Your SlideShare is downloading. ×
0
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias

685

Published on

A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias / The Energy Efficiency to increase the industries competitivity …

A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias / The Energy Efficiency to increase the industries competitivity
Palestrante: Prof. Msc. Rosaura Piccoli – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – SENAIsc / Brasil

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
685
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A Eficiência Energéticapara aumento da competitividade da Indústria Palestrante: Engª Rosaura Piccoli, M.Sc
  • 2. Definição• Eficiência energética é uma atividade que procura otimizar, de maneira racional, o uso das fontes de energia.
  • 3. Introdução• Além de fundamental para avanços no plano ambiental, a melhoria da eficiência energética é vital para redução de custos operacionais da indústria e o aumento de sua competitividade.
  • 4. Introdução• Estudos da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas (Abimaq, 2012) indicam que os combustíveis, juntamente com lubrificantes, eletricidade, gás e embalagens participam com um percentual de 24,01% na composição da receita líquida da indústria brasileira de transformação.
  • 5. Introdução• No setor de transporte, responsável por mais da metade do consumo de derivados do petróleo e gás natural no país (o transporte rodoviário corresponde a mais de 90% desse consumo), o gasto com combustível pode superar 35% do custo operacional para veículos pesados em trajetos longos. Esse consumo sobe 10% com a falta de manutenção e até 25% com excesso de peso.
  • 6. Introdução• A diminuição desse impacto passa pela adoção de estratégias energéticas que envolvem programas de eficiência energética e investimentos na modernização tecnológica da indústria brasileira.
  • 7. Panorama atual• Para isso o governo lançou o Plano Nacional de Eficiência Energética – 2030: Que visa orientar ações e decisões voltadas para o equacionamento do equilíbrio entre projeções de crescimento da demanda de energia e a correspondente expansão da oferta para os próximos 20 anos, tomando como parâmetros aspectos técnicos, econômicos e ambientais.
  • 8. Panorama atual Projeção das Demandas Fonte: EPE, 2011.
  • 9. A Energia na Indústria• O Setor Industrial é o maior consumidor de energia do país, respondendo por 37,2% de todo consumo no ano de 2010 (BEN, 2010) seguido pelo setor de transporte com 30,4%.
  • 10. A Energia na Indústria • Distribuição do Consumo de Energia pelos Setores da economia Fonte: BEN, 2010.
  • 11. Fontes de Energia usadas na Indústria• Distribuição das Fontes de Energia Eletricidade e o bagaço de cana são as duas fontes energéticas principais, respondendo por 40% de toda energia consumida na indústria.
  • 12. Fontes de Energia usadas na Indústria• Uso dos Combustíveis no setor industrial - As usinas de açúcar e álcool (setor de alimentos e bebidas) respondem por quase 100% do consumo de bagaço de cana; - A lenha é utilizada nos setores alimentos e bebidas, de cerâmica e papel e celulose, os quais juntos respondem por quase 85% do consumo;
  • 13. Fontes de Energia usadas na Indústria• Uso dos Combustíveis no setor industrial - Cerca de 89% do consumo industrial de carvão mineral e coque estão na indústria siderúrgica; Na siderurgia o carvão vegetal aparece como finte renovável de energia e responde por mais de 2% do consumo industrial total; O gás natural, o óleo combustível e o coque de petróleo, são as outras fontes fósseis de destaque no setor; Com exceção do coque – combustível primordial das indústria de cimento, responsável por quase 53% da energia consumida;
  • 14. Fontes de Energia usadas na Indústria• Distribuição das Fontes de Energia Fonte: BEN, 2010.
  • 15. Fontes de Energia usadas na Indústria• Distribuição do consumo de EE por Setores Fonte: BEN, 2010.
  • 16. Fontes de Energia usadas na Indústria• Distribuição do consumo de EE por Atividade Fonte: BEN, 2010.
  • 17. Fontes de Energia usadas na Indústria• Distribuição do consumo de Gás Natural nos setores industriais Fonte: BEN, 2010.
  • 18. Fontes de Energia usadas na Indústria • Distribuição do consumo de Óleo Combustível pelos setores industriais Fonte: BEN, 2010.
  • 19. Oferta de Energia• Oferta Interna de Energia Fonte: BEN, 2010.
  • 20. Consumo de Energia• Consumo Final por Fonte Fonte: BEN, 2010.
  • 21. Consumo de Energia na Indústria Cerâmica Comparativo entre os Processos de Fabricação Cerâmico O Brasil é o país que possui as condições mais favoráveis para o uso do processo de fabricação por via seca. Neste contexto se destaca, a nível mundial pelo desenvolvimento da cerâmica pelo processamento por via seca x via úmida
  • 22. Consumo de Energia na Indústria Cerâmica Comparativo entre os Processos de Fabricação Cerâmico O desafio está em fazer produtos cerâmicos com a mesma qualidade do processamento por via umida.
  • 23. Consumo de Energia na Indústria Cerâmica Comparativo entre os Processos de Fabricação Cerâmico Fonte: UFSCAR-DEMA-LaCer, 2012.
  • 24. Consumo de Energia na Indústria Cerâmica Consumo Térmico Médio dos Processos de Fabricação Cerâmico Fonte: UFSCAR-DEMA-LaCer, 2012.
  • 25. Consumo de Energia na Indústria Cerâmica Contudo, estudos feitos pelo Departamento de Energia da EUA, demonstram que com um simples trabalho de eficiência energética é possível alguma recuperação de energia térmica relacionada ao consumo de combustível. Termografia
  • 26. Consumo de Energia na Indústria Cerâmica Considerando-se a realização de um projeto de eficiência energética, que pode ser uma simples contenção de calor o tempo de retorno deste investimento nunca é superior a 9 meses. Termografias
  • 27. Considerações Finais
  • 28. Obrigada! rosaura@sc.senai.brwww.sc.senai.br | 0800 48 1212

×