta peça a opinião de todos, ao mesmo tempo que percebe com o se estrutura a definição de limites na família 4. O tipo de vínculo que os pais fazem como casal e com o terapeuta; vínculos pai-paciente e mãe-paciente Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  76. 76. EFES5. Se há fantasias de saúde ou de doença no grupo que estejam misturadas com a queixa 6. Qual é o nível de ansiedade expresso por meio de dadoscomo: pedido de urgência no atendimento e solicitação de umafrequência excessiva de sessões ou de horários inadequados 7. Qual o conhecimento que o paciente tem do motivo do diagnóstico e como lhe foi explicada a ida ao consultório Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  77. 77. EFES 8. Como o grupo compreende a explicação sobre o que é umaavaliação psicopedagógica, as técnicas utilizadas, a necessidade dos contatos que serão feitos com a escola e outros profissionais 9. Que aspectos escolhem para começar a expor a situação10. Qual é o “significado” do sintoma para a família e na família Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  78. 78. Início do Diagnóstico Psicopedagógico Eixo Vertical Família Família Família Paterna Nuclear MaternaWeiss Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  79. 79. Início do Diagnóstico Psicopedagógico Eixo Vertical Anamnese com familia, com a escola e outros profissionais Análise documental (laudos, relatórios escolares, albuns fotográficos, registros, ...)Weiss Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  80. 80. AnamneseIdentificação:Nome:Idade: Sexo: Profissão: Estado Civil:Pai:Mãe:Esposa(o):Irmãos:a) Idade: Profissão: Sexo:b) Idade: Profissão: Sexo:c) Idade: Profissão: Sexo: Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  81. 81. AnamneseMotivo da Consulta:Enfermidade Atual:Tempo: Forma de Início: Sintomas Principais [descrição]:Sintomas Secundários [descrição]: Antecedentes Clínicos:Recursos usados anteriormente:História Pessoal:Gestação: Infância: Escolaridade: Adolescência e Juventude:Sexualidade: Hábitos e interesses sociais: Atitudes:História sócioeconômica e ocupacional:CID:Observações: Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  82. 82. AnamneseCaracterísticas Gerais Observadas Durante a Consulta Descrição Física Vestimenta Cuidado Pessoal Estado de Nutrição Características Antropomórficas Outros Consciência e Nível de Alerta Estados Emocionais Motricidade Condutas Sociais [durante a sessão] Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  83. 83. AnamneseConteúdos EspecíficosExploração dos Processos Cognitivos: Atenção e Concentração Atenção (intensidade): Atenção (limiar): Atenção (seletiva): Concentração Outros Processos Perceptuais Visual (objetivos, cores, símbolos): Auditivo (som, ruídos): Tátil (concentração exterior e objetivos): Alucinações (especificar o tipo): Outros: Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  84. 84. AnamneseOrientação Espacial e Temporal Esquema Corporal (direita, esquerda, etc): Topográfico (lugares): Coordenadas espaciais (acima, abaixo, etc): Orientação Simbólica (p, d, q, b, 6, 9): Temporal (dia, mês, ano, etc): Pessoas: Outros:Memória Retenção: Consolidação: Recordação: Outros: Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  85. 85. AnamnesePensamento e Linguagem [curso] Pensamento: conteúdo: forma: Linguagem: compreensão: expressão: outros (idéias suicidas etc.): Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  86. 86. AnamneseExploração dos Estados Emocionais:Apatia:Irritabilidade:Impulsividade:Afetividade:Auto-estima:Euforia:Moralidade:Religiosidade:Depressão:Outros (labilidade, agressividade etc.): Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  87. 87. AnamneseExploração das Atitudes Sociais (familiar, trabalho,amizades, etc.)Exames Complementares (psiquiátricos, clínicos, neurológicos, H.I.V. etc.)MedicaçãoEstá sob medicação? Quais:Dosagem:Parecer Psicopedagógico e EstratégiasEvolução Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  88. 88. DiagnósticoPsicopedagógico Outros aspectos importantes: Flexibilidade Procedimental • Cada pessoa em exame representa um caminho próprio que deve ser descoberto e respeitado pelo psicopedagogo Sucesso • Reside na competência e sensibilidade do psicopedagogo em explorar a multiciplicidade de aspectos revelados em cada situação e não no grande número de instrumentos utilizados Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  89. 89. EtapasQuando o psicopedagogo consegue chegar ao esboço do Modelo de Aprendizagem dapessoa, ele já atingiu um nível de integração dos dados obtidos que lhe permite refletir e expor hipóteses sobre a causalidade do problema de aprendizagem e/ou fracasso escolar Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  90. 90. Objetivo Básico do DP O objetivo básico do diagnóstico psicopedagógico é identificar os desvios e os obstáculos básicos no Modelo de Aprendizagem da pessoa que a impedem de crescer na aprendizagem no nível esperado pelo meio socialWeiss Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  91. 91. Etapas da Sequencia Diagnóstica Modelo de Aprendizagem Prognóstico DevoluçãoWeiss Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  92. 92. Semelhança Processo do Aconselhamento ~Psicodiagnóstico = Psicológico Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  93. 93. Semelhança Processo do Aconselhamento ~Psicodiagnóstico = Psicológico O processo em si já é terapêutico Limite no numero de sessões Transferência / Contratransferência Supervisão Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  94. 94. Sintetizando ... É fundamental, durante a explicitação da queixa, iniciar a reflexão sobre as duas vertentes de problemas escolares: a pessoa e sua familia e a própria escola em suas múltiplas facetas, para definir a sequência diagnóstica mais adequada bem como as técnicas a serem utilizadasWeiss Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  95. 95. Sequencia Diagnóstica 1. Sequência Weiss Entrevista Familiar Exploratória Situacional - EFES Entrevistas de Anamnese Sessões Lúdicas Centradas na Aprendizagem (para crianças) Complementação com provas e testes (quando for necessário) Sintese Diagnóstica - Prognóstico Entrevista de Devolução e Encaminhamento Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  96. 96. Sequencia Diagnóstica 1. Sequência Weiss Modificações comuns de acontecer: Com pais separados e incompatibilizados: 2 anamneses iniciais Adolescentes que desejam o primeiro contato sozinhos Anamnese inicial sempre que há dúvidas em relação a diagnósticos anteriores, ou o paciente esteve ou está com outros profissionais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  97. 97. Sequencia Diagnóstica 2. Sequência Tradicional Entrevistas de Anamnese (história do caso) Testagem e provas pedagógicas (exames) Laudo (síntese das conclusões e prognóstico) Devolução (verbalização do laudo) ao paciente e/ou aos pais Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  98. 98. Sequencia Diagnóstica 3. Sequência Jorge Visca 1. Entrevista Operativa Centrada na aprendizagem (EOCA) levantamento do primeiro sistema de hipóteses com definição de linhas de investigação e escolha de instrumentos 2. Testes levantamento do segundo sistema de hipóteses com definição de linhas de investigação 3. Anamnese levantamento do segundo sistema de hipóteses com definição de linhas de investigação Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  99. 99. Sequencia Diagnóstica 3. Sequência Jorge Visca 4. Elaboração de informe psicopedagógico Elaboração de uma imagem da pessoa que articula a aprendizagem com os aspectos energéticos e estruturais; formulação escrita de uma hipótese a comprovar 5. Devolução aos pais e/ou paciente E em momento posterior, devolver, de forma restrita, o que for de interesse para a escola Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  100. 100. Sequencia Diagnóstica 3. Sequência Jorge Visca Modificações comuns de acontecer: Pacientes que não aceitam sessões diagnósticas formais -> avalia-se ao longo do próprio processo terapêutico Caso seja criança -> ludodiagnóstico centradas na aprendizagem, objetivando concomitantemente aspectos afetivo- sociais, cognitivos, corporais e pedagógicos Pontua-se: não há fronteiras formais entre diagnóstico e tratamento, como analisamos. A separação é operacional (Institucional) Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  101. 101. Carl Jung Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  102. 102. MUITO OBRIGADO!!! MUITO OBRIGADO a Vocês!!! Dr. Sergio Luis dos Santos Lima sergiolusalima@hotmail.com Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  103. 103. ReferênciasLOPES, M. Psicodiagnóstico: processo de intervenção. São Paulo: Cortez, 1995MONTEIRO, R. Jogos dramáticos. São Paulo: Ágora, 1994O CAMPO, M. et. al. O Processo Diagnóstico e as técnicas projetivas. SãoPaulo: Martins Fontes, 1984PAÍN, S. Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem. PortoAlegre: Artes Médicas, 1995WEISS, Maria Lúcia Lemme. Psicopedagogia clínica: uma visão diagnóstica dosproblemas de aprendizagem escolar. 14 ed. Re. Ampl. Rio de Janeiro:Lamparina, 2012 Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  104. 104. ReferênciasBEAUCLAIR, João. O que é a Psicopedagogia?. Rio de Janeiro, 2004, disponívelem: http://www.psicopedagogia.com.br/entrevistas/entrevista.asp?entrID=98FREIRE. P. Pedagogia da autonomia, 27 ed, São Paulo: Paz e Terra, 2003.FREIRE. P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 2 ed. São Paulo:Olho dágua, 1993.MOOJEN, S. Dificuldades ou transtornos de aprendizagem? In: Rubinstein, E.(Org.). Psicopedagogia: uma prática, diferentes estilos. São Paulo: Casa doPsicólogo, 1999RUBISTEIN, E. A especificidade do diagnóstico psicopedagógico. In: SISTO, F. etal. Atuação psicopedagógica e aprendizagem escolar. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996STERNBERG, R.J. Psicologia Cognitiva. Porto Alegre: Ed. ArtMed, 2000 Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  105. 105. PROGRAMAContextualizar o diagnóstico psicopedagógicoConceituar aprendizagemBases teóricas de avaliação pedagógica e psicológicaEtapas da avaliação psicopedagógicaVisões sobre intervenção psicopedagógicaEstratégias de intervençõesPesquisa de instrumentos de intervenções Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  106. 106. OBJETIVOS promover a reflexão e pensar a atuaçãoescolar visando: detectar, prevenir e ajudar nas dificuldades de aprendizagensLevar o educador a compreender os caminhosmetodológicos do diagnóstico e a realização de avaliações pedagógicas Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  107. 107. Psicopedagogia Clínica e Institucional AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO Dr. Sergio Luis dos Santos Lima sergiolusalima@hotmail.com Dr. Sergio Luis dos Santos Lima
  108. 108. Dr. Sergio Luis dos Santos Lima Dr. Sergio Luis dos Santos Lima

×