Reinternações hospitalares por doenças respiratórias em menores de 12 anos e as queimadas em Porto Velho - RO, Amazônia Ocidental

  • 186 views
Uploaded on

Artigo publicado na edição Vol. 8 nº 3 - Revista InterfacEHS …

Artigo publicado na edição Vol. 8 nº 3 - Revista InterfacEHS
Publicação Científica do Centro Universitário Senac - ISSN 1980-0894

Acesse a edição na íntegra!

http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/InterfacEHS/?page_id=1353

Resumo

Este estudo tem por objetivo analisar a relação entre focos de queima e as reinternações em um hospital infantil e internações na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica (UTIP) por doenças respiratórias (DR) em menores de 12 anos. Trata-se de um estudo descritivo, com dados do serviço de arquivo médico e estatístico (SAME), livros de registro da UTIP e mapa nosológico, através das autorizações de internações hospitalares (AIH’s) do Hospital Infantil, referentes ao período 2007-2010, em um município na Amazônia Ocidental. Os dados de focos de calor foram obtidos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE e Sistema de Informações Ambientais – SISAM. Foram construídos dois fluxogramas, um para reinternações hospitalares por DR, a partir dos bancos de dados das internações hospitalares, e outro, das internações na UTIP, divididos em períodos de seca e chuva, de acordo com sexo, faixa etária e localização anatômica. Utilizou-se os softwares SPSS versão 16.0 e o Microsoft Excel versão 2007 para análise dos dados. Houve um incremento de reinternações no Hospital Infantil e internações na UTIP por DR no período da seca, com ênfase em 2010 para as reinternações, quando se pôde considerar uma elevação no número de focos de calor. As pneumonias corresponderam a 54% das causas de reinternação (203 registros). As crianças do sexo masculino tiveram 56% das reinternações por DR. Os óbitos na UTIP também foram superiores no período da seca quando comparados ao período chuvoso.É relevante considerar o monitoramento e a compreensão do binômio saúde/ambiente frente as queimadas e o impacto respiratório sobre este grupo suscetível.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
186
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 REINTERNAÇÕES HOSPITALARES POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EM MENORES DE 12 ANOS E AS QUEIMADAS EM PORTO VELHO-RO, AMAZÔNIA OCIDENTAL READMISSIONS FOR RESPIRATORY DISEASES IN CHILDREN UNDER 12 YEARS AND BURNED AT PORTO VELHO-RO, WESTERN AMAZON Marcela Milrea Araújo Barros1 Karen dos Santos Gonçalves2 Sandra de Souza Hacon3 RESUMO Este estudo tem por objetivo analisar a relação entre focos de queima e as reinternações em um hospital infantil e internações na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica (UTIP) por doenças respiratórias (DR) em menores de 12 anos. Trata-se de um estudo descritivo, com dados do serviço de arquivo médico e estatístico (SAME), livros de registro da UTIP e mapa nosológico, através das autorizações de internações hospitalares (AIH’s) do Hospital Infantil, referentes ao período 2007-2010, em um município na Amazônia Ocidental. Os dados de focos de calor foram obtidos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE e Sistema de Informações Ambientais – SISAM. Foram construídos dois fluxogramas, um para reinternações hospitalares por DR, a partir dos bancos de dados das internações hospitalares, e outro, das internações na UTIP, divididos em períodos de seca e chuva, de acordo com sexo, faixa etária e localização anatômica. Utilizou-se os softwares SPSS versão 16.0 e o Microsoft Excel Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente – PGDRA.Universidade Federal de Rondônia – UNIR. Rua José Vieira Caúla, 5301. Res. Marina Casa. Porto Velho-RO. Email: mmilrea@hotmail.com 2 Mestre em Saúde Pública e Meio Ambinte. Pesquisadora colaboradora, Departamento de Endemias Samuel Pessoa. Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz 3 Doutora em Geoquímica Ambiental. Professora e pesquisador, Departamento de Endemias Samuel Pessoa. Escola Nacional de Saúde Pública, Fiocruz, Rio de Janeiro, RJ. 1 83
  • 2. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 versão 2007 para análise dos dados. Houve um incremento de reinternações no Hospital Infantil e internações na UTIP por DR no período da seca, com ênfase em 2010 para as reinternações, quando se pôde considerar uma elevação no número de focos de calor. As pneumonias corresponderam a 54% das causas de reinternação (203 registros). As crianças do sexo masculino tiveram 56% das reinternações por DR. Os óbitos na UTIP também foram superiores no período da seca quando comparados ao período chuvoso.É relevante considerar o monitoramento e a compreensão do binômio saúde/ambiente frente as queimadas e o impacto respiratório sobre este grupo suscetível. PALAVRAS-CHAVE: Doenças Respiratórias, Crianças, Internações, Reinternações hospitalares. ABSTRACT This study aims to analysze the relationship between foci and burning in a children's hospital readmissions and hospital in the Pediatric Intensive Care Unit (PICU) for respiratory diseases (RD) in under 12 years. This is a descriptive study using data from medical files and statistical (SAME), the register of PICU and nosological map through authorizations for hospital admissions (AIH) Children's Hospital, for the period 2007-2010 in a county western Amazon. The data of hotspots were obtained from the National Institute for Space Research - INPE and Environmental Information System SISAM. We constructed two flow charts, one for readmissions for DR from the databases of hospital admissions, and another of admissions to the PICU, divided into periods of drought and rain, according to sex, age and anatomical location. We used the SPSS version 16.0 and Microsoft Excel 2007 version for data analysis. There was an increase of Children's Hospital readmissions and admissions to the PICU for DR in the dry season, with an emphasis on 2010 to readmissions, when one might consider an increase in the number of hotspots. Pneumonia accounted for 54% of the causes of readmission (203 records). The male children had 56% of readmissions by DR. The deaths in the PICU were also higher in the dry season compared to the rainy season. It is important to consider the monitoring and understanding of the health / environment facing fires and respiratory impact on this susceptible group. KEYWORDS: Respiratory Diseases. Children. Hospitalizations. Readmissions. 84
  • 3. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 INTRODUÇÃO Estudos epidemiológicos têm apresentado evidencias entre a exposição a poluentes atmosféricos e as doenças respiratórias (DOCKERY et al., 1993; .POPE, BATES e RAIZENNE, 1995; ROSA et al., 2008). Os impactos na saúde da poluição do ar dependem diretamente de fatores como: o tipo de poluente e a composição quimica, a concentração, tempo de exposição e a susceptibilidade individual (ARBEX et al., 2004). Algumas áreas urbanas na Amazônia além de serem impactadas pela fumaça da queima de biomassa, também estão expostas a elevadas concentrações de poluentes oriundos da queima de combustível fóssil devido ao expressivo aumento de veículos pesados e leves, processos industriais e queima de combustíveis para geração de energia, como é o caso de Porto Velho, capital de Rondônia, que além de uma termoelétrica em funcionamento teve um aumento considerável de veículos após a construção das usinas de Santo Antonio e Jirau, ambas na capital. Na região Amazônica e em especial no estado de Rondônia, as informações sobre o perfil da morbimortalidade e sua relação com os problemas ambientais são escassas, especialmente acerca da possível influência dos ciclos comuns de seca e chuva. Em razão das queimadas liberarem poluentes para a atmosfera, a qualidade do ar é modificada e em muitos casos, afetam diretamente os grupos mais suscetíveis, como as crianças menores de cinco anos, idosos e aqueles com doenças pré-existentes (POPE, 2000; SALDIVA et al., 1995). E, dependendo da localização dos grupos urbanos, dos níveis de exposição aos poluentes, das condições socioeconômicas, das complicações e da gravidade das doenças respiratórias, há a necessidade de internações e reinternações hospitalares, especialmente nos grupos etários abaixo de 5 ano s(MELLO, DUTRA e LOPES, 2004). Acredita-se que essa suscetibilidade biológica, no caso das crianças, esteja relacionada às diferenças na imaturidade do sistema respiratório e imunológico desta faixa etária conjugado com o comportamento toxicodinâmico e toxicocinético dos poluentes oriundos das queimadas (GLINIANAIA et al., 2004). Os poluentes comprovadamente iniciam e/ou agravam um processo inflamatório no aparelho respiratório, alterando a permeabilidade das vias aéreas inferiores e possibilitando, assim, o acesso e a progressão de micro-organismos patogênicos (CORREIA-DEUR, 2007). 85
  • 4. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 Porto Velho (RO), área do estudo, está situado no trajeto de dispersão de poluentes que além de receber fumaça dos municípios e estados vizinhos, em 2010, chegou a registrar 8.431 focos de queimadas (INPE, 2011). O município está inserido na Amazônia Ocidental e possui ciclos bem definidos de seca e chuva. Neste sentido, a compreensão das internações e reinternações por DR relacionadas aos focos de queimadas no grupo etário suscetível, representa um importante indicador para o conhecimento do processo saúde-doença da região. O estudo tem por objetivo analisar a relação entre focos de queima e os dados de reinternação hospitalar e internação na UTIP em crianças menores de 12 anos por DR. Esta pesquisa é parte integrante do Programa INOVA-ENSP da FIOCRUZ, assim como do Programa de Mudança Climáticas e Saúde e da Sub- Rede Clima- Saúde coordenado pela FIOCRUZ ENSP/ICICT, tendo como coordenação geral o INPE/MCT. MÉTODOS Estudo descritivo, realizado no município de Porto Velho (RO), compreendendo o fluxograma de reinternações hospitalares do Hospital Infantil Cosme e Damião (HICD) e a transferência dessas crianças para a UTIP do Hospital de Base Dr. Ary Pinheiro e sua possível correlação com os focos de calor, como indicador de exposição, em crianças entre 29 dias e 12 anos de idade no período de 1º de janeiro de 2007 a 31 de dezembro de 2010. O município de Porto Velho, está localizado ao norte do estado de Rondônia, à margem direita do Rio Madeira (afluente do rio Amazonas) com uma área total de 34.096 Km2, latitude sul com 08º 45’ 43” Sul e longitude a oeste de Greenwchi 63º 54’ 14” com altitude de 85,2 metros. Seu clima é predominante equatorial, úmido e quente. Situado na Amazônia Ocidental, com uma população segundo o Censo 2010, de 428.527 habitantes e uma densidade demográfica de 12,6 habitantes/Km2 (IBGE, 2011), distribuídos por 66 bairros na área urbana e 12 distritos na área rural. O HBAP é um hospital terciário, de referência, com capacidade instalada de 369 leitos. É um órgão público pertencente ao Poder Executivo Estadual de Rondônia. A UTIP apresentou até agosto de 2010, capacidade somente para oito (8) leitos, sendo acrescidos mais dois leitos, totalizando 10 (dez) leitos a partir deste período. É a única 86
  • 5. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 UTIP para todo o estado. O HICD é referência para internação e atendimento de urgência e emergência para crianças de todo o estado, também pertencente ao Sistema Único de Saúde (SUS), classificado como médio porte e com capacidade instalada para 59 leitos de internação. Os dados foram obtidos a partir da construção de dois bancos de dados de internações hospitalares (um para o HICD e outro para a UTIP) através dos livros de registro e prontuários do paciente provenientes do serviço de arquivo médico e estatístico (SAME) da UTIP e mapa nosológico no HICD, por meio das autorizações de internações hospitalares (AIH’s) do SUS. As reinternações hospitalares e internações na UTIP das crianças procedentes do HICD, foram classificadas de acordo com o Capítulo X da Décima Revisão da Classificação Internacional de Doenças CID-10, códigos J00 a J99. As variáveis de interesse incluíram: idade, sexo, município de residência, procedência (no caso da UTI Pediátrica), dia/mês e ano de internação, idade, hipótese diagnóstica na admissão, alta, óbito ou transferência quando este ocorreu. Consideramos reinternação toda criança que tivesse o registro de mais de uma hospitalização, independente do diagnóstico, idade e intervalo entre uma internação e outra. Como variável dependente os registros foram agrupados segundo a localização anatômica de acordo com o Programa de Assistência e Controle de IRA (Infecção Respiratória Aguda) do Ministério da Saúde (MS), tendo como limite a epiglote, em dois grupos: Infecções das Vias Aéreas Superiores (IVAS) acima da epiglote e Infecções das Vias Aéreas Inferiores (IVAI), abaixo da epiglote. Analisamos as Pneumonias (IVAI) em separado, em virtude de seu maior número no que se refere às causas por doenças respiratórias tanto em literaturas nacionais quanto internacionais. Como variáveis independentes, os dados foram divididos por período em Seca: Maio a Outubro e, Chuva: Novembro a Abril, a partir de focos de calor obtidos pelas imagens AVHRR dos satélites polares NOAA-12, 14, 15, 16, 17, 18 e 19, além das imagens MODIS dos satélites polares TERRA e AQUA e as imagens dos satélites geoestacionários GOES-10 e MSG-2. Os dados de focos de calor foram fornecidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE (http://sigma.cptec.inpe.br/queimadas/) e Sistema de Informações Ambientais - SISAM (http://sisam.cptec.inpe.br/msaude/index.html). 87
  • 6. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 As taxas para internações por DR foram calculadas por 1.000 habitantes, dividindo os quatro anos estudados e calculando-se uma média populacional, correspondendo a 99.156 habitantes, excluindo-se os registros de outros municípios. As internações no período neonatal foram excluídas em razão da importância do componente da atenção ao pré-natal e parto na morbimortalidade do grupo etário. Para análise das reinternações foram incluídas apenas as crianças que reinternaram separadamente no período de seca ou no período de chuva. Aquelas que reinternaram nos dois períodos foram excluídas da amostra analisada, evitando assim fatores de confundimento. Excluímos 629 crianças que reinternaram nos dois períodos simultaneamente. Para tratamento e análise estatística dos dados foram utilizados os softwares SPSS versão 16.0 e o Microsoft Excel versão 2007. Coeficientes de correlação de Pearson foram calculados para se avaliar como as variáveis estudadas de internação hospitalar e focos de calor foram correlacionadas entre si. A representação dos resultados se deu através da descrição dos dados em porcentagem e taxa, além de gráficos e fluxogramas. A pesquisa iniciou-se somente após aprovação no Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Federal de Rondônia, em 27 de Julho de 2010, n.º 2945.0.000.047-10. RESULTADOS Nos período de janeiro de 2007 a dezembro de 2010 foram registradas no HICD 13.855 e na UTIP 1.156 internações hospitalares em crianças menores de 12 anos procedentes de todo o estado de Rondônia. Das crianças residentes no município de Porto Velho, as doenças do Aparelho respiratório foram responsáveis por 4.306 internações no HICD e 117 internações na UTIP, representando uma taxa de 10,9 internações por 1.000 habitantes para o HICD e 0,3 internações por 1.000 habitantes para a UTIP e se destacaram como a primeira causa de internação em ambos os hospitais pesquisados. Analisados os dados da faixa etária em menores de 12 anos para o período estudado, o HICD demonstrou que 84% de DR ocorreram em menores de 5 anos com 3.639 casos, seguido das crianças de 5 a 9 anos com 539 internações (13%), e 10 a 12 88
  • 7. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 anos com 128 (3%) internações. Na UTIP, as crianças menores de 5 anos também evidenciaram o maior número de internações, com proporção de 69%, o equivalente a 81 registros. As crianças de 5 a 9 anos corresponderam 26 internações (22%) e as crianças de 10 a 12 anos com 9% internações. Objetivando uma análise descritiva do perfil destas crianças, considerando a transferência do HICD e a internação da criança na UTIP como um agravamento do estado geral, correlacionamos com as variáveis classificadas como seca e chuva, onde o período de seca coincide com o período de queima de biomassa e redução do numero de chuvas no município de Porto Velho e em toda região do bioma Amazônia. Analisando as reinternações no HICD, encontramos o registro de 1.036 reinternações destes, 407 registros de reinternação corresponderam a 192 crianças que retornaram ao hospital nos períodos classificados como chuva ou seca (Tabela 1). Considerando as reinternações pelo número de vezes que a criança retornou ao hospital, podemos perceber que 91% das crianças reinternaram duas vezes no HICD, 8% três vezes e 1% das crianças reinternaram quatro vezes. As crianças que retornaram ao hospital para reinternar por quatro vezes foram superiores no período de seca nos anos 2007, 2008 e 2010, assim como as crianças que retornaram ao hospital para reinternar três vezes nos anos 2008 e 2010. De acordo com a classificação das doenças respiratórias em IVAS, IVAI e PNM e as variáveis, seca e chuva, observou-se que as Pneumonias corresponderam a 54% das causas de reinternação (203 registros), seguida das IVAI com 142 registros ou 37% e as IVAS com 9% ou 35 registros de reinternação. Os registros de Pneumonias foram superiores no período de seca nos anos 2007, 2008 e 2010. As crianças do sexo masculino corresponderam a 56% das reinternações ou 107 crianças. Para as crianças do sexo feminino, observamos 44% das reinternações, o equivalente a 84 crianças. 89
  • 8. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 Tabela 1 – Reinternações por DR em menores de 12 anos, períodos Chuva e Seca. Porto Velho - RO (2007-2010) ANO / PERÍODO Nº de Nº de Sexo reinternações crianças Total de Localização internações registradas internadas 2x 3x 4x M F IVAS IVAI PNM (HICD) 2007 44 40 2 1 25 19 12 31 50 93 Chuva 22 20 2 0 10 12 6 17 23 46 Seca 22 20 1 1 15 7 6 14 27 47 2008 41 35 6 0 18 23 5 48 35 88 Chuva 18 16 2 0 10 8 1 20 17 38 Seca 23 19 4 0 8 15 4 28 18 50 2009 41 40 1 1 30 10 8 36 41 86 Chuva 22 22 1 0 16 5 2 22 21 46 Seca 19 18 0 1 14 5 6 14 20 40 2010 66 59 6 1 34 32 10 27 77 140 Chuva 33 32 1 0 13 20 6 6 29 67 Seca 33 27 5 1 21 12 4 21 48 73 TOTAL 192 174 15 3 107 84 35 142 203 407 Fonte: Serviço de Arquivo Médico e Estatístico (SAME/HICD). Porto Velho –RO. 2007 a 2010. Na UTIP, encontramos o registro de 47 internações de crianças procedentes do HICD, destas, 20 (43%) procederam das internações hospitalares e 27 (57%) foram encaminhadas diretamente do ambulatório do referido hospital, não permitindo o registro de internação. Do total de crianças registradas na UTIP por DR, 31 receberam alta para a enfermaria (66%) e 16 evoluíram a óbito (34%). Das crianças liberadas para a enfermaria, 20 procederam do ambulatório (64%) e 11 procederam da internação do HICD (36%). Dos registros de óbitos, nove (56%) correspondiam a crianças procedentes da internação e sete do ambulatório (44%). Ressaltamos que seis das crianças (67%) que 90
  • 9. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 internaram na UTIP, apresentaram registros de reinternação entre 2 e 4 vezes no HICD, destas, cinco evoluíram a óbito (83%). (Figura 2) Figura 2 – Fluxograma de Internações por DR no HICD e encaminhadas para a UTIP. Porto Velho, RO (2007 a 2010). Crianças residentes em Porto Velho que internaram por Doenças Respiratórias no HICD nos anos de 2007 a 2010 [4.306] Reinternações [1.036] Alta [3.270] Encaminhadas direto do Ambulatório do HICD para a UTIP [27] Encaminhadas para a UTIP [20] Alta das crianças que vieram do ambulatório [20] Crianças que reinternaram de 2 a 4x no HICD antes de serem encaminhadas para a UTIP [6] Crianças internadas na UTIP procedentes do HICD [47] Alta [31] Óbito [0] Óbitos [16] Alta das crianças que estavam internadas [11] Óbitos das crianças que vieram do ambulatório [7] Óbitos das crianças que estavam internadas [9] Óbitos [5] Fonte: Serviço de Arquivo Médico e Estatístico (SAME/HICD); Livros de Registro da UTIP/HBAP. Porto Velho –RO. 2007 a 2010. 91
  • 10. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 Ao considerarmos as variáveis IVAI, Pneumonias e os períodos de seca e chuva na UTIP, onde as IVAS não ocorreram, verificamos que o número de crianças internadas tanto no período da seca quanto na chuva, atingiram a mesma proporção, 10 internações respectivamente. Analisando as variáveis IVAI e Pneumonias no período estudado, observamos que as pneumonias ocorreram em maior número no período da seca, correspondendo a oito internações e contraposição às cinco internações no período chuvoso. (Figura 3) Figura 3– Fluxograma de Internações na UTIP/HBAP por DR e as variáveis IVAI, PNM, Seca e Chuva. Porto Velho, RO (2007 a 2010). Crianças residentes em Porto Velho internadas por Doenças Respiratórias na UTIP, procedentes da internação do HICD nos anos de 2007 a 2010 [20] Crianças reinternadas no HICD no período da chuva (antes de serem encaminhadas a UTIP) [3] Crianças internadas no período da chuva [10] IVAI [5] PNM [5] Crianças internadas no período da seca [10] IVAI [2] Óbitos no período da chuva [4] Crianças reinternadas no HICD no período da seca (antes de serem encaminhadas a UTIP) [4] PNM [8] Óbitos no período da seca [5] Fonte: Serviço de Arquivo Médico e Estatístico (SAME/HICD); Livros de Registro da UTIP/HBAP. Porto Velho –RO. 2007 a 2010. 92
  • 11. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 Ao relacionar as reinternações registradas por DR no HICD com os registros de focos de calor, umidade e temperatura verificamos uma correlação positiva e significativa (0,695) entre as IVAS na UTIP e os focos de calor. Entretanto, não foi observada correlação significativa entre as demais variáveis (Tabela 2). Tabela 2 – Coeficiente de Correlação de Pearson para as principais variáveis utilizadas. Porto Velho-RO (2007-2010) TEMP DAR¹ DAR² IVAS¹ IVAS² IVAI¹ IVAI² PNM¹ PNM² FOCO UMID MED DAR¹ 1 ,143 ,741** ,007 ,692** ,018 ,863** ,127 -,073 -,146 -,251 DAR² 1 ,065 ,325 ,284 ,076 ,128 ,874** ,116 -,017 ,222 IVAS¹ 1 -,018 ,665** -,229 ,746** ,166 ,049 -,100 -,146 IVAS² 1 -,037 ,214 -,061 ,073 ,695** -,326 ,409 IVAI¹ 1 -,101 ,465 ,320 -,235 ,193 -,313 IVAI² 1 -,029 -,401 ,192 ,006 ,201 PNM¹ 1 ,144 -,030 -,070 -,182 PNM² 1 -,073 ,027 ,065 FOCO 1 ,754** ,787** UMID 1 ,743** TEMP MED 1 TEMP MAX TEMP MIN TEMP MAX -,033 ,029 -,025 ,334 -,359 ,132 ,009 -,079 TEMP MIN ,208 -,128 ,194 ,352 -,280 -,002 ,313 -,171 ,823** ,742** ,925** ,722** ,870** ,475 1 ,792** 1 Fonte: Serviço de Arquivo Médico e Estatístico (SAME/HICD);Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE. Porto Velho –RO. 2007 a 2010. Nota= ** Nível de significância de 0,01. ¹HICD – Hospital Infantil Cosme e Damião; ²UTIP – Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica, DAR – Doenças Respiratórias;; IVAI – Infecção de Vias Aéreas Inferiores; IVAS – Infeccão de Vias Aéreas Superiores; PNM – Pneumonia; UMID – Umidade; TEMP – Temperatura; MAX – Máxima, MED – Média, MIN – Mínima. 93
  • 12. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 DISCUSSÃO Os resultados demonstram que as doenças do aparelho respiratório para o município de Porto Velho, representaram a primeira causa de internações no HICD e na UTIP quando comparadas as demais doenças para os anos 2007 a 2010. Gonçalves (2010) em estudo ecológico de série temporal também no HICD analisou os atendimentos ambulatoriais por doenças respiratórias em crianças no período de 2005 a 2008. Os resultados demonstraram as doenças respiratórias como a primeira causa de atendimento ambulatorial em crianças, o que representou 41% de todas as consultas registradas no período analisado. Ambos os hospitais constituem-se única referência para o atendimento de urgência e emergência com internação bem como a assistência a crianças gravemente enfermos atendidos exclusivamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para todo o estado. Neste sentindo, em virtude da dificuldade de acesso e pela qualidade da assistência primária em saúde oferecidos em todo o estado (ausência de médicos pediatras, medicação, exames de imagem ou laboratorial) a busca pelo atendimento nestes hospitais, torna-os ponto de apoio para assistência às crianças com doenças respiratórias. A disponibilidade dos leitos na UTI Pediátrica também é fato preponderante e completamente influenciador a ser descrito, pois pôde ter interferido no número de internações hospitalares para o período estudado. Por se tratar de referência em assistência a crianças gravemente enfermas, a UTI pediátrica conta com apenas oito leitos para o atendimento a todas as crianças do Estado de Rondônia. Ou seja, não atende a demanda do estado, principalmente nos meses de maior incidência de doenças respiratórias. Considerando o parâmetro mínimo de um leito para cada 10.000 habitantes e a população do estado, seriam necessários 44,1 leitos de terapia intensiva pediátrica, muito aquém do que a realidade comprova. Ou seja, pacientes que necessitaram de UTI pediátrica em algum momento do período estudado, não puderam ser internados na unidade, reduzindo a possibilidade de maior correlação entre doenças respiratórias e os períodos de maior intensidade das queimadas. Ao se avaliar os achados que se referem à faixa etária, as maiores taxas de internações apresentadas foram de crianças menores de 5 anos e corroboram com outros 94
  • 13. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 estudos desenvolvidos (BENGUIGUI, 2003; DUARTE e BOTELHO, 2000; RUDAN et al., 2004). Considerando os dados referentes ao sexo das crianças reinternadas no HICD para o município de Porto Velho com doenças respiratórias, observou-se que as crianças do sexo masculino foram mais frequentemente internadas que aquelas do sexo feminino (IWANE et al., 2004; KOCH et al., 2005). Para Macedo et al. (2007) as diferenças anatômicas como, por exemplo, o menor calibre da via aérea entre os meninos, pode ser um dos fatores a serem relacionados a este fenômeno. Os estudos epidemiológicos evidenciam um aumento consistente de doenças respiratórias e da mortalidade geral associadas à exposição de poluentes presentes na atmosfera, principalmente nos grupos mais suscetíveis (CANÇADO et al., 2006; IGNOTTI et al., 2007) influenciando assim, no perfil e na gravidade dessas doenças, aumentando a demanda de internações. No entanto, são escassos os estudos que se referem às doenças respiratórias como importantes causas de reinternação. Segundo Lasmar et al. (2006) em estudo realizado em Belo Horizonte, 65% das crianças hospitalizadas foram readmitidas pelo mesmo motivo no período de 18 meses. Fator relevante que merece ser evidenciado diz respeito à complicação dos casos quanto ao número de vezes que a criança retornou ao hospital, tornando-se necessário uma nova internação (ou reinternação). Neste caso, aquelas que retornaram ao hospital por mais de 3 ou 4 vezes foi superior no período de seca. A justificativa para isto é que provavelmente no período chuvoso a umidade excessiva, determinada pela intensidade das chuvas, pode propiciar o maior número de casos de doenças respiratórias, porém com menor gravidade. Ao contrário no período seco, a má qualidade do ar inspirado, irrita as vias aéreas e facilita o seu agravamento, resultando em maior número de reinternações. Outra evidencia que sugere a hipótese da gravidade das reinternações no período da seca, compreende a ocorrência de reinternações por pneumonias terem sido superiores no período da seca nos anos 2007, 2008 e 2010, quando comparados ao período chuvoso. Apenas o ano de 2009 apresentou padrão divergente dos demais. Entretanto, a diferença entre os períodos foi mínima e pouco representativa. O que reforça que no período climático mais crítico do ano, as crianças sofrem mais com o impacto das doenças respiratórias mais graves. Possivelmente, como resultado do somatório do processo inflamatório que a própria infecção acarreta às vias aéreas, bem 95
  • 14. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 como a má qualidade do ar inspirado, fazendo com que a criança demore mais a se recuperar (BOTELHO et al., 2003). A pneumonia é a principal causa de morte em crianças no mundo inteiro. A cada ano, mata cerca de 1,6 milhões, representando 18% das mortes de crianças menores de cinco anos em todo o mundo ( WHO, 2010). O Brasil está entre os 15 países com maior número de casos anuais de pneumonia em menores de 5 anos (1,8 milhão), com incidência estimada de 0,11 episódio/criança/ano. Nesse grupo, são mais de 50% das hospitalizações e 10 a 15% dos óbitos são atribuídos às IRA, sendo 80% destes por pneumonia. Os custos com hospitalizações geram em torno de R$ 189 milhões, destes 20,5% com menores de 5 anos (CARDOSO, 2010). Há ainda outro aspecto a ser considerado. A partir da queima de biomassa, as partículas muito finas podem ficar mais tempo em suspensão no ar podendo atingir as porções mais profundas do trato respiratório, causando efeitos adversos à saúde como o aumento das internações por doenças respiratórias (WHO, 2010). Observou-se que quando havia o maior número de focos de calor, consequentemente aumentavam as reinternações por doenças respiratórias no período da seca nos anos 2007, 2008 e especialmente no ano de 2010, caracterizado como o ano que mais queimou no município de Porto Velho. O que reforça que estas características climáticas comuns ao período seco do ano confirmam os resultados analisados anteriormente. No ano de 2010, a precipitação na estação seca foi baixa em toda a Amazônia, com aparente semelhança à grande seca de 2005. Lewis et al.(2011) analisando uma década de dados de precipitação obtidos por satélite, mostrou que 57% da Amazônia apresentaram baixo índice pluviométrico em 2010, em comparação com 37% em 2005. No ano de 2010, uma área de 3 milhões quilômetros quadrados foi atingida pela estiagem, em contraposição aos 1,9 milhão de quilômetros quadrados em 2005. O que nos indica que a seca de 2010 foi mais severa e generalizada que a seca de 2005. Fatores de risco para a readmissão hospitalar das crianças incluem o número de admissões anteriores, o baixo nível socioeconômico, a ausência de acompanhamento regular para o tratamento da doença e a baixa escolaridade materna (LASMAR et al., 2006). Considerando as informações das crianças encaminhadas para a UTI Pediátrica é interessante observar que 57% das crianças procederam diretamente do ambulatório, ou 96
  • 15. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 seja, passaram menos de 24 horas no hospital e foram encaminhadas à UTIP. No entanto o que podemos ressalvar é que as proporções das crianças que procederam da internação do HICD apresentaram implicações mais graves dentro da UTI pediátrica. Ou seja, das crianças que evoluíram à óbito, 56% corresponderam a crianças procedentes da internação e não do ambulatório. Destas, 67% já apresentavam histórico de reinternação, com a proporção de 83% de evolução para óbito. A fim de aprofundar o processo investigativo do perfil das crianças que se internaram na UTI pediátrica e procederam do HICD em relação às internações por doenças respiratórias e sua correlação com as variáveis períodos de “chuva” e “seca”, verificamos que as proporções de internações encontradas tanto no período de chuva quanto no período de seca foram as mesmas. Entretanto ao analisarmos as variáveis de gravidade IVAI, Pneumonias e evolução para óbito, percebemos que no período da seca, as pneumonias prevaleceram, bem como mais crianças evoluíram à óbito. Acrescentamos ainda, o fato das crianças reinternadas no HICD e encaminhadas à UTI pediátrica foram superior no período de seca quando comparados ao período chuvoso. Estes achados apresentam similaridade com os descritos por Souza (2008) em estudo desenvolvido no município de Rio Branco/AC. Apesar de não estudar as reinternações, o autor analisa os padrões de aumento e redução dos incrementos referentes às internações hospitalares por doenças respiratórias em menores de 5 anos, as quais coincidem com os períodos de seca durante o período analisado, enfatizando a possibilidade da forte influência das queimadas na prevalência dessas hospitalizações. CONSIDERAÇÕES FINAIS O estudo assume importância relevante na medida em que sugere a associação entre a sazonalidade da região, as queimadas e as internações por doenças respiratórias graves. Indicando a necessidade da realização de novos estudos com o emprego de métodos mais aprimorados, a fim de aprofundar as análises, uma vez que o devemos levar em consideração que o período seco pode ser responsável não pela frequência de atendimentos e sim pela maior gravidade das mesmas, em vistas a necessidade de internação ou reinternação. 97
  • 16. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 REFERÊNCIAS ARBEX, M.A.; CANÇADO, J.E.D.; PEREIRA, L.A.A.; BRAGA, A.L.F.; SALDIVA, P.H.N. Queima de biomassa e efeitos sobre a saúde. J. bras. pneumol.2004. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180637132004000200015&l ng=en> . Acesso em: 10 Set. 2010. BENGUIGUI, Y. Controle de infecções respiratórias agudas no contexto da estratégia AIDPI nas Américas. Rev. Bras. Saúde Mater Infant. p.25-36, 2003. BOTELHO C et al. Fatores ambientais e hospitalizações em crianças menores de cinco anos com infecção respiratória aguda. Cad Saude Publica. Vol. 19 p. 1771-80, 2003. CANÇADO, J.E.D. et al. The impacto f sugar cane-burning emissions on the respiratory system of children and the elderly. Environ Health Persp. 2006. CARDOSO, A.M. A persistência das infecções respiratórias agudas como problema de Saúde Pública. Cad. Saúde Pública. 2010; 26(7):1270-1271. CORREIA-DEUR, J.E. Contaminación del aire exterior y enfermedades alérgicas de la vía aérea. Cienc Trab. 2007. DOCKERY, D.W.; POPE, C.A. III; XU, X.; SPENGLER, J.D.; WARE JH, FAY ME, et al. An association between air pollution and mortality in six U.S. cities. N Engl J Med. 329:1753-1759. 1993. DUARTE, D.M.G.; BOTELHO, C. Perfil clínico de crianças menores de cinco anos com infecção respiratória aguda. J Pediatr (Rio J).vol. 76 p.207-12, 2000. GLINIANAIA, S.V. et al. Does Particulate Air Pollution Contribute to Infant Death? A Systematic Review. Environmental Health Perspectives. p.1365-70, 2004. 98
  • 17. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 GONÇALVES, K.S. Queimadas e atendimentos ambulatoriais por doenças respiratórias em crianças no município de Porto Velho, Rondônia. [Dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): ENSP, FIOCRUZ; 2010. IGNOTTI ,E.; HACON, S.S.; SILVA, A.M.; JUNGER, W.L.; CASTRO, H.A. Efeitos das queimadas na Amazônia: método de seleção dos municípios segundo indicadores de saúde. Rev Bras Epidemiol. Vol. 10 p. 453-64, 2007. INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS – INPE . [site na internet] Queimadas, Monitoramento de Focos. Disponível em: <http://sigma.cptec.inpe.br/queimadas/perguntas.html> . Acesso em: 06 Jun. 2011. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. [site na internet]. Brasília, DF; 2011. Disponível em: <www.ibge.gov.br> . Acesso em: 10 Maio 2011. IWANE, M.K. et al. Children Syncytial Virus, Influenza Virus, and Parainfluenza Viruses Among Young Population-Based Surveillance for Hospitalizations Associated With Respiratory. Pediatrics. p.1758-1764. 2004. KOCH, A. et al. Risk factors for acute respiratory tract infections in yong Greenlandic children. Am J Epidemiol. p. 374-84, 2005. LASMAR, L.M.L.B. et al. Fatores de risco para readmissão hospitalar de crianças e adolescentes asmáticos. J Bras Pneumol. 2006. LEWIS, S.L.; BRANDO, P.M.; PHILLIPS, O.L.; VAN DER HEIJDEN, G.M.; NEPSTAD, D. The 2010 Amazon drought. Science. 2011. MACEDO, S.E. et al. Fatores de risco para internação por doença respiratória aguda em crianças até um ano de idade. Rev Saude Publica. 2007. 99
  • 18. ISSN 1980-0894 Artigo, Vol.8 Nº3, Ano 2013 MELLO, R.R.; DUTRA, M.V.P.; LOPES, J.M.A. Morbidade respiratória no primeiro ano de vida de prematuros egressos de uma unidade pública de tratamento intensivo neonatal. J Pediatr (Rio J). p. 503-10, 2004. Disponível em < http://www.jped.com.br/conteudo/04-80-06-503/port.asp> . Acesso em: 16 Ago. 2011. POPE, C.A. III. Epidemiology of fine particulate air pollution and human health: biologic mechanisms and who’s at risk? Environ Health Perspect. P. 713–723, 2000. POPE, C.A. III; BATES, D.V.; RAIZENNE, M.E. Health effects of particulate air pollution: time for reassessment? Environ Health Perspect. P. 472–480, 1995. ROSA . A.M.; IGNOTTI, E.; BOTELHO, C.; CASTRO, H.A.; HACON, S.S. Doença respiratória e sazonalidade climática em menores de 15 anos em um município da Amazônia brasileira. J. Pediatr. (Rio J.); 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S002175572008000700012&lng=en>. Acesso em: 25 Jan. 2011. RUDAN, I. et al. Global estimate of the incidence of clinical pneumonia among children under five years of age. Bull World Health Organ, 2004. SALDIVA, P.H. et al. Air pollution and mortality in elderly people: a time-series study in São Paulo, Brazil. Arch Environ Health. Vol. 50, p. 159-163, 1995. SOUZA, S. Análise de Impactos das queimadas sobre a saúde humana: um estudo de caso do município de Rio Branco, Acre [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Saúde Pública, Fiocruz, 2008. WORLD HEALTH ORGANZIATION – WHO. [site na internet ] Pneumonia. 2010; 331. Disponível em <http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs331/en/index.html> .Acesso em: 24 Mar. 2011. Recebido em 02/09/2013 Aceito em 07/11/2013 100