Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Palestra aph
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Palestra aph

  • 8,336 views
Published

Enfermagem

Enfermagem

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
8,336
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
290
Comments
0
Likes
3

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR Suporte Básico de VidaPALESTRANTE :LUIZ BRITO PORFIRIO – TEC.SEG.TRABALHO/SOCORRISTA SAMU DIRETOR ESTADUAL DO SINTESP LBP PORFIRIO 1
  • 2. 01 - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:Carga horária: 01 horas/Aula Teórica01-Introdução e definição02- objetivos.03- Aspectos legais do socorrismo04- Etapas básicas do socorrismo05- RCP LBP PORFIRIO 2
  • 3. INTRODUÇÃO 01 - Introdução Atendimento pré-hospitalar (APH) é o atendimento emergencial em ambiente extra-hospitalar (fora do hospital). É um dos elos da cadeia de sobrevida, sendo também conhecido como primeiro/segundo socorros ou resgate. É destinado ás vitimas de traumas (acidentes de trânsito, acidentes do trabalho, violências urbanas, mal súbitos (emergências cardiológicas, neurológicas e distúrbios psiquiátricos), visando a sua estabilização clínica e remoção para uma unidade hospitalar. LBP PORFIRIO 3
  • 4. O APH no Brasil É realizado pelo corpo de bombeiros militares e voluntários nosestados e SAMU - Serviço de Atendimentos Móvel deUrgência nos municípios. Os serviços conta com equipestreinadas em suporte básico e avançado (condutor Socorristas,auxiliares de enfermagem, técnicos, enfermeiros e médicos).As manobras de salvamento são realizadas visando retirar a(s)vitima(s) de uma situação hostil (incêndios, ferragens, ambientesconfinados, altura, salvamentos aquáticos) realizando a remoçãoda mesma para um local seguro e adequado possibilitando oatendimento de SBV, isto é, manobras não evasivas.E nas empresas ? LBP PORFIRIO 4
  • 5. 02 - OBJETIVOS:Esta aula tem como finalidade única e exclusiva, ofereceraos treinados, conhecimentos básicos suficientes paraatender as mudanças no protocolo do APH a partir de2010.Atenção: O conhecimento teórico deverá ser adquiridojuntamente com o conhecimento prático do assunto. LBP PORFIRIO 5
  • 6. OBJETIVO ESPECÍFICO:Atualização do Técnicos dos Técnicos de segurança dotrabalho e demais interessados. LBP PORFIRIO 6
  • 7. Seguir os princípios básicos para cadasituação, seguindo o protocolo dentro desuas limitações técnicas e legais; LBP PORFIRIO 7
  • 8. 03 - Definições e conceitos: Primeiros socorros – é a assistência prestadaimediatamente ainda no local da ocorrência porprofissionais de saúde ou pessoas leigas com treinamentosespecíficos sobre o assunto, tendo como objetivo principal,manter a vítima com vida, minimizar as conseqüências omais próximo possível de sua normalidade até a chegado dosocorro especializado no local (SAMU, Corpo de Bombeiros)que ira dar continuidade dos procedimentos e o transporteadequado para uma unidade hospitalar mais próxima oureferência de acordo com a ocorrência. LBP PORFIRIO 8
  • 9. 03 - Definições e conceitos:SOCORRO BÁSICO - Esta modalidade pode ser aplicada porqualquer pessoa treinada, neste caso não há diagnostico, apenassuspeitas. ( Nas empresas )SOCORRO AVANÇADO - Atendimento que pode-se fazerdiagnóstico, manobras evasivas, administrar medicamentos. NoBrasil somente profissionais de saúde (Médicos e Enfermeiros).URGÊNCIA - Situação onde não há risco à vida, ou seja, a vitimanecessita de uma assistência mediata Ex: entorse.EMERGÊNCIA - Situação onde há risco á vida, ou seja, a vitimanecessita de uma assistência imediata, sua vida corre riscoiminente. Ex: Parada respiratória, hemorragia intensa.Resgate: É o ato de retirar uma ou mais vitima de um local dedifícil acesso utilizando-se de técnicas, equipamentos e pessoalcapacitado para esse tipo de ocorrência. LBP PORFIRIO 9
  • 10. CONCEITOS EMERGÊNCIA Risco de morte URGÊNCIA Não há risco de morte LBP PORFIRIO 10
  • 11. Aspectos legais COSNTITUIÇÃO FEDERAL CAPÍTULOIII DA SEGURANÇA PÚBLICA Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito eresponsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordempública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dosseguintes órgãos: I - polícia federal; II - polícia rodoviária federal; III - polícia ferroviária federal; IV - polícias civis; V - polícias militares e corpos de bombeiros militares. LBP PORFIRIO 11
  • 12. ASPECTOS LEGAISPortaria GM/MS n.º 2048, de 5 de novembro de 2002.Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuiçõeslegais,Considerando que a área de Urgência e Emergênciaconstitui-se em um importante componente da assistência àsaúde;REGULAMENTA O ATENDIMENTO DE URGÊNCIA EEMERGÊNCIA EM TODOS OS ESTADOS LBP PORFIRIO 12
  • 13. 04 - ASPECTOS LEGAIS: Art.135 do Código Penal. Art. 135 - Deixar de prestar assistência, quando possível faz-lo sem risco pessoal, à criança abandonada ou extraviada, ou àpessoa inválida ou ferida, ao desamparado ou em grave eiminente perigo; ou não pedir, nesses casos, o socorro daautoridade pública. Pena: Detenção de 01 (um) a 6 (seis) meses ou multa.Parágrafo único: A pena é aumentada de metade, se a omissãoresulta lesão corporal de natureza grave, e triplica, se resulta emmorte.Todo cidadão é obrigado a prestar auxílio a quem estejanecessitando, tendo três formas para faze-lo: Atender. Auxiliar quem esteja atendendo Solicitar auxílio. LBP PORFIRIO 13
  • 14. 04 - ASPECTOS LEGAISConsentimento Expresso – Através de gestos ou palavras da vitima queesteja consciente a apta a assumir responsabilidades por seus atos.Incapaz: Menores de idade e pessoas com problemas mentais (psíquicos)não respondem juridicamente pelos seus atos.Consentimento implícito – Neste caso a vitima esta inconsciente e suavida esta correndo riscos. Da mesma forma, se a vida de uma criança oude uma pessoa com problema mental estiver correndo risco, oconsentimento devera ser assumido como implícito e o socorro poderá serprestado se no local não estiver presente um responsável pela vitima quepossa expressar o consentimento. Nunca deixe de prestar socorro a umacriança por não ter como obter consentimento de pais e/ou responsável.Abandono - Nunca interrompa o atendimento, antes que alguém com níveligual ou superior de conhecimentos ao seu assuma a responsabilidade. Portanto uma vez iniciada o atendimento você terá que permanecer ao lado davitima até ser substituído por alguém em condições de prestar socorros. LBP PORFIRIO 14
  • 15. 04 - ASPECTOS LEGAISNegligência – Abandonar a vitima, não realizar osprocedimentos necessário etc. (quebra de protocolo).Imprudência – Agir sem usar os equipamentos desegurança etc.Imperícia – Agir sem conhecimento, sem treinamento etc.Exceções da lei (em relação a atender e/ou auxiliar):menores de 16 anos, maiores de 65, gestantes a partir doterceiro mês, deficientes visuais, mentais e físicos(incapacitados). LBP PORFIRIO 15
  • 16. 04 - ASPECTOS LEGAIS : NR-07 PCMOSONR 07 Item 7.5 Dos Primeiros SocorrosTodo estabelecimento deverá estar equipadoscom material de primeiros socorros,considerando-se a característica da atividadedesenvolvida, manter esse material guardadoem local adequado e aos cuidados de pessoastreinada para esse fim. LBP PORFIRIO 16
  • 17. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SET. DE 1997. Art. 176. Deixar o condutor envolvido em acidente com vítima: I - de prestar ou providenciar socorro à vítima, podendo fazê-lo; II - de adotar providências, podendo fazê-lo, no sentido de evitar perigopara o trânsito no local; III - de preservar o local, de forma a facilitar os trabalhos da polícia e daperícia; IV - de adotar providências para remover o veículo do local, quandodeterminadas por policial ou agente da autoridade de trânsito; V - de identificar-se ao policial e de lhe prestar informações necessáriasà confecção do boletim de ocorrência: Infração - gravíssima; Penalidade - multa (cinco vezes) e suspensão do direito de dirigir; Medida administrativa - recolhimento do documento de habilitação. LBP PORFIRIO 17
  • 18. C.T.B. Art. 177. Deixar o condutor de prestarsocorro à vítima de acidente de trânsitoquando solicitado pela autoridade e seusagentes: Infração - grave; Penalidade - multa. LBP PORFIRIO 18
  • 19. C.L.T. 1943Artigo 168 – Exames Médicos$ 4 - O empregador deverá manter noestabelecimento material necessário aprestação de primeiro socorrosadequando a atividade. LBP PORFIRIO 19
  • 20. ETICA NO APH A ÉTICA E A HUMANIZAÇÃO NA REALIZAÇÃO DOS PRIMEIROS SOCORROS Toda pessoa possui uma consciência moral que a faz distinguir entre ocerto e o errado, entre o bem e o mal, ou seja, é capaz de nortear suas atitudes pela ética aqual pode-se dizer: é um conjunto de valores, que se tornam deveres em determinadasculturas ou grupos, sendo expressos em ações. A ética é, normalmente, uma norma de cunhomoral que obriga a conduta de uma determinada pessoa, sob pena de sanção específica, maspode também regulamentar o comportamento de um grupo particular de pessoas, como, porexemplo, enfermeiros, médicos, etc. A ética profissional, mais conhecida como deontologia,caracteriza-se como conjunto de normas ou princípios que têm por fim orientar as relaçõesprofissionais entre pares, destes com os cidadãos, com as instituições a que servem, entreoutros. como, por exemplo, o Código de Ética da Enfermagem, Código de Ética Médica, etc.Assim como a atividade do médico e do enfermeiro está norteada pelo Código de Ética, osocorrista também deve ter sua conduta orientada em um Código que o obriga a prestar seuserviço de atendimento pré-hospitalar calçado em valores e deveres morais e humanísticos,não menos importantes, que o dos códigos dos profissionais de saúde. LBP PORFIRIO 20
  • 21. ETICA NO APHAo longo do Curso, serão preconizados protocolos internacionais que conduzirão o socorristaa atingir resultados de modo a que possam prestar socorro de forma adequada, contribuindocom os órgãos competentes e à sociedade. Entretanto, a técnica não deve desvincular-se dospreceitos que regem a ética que minimizam o sofrimento da vítima e humanizam a prestaçãode socorro, eis que a ruptura deste equilíbrio afetará a eficácia do atendimento. Para um atendimento pré-hospitalar de qualidade o socorrista deverápossuir além do equilíbrio emocional e da competência técnico-científica, uma competênciaética alicerçada nos valores humanísticos, pois, humanizar o atendimento não é apenaschamar a vítima pelo nome, nem ter um sorriso nos lábios constantemente, mas tambémcompreender seus medos, angústias, insegurança e desconfiança, prestando-lhe apoio eatenção permanente, dando-lhe a certeza de que não será abandonado (a) em nenhummomento e que seus direitos serão respeitados. O socorrista humanizado é aquele cujas ações tornam o atendimento aum traumatizado mais digno e complacente com o seu sofrimento. LBP PORFIRIO 21
  • 22. ETICAUm atendimento perfeito ocorre quando, mesmo com o sucesso do emprego de todas as técnicasdominadas pelo socorrista, atende-se a dignidade da pessoa humana, angariando o respeito e aadmiração da vítima e de todos os envolvidos, pelo elevado grau de profissionalismo e respeito àdignidade humana.Não focalizar somente o objeto traumático, para não limitar-se apenas às questões físicas,mas também aos aspectos emocionais cujos danos podem tornar-se irremediáveis;Manter sempre contato com a vitima, buscando uma empatia por parte da mesma cujosfrutos serão a confiança uma boa comunicação;Prestar atenção nas queixas, tentando sempre que possível aliviar a dor da vítima;Manter a vitima, sempre que possível, informada quanto aos procedimentos a seremadotados;Respeitar o modo de vida do traumatizado;Respeitar a privacidade e o pudor, evitando expor a vítima sem necessidade;Não julgar a conduta social da vítima. O atendimento deverá ser imparcial; Ter atenção especialcom crianças e idosos; LBP PORFIRIO 22
  • 23. DIREITOS DA VITIMA  A vítima tem o direito de recusar o atendimento. No caso de adultos, esse direito existe quando estiver consciente e orientado;  No caso de crianças, a recusa do atendimento pode ser feita pelo pai, pela mãe ou pelo responsável legal. Se a criança é retirada do local do acidente antes da chegada do socorro especializado, o prestador de socorro deverá, se possível, arrolar testemunhas que comprovem o fato;  O diálogo é imprescindível, é através dele que o socorrista poderá convencer a vítima e/ou parentes à aceitarem o socorro. LBP PORFIRIO 23
  • 24. 05- ETAPAS BÁSICAS DO SOCORRISMO TELEFONES DE EMERGÊNCIA: 193 - Corpo de Bombeiros – Em Casos de Incêndios, afogamentos, espaço confinados, altura, presos em ferragens. 192 - Serviços de Atendimento Móvel de Urgência mal súbitos, gravidez, acidentes de trânsitos, trabalho, traumas, apoio junto ao corpo de bombeiros e defesa civil. 190 - Policia Militar em casos específicos: Exemplo: Transtornos psíquicos (agressores). Nas empresas : Como Funciona? LBP PORFIRIO 24
  • 25. Acionando o serviço de emergência:Existe um padrão reconhecido internacionalmente, através de códigos, razãopela qual sempre é solicitado algumas informações básicas para que o médicoregulador possa tomar uma decisão próxima da realidade no envio de equipee veiculo adequado.Identifique-se / Nome, telefone.Identifique o tipo de ocorrênciaIdentifique o local (Rua, avenida residência bairro e uma referência) sepossível deixe alguém sinalizando achegada da equipe.Numero de vitimas;Sinalize o localAjude se puderToda vez que um socorristas realizar um atendimento, ele levará emconsideração dois fatores iniciais:1 - Está consciente ou não? Vítima consciente já demonstra estar viva.2 – É evento clínico ou traumático? Em princípio, os eventos clínicos nospermitem maior liberdade de manipulação das vítimas. LBP PORFIRIO 25
  • 26. ESTRELA DA VIDA LBP PORFIRIO 26
  • 27. 07 - Análise da cena/biosegurança• Prioridade: segurança do profissional uso de EPIs.• Sinalização: Isolamento• Observação: Risco existentesBiosegurança: A transmissão de doenças infecto-contagiosas se dá de várias formas. Para se prevenir docontágio é necessário sempre que for atender uma pessoavitima de uma ocorrência clinica (convulsão, desmaio)e/ou Traumática (queimadura, ferimentos) é necessárioseguir as norma de segurança recomendadas pela OMS –organização mundial da saúde, fazendo uso de Herpes –Equipamentos de Proteção Individual (Óculos, luvas,mascaras etc.). LBP PORFIRIO 27
  • 28. BiosegurançaA Biosegurança deverá estar baseado em:Programa de ControleResponsabilidadesIdentificar os riscos biológicosQualificarTreinamentosVacinaçãoAcompanhamentos com históricoRegistros etc.Uso de EPIs. LBP PORFIRIO 28
  • 29. Requisitos Básicos de um Socorrista C - CONHECIMENTO H - HABILIDADE A - AÇÃO LBP PORFIRIO 29
  • 30. CENA SEGURA SOCORRISTA PROTEGIDO Nr 06 – EPIs. LBP PORFIRIO 30
  • 31. Análise Primária Antes 1- Verifique nível de consciência; 2- Abra as vias aéreas respiratórias; 3- Verifique a respiração; 4- Verifique os batimentos cardíacos; 5- Aplicar colar cervical quando trauma. A – Vias aéreas B – Ventilação C – Circulação D - Dea LBP PORFIRIO 31
  • 32. RECONHECIMENTO DA PCR SINAIS CLÍNICOS Apnéia - período superior a 5 segundos Cianose Ausência de pulso Perda da consciência - ocorre de 8 a 12 segundos após a P.C.R. Midríase completa em menos de 3 minutos após a P.C.R. LBP PORFIRIO 32
  • 33. CADEIA DE SOBREVIVÊNCIA CINCO PASSOS Desencadear sistema de emergência (chamar AJUDA com DEA) Reconhecer PCR e aplicar manobras de ressuscitação EFICAZES Desfibrilar PRECOCEMENTE Suporte AVANÇADO de vida Cuidados pós P.C.R. LBP PORFIRIO 33
  • 34. ATUAL : SUPORTE BÁSICO DE VIDA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO C - Circulação A - Vias aéreas livres B - Boa Ventilação D – Desfibrilação Precoce LBP PORFIRIO 34
  • 35. LBP PORFIRIO 35
  • 36. Parada cardio-respiratória Como localizar o coração LBP PORFIRIO 36
  • 37. Mínimo 100/minuto 30 x 2 Compressões de no mínimo 5cm de profundidades LBP PORFIRIO 37
  • 38. RCP EM CRIANÇAS Mesma técnica de adulto deve ser empregada em crianças entre 1 a 8 anos. Sendo : 30 x 2 Um Socorrista 15 x 2 Dois socorrestes. RN Menor de 1 ano LBP PORFIRIO 38
  • 39. DEA - DESFIBRILADORAPÓS 2 MINUTOS DE RCP LBP PORFIRIO 39
  • 40. verificar o Pulso Para verificar o pulso do bebê,gentilmente pressione a parte interna do seu braço,entre o cotovelo e a axila. LBP PORFIRIO 40
  • 41. RCP EM CRIANÇAS A técnica de compressão torácica nas crianças entre 1 a 8 anos de idade é semelhante a do adulto, porém colocando-se apenas 01 dedo acima do ângulo de Charpy e utilizando apenas a região tênar de uma das mãos do reanimador. Verifique o pulso a cada 05 ciclos de ventilação e compressões torácicas. LBP PORFIRIO 41
  • 42. 2 SOCORRISTAS RCP COM 2 SOCORRISTASSOCORRISTA 2 SOCORRISTA 1 REALIZA 30 VENTILA ECOMPRESSÕES CHECA PULSAÇÃO DURANTE AS COMPRESSÕES A CADA 5 CICLOS (30x2) VERIFICAR RESPIRAÇÃO E SINAIS DE CIRCULAÇÃO LBP PORFIRIO 42
  • 43. AÇÃO INTEGRADA LBP PORFIRIO 43
  • 44. AÇÃO INTEGRADA LBP PORFIRIO 44
  • 45. LBP PORFIRIO 45
  • 46. LBP PORFIRIO 46
  • 47. LBP PORFIRIO 47
  • 48. INTEGRAÇÃO COMEÇA AQUI LBP PORFIRIO 48
  • 49. REFERECIAIS: Referência:American Heart Association. Guidelines 2010 for Cardiopulmonary Ressuscitation and Emergency Cardiovascular Care. CONTITUIÇÃO FEDERAL CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO NR 06 E 07 DA PORTARIA 3214/78 DO MTE CODIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO PORTARIA 2048 DO MINISTERIO DA SAUDE LBP PORFIRIO 49
  • 50. OBRIGADO !!!! CONTATO:PORFIRIO@SINTESP.ORG.BR Celular(11)98833404 LBP PORFIRIO 50