Inteligência de negócios   cozer - fei
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Inteligência de negócios cozer - fei

  • 1,015 views
Uploaded on

Inteligência de negócios - Cozer - Fei - BI Business Inteligence

Inteligência de negócios - Cozer - Fei - BI Business Inteligence

More in: Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,015
On Slideshare
1,015
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
19
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Inteligência de Negócios Fernando Valente – 12.208.486-6 Marina Peres – 12.108.102-0 Rafael Gallo – 12.204.581-8 Sérgio Rodrigues – 12.207.013-9 São Bernardo do Campo, 26 de Maio de 2012
  • 2. Agenda• Valor da Informação• BI• Data Mining• Aprisionamento no sistema• Futuro da Internet• Remix: RW x RO Culture• Cultura Digital• Web 3.0
  • 3. Valor da Informação• Informação é utilizada como estratégia empresarial• Chave da produtividade e competitividade• Centralizada em capital, informação bem gerida e assimilada converge para ele• A gestão moderna exige decisões feitas sobre o máximo de informações• Informação up-the-date se tornou fator crítico de sucesso• A rapidez e facilidade de acesso e organização as informações dentro da organização são fatores auxiliares no caminho do sucesso = TI e SI
  • 4. BITomada de Conversão de Utilização de caminhodecisão mais dados em mais racionalrápida e exata informação
  • 5. Árvore de DecisãoÉ uma maneira gráfica de visualizar as consequênciasde decisões atuaisExemplo : Comprar um video game? SIM ou Não.
  • 6. RegressãoA análise de regressão é uma das técnicas estatísticas mais utilizadas parapesquisar e modelar o relacionamento existente entre duas ou maisvariáveis.Exemplos:• Idade e altura das crianças;• Tempo de prática de esportes e ritmo cardíaco;• Tempo de estudo e nota na prova;• Taxa de desemprego e taxa de criminalidade; e• Expectativa de vida e taxa de analfabetismo.
  • 7. Data MiningAplicação : estratégias de marketing• Envio de mala direta• Previsão de Vendas• Segmentação de mercado Transformação de dados
  • 8. Data MiningCase: Crianças bebendo cerveja?
  • 9. Modelo DeltaArnoldo Hax Dean L. Wilde Arnoldo Hax e Dean L. Wilde descobrindo novas fontes de rentabilidade numa economia em rede, que fornece um quadro global estratégico.
  • 10. Modelo DeltaDELTA PROJECTMostram como a desregulamentação, a globalização e aemergênciada infra-estrutura de internet mudaram as regras para osucesso. Três posições estratégicas que ajudam a realinhar o seu negócio e torná- lo mais competitivo.Interrelação entre Cliente, Empresa eComplementadora com o conceito:“Atrair, Satisfazer eReter o cliente”
  • 11. As 3 opções estratégicas do modelodelta:Baseia-se em uma estrutura diferente de negócios e apresenta processosde adaptação que podem ajudar a lidar com os novos desafios decomplexidade, certeza e mudanças.
  • 12. As 3 opções estratégicas do modelo delta:MELHOR PRODUTO: • Redução de custo • Diferenciações de produtos • acompanhamento dos concorrentes • Eficiência nos processos administrativos, operacionais e comerciais • Rentabilidade
  • 13. As 3 opções estratégicas do modelo delta:SOLUÇÕES PARA O CLIENTE: • foco no cliente como elemento diferenciado • Entendimento do cliente (suas espectativas e desejos) • Estimular o relacionamento com o cliente • Produtos e serviços onde o cliente participa do valor econômico
  • 14. As 3 opções estratégicas do modelo delta: Lock in: • Aprisionamento no sistema • Estimular, atrair e manter os chamados "complementadores“ •Custos de mudança •Monopólio
  • 15. Aprisionamento no Sistema Aprisionamento tecnológico (lock-in) é processo de dependência ao qual as organizações são submetidas ao fazerem a opção de uso de uma determinada tecnologia; A dependência ocorre da dificuldade associada à troca dessa tecnologia por uma outra em razão dos alto custos (switching costs) envolvidos; Um dos aspectos distintivos do aprisionamento baseado na informação é que ele tende a ser muito durável: o equipamento se desgasta, reduzindo os custos de troca, mas os banco de dados persistem e crescem intensificando o aprisionamento ao longo do tempo;
  • 16. Projeto Delta
  • 17. Aprisionamento no Sistema
  • 18. Futuro da InternetThe Battle of the Boxes
  • 19. Futuro da Internet The Battle of the BoxesEm 9 de Janeiro de 2007, Steve Jobs o primeiro Iphone
  • 20. Futuro da Internet The Battle of the Boxes• Em 1960, computadores eram propriedades dos fabricantes e só podiam rodar softwares desenvolvidos por eles.• 1969, IBM passa a vender seus computadores aparte de seus softwares.• Começo do desenvolvimento de softwares por terceiros e pelos usuários.• Criação do PC (personal computer)
  • 21. Futuro da Internet The Battle of the Boxes• A essência e a genialidade de separar a criação de um software da construção de um hardware é que a dissociação permite que um computador pode ser adquirido para uma finalidade e, em seguida, utilizado para executar tarefas novas e diferentes sem a necessidade de leva-lo para um técnico.• 1980 – crescimento da variedade de coisas que um computador poderia fazer. Aumento da demanda.• Havia a necessidade de comunicação entre os computadores.
  • 22. Futuro da Internet Battle of the Networks• A rede – quanto custa para usar, como é medido seus custos, como os usuários se conectam uns aos outros?• 1990, existência de varias redes, mas que não se interconectavam;• A internet só existia em grandes empresas. Não existia ainda transferência de dados.• Facebook Vs Google
  • 23. Futuro da Internet Battle of the Networks• Surgem redes como a CompuServe e America Online (AOL) que oferecem diferentes serviços. Necessário uso de ID para conectar rede.• Inicio disputas de uso e políticas da rede. VS
  • 24. Futuro da Internet Modelo Generativo • A rede pode ser esculpida em camadas conceituais. 1. Camada Física; 2. Camada de Aplicação; 3. Camada Social; 4. Camada do Protocolo.
  • 25. Futuro da Internet Modelo Generativo • Generatividade é a capacidade de um sistema de produzir uma mudança inesperada através de contribuições de público amplo e variado.
  • 26. Futuro da Internet Cloud Computing
  • 27. Futuro da Internet Cloud Computing
  • 28. Futuro da Internet• O usuário deixa de ser um espectador e passará a ser um criador de conteúdos. (Blogs, Twitter, etc.)• Com o aumento de usuários, todas as mídias tenderão a convergir para a internet.• Em termos tecnológicos a expectativa é muito grande. Aumento da mobilidade, com comunicação em tempo real e trocas de arquivos de grande tamanho.
  • 29. Lawrence Lessig RemixProfessor deStanford, é um dosnossos maioresautoridades emquestões de direitosautorais, com umavisão para conciliara liberdade criativacom a concorrênciade mercado.
  • 30. Remix• Em seu livro “Remix”, Lessig retrata o duelo entre os modelos tradicionais de consumo culturais e os novos modelos gerados pela Internet, fazendo uma distinção entre modelos culturais que ele denomina como cultura “RO” (read-only) e cultura “RW” (read-write), destacando suas diferenças e como eles influenciam a cultura e a economia.
  • 31. Remix• Nesta obra, Lessig dedica-se a comparar os modelos tradicionais de consumo de bens culturais com os novos modelos gerados pela Internet, fazendo uma distinção entre o que chama de cultura “read-only” e cultura “read/write”, destacando seus diferentes valores e como eles influenciam a economia.• Qualquer pessoa pode redistribuir, copiar, utilizar ou remixar o livro, desde que o faça para fins não-comerciais e dê crédito ao Professor Lessig, conforme os termos da licença utilizada.• O livro foi licenciado via
  • 32. RemixRO – Read-Only RW – Read/WriteCultura onde o leitor é Cultura onde o leitor é umapenas um consumidor da criador ou recriador.informação, e neste Existe a possibilidade decontexto é impossível alterar, recriar e melhorqualquer opção de conteúdos, expandindo acriação. cultura.Ex.: Arquivo onde há Ex.: Arquivos comapenas o recebimento da permissão RW, com ainformação, sem a possibilidade de ler,possibilidade de reescrever , melhorá-lo.alteração, como arquivos.pdf. Economia criativa
  • 33. RemixLawrence Lessig defende que a cultura seria mais rica se as leisque regulam os direitos autorais fossem mais flexíveis. Eleapresenta conceitos demostrando como a atual legislação dedireitos autorais limita a criatividade, a cultura do remixaproveita o trabalho do autor de uma forma não imaginadainicialmente pelo seu criador, não é simplesmente a cópia edistribuição não autorizada da obra, é uma recriação daobra que pode servir como marketing do produto original se aindústria entender que negócios podem ser criados aproveitandoessa nova cultura.“Even the good become pirates in a world where the rules seem absurd.”Larry Lessig
  • 34. Remix• EM 2002, a industria gráfica sozinha (exceto a internet) teve receita perto de 250 bilhões de dólares.• No mesmo ano, a receita para transmissões de rádio (novamente exceto a internet) foi quase de 75 bilhões de dólares.• O núcleo das empresas de direitos autorais são 6% do PIB total da nação totalizando 626 bilhões por ano.• A indústria de Direitos Autorais tem uma taxa de empregos de 3,19% por ano.
  • 35. Remix• Em Junho de 2007, Andrew Keen, lançou o livro "The Cult of the Amateur” ;• Ataque contra o nascimento da cultura RW;• O foco de seu ataque era que: “amateur culture” is killing “our culture.” http://www.forbes.com/sites/dansc hawbel/2012/05/22/andrew-keen- on-why-we-should-fear-the- facebook-hype/
  • 36. Remix
  • 37. RemixConcluímos que a cultura RO é importante evalioso, bem como a cultura RW que valioso eirá florescer na Era Digital, dependendo emparte da lei para que floresça, que na atitudeatual é destrutiva e auto-destrutivo - paravalores muito mais importantes do que oslucros das indústrias culturais.
  • 38. WEB 3.0 • WEB 1.0: Conteúdo estático, basicamente em HTML, apresentados em modo de leitura e um sistema com uma capacidade transacional; • WEB 2.0: Páginas mais interativas e permitindo o compartilhamento de conteúdo, interação e colaboração social, criação dos Blogs e redes sociais; • WEB 3.0: A rede como uma plataforma programável, infraestrutura para inovação, sobre qual todas as pessoas podem começar a desenvolver, implantar e oferecer serviços de informação.
  • 39. WEB 3.0http://www.youtu Web Semânticabe.com/watch?v http://www.youtube.co=off08As3siM m/watch?v=ga1aSJXC Fe0 • O termo “Web Semântica” refere-se à visão da Web dos Dados Linkados. A Web Semântica dá às pessoas a capacidade de criarem repositórios de dados na Web, construírem vocabulários e escreverem regras para interoperarem com esses dados; • Fornece uma estrutura comum que permite que dados sejam compartilhados e reutilizados através“É um novo formato de conteúdo para a Web de aplicação, a empresa, e os limites daque tem significado para computadores vai comunidade.iniciar uma revolução de novas possibilidades.”Tim Berners-Lee
  • 40. WEB 3.0 Máquinas Sociais• Uma máquina social (SM) representa uma entidade conectável contendo uma unidade de processamento interno e uma interface de invólucro que aguarda pedidos e respostas para outras máquinas sociais. Sua unidade de processamento recebe entradas, produz uma saída e tem estados e suas conexões definiem relações intermitentes ou permanentes com outras Máquinas Sociais, conexões que são estabelecidas ao em um conjuntos específicos de restrições
  • 41. WEB 3.0Pervasive Games • Novo conceito que mira a combinação das propriedades e vantagens de três mundos (Físico, Social e Virtual); • Sistema em que jogadores se envolvem em um conflito artificial definido por regras no qual resulta em resultados quantificáveis.