Luz e Pigmento - CGA

375
-1

Published on

Apresentação do Projecto Modular 5 pelo âmbito da disciplina de Comunicação Gráfica e Audiovisual.
Copying is not Working.

Published in: Art & Photos
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
375
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Luz e Pigmento - CGA

  1. 1. Luz e Pigmento Sérgio Leal
  2. 2. O presente trabalho irá abordar os temas da luz e o seu comportamento físico, assim como a adição/subtração das cores. Com este projecto pretendo explicar de uma forma clara os processos de composição da cor. Q © Sérgio Leal| 10.º Q | 2013-14 | CGA | Módulo 05
  3. 3. A luz e o seu comportamento físicoEnergia ElectromagnéticaPropagação Frequência*
  4. 4. Energia Electromagnética A luz e o seu comportamento físico Energia Elctromagnética é toda a energia utilizada no quotodiano do ser humano, desde a energia utilizada pelas lâmpadas até à energia eléctrica das baterias dos nossos carros. Até aqui, já sabemos o que é a electricidade. O magnetismo é o mecanismo de como se gera a energia. Numa barragem hidroelétrica a mecanismo utilizado é o do magnetismo. Tudo isto através de uma turbina/bobine. O vídeo abaixo mostra forma de como se gera a energia electromagnética.
  5. 5. A luz e o seu comportamento físico Energia ElectromagnéticaPropagação Frequência* A propagação tem duas formas : transparência e translucidez A transaprência propaga a luz, dando possibilidade de ver melhor os objectos. A translucidez permite uma propagação irregluar da luz portanto, a pessoa que observa o objeto vê através do meio (translúsido), só que sem nitidez. A luz nao precisa de um suporte material para se propagar, ela propaga-se no vazio e também em linha recta.
  6. 6. A luz e o seu comportamento físicoEnergia ElectromagnéticaPropagação Frequência* * - Quando pesquisei sobre “frequência” na internet foram-me mostrados dados equacionais, sendo que não tenho a certeza do assunto a abordar. As experiências realizadas pelo físico e médico inglês Thomas Young revelaram que a sua teoria estava correcta, a luz funciona como as ondas sonoras: propagam-se no ar.
  7. 7. Existem vários tipos de incidência uma delas é incidência da luz em planos gerais de superfícies cristalinas biaxiais e a incidência da luz paralela ao eixo óptico. Incidência da luz em planos gerais de superfícies cristalinas biaxiais: a incidência da luz é perpendicular a superfície cristalina, neste caso os índices de refracção estão associados a um raio de luz. Incidência da luz paralela ao eixo óptico: incide normalmente na superficie de um cristal, em paralelo a uma secção principal, Se um raio de luz polarizado entrar na superficie de um cristal que está a vibrar em paralelo ao eixo óptico, ele atravessará o cristal e não irá sofrer desvio, porque a sua direcção de polarização A matéria e a luz Incidência Refracção Reflexão Absorção Difusão
  8. 8. A matéria e a luz Incidência Refracção Reflexão Absorção Difusão
  9. 9. A matéria e a luz Incidência Refracção Reflexão Absorção Difusão A reflexão é a mudança de direcção de propagação de energia. É também o retorno de energia incidente em relação à região, depois de entrar em contacto com a superfície reflectora. A energia manifesta-se na forma de ondas que serão transmitidas através de partículas, assim a reflexão pode se dar por caráter electomagnético. A reflexão regular ocorre numa superfície lisa e polida, enquanto que a reflexão difusa acontece numa superfície irregular, os raios difundem-se desordenadamente em todas as direcçoões.
  10. 10. A matéria e a luz Incidência Refracção Reflexão Absorção Difusão A absorção da luz é a diminuição da energia de uma radiação. Falando de absorção, a frequência de luz incidente é proxima à frequencia de vibração de elctrões do material. Eles pegam a energia da onda da luz e depois eles começam a vibrar. A absorção da luz torna um objecto escuro ou opaco à frequência da luz incidente. Existe materiais opacos para a frequência de luz, mas transparentes para outras. Absorção da luz pelas cores: ela varia conforme a cor do objecto iluminado, o que quer dizer que se um objecto for branco ela irá reflectir todas as cores, mas se for colorido em preto ele derrete pois a cor preta absorve todas as cores contidas na luz branca.
  11. 11. A matéria e a luz Incidência Refracção Reflexão Absorção Difusão Um raio de luz desvia-se ao passar do ar para a água, ou o contrário. Para realizar a expriência vasta tentar apanhar um peixe do aquário. Esse desvio deve-se a uma mudança na velocidade da luz ao passar de um meio trasnparente para outro.
  12. 12. A luz branca tem três cores primarias : vermelho (red), verde (green) e o azul(blue). As cores visíveis são resultado de comportamente dos objectos em relação à absorção ou à reflexão destas três luzes principais. Desta forma a cor amarela absorve a luz azul violeta e reflecte o verde e o vermelho. Esta é a abreviatura do sistema de cores aditivas formado por vermelho, verde e azul. O RGB é utilizado na reprodução de cores em dispositvos electronicos como a televisão, computadores, etc… Adição da Luz R G B luznatural artificial temperatura
  13. 13. Adição da Luz RGB lu z natural artificial temperatura Luz natural é denominada pela acção de fontes de luz naturais, sem qualquer tipo de influência electromagnética, ou seja, a luz natural é, por exemplo, o sol ou a luz do luar. Estas fontes de luz (naturais) não são muito fiáveis no que toca à gravação de vídeos, pois variam em função da hora do dia. Sendo ainda, as mais “bonitas” de se ver.
  14. 14. Adição da Luz RGB lu z natural artificial temperatura Em oposição à luz natural, a luz artificial é mais fácil de controlar, esta fonte de luz tenta- se aproximar, o mais possível, da luz natural. A luz electromagnética tem a particularidade negativa de apresentar mais difuculdade ao iluminar uma grande superfície, por exigir um grande potencial elétrico. Ainda assim, muitos operadores de câmara optam pela luz artificial, por conseguirem controlar de uma forma mais regulada todos os parâmetros que intrevém na iluminação de um objecto.
  15. 15. Adição da Luz RGB lu z natural artificial temperatura A temperatura da cor divide-se em duas distintas temperaturas: cores quentes e cores frias. Cores quentes como o laranja e vermelho transmitem sensações quentes. Em oposição, cores frias são cores mais claras capazes de mostrar temperaturas mais frias.
  16. 16. Idêntico ao RGB, este sistema subtrai cores, ao invés do sistema aditivo RGB A sigla significa as 4 cores do sistema: ciano, magenta, amarelo e preto. Por curiosidade, no fim da sigla, o K deveria ser B, mas é K porque antigamente as chapas que continham a cor preta eram chamadas de "key plate". CMYK tabelas cromáticas separação de cornoção de quadricromia
  17. 17. As tabelas cromáticas são tabelas que fornecem códigos de cores, normalmente utilizados na construção de websites. Cada código representa uma cor específica. CMYK tabelas cromáticas separação de cornoção de quadricromia
  18. 18. CMYK tabelas cromáticas separação de cornoção de quadricromia Fala-se em quadricromia quando se trabalha num modo de impressão a 4 cores, offset/CMYK.
  19. 19. A cor como fenómeno visual Elementos da Psicologia da Cor na Publicidade Ao usar uma cor numa publicidade é necessária alguma atenção na escolha da cor que iremos utilizar. Vermelho Aumenta a atenção; Estimulante e Motivador; Indicado para anúncios de produtos que transmitem calor, energia e potência; Amarelo Visível à distância, cor estimulante; Indicada para aplicação de anúncios que indiquem luz; Azul Grande poder de atração; Acalma e transmite uma sensação de confiabilidade;
  20. 20. Um projeto de Sérgio Leal
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×