• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Ações das Drogas no Sistema Nervoso
 

Ações das Drogas no Sistema Nervoso

on

  • 59,736 views

 

Statistics

Views

Total Views
59,736
Views on SlideShare
56,659
Embed Views
3,077

Actions

Likes
3
Downloads
535
Comments
1

8 Embeds 3,077

http://www.diariodaerva.com 2804
http://drogas-aconselhamento.com.br 233
http://www.slideshare.net 27
http://blogdupladedois.blogspot.com 8
http://www.blogger.com 2
http://abtasty.com 1
http://feeds.feedburner.com 1
http://www.linkedin.com 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1 previous next

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Eu recomendo o slideshare em tudo e para todos. É simplismente demais.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Ações das Drogas no Sistema Nervoso Ações das Drogas no Sistema Nervoso Presentation Transcript

    • 4000 a.C
      • Sumérios: efeitos euforizantes das sementes de papoula
      • As sementes de papoula eram usadas em cultos sumérios
      • Noé: primeira bebedeira registrada...
      Essa bateu!!!
    • tipos
      • Estimulantes: anfetaminas, a cocaína e seus derivados, cafeína.
      • Depressoras: álcool, morfina, heroína, barbitúricos, benzodiazepínicos
      • Alucinógenos: maconha, haxixe, ecstasy, LSD, ayahuasca (Santo Daime)
    • Drogas e o Sistema de Modulação Difuso Droga psicoativa : substâncias que afetam o funcionamento da mente, interferindo com a transmissão sináptica da Noradrenalina , Dopamina e 5-HT (serotonina) Alucinação : sensação de sonhar acordado afetando principalmente a capacidade cognitiva. LSD : antagonista da 5-HT. Estimulantes: aumentam a excitabilidade cortical Cocaína e Anfetamina : alerta e autoconfiança, euforia e redução do apetite. Atuam inibindo a recaptação do NT prolongando o efeito. Exacerbam efeitos simaptomiméticos. Facilitam a neurotransmissão córticomesolimbica e as sensações de prazer mais básicas. Drogas que reduzem 5HT e Nor no SNC: DEPRESSÃO Reserpina Drogas que aumentam 5HT e Nor no SNC: EUFORIA Inibidores da MAO
    • O bloqueio na receptação do NT prolonga o seu efeito na fenda sináptica, conseqüentemente o seu efeito. Cocaína, Heroína, Álcool, Nicotina e Maconha Agem modulando sistema meso-cortico-limbico, mais especificamente bloqueando a recaptação da DOPAMINA. Conseqüência : Acúmulo de NT na fenda
    • USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS
      • EXPERIMENTADOR
      • OCASIONAL
      • HABITUAL
      • DEPENDENTE
      HELEN NOWLES / UNESCO, 1975
    • DROGAS MAIS PREJUDICIAIS
    • DEPRESSORES DO S.N.C.
      • ÁLCOOL
      • INDUTORES DO SONO OU HIPNÓTICOS
      • ANSIOLÍTICOS
      • OPIÁCEOS
      • - Naturais: Morfina e Codeína
      • - Sintéticos: meperidina
      • - Semi-sintéticos: Heroína
      • SOLVENTES e INALANTES
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    • cocaína
      • Existem vários tipos de preparação de coca:
      • folhas de coca: podem ser mascadas ou ingeridas; são de uso cultural pelos povos do Peru, Colômbia, Equador, etc.;
      • pasta de coca: é fumada com tabaco ou maconha sendo esta mistura conhecida como BASUCO. Além da cocaína, esta preparação contém solventes como ácido sulfúrico;
      • pó de coca (cloridrato): pode ser cheirado ou injetado;
      • "crack” (base livre): é fumado e tem aparência de mineral. Quando aquecido faz barulhos, o que caracteriza o nome "crack“.
      • QUAIS OS EFEITOS ASSOCIADOS AO USO DA COCAÍNA?
      • Taquicardia
      • Hipertensão
      • vômitos, diarréia, excitação, confusão das idéias até ansiedade extrema.
      • Estes efeitos podem durar de poucas horas até alguns dias.
      • A utilização de doses elevadas podem ocasionar uma significativa hipertensão arterial, taquicardia, calafrios, transpiração excessiva, convulsões e morte (por efeitos sobre o coração e respiração) que caracterizam a intoxicação aguda, também conhecida como overdose .
      - uso freqüente e contínuo (semanas ou meses): alterações comportamentais como: agressividade, idéia de perseguição(paranóia), alucinações táteis (sensação de insetos caminhando sobre a pele), visuais e auditivas (ver e ouvir coisas) e delírios (desorientação, confusão, medo e ilusões). Também pode ocorrer emagrecimento e perfuração dos septo nasal quando inalada.
      • QUAIS OS RISCOS DO USO DE COCAÍNA INJETÁVEL?
      • Solvente utilizado (líquido par dissolver a droga)
      • Seringas
      • Contaminação: hepatite, endocardite infecciosa, AIDS.
      • QUAIS OS PROBLEMAS DO USO DA COCAÍNA NA GRAVIDEZ?
      • O uso continuado de cocaína durante a gravidez pode ser responsável pelo nascimento de bebês pequenos (retardo de crescimento intra-uterino), malformações (microcefalia) e abortos espontâneos. Além disso, após o nascimento, o bebê pode apresentar comprometimento neurológico e ter manifestações comportamentais diferentes (ex.: chorar de forma inconsolável).
      • A COCÁINA PRODUZ DEPENDÊNCIA?
      • Sim, quando o usuário utiliza a droga por diversos dias ou meses.
      • No início a pessoa pode sentir necessidade do aumento da dose para produção do mesmo efeito (tolerância).
      • Quando a pessoa pára de usar ou reduz a quantidade utilizada pode sentir depressão (tristeza), irritabilidade, ansiedade, cansaço e insônia (não consegue dormir).
      • Por isso, existe uma forte tendência para a continuação do uso da droga.
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    • etanol
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    • BENZODIAZEPÍNICOS
      • Principal classe de droga tranquilizante.
      • Não apresentam propriedades reforçadoras de seu consumo.
      • Observa-se sintomas de abstinência quando a droga é retirada de forma abrupta.
    • EFEITOS DOS BZDs.
      • Ataxia
      • Sedação
      • Déficit de memória
      • Abstinência
        • tremores, taquicardia, sudorese
        • espasmos musculares
        • distúrbios gastro-intestinais
        • alterações do padrão do sono
        • hipersensibilidade ao som e luz
    • ABSTINÊNCIA À BENZODIAZEPÍNICOS
      • Inquietação, agitação, tremores
      • Dificuldades de concentração
      • Mialgias, cefaléias, sudorese
      • Irritabilidade, sensação de estranhamento
      • Comprometimento da memória
      • Confusão mental, alucinações
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    • maconha
      • Coração O uso de maconha dilata os vasos sangüíneos e, para compensar, acelera os batimentos cardíacos.
      • Infertilidade usuário freqüente tem o número de espermatozóides reduzido. Ninguém conseguiu provar que isso possa causar infertilidade, muito menos impotência. Também está claro que os espermatozóides voltam ao normal quando se pára de fumar.
      • Depressão imunológica Nos anos 70, descobriu-se que o THC afeta os glóbulos brancos, células de defesa do corpo. No entanto, nenhuma pesquisa encontrou relação entre o uso de maconha e a incidência de infecções.
      • Loucura No passado, acreditava-se que maconha causava demência. Isso não se confirmou, mas sabe-se que a droga pode precipitar crises em quem já tem doenças psiquiátricas.
      • Gravidez Algumas pesquisas apontaram uma tendência de filhos de mães que usaram muita maconha durante a gravidez de nascer com menor peso. Outras não confirmaram a suspeita. De qualquer maneira, é melhor evitar qualquer droga psicoativa durante a gestação. Sem dúvida, a mais perigosa delas é o álcool.
    • EFEITOS DA MACONHA
      • Depende da expectativa
      • Euforia
      • Relaxamento
      •  do apetite (larica)
      • Alteração da noção de tempo e distância
      • Déficit da memória recente
    •  
    •  
    •  
    • SUBSTÂNCIAS ALUCINÓGENAS
      • DE ORIGEM VEGETAL
      • Mescalina (do cacto)
      • Psilocibina (de cogumelos)
      • Lírio, trombeteira, saia branca
      • Ayahuasca (“Chá do Santo Daime”)
      • DE ORIGEM SINTÉTICA
      • LSD-25
      • Anticolinérgicos
    • EFEITOS DOS ALUCINÓGENOS Mecanismo de ação
      • Atuam sobre receptores de serotonina, glutamato e acetilcolina
      Tolerância e abstinência
      • Rápido desenvolvimento de tolerância
      • Não há provas de abstinência
      Consumo prolongado
      • Episódios psicóticos agudos ou crônicos
      • Revivência ou renovação de efeitos da substância muito tempo depois de seu consumo
    • LSD
      • LSD: Lysergsäurediethylamid , palavra alemã para a dietilamida do ácido lisérgico .
      • LSD 25 : resultado das reações metabólicas do fungo Claviceps purpurea , relacionado especialmente com os alcalóides do “ ergot ” podendo ser produzido a partir do processamento das substâncias do esporão do centeio.
      • Sintetizado pela primeira vez em 1938 e, em 1943, o químico suíço Albert Hofmann descobriu os seus efeitos de uma forma acidental.
      • O grupo de drogas do tipo LSD inclui a mescalina (fenilalquilamina), psilocibina (indolalquilamina) e compostos a eles relacionados.
    • LSD
      • Até 1966, LSD era fornecido pelos Laboratórios Sandoz gratuitamente para cientistas interessados sob a marca chamada "Delysid“.
      • O uso por psiquiatras para obterem um entendimento subjetivo melhor de como era a experiência de um esquizofrênico foi uma prática aceita.
      • Muitos usos clínicos foram conduzidos com o LSD para psicoterapia psicodélica, geralmente com resultados muito positivos.
      • O LSD foi inicialmente utilizado como recurso psicoterapêutico e para tratamento de alcoolismo e disfunções sexuais.
    • LSD
      • Década de 60: movimento psicodélico - "fase psicodélica" dos Beatles entre 1965 à 1967 e Pink Floyd
      • O vocalista e guitarrista Syd Barrett enlouqueceu pelo LSD.
      • Barras, cápsulas, tiras de gelatina, liquída, micropontos ou folhas de papel secante (como selos ou autocolantes);
      • Dose média: 50 a 75 microgramas.
      • Via oral, absorção sub-lingual, injetada ou inalada.
      • Age sobre os sistemas neurotransmissores serotoninérgicos e dopaminérgicos.
      • Inibe a atividade dos neurônios dos núcleos da rafe (importantes em nível visual e sensorial).
      • Já foi extensivamente usada e pesquisada em décadas passadas.
    • Sobre Lucy in the Sky with Diamonds...
      • Os efeitos simpaticomiméticos podem causar midríase, taquicardia, piloereção e hiperglicemia.
      • O LSD interage com diversos tipos de receptores de serotonina no cérebro. Parece alterar a metabolização da serotonina o que é indicado pelo aumento das concentrações cerebrais de seu principal metabólito, o ácido 5-hidroxiindolacético. Apresenta atividade agonista no receptor serotonina
      • O mecanismo da ação alucinogênica do LSD e análogos, envolve 3 fases: (1) antagonista da serotonina; (2) redução na atividade do sistema rafe; (3) agonista do receptor de serotonina pós-sináptico. Atua em múltiplos locais no SNC, desde o córtex e tálamo cerebral, onde atuaria em receptores serotoninérgicos do tipo 5-HT 2
    • Sobre Lucy in the Sky with Diamonds...
      • alterações sensoriais: intensidade depende da dose utilizada, indo de simples aberrações da percepção de cor e forma dos objetos até a degradação da personalidade.
      • As características das alucinações variam de indivíduo para outro
      • Alucinações: visual, auditiva, tátil, olfativa, gustativa ou percepção anestésica na ausência de um estímulo externo.
      • Distorção do espaço, inclusive partes do próprio corpo.
      • Despersonalização, com a sensação de que o corpo ou uma de suas partes estão desligados.
    • Sobre Lucy in the Sky with Diamonds...
      • Despersonalização, com a sensação de que o corpo ou uma de suas partes estão desligados.
      • Altera-se a sensação subjetiva de tempo, e minutos podem parecer horas.
      • Nas fases de alucinações mais intensas podem ocorrer ansiedade, desorientação e pânico. Muitos apresentam depressão grave com tentativa de suicídio.
      • Foram descritos inúmeros casos de psicoses duradoura (dias ou meses) ou mesmo permanente, após o uso da droga, e o reaparecimento espontâneo de alucinações, ansiedade e distorção da realidade.
      • Imagem de RM do cérebro de uma pessoa sofrendo alucinações auditivas e visuais.
      • As áreas em laranja e vermelho representam as partes do cérebro mais ativadas. As zonas mostradas são (da direita para a esquerda), pólo occipital (zona visual), pólo temporal (zona auditiva), pólo frontal (zona motora e área de Broca, da fala).
    • OPIÓIDES
      • O QUE SÃO
      • obtidos do ópio, com atividade tipo-morfina, são potentes depressores da ativ. mental
      • USO
      • fumado, endovenoso
      • AÇÃO
      • imediata, sensação de “chute”
      • TIPOS
      • xaropes, comprimidos, IM
    • OPIÓIDES
      • Compostos extraídos da semente da papoula.
      • Ativam receptores opióides mu e delta.
      • Desenvolvem tolerância rápida, fissura e síndrome de abstinência.
    • CLASSIFICAÇÃO DOS OPIÓIDES
      • a) Morfina
      • b) Ópio (pó de ópio): Elixir paregórico®
      • c) Codeína: Belacodid®, Codelasa®, Pambenyl®, Tylex®, Gotas Binelli®
      • a)Heroína
      • b)Metadona
      • a) Analgésicos:
      • - Meperidina (Dolantina® e Demerol®)
      • - Propoxifeno (Algafan®, Doloxene-A®)
      • - Buprenorfina (Tengesic®)
      • b) Antidiarreicos :
      • - Difenoxilato (Lomotil®, Colestase®)
      SEMI-SINTÉTICOS NATURAIS SINTÉTICOS
    • HEROÍNA (opiáceo)
      • “ brown sugar”...
      • EFEITOS
      • Entorpecimento / Sensação de flutuar
      • Euforia
      • Desinibição
      • Tranquilização das tensões internas
      • AO EXAME CLÍNICO:
      • Disartria, sonolência, miose, hipotensão, náusea.
    • HEROÍNA (Exame clínico)
      • Sonolência, hipotensão, náusea.
      • Arritmias
      • Sudorese, calafrios
      • Cãimbras, fraqueza
      • Veias trombosadas
      • Pupilas em “cabeça de alfinete”
      • Lesões cutâneas
      • O QUE SÃO
      • substâncias usadas como solventes industriais
      • USO
      • oral, ingeridas, inaladas
      • AÇÃO
      • atinge o SNC em poucos segundos, durando até 45 minutos
      INALANTES / SOLVENTES
      • TIPOS
      • Cola de sapateiro, de aeromodelismo
      • Limpa tipos
      • Gasolina, thinners
      • Éter, clorofórmio, benzina
      • Fluídos de isqueiro
      • Gás propelente de extintores
      • Lança-perfume, “cheirinho da loló”
      INALANTES / SOLVENTES
    • SINTOMAS DO USO DE SOLVENTES ORGÂNICOS 1ª fase Excitação Euforia, risos imotivados (15’ a 45’) Hiperatividade motora, sensação de instabilidade Tonturas, tosse , sialorréia, perturbações auditivas e visuais, lacrimejamento, rinorréia, eritema perioral 2ª fase Depressão Confusão mental, torpor mental Perda do autocontrole Visão embaraçada, diplopia, cólicas abdominais, cefaléia Maior deterioração do estado de consciência redução do estado de alerta Ataxia e disartria evidentes, incoordenação motora
    • ANFETAMINAS ou SIMILARES À ANFETAMINA
      • Metilfenidato : Ritalina 
      • Femproporex : Desobesi  , Lipomax 
      • Fenfluramina : Minifage 
      • Mazindol : Dasten ® , Fagolipo ® , Lipese ® , Mazinil ®
      • Anfepramona : Fastium ® , Hipofagin ® , Inibex ®
      • Efedrina : Codelasa ® , Franol ® , Novotussan ®
      • Fenilpropanolamina : Descon ®, Dimetapp ® , Naldecon ® , Sinutab ®
      • Dietilpropiona : Abulempax ® , Moderine ® , Obesil ®
    • EFEITOS DAS ANFETAMINAS Mecanismo de ação
      •  liberação de dopamina dos nervos terminais
      • Impede a recaptura de dopamina e neurotransmissores relacionados
      Tolerância e abstinência
      • Rápido desenvolvimento de tolerância
      • Abstinência: fadiga, depressão, ansiedade e necessidade imperiosa da droga
      Consumo prolongado
      • Perturbações do sono
      • Perda do apetite
      • Alterações metabólicas
      • Déficits motores e cognitivos
    • “ ECSTASY”
      • O QUE É
      • é um alucinógeno com propriedades estimulantes
      • = 3,4 methylenodioximetanfetamina (meta-anfetamina)
      • USO
      • oral
      • TIPOS
      • pastilhas ou cápsulas gelatinosas com 50 a 200 mg.
    • TIPOS DE “ECSTASY”
    • EFEITOS COMPORTAMENTAIS E EMOCIONAIS DO “ECSTASY”
      • Euforia, grande sensação de prazer
      • Insight e empatia
      • Aumento da auto-estima
      • Aumento da sociabilidade, melhora da comunicação
      • Ataques de pânico, visão borrada
      • Insônia, confusão mental
    • EFEITOS FISIOLÓGICOS DO “ECSTASY”
      • Aumento da PA/ aumento das pulsações
      • Perda do apetite
      • Sudorese, dores musculares
      • Dores na musculatura da mandíbula
      • Neurotoxicidade
      • Perda do apetite, náusea, vômito
      • Icterícia, lesões hepáticas
    • EFEITOS DO ECSTASY Mecanismo de ação
      •  liberação de serotonina
      • Impede a recaptura de serotonina
      Tolerância e abstinência
      • Desenvolvimento de tolerância em algumas pessoas
      • Abstinência: depressão e insônia
      Consumo prolongado
      • Dano a sistemas serotonérgicos cerebrais
      • Perturbação da memória
      • Prejuízo da capacidade de tomada de decisões e do auto-controle
      • Paranóia, depressão e ataques de pânico