Your SlideShare is downloading. ×
Assis   1º Bimestre
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Assis 1º Bimestre

1,779
views

Published on

Published in: Technology, Health & Medicine

1 Comment
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,779
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
38
Comments
1
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. VÍRUS Seres unicelulares, procariontes e sem vida própria.
  • 2. Os vírus só são considerados seres Os vírus são específicos, isto é, só vivos quando estão parasitando outro atingem um organismo se eles ser, pois é ai onde eles apresentam estiverem ligados em suas origens. metabolismo. É muito provável que vírus surgiram Os vírus são constituídos de material de pedaços, fragmentos de ácidos genético (DNA ou RNA) e um nucléicos escapados de algum envoltório protetor de natureza organismo. protéica, o capsídeo.
  • 3. Vírus específicos das bactérias
  • 4. Transdução do fago. Ciclo complet o Ciclo lítico – o DNA viral passa a comandar o metabolismo bacteriano e a formar vários DNAs virais e cápsulas protéicas, formando novos vírus.
  • 5. Ciclo lítico (continuação) – aqui, ocorre a lise da bactéria. Lise é um processo de arrebentamento da membrana plasmática da bactéria.
  • 6. Insetos, fungos, vermes e difusão mecânica. São formados de RNA com ou sem envelope e também DNA não envelopado. Declínio da taxa de crescimento, aparecendo manchas nas folhas, flores e frutos.
  • 7. 1. Adesão da proteína viral à proteína receptora na membrana plasmática que é específica para cada tipo de vírus – transdução. DNA ou RNA envelopado ou não. 2. Penetração do vírus na célula 3. Degradação da cápsula 4. Liberação do ácido nucléico viral A transcrição de RNA para DNA que vai comandar o metabolismo presente neste tipo de vírus celular acontece através de uma enzima DNA→RNA→Proteína conhecida como transcriptase (Varíola, Herps, Hepatite B) reversa RNA→RNA→Proteína (Gripe, Raiva, Sarampo) RNA→DNA →RNA→ Proteína (HIV, Sarcoma de Kaposi)
  • 8. Togavírus Rubéola Ortomixoviru Poxvírus Varíola Gripe s Herpes simples 1 e 2 Herpsvírus Paramixovir (Herpes genital) Sarampo e caxumba us Amigdalite, Rabdovirus Raiva Adenovírus conjutivite e infecção de garganta AIDS e tipos de Retrovírus cancer (leucemia Verrugas e algumas viral) doenças degenerativas do Febre amarela, Papovavírus Flavivirus cérebro, papiloma hepatite C e dengue causadora do câncer Filovirus Febre hemorrágica de colo de útero Bunyavirus Encefalite Hepadnavíru Hepatite B Vômito, diarréia e s Reovirus
  • 9. É uma síndrome caracterizada por um conjunto de infecções devido a queda de imunidade causada por redução de um tipo de linfócito T auxiliador. Não manifesta sintoma logo que se instala, podendo ficar latente por até 10 anos ou mais. Mesmo sem sintoma essas pessoas são transmissoras em potencial. Fadiga, febre, inchaço crônico dos gânglios linfáticos, pontos vermelhos na pele, fortes dores de cabeça e diarréia.
  • 10. O HIV entra no linfócito T. Uma estrutura viral penetra na membrana celular e o RNA do HIV e várias enzimas são injetadas na célula. A célula T não processa o RNA em proteínas, o próximo passo é gerar um DNA a partir do RNA do HIV usando a enzima transcriptase reversa. Então, o DNA pró-viral é integrado ao DNA da célula hospedeira. A célula se torna altamente infectada, mas não produzindo ativamente proteínas do HIV. Esse é o estágio latente do HIV.
  • 11. MONERA Cianofíceas e bactérias.
  • 12. Facilidade de se adaptar ao meio. As colônias algumas vezes são confundidas com apenas 1 ser tal é a agrupação das bactérias.
  • 13. cianofíceas, algas Termoacidófilas: vivem em •Algas • fontes termais (temperaturas azuis ou cianobactérias: água entre 60° e 80°C) com a doce, água presença do ácido salgada, rochas, solo, tronco sulfúrico, H2S. de árvores e meio adverso • Metanogêneas: vivem em (alta temperatura e frio lugares onde há a presença de gás metano. externo). • Halófitas: vivem em •Bactérias: ambientes de água salgada. saprófitos, patogênicas, mutu alísticas e decompositoras. Atenção no início de filas e gêneas. Dá pra memorizar né?
  • 14. Nutrição: autótrofas Nutrição: autótrofas quimio e fotossintetizantes fotossintetizantes e heterótrofas Reprodução: sexuada. Nas não anaeróbicas. coloniais ocorre por divisão Reprodução: assexuada e binária, semelhante à das sexuada bactérias. Nas de forma (transformação, conjugação, tran filamentosa é por fragmentação sdução) ou por hormogonia. Importância: na ecologia, fixação Importância: são fixadoras de de N2 no ar e limpeza ambiental. nitrogênio no ar Na indústria, fabricação de atmosférico, sendo essenciais queijo, iogurte e requeijão. para algumas plantas.
  • 15. Heterocisto Heterocistos: especializados na Acineto fixação de nitrogênio. Acinetos: especializados na acumulação de substâncias de reserva. Hormogônios: São fragmentos que através da divisão de suas Hormogônios células dão origem a novas colônias.
  • 16. Nucleóide: consiste em uma única molécula de DNA. Plasmídeos: pequenas e circulares moléculas de DNA . Se duplica independentemente do DNA e confere resistência da bactéria. Membrana plasmática: dupla camada fosfolipídica. Permeabilidade, defesa, e produção de energia. Parede celular: bacteriana é uma estrutura rígida que recobre a membrana celular e dá forma às bactérias. É composta por peptidoglicanos. A parede celular é o alvo de muitos antibióticos. Algumas espécies de bactérias têm uma camada de polissacarídeos que protege contra desidratação e reconhecimento pelo sineide, chamada de cápsula. Fimbrias são microfibrilhas protéicas que se Mesossomo estendem da parede celular em muitas espécies Gram-negativas. Ligam duas bactérias, de modo a trocarem plasmídeos. Flagelo é uma estrutura protéica que roda como uma hélice, que auxilia na locomoção. Mesossomo é uma invaginação da membrana celular ligada à respiração celular e facilita a divisão celular.
  • 17. O filamento de DNA fixa-se a uma invaginação da membrana plasmática e duplica-se (B). O novo filamento encontra-se preso ao primeiro. A membrana plasmática desdobra-se e acompanha o alongamento da célula, separando os filamentos de DNA (C). Quando a célula duplica de tamanho e os filamentos se separam, a membrana dobra-se para dentro e isola as duas células (D). Finalmente, forma- se uma nova parede celular e os dois indivíduos separam-se.