Cases de Inovação para a competitividade

701 views

Published on

Cases de Inovação para a competitividade - Cases of innovation for the competitiveness
Palestrante: Eng. Roberto Philippi Füllgraf – SENAIsc / Brasil

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
701
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Cases de Inovação para a competitividade

  1. 1. PALESTRACases de Inovação para a Competitividade.
  2. 2. ÁREAS DE ATUAÇÃO SIM ! O SENAI também faz INOVAÇÃO.
  3. 3. INSTITUTOS SENAI
  4. 4. POSICIONAMENTO – ISTInovação Radical Pesquisa de Base Pesquisa Aplicada Indústria Aplicação Comercial
  5. 5. PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS Sistemas Eletrônicos Engenharia Controle e de Redes AutomaçãoEngenhariade Software Sistemas de Energia IST – Automação e TIC
  6. 6. ÁREAS DE CONHECIMENTOE ATUAÇÃORobóticaControladores Lógicos Programáveis (CLP)Sistemas SupervisóriosProjeto de Máquinas AutomatizadasRedes Comerciais e IndustriaisAnálises de Viabilidade (técnica / econômica)Consultoria em Eficiência EnergéticaConsultoria em Desenvolvimento de SoftwareSistemas de Comunicação sem FioDesenvolvimento de Dispositivos Eletro-Eletrônicos
  7. 7. Como inicia um projeto de Pesquisa Aplicada?
  8. 8. Problema X Oportunidade
  9. 9. CASES DE INOVAÇÃO
  10. 10. 1Espectrofotômetro Portátil com LED RGB para Análises Químicas e Biológicas.
  11. 11. O que é um Espectrofotômetro?
  12. 12. PRINCÍPIO DA FOTOMETRIA
  13. 13. PRINCÍPIOS DA FOTOMETRIAA relação entre a luz de saída e luz incidente é conhecida com Transmitância (T):A quantidade de luz que é absorvida pelas moléculas da solução é conhecidacomo Absorbância (A):
  14. 14. Oportunidade
  15. 15. MERCADO Fotômetro EspectrofotômetroAT 10P X DR 2500Emissor EmissorUm LED para cada comprimento de onda. Luz branca (ex: lâmpada de Tungestênio) decomposta por prismaPortátil, poucas análises para obtenção de diversos comprimentos de onda. Bancada, diversas análises
  16. 16. CICLO DE DESENVOLVIMENTODefinição de Escopo Projeto do Esquema Elétrico Layout de PlacaTestes em Bancada Programação de Firmware Validação do Protótipo
  17. 17. HARDWARE 256 g (302 g com bateria) 34x96x155 mm
  18. 18. SOFTWARE Equipamento Computador
  19. 19. Protótipo finalizado... Próximo passo ?
  20. 20. ENSAIOS E VALIDAÇÃO
  21. 21. ENSAIOS Padrões Metrológicos RastreadosObjetivo principal Verificar a linearidade de resposta do equipamento.
  22. 22. ENSAIOSPadrão λ (nm) Concentração Absorbância Absorbância LED Prisma 1 0,15097 0,209 2 0,31962 0,495 Rosa 525 3 0,61573 0,997 4 0,89531 1,48 Espectro LED Espectro Prisma DR 2500 (Hach)
  23. 23. ENSAIOS Padrão Rosa (λ = 525 nm) 1,6 y = 0,2073x 1,4 R² = 0,9487 1,2Absorbância 1 LED 0,8 Prisma Linear (LED) 0,6 Linear (Prisma) 0,4 0,2 y = 0,337x R² = 0,93 0 1 2 3 4 Concentração
  24. 24. ENSAIOSPadrão λ (nm) Concentração Absorbância Absorbância LED Prisma 1 0,07589 0,085 2 0,17838 0,226Verde 660 3 0,36533 0,444 4 0,46779 0,654
  25. 25. ENSAIOS Padrão Verde (λ = 660 nm) 0,7 y = 0,1133x 0,6 R² = 0,9514 0,5 LEDAbsorbância 0,4 Prisma 0,3 Linear (LED) Linear (Prisma) 0,2 0,1 y = 0,1495x 0 R² = 0,9323 1 2 3 4 Concentração
  26. 26. ENSAIOSSubstância λ (nm) Concentração Absorbância Concentração Padrão LED LED 0,25 0,00961 0,1165693 0,5 0,03161 0,3834293Cloro DPD 515 1 0,07951 0,9644563 2 0,16735 2,0299555 3 0,24814 3,0099382 Cloro DPD (λ = 515 nm) 0,3 y = 0,0822x R² = 0,9942 0,25 Absorbância 0,2 0,15 LED 0,1 Linear (LED) 0,05 0 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 Concentração (ppm)
  27. 27. ENSAIOSSubstância λ (nm) Concentração Absorbância Concentração Padrão LED LED 0,2 0,08879 0,20998835 0,4 0,18264 0,4319436 Sulfeto 660 0,6 0,25287 0,59803755 0,8 0,33015 0,78080475 Sulfeto (λ = 660 nm) 0,4 y = 0,0844x 0,35 R² = 0,9916 0,3 Absorbância 0,25 0,2 LED 0,15 Linear (LED) 0,1 0,05 0 0,2 0,4 0,6 0,8 Concentração (ppm)
  28. 28. RESULTADOS
  29. 29. RESULTADOS Objetivos alcançados !Desenvolvimento de um espectrofotômetro, portátil, de baixo custo e alto desempenho, para a realização deanálises químicas e biológicas, utilizando LEDs como fonte de luz.
  30. 30. RESULTADOS Consumo do EquipamentoEquipamento Consumo Normal Consumo em Análise Tempo de AnáliseEspectro de LED 30 mA 70 mA 2sFotocolorímetro AT 10P 305 mA 326 mA 10 sMaior tempo de duração da bateria e análises mais rápidas !
  31. 31. RESULTADOS Produto Inovador Portabilidade + Desempenho Excelente relação custo x benefício Diferencial competitivo para a empresa Exploração de um novo nicho de mercado
  32. 32. Produto lançadono mercado ! Patentes em processo de registro: Nacional e Internacional.
  33. 33. 2Máquina Automatizada para Inserção do "Water Bag".
  34. 34. SoluçãoProblemaOportunidade
  35. 35. ÁGUA MINERAL Consumo brasileiro é de aprox. 5,8 bilhões de litros/ano; Vem crescendo a taxas de 20% ao ano; Garrafões de 20 litros representam 60% deste consumo; Totalizando 14,5 milhões de garrafões por mês.Fonte: DNPM e ABINAM
  36. 36. PROBLEMÁTICA Aprox. 10% dos garrafões (1,5 milhões/mês)apresentam algum tipo de problema (cheiro, gosto oucontaminação). Retornáveis !!! Fonte: Laboratório Biológico
  37. 37. MEDIDA PALIATIVA Redução da vida útil dos garrafões para 3 anos; Não resolveu o problema ! Grande aumento dos custos operacionais das envasadoras.
  38. 38. IDÉIA !
  39. 39. SOLUÇÃO Water Bag Embalagem plástica descartável de 20L
  40. 40. CICLO DE DESENVOLVIMENTODefinição de Escopo Projeto Elétrico Projeto de HardwareProgramação de Firmware Ajustes e Testes Validação do Protótipo
  41. 41. DIFICULDADESTÉCNICAS !
  42. 42. PROBLEMASSOLUCIONADOS !
  43. 43. WATER BAG Projeto Finalizado !
  44. 44. PROCESSO ATUAL Lavadora Envasadora
  45. 45. NOVO PROCESSO Lavadora Water Bag Envasadora
  46. 46. RESULTADO Água limpa, pura e cristalina !Com a mesma qualidade das atuaisembalagens descartáveis.
  47. 47. + RESULTADOS Economia de aproximadamente 30% na quantidade deágua (mineral) utilizada para lavar os garrafões. Agregar valor ao produto e ser um diferencial de mercado. Possibilidade de aumento da vida útil dos garrafões.
  48. 48. Lançamento em 2012 ! Depósito de patente: Nacional e Internacional.
  49. 49. LINHAS DE FOMENTO
  50. 50. RECADO Para inovar e ser mais competitivo...
  51. 51. Obrigado !Roberto Philippi FullgrafEng. EletricistaCoordenador do Núcleo de Automação IndustrialSENAI/SC - FlorianópolisNúcleo de Automação IndustrialFone: (48) 3239 5860 / 3239 5800E-mail: roberto.fullgraf@sc.senai.br

×