Paisagens agrarias 1

4,668 views
4,109 views

Published on

Conjunto de imagens que procuram ilustrar os aspetos tradicionais mais caraterísticos das paisagens das Regiões Agrárias portuguesas do continente.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
4,668
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
636
Actions
Shares
0
Downloads
71
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Paisagens agrarias 1

  1. 1. AGRICULTURA PAISAGENS AGRÁRIAS/AGRÍCOLAS
  2. 2. Agricultura Tradicional
  3. 3. Agricultura Moderna
  4. 4. T É C N I C A S TRADICIONAIS A G R Í C O L A S MODERNAS
  5. 5. Culturas agrícolas TRIGO MILHO
  6. 6. Paisagem agrária da Região de Entre Douro e Minho Vale do Geraz - Póvoa de Lanhoso
  7. 7. Paisagem agrária da Região de Entre Douro e Minho
  8. 8. Paisagem agrária da Região de Entre Douro e Minho Freguesia de Arnoso – V.N. de Famalicão
  9. 9. Paisagem Agrária de “bocage” ou “enclos”, isto é, de Campos fechados: -Minifúndios - irregulares - fechados Pormenores da paisagem agrária do Entre Douro e Minho: - ocupação intensiva do solo - policultura - minifúndios, irregulares, vedados por sebes vivas - abundância de recursos hídricos
  10. 10. Paisagem agrária da Região de Entre Douro e Minho Aldeia de Brufe – Terras de Bouro (Barreira de Condensação)
  11. 11. Paisagem agrária da Região de Entre Douro e Minho Campos fechados por muros de pedra Leiras em pousio Povoamento agrupado Peneda – Gerês /// Barreira de Condensação Isolamento geográfico na origem de práticas comunitárias
  12. 12. Paisagem agrícola Transmontana - Olival
  13. 13. Paisagem agrária – planalto de Bragança Campos em Pousio
  14. 14. Criação de gado ovino e caprino – Trás-os-Montes Espécies animais de pequeno porte melhor adaptadas a áreas: - acidentadas - clima mais rigoroso – verão quente e seco e inverno frio e pouco chuvoso
  15. 15. Criação de gado bovino – Raça autóctone Entre as montanhas e os planaltos , encontram-se os lameiros. Trata-se de pastagens permanentes principal suporte da pecuária bovina de montanha, nomeadamente de raças autóctones . A sua abundância correlaciona-se com a pluviosidade relativamente abundante, acima dos 700-800mm anuais.
  16. 16. Os lameiros - culturas com um baixo nível de consumo de químicos e de um elevado valor paisagístico – têm ainda o papel fundamental de - proteger o solo da erosão - contribuir para - o ciclo da água - a regularização das bacias hidrográficas - reduzir a propagação dos incêndios florestais
  17. 17. Solo agrícola transmontana – Norte Interior Paisagempreparado p sementeira de trigo ou centeio A f o l h a m e n t o Encosta preparada para sementeira de cereal de sequeiro, trigo ou centeio
  18. 18. Paisagens agrícolas transmontanas – Norte Interior 1 - Pecuária extensiva 2 - Mecanização ligeira – tractor 3 - Pousio e afolhamento 1 2 3
  19. 19. Paisagem agrária transmontana – Norte Interior Planalto no Verão Arado – técnica tradicional Planalto na Primavera Policultura de subsistência
  20. 20. Paisagem agrária do Norte Interior – Terra Fria Manada de vacas de raça mirandesa – raça autóctone – em pastagem. No planalto mirandês a precipitação anual ronda os 600-800 mm o que justifica a existência de lameiros de sequeiro. O centeio é o cereal dominante na região. Ao fundo, a cidade de Miranda do Douro.
  21. 21. Na Região, a Raça Mirandesa subsiste em dois sistemas de exploração, o tradicional e o extensivo. O sistema tradicional é: característico de pequenas explorações  com encabeçamentos baixos (menos de 10 vacas por exploração) praticado em cerca de dois terços das explorações Policultural (cereais e frutos secos)  para satisfação das necessidades de autoconsumo e venda dos excedentes. A venda dos vitelos constitui muitas vezes a principal fonte de rendimento. O sistema extensivo é:  utilizado pela maioria dos produtores que possuem efectivos superiores a 10 vacas. As vacas permanecem todo o ano em pastoreio, acompanhadas pelo touro (a alimentação é suplementada com feno ou outro tipo de forragens disponíveis apenas quando a condição corporal seja inferior a 2, numa escala de 5 pontos).
  22. 22. Paisagem agrária do Nordeste Transmontano Jorge Delfim
  23. 23. Paisagem agrária – Alto Douro Vinhateiro Fernando Peneiras
  24. 24. Terra Quente Transmontana Amendoeiras
  25. 25. Terra Quente Transmontana 1 - Olival moderno 2 - Fruto da oliveira 3 - Apanha manual da 1 2 azeitona – “Varejo” 3
  26. 26. Paisagem Agrária do Alto Douro
  27. 27. Culturas agrícolas do Alto Douro Figos Uvas Amêndoas Laranjas Castanhas
  28. 28. Paisagem Agrária da Beira Interior A plantação das cerejeiras (árvore) remonta aos finais do século XIX. Porém, é a partir de 1950 que se inicia o seu desenvolvimento económico, e hoje há mesmo quem lhe chame “ouro vermelho”. Sª da Estrela, em segundo plano
  29. 29. O clima da Região da Beira Alta - invernos bastante frios e verões quentes e secos com alta luminosidade, é propício à produção de frutos de grande qualidade: maçãs, cerejas, pessegueiros, azeitonas, castanhas, uvas.
  30. 30. Pomar de pessegueiros, Vinha, Souto
  31. 31. Paisagem Agrária da Beira Interior – Cova da Beira Cova da Beira – um extenso vale correspondente a uma estrutura geológica deprimida, situase a Sul da Sª da Estrela, uma montanha de fractura e falha.
  32. 32. Paisagem Agrária da Beira Interior Alcongosta - a "capital" da "Cereja do Fundão“ – na meia encosta da Sª da Gardunha
  33. 33. Paisagem Agrária da Beira Interior População envelhecida Despovoamento Recurso a técnicas ancestrais Criação de gado ovino Pastoreio - regime extensivo Porém, há exemplos de renovação, como é o caso do regadio na Cova da Beira

×