27 de maio é o Dia Nacional da Mata Atlântica     SOS Mata Atlântica e INPE divulgam dados do Atlas dos Remanescentes Flor...
Ranking do desmatamentoEntre os Estados avaliados em situação mais crítica estão Minas Gerais, Bahia, Santa Catarina ePara...
7º          GO          34.127.082            1.051.422        49.702       49.381     4,70%            320 8º          RJ...
Regiões Metropolitanas     O Atlas do período 2008-2010 indica também os dados de desmatamento classificados por regiões  ...
Histórico do AtlasO Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Bioma Mata Atlântica,desenvolvido pela...
A quarta edição do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica apresentou dadosatualizados em 13 Estados abrangid...
Sobre o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que em 2011 co...
Sobre a Fundação SOS Mata AtlânticaCriada em 1986, a Fundação SOS Mata Atlântica completa em 2011 seus 25 anos. É uma orga...
Atlas dos Municípios da Mata Atlântica (2008-2010)   Ranking com os 100 municípios com maiores desmatamentos no período 20...
42   BA   Cachoeira                 411   100    7.655   12443   BA   Vitória da Conquista    3.274   100   16.467   12444...
90   RS   Rio Grande                2.717   100      703   70 91   BA   Riacho de Santana         2.759    38    8.841   6...
Atlas dos Municípios da Mata Atlântica (2010)Ranking com os 10 municípios com maiores desmatamentos por estado (em ha)    ...
3   MG   Pedra Azul                1.657   100   36.447   676                 4   MG   Águas Vermelhas           1.286   1...
RIO GRANDE DO SUL                 1   RS   Santa Maria               1.781    37     9.010   119                 2   RS   ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

26 05-2011 atlas da mata atlantica 2008-2010

1,622 views
1,513 views

Published on

Published in: Education, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,622
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

26 05-2011 atlas da mata atlantica 2008-2010

  1. 1. 27 de maio é o Dia Nacional da Mata Atlântica SOS Mata Atlântica e INPE divulgam dados do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica com a situação de 16 dos 17 Estados, no período de 2008 a 2010 Minas Gerais, Bahia, Santa Catarina e Paraná foram os que mais desmataram no período.São Paulo, 26 de maio de 2011 – A Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Nacional dePesquisas Espaciais – INPE divulgam hoje (véspera do Dia Nacional da Mata Atlântica), ementrevista coletiva, dados do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica com a situaçãode 16 dos 17 estados, no período de 2008 a 2010. A iniciativa tem o patrocínio de BradescoCartões. Os dados completos podem ser acessados nos sites www.sosma.org.br e www.inpe.br.Da área total do bioma Mata Atlântica, 1.315.460 km2, foram avaliados 1.288.989 km2, o quecorresponde a 98%. Foram analisados os Estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás,Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande doNorte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo. Dos 17 Estados abrangidos total ouparcialmente no bioma Mata Atlântica, o único não avaliado foi o Piauí, cujos dados não puderamser incluídos ainda pela indefinição de critérios de identificação das formações florestais naturaisdo Bioma naquele Estado. Além disso, para este Estado está sendo aguardado um mapeamentodetalhado liderado pelo Ministério do Meio Ambiente.Os dados, apresentados por Marcia Hirota, diretora de Gestão do Conhecimento e coordenadorado Atlas pela SOS Mata Atlântica; Flávio Jorge Ponzoni, pesquisador e coordenador técnico doestudo pelo INPE; e Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da Fundação, apontamdesflorestamentos verificados no período de 2008-2010 de 31.195 hectares (ha), ou 311,95Km2.Destes, 30.944 ha correspondem a desflorestamentos, 234 ha a supressão de vegetação de restingae 17 ha a supressão de vegetação de mangue.De acordo com Marcia Hirota, o estudo comprova que a supressão da floresta nativa é continuo eque os dados são um alerta para o estabelecimento de políticas públicas que incentivem aconservação e a restauração do Bioma. “Dependemos dos recursos naturais e dos serviçosambientais da Mata Atlântica que são essenciais para a sobrevivência dos 112 milhões dehabitantes no domínio do Bioma”, enfatiza. “A aprovação na Câmara dos Deputados da propostade alterações no Código Florestal só piora a situação já dramática da Mata Atlântica”, reforça MarioMantovani, diretor de Políticas Públicas da Fundação.Flávio Ponzoni, coordenador técnico do Atlas por parte do INPE, menciona que “as próximasversões do Atlas deverão incluir a observação de itens sensíveis à aprovação do novo CódigoFlorestal no que se refere a possíveis impactos negativos na tendência de decréscimo das taxas dedesflorestamentos”. Reforça ainda que “estamos sempre motivados a implementar novasmetodologias que nos permitam refinar as informações, tornando-as o mais fieis possível com arealidade”. 1
  2. 2. Ranking do desmatamentoEntre os Estados avaliados em situação mais crítica estão Minas Gerais, Bahia, Santa Catarina eParaná, que perderam entre o período de 2008 a 2010, 12.467 ha, 7.725 ha, 3.701 ha e 3.248 ha,respectivamente. A esses números, somam-se desflorestamentos de 1.864 ha no Rio Grande doSul, 579 ha em São Paulo, 320 ha em Goiás, 247 ha no Rio de Janeiro, 237 ha no Espírito Santo e117ha em Mato Grosso do Sul.Nos demais Estados do Nordeste, foi verificada supressão de vegetação nativa a partir de 2002 quetotalizaram 24 ha em Alagoas, 253 ha em Pernambuco, 224 ha em Sergipe e 188 ha no Ceará. NaParaíba e no Rio Grande do Norte não foram registrados desflorestamentos ou supressão devegetação de Restinga ou de Mangue, de acordo com a metodologia adotada pela pesquisa doAtlas, que considera área mínima de mapeamento de 3 ha.Em todos os Estados foram verificadas queda na taxa média anual de desflorestamento. Em MinasGerais, a taxa média anual caiu 43%, já que no último levantamento, referente ao período de 2005-2008 o total de desflorestamento foi 32.728 ha. Minas Gerais possuía originalmente 46% do seuterritório (27.235.854 ha) cobertos pelo Bioma Mata Atlântica, e agora restam apenas 10,04%(2.733.926 ha).A Bahia, apesar de ser o segundo Estado do ranking, apresentou uma queda de 52% na taxa anualmédia de desmatamento. Passou de 24.148 ha, no período de 2005-2008, para 7.725 ha, noperíodo de 2008-2010. O Estado, que já teve 33% de seu território coberto por Mata Atlântica, hojetem a incidência do bioma em apenas 9% do seu território (1.692.734 ha de floresta nativa).Em Santa Catarina, apesar do desflorestamento continuar, a taxa anual caiu 79%. O Estado estáinserido 100% na Mata Atlântica (9.591.012 ha) e hoje restam apenas 23%, ou 2.210.061 ha dobioma original.No Paraná, a taxa anual de desmatamento diminuiu 51%, e perdeu entre o período de 2008-2010mais 3.248 ha. O Paraná possuía 98% de seu território no bioma, ou 19.667.485 ha. Atualmente,são 2.094.392 ha coberto com Mata Atlântica nativa, ou seja, 10,65% do território original.Confira os dados dos 16 Estados avaliados: Desflorestamentos – período 2008-2010 (em ha) Área Original Floresta UF Área UF Desflorestamento Mata Atlântica 2008 2010 % 1º MG 58.697.565 27.235.854 2.746.393 2.733.926 10,04% 12.467 2º BA 56.557.948 18.875.099 1.700.459 1.692.734 8,97% 7.725 3º SC 9.591.012 9.591.012 2.213.763 2.210.061 23,04% 3.701 4º PR 20.044.406 19.667.485 2.097.640 2.094.392 10,65% 3.248 5º RS 28.403.078 13.759.380 1.030.854 1.028.990 7,48% 1.864 6º SP 24.873.203 16.918.918 2.670.903 2.670.324 15,78% 579 2
  3. 3. 7º GO 34.127.082 1.051.422 49.702 49.381 4,70% 320 8º RJ 4.394.507 4.394.507 862.013 861.767 19,61% 247 9º ES 4.614.841 4.614.841 510.990 510.752 11,07% 237 10º MS 36.193.583 6.366.586 360.238 360.121 5,66% 117 Remanescentes Florestais da Mata Atlântica dos demais estados do Nordeste* (em ha) Área Original Floresta UF Área UF Desflorestamento Mata Atlântica 2008 2010 % 1º PE 9.929.608 1.808.779 229.525 229.272 12,68% 253 2º SE 2.214.690 1.197.878 110.111 109.887 9,17% 224 3º CE 14.637.598 910.698 150.470 150.283 16,50% 188 4º AL 2.811.248 1.495.461 149.896 149.872 10,02% 24 PB 5.691.967 667.185 75.641 75.641 11,34% 0 RN 5.364.113 343.867 48.548 48.548 14,12% 0*O mapeamento dos demais estados do Nordeste foi realizado conforme a disponibilidade de imagens sem nuvens. Osdesflorestamentos podem ter ocorrido entre os anos de 2002 (primeira data da cena) até 2010. Acima do Rio SãoFrancisco, o estado de Pernambuco foi o que mais perdeu cobertura florestal nativa. A única supressão de vegetação demangue em toda Mata Atlântica foi observada em Ipojuca.Situação nos municípiosOs novos dados do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica indicam também odesflorestamento de cobertura nativa por municípios. Minas Gerais lidera o ranking, com as trêscidades que mais desmataram no período 2008-2010. Ponto dos Volantes e Jequitinhonha, ambasna região do Jequitinhonha, perderam 3.244 ha e 2.786 ha, respectivamente. Pedra Azul, na regiãodo Norte de Minas, perdeu 676 ha. Em quarto lugar ficou a cidade baiana de Andaraí, com 634 hadesmatados. Na quinta posição, outro município mineiro: Águas Vermelhas, com 525 ha.Segundo Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da SOS Mata Atlântica, “os desmatamentosdesses municípios se concentraram nos limites da Mata Atlântica com o Cerrado e da Caatinga,especialmente nas Matas Secas, e tem como uma das principais causas a expansão doreflorestamento de eucalipto e do carvão vegetal para siderurgia.”O Atlas dos Municípios da Mata Atlântica revela a identificação, localização e situação dosprincipais remanescentes florestais existentes nos municípios abrangidos pelo bioma. Por meio doIPMA (Índice de Preservação da Mata Atlântica) – indicador criado pela SOS Mata Atlântica e peloINPE –, torna-se possível ranquear os municípios que mais possuem cobertura vegetal nativa. Osdados e mapas podem ser acessados pela internet, nos sites www.sosma.org.br, www.inpe.br oudiretamente no servidor de mapas http://mapas.sosma.org.br.Confira o ranking completo das 100 cidades mais desmatadas (página 9) e também os 10 primeirosmunicípios de cada estado (página 12 deste release). 3
  4. 4. Regiões Metropolitanas O Atlas do período 2008-2010 indica também os dados de desmatamento classificados por regiões metropolitanas. A área com maior território desmatado foi a Região Metropolitana de Curitiba, seguida por São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Confira na tabela abaixo: Região Metropolitana Área Total Área Bioma % Rema* %rema Desmatamento**1º Curitiba 1.545.594 1.545.594 100% 252.860 16% 7752º São Paulo 795.167 795.167 100% 193.944 24% 513º Belo Horizonte 946.870 430.252 45% 80.665 19% 494º Rio de Janeiro 565.482 565.478 100% 143.211 25% 55º Porto Alegre 968.390 370.409 38% 26.513 7% 4 *Remanescentes ** Em ha Mapa da Área da Aplicação da Lei no 11.428 Desde sua quinta edição, de 2005-2008, o Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica considera os limites do Bioma Mata Atlântica tendo como base o Mapa da Área da Aplicação da Lei nº 11.428, de 2006. A utilização dos novos limites para os biomas brasileiros implicou na mudança da área total, da área de cada estado, do total de municípios e da porcentagem de Mata Atlântica e de remanescentes em cada uma destas localidades. A Mata Atlântica está distribuída ao longo da costa atlântica do país, atingindo áreas da Argentina e do Paraguai nas regiões sudeste e sul. De acordo com o Mapa da Área de Aplicação da Lei nº 11.428, a Mata Atlântica abrangia originalmente 1.315.460 km2 no território brasileiro. Seus limites originais contemplavam áreas em 17 Estados: PI, CE, RN, PE, PB, SE, AL, BA, ES, MG, GO, RJ, MS, SP, PR, SC e RS. Nessa extensa área, vivem atualmente mais de 62% da população brasileira, ou seja, com base no Censo Populacional 2007 do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, são mais de 112 milhões de habitantes em 3.222 municípios, que correspondem a 58% dos existentes no Brasil. Destes, 2.594 municípios possuem a totalidade dos seus territórios no bioma e mais 628 municípios estão parcialmente inclusos, conforme dados extraídos da malha municipal do IBGE (2005). A Mata Atlântica, complexo e exuberante conjunto de ecossistemas de grande importância, abriga parcela significativa da diversidade biológica do Brasil, reconhecida nacional e internacionalmente no meio científico. Lamentavelmente, é também um dos biomas mais ameaçados do mundo devido às constantes agressões ou ameaças de destruição dos habitats nas suas variadas tipologias e ecossistemas associados. O alto grau de interferência na Mata Atlântica é bastante conhecido. Desde o descobrimento do Brasil pelos europeus, os impactos de diferentes ciclos de exploração, da concentração das maiores cidades e núcleos industriais e da alta densidade demográfica, entre outros, fizeram com que a vegetação natural fosse reduzida drasticamente. Temos hoje apenas 7,9% (101.779 km2) de remanescentes mais preservados em áreas acima de 100 hectares. Esse total desconsidera a área do bioma Mata Atlântica do estado do Piauí, que até o momento não foi mapeado. 4
  5. 5. Histórico do AtlasO Atlas dos Remanescentes Florestais e Ecossistemas Associados do Bioma Mata Atlântica,desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica e o INPE, órgão vinculado ao Ministério da Ciênciae Tecnologia, representa um grande avanço na compreensão da situação em que se encontra aMata Atlântica.O primeiro mapeamento, publicado em 1990, com a participação do Instituto Brasileiro do MeioAmbiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), teve o mérito de ser um trabalho inéditosobre a área original e a distribuição espacial dos remanescentes florestais da Mata Atlântica etornou-se referência para pesquisa científica e para o movimento ambientalista. Foi desenvolvidoem escala 1:1.000.000.Em 1991, a SOS Mata Atlântica e o INPE deram início a um mapeamento em escala 1:250.000,analisando a ação humana sobre os remanescentes florestais e nas vegetações de mangue e derestinga entre 1985 a 1990. Publicado em 1992/93, o trabalho avaliou a situação da Mata Atlânticaem dez estados: Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio deJaneiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, que apresentavam a maior concentração deáreas preservadas. Os Estados do Nordeste não puderam ser avaliados pela dificuldade deobtenção de imagens de satélite sem cobertura de nuvens.Um novo lançamento ocorreu em 1998, desta vez cobrindo o período de 1990-1995, com adigitalização dos limites das fisionomias vegetais da Mata Atlântica e de algumas Unidades deConservação federais e estaduais, elaborada em parceria com o Instituto Socioambiental.Entre o período de 1995-2000, fez-se uso de imagens TM/Landsat 5 ou ETM+/Landsat 7 emformato digital, analisadas diretamente em tela de computador, permitindo a ampliação da escalade mapeamento para 1:50.000 e conseqüentemente a redução da área mínima mapeada para 10ha. No levantamento anterior, foram avaliadas as áreas acima de 25 hectares. Os resultadosrevelaram novamente a situação da Mata Atlântica em 10 dos 17 Estados: a totalidade das áreas dobioma Mata Atlântica de Goiás, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, MatoGrosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul; e áreas parciais da Bahia.Em 2004, a SOS Mata Atlântica e o INPE lançaram o Atlas dos Municípios da Mata Atlântica, deforma a fornecer instrumentos para o conhecimento, o monitoramento e o controle para atuaçãolocal. A partir desse estudo, cada cidadão pode ter fácil acesso aos mapas e atuar em favor daproteção e conservação deste conjunto de ecossistemas. O desenvolvimento da ferramenta depublicação dos mapas na internet foi realizado pela ArcPlan, utilizando tecnologia do MapServer(Universidade de Minnesota), com acesso nos portais www.sosma.org.br e www.dsr.inpe.br.Ao final de 2004, as duas organizações iniciaram a atualização dos dados para o período de 2000 a2005. Esta edição também foi marcada por aprimoramentos metodológicos e novamente foramrevistos os critérios de mapeamento, dentre os quais se destaca a adoção do aplicativo ArcGis 9.0,que permitiu a visualização rápida e simplificada do território de cada Estado contido no bioma.Isto facilitou e deu maior segurança nos trabalhos de revisão e de articulação da interpretaçãoentre os limites das cartas topográficas. 5
  6. 6. A quarta edição do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica apresentou dadosatualizados em 13 Estados abrangidos pelo bioma (PE, AL, SE, BA, GO, MS, MG, ES, RJ, SP, PR, SC,RS). Um relatório mostrou a metodologia e os resultados quantitativos da situação dosremanescentes da Mata Atlântica desses estados e os desflorestamentos ocorridos no período de2000-2005. Essa fase manteve a escala 1:50.000, e passou a identificar áreas acima de três hectarese o relatório técnico, bem como as estatísticas e os mapas, imagens, fotos de campo, arquivos emformato vetorial e dados dos remanescentes florestais, por município, estado, Unidade deConservação, bacia hidrográfica e Corredor de Biodiversidade.Em 2008, foram divulgados os números atualizados a partir de análises da 4ª edição do Atlas,incluindo os Estados de Bahia, Minas Gerais, Alagoas, Pernambuco e Sergipe, que, somados aomapeamento dos estados de Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, gerados pela ONG SociedadeNordestina de Ecologia, totalizam 16 dos 17 Estados onde o bioma ocorre, ou 98% de MataAtlântica.Em 2009, a 5ª edição do Atlas trouxe os números do desmatamento com dados atualizados, atémaio de 2009, em 10 Estados abrangidos pelo bioma (BA, GO, MS, MG, ES, RJ, SP, PR, SC, RS). Essaedição apresentou a metodologia e os resultados quantitativos da situação dos remanescentes daMata Atlântica ocorridos nessas regiões no período de 2005-2008.Em 2010, a sexta edição do estudo trouxe dados atualizados, até maio de 2010, de nove Estadosabrangidos pelo bioma: GO, MS, MG, ES, RJ, SP, PR, SC, RS. O documento apresentou,sinteticamente, a metodologia atual, os mapas e as estatísticas globais e por estado. Omapeamento utilizou imagens do satélite Landsat 5 que leva a bordo o sensor Thematic Mapper.Para o monitoramento e análise da situação da Mata Atlântica desde 1989, foram investidosrecursos na ordem de R$ 6 milhões, provenientes da iniciativa privada.Confira os resultados de cada monitoramento já realizado:Desflorestamentos:Período 1985-1990: 466.937 haPeríodo 1990-1995: 500.317 haPeríodo 1995-2000: 445.952 haPeríodo 2000-2005: 174.828 haPeríodo 2005-2008: 102.938 haPeríodo 2008-2010: 31.195 ha 6
  7. 7. Sobre o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que em 2011 comemora 50 anos, atua nas áreas deObservação da Terra, Meteorologia e Mudanças Climáticas, Ciências Espaciais e Atmosféricas e EngenhariaEspacial. Possui laboratórios de Computação Aplicada, Combustão e Propulsão, Física de Materiais e Física dePlasmas. Presta serviços operacionais de monitoramento florestal, previsão do tempo e clima, rastreio econtrole de satélites, medidas de queimadas, raios e poluição do ar.O INPE aposta na construção de satélites para produção de dados sobre o planeta Terra, e nodesenvolvimento de pesquisas para transformar estes dados em conhecimento, produtos e serviços para asociedade brasileira e para o mundo. Também se dedica à distribuição de imagens meteorológicas e desensoriamento remoto, e à realização de testes e ensaios industriais de alta qualidade. Além disso, o Institutotransfere tecnologia, fomentando a capacitação da indústria espacial brasileira e o desenvolvimento de umsetor nacional de prestação de serviços especializados no campo espacial.As atividades do INPE tiveram início em 3 de agosto de 1961, com a criação do Grupo de Organização daComissão Nacional de Atividades Espaciais (GOCNAE), que em 1963 passou a ser chamado CNAE (ComissãoNacional de Atividades Espaciais). Com a extinção da CNAE em 1971, foi criado o INPE, ainda como órgãovinculado ao CNPq.Além da sede, em São José dos Campos – SP, o INPE possui instalações em São Luís – MA, Eusébio – CE, Natal– RN (Centro Regional do Nordeste), Cuiabá – MT, Brasília – DF, Cachoeira Paulista – SP, Atibaia – SP, SãoPaulo – SP (Centro de Radioastronomia e Astrofísica Mackenzie), Santa Maria – RS (Centro Regional Sul dePesquisas Espaciais) e Belém - PA (Centro Regional da Amazônia).O INPE é o principal órgão civil responsável pelo desenvolvimento das atividades espaciais no País. Ligado aoMinistério da Ciência e Tecnologia (MCT), tem como missão contribuir para que a sociedade brasileirausufrua dos benefícios propiciados pelo contínuo desenvolvimento do setor espacial. Mais informações nosite www.inpe.br. 7
  8. 8. Sobre a Fundação SOS Mata AtlânticaCriada em 1986, a Fundação SOS Mata Atlântica completa em 2011 seus 25 anos. É uma organização privadasem fins lucrativos, que tem como missão promover a conservação da diversidade biológica e cultural doBioma Mata Atlântica e ecossistemas sob sua influência. Para isso, estimula ações para o desenvolvimentosustentável, promove a educação e o conhecimento sobre a Mata Atlântica, mobiliza, capacita e incentiva oexercício da cidadania socioambiental. A Fundação desenvolve projetos de conservação ambiental, produçãode dados, mapeamento e monitoramento da cobertura florestal do Bioma, campanhas, estratégias de açãona área de políticas públicas, programas de educação ambiental e restauração florestal, voluntariado,desenvolvimento sustentável, proteção e manejo de ecossistemas. Saiba mais sobre a ONG no portalwww.sosma.org.br.Fotos e mais informações para a imprensa com:Lead Comunicação para a Sustentabilidade – www.lead.com.brMarcelo Bolzan – tel.: (11) 3168-1412 r22 / (11) 8714-9775 – marcelo@lead.com.brLuiz Soares – tel.: (11) 3168-1412 r18 / (11) 8752-4637 – luiz@lead.com.brFábio Ruocco – tel.: (11) 3168-1412 r21 / (11) 8449-9935 – fabio@lead.com.brGabriela Gonçalves – tel.: (11) 3168-1412 r14 / (11) 9209-1979 – gabriela@lead.com.br 8
  9. 9. Atlas dos Municípios da Mata Atlântica (2008-2010) Ranking com os 100 municípios com maiores desmatamentos no período 2008-2010 (em ha)Rema = RemanescentesDec = Decréscimo de Mata no período, área desflorestada UF Município Area Total % lei Rema2010 Dec2010 1 MG Ponto dos Volantes 1.243 100 32.275 3.244 2 MG Jequitinhonha 3.601 100 82.486 2.786 3 MG Pedra Azul 1.657 100 36.447 676 4 BA Andaraí 1.941 100 26.904 634 5 MG Águas Vermelhas 1.286 100 37.054 525 6 BA Valença 1.229 100 27.276 508 7 BA Mundo Novo 1.564 119 33.024 405 8 BA Encruzilhada 2.092 100 12.888 404 9 MG Itamarandiba 2.781 44 27.236 330 10 PR Pitanga 1.665 100 14.459 317 11 MG Curral de Dentro 582 70 10.242 308 12 BA Ruy Barbosa 2.184 92 27.755 304 13 MG Santa Cruz de Salinas 599 94 4.687 268 14 SC Macieira 260 100 4.527 267 15 BA Cândido Sales 1.660 100 9.957 267 16 PR Bocaiúva do Sul 829 100 28.293 249 17 BA Santo Amaro 529 100 11.487 246 18 PR Reserva 1.638 100 16.405 235 19 BA Miguel Calmon 1.624 78 14.035 234 20 MG Montezuma 1.156 60 8.151 209 21 MG Divisópolis 589 100 12.792 206 22 BA Piritiba 1.018 98 13.252 204 23 MG Setubinha 546 100 25.877 202 24 MG Novo Cruzeiro 1.737 100 47.882 196 25 BA Tapiramutá 681 100 16.514 181 26 GO Caçu 2.254 30 7.302 178 27 SC Água Doce 1.314 100 16.010 175 28 MG Medina 1.470 100 22.597 175 29 BA Jaguaripe 922 100 29.228 171 30 MG São João do Paraíso 1.958 99 20.749 167 31 BA Presidente Tancredo Neves 429 100 4.094 165 32 SC Itaiópolis 1.297 100 41.358 152 33 SC São Domingos 384 100 2.544 150 34 BA Morro do Chapéu 5.655 32 44.934 147 35 MG Rio Vermelho 1.003 100 21.966 142 36 BA Itamaraju 2.438 100 46.563 138 37 PR Bituruna 1.218 100 20.990 135 38 BA Mucugê 2.664 43 4.910 133 39 MG Itinga 1.675 100 16.924 132 40 BA Lençóis 1.269 100 9.790 130 41 PR Coronel Domingos Soares 1.575 100 34.488 128 9
  10. 10. 42 BA Cachoeira 411 100 7.655 12443 BA Vitória da Conquista 3.274 100 16.467 12444 BA Itaeté 1.224 51 7.021 12345 BA Iramaia 1.996 16 9.642 12346 BA Bom Jesus da Lapa 4.068 39 12.719 12147 BA Guaratinga 2.389 100 33.560 11948 RS Santa Maria 1.781 37 9.010 11949 BA Jandaíra 671 100 9.656 11950 MG Divisa Alegre 120 100 3.901 11451 BA Belo Campo 630 69 778 11252 MG Ninheira 1.141 100 12.328 11253 PR Ortigueira 2.433 100 20.232 11054 SC Taió 693 100 23.861 11055 BA Boa Vista do Tupim 2.698 27 12.312 10556 PR Turvo 903 100 17.163 10557 PR Doutor Ulysses 784 100 7.532 10458 MG Minas Novas 1.846 18 11.227 10259 BA Taperoá 422 100 9.692 9560 PR Cândido de Abreu 1.511 100 14.265 9561 BA Ibiquera 1.037 95 15.276 9562 MG Novo Oriente de Minas 772 100 15.278 9363 BA Nova Redenção 522 100 6.405 9064 PR Itaperuçu 312 100 2.655 9065 BA Macajuba 727 39 3.441 8966 RS São José dos Ausentes 1.179 100 15.933 8967 PR Palmas 1.569 100 22.308 8768 BA Lajedinho 828 100 4.702 8769 SC Passos Maia 615 100 15.041 8570 MG Rubelita 1.130 70 4.802 8571 SC Porto União 851 100 19.681 8472 SC São José do Cerrito 949 100 5.667 8373 RS Rolador 295 50 426 8274 MG Aricanduva 248 100 6.015 7975 SC Campo Alegre 498 100 8.457 7976 MG Berizal 503 100 14.394 7877 BA Itabela 879 100 17.126 7678 PE Gravatá 541 100 13.897 7679 BA Coribe 2.715 75 3.321 7680 SP Bertioga 494 100 38.235 7681 MG Poços de Caldas 548 100 3.331 7582 SP Jacupiranga 706 100 32.620 7583 PR Guarapuava 3.118 100 39.783 7584 CE Viçosa do Ceará 1.344 35 8.976 7485 PR Pinhão 2.002 100 19.511 7386 SC Papanduva 761 100 17.840 7387 RS São Pedro do Butiá 107 100 263 7288 SC Rio Negrinho 910 100 15.438 7189 MG Pocrane 706 100 6.701 71 10
  11. 11. 90 RS Rio Grande 2.717 100 703 70 91 BA Riacho de Santana 2.759 38 8.841 69 92 RS São Francisco de Paula 3.278 100 44.261 69 93 SC Timbé do Sul 334 100 18.887 69 94 BA Esplanada 1.329 100 15.056 69 95 BA Utinga 711 75 5.606 68 96 BA Bonito 750 100 11.810 66 97 BA Santa Cruz Cabrália 1.599 100 51.782 65 98 BA Pilão Arcado 11.905 15 981 65 99 MG Indaiabira 1.029 37 9.465 65100 BA Porto Seguro 2.483 100 69.682 63 11
  12. 12. Atlas dos Municípios da Mata Atlântica (2010)Ranking com os 10 municípios com maiores desmatamentos por estado (em ha) Area % UF Município Total lei Rema2010 Dec2010 ALAGOAS 1 AL Rio Largo 321 100 5.892 8 2 AL Marechal Deodoro 348 100 4.919 7 3 AL Tanque dArca 135 100 292 4 4 AL Anadia 198 100 684 3 5 AL São Miguel dos Milagres 81 100 1.805 2 BAHIA 1 BA Andaraí 1.941 100 26.904 634 2 BA Valença 1.229 100 27.276 508 3 BA Mundo Novo 1.564 119 33.024 405 4 BA Encruzilhada 2.092 100 12.888 404 5 BA Ruy Barbosa 2.184 92 27.755 304 6 BA Cândido Sales 1.660 100 9.957 267 7 BA Santo Amaro 529 100 11.487 246 8 BA Miguel Calmon 1.624 78 14.035 234 9 BA Piritiba 1.018 98 13.252 204 10 BA Tapiramutá 681 100 16.514 181 CEARÁ 1 CE Viçosa do Ceará 1.344 35 8.976 74 2 CE Camocim 1.154 33 19.455 36 3 CE Paracuru 313 83 4.138 24 4 CE Tianguá 930 25 2.853 3ESPÍRITO SANTO 1 ES Vitória 86 100 1.205 38 2 ES Alfredo Chaves 631 100 20.262 28 3 ES Itapemirim 571 100 3.323 27 4 ES Colatina 1.459 100 9.056 14 5 ES Afonso Cláudio 977 100 8.355 12 6 ES Vargem Alta 425 100 11.731 11 7 ES Guarapari 608 100 14.054 10 8 ES Domingos Martins 1.255 100 29.643 10 9 ES Muniz Freire 695 100 8.961 9 10 ES Laranja da Terra 467 100 4.405 8 GOIÁS 1 GO Caçu 2.254 30 7.302 178 2 GO Quirinópolis 3.794 53 7.852 37 3 GO Cachoeira Alta 1.657 29 3.725 32 4 GO Buriti Alegre 901 62 3.163 18MINAS GERAIS 1 MG Ponto dos Volantes 1.243 100 32.275 3.244 2 MG Jequitinhonha 3.601 100 82.486 2.786 12
  13. 13. 3 MG Pedra Azul 1.657 100 36.447 676 4 MG Águas Vermelhas 1.286 100 37.054 525 5 MG Itamarandiba 2.781 44 27.236 330 6 MG Curral de Dentro 582 70 10.242 308 7 MG Santa Cruz de Salinas 599 94 4.687 268 8 MG Montezuma 1.156 60 8.151 209 9 MG Divisópolis 589 100 12.792 206 10 MG Setubinha 546 100 25.877 202MATO GROSSO DO SUL 1 MS Coronel Sapucaia 1.029 100 4.637 30 2 MS Laguna Carapã 1.734 152 15.064 12 3 MS Aral Moreira 1.657 101 14.020 12 4 MS Tacuru 1.784 100 12.105 5 5 MS Amambai 4.202 101 20.255 4 PERNAMBUCO 1 PE Gravatá 541 100 13.897 76 2 PE Goiana 529 100 12.004 53 3 PE Jaboatão dos Guararapes 270 100 3.102 18 4 PE Itapissuma 78 100 1.097 17 5 PE Brejo da Madre de Deus 798 39 6.277 14 6 PE Cabo de Santo Agostinho 473 100 5.980 14 7 PE Itambé 321 100 2.560 13 8 PE Ipojuca 510 100 4.805 12 9 PE Caruaru 968 19 4.769 10 10 PE Garanhuns 480 93 2.714 9 PARANÁ 1 PR Pitanga 1.665 100 14.459 317 2 PR Bocaiúva do Sul 829 100 28.293 249 3 PR Reserva 1.638 100 16.405 235 4 PR Bituruna 1.218 100 20.990 135 5 PR Coronel Domingos Soares 1.575 100 34.488 128 6 PR Ortigueira 2.433 100 20.232 110 7 PR Turvo 903 100 17.163 105 8 PR Doutor Ulysses 784 100 7.532 104 9 PR Cândido de Abreu 1.511 100 14.265 95 10 PR Itaperuçu 312 100 2.655 90 RIO DE JANEIRO 1 RJ São Fidélis 1.048 100 4.754 50 2 RJ Campos dos Goytacazes 4.115 100 25.314 33 3 RJ Resende 1.125 100 23.704 32 4 RJ Trajano de Moraes 600 100 14.247 28 5 RJ Cantagalo 764 100 8.625 24 6 RJ Macaé 1.239 100 30.219 21 7 RJ Sumidouro 402 100 7.132 12 8 RJ Nova Friburgo 947 100 40.367 12 9 RJ Barra do Piraí 585 100 9.928 10 10 RJ Paraty 938 100 71.936 8 13
  14. 14. RIO GRANDE DO SUL 1 RS Santa Maria 1.781 37 9.010 119 2 RS São José dos Ausentes 1.179 100 15.933 89 3 RS Rolador 295 50 426 82 4 RS São Pedro do Butiá 107 100 263 72 5 RS Rio Grande 2.717 100 703 70 6 RS São Francisco de Paula 3.278 100 44.261 69 7 RS São Francisco de Assis 2.509 13 5.025 62 8 RS Faxinalzinho 143 100 832 58 9 RS Nonoai 470 100 12.252 51 10 RS Caxias do Sul 1.646 100 28.522 45 SANTA CATARINA 1 SC Macieira 260 100 4.527 267 2 SC Água Doce 1.314 100 16.010 175 3 SC Itaiópolis 1.297 100 41.358 152 4 SC São Domingos 384 100 2.544 150 5 SC Taió 693 100 23.861 110 6 SC Passos Maia 615 100 15.041 85 7 SC Porto União 851 100 19.681 84 8 SC São José do Cerrito 949 100 5.667 83 9 SC Campo Alegre 498 100 8.457 79 10 SC Papanduva 761 100 17.840 73 SERGIPE 1 SE Gracho Cardoso 252 100 1.338 38 2 SE Santa Rosa de Lima 70 100 1.059 31 3 SE Aquidabã 375 100 1.071 27 4 SE Santa Luzia do Itanhy 342 100 9.215 25 5 SE Siriri 173 100 2.193 24 6 SE Itaporanga dAjuda 769 100 9.335 13 7 SE Neópolis 277 100 1.652 11 8 SE Itabaianinha 513 73 2.273 10 9 SE Nossa Senhora das Dores 504 94 3.579 8 10 SE Capela 462 100 3.912 6 SÃO PAULO 1 SP Bertioga 494 100 38.235 76 2 SP Jacupiranga 706 100 32.620 75 3 SP Iguape 1.987 100 146.743 54 4 SP São Paulo 1.534 100 25.072 27 5 SP Barra do Turvo 1.009 100 54.929 27 6 SP Paraibuna 817 100 11.175 22 7 SP Itariri 275 100 15.763 19 8 SP Santana de Parnaíba 181 100 3.292 19 9 SP Juquiá 827 100 51.470 17 10 SP Marília 1.171 97 14.375 13 14

×