Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

Macarrão Instantâneo: Refeição de Conveniência
Instant Noodles: Convenience Meal

Neide Ka...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

mais consumido é o de frango caipira (73%) seguido de carne (27%). Apesar das vantagens
ec...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

O ritmo de vida e a alimentação mudaram nas grandes metrópoles. Tanto nos
restaurantes com...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

vapor, sendo posteriormente fritos por imersão à 140ºC. Esse procedimento seca o macarrão
...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

novembro de 2012, sua primeira planta industrial do Nordeste, no distrito Industrial do
mu...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

parte dos estados de Pernambuco, Paraíba, Bahia e Ceará, ou seja, foram escolhidos 5 (cinc...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

agrada a todos e serve para qualquer ocasião, embora seja mais consumido no almoço ou
como...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

mostram uma alternativa saborosa, de baixo custo e de fácil preparação.

A grande maioria,...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

vem aumentado consideravelmente nos últimos trinta anos e continua, apesar dos seus
detrat...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

Atualmente, a nova versão se mostra mais prática, podendo ser consumida em qualquer
lugar ...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

Damásio e colaboradores (2010), determinando a composição lipídica de 03 diferentes marcas...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

consumido com moderação.

Segundo Goldenberg (2011), as pessoas hoje estão muito mais preo...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

ABIA. Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação. O mercado de food service no
Br...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

História: Questões & Debates, Curitiba, n. 54, p. 19-45, jan./jun. 2011. Editora UFPR.
DAM...
Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013

Nova, São Paulo, v. 30, n. 5, p. 1295-1300, 2007.
SÃO PAULO. Secretaria da Saúde – Governo...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Macarrão Instantâneo: Refeição de Conveniência

1,010

Published on

Artigo publicado na Revista Contextos da Alimentação - edição Vol. 2, nº 2, Ano 2013
Publicação Científica do Centro Universitário Senac - ISSN 2238-4200

Acesse a edição na íntegra!

www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistacontextos/

Resumo

O hábito alimentar do homem sofreu profundas mudanças no decorrer de sua evolução. Hoje é comum que as pessoas trabalhem distante de seus lares, o que os obriga a preparar ou consumir as refeições de forma simples, rápida e de custo baixo. Em decorrência desse estilo de vida moderno, as refeições de conveniência surgiram como uma opção para contornar essas dificuldades e nesse contexto, em 1958, o Sr. Momofuku Ando, criou o macarrão instantâneo; uma preparação bastante consumida pela praticidade, grande aceitação sensorial e custo acessível. Esse trabalho teve como objetivo conhecer o consumo mensal familiar e preferência de sabor do macarrão instantâneo em diferentes cidades do nordeste brasileiro. Foi utilizado um caminho metodológico que constou de uma pesquisa descritiva e exploratória. Do total de sujeitos entrevistados (n=200), de idade entre 25 a 62 anos, responderam que não sabiam que o macarrão instantâneo é um resultado tecnológico da culinária japonesa. Quanto ao consumo, os sabores em pacote mais consumidos são: frango caipira (47%), frango (38%), seguido de carne (8%) e nosso sabor (6%). Quanto ao macarrão instantâneo em pote o sabor mais consumido é o de frango caipira (73%) seguido de carne (27%). Apesar das vantagens econômicas e de praticidade, devemos avaliar com preocupação a forma muitas vezes exagerada quanto à aquisição desse produto, uma vez que o consumo frequente pode levar ao surgimento de doenças não transmissíveis de origem alimentar.

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,010
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Macarrão Instantâneo: Refeição de Conveniência

  1. 1. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 Macarrão Instantâneo: Refeição de Conveniência Instant Noodles: Convenience Meal Neide Kazue Sakugawa Shinohara1 Masayoshi Matsumoto2 Maria do Rosário de Fátima Padilha3 Karlla Karinne Gomes de Oliveira4 Selma Travassos Cirino Medeiros5 Resumo O hábito alimentar do homem sofreu profundas mudanças no decorrer de sua evolução. Hoje é comum que as pessoas trabalhem distante de seus lares, o que os obriga a preparar ou consumir as refeições de forma simples, rápida e de custo baixo. Em decorrência desse estilo de vida moderno, as refeições de conveniência surgiram como uma opção para contornar essas dificuldades e nesse contexto, em 1958, o Sr. Momofuku Ando, criou o macarrão instantâneo; uma preparação bastante consumida pela praticidade, grande aceitação sensorial e custo acessível. Esse trabalho teve como objetivo conhecer o consumo mensal familiar e preferência de sabor do macarrão instantâneo em diferentes cidades do nordeste brasileiro. Foi utilizado um caminho metodológico que constou de uma pesquisa descritiva e exploratória. Do total de sujeitos entrevistados (n=200), de idade entre 25 a 62 anos, responderam que não sabiam que o macarrão instantâneo é um resultado tecnológico da culinária japonesa. Quanto ao consumo, os sabores em pacote mais consumidos são: frango caipira (47%), frango (38%), seguido de carne (8%) e nosso sabor (6%). Quanto ao macarrão instantâneo em pote o sabor 1 Doutora em Ciências Biológicas, Docente do Curso de Gastronomia da UFRPE. E-mail: shinoharanks@yahoo.com.br 2 Discente do Curso de Especialização em Práticas Gastronômicas, UNINASSAU. E-mail: m.masayoshi@yahoo.com.br 3 Doutora em Nutrição, Docente do Curso de Gastronomia da UFRPE. E-mail: fatpadilha@ig.com.br 4 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos da UFRPE. E-mail: karinnegoliveira@gmail.com 5 Discente do Curso de Especialização em Práticas Gastronômicas, UNINASSAU E-mail: selma.tv@hotmail.com 3
  2. 2. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 mais consumido é o de frango caipira (73%) seguido de carne (27%). Apesar das vantagens econômicas e de praticidade, devemos avaliar com preocupação a forma muitas vezes exagerada quanto à aquisição desse produto, uma vez que o consumo frequente pode levar ao surgimento de doenças não transmissíveis de origem alimentar. Palavras-chave: macarrão, refeição rápida, hábito de consumo, culinária asiática. Abstract Man’s food habits suffered profound changes in the course of its evolution. Today it is common for people to work away from their homes, forcing them to prepare or consume meals in a simple, fast and low cost way. Due to this modern lifestyle, convenience meals have emerged as an option to overcome these difficulties and, in this context, in 1958, Mr. Momofuku Ando created instant noodles, a preparation quite consumed for its practicality, great sensory acceptability and affordability. This study aimed to meet the monthly household consumption and preferably taste of instant noodles in different cities in Brazilian Northeast. All respondents (n=200) responded that they were unaware that the noodles is the result of technological Japanese cuisine. As for the taste, the most consumed, in package, are: jerk chicken (47%), chicken (38%), followed by meat (8%) and our taste (6%). As for the noodles in pot, the most consumed flavor is jerk chicken (73%), followed by meat (27%). Despite the economic advantages and practicality, we evaluate with concern how often exaggerated is the purchase of this product, since regular consumption can lead to the emergence of non-communicable diseases foodborne. Keywords: noodles,quick meal, consumption habit, Asian cuisine. Introdução 4
  3. 3. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 O ritmo de vida e a alimentação mudaram nas grandes metrópoles. Tanto nos restaurantes como nas residências, este fato levou à população a necessidade de refeições mais simples e rápidas. O estilo de vida americano passou a dominar o mundo, popularizandose o jargão time is money. Isto porque as pessoas, trabalhando longe de casa, tinham maior dificuldade de voltarem para casa para almoçar, e, paralelamente, no mercado de trabalho tinham que mostrar rendimento. Outro aspecto desse novo padrão da sociedade está relacionado com a estrutura familiar. A gradativa ascensão da mulher ao mercado de trabalho também foi um elemento que favoreceu mudanças nos hábitos alimentares. As pessoas não almoçavam mais em casa, o que fez crescer o número de pequenos restaurantes populares e lanchonetes com refeições rápidas e baratas (FREIXA & CHAVES, 2009). Dentre as comidas elaboradas com praticidade destaca-se o macarrão. Seu significado vem do grego "Makària", que data há cerca de 25 séculos e significa caldo de carne enriquecido por pelotinhas de farinha de trigo e por outros cereais. Sabe-se que o macarrão começou a ser preparado logo que o homem descobriu que podia moer alguns cereais, misturar com água e obter uma pasta cozida ou assada. É difícil dizer onde e quando isso aconteceu. Existem inúmeras maneiras de consumi-lo, uma delas é o macarrão instantâneo ou lamen (ABIA, 2013). Derivado das palavras chinesas Hao Ra (obrigado pela espera), Ra Men (esticado à mão) e La-mien (macarrão estendido); o lamen japonês, como é mundialmente conhecido, tem textura bem diferente do seu similar chinês. Ao ser cozido, torna-se ligeiramente amarelado e a constituição apresenta maior crocância que o macarrão com ovos chinês. No Japão, a popularidade do lamen já ultrapassou os tradicionais udon e soba, e vem se tornando cada vez mais popular no Ocidente. Pode ser encontrado fresco, desidratado ou congelado em lojas de produtos orientais e em grandes redes de supermercados. O lamen instantâneo, muito popular como refeição rápida é uma sopa com o macarrão, acompanhado por um caldo de carne em pó em pacote pronto para usar (KASUKO, 2010; SUGINO & OHISA, 2009). No processo de industrialização, a massa do lamen, é ejetada por uma série de bicos para formar uma fita de longos fios sinuosos, lado a lado. A fita é então cortada em pedaços e dobrada sobre si mesma, depois é posta num molde e a seguir os pedaços são cozidos no 5
  4. 4. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 vapor, sendo posteriormente fritos por imersão à 140ºC. Esse procedimento seca o macarrão de modo que o bloco mantenha seu formato quadrado. A última etapa é a secagem que ocorre por jatos de ar a 80ºC. Embora possa haver uma pequena quantidade de óleo em algumas misturas do tempero, praticamente toda gordura estará presente no macarrão (McGEE, 2011; WOLKE, 2003). O Sr Momofuku Ando teve a idéia de criar o macarrão instantâneo após a 2ª Guerra Mundial ao perceber que as pessoas passavam muitas horas na fila para comprar alimentos no mercado negro devido ao racionamento. Ando nasceu em Taiwan em 1910, quando o país vivia sob ocupação japonesa, depois se mudou para o Japão e dirigiu várias empresas antes de se tornar o inventor de uma das mais populares comidas do mundo. Ele fundou uma empresa de macarrão instantâneo e criou o chicken ramen em 1958, um macarrão instantâneo que se tornou bastante popular no Japão. Ando também inventou em 1971 o cup noodle, outro tipo de macarrão instantâneo em que a água quente é despejada dentro do copo de plástico da embalagem e amolece antes de ser consumido. Devido ao preço baixo e ao fácil preparo, o cup noodle fez tanto sucesso que passou a ser vendido em vários países (Folha de São Paulo, 2007). A Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) Nº 93/2000 da Anvisa (BRASIL, 2000), que dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Massa Alimentícia, define que a massa alimentícia instantânea, é o produto não fermentado, apresentado sob várias formas, recheado ou não, obtido pelo empasto, amassamento mecânico, cozimento ou não, desidratação ou não da mistura de farinha de trigo comum e ou sêmola/semolina de trigo e/ou farinha de trigo integral e/ou farinha de trigo durum e/ou sêmola/semolina de trigo durum e/ou farinha integral de trigo durum e/ou derivados de cereais, leguminosas, raízes ou tubérculos, adicionado ou não de outros ingredientes, e acompanhado ou não de temperos e ou complementos, isoladamente ou adicionados diretamente à massa. Para o preparo, o produto é hidratado a frio ou a quente e o tempo de cozimento é reduzido ou desnecessário. Empresa japonesa e grande fabricante do macarrão instantâneo inaugurou no dia 12 de 6
  5. 5. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 novembro de 2012, sua primeira planta industrial do Nordeste, no distrito Industrial do município de Glória do Goitá, na Zona da Mata Norte, Pernambuco. Essa empresa é formada por duas empresas japonesas de macarrão instantâneo, que investiram R$ 46 milhões na unidade pernambucana. Atualmente o Brasil ocupa a 10ª posição no ranking de consumo de macarrão instantâneo, com aproximadamente 2 bilhões de porções por ano, segundo estudos desenvolvidos pela empresa. O Nordeste tem potencial para ser um dos maiores mercados para o segmento. A fábrica pernambucana produzirá um lamen desenvolvido especialmente para o mercado regional nordestino, “Nosso Sabor” (DIÁRIO DE PERNAMBUCO, 2012; WINA, 2011). Diante do exposto e das potencialidades do produto no mercado nacional e internacional, o objetivo dessa pesquisa foi o de observar o consumo mensal familiar de macarrão instantâneo dos consumidores do nordeste brasileiro, uma vez que o empresariado sinaliza que estes se mostram um potencial mercado consumidor. Desta forma, parece-nos surgir uma grande mudança nos hábitos alimentares em substituição às tradições culinárias nordestinas. Metodologia A pesquisa de campo empregada nesse trabalho foi do tipo descritivo e exploratório com entrevistas, usando um questionário de freqüência de consumo alimentar, baseado em metodologia de Carnevalli e Miguel (2001). Pretendeu-se levantar questões de conhecimento dos consumidores frente ao macarrão instantâneo: se tinham a informação que este produto é resultado da tecnologia industrial japonesa; qual o consumo mensal familiar; preferência de sabor e justificativa de compra mensal em pacote e na versão de copo individual. Os entrevistados (n= 200), maiores de idade, de ambos os sexos, foram escolhidos ao acaso em supermercados, restaurantes, padarias, lanchonetes e rodoviárias. Os sujeitos da pesquisa que foram convidados a participar do estudo tinham de 25 a 62 anos e estes deveriam fazer uma leitura prévia do questionário, para checar se seriam capazes de responder principalmente as questões de consumo e preferência familiar de sabor. As entrevistas foram realizadas em 20 (vinte) cidades que apresentavam IDH médio e que fazem 7
  6. 6. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 parte dos estados de Pernambuco, Paraíba, Bahia e Ceará, ou seja, foram escolhidos 5 (cinco) cidades de cada estado e em cada cidade, 10 (dez) pessoas responderam o questionário. Para obtenção dos resultados, as entrevistas se deram em cidades das regiões que correspondem às zonas do litoral, mata, agreste e sertão nordestino. As alternativas de sabor envolveram as versões pacote de 74 e 85 gramas, nos sabores galinha, galinha caipira, carne e nosso sabor (costela na brasa, galinha ensopada e carne de sol). Os copos de macarrão instantâneo apresentavam gramatura de 64 gramas nos sabores galinha caipira e carne. As alternativas dos sabores que constaram no questionário se basearam em pesquisa das diferentes opções de sabores encontrados nos supermercados das cidades pesquisadas. Resultados e Discussão Depois de séculos de má nutrição decorrente da falta de alimentos no mundo, hoje, nas sociedades industrializadas dos comensais contemporâneos, a preocupação dominante é saber o que comer e em que proporções. Tradicionalmente, até a década 1960, para as classes trabalhadoras, uma boa alimentação era, acima de tudo, uma alimentação “nutritiva”, isto é, “sã”, porém principalmente abundante e saciável. Hoje, ao contrário, a maior parte da população pensa que “comemos exageradamente”. O “temor de que a comida não seja suficiente” retrocedeu. Na atualidade, a preocupação dominante é cada vez mais de caráter qualitativo. Desde os anos 1980, o termo mais utilizado tanto pelas mães de família como pelos dietistas para caracterizar uma boa alimentação é o de equilíbrio (CONTRERAS, 2011). De acordo com as informações obtidas no questionário, nenhum dos entrevistados tinha conhecimento que o macarrão instantâneo era resultado do hibridismo da culinária chinesa e japonesa. Estes relataram que sabiam que não se tratava de uma criação brasileira, principalmente pela nomenclatura, lamen, terminologia muito diferente do usual português. Observamos um sentimento de surpresa por parte dos entrevistados ao descobrirem que um alimento tão aceito nos lares brasileiros era fruto da tecnologia do outro lado do planeta. A sopa lamen japonesa popularizou-se no mundo todo, seguindo a trilha de sucesso dos sushis e, assim como eles, pode ser servida com diferentes carnes ou hortaliças. O lamen 8
  7. 7. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 agrada a todos e serve para qualquer ocasião, embora seja mais consumido no almoço ou como lanche nutritivo. No Japão, o consumo de um tchawan de lamen já apresenta as necessidades nutricionais de uma refeição e é ideal para ser degustado no inverno para aquecer o corpo e a alma (KAZUKO, 2010). Segundo Horiuchi (1975), o caldo do verdadeiro lamen japonês é de fonte suína, podendo ser acrescido de caldo de frango e também de caldo dashi, para assim ser adicionado o sabor umami (porção mais gostosa), sabor esse, que caracteriza a base da culinária japonesa. Podemos observar na Figura 1, que além do caldo base do lamen, há adição de carne de porco, macarrão de lamen, hortaliças e alga marinha, podendo levar ainda outros temperos como o shoyu e o missô. Essa refeição se popularizou nas diversas províncias e regiões do Japão e atualmente adotou outros ingredientes que mudam de acordo com a sazonalidade. Fonte: Chef Yoshi Matsumoto, 2013. Figura 01 - Lamen japonês. Os resultados do questionário reforçaram a informação que os estados analisados representam grande mercado consumidor, pois 74% dos entrevistados, ou seja, 148 pessoas, responderam que colocam o macarrão instantâneo em pacote ou pote em sua lista de compra mensal. Esse contingente de consumidores justificou que há um apelo de compra por parte dos filhos no momento de elaboração da lista de compras. Outra explicação é o relato de estudantes em cidades em que há instituições de ensino superior, onde o grande consumo de produtos de conveniência é devido à falta de tempo na preparação de alimentos e que estes se 9
  8. 8. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 mostram uma alternativa saborosa, de baixo custo e de fácil preparação. A grande maioria, ou seja, 148 pessoas que adquiriram mensalmente esse tipo de alimento preferiram a versão pacote ao invés do copo, porque enquanto o pacote custa na faixa de R$ 0,60 a R$ 1,00, o custo do pote custa um pouco mais que o dobro desse valor. O pote é muito consumido em lanchonetes e bares próximos aos terminais de ônibus, onde um pote já adicionado de água quente e acompanhado de um talher descartável custa em média R$ 3,00. Para os estudantes, este alimento também é uma opção atraente de consumo em substituição das principais refeições, mesmo quando realizado nas dependências da instituição de ensino. Segundo ABIMA (2011), é difícil fazer o brasileiro comprar mais macarrão, pois esse é um produto presente em 100% dos lares. Já as massas instantâneas estão presentes em 90% das residências, o que significa que ainda há espaço para crescer. Nos últimos cinco anos, a venda de massas instantâneas aumentou 31% em volume de venda. O apelo do produto é a praticidade, a rapidez no preparo e o preço: menos de R$ 2,00 por porção e às vezes, menos de R$ 1.00 dependendo da região de comercialização. Os custos acima apresentados pela ABIMA foram semelhantes aos achados nas cidades pesquisadas. Em alguns estabelecimentos comerciais quando havia a possibilidade de encontrar o proprietário ou gerente, estes relataram que iniciaram a comercialização devido à grande procura desses produtos, por parte da população local e de viajantes, uma vez que em algumas regiões da pesquisa eram pontos turísticos e passagem de um contingente diferente de clientes e, portanto consumidores de hábitos alimentares diversos. Ainda de acordo com as informações dos responsáveis pelos estabelecimentos pesquisados, as áreas de comercialização desses produtos estão exigindo aumento do espaço, porque novas marcas e consumidores estão surgindo no mercado. A média de consumo familiar é de 15 a 30 pacotes/mês de macarrão instantâneo. Algumas famílias chegam a comprar uma “embalagem fechada” com 48 ou 50 unidades, provavelmente devido a quantidade dos membros familiares que fazem uso desse tipo de refeição. Esses resultados corroboram com os achados de Contreras (2011), que o consumo de alimentos processados 10
  9. 9. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 vem aumentado consideravelmente nos últimos trinta anos e continua, apesar dos seus detratores morais, gastronômicos, econômicos e dietéticos, tanto nos países mais industrializados como nos de Terceiro Mundo. Há aumento de consumo desses produtos em quantidade de unidades, em diversidade de produtos e em porcentagem do orçamento familiar. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é um indicador elaborado pela Organização das Nações Unidas e usado para medir a qualidade de vida das pessoas em várias regiões do mundo. Leva em conta o PIB per capita – em dólares ajustados ao poder de compra no país, a saúde e a educação, todos com o mesmo peso, de 1/3. A saúde é medida pela esperança de vida ao nascer. Na educação, se mede a taxa de matrícula combinada (peso de 1/3) com a taxa de alfabetização de pessoas com mais de 15 anos (peso de 2/3). O resultado é ordenado segundo valores obtidos no cálculo, assumindo valores relativos que vão de 0 - pior situação de desenvolvimento humano - até 1. Segundo os padrões da Organização Nações Unidas, a região ou país é de alto desenvolvimento quando o IDH é maior ou igual a 0,8; médio, de 0,79 a 0,5, e baixo, de 0,49 ou menos (SILVA, PANHOCA, 2007). Conforme levantamento promovido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2010), o IDH dos municípios nordestino pesquisados variou de 0,581 a 0,748, que segundo Silva e Panhoca (2007); essas cidades apresentam situação mediana quanto ao IDH. Esses achados informam que apesar dos avanços sociais no Brasil, nos locais estudados, estes ainda não estão em ótima condição de desenvolvimento humano, o que pode levar essas populações a consumir com freqüência alimentos industrializados que muitas das vezes apresentam baixo preço e facilidade de preparação. De acordo com os resultados encontrados, os sabores mais consumidos na versão pacote são o de frango caipira (47%), frango (38%), seguido de carne (8%) e nosso sabor (6%). Quanto ao macarrão instantâneo em pote também continua sendo o sabor mais consumido o frango caipira (73%) seguido de carne (27%). Segundo estudos de Bruxel (2011) e Revista Pense (2012), a novidade chegou ao Brasil em 1965, época que foram lançados macarrão instantâneo nos sabores galinha e carne, sabores mais populares em outros países e também os mais consumidos no Brasil. Desde então, muitas pessoas matam a fome com um pacotinho de macarrão, cozido em poucos minutos. 11
  10. 10. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 Atualmente, a nova versão se mostra mais prática, podendo ser consumida em qualquer lugar e assim virou sucesso no mundo inteiro. Aliás, praticidade passou a ser essencial em nosso dia a dia: as refeições deixaram de ter horários rigorosos, o modo de preparação dos pratos mudou sensivelmente, e este produto já vem quase pronto para servir. E para acompanhar estas mudanças, a tecnologia de alimentos investe constantemente em inovações que inovam e facilitam a vida das pessoas com produtos práticos e saborosos. O macarrão instantâneo já faz parte da rotina dos brasileiros (PRONEWS, 2012) e comemora em 2013 55 anos de idade – sendo, pois, considerado um jovem que, de tempos em tempos, continua inovando e surpreendendo a todos com suas novidades e sabores. Nessa pesquisa observamos que o consumo do macarrão instantâneo em pote é devido à variedade na composição de ingredientes em relação ao pacote, o que aumenta a aceitação sensorial – fator decisivo na escolha do produto, quando o orçamento familiar permite a aquisição. De acordo com o rótulo do pote no sabor de galinha caipira, temos adição de tomate, milho, pimentão vermelho e cebolinha verde em flocos; condimentos à base de alho, cebola, coentro, cúrcuma e pimenta branca em pó e realçadores de sabor em sua composição. Ainda leva frango em flocos, condimentos à base de galinha, ovos, soja, leite e aipo; podendo, ainda, conter traços de crustáceos, pescados, mostarda e gergelim. Na versão carne, a base é muito semelhante ao de frango caipira, variando na substituição de flocos de frango por carne bovina desidratada e adicionado de sabor tipo costela ao invés de sabor de galinha. Segundo Yamada (2007) no Japão e nos Estados Unidos, além da composição de ingredientes e sabores dos copos de macarrão instantâneo já comercializado no Brasil, nesses países os ingredientes liofilizados em sua formulação já levam camarão, carne de porco, ovos e diferentes legumes. O tradicional lamen nasceu no Japão e invadiu rapidamente a vida dos americanos nos ultimos 10 anos. O copo de macarrão instantâneo tornou-se tão popular que ganhou uma quota de cerca de 50% de produtos de massas alimentícias no mercado americano, tornando-se um produto de conveniência de grande expressão econômica – e há indícios de que este cenário poderá se repetir em outros mercados consumidores como o Canadá, México e América Latina. Esse consumo crescente precisa ser visto com um olhar mais crítico, porque segundo 12
  11. 11. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 Damásio e colaboradores (2010), determinando a composição lipídica de 03 diferentes marcas de macarrão instantâneo, encontraram conteúdo lipídico que variava de 8,74% a 11,36% a cada 10 gramas de amostras de macarrão. A utilização de gorduras alternativas, inclusive nos macarrões instantâneos, para minimizar os níveis de ácidos graxos trans nos processos tecnológicos, deve ser, portanto, avaliada com cuidado, uma vez que tais mudanças podem gerar produtos alimentícios com altos teores de ácidos graxos saturados e baixos de ácidos graxos essenciais, os quais também poderiam implicar em efeitos adversos à saúde do consumidor (TARRAGO-TRANI et al., 2006; RIBEIRO et al., 2007). Os hábitos ou estilos de vida saudáveis contribuem decisivamente para a manutenção da saúde, tanto de adultos como de crianças e adolescentes. Muitas vezes, o controle de fatores de risco relacionados ao estilo de vida, para determinadas doenças, faz parte de tratamentos propostos, ou ajudam a retardar o aparecimento de enfermidades. Entre as alterações de saúde causadas pela junção de diversos fatores está a hipertensão arterial. Uma pesquisa feita com 284 crianças e jovens da Casa do Adolescente de Pinheiros, unidade ligada à Secretaria de Estado da Saúde, apontou que 25% deles apresentavam quadro de hipertensão arterial combinada com alto consumo de sódio na dieta, apesar da pouca idade (SÃO PAULO, 2012). Inúmeros estudos justificam a presença de alterações da pressão arterial como, por exemplo: obesidade, hereditariedade, tabagismo, etilismo, ingestão elevada de sal e sedentarismo (CHAVES et al., 2009). Segundo a CDC (2013), a maior parte do sal consumido pelos indivíduos vem da ingestão de alimentos processados (75%), o consumo diário de sódio recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de 2000 mg, o que equivale a 5 g de sal por dia (1 colher de chá). O grande consumo de sal é um importante determinante de hipertensão e risco cardiovascular (WHO, 2010). Dados representativos para adultos do conjunto das capitais brasileiras obtidos no Vigitel em 2010 estimam que 25,5% das mulheres e 20,7% dos homens com idade ≥18 anos e cerca de metade dos homens e mais da metade das mulheres com idade ≥55 anos relataram diagnóstico prévio de hipertensão (BRASIL, 2011). Analisando os dados acima, verifica-se na Tabela de Composição de Alimentos (TACO, 2006), que o macarrão instantâneo contém em sua composição 1,516 mg de sódio por unidade, o que corresponde a 75,8% das necessidades diárias de sódio, sendo assim, este alimento deve ser 13
  12. 12. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 consumido com moderação. Segundo Goldenberg (2011), as pessoas hoje estão muito mais preocupadas com o que podem ou não comer, sem ter uma direção clara para seguir. Na atualidade, os comensais precisariam ter um conhecimento muito grande para comer, precisam se preocupar em adquirir esta competência para se manterem informados quanto às consequências do consumo excessivo dos alimentos. Os comedores contemporâneos são indivíduos autônomos em uma economia de mercado, na qual eles são chamados de “consumidores”. Então, eles têm de exercer sua liberdade de escolha com responsabilidade e sabedoria, ou seja, eles têm de fazer uma escolha correta, racional e competente. Portanto, a comida não é considerada diferente de outros bens de consumo que nós temos que escolher racionalmente. Conclusão A alimentação de conveniência se mostra cada vez mais presente no cardápio do consumidor nordestino. Esse cenário é em decorrência do apelo mercadológico de um produto de baixo custo, praticidade em sua preparação e facilidade de acesso, por ser facilmente encontrado em diferentes segmentos de comercialização de alimentos. Observamos que a compra mensal familiar de alimentos de conveniência tem crescido em diferentes regiões brasileiras, e o consumo de macarrão instantâneo se tornou uma alternativa sedutora e preocupante, visto que este alimento muitas vezes é oferecido até mesmo a crianças menores de 1 (um) ano, período em que os hábitos alimentares estão se formando e uma alimentação inadequada pode também representar um dos principais fatores do surgimento de algumas doenças crônicas degenerativas na fase adulta. Referências 14
  13. 13. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 ABIA. Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação. O mercado de food service no Brasil. Disponível em: http://www.abia.org.br/vst/publicacoes.html. 2013. ABIMA. Associação Brasileira das Indústrias de Massas Alimentícias, Pão & Bolo Industrializado. Massa fresca e Lámen puxam categoria. Disponível em: http://www.abima.com.br/notNotciasAbimaDp.asp?cod=382, 2011. BRASIL. ANVISA. Resolução - RDC nº 93, de 31 de outubro de 2000. DOU de 01/11/00. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Massa Alimentícia. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2010: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022 / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011. 148 p. : il. – (Série B. Textos Básicos de Saúde). BRUXEL, R. L. Utilização de resíduos de macarrão como combustível em caldeira. Trabalho de conclusão de curso, apresentado à disciplina Trabalho de Diplomação do curso Tecnologia em Gerenciamento Ambiental da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, como requisito essencial à obtenção do título de Tecnólogo em Gerenciamento Ambiental. 2011. CARNEVALLI, J. A. ; MIGUEL, P. A. C. . Desenvolvimento da Pesquisa de Campo, Amostra e Questionário para Realização de um Estudo Tipo Survey Sobre a Aplicação do QFD no Brasil. In: ENEGEP - XXI Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2001, Salvador. XXI Encontro Nacional de Engenharia de Produção - VII International Conference on Industrial Engineering and Operations Management. Porto Alegre: SONOPRESS Indústria Brasileira Representado por DISC PRESS Comércio Fonográfico Ltda, 1999. CHAVES, E. M.; ARAÚJO, T. L.; CHAVES, D. B. R.; COSTA, A. G. S.; A. R. S, ALVES, F. E. C.; Crianças e adolescentes com história familiar de hipertensão arterial: indicadores de risco cardiovasculares. Acta Paul Enferm 2009;22(6):793-9. CONTRERAS. J. A modernidade alimentar: entre a superabundância e a insegurança. 15
  14. 14. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 História: Questões & Debates, Curitiba, n. 54, p. 19-45, jan./jun. 2011. Editora UFPR. DAMÁSIO, J. M. A., LIRA, A. P., MACÊDO, M. S., SIMIONATO, J. I., LACERDA, E. C. Q., LEÃO, A. S. Estudo Comparativo da Composição Lipídica e Perfil de Ácidos Graxos Presentes em Macarrão Instantâneo. 2010. Diário de Pernambuco. Nissin Ajinomoto inaugura primeira fábrica do Nordeste em Glória do Goitá. Publicação: 12/11/2012. Folha de São Paulo. 07 de janeiro de 2007. Criador do miojo e da Nissin morre no Japão aos 96 anos. GOLDENBERG, M. Cultura e Gastro-anomia: Psicopatologia da alimentação cotidiana. Entrevista com Claude Fischler. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 17, n. 36, p. 235-256, jul./dez. 2011. FREIXA, D., CHAVES, G. Gastronomia no Brasil e no Mundo. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2009. HORIUCHI, K. Revista My Life: Lamen. Série nº 59, pag. 12, 13, 28, 29. Editora Kurafu Tokyo, Shibuya 1 23 25. Japão: 15/9/1975. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1. 2010. KASUKO, E. Culinária Japonesa: receitas especiais fáceis de fazer. São Paulo: Publifolha, 2010. McGee, H. Comida & Cozinha: Ciência e Cultura da Culinária. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011. REVISTA PENSE. Revista do programa de alfabetização na idade certa. Ano 3, nº 12, Maio/Junho de 2012. REVISTA PRONEWS. Disponível em: http://www.revistapronews.com.br/anteriores/detalhe/818/sabor-e-praticidade-da-nissinajinomoto.html. Acesso em 05/06/13. RIBEIRO, A. P. B.; MOURA, J. M. L. N.; GRIMALDI, R.; GONÇALVES, L. A. G. Interesterificação química: alternativa para obtenção de gorduras zero trans. Química 16
  15. 15. Artigo, Vol. 2, Nº 2, Ano 2013 Nova, São Paulo, v. 30, n. 5, p. 1295-1300, 2007. SÃO PAULO. Secretaria da Saúde – Governo do Estado de São Paulo. Pressão alta atinge 25% das crianças e adolescentes. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/ses/noticias/2012/junho/pressao-alta-atinge-25-das-criancas-eadolescentes. Acesso em: 09/06/2013 SUGINO, O.; OHISA, M. Ramen japonês. Disponível em: http://homepage3.nifty.com/shokubun/rarmen.html. 2009. TACO. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos-Versão 2. Segunda Edição. São Paulo: Campinas, 2006. Tarrago-Trani, M.T., Phillips K.M., K.M., Lemar, L.E., Holden, J.M., 2006. New andexisting oils and fats used in products with reduced trans fatty acid content. Journal of American Dietetic Association 106, 867–880. WINA - World Instant Noodles Association. A produção mundial de lamen. Disponível em: htpp://www.instantnoodles.org/jp/. 2011. WOLKE, R. L. O que Einstein disse a seu cozinheiro: A Ciência na Cozinha. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. YAMADA, A. Situação do macarrão instantâneo japonês. Universidade Komazawa, seminário no Kobayashi, monografia de graduação. Disponível em: http://www.komazawau.ac.jp/.../sotulist000.pdf. 2007. SILVA, O. M. P.; PANHOCA, L. A contribuição da vulnerabilidade na determinação do índice de desenvolvimento humano: estudando o estado de Santa Catarina. Ciência & Saúde Coletiva, 12(5):1209-1219, 2007. Recebido em 19/03/2013 Aceito em 24/06/2013 17

×