Your SlideShare is downloading. ×
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Anatielli, Daniela, Francielli Moratelli e Thais Muniz.

1,091

Published on

Trabalho realizado por alunos do terceiro ano do ensino médio da Escola Estadual Albert Einstein

Trabalho realizado por alunos do terceiro ano do ensino médio da Escola Estadual Albert Einstein

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,091
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ESCOLA ESTADUAL ALBERT EINSTEIN SANEAMENTO BÁSICO EM GUARANTÃ DO NORTE Causas e possíveis soluçõesTema exposto com o propósito de mostrar as possíveis causas esoluções do saneamento básico em nosso município, pondo que destaforma, os civis estejam cientes de tais problemas.
  • 2. 2“Se você tem metas para um ano. Plante arroz.Se você tem metas para 10 anos. Plante uma árvore.Se você tem metas para 100 anos, então eduque umacriança. ―Se você tem metas para 1000 anos, entãopreserve o meio ambiente.”Confúcio Guarantã do Norte - 2011
  • 3. 3 Escola Estadual Albert Einstein Saneamento BásicoAlunas: Anatielli Ferreira, Daniela Terra, Francielli Moratelli e Thais Muniz. Guarantã do Norte - 2011
  • 4. 4 SUMÁRIO1. Dados gerais do município......................................52. Dados históricos de Guarantã do Norte.................73. Saneamento Básico..................................................84. Saneamento Básico em Guarantã do Norte.........105. Saneamento Básico em Mato Grosso...................126. Saneamento Básico no Brasil...............................157. Considerações Finais.............................................188. Anexo.......................................................................21 Guarantã do Norte - 2011
  • 5. 5 DADOS GERAIS DO MUNICÍPIO Guarantã do Norte é um município brasileiro do estado de Mato Grosso.Localizado a 725 quilômetros de Cuiabá, o município de Guarantã do Norte, nomeescolhido por existir na região uma espécie de árvore conhecida por esse nome,nasceu de um assentamento agrário pelo Incra e pela Cooperativa Triticula. A economia do município é diversificada tendo bases fortes na pecuáriacom cerca de 300 mil cabeças de bovinos, incluindo uma das maiores baciasleiteiras da região com uma produção de cerca de 22 milhões de litros de leite porano. A agricultura tem na cultura do arroz sua maior expressividade registrando em2004 mais de 120 mil toneladas, a produção agrícola segue com as culturas demilho, feijão e em escalas menores, destaca-se também a fruticultura. Estãoimplantados no município 02 cooperativas e 3 laticínios com industrialização deleite e derivados, além de uma fábrica de polpa de frutas que absorve a produçãolocal. A bacia hídrica é formada por vários rios,sendo os principais Rio BraçoNorte e Rio Braço Sul e diversas nascentes garantindo a viabilidade da exploraçãodo solo em atividades comerciais. O período das chuvas ocorre de setembro a abril com uma precipitaçãopluviométrica anual de mais de 2.000mm, a temperatura média anual fica entre25°C mínima e 33°C máxima. O clima é fator importante e completa o quadrofavorável ao desenvolvimento de atividades agropastoris. Por estar localizada as margens da BR-163 que liga Cuiabá a Santarém,destaca-se como pólo na prestação de serviços, com 3 agências bancárias, 2emissora de TV e 2 de Rádio local, escritórios contábeis, de planejamento, Guarantã do Norte - 2011
  • 6. 6engenharia, entre outros atendendo municípios vizinhos e até mesmo na região suldo Pará. A maior parte das indústrias se desenvolvem em torno do aproveitamentode manufaturados locais, como laminadoras, serrarias e fábrica de móveis, foramimplantadas indústrias no setor de construção civil, como pré-moldados e artefatosde cimento e da agro indústrias, a exemplo da fábrica de ração e sal mineral. Omunicípio possui uma estação de tratamento de água, com capacidade paradistribuir 01 milhão e meio de litros por dia, com condições de atender 100% dasresidências. Outro ponto positivo para o desenvolvimento da indústria e docomércio é a rede de energia elétrica resultante de 03 usinas hidroelétricas empleno funcionamento e mais uma em construção. A educação conta com mais de 8.530 alunos distribuídos em creches,ensino fundamental e médio. No nível superior conta com 1 faculdade particularcom 4 cursos e 1 curso pela UFMT. Já na área da saúde há um hospital particular,além de clínicas especializadas, um hospital público e 7 postos de saúde dafamília, 1 Centro de Reabilitação, 01 Centro de Atenção Psicossocial e 1 Centro deSaúde. No turismo Guarantã do respeita seus recursos naturais comdesenvolvimento sustentável, por isso as inúmeras riquezas naturais sãopreservadas. O ecossistema local é bastante diversificado tanto na fauna quantona flora. Guarantã do Norte - 2011
  • 7. 7 DADOS HISTÓRICOS DE GUARANTÃ DO NORTE O município de Guarantã do Norte era inicialmente habitado por indígenas,notadamente xinguanos. Nas décadas de 60 e 70 o governo militar desejavaintegrar a região amazônica, e usou como estratégia a abertura de rodovias comoa BR 163. O contato dos trabalhadores com os indígenas culminou na quaseextinção do povo Kreen-Aka-Rorê. Em 1975 a estrada foi inaugurada, e o processode ocupação da região norte do Estado de Mato Grosso teve início, já que muitostrabalhadores foram permanecendo e constituindo moradia ás margens da rodovia.Em 1980, teve início o Projeto de Assentamento Conjunto Peixoto de Azevedo -PAC. O INCRA e a Cotrel se uniram com o objetivo de transladar o povo sem terrado Rio Grande do Sul e os brasiguaios expulsos do Paraguai para a região nortedo Mato Grosso. A 1°de dezembro de 1980, chegaram as primeiras famílias. Em 1981,formou-se o PAC Braço Sul, para assentar os migrantes brasileiros vindos doParaguai. Enquanto o INCRA procedia aos registros das terras dos migrantes, opovo abria as ruas e dava início às primeiras construções. A idéia da fundação donúcleo ocorreu na reunião de representantes do INCRA e da Cotrel, no dia 2 dejunho de 1981, por ocasião de Fundação da Cotrel – o povoado. Na ata, adotou-senome Guarantã do Norte para diferenciar essa cidade de outra homônima, noestado de São Paulo e criada a mais tempo. O primeiro prefeito municipal foi o Sr.Herionaldo do Couto Queiroz, tendo como vice o Sr. Pedro Inácio Weigert (PedroSatélite) para um mandato de 2 anos. Guarantã do Norte - 2011
  • 8. 8 SANEAMENTO BÁSICO Saneamento básico é a atividade relacionada com o abastecimento deágua potável, o manejo de água pluvial, a coleta e tratamento de esgoto, a limpezaurbana, o manejo do resíduos sólidos e o controle de pragas e qualquer tipo deagente patogênico, visando a saúde das comunidades. Trata-se de umaespecialidade estudada nos cursos de Engenharia Sanitária, de EngenhariaAmbiental e de Tecnologia em Saneamento Ambiental. Entre os procedimentos do saneamento básico, podemos citar: tratamentode água, canalização e tratamento de esgotos, limpeza pública de ruas e avenidas,coleta e tratamento de resíduos orgânicos (em aterros sanitários regularizados) emateriais (através da reciclagem). Com estas medidas de saneamento básico, é possível garantir melhorescondições de saúde para as pessoas, evitando a contaminação e proliferação dedoenças. Ao mesmo tempo, garante-se a preservação do meio ambiente. O Saneamento básico trata – se de serviços que podem ser prestados porempresas públicas ou, em regime de concessão, por empresas privadas, sendoesses serviços considerados essenciais, tendo em vista a necessidade imperiosadesse por parte da população, além da importância para a saúde de toda asociedade e para o meio ambiente. Sendo que sua falta ou em condiçõesprecárias aliada a fatores sócio-econômico-cultural são determinantes para osurgimento de infecções por enteroparasitoses, tendo as crianças o grupo queapresenta maior susceptibilidade às infecções. Nos países mais pobres ou emregiões mais carentes essas parasitoses tendem a ocorrer de forma endêmica eno Brasil figuram entre os principais problemas de saúde pública. O saneamentobásico é invariavelmente uma atividade econômica monopolista em todos ospaíses do mundo, já que seu monopólio é um poder típico do Estado, sendo queeste pode delegar à empresas o direito de explorar estes serviços através daschamadas concessões de serviços públicos. Tendo em vista a dificuldade física eprática em se assentar duas ou três redes de água e/ou esgotos de empresasdiferentes no equipamento urbano, geralmente, apenas uma empresa, seja públicaou privada, realiza e explora economicamente esse serviço. Guarantã do Norte - 2011
  • 9. 9 O setor de saneamento básico também se caracteriza por necessidade deum elevado investimento em obras e constantes melhoramentos, sendo que osresultados destes investimentos, na forma de receitas e lucros, são de longamaturação. Saneamento básico é um conjunto de procedimentos adotados numadeterminada região que visa proporcionar uma situação higiênica saudável para oshabitantes. Entre os procedimentos do saneamento básico, podemos citar:tratamento de água, canalização e tratamento de esgotos, limpeza pública de ruase avenidas, coleta e tratamento de resíduos orgânicos (em aterros sanitáriosregularizados) e materias (através da reciclagem). Com estas medidas desaneamento básico, é possível garantir melhores condições de saúde para aspessoas, evitando a contaminação e proliferação de doenças. Ao mesmo tempo,garante-se a preservação do meio ambiente. Guarantã do Norte - 2011
  • 10. 10 SANEAMENTO BÁSICO EM GUARANTÃ DO NORTE O projeto de instalação da rede de esgoto em Guarantã do Norte foilançado no aniversário do município e no início de Setembro já contava com 10%do projeto concluído, no total serão 50.000 metros de rede de esgoto, ou seja, 50quilômetros de rede que beneficiarão inicialmente em torno de 12.000 habitantes. O projeto Esgotar que é desenvolvido pela empresa Águas de Guarantã,visa a implantação da rede de captação e tratamento de esgoto, a primeira etapado programa contempla a bacia dos bairros Centro e Cidade Nova parcialmente,estão sendo investidos aproximadamente R$ 10 milhões de reais O tratamento detodo o material colhido também é de responsabilidade da concessora. Para obter mais informações sobre o projeto Esgotar no Município deGuarantã do Norte, uma entrevista fora realizada com o gerente da empresaJuscelino Menegatti que explicou como seria o destino do esgoto, que seriacoletado a partir do cano mestre, acompanhando o Córrego Central até chegar aoCórrego Horizonte, após ter passado pela estação de tratamento. Menegatti,explica também como será a ligação do esgoto com a residência dos moradores,em que uma caixa é ligada à rede, podendo atender até três casas. A taxa dosaneamento básico será cobrada juntamente com a de água, em que o mesmovalor pago pela taxa de água será pago de esgoto. Segundo Juscelino, no Norte do estado de Mato Grosso são poucascidades que contam com rede de esgoto. ―São pouquíssimas cidades comimplantação, as cidades que o grupo Perenge tem concessão da água e esgoto,temos Sorriso com 60 a 70% de esgoto implantado e em fase de operação, emClaudia já está efetuado e funcionando, Guarantã com o início dos trabalhos eMatupá iniciando o projeto, fora nossa concessão temos um início em Colíder eAlta Floresta, pra se ter uma idéia Sinop não possui saneamento e não existeprevisão de quando será feito, pois lá é municipal e depende de alocar recursos‖. Juscelino Menegatti explicou também sobre as vantagens do sistema estarsendo administrada pela iniciativa privada. ―A concessão é uma parceria com omunicípio, todo este patrimônio que esta sendo aplicado não pertence à empresa‗Águas de Guarantã‘ ao Grupo Perenge e sim ao município, quando encerrar a Guarantã do Norte - 2011
  • 11. 11concessão este patrimônio ficará para o município, por isso pessoas que tem visãode futuro como o Prefeito Chico do Garimpão dão todo o apoio para a realizaçãodeste trabalho e isso é muito importante‖. ―Uma obra desta magnitude além de trazer o conforto para a população,oferece saúde pública, pois hoje temos um grande problema que são as fossasque foram implantadas indevidamente nas calçadas, é preciso cumprir umalegislação ter projetos que comprovem que todo o terreno está edificado e nãopossui espaço dentro do terreno, no passado as pessoas construíam fossas semseguir a legislação e hoje temos esse problema de saúde pública e de segurançapara quem utiliza as calçadas, sendo assim a passagem da rede de esgoto é maisque saúde pública é segurança para o cidadão‖. Destacou o Secretário de InfraEstrutura Jurandir Ribas. Guarantã do Norte - 2011
  • 12. 12 SANEAMENTO BÁSICO EM MATO GROSSO Primeiro Estado a municipalizar integralmente os serviços de saneamento,o Mato Grosso realizou no ano de 2007 um levantamento para identificar asprincipais dificuldades que os municípios vêm enfrentando para ampliar e melhoraro atendimento em água e esgoto. O levantamento, intitulado Municipalização dos Serviços de Abastecimentode Água e de Esgotamento Sanitário no Estado do Mato Grosso: Diagnóstico,Lições e Perspectivas, é resultado de uma parceria entre o governo federal, ogoverno do Mato Grosso e a AGER (Agência de Regulação dos Serviços PúblicosDelegados do Mato Grosso). O estudo foi coordenado pelo PMSS (Programa deModernização do Setor Saneamento) — projeto desenvolvido pela SecretariaNacional de Saneamento Ambiental (ligada ao Ministério das Cidades) com oapoio do PNUD. O processo de descentralização do saneamento no Mato Grosso transferiua gestão dos serviços da extinta SANEMAT (Companhia de Saneamento doEstado de Mato Grosso) para as prefeituras. Os sistemas de abastecimento deágua e coleta de esgoto implantado pela antiga empresa estatal foram adquiridospelos municípios — as cidades mais pobres ficaram isentas do pagamento. Amedida buscava, por um lado, dissolver a SANEMAT, que era deficitária, e, poroutro, melhorar os serviços de saneamento no Estado. Cinco anos após esse processo, os impactos da descentralização ainda sãotímidos, pelo menos em termos de cobertura. O Mato Grosso possui uma dasmenores coberturas do país em água e esgoto. Segundo a PNAD (PesquisaNacional por Amostra de Domicílios), apenas 44% das residências do Estadocontavam com coleta adequada de esgotos, um percentual inferior ao doMaranhão (49,5%). Em relação ao abastecimento de água, a situação é um poucomelhor: 33,5% dos domicílios mato-grossenses não têm acesso à água encanada,proporção maior que a registrada no Piauí (32,8%). Guarantã do Norte - 2011
  • 13. 13 ÁGUA Em 2000, o serviço de abastecimento, prestado por alguma empresapública ou privado, alcançou uma proporção de 97,9% dos municípios do Brasil,enquanto em 1989 abrangia 95,9%. A pesquisa realizada pelo IBGE em 2000revelou que 116 municípios brasileiros, ou 2% do total, não têm abastecimento deágua por rede geral; a maior parte deles situada nas regiões Norte e Nordeste.Volume de água per capita distribuída por dia em (m³) Per Per Per Total População Com SemRegião Capita Capita Capita (m3) 2000 Tratam. Tratam. (m3) (m3) (m3)Mato 590.120 2.504.353 0,24 567.400 0,23 22.720 0,01Grosso Guarantã do Norte - 2011
  • 14. 14 ESGOTO O esgotamento sanitário é o serviço de saneamento básico com menoscobertura nos municípios brasileiros, embora tenha crescido 10,6%. Se, em 1989,dos 4.425 municípios existentes no Brasil, 47,3% tinham algum tipo de serviço deesgotamento sanitário, em 2000, dos 5.507 municípios, 52,2% tinhamesgotamento sanitário, o que representa um crescimento de 10% no período de1989-2000. Proporção de municípios, por condição de esgotamento sanitário, segundoas Grandes Regiões – 2000. Proporção de municípios, por condição de esgotamento Grandes sanitário (%) Regiões Sem coleta Só coletam Coletam e tratam Centro- 82,1 5,6 12,3 Oeste Guarantã do Norte - 2011
  • 15. 15 SANEAMENTO BÁSICO NO BRASIL Para suprir o déficit de saneamento básico no País, seriam necessáriosinvestimentos da ordem de RS$ 12 bilhões por ano, durante 20 anos consecutivos.Os cálculos foram feitos pelo professor Wanderley da Silva Paganini, doDepartamento de Saúde Ambiental da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP,baseados nos dados preliminares do Censo 2011, divulgados no final de abril peloInstituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para o especialista emsaneamento, os números do Censo 2011 revelam uma situação ―preocupante‖ noque diz respeito ao acesso à rede de coleta de esgoto e abastecimento de água noPaís. ―Falamos de cerca de 85% de cobertura da rede de esgotamento para oEstado de São Paulo, e ainda nos escandalizamos com esse índice, quandocomparado aos países europeus. Mas esquecemos que no resto do País essenúmero cai para 50% em média. Há locais onde não há sequer coleta. EmManaus, por exemplo, apenas 11% do esgoto é coletado, o que significa quequase todo o esgoto produzido permanece no meio onde as pessoas vivem‖,afirma.No meio rural, quase 40% não tinham banheiro de uso exclusivo no domicílio,entre a faixa de rendimento domiciliar mensal per capita de até R$ 140,00. Dosque possuíam banheiro no meio rural nessa faixa de renda domiciliar per capita,menos de 20% estavam ligados à rede geral de distribuição ou fossa séptica. NoBrasil, do total de 57.324.185 domicílios pesquisados, 6,2% não possuíambanheiro de uso exclusivo (3.562.671). Por outro lado, no meio urbano a situaçãose inverte. Em São Paulo, 86,79% possuíam equipamentos ligados à rede geral decoleta; no Distrito Federal, 80,58%; no Rio de Janeiro, 76,69%; e em Minas Gerais,76,33% tinham equipamento sanitário ligado à rede de coleta. Segundo Paganini,o Brasil ainda não enfrentou como deve os problemas mais básicos deuniversalização do abastecimento de água, coleta e menos ainda de tratamento doesgoto. Atualmente, afirma o professor, o País investe anualmente cerca de R$ 4bilhões em saneamento, sendo que apenas a metade tem origem em fundospúblicos. A outra metade vem de companhias privadas de saneamento. Para o Guarantã do Norte - 2011
  • 16. 16professor José Luiz Negrão Mucci, também do Departamento de Saúde Ambientalda FSP, a condição sanitária do País reflete tanto as prioridades das políticaspúblicas quanto a situação de rendimento da população. ―Ou as pessoas não têmcondições econômicas de ligar seu domicílio à rede de coleta ou o próprio governonão investe nos serviços gerais de saneamento para a população de baixa renda‖,afirma. Em três diferentes faixas de rendimento pesquisadas (de R$ 0,00 a R$70,00, de R$ 71,00 a R$ 140,00 e acima de R$ 141,00), apenas cerca de 20% dosdomicílios tinham acesso ao abastecimento de água a partir da rede geral dedistribuição. Nas mesmas faixas de rendimento, os outros 80% dos domicíliosparticulares permanentes do meio rural tiveram acesso à água a partir de ―poço ounascente na propriedade‖, ―poço ou nascente fora da propriedade‖ ou ―outras‖formas, como caminhões-pipa, por exemplo. Apesar disso, a situação doabastecimento de água é menos crítica que a de esgotamento sanitário, seconsiderado o total geral do meio urbano e do meio rural. ―Do total de domicílios noBrasil, 82,85% eram servidos por rede geral de distribuição. Mas as desigualdadesregionais permanecem, sendo que na região Norte apenas 54,48% estava ligado àrede geral‖, avalia a professora Ana Maria Marangoni, do Departamento deGeografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) daUSP. ―A água pode ser um vetor do bem ou do mal. As doenças por veiculaçãohídrica são responsáveis por dois terços das internações entre crianças de atécinco anos de idade‖, lembra o professor Paganini, da FSP. Quanto à coleta delixo, este é o serviço que apresenta menores disparidades regionais. No conjuntodo País, 87,40% dos domicílios são atendidos diretamente por serviços delimpeza, seja por coleta domiciliar ou por deposição em cai ambas coletoras. Osextremos são Rondônia, onde 38% são atendidos, Piauí (42%), Acre (47%) e Pará(47%). ―Apesar disso, ainda persistem os problemas de destinação final do lixo,com a consequência mais grave, que é a contaminação ambiental. Ainda nãosolucionamos a questão dos lixões, da saturação de aterros, da poluição, daseleção do lixo e do trânsito‖, ressalta a professora Ana Maria. Envelhecimento –Os primeiros resultados da pesquisa mostram que o Brasil possui 190.755.799habitantes, ante os 169.799.170 habitantes de uma década atrás. Como jáesperado, a pirâmide etária se inverteu. Assim, de 2000 a 2010, o grupo de até 14anos de idade diminuiu de 29,6% para 24,1%, ao passo que aumentou a Guarantã do Norte - 2011
  • 17. 17porcentagem das pessoas na faixa de 15-64 anos (de 64,5% para 68,5%) etambém dos que possuem mais de 65 anos de idade (passou de 5,9% para 7,4%).A consequência dessa evolução será o aumento da pressão por serviços voltadosà população mais idosa, ressalta o professor Hervé Théry, também doDepartamento de Geografia da FFLCH. ―Isso já está acontecendo, sobretudo embairros mais tradicionais, como Higienópolis, em São Paulo, e Copacabana, no Riode Janeiro‖, lembra. A partir das 21 tabelas divulgadas pelo IBGE com os dadospreliminares do Conjunto Universo do Censo 2010 para as Grandes Regiões eUnidades da Federação, é possível ter alguns indícios de como e onde vivem osbrasileiros, níveis de rendimentos, situação dos domicílios e evolução doanalfabetismo, entre outras informações. Guarantã do Norte - 2011
  • 18. 18 CONSIDERAÇÕES FINAIS O objetivo deste trabalho foi realizar um estudo do saneamento básico noBrasil, principalmente no município de Guarantã do Norte – Mato Grosso.Mostrando ser um conjunto de medidas capazes de garantir uma melhoria naqualidade de vida da população, no controle de doenças, e melhorando assim aprodutividade do indivíduo, bem como facilitando a atividade econômica que éimprescindível ao país. Portanto, faz se necessário que o governo e as autoridadespolíticas tratem o saneamento básico como prioridade para o bem – estar detodos. Guarantã do Norte - 2011
  • 19. 19 Agradecimentos: Ficamos gratas, pela valiosa colaboração da Empresa Águas de Guarantã,que disponibilizou tempo para nos atender, o que facilitou a amplitude dos nossosconhecimentos sobre o tema proposto. Guarantã do Norte - 2011
  • 20. 20 Referências Bibliográficas:http://geofacil.blogspot.com/2010/01/guaranta-do-norte.htmlhttp://www.guarantadonorte.mt.gov.br/site/news.asp?cod=3521http://www.guarantadonorte.mt.gov.br/site/news.asp?cod=2967http://pt.wikipedia.org/wiki/Saneamento_b%C3%A1sicohttp://www.suapesquisa.com/o_que_e/saneamento_basico.htmhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Guarant%C3%A3_do_Norte Guarantã do Norte - 2011
  • 21. 21ANEXO A Obras do Projeto Esgotar na Avenida Alcides Moreno Capelini Guarantã do Norte - 2011
  • 22. 22Guarantã do Norte - 2011

×