Fases do Ciclo Erosivo do Perfil Longitudinal do rio
A - Fase da Juventude B - Fase da Maturidade C - Fase da Velhice
Fases do Ciclo Erosivo do Rio - Perfis Transversais
Perto da nascente do Rio Homem – Afluente do Rio Cávado
FAIAL - Rio Homem
Rio Homem – Fase da Juventude
Nasce na Sª do
Gerês. Inicia o
seu percurso de
forma selvagem
exercendo um
forte poder
erosi...
Rio Homem – Cascata perto da nascente
Rio Cávado - Barragem da Caniçada (Gerês)
Rio Homem Rio Cávado
Curso inicial dos rios – predomínio do Desgaste
“Canhão” do Rio Cávado
Com nascente na Sª do Larouco, o Rio Cávado
rompe o seu percurso num relevo rejuvenescido
com a oro...
Rio Cávado – curso médio
Rio Cávado – curso inferior e na Foz
Estuário – é visível a forte sedimentação
na fase de velhice do rio
À esquerda, o mar...
Confluência do Rio Cávado vista do Oceano
Vista aérea do Curso terminal do Rio Cávado
Ofir
Esposende
Foz
Fão
Rio Minho Norte Litoral Rio Ave
Foz do Rio Minho, em Caminha – o rio faz
fronteira com Espanha.
Na imagem é visível a orie...
Rio Vez – afluente do Rio Lima
Estuário do Rio Lima
Rio Lima em Viana do Castelo, perto da foz: são notórias as “ilhotas” de areia
resultantes da forte s...
Rio Sabor – afluente do Rio Douro
O rio Sabor é considerado o último rio selvagem de
Portugal devido à ausência de barrage...
Rio Douro – Curso Médio
Rio Douro
Pinhão
Porto/Gaia Estuário - Cabedelo
Bacia Hidrográfica do Douro
Rio Sousa
Rio Sabor
Afluente da margem direita do rio
Douro, nasce na Sierra de Gamoneda
em Es...
Rio Paiva – águas bravas
Curso de água de média dimensão, o rio Paiva é um rio português que nasce na Serra da Nave
em Moi...
Aproveitamento das águas fluviais – as BARRAGENS
As barragens são construções que visam o aproveitamento dos
cursos fluvia...
A água nestas represas não
pode exceder limites de
segurança necessários ao
funcionamento das barragens,
caso das barragen...
Nos períodos de excessiva queda pluviométrica pode ser preciso
abrir as comportas provocando cheias a jusante da barragem....
Localização das Barragens
Nascente do Rio Leça Início do caudal do rio Curso médio
O Rio Leça nasce no Monte de Santa Luzia (concelho de Santo Tirso...
Rio Vouga
Rio com origem na serra da Lapa desagua
no oceano Atlântico através de um delta
impropriamente designado por "ri...
Rio Vouga
Rio Zêzere - nascente e percurso de montanha
Serra
da
Lousã
Nascente do Rio Mondego
“Mondeguinho”
Nasce a 1425 m de altitude na Sª da Estrela. Após uma fase inicial com uma orientaçã...
Mondego - A poucos km da nascente
Campos de arroz
Rio Mondego junto à sua
foz na Figueira da Foz
Rio Mondego em
Penacova - meandro
Rio Alviela – Nascente em pico de cheia
Rio Alviela – Maciço Calcário Estremenho
A nascente do rio Alviela situa-se na transição entre o Maciço
Calcário Estremenh...
Nascente do rio Alviela (em
pico de cheia), na Gruta do
Alviela, um caso de
exsurgência em relevo cársico.
O rio é um aflu...
Polje de Mira, Minde – Maciço Calcário Estremenho
Quando o entrada de água no sistema
é superior ao caudal permitido pelas...
Rio Tejo – O maior da Península, o terceiro em Bacia Hidrográfica
Vista do Tejo em Cáceres, Espanha
Passagem do rio Tejo e...
Estuário do Rio Tejo
Rio Tejo no seu percurso pelo
Ribatejo:
Diversidade de solos e climas
aliados a explorações
vitivinícolas de grande
dimens...
Rio Ponsul - reflexo da
irregularidade da precipitação, os
rios nacionais apresentam um
regime periódico
O rio Ocreza é um...
Rio Mira – junto a Vila Nova de Mil Fontes
Rio Mira, que nasce na
Sª do Caldeirão, vai
desaguar no Oceano
Atlântico depois de um
percurso de orientação
S/N
Na vista ...
Rio Sado – passagem em Alcácer do Sal
Alcácer do Sal
O Rio Sado, tal como o Rio Mira, corre de Sul para Norte
Rio Sado - Foz
O rio, inteiramente português, tem um caudal relativamente pouco
caudaloso devido a vários factores, nomead...
Rio Guadiana
Passagem em Pomerão
Rio Guadiana
Paisagem da
peneplanície
(Submeseta
Meridional):
 despovoada
 árida
 vegetação
mediterrânica
Ponte de cami...
Barragem do Alqueva
Foz da Ribeira de Odeleite
Na época das chuvas
Vista de Mértola
Recolha do moliço na “Ria” de Aveiro
As áreas cobertas pelo moliço, são
de elevada importância biológica:
constituem abrig...
Vilarinho da Furna não existe mais;
não declinou por abandono dos habitantes,…
como pôde, enriquecendo-se o
país de electr...
Ribeira da Asseca – Algarve
Pego do Inferno
uma das quedas de água algarvias – a cerca de 7 Km de Tavira
Rios portugueses-Recursos hídricos-10ºano
Rios portugueses-Recursos hídricos-10ºano
Rios portugueses-Recursos hídricos-10ºano
Rios portugueses-Recursos hídricos-10ºano
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Rios portugueses-Recursos hídricos-10ºano

593
-1

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
593
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Rios portugueses-Recursos hídricos-10ºano

  1. 1. Fases do Ciclo Erosivo do Perfil Longitudinal do rio A - Fase da Juventude B - Fase da Maturidade C - Fase da Velhice
  2. 2. Fases do Ciclo Erosivo do Rio - Perfis Transversais
  3. 3. Perto da nascente do Rio Homem – Afluente do Rio Cávado FAIAL - Rio Homem
  4. 4. Rio Homem – Fase da Juventude Nasce na Sª do Gerês. Inicia o seu percurso de forma selvagem exercendo um forte poder erosivo: as rochas graníticas arredondadas que se vêem resultam da longa batalha entre o rio – um rio “jovem” - e as rochas que lhe servem de leito.
  5. 5. Rio Homem – Cascata perto da nascente
  6. 6. Rio Cávado - Barragem da Caniçada (Gerês)
  7. 7. Rio Homem Rio Cávado Curso inicial dos rios – predomínio do Desgaste
  8. 8. “Canhão” do Rio Cávado Com nascente na Sª do Larouco, o Rio Cávado rompe o seu percurso num relevo rejuvenescido com a orogenia alpina, fortemente acidentado, fracturado e falhado.
  9. 9. Rio Cávado – curso médio
  10. 10. Rio Cávado – curso inferior e na Foz Estuário – é visível a forte sedimentação na fase de velhice do rio À esquerda, o mar; à direita, o Cávado; em segundo plano, a arriba fóssil
  11. 11. Confluência do Rio Cávado vista do Oceano
  12. 12. Vista aérea do Curso terminal do Rio Cávado Ofir Esposende Foz Fão
  13. 13. Rio Minho Norte Litoral Rio Ave Foz do Rio Minho, em Caminha – o rio faz fronteira com Espanha. Na imagem é visível a orientação discordante do relevo acidentado relativamente ao mar. Esta abertura permite a entrada dos ventos húmidos de Oeste. Rio Ave na sua passagem por Vila de Conde onde desagua no Oceano Atlântico. Tal como o vale do Rio Minho, o vale do Rio Ave apresenta uma orientação NNE/SSW, sensivelmente, uma orientação alpina.
  14. 14. Rio Vez – afluente do Rio Lima
  15. 15. Estuário do Rio Lima Rio Lima em Viana do Castelo, perto da foz: são notórias as “ilhotas” de areia resultantes da forte sedimentação.
  16. 16. Rio Sabor – afluente do Rio Douro O rio Sabor é considerado o último rio selvagem de Portugal devido à ausência de barragens ao longo dos mais de 120 km do seu percurso através de Trás-os-Montes, ao isolamento do seu vale e à grande diversidade de habitats naturais e espécies que aí ocorrem. Orientado no sentido Norte-Sul, verdadeiro eixo de Trás-os-Montes, o Sabor é um autêntico corredor ecológico, onde estão representadas algumas das mais ameaçadas espécies de vertebrados nacionais. O seu estatuto de protecção actual (Zona de Protecção Especial para as Aves e Rede Natura 2000) só peca por escasso.Foz
  17. 17. Rio Douro – Curso Médio
  18. 18. Rio Douro Pinhão Porto/Gaia Estuário - Cabedelo
  19. 19. Bacia Hidrográfica do Douro Rio Sousa Rio Sabor Afluente da margem direita do rio Douro, nasce na Sierra de Gamoneda em Espanha, entra em Portugal atravessando a Serra de Montesinho no distrito de Bragança. Desagua a jusante da Barragem do Pocinho Afluente, também, da margem direita do rio Douro, desagua em Foz de Sousa e nasce em Felgueiras. Ao longo do seu percurso rasgou um vale relativamente encaixado num espaço integrado geologicamente no Maciço Antigo Ibérico, onde predominam rochas duras (granitos e xistos).
  20. 20. Rio Paiva – águas bravas Curso de água de média dimensão, o rio Paiva é um rio português que nasce na Serra da Nave em Moimenta da Beira e desagua no Douro em Castelo de Paiva, com um comprimento de cerca de 111 km . Foi considerado ainda não há muitos anos o rio menos poluído da Europa, e ainda hoje é local de desova da truta.
  21. 21. Aproveitamento das águas fluviais – as BARRAGENS As barragens são construções que visam o aproveitamento dos cursos fluviais para, por exemplo, • reterem grandes quantidades de água • abastecerem de água áreas residenciais, agrícolas ou industriais • produzirem energia • ajudarem à regularização dos caudais. Trata-se de autênticas barreiras artificiais mais largas em baixo devido ao aumento de pressão da água em relação à profundidade. Barragem de Picote – Miranda do Douro
  22. 22. A água nestas represas não pode exceder limites de segurança necessários ao funcionamento das barragens, caso das barragens de produção de energia hidroeléctrica. Daí que, tenham de ter a parte inferior reforçada , sendo, por isso, mais larga a parte inferior da parede da barragem do que a parte superior. A acumulação da água a montante das barragens leva à formação de lagos artificiais, normalmente, apelidados de albufeiras. Barragem de Castelo de Bode – Rio Zêzere
  23. 23. Nos períodos de excessiva queda pluviométrica pode ser preciso abrir as comportas provocando cheias a jusante da barragem. Em períodos de seca exagerada pode ser posta em causa essa mesma produção por falta de água. O planeamento e gestão dos recursos hídricos ibéricos tem, obrigatoriamente que ser articulado com o planeamento e gestão dos recursos hídricos da parte espanhola das bacias partilhadas entre os dois países. [ no quadro do direito  internacional (com destaque para a Convenção sobre a Protecção e a Utilização dos Cursos de Água Transfronteiriços e Lagos Internacionais – Convenção de Helsínquia)  comunitário (com destaque para a Directiva Quadro da Água)  bilateral (Convénios de 1964 e 1968 e a “Convenção sobre Cooperação para o Aproveitamento Sustentável das Águas das Bacias Hidrográficas Luso-Espanholas”, adiante designada por Convenção de Albufeira) http://cnpgb.inag.pt/gr_barragens/gbportugal/Lista.htm
  24. 24. Localização das Barragens
  25. 25. Nascente do Rio Leça Início do caudal do rio Curso médio O Rio Leça nasce no Monte de Santa Luzia (concelho de Santo Tirso) e tem a sua foz no oceano Atlântico, junto ao porto de Leixões. Atravessa uma região onde a actividade industrial é intensa, o que, a par da falta de tratamento dos resíduos industriais, muitas vezes, lançados directamente nas suas águas, põe em perigo a qualidade das suas águas tornando-as fortemente poluídas.
  26. 26. Rio Vouga Rio com origem na serra da Lapa desagua no oceano Atlântico através de um delta impropriamente designado por "ria de Aveiro". tem no seu curso três secções bem marcadas. Começa por ser um rio de planalto até S. Pedro do Sul; depois, corre entre zonas montanhosas, recebe a água de vários afluentes e passa num vale profundo com meandros encaixados - rio de montanha; finalmente, ao deixar o Maciço Antigo, o Vouga muda de aspeto, corre entre margens largas e baixas, descrevendo meandros com uma forte ação acumuladora - rio de planície
  27. 27. Rio Vouga
  28. 28. Rio Zêzere - nascente e percurso de montanha Serra da Lousã
  29. 29. Nascente do Rio Mondego “Mondeguinho” Nasce a 1425 m de altitude na Sª da Estrela. Após uma fase inicial com uma orientação SW/NE, inicia o seu curso médio com uma orientação NE/SW por entre um vale apertado em rochas graníticas e metamórficas. O troço terminal (cerca de 40 km) é percorrido através de uma planície aluvial, extremamente fértil e onde se localizam alguns dos mais produtivos arrozais da Europa.
  30. 30. Mondego - A poucos km da nascente Campos de arroz
  31. 31. Rio Mondego junto à sua foz na Figueira da Foz Rio Mondego em Penacova - meandro
  32. 32. Rio Alviela – Nascente em pico de cheia
  33. 33. Rio Alviela – Maciço Calcário Estremenho A nascente do rio Alviela situa-se na transição entre o Maciço Calcário Estremenho e a Bacia Terciária do Baixo Tejo, paisagem constituída principalmente por arenitos. A sua bacia de alimentação estende-se ao longo de cerca de 180 km2, onde a água percorre verdadeiros labirintos subterrâneos até chegar à nascente. O rio Alviela é alimentado durante todo o ano por uma nascente permanente, mas em períodos de maior precipitação a água é também expelida através de nascentes temporárias, nomeadamente por uma saída temporária de extravasamento situada junto à nascente principal (Olhos de Água) e por uma outra situada junto ao Poço Escuro. Desde 1880 até bem próximo da actualidade, a nascente do Alviela foi uma das principais fontes de abastecimento de água à cidade de Lisboa (através da EPAL), e ainda hoje “abre portas” a um dos maiores reservatórios de água doce do país.
  34. 34. Nascente do rio Alviela (em pico de cheia), na Gruta do Alviela, um caso de exsurgência em relevo cársico. O rio é um afluente do rio Tejo. Poço escuro (nascente temporária do rio Alviela)
  35. 35. Polje de Mira, Minde – Maciço Calcário Estremenho Quando o entrada de água no sistema é superior ao caudal permitido pelas nascentes, a água eleva-se dentro da rede e inunda esta área deprimida que é o polje, através de 2 ou 3 algares existentes na sua base, formando este mar temporário. Uns tempos depois, com a diminuição da precipitação, este "mar" esvazia pelos mesmos locais por onde inundou. Forma de relevo cársico constituída por uma vasta depressão fechada, de fundo chato. O polje de Mira- Minde é drenado na periferia do maciço pelas nascentes dos rios Lena, Alviela e Almonda só para citar as mais conhecidas.
  36. 36. Rio Tejo – O maior da Península, o terceiro em Bacia Hidrográfica Vista do Tejo em Cáceres, Espanha Passagem do rio Tejo em Toledo, Espanha
  37. 37. Estuário do Rio Tejo
  38. 38. Rio Tejo no seu percurso pelo Ribatejo: Diversidade de solos e climas aliados a explorações vitivinícolas de grande dimensão com baixos custos de produção são as principais características do Ribatejo O rio Tejo está omnipresente na paisagem ribatejana e é um dos responsáveis pelo clima, pelo solo e consequentemente, pela fertilidade da região. No Ribatejo o clima é mediterrânico, contudo sofre a influência do rio, por isso as estações do ano são amenas.
  39. 39. Rio Ponsul - reflexo da irregularidade da precipitação, os rios nacionais apresentam um regime periódico O rio Ocreza é um afluente da margem direita do rio Tejo. Nasce na Serra da Gardunha e corre para Sul. Na imagem é notório o trabalho de acumulação resultante da erosão fluvial . Afluentes do Rio Tejo
  40. 40. Rio Mira – junto a Vila Nova de Mil Fontes
  41. 41. Rio Mira, que nasce na Sª do Caldeirão, vai desaguar no Oceano Atlântico depois de um percurso de orientação S/N Na vista aérea é visível o resultado do assoreamento junto à foz em Vila Nova de Mil Fontes.
  42. 42. Rio Sado – passagem em Alcácer do Sal Alcácer do Sal O Rio Sado, tal como o Rio Mira, corre de Sul para Norte
  43. 43. Rio Sado - Foz O rio, inteiramente português, tem um caudal relativamente pouco caudaloso devido a vários factores, nomeadamente:  o clima mais árido do Alentejo (nasce na Sª da Vigia) o reduzido desnível entre a altitude da nascente (230m) e a altitude da foz, em Setúbal. Ao fundo, a Sª da Arrábida
  44. 44. Rio Guadiana Passagem em Pomerão
  45. 45. Rio Guadiana Paisagem da peneplanície (Submeseta Meridional):  despovoada  árida  vegetação mediterrânica Ponte de caminho de ferro.
  46. 46. Barragem do Alqueva Foz da Ribeira de Odeleite Na época das chuvas Vista de Mértola
  47. 47. Recolha do moliço na “Ria” de Aveiro As áreas cobertas pelo moliço, são de elevada importância biológica: constituem abrigo para juvenis de espécies piscícolas; são uma fonte importante de produção primária e servem como acumuladoras de energia e nutrientes. Além disso, a vegetação submersa estabiliza os sedimentos do fundo, retira energia às correntes de maré e diminui a turbidez da água. Actualmente a recolha do moliço, cinge-se a uma actividade esporádica.
  48. 48. Vilarinho da Furna não existe mais; não declinou por abandono dos habitantes,… como pôde, enriquecendo-se o país de electricidade, atirando para as incertezas da vida os seus vizinhos. E, no entanto, estas aldeias comunitárias viviam numa nobre pobreza, onde os habitantes se sentiam efectivamente senhores do que cultivavam e colhiam e geriam em comum os seus interesses colectivos. ... mas porque uma barragem a meteu debaixo de água que submergiu leiras e casas e até o cemitério situado na parte mais alta da aldeia. Nem os mortos escaparam e dos vivos ninguém cuidou; pagas de indemnizações irrisórias, cada um se amanhou
  49. 49. Ribeira da Asseca – Algarve Pego do Inferno uma das quedas de água algarvias – a cerca de 7 Km de Tavira
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×