Conceitos.em.imagens
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
2,066
On Slideshare
1,657
From Embeds
409
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
28
Comments
0
Likes
0

Embeds 409

http://irrml.blogspot.pt 386
http://www.irrml.blogspot.pt 22
http://www.blogger.com 1

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. GEOGRAFIA DA AGRICULTURA A PROPÓSITO DE ALGUNS CONCEITOS, EM IMAGENS 1
  • 2. AGRICULTURA TRADICIONAL Uso de animais como auxiliares do agricultor. Recurso a uma máquina que, para funcionar, necessita de ser puxada. A energia gasta é sob a forma de força muscular (do homem e/ou do animal). http://hortadecodecais.blogspot.pt/2012/05/semear-milho.html 2
  • 3. Parcelas agrícolas de pequena dimensão – minifúndios ; Técnicas agrícolas tradicionais – mecanização rudimentar; uso preferencial de mão de obra. Nestas circunstâncias, o Rendimento da terra é baixo e a Produtividade é muito baixa; Ocupação do solo intensiva Agricultura tradicional Monte Córdova-Santo Tirso, Douro Litoral, Portugal http://hortadecodecais.blogspot.pt/2012/05/semear-milho.html 3
  • 4. AGRICULTURA TRADICIONAL http://segirei.blogs.sapo.pt/2010/04/ 4
  • 5. Paisagem Agrária Tradicional da Região de Entre Douro e Minho. Minifúndios Fechados por sebes vivas Socalcos onde o terreno é acidentado Ocupação intensiva Povoamento disperso http://sitioseestados.blogspot.pt/2011/05/no-concelho-de-paredes-de-coura.html 5
  • 6. http://www.casadacalcada.com/assets/user/image/minho.png Vinha em latada, à esquerda, frequente na paisagem agrária de Entre Douro e Minho. Muitas vezes, este tipo de disposição da vinha surge a delimitar as parcelas agrícolas. À direita, uma exploração vinícola, igualmente, na região de Entre Douro e Minho. Reflexo das temperaturas mais amenas e da precipitação elevada, os vinhos atingem um valor de grau alcoólico menor, Daí, a designação de vinhos verdes. Para garantir as caraterísticas genuínas deste vinho, a região produtora foi demarcada (artigo 10º da Carta de Lei de 18 de Setembro de 1908 e, depois, pelo artigo 19º do Decreto de 1 de Outubro do mesmo ano). 6
  • 7. Paisagem agrária de Entre Douro e Minho – minifúndios irregulares, fechados por sebes vivas; policultura; povoamento disperso; ocupação intensiva http://www.vinetowinecircle.com/wp-content/gallery/regioes-minho/viticultura-em-bordadura-de-parcelas-agricolas.jpg 7
  • 8. Paisagem agrária de campo fechado: Associada a climas amenos e de elevada precipitação e densidade populacional. Minifúndios fechados por muros de pedra, habitual em regiões montanhosas. Ocupação intensiva do solo. http://naturlink.sapo.pt/ResourcesUser/GaleriaFauna/Altera%C3%A7%C3%B5es%20da%20paisagem%20de%20uma%20Regi%C3%A3o3.jpg 8
  • 9. http://ipt.olhares.com/data/big/267/2670151.jpg Aproveitamento do espaço para a prática agrícola numa paisagem montanhosa do Norte do país. Nestas circunstâncias de relevo surge a construção em socalcos. Apesar do acidentado do relevo, a planura dos cumes denuncia que se trata de um relevo jovem resultante do rejuvenescimento de uma forme de relevo geologicamente muito envelhecida. Relembrando o que estudamos no 10º ano será um relevo jovem - Era Terciária – com uma composição geológica muito antiga – Era Primária. 9
  • 10. Paisagem agrária transmontana Paisagem planáltica (Meseta Ibérica) Fraca densidade populacional Limite da propriedades marcados por muros de pedra ou árvores Contornos irregulares http://antoniocasteleiro.blogs.sapo.pt/69934.html 10
  • 11. Paisagem agrária transmontana Parcelas agrícolas de dimensões médias , fechadas Contornos irregulares Afolhamento Pousio Paisagem planáltica Cor dominante revelando escassez de água (aridez) http://naturlink.sapo.pt/ResourcesUser/Galeria3/planalto.JPG 11
  • 12. Criação de gado em regime extensivo Gado lanígero adequado a áreas com escassez de pasto, isto é, áreas pouco húmidas ou áreas montanhosas. http://lelodemoncorvo.blogspot.pt/2012/02/mirandela-agricultores-pastores.html Neste caso, paisagem montanhosa transmontana. Nalgumas aldeias persistem casos de práticas comunitárias. Por exemplo, a figura do pastor comunitário que conduz o seu rebanho e o dos seus vizinhos. A emigração dos anos 60 do século passado e o despovoamento do Interior são responsáveis, entre outras causas, pelo desaparecimento dessas práticas. 12
  • 13. Um souto transmontano Espécie arbórea com preferência por altitudes entre os 400 e 1000 metros (por vezes mais), sem temperaturas abaixo dos 15º negativos e solos ligeiramente ácidos. Em Portugal são numerosos os soutos nos distritos de Bragança Viseu e Guarda. http://www.asbeiras.pt/2012/05/investigadores-ajudam-agricultores-a-aumentar-producao-de-castanha-em-sernancelhe/ 13
  • 14. Espécies dominantes em explorações vocacionadas para a produção para o mercado – dimensões latifundiárias. Autor: Duarte http://olhares.sapo.pt/agricultura-transmontana-t-foto3122264.html?nav1 Em primeiro plano, vinha. Em segundo plano, oliveiras dispostas de forma irregular (olival tradicional). Em terceiro plano, um olival moderno: árvores dispostas de forma regular. Vantagens: permite um crescimento mais harmonioso de cada árvore assim como a introdução de máquinas, nomeadamente, para colheita mecânica das olivas (azeitonas). 14
  • 15. Amendoeiras em flor Exemplo de cultura permanente, abundante na Terra Quente Transmontana, sub-região afetada por um microclima que permite a existência de espécies mediterrânicas. Amendoal tradicional. http://www.montedolaranjal.com/wp-content/uploads/2011/01/amendoeira7_012011.jpg 15
  • 16. A Terra Quente Transmontana é constituída por fossas tectónicas (Mirandela e Vale da Vilariça) e por vales de erosão profundos ( Rios Sabor e Douro Superior) encaixados na meseta ibérica. Este conjunto orográfico confere-lhe características climáticas muito genuínas, relativamente às restantes zonas da região transmontana. Assim, a Terra Quente Transmontana é caracterizada por um clima com Verões muito quentes, secos e prolongados que determinam uma vegetação e uma agricultura tipicamente mediterrânica. A estação fria é também muito marcada, com um elevado número de geadas anuais, sendo as estações intermédias da Primavera e Outono relativamente curtas em termos climáticos. Os solos são predominantemente pouco profundos, com origem em rochas xistosas, ácidos e com baixos teores de matéria orgânica. A agricultura é caracterizada por uma estrutura de minifúndio e tipicamente familiar, permitindo, ainda assim, a produção de variados produtos agrícolas, de entre os quais se salientam a cereja em Alfândega da Fé, a maçã e a uva em Carrazeda de Ansiães, a castanha em Macedo de Cavaleiros e a azeitona em Mirandela e Vila Flor. Destacam-se ainda os produtos hortícolas do vale da Vilariça. Na pecuária predominam os ovinos e caprinos, produzindo carnes e queijo com menção protegida. 16
  • 17. TERRA FRIA TRANSMONTANA A preservação da Natureza é garantida nos Parque Naturais de Montesinho e do Douro Internacional, no meadamente Integrando o Maciço Antigo, formação antiga profundamente metamorfizada e entrosada por rochas plutónicas, a Terra Fria é uma região marcada por prados permanentes (lameiros), magníficos soutos de castanheiros e searas de trigo e centeio, está ainda marcada por uma agricultura de subsistência associada a um rigoroso clima de verões quentes, secos e curtos e invernos frios e chuvosos. Tal como a expressão popular bem ilustra são os "nove meses de inverno e três de inferno“. A temperatura de Inverno chega a extremos muito baixos e o período de geadas cobre os meses de Outubro a Maio na Terra Fria de Planalto. Acima dos 1000m de altitude, impõem-se os domínios da Terra Fria de Montanha, com temperaturas médias no ano abaixo de 10ºC, queda regular de neve durante o Inverno e ocorrência de geadas em praticamente todo o ano (exceto julho e agosto). Na Terra Fria de Alta Montanha (acima da cota 1300) são ainda menores as temperaturas (menos de 9ºC de média anual), mais abundante e persistente a queda de neve, a qual pode manter o solo coberto por períodos prolongados, estendendo-se o período de geadas a todos os meses do ano. 17
  • 18. Terra Fria e Terra Quente são designações comuns em Trás-os-Montes que traduzem de modo direto os contrastes climáticos da região. A expressividade do carácter mediterrânico dá fundamento à designação de Terra Quente. Os Invernos são mais suaves, com um período de geadas estendendo-se de finais de Novembro a princípios de Março, embora nos vales encaixados, onde o ar estaciona e arrefece fortemente, as geadas possam ocorrer até ao início de Maio. Nestes vales dominantemente xistentos, as temperaturas extremas de Verão são muito acentuadas. Os 14ºC de média anual constituem o limite térmico inferior deste domínio climático. Na zona da Terra Fria Transmontana este domínio climático está muito pouco representado, aliás reforçando a consistência da sua designação, e corresponde a uma já marcada secura (precipitação média entre 600 e 800mm anuais). Na Terra Fria de Alta Montanha (acima da cota 1300) as precipitações médias anuais excedem muito os 1200mm (Serra de Montesinho) e na Terra Fria de Montanha atingem quase sempre aquele valor (Serras da Coroa e da Nogueira). A maior variedade pluviométrica vai encontrar-se na Terra Fria de Planalto - e no qual melhor se expressa também a variação longitudinal da precipitação por efeito da continentalidade. Adaptado de http://www.rotaterrafria.com/pagegen.asp?SYS_PAGE_ID=841447 18
  • 19. Paisagem planáltica Relevo acidentado em último plano Povoamento agrupado Exploração intensiva junto à aldeia Campos extensos para além da aldeia http://ttturistico.foruns.com.pt/t225-terra-quente-transmontana-27-de-abril-de-2013 19
  • 20. Paisagem ribatejana: Planície aluvial do Tejo Parcelas agrícolas latifundiárias, de formas regulares e abertas, exploradas intensivamente; Monocultura especializada; sistema agrário de elevado rendimento (uso de numerosos fatores de produção) e produtividade (a regularidade do milheiral denuncia forte mecanização). http://acm2.adp-fertilizantes.pt/ACM2_upload/Actualidade/Noticias/Foto%20Agroglobal%203.JPG 20
  • 21. Exploração agrícola moderna na sub-região agrária do Ribatejo, uma produção vocacionada para o mercado. Apesar das dimensões latifundiárias os resultados económicos apontam para um exemplo de empresa agrícola onde a preocupação pelo lucro é um objetivo a atingir. http://fazerporsalvaterra.blogspot.pt/2013/04/de-salvaterra-ao-escaroupim-olhando-o.html 21
  • 22. Paisagem agrária alentejana Afolhamento Pousio Parcelas latifundiárias, de contorno regular, abertas Campo já limpo de árvores em grande extensão para facilitar a introdução de maquinaria. Peneplanície (planície de erosão). Novos Rurais - Farming Culture https://www.facebook.com/photo.php? 22
  • 23. Paisagem alentejana Um olival tradicional, com poucas árvores por unidade de área. Entre as oliveiras produzse cereal – trigo Domínio dos latifúndios com baixo rendimento e baixa produtividade. Sistema de culturas de sequeiro. O povoamento concentrado não é observado mas, sim, os montes – casa do grande proprietário e anexos para as alfaias agrícolas. http://soplanicie.blogspot.pt/2010/11/foi-para-isto-que-se-construiu-alqueva.html 23
  • 24. Alentejo Um olival novo, plantado em regime intensivo, isto é, com recurso à irrigação e em regime de exclusividade. Nos últimos anos muitos produtores de azeite espanhóis compraram terras no Alentejo e têm transformado velhos olivais em olivais intensivos. Uma das razões prende-se com a possibilidade de transporte de água permitido pela construção do perímetro de rega do Alqueva. 24
  • 25. Serpa Alentejo Cultura de girassol em regime de monocultura de sequeiro. Trata-se de uma oleaginosa que foi introduzida no afolhamento, anulando o pousio improdutivo. www.luardameianoite.pt 25
  • 26. Paisagem agrícola na planície algarvia Em primeiro plano, laranjal para produção em massa, orientada para o mercado. Parcelas de médias dimensões. Em segundo plano, a Serra Algarvia, conjunto montanhoso que separa o Algarve do Alentejo. http://algarvecitrinos.com/images/outeiro_large.jpg A região agrária do Algarve compreende três sub-regiões: A da Serra; A do Barrocal; A do Litoral. 26
  • 27. As três sub-regiões da Região do Algarve Distintas geologicamente, morfologicamente e no aproveitamento do espaço em termos agrícolas. Era Primária- xistos Era Secundária - calcários Era Terciária – areias, argilas, seixos 27
  • 28. A Serra algarvia, constituída por xistos e grauvaques carbónicos, tem uma agricultura escassa, dada a pobreza do solo e a ausência de águas subterrâneas. O Barrocal, constituído essencialmente por rochas carbonatadas jurássicas, tem um relevo relativamente suave. As colinas calcárias estão cobertas, em grande parte, por vegetação mediterrânica onde se inclui o medronheiro, a palmeira anã, o tomilho … lado a lado com a alfarrobeira, a oliveira, a amendoeira, etc. As depressões cársicas, cobertas por terra rossa, são objeto de agricultura intensiva, em que as culturas de sequeiro têm vindo a ceder o lugar a culturas de regadio, graças ao recurso cada vez mais generalizado à captação de águas subterrâneas. No Algarve litoral, região aplanada, cuja altitude não ultrapassa, em geral, os cento e poucos metros, as rochas dominantes são terciárias. A ocupação humana é intensa pois é nessa região que se concentram as infraestruturas turísticas e a agricultura desenvolvida. É, pois, uma região de grandes consumos de água, que não cessam de aumentar. 28
  • 29. No Barrocal http://www.algarverde.de/en/private-guided-walks/the-hinterland-walksbarrocal/ o potencial agrícola é fraco. No entanto, verifica-se a existência de campos de cultivo, predominando o tradicional pomar de sequeiro, onde aparecem conjugadas espécies como alfarrobeiras, amendoeiras, figueiras e oliveiras e, onde se fazem culturas arvenses intercalares, embora de baixo rendimento. Nas aluviões dos vales encontram-se hortas e pomares com as mesmas culturas que as da planície costeira, embora com desenvolvimento e maturação mais tardios. 29
  • 30. Pormenor de um pomar: figueiras e alfarrobeiras. http://asplantas.files.wordpress.com/2011/06/foto-joc3a3o-xavier-agricultura-perto-de-faro.jpg No Litoral, o relevo e o clima são suaves. Os solos apresentam algumas potencialidades e existem algumas disponibilidades subterrâneas de água, pelo que será a sub-região com maior potencial para a atividade agrícola: citrinos frutos secos flores e plantas ornamentais frutos subtropicais culturas hortícolas intensivas e extensivas são exemplos da produção desta área. Apesar das caraterísticas favoráveis desta área, o pousio atinge uma expressão razoável. 30
  • 31. Quinta das 6 Marias, Lagos, Algarve Litoral – Agricultura biológica localizada na sub-região Litoral. As potencialidades agrícolas da região agrária do Algarve têm vindo a atrair à terra um número crescente de novos rurais. O património agrícola está a ser revalorizado, como se pode ler no artigo publicado em 16 de dezembro de 2012 no jornal Público Algarve recria "arca de Noé" das árvores de fruto http://www.publico.pt/local/noticia/algarve-recria-arca-de-noe-das-arvores-de-fruto-1577650 31
  • 32. Nos últimos dois anos, o número de jovens agricultores triplicou no Algarve … No âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER), já foram aprovados 333 projetos para a instalação de jovens agricultores na região … o setor agrícola é encarado como uma oportunidade de “saída da crise” por muitos jovens (idades entre os 18 e os 40 anos). Os investimentos que têm vindo a ser feitos abrangem diversas áreas, como a fruticultura e apicultura. … destaca-se também o “substancial investimento” realizado nos pequenos frutos vermelhos, como o morango e a framboesa, utilizando modernas técnicas de produção, como a hidroponia (cultivo de plantas alimentadas com uma solução nutritiva líquida). A maioria dessa produção destina-se à exportação. Espécies típicas da região também já estão a ser cultivadas com novos métodos que potenciam a produção. É o caso da plantação de medronheiros de forma intensiva. Os jovens agricultores que obtêm apoios do Estado para os seus projetos ficam obrigados a tirarem cursos de formação nas respetivas áreas de atividades. Adaptado de http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/economia/agricultores-jovens-triplicaram-na-região, 6 janeiro 2013 32
  • 33. - SOCIALMENTE RESPONSÁVEL - implica agricultores e consumidores, na responsabilidade de produzir alimentos de forma equilibrada a nível ambiental, social e económico. - ECOLÓGICA - Baseia-se na interação equilibrada do homem e dos solos, plantas e animais, com base na noção de que cada elemento afeta os restantes. http://montecasteleja.com/bio/ A agricultura biológica é um modo de produção agrícola que garante a preservação do meio ambiente, da biodiversidade e do futuro da terra. Caracteriza-se por ser: - SUSTENTÁVEL - Utiliza recursos naturais renováveis, de forma a minimizar todas as formas de poluição que possam resultar das práticas agrícolas. Garante a conservação e o melhoramento da fertilidade dos solos a longo prazo. Utiliza de forma menos intensiva os solos. Restringe o uso de fertilizantes. Recorre a produtos naturais para combater doenças e infestantes abolindo por completo o uso de pesticidas. 33
  • 34. Monte da Castaleja, Lagos, Algarve Quinta produtora de vinho biológico e de produtos hortícolas. Na imagem veem-se em pormenor amêndoas em maturação nas árvores. http://montecasteleja.com/about-us/ “MONTE” é o nome que se dá a uma típica quinta nas regiões do sul de Portugal, caraterizada por ter uma casa térrea no topo de uma colina e os seus terrenos 34 circundantes.