• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Defesa do Mestrado
 

Defesa do Mestrado

on

  • 949 views

Objetivos:...

Objetivos:
Verificar em que situações a competência do eleitor encontra limites
Identificar as estratégias operatórias empregadas pelos eleitores para responder às exigências das tarefas;
Analisar as propriedades físicas e gráficas que estruturam a organização e apresentação das informações;
Identificar técnicas de avaliação de interfaces
Fornecer subsídios ao TSE para realização de uma pesquisa abrangente em todo o território nacional;
Formular questões que visem compreender melhor o processo de interação Pessoa-Artefato Tecnológico;
Propor recomendações para otimização da interação.

Statistics

Views

Total Views
949
Views on SlideShare
949
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • Apresentação dos conceitos: Critérios Ergonômicos para Interfaces Usuário-Computador Apresentação de Trabalho Prático: INTERFACE USUÁRIO-COMPUTADOR - ANÁLISE ERGONÔMICA DE UM TERMINAL DE AUTO-ATENDIMENTO (segue em anexo resumo do trabalho)

Defesa do Mestrado Defesa do Mestrado Presentation Transcript

  • A Ergonomia Cognitiva e a Interação Pessoa-Computador: Análise Ergonômica da Urna Eletrônica 2002 e do Módulo de Impressão Eletrônico. Sérgio Luis dos Santos Lima Defesa de Dissertação 22/12/2003
  • Problema e contexto da pesquisa
    • Brasil – Processo Eletrônico de Votação
    • Eleição indireta EUA
    • Estudos com interação TEB-Usuários
    • Aplicação em larga escala
  • Objetivo Geral
    • Avaliar a usabilidade da URNA ELETRÔNICA 2002 e do MÓDULO DE IMPRESSÃO ELETRÔNICO - MIE
  • Objetivos Específicos
    • Verificar em que situações a competência do eleitor encontra limites
    • Identificar as estratégias operatórias empregadas pelos eleitores para responder às exigências das tarefas;
    • Analisar as propriedades físicas e gráficas que estruturam a organização e apresentação das informações;
    • Identificar técnicas de avaliação de interfaces
  • Objetivos Específicos
    • Fornecer subsídios ao TSE para realização de uma pesquisa abrangente em todo o território nacional;
    • Formular questões que visem compreender melhor o processo de interação Pessoa-Artefato Tecnológico;
    • Propor recomendações para otimização da interação.
  • Importância
    • Carência de estudos
      • Compreensão das principais dificuldades na interação
    • Rejeição – uso inadequado – operações incorretas que podem demandar tempo ou enviesar voto.
    • Proposta de otimização da UE
    • Identificação das estratégias e dos modos operatórios para realizar uma pesquisa uniforme em todo o país.
  • Hipóteses de Estudo
    • H1 – “O Módulo de Impressão Eletrônico - MIE será ignorado pelo eleitor quando em votação”;
    • H2 – “A estratégia operatória proposta pelo TSE é eficiente diminuindo conflitos de interação com a Urna Eletrônica”;
    • H3 – “Pessoas que possuem mais familiaridade com outros artefatos tecnológicos possuirão uma interação mais rápida com a Urna Eletrônica”.
  • Limitação do Estudo
    • Amostra
    • Lei 4.737 - Código Eleitoral
    • Art. 103 – voto secreto
    • cabine indevassável.
  • Estrutura da Apresentação
    • Introdução
    • Referencial Teórico
    • Trajetória Metodológica
    • Apresentação e Discussão dos Resultados
    • Conclusões e Recomendações
  • UE - Introdução
    • A Urna Eletrônica começou a ser implantada em 1996 em 57 municípios
    • No ano de 1998 em 537 municípios
    • No ano de 2000, 100% do eleitorado brasileiro utilizou-se da urna eletrônica
    • Novidades
  • UE2002 / MIE
  • MIE - Introdução
    • Ministro Nelson Jobim - a intenção da Justiça Eleitoral é garantir o voto impresso em todas as urnas eletrônicas até o ano de 2008, sendo o pleito de 2002 um teste e a partir de 2004 como uma obrigatoriedade. (Silva, 2002).
    • Finalidade: “ É uma forma de aumentar a transparência do processo e trazer tranqüilidade para toda a população.”
    • Características
  • Referencial Teórico
    • Ergonomia
      • Ergonomia Cognitiva
      • Ergonomia de Software
            • Usabilidade
  • Abordagem Metodológica – Procedimentos
    • AET – Análise Ergonômica do Trabalho
    • Guérin e cols (2001)
    • Etapa 1 – Análise da Demanda
    • P/ Delimitação do problema:
      • (1) Análise Contextual e Documental;
      • (2) Entrevistas com profissionais do Tribunal Superior Eleitoral – TSE, profissionais do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal – TRE/DF;
      • (3) Observações globais da interação eleitor-urna eletrônica.
  • Abordagem Metodológica – Procedimentos
    • Etapa 2 – Análise da Tarefa Intrínseca
      • Orientada para as características técnicas e funcionais da interface em termos de coerência interna de funcionamento.
    • (1) Avaliação Heurística;
    • 5 especialistas – Alexandre Silvino, Marcelo Ortega, Maurício Sarmet e Andréa Castello Branco Sergio Lima
      • 3 encontros – Total – 5 hs
    • (2) Inspeção Ergonômica.
    • Taxonomia de Nielsen
  • Abordagem Metodológica – Procedimentos
    • Etapa 3 – Análise Extrínseca da Tarefa :
    • ligada às exigências técnicas e administrativas da tarefa e aos objetivos, experiências e características dos usuários.
    • (1) Observações Globais e Sistemáticas da interação eleitor-urna eletrônica;
    • (2) Inspeção Cognitiva;
    • (3) Validação de Instrumento tipo survey;
    • (4) Entrevistas abertas e semi-estruturadas:
    • profissionais da área de informática do TSE, TRE/DF, TRE/SC, mestrandos e doutorandos de Informática e Engenharia de Produção e Sistemas da UFSC, mestrandos e doutorandos de Psicologia e Desenho Industrial da UnB, mesários, escrutinadores, eleitores, e outros profissionais envolvidos no sistema de votação eletrônico;
    • Etapa 4 - Análise da Atividade
    • Análise da interação eleitor-urna eletrônica em situação real de eleição.
    Abordagem Metodológica – Procedimentos
  • Abordagem Metodológica - Instrumento
    • Instrumento survey:
    • (1) A percepção subjetiva do eleitor quanto à facilidade de utilização da urna eletrônica;
    • (2) A percepção subjetiva do eleitor quanto à confiabilidade no sistema eletrônico de votação;
    • (3) O grau de satisfação do eleitor quanto ao processo de votação eletrônico;
    • (4) A estratégia operatória dos eleitores;
    • (5) Características dos eleitores: (a) dados gerais – sexo, faixa etária; (b) nível de escolaridade (c) familiaridade com a tecnologia computacional (urna eletrônica, Terminal eletrônico e Computador).
    • - SPSS
    • Avaliação Heurística
      • 1. A mensagem ‘voto nulo’ é muito pequena levando-se em conta que a atenção do eleitor está mais voltada para o espaço onde aparece a foto, seria interessante que nesse local fosse exibido algo alertando que o voto vai ser computado como nulo;
      • 2. Intermitência do “voto nulo” é alta sendo de 6 segundos. O recomendado varia de 2-5 Hz. Os especialistas indicam a intermitência de 2 Hz .
    Resultados - Análise da Dimensão Intrínseca da Tarefa
    • Avaliação Heurística
      • 3. A tela única para votação de senador não foi uma boa solução. O fato das fotografias e nomes aparecerem na mesma tela, provavelmente dificulta o entendimento por parte dos eleitores que muitas vezes poderão confirmar o voto nulo para o 2º senador tentando mudar de tela.
      • 4. O papel de feedback da votação do MIE possui uma péssima legibilidade, a fonte não é de serifa, é pequena e o espaçamento entre as linhas é curto, não obstante o espelho de visualização ainda distorce a leitura. Esta péssima qualidade ergonômica provavelmente causará conflitos de interação.
    Resultados - Análise da Dimensão Intrínseca da Tarefa
    • Inspeção Ergonômica via Lista de verificação – Aspectos Positivos
      • A interface da Urna eletrônica:
      •     Informa e conduz o eleitor a uma boa navegação.
      •     Facilita a aprendizagem e a utilização do sistema, permitindo que o eleitor tenha conhecimento, a qualquer momento de onde se encontra na seqüência de interação e de execução da votação;
      •  É concisa, reduz a carga mnemônica e perceptiva, proporcionando baixo tempo de leitura e eficiência de interação;
    Resultados - Análise da Dimensão Intrínseca da Tarefa
    • Inspeção Ergonômica via Lista de verificação – Aspectos Positivos
      •    Possui um bom posicionamento quanto aos itens, bem como uma característica gráfica que estabelece distinção entre diferentes classes da interação;
      •      É homogênea e consistente;
      •      Possui legibilidade clara e sucinta;
      •      Tem boa gestão de erros.
    Resultados - Análise da Dimensão Intrínseca da Tarefa
    • Inspeção Ergonômica via Lista de verificação – Sugestões de Intervenção:
    • Colocar a taxa de intermitência de aviso de voto nulo entre 2 e 5 Hz;
    • Taxonomia de Nielsen: 4
    • Manter os formatos de apresentação de dados consistentes (tela de senador);
    • Taxonomia de Nielsen: 3
    • Realizar uma distinção melhor da ação voto nulo, que ao menos tenha a mesmo tamanho das outras fontes e que seja centralizado na tela;
    • Taxonomia de Nielsen: 2
    Resultados - Análise da Dimensão Intrínseca da Tarefa
    • Inspeção Ergonômica via Lista de verificação – Sugestões de Intervenção:
    • Corrigir apenas a última entrada de dados do eleitor (ex: o eleitor, após errar, tem que digitar novamente toda a numeração do candidato);
    • Taxonomia de Nielsen: 2
    • Separar os parágrafos de texto por no mínimo uma linha em branco; (ex. a informação de corrige ou confirma nos finais de todas as telas);
    • Taxonomia de Nielsen: 2
    Resultados - Análise da Dimensão Intrínseca da Tarefa
    • Inspeção Ergonômica via Lista de verificação – Sugestões de Intervenção:
    • F. Fornecer um posicionamento automático do cursor;
    • Taxonomia de Nielsen: 1
    • G. Subdividir campos numéricos de entradas de dados em grupos menores e pontuados pelo espaço;
    • Taxonomia de Nielsen: 1
    Resultados - Análise da Dimensão Intrínseca da Tarefa
    • Observações Globais e Inspeção Cognitiva #1
            • UFSC - 12 mestrandos e doutorandos de Informática e Engenharia de Produção e Sistemas 1 h e 30’ e 2 IC  
    • 1. Os sujeitos navegam com o olhar fixo no teclado da urna eletrônica. E não na interface como se esperava;
    • 2. Os sujeitos sentiram estranheza na tela de Senador. A poluição visual e a inconsistência desta dela pode gerar um problema de usabilidade;
    • 3. Ao final da votação, alguns sujeitos focaram o olhar na impressora e por vezes esqueceram de confirmar pela segunda vez a votação;
    Resultados - Análise da Dimensão Extrínseca da Tarefa
    • Observações Globais e Inspeção Cognitiva #1
    • 4.  Os sujeitos reclamaram da péssima visualização fornecida pelo Módulo de Impressão eletrônico;
    • 5. Um sujeito confirmou duas vezes quando desejava ter mudado o voto;
    • 6.  Um sujeito votou na legenda quando queria ter executado a ação de anular o voto.
    Resultados - Análise da Dimensão Extrínseca da Tarefa
    • Observações Globais e Inspeção Cognitiva #2
    • Eleitores na plataforma rodoviária de Brasília – 2hs – 6 IC
    • 1.   Os sujeitos, em sua grande maioria, focaram o olhar no teclado;
    • 2.    Alguns sujeitos confirmam o voto antes de olhar a interface da urna;
    • 3.   A tela de votação para senador causou impacto (estranheza) na grande maioria dos sujeitos;
    • 4.   Dois sujeitos votaram na legenda quando gostariam de anular o voto;
    Resultados - Análise da Dimensão Extrínseca da Tarefa
    • Observações Globais e Inspeção Cognitiva #2
    • 5. Os sujeitos encontram dificuldades de visualização do resumo da votação, provavelmente por uma dupla hipótese: (a) a tela de vidro da MIE causa distorções; (b) a fonte é pequena e as informações muito compactas;
    • 6.   Um sujeito confirmou duas vezes, finalizando a votação, quando sua intenção era a modificação do voto que houvera anulado sem querer;
    • 7.   Dois eleitores, ao final da votação, focaram o olhar na impressora e por vez esqueceram de confirmar a votação;
    Resultados - Análise da Dimensão Extrínseca da Tarefa
  • Resultados – Hipóteses Secundárias
    • H2 (1) – “O conflito de interação será evidenciado na visualização do espelho do voto impresso e na dupla confirmação”.
    • H2 (2) – “A poluição visual gerada pela tela de senador pode enviesar a intenção de voto ”;
    • H2 (3) – “O eleitor ao tentar anular o voto pode estar votando na legenda”;
    • H2 (4) – “A intermitência longa do voto nulo está induzindo o eleitor ao erro”;
  • Resultados – Entrevistas
    • Processo eletrônico de Votação
      • Verbalizações negativas – sorteio das UE a serem conferidas.
      • Verbalizações positivas – apuração na própria seção; feedback da votação.
    • MIE
      • Maior tempo de duração da interação nas seções onde haviam o voto impresso ocasionando constrangimentos;
      • O eleitor, no momento da votação não deu muita importância ao módulo de impressão eletrônico – MIE, realizando a votação como se não existisse a impressão; como conseqüência foi reduzida a quantidade de eleitores que realmente conferiram o voto e significativo o número dos que saíam da cabina de votação sem realizar a dupla confirmação após a impressão do espelho, aumentando o tempo de votação e causando constrangimentos;
  • Resultados – Entrevistas
    • MIE (continuação)
      • Aqueles eleitores que deram importância ao módulo de impressão eletrônico – MIE, foram prejudicados pela baixa qualidade do espelho de visualização do voto. O espelho de visualização possui uma lente de aumento que não amplia o suficiente e ainda causa distorções, sofre ofuscação da claridade do ambiente e da luminosidade da lâmpada do MIE, dificulta a interação principalmente para o deficiente físico, acarretando em conflitos de interação e contribuindo para o atraso na votação;
      • Maior complexidade para a montagem das seções devidas: (a) ao transporte e manuseio dos MIEs pelos técnicos e mesários, mais especificamente pela 0dificuldade no encaixe do MIE com o terminal do eleitor;
      • O elevado número de panes no MIE, em grande parte devido ao atolamento do papel na impressão;
  • Resultados – Entrevistas
    • MIE (continuação)
      • Maior solicitação de servidores do TRE, devido à locomoção destes às localidades com voto impresso;
      • Necessidade de mais espaço de armazenamento nas seções;
      • Dificuldade na visualização do voto impresso: tamanho da letra, o espaçamento entre as informações, lente de aumento que não amplia o suficiente e ainda causa distorção, influência da claridade do ambiente, luminosidade da lâmpada do MIE;
      • Provável aumento do custo ao erário público do processo eleitoral pelas aquisições de MIE; bem como pelo custo logístico (pessoal/veículos/apoio do TRE) nos municípios com voto impresso.
  • Resultados 92,9% Amostra
  • Resultados - Facilidade 88,6% 10,0% 1,4%
  • Resultados 98,6% 1,4%
  • Resultados 58,6% 11,4% 30,0%
  • Resultados Interação Rápida Tempo Médio Interação Lenta 28” 74” 265”
  • Resultados 88,6% 11.4%
  • Resultados 14,3% 24,4% 44,3% 75,6% 41,4%
  • Resultados Familiaridade Correlação F_TEB 66,7% - Rápida interação 4,7% - Lenta interação X 2 = 6,694; gl=2; p<0,035 S/F_TEB 92,3% - Lenta interação Amostra F_CPU 87,5% - Rápida interação S/ F_CPU 95,7% - intermediária 92,3% - Lenta interação X 2 = 12; gl=2; p<0,002 Amostra
  • Conclusões e Recomendações
    • EU 2002 - Excelente usabilidade
    • MIE – Péssima usabilidade
    • A Urna Eletrônica contribui para a inserção da população brasileira na futura era da informação, gerando competência para o agir, diminuindo o impacto da inserção de novas tecnologias, incutindo uma alfabetização digital na população brasileira fornecendo a possibilidade desta obter um comportamento baseado em habilidades .
  • Conclusões e Recomendações
    • Os resultados obtidos pela Análise Ergonômica permitem concluir que a estratégia operatória bem delineada é capaz de transformar uma demanda cognitiva complexa em uma ação simples e familiar. Logo é válido pressupor que ergonomistas podem se preocupar com a questão de incluir em seus relatórios finais de análise cognitiva de tarefas complexas uma sugestão de Estratégia operatória que busque facilitar a regulação dos indivíduos em sua atividade de trabalho. Provavelmente esta Estratégia será delineada no estudo do enfrentamento das complexidades realizadas pelos experts de cada domínio.
  • Conclusões e Recomendações
    • A. Extinção do Módulo de Impressão Eletrônico – MIE:
    • Justificativa: as formas de auditoria da votação eletrônica podem e devem se manter no escopo do processo eletrônico, não havendo prejuízo à segurança e confiabilidade do sistema eletrônico de votação. A inserção deste artefato não contribui para usabilidade e nem contribui para a confiabilidade do eleitor no processo eletrônico de votação demandando custos financeiros e de logística.
    • feedback da votação é a única vantagem da inserção do MIE, assim recomenda-se manter a confirmação dupla ao final da votação e, entre estes modos operatórios, uma tela de feedback com a votação realizada pelo eleitor.
  • Conclusões e Recomendações
    • A.2 Na impossibilidade de haver a extinção do Módulo de Impressão Eletrônico – MIE:
    • 1. Melhora do MIE com relação ao próprio hardware, aumentando a robustez e a confiabilidade; evitando assim os atolamentos de papel e os problemas de encaixe;
    • 2. Melhora dos aspectos ergonômicos da MIE tais como: (a) modificar o espelho de visualização do voto; (b) melhorar a legibilidade: trocar a fonte, aumentar seu tamanho e o espaçamento entre suas respectivas linhas;
  • Conclusões e Recomendações
    • B. Realizar pesquisas aplicadas da interação .
    • Em uma primeira etapa para a cronometragem dos tempos médios de interação de cada tela. Em seguida a realização de outro ensaio de interação, com a interface já modificada, a fim de validar as sugestões de modificação na Interface da urna eletrônica.
  • Conclusões e Recomendações
    • C – Sortear 3% das urnas a terem seus votos conferidos no dia da votação, mas precisamente na própria conferência na Junta Eleitoral.
    • Justificativa: Sortear as urnas na véspera da eleição pode gerar comentários negativos sobre o sistema de votação da urna eletrônica;
  • Conclusões e Recomendações
    • mudança na legislação da Lei nº 9.504, de 30 de setembro de 1997 que estabelece normas para as eleições, em seu artigo 59, § 6º. Parágrafo este incluído pela Lei nº 10.408. de 10/01/2002 e assim redigido: “Na véspera do dia de votação, o juiz eleitoral, em audiência pública, sorteará três por cento das urnas de cada zona eleitoral, respeitando o limite mínimo de três urnas por município, que deverão ter seus votos impressos contados e conferidos com os resultados apresentados pelo respectivo boletim de urna”
  • Conclusões e Recomendações
    • Sugestões para trabalhos Futuros
      • Pesquisa empírica
          • Validar as sugestões
          • Verificar as hipóteses secundárias
          • Verificar a inserção da tela de feedback.
      • Análise Ergonômica em dimensão nacional
    • ANEXOS
    • Critérios Ergonômicos
      • 1. Orientação (Condução)
      • 2. Carga de Trabalho
      • 3. Controle Explícito
      • 4. Adaptabilidade
      • 5. Gestão de Erros
      • 6. Homogeneidade / coerência
      • 7. Significado dos códigos e denominações
      • 8. Compatibilidade
    Dimensão Intrínseca
  • Critérios Ergonômicos - Condução
    • Presteza
    • Feedback Imediato
      • Exemplos: Indicador de progresso
      • Indicador de processamento (ampulheta)
    • Agrupamento/Distinção de Itens
        • por Localização
        • por Formato
  • Critérios Ergonômicos - Carga de Trabalho
    • Brevidade
        • Concisão
        • Ações Mínimas
    • Densidade Informacional
  • Critérios Ergonômicos - Controle Explícito
    • Ações Explícitas do usuário
    • Controle do usuário
  • Critérios Ergonômicos - Adaptabilidade
    • Flexibilidade
        • Exemplo: adequar a interface às características do usuário
    • Consideração da experiência do usuário
        • Exemplo: tecla de atalho
  • Critérios Ergonômicos - Gestão de Erros
    • Proteção contra os erros
        • Deseja Sair?
    • Qualidade das mensagens de erro
    • Correção dos erros
        • Exemplo: “Undo” (Desfazer)
  • Critérios Ergonômicos - Homogeneidade
    • Manutenção de escolhas na concepção da interface (códigos, denominações, formatos, procedimentos, etc.) são conservadas idênticas em contextos idênticos, e diferentes para contextos diferentes.
  • Critérios Ergonômicos - Códigos e Denominações
    • Diz respeito a adequação entre o objeto ou a informação apresentada ou solicitada, e sua referência.
    • Quando a codificação é significativa, a recordação e o reconhecimento são melhores, o contrário pode induzir erros.
  • Critérios Ergonômicos - Compatibilidade
    • Refere-se ao acordo que possa existir entre as características do usuário e das tarefas, de uma parte, e a organização das saídas, das entradas e do diálogo de uma dada aplicação, de outra. Diz respeito também, ao grau de similaridade entre diferentes ambientes e aplicações.
    • Exemplo: Aplicativos MS Office.
    (memória, percepção, hábitos, competências, idade, expectativas, etc.)
  • Dimensão Extrínseca
    • Técnicas Analíticas
    • Técnicas Prospectivas
    • Aumentam a efetividade de avaliações analíticas.
    • Técnicas Empíricas
    • Análise das estratégias operatórias adotadas pelos usuários
  • O Que é Ergonomia
    • Objetivos
      • transformar o contexto de trabalho adaptando-o ao homem e,
      • produzir conhecimentos científicos
    • Estudo interdisciplinar;
    • Solução de compromisso: Eficácia / Conforto/ Segurança ;
    • Dimensões: Homem (Cargas: física, psíquica e cognitiva) e Atividade;
    • Fio Condutor: Análise da Atividade em situação real de trabalho
  • Definição de Usabilidade
    • Capacidade do software em permitir que o usuário alcance suas metas de interação com o sistema. – Scapin e Bastien (INRIA, 1993).
    • Capacidade que apresenta um sistema interativo de ser operado, de maneira eficaz, eficiente e agradável, em um determinado contexto de operação, para realização das tarefas de seus usuários. – ISO 9241
    (memória, percepção, hábitos, competências, idade, expectativas, etc.) (Institut National de Recherche en Informatique et en Automatique)
  • Desenvolvimento de Competências Conhecimentos Habilidades Experiência
    • Competência
  • Estratégias Operatórias
    • Processo de categorização, resolução de problemas e tomada de decisão
    Modo Operatório (sequência de ações e operações) adotados pelos eleitores na interação com a UE2002
  • Categorização e Tomada de Decisão
    • Categorização:
      • Identificação e definição do problema;
      • Construção de uma estratégia de resolução;
      • Organização das informações;
      • Alocação de recursos cognitivos, a monitoração e a avaliação da resolução;
    • Tomada de Decisão :
    • Está embasada nas estratégias que o trabalhador utiliza para julgar a probabilidade de acerto entre as diferentes escolhas;
  • Identificação do Problema 1 Definição do Problema 2 Construindo uma estratégia 3 Alocação de recursos 5 Organizando a informação 4 Monitorando a resolução de problemas 6 Avaliando a resolução de problemas 7 Ciclo de Resolução de Problemas Fonte: Sternberg (2000)
  • Modos Operatórios
    • Resultado de uma regulação entre:
      • Os objetivos;
      • Os meios de trabalho;
      • Os resultados produzidos;
      • O Estado Interno do Trabalhador.
    • Relação: Estratégia – Modo Operatório:
    • O trabalhador elabora de novos modos, ou ações, reinterpetrando a situação presente formulando estratégias para solucionar os problemas, bem como antecipar incidentes.
  • Contextualizando
    • Teclado
      • Números de 0 a 9 dispostos como em um telefone
      • Branco
      • Corrige
      • Confirma
  • Contextualizando
    • Votação passo a passo
      • Apresentação do título de eleitor ou de documento de identificação
      • Validação do documento pelo mesário
      • Mesário digita o número do título em um microterminal Desbloqueio da urna
  • Contextualizando
    • Votação passo a passo
      • Recomenda-se que seja levada uma “cola”
      • Primeira tela: 4 números a serem preenchidos para deputado federal
      • Após a digitação do número Aparecerá a foto, o nome, o número e o partido do candidato
  • Contextualizando
      • Se algo sair errado apertar a tecla Corrige e começar de novo
      • Se a foto, o nome, o número e o partido apresentados estiverem corretos apertar a tecla Confirma
  • Contextualizando
      • Repetir o mesmo procedimento para:
        • Deputado estadual
        • Senador 1 / Senador 2
        • Governador
        • Presidente
      • Palavra FIM aparece na tela acompanhada de um sinal sonoro
  • Contextualizando
      • Voto de legenda: digitar pelo menos os 2 primeiros números do partido e apertar a tecla Confirma
      • Voto em branco: apertar a tecla Branco e depois a tecla Confirma
      • Voto Nulo: digitar número de candidato e partido inexistentes e apertar a tecla Confirma
  • Novidades – UE2002
        • Impressão de voto
          • Apenas em 75 munícipios
        • Mudanças nas cédulas
          • 2 votos para senador (não aceita repetição)
          • Aparecerá nome do candidato para vice-governador
        • Facilidade para deficientes visuais
          • algarismos em braile nas teclas
          • sinal sonoro para avisar final da votação
  • Características – UE2002 (1)
    • Dimensão e Peso da UE2002 e do MIE
        • UE2002
          • Largura: 38 cm
          • Altura: 16 cm
          • Profundidade: 17 a 29 cm
          • Peso: 8,5 kg
        • MIE
          • Largura: 15 cm
          • Altura: 27,5 cm
          • Profundidade: 23 cm
          • Peso: 1,5 kg
  • Características – UE2002 (2)
        • Fonte de Alimentação e Autonomia
          • AC: 90 V a 24 V
          • DC: 12 V
        • Componentes Eletrônicos
          • Processador GEODE GXLV/166P de 166 MHz
          • Memória RAM 32 MB
          • Relógio Interno com autonomia de 10 anos a partir de janeiro de 2001
          • Memória tipo Flash (FI e FV) com capacidade de 16MB e arquitetura tipo CompactFlash
  • Características – UE2002 (3)
        • Módulo Impressor Interno/Externo
          • Tecnologia de impressão térmica
          • Largura do papel: 57 mm
          • Caracteres por linha: 38
          • Velocidade de Impressão: 45 mm/s
          • Guilhotina
          • Hot Swap
    • Disciplina aplicada que estuda os processos cognitivos em situação de trabalho
    • Não se trata de entender a natureza da cognição humana
    • Particularização do conhecimento mais amplo para compreender uma situação específica
    • Formação de um quadro teórico com conceitos próprios
    Ergonomia Cognitiva
    • Mecanismos mentais que agem sobre a informação sensorial, buscando a sua interpretação, classificação e organização
    • Conjunto de atividades e processos pelos quais um organismo adquire informação e desenvolve conhecimentos.
    • Processos Cognitivos: Memória; Categorização; Atenção; Resolução de Problemas: tipos de raciocínio; Linguagem.
    • Processo de aquisição de aprendizagem
    Cognição
  • Processos perceptivo e cognitivo Fonte: Júlia Abrahão(2003), Labergo-UnB Objeto Características: - cor - textura - tamanho - formato - profundidade Captação pelo Sistema Sensorial Cérebro Estruturas corticais Sistema Cognitivo Processo Perceptivo Processos Cognitivos Interpretação e Integração das características do objeto aos conhecimentos do sujeito R E S P O S T A S
    • Memória
    • Categorização
    • Atenção
    • Resolução de Problemas: tipos de raciocínio
    • Linguagem
    • Conjunto de processos pelos quais reconhecemos e organizamos as sensações recebidas dos estímulos ambientais.
    • Modalidades perceptivas:
    - Visão - Audição - Tato - Paladar - Olfato - Senso sinestésico Percepção Fonte: Júlia Abrahão(2003), Labergo-UnB
  • Base neurofisiológica da percepção
    • Comunicação aferente e eferente
    • Neurônios e sinapses
    • Neurotransmissores e sinapses elétricas
    Elementos da Percepção
    • Atenção e percepção
    • Percepção profunda
    • Constância perceptiva
    • Déficit da percepção
    Percepção Fonte: Júlia Abrahão(2003), Labergo-UnB
    • Representações mentais que atuam como elo entre sujeito e o contexto
    • Apreensão de elementos de um contexto
    • Imagem operatória
    • Modelos mentais incompletos, pessoais e instáveis
    • Norteia a ação do indivíduo
    Representação Para Ação
    • Características:
    - processos mentais ativos para apropriação das situações; - construir significados sobre uma situação - caráter finalístico; - processo qualitativo de re(estruturação) constante e reorganização dos conteúdos - processo de aprendizagem; - desenvolvimento contínuo; e - o processo representativo não é cristalizado. Representação Para Ação
  • Taxonomia de Nielsen
    • 0 – não é necessariamente um problema;
    • 1 – problema estético;
    • 2 – baixa prioridade de correção;
    • 3 – alta prioridade de correção;
    • 4 – é imperativo a correção.
  • Esquema Metodológico de Guèrin
  • SRK - Rasmussen Identificação Associação estado/tarefa Decisão da tarefa Planejamento Estoque de regras para tarefa Formação Padrões sensórios motores automatizados Comportamento baseado na Habilidade Comportamento baseado em Regras Comportamento baseado em Conhecimentos Raciocínio Heurístico Criatividade Objetivos Reconhecimento Entrada sensorial Sinais Ações Sinais signos Símbolos
  • Caracterização da Amostra Faixa Etária 48,6% - sexo feminino 51,4% - sexo masculino Porcentagem 16 anos -25 anos 35,7% 26 anos – 35 anos 28,6% 36 anos – 45 anos 11,4% 46 anos – 55 anos 15,7% + de 56 anos 8,6% Total 100%
  • Caracterização da Amostra Escolaridade Porcentagem Porcentagem Acumulativa 1o.Grau Incompleto 75,7% 75,7% 1o.Grau Completo 11,4% 87,1% 2o.Grau Incompleto 4,3% 91,4% 2o.Grau Completo 8,6% 100,0% Total 100%
  • Caracterização da Amostra Familiaridade com Computadores Porcentagem Nunca Utilizei 77,1% Já Utilizei e não Utilizo mais 11,4% Utilizo uma/duas vezes por semana 4,3% Utilizo três/quatro vezes por semana 4,3% Utilizo + de quatro vezes por semana 2,9% Total 100%
  • Caracterização da Amostra Familiaridade com Terminal Eletrônico Bancário Porcentagem Nunca Utilizei 65,7% Já Utilizei e não Utilizo mais 5,7% Utilizo 28,6% Total 100%
  • Caracterização da Amostra Familiaridade com Urna Eletrônica Porcentagem Nunca Votou 10,0% Votou Uma Vez 34,3% Votou Duas Vezes 42,9% Votou três vezes 12,9% Total 100%
  • Votação de Laguna Fonte: TRE/SC Abstenção    Votos válidos Brancos    Nulos Presidente 10,14 % 92,03 % 2,70 % 5,26 % Governador 10,14 % 91,98 % 3,84 % 4,18 % Senador 10,14 % 84,74 % 7,42 % 7,83 % Deputado Federal 10,14 % 93,45 % 4,35 % 2,20 % Deputado Estadual 10,14 % 95,16 % 3,20 % 1,65 %
  • Anexo 1 Protocolo de Interação Eleitor Urna eletrônica Escala de Concordância Facilidade Confiabilidade Escala de Satisfação 1. Tempo de Votação _____ 2. Tempo de Confirmação _____ Dupla Confirmação Você tem alguma sugestão para melhorar o serviço da Urna eletrônica? ___________________________________________ _______________________________________________________________________ Trouxe a “cola” Protocolo de interação MIE 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Sim Não Discordo Totalmente Discordo Não Discordo Não Concordo Concordo Concordo Totalmente Discordo Totalmente Discordo Não Discordo Não Concordo Concordo Concordo Totalmente Conferiu o voto Presidente solicita a 2 confirmação Não Conferiu Não foi possível observar Vota sozinho
  • Observações: ___________________________ ____________________________________ Familiaridade Computacional UE Computador Terminal eletrônico bancário Sexo Idade Escolaridade População Protocolo de interação Masculino Feminino 16 - 25 anos 26 - 35 anos 36 - 45 anos 46 - 55 anos + de 56 anos 1 Grau Incompleto 1 Grau Completo 2 Grau Incompleto 2 Grau Completo 3 Grau Incompleto 3 Grau Completo Nunca votou votou 1 vez votou 2 vezes votou 3 vezes já utilizou / não utiliza utiliza Nunca utilizou já utilizou / não utiliza 1/2 Nunca utilizou 3/4 + de 4 Rural Urbana