O uso racional de cosméticos e o seu descarte consciente e apelo do uso por produtos de origens orgânica e natural
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

O uso racional de cosméticos e o seu descarte consciente e apelo do uso por produtos de origens orgânica e natural

on

  • 602 views

Resenha publicada na edição Vol. 8 nº 3 - Revista InterfacEHS ...

Resenha publicada na edição Vol. 8 nº 3 - Revista InterfacEHS
Publicação Científica do Centro Universitário Senac - ISSN 1980-0894

Acesse a edição na íntegra!

http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/InterfacEHS/?page_id=1353

Resumo

A cada ano, o setor de cosméticos tem crescido aceleradamente com a oferta de inúmeros cosméticos com diferentes apelos de atividades contra inúmeras disfunções estéticas. Além disso, este mercado tem incentivado o consumo compulsivo e, por esse motivo, cada brasileira, em média, tem em torno de três produtos com mesmo atividade cosmética.
Desta maneira, é possível que algum produto não acabado vença e seja descartado no lixo comum, representando futuramente um grande poluente e risco potencial ao meio ambiente. Alguns produtos cosméticos são extremamente tóxicos ao meio e por esse motivo necessitam de maiores cuidados como, por exemplo, o batom, esmalte, tintura e surfactante. Todos representam produtos que poluem extensivamente e também podem trazer risco a saúde. O batom e a tintura apresentam, em sua composição, metais pesados presentes (cádmio, cromo ou chumbo). Estes metais estão ligados aos cânceres, mal de Alzheimer e também possivelmente afetar o sistema nervoso central. Quanto ao esmalte se utiliza solventes que podem causar prurido e vermelhidão no rosto e se inalados podem comprometer e causar problemas no sistema respiratório.(...)

Statistics

Views

Total Views
602
Views on SlideShare
511
Embed Views
91

Actions

Likes
0
Downloads
8
Comments
0

1 Embed 91

http://www3.sp.senac.br 91

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

O uso racional de cosméticos e o seu descarte consciente e apelo do uso por produtos de origens orgânica e natural O uso racional de cosméticos e o seu descarte consciente e apelo do uso por produtos de origens orgânica e natural Document Transcript

  • ISSN 1980-0894 Resenha, Vol.8 Nº3, Ano 2013 O USO RACIONAL DE COSMÉTICOS E O SEU DESCARTE CONSCIENTE E APELO DO USO POR PRODUTOS DE ORIGENS ORGÂNICA E NATURAL THE RATIONAL USE OF COSMETICS AND ITS DISPOSAL AND AWARE OF APPEAL FOR USE PRODUCTS ORGANIC AND NATURAL SOURCES Célio Takashi Higuchi1 A cada ano, o setor de cosméticos tem crescido aceleradamente com a oferta de inúmeros cosméticos com diferentes apelos de atividades contra inúmeras disfunções estéticas. Além disso, este mercado tem incentivado o consumo compulsivo e, por esse motivo, cada brasileira, em média, tem em torno de três produtos com mesmo atividade cosmética. Desta maneira, é possível que algum produto não acabado vença e seja descartado no lixo comum, representando futuramente um grande poluente e risco potencial ao meio ambiente. Alguns produtos cosméticos são extremamente tóxicos ao meio e por esse motivo necessitam de maiores cuidados como, por exemplo, o batom, esmalte, tintura e surfactante. Todos representam produtos que poluem extensivamente e também podem trazer risco a saúde. O batom e a tintura apresentam, em sua composição, metais pesados presentes (cádmio, cromo ou chumbo). Estes metais estão ligados aos cânceres, mal de Alzheimer e também possivelmente afetar o sistema nervoso central. Quanto ao esmalte se utiliza solventes que podem causar prurido e vermelhidão no rosto e se inalados podem comprometer e causar problemas no sistema respiratório. Por esse motivo, o uso racional de cosméticos deve ser prioridade em seu consumo tanto em benefício para o meio ambiente, assim como o resultado maléfico do 1 Mestre e farmacêutico pela UNESP, Araraquara, e pesquisador responsável pela linha de pesquisa “Cosméticos Sustentáveis”, Senac, SP. E-mail: celio.thiguchi@sp.senac.br. 138
  • ISSN 1980-0894 Resenha, Vol.8 Nº3, Ano 2013 uso exagerado de produtos. Muitos deles se bioacumulam, podendo gerar graves consequências no futuro quanto a saúde. Como exemplos, o BHT, BHA, DMDM hidantoína e outros. Quanto ao meio ambiente, muitas empresas como a Terracycle tem incentivado o descarte consciente. Esta empresa recebe os cosméticos e destina juntamente com a empresas parceiras o seu destino correto ou também reaproveita para geração de outros produtos de forma reutilizável. Outra forma consciente de uso de cosméticos são os produtos orgânicos. Estes produtos são caracterizados por matérias-primas de origem orgânica (certificada organicamente pelas empresas IBD ou ECOCERT, embalagem sustentável, cadeia produtiva sustentável (baixa geração de resíduos contaminantes, baixo consumo de água e baixo consumo de energia), sem uso de animais em experimentos laboratoriais (pesquisa pré-clínica) e maior compatibilidade com a pele. Para serem consideradas matérias-primas orgânicas seguem-se os seguintes critérios: De acordo com a ECOCERT: • Para cosméticos naturais: mínimo 95% de ingredientes naturais ou de origem vegetal (sobre o total de ingredientes); • Para cosméticos orgânicos: mínimo 95% de ingredientes vegetais certificados orgânicos sobre o total de ingredientes vegetais. - De acordo com a IBD: • Cosmético orgânico: apresenta, pelo menos, 95% de ingredientes orgânicos, excluindo água e sal em seu cálculo; • Cosmético produzido com ingredientes ou matérias-primas orgânicas: com pelo menos 70% de ingredientes orgânicos, excluindo água e sal em seu cálculo; • Cosmético natural: apresenta entre 5% a 70% de ingredientes orgânicos, excluindo água e sal em seu cálculo. As certificadoras IBD e ECOCERT que, em conjunto com um grupo de profissionais europeus da área de cosméticos, desenvolveram o seu próprio referencial e exigência para essa certificação. O referencial ECOCERT de cosméticos orgânicos e naturais, registrado no Ministério da Indústria e Comércio da França, é reconhecido e 139
  • ISSN 1980-0894 Resenha, Vol.8 Nº3, Ano 2013 aceito pelos consumidores em mais de 80 países, em especial na Europa e nos Estados Unidos. Logo, no mercado externo, tanto o selo da ECOCERT como também o do IBD são, sem dúvida, importantes referências. De acordo com a ECOCERT são produtos livres de: • Corantes sintéticos; • Fragrâncias sintéticas; • Polietilenoglicóis (PEGs); • Quaternários de Amônio; • Preservantes sintéticos (parabenos); • Derivados do petróleo. Os cosméticos orgânicos são considerados bons produtos, pois apresentam os seguintes pontos positivos: • Respeito maior em função da compatibilidade da pele, causando menores processos irritativos ou alérgicos por serem mais receptivos em função das restrições de matérias-primas; • Substituição de produtos a base de substâncias sintéticas por naturais com a eficácia e menores efeitos tóxicos; • Em sua grande maioria, as matérias-primas são consideradas biodegradáveis e pouco poluentes. Os seguintes pontos negativos são: • Em alguns produtos o resultado esperado é menor para cosméticos orgânicos como, por exemplo, baixa formação de espuma para produtos com fins de higiene, fazendo com o público consumidor não compre por achar que não tenha qualidade; • Preços bem superiores que os cosméticos sintéticos que apresentem os mesmos resultados finais. 140
  • ISSN 1980-0894 Resenha, Vol.8 Nº3, Ano 2013 As matérias-primas vegetais orgânicas são mais íntegras em função do baixo processo de síntese química e desta forma contribui com mais possibilidade benéfica de suas propriedades que uma substância sintética a qual apresenta somente uma propriedade esperada. Os óleos vegetais penetram na pele de forma mais efetiva que os óleos minerais. Além disso, os óleos vegetais são ricos em nutrientes como vitaminas e sais minerais. Por outro lado, os óleos minerais não penetram com facilidade e apresentam a sensação de matéria-prima densa e de baixa espalhabilidade. Os anti-idades faciais orgânicos apresentam eficácias comprovadas em função dos benefícios de suas matérias-primas ricos em ácidos graxos essenciais orgânicos, vitaminas A, C e E orgânicas. Em função de apresentarem maior compatibilidade com a pele, os resultados são mais efetivos e menores contra-indicações. Os protetores solares orgânicos tem a mesma eficiência dos tradicionais e, além disso, são extremamente interessante, pois nos orgânicos são livres de filtros químicos como, por exemplo, PABA e benzofenonas os quais foram já relatados serem potenciais alergênicos e são formulados com óxido de zinco e dióxido de titânio micronizado e antioxidantes naturais como óleo de semente de uva e chá verde. Os produtos orgânicos para cabelos são realmente eficientes, pois apresentam como, por exemplo, as seguintes composições: substituição do lauril éter sulfato de sódio (LESS), matéria-prima extremamente agressiva e irritativa na pele por derivados naturais como o milho ou cana-de-açúcar que realiza a função de limpeza e formação de espuma de maneira mais suave e menos agressiva e, além disso, livres de sal e silicone, deixando cabelos menos ressecados e menos densos. Os cosméticos orgânicos são indicados para que tem suscetibilidade ao quadro alérgico, pois em função seletiva de uso de matérias-primas como, por exemplo, seleção de conservantes naturais, não uso de matérias-primas derivado do petróleo e matériasprimas livres de agrotóxicos. Entretanto não se deve considerar que são hipoalergênicas, mas neste sentido são necessários testes para comprovação. Por fim, o uso racional de cosméticos envolve, por consequência, menores gerações de poluentes ao meio ambiente e destino correto deles. Além disso, propor o 141
  • ISSN 1980-0894 Resenha, Vol.8 Nº3, Ano 2013 uso de cosméticos orgânicos, garante maior respeito e biocompatibilidade dos componentes do produto cosmético com a pele. Cada indivíduo deve fazer sua parte, e, desta maneira, o meio ambiente agradece. Recebido no dia 11/11/2013 Aceito no dia 11/11/2013 142