• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Aula nº1
 

Aula nº1

on

  • 525 views

 

Statistics

Views

Total Views
525
Views on SlideShare
195
Embed Views
330

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

4 Embeds 330

http://irrml.blogspot.pt 311
http://www.irrml.blogspot.pt 9
http://irrml.blogspot.com 6
http://www.blogger.com 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Aula nº1 Aula nº1 Document Transcript

    • Página 1 de 3 RESUMO DAS AULAS DE GEOGRAFIA – 2013/2014 9ºano AULA Nº1 Olá turma! Nesta primeira aula vamos analisar a planificação anual que temos de cumprir ao longo do ano letivo 2013/2014. O primeiro tema (Domínio) designa-se População e povoamento e tem dois objetivos, a saber, “Compreender a origem e o crescimento das cidades” e “Compreender a organização morfo funcional das cidades”. Trata-se de um tema que iniciámos no ano anterior e, portanto, será necessário usar, de novo, o manual do 8ºano. Dentro deste tema, estudamos como tem decorrido a “Evolução da população mundial”, como descrever a “Distribuição da população mundial” e o que entender por “Mobilidade da população”, O que nos lembrámos destes subtemas (chamados de objetivos na planificação anual do 8ºano)? Na altura, analisamos gráficos que nos mostraram que a população mundial ultrapassou os 7 mil milhões em 31 de outubro de 2011. Acertaram! Foi a Revolução Industrial que teve início na Inglaterra em meados do século XVIII. Até aí, o mundo era muito mais parecido: a população dedicava-se à agricultura, alguma fazia artesanato, outra dedicava-se ao comércio. Com o aparecimento do vapor como forma de energia e o a invenção da máquina a vapor tudo vai mudar, ao princípio, de forma lenta, depois a um ritmo cada vez mais acelerado. Basta pensarmos neste pormenor. Por volta do século XIX, a distância entre Lisboa e Porto era percorrida em quatro dias. As estradas eram raras e de má qualidade. E, hoje? De carro, sem ultrapassar os limites de velocidade, bastam 3 horas; de comboio um pouco menos e, de avião (contando apenas o tempo de voo) cerca de 30 minutos. Mas as diferenças não ficam somente pelos transportes. E que tal se falarmos de comunicação? De um lado, estão os mais velhos que nasceram no mundo analógico e, do outro, os nativos digitais, isto é, vocês os mais jovens, as gerações que surgiram depois dos anos 80 do século XX, em pleno mundo digital. Porém, nem todos os jovens da vossa idade podem chamar-se assim. Muitos, nem sabem o que é um MP3 pois vivem em áreas mais atrasadas e não possuem dinheiro para adquirir um tal aparelho. Todavia, diz-se que a informação está a viver um período “just in time” – um concerto de rock em Londres pode ser visto ao mesmo tempo nas mais variadas partes do mundo ao mesmo tempo. Os satélites transmitem, as estações em terra captam e o mundo assiste. Regressando à demografia, vamos constatar que as diferenças são, igualmente, notórias. Quanto tempo levou a Humanidade a atingir o primeiro milhar de milhão? 1800 anos! A partir do início do século XIX, os tempos vão encurtar cada vez mais: 130 anos para duplicar, 33 anos para triplicar, 15 para quadriplicar. Segundo o Fundo de População das Nações Unidas, foi neste dia que se atingiu esse valor com o nascimento de Danica Camacho, nas Filipinas, um dos países do continente asiático, o continente mais populaso com dois terços da população mundial! Mas, para chegar a este número, os gráficos relatam um ritmo de crescimento muito irregular. E porquê? Porque são muitos os fatores que interferem no crescimento demoráfico, seja a nível mundial, continental, regional ou de país para país. Lembram-se qual foi o acontecimento mundial que conduziu às desigualdades que marcam o mundo atual?
    • Página 2 de 3 RESUMO DAS AULAS DE GEOGRAFIA – 2013/2014 É isso que se conclui do gráfico seguinte. Mas, também, parece prever-se uma certa desaceleração para as próximas décadas. Considerando os 7 mil milhões de habitantes no início do ano de 2012, as estatísticas apontam para um intervalo de 16 anos para chegarmos aos 8 mil milhões e mais 26 anos para sermos 9 mil milhões. O que já estudamos que nos possa ajudar a explicar tudo isto? Voltemos à Revolução Industrial. As suas consequências tocaram, no princípio, a vida das populações de um número reduzido de países –Inglaterra, Alemanha, França. Mais tarde, foi-se alastrando a outros países europeus, principalmente, do Norte e do Centro e, após a revolução que conduziu à independência dos EUA, em 1776, prosseguiu para o continente norte- americano. De um modo geral, são estes países e outros de colonização europeia recente – Austrália e Nova Zelândia – assim como o Japão que constituem o chamado Primeiro Mundo, isto é, o grupo dos países mais desenvolvidos. O que conhecemos deste grupo? São os mais desenvolvidos porque são os mais industrializados e, por isso, mais ricos. A sua população goza de um bom nível de vida, a maioria dos ativos trabalha nos serviços e na indústria. Há menos jovens do que idosos, as tradições têm pouco peso no comportamento das pessoas, os níveis de educação e saúde são elevados e, consequentemente, há a opção por famílias pouco numerosas. A maioria dos habitantes reside nas cidades, as mulheres são emancipadas, estudam, trabalham e deixam a maternidade para segundo plano. Os restantes países, a larga maioria, uns mais evoluídos – o Segundo Mundo – muitos revelando grandes atrasos – o Terceiro Mundo –, constituem o vastíssimo grupo dos Países em Desenvolvimento. Conheceram a Revolução Industrial já em pleno século XX, muitos foram colonizados e tornaram-se independentes depois da 2ª Grande Guerra. Explorados nas suas riquezas naturais durante anos e anos, com uma população pouco instruída e atingida frequentemente por doenças epidémicas, tiveram, na ajuda dos países mais desenvolvidos, particularmente de um organismo das Nações Unidas, a Organização Mundial de Saúde, a oportunidade de serem beneficiados com campanhas de vacinação que resultaram numa descida acentuada da mortalidade infantil. A partir da década de cinquenta do século XX, estes países com uma população maioritariamente jovem, pouco instruída, pouco informada e muito marcada pelas tradições, vão ser os grandes responsáveis pelo crescimento exponencial da população. Como então dissemos, para contrariar estas tendências, foi necessário criar políticas demográficas, umas, pró-natalistas, aplicadas nos países mais desenvolvidos e envelhecidos, outras, anti natalistas, nos países em desenvolvimento, no sentido de conduzirem a um maior controlo do número de nascimentos. 130 33 15 12 12 13 16 26 0 20 40 60 80 100 120 140 2 mil milhões 3 mil milhões 4 mil milhões 5 mil milhões 6 mil milhões 7 mil milhões 8 mil milhões 9 mil milhões Nº de anos para atingir cada mil milhões a partir do ano de 1800 Elaborado a partir de dados do Gabinete das Nações Unidas para a População
    • Página 3 de 3 RESUMO DAS AULAS DE GEOGRAFIA – 2013/2014 Provavelmente, é a existência destas medidas que explicam a prevista desaceleração que os especialistas esperam para as próximas décadas do século atual. Por força do seu atraso económico, pois na larga maioria dos países pobres a sua população vive de uma agricultura de subsistência, estes países registam ritmos de urbanização intensos. Nos países ricos, as taxas de urbanização são superiores a 70%. Poucos são os que residem em espaço rural. Nos países em desenvolvimento a maioria da população ainda vive no campo e as taxas de urbanização são reduzidas. Dada a precariedade dos inúmeros rurais, muitos deles dirigem-se para as cidades procurando uma melhor oportunidade de trabalho. O resultado é um crescimento urbano desordenado com o aparecimento de extensos subúrbios de bairros de lata onde as condições de vida são desumanas e as situações de confronto e delinquência habituais. E eis que regressamos à nossa planificação anual e aos descritores de desempenho, isto é, as metas que cada um de vós tem que demonstrar que atingiu. Se o fizerem, estão aptos a alcançar bons resultados à disciplina de Geografia. Justificados os dois primeiros objetivos, entramos na matéria do 9ºano. Atividades económicas, Redes e meios de transporte e telecomunicação, Contrastes de desenvolvimento e Ambiente e sociedade, são os temas (domínios) que compõem o programa curricular a cumprir. Não nos vamos alongar muito mais sobre eles nesta aula de apresentação. Teremos a oportunidade de discuti- los à medida que as aulas decorrerem. Mas, desde já, podemos imaginar o que vamos encontrar, provavelmente. Atividades económicas, por certo que o panorama será diferente nos países desenvolvidos daquilo que se passa nos em vias de desenvolvimento e, logicamente, o mesmo vai suceder com os transportes e as redes de comunicação. Tudo isso contribui para que haja contrastes de desenvolvimento. E, porque há cada vez mais habitantes, também, são crescentes as quantidades de matérias-primas, recursos energéticos e recursos hídricos precisos. Dado que a Terra é um sistema fechado que não tem para onde crescer e onde são frequentes desastres naturais, é indispensável que a sociedade humana se convença que tem de assumir atitudes de forte consciência ambiental. Dito de um modo que ouvimos com grande frequência, é fundamental escolhermos as atitudes corretas para caminharmos para um desenvolvimento humano sustentável. Este gráfico expõe as variáveis que devem interagir para se chegar ao tão desejado desenvolvimento sustentável. Sociedade, economia, ambiente e cultura devem combinar-se para que o crescimento económico e o desenvolvimento humano contribuam para um mundo mais harmonioso e, especialmente, com a preocupação de garantir as necessidades das gerações futuras. Professora Idalina Leite