9ºano_Principais Problemas Urbanos

  • 1,470 views
Uploaded on

Conjunto de diapositivos que servirão de apoio ao resumo da aula nº3.

Conjunto de diapositivos que servirão de apoio ao resumo da aula nº3.

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,470
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5

Actions

Shares
Downloads
46
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Problemas Urbanos Geografia
  • 2. Abastecimento de água Saneamento Lixo, resíduos Poluição sonora, visual e ambiental Verticalização da construção Especulação imobiliária, renda locativa Espaços verdes Migrações pendulares Trânsito, congestionamentos Escoamento das águas superficiais, impermeabilização Ilhas de calor, microclimas Segregação espacial Segregação social Criminalidade, delinquência juvenil, conflitos étnico-raciais, pobreza
  • 3. E s g o t o a c é u a b e r t o A ausência de uma rede de saneamento é sinal de atraso económico e mais vulgar nos países em vias de desenvolvimento. Os efeitos são extremamente nocivos para as populações e o meio ambiente. É em áreas, como a da imagem, que surgem com frequência, focos epidémicos de doenças que se desenvolvem pela falta de tratamento das águas residuais.
  • 4. Foto de João Pimentel, http://www.panoramio.com/photo/39136654 "Quinta da Vitória" - Bairro degradado feito de barracos humildes nos subúrbios de Lisboa, no concelho de Loures. Os habitantes são na sua maioria luso-africanos, indianos e ciganos. Mesmo em países ditos desenvolvidos, a chegada de imigrantes, muitas vezes clandestinos, sem trabalho e dinheiro, leva à proliferação destes espaços degradados onde falta saneamento, abastecimento de água e eletricidade. As condições de vida são sub-humanas.
  • 5. http://www.valorambiente.pt/etrs-meia-serra/iirsu Uma moderna Instalação de Incineração de Resíduos Sólidos Urbanos (IIRSU) em Portugal. A preocupação na boa preservação ambiental é mais notória em Portugal desde a nossa adesão à Comunidade Europeia. Estas unidades localizam-se, normalmente, em áreas afastadas dos grandes centros populacionais.
  • 6. http://www.valorsul.pt/pt/sustentabilidade/responsabilidade Os Aterros Sanitários são os sistemas de deposição final dos resíduos não passíveis de tratamento por incineração e/ou compostagem. A abertura do aterro obriga à impermeabilização do terreno. Selado o aterro pode ser possível a recuperação paisagística do espaço como se vê nesta imagem da antiga lixeira da Boba, na Amadora.
  • 7. http://boasnoticias.sapo.pt/img/aterro.png O aterro sanitário de Sermonde, em Gaia, instalou um sistema inovador que aproveita os gases de escape resultantes do tratamento dos resíduos dos 450.000 habitantes de Gaia e Santa Maria da Feira aumentando em sete por cento a produção de energia. Este valor é suficiente para alimentar um mês de consumo doméstico nestes concelhos. É a primeira vez que este sistema é instalado em toda a Península Ibérica. A produção de eletricidade a partir do biogás resultante da decomposição da matéria orgânica depositada no aterro.
  • 8. http://1.bp.blogspot.com/-NacKmmOWcvY/Tl4kosLfr8I/AAAAAAAAV_U/FEQO612BPnE/s640/AAA.jpg Uma lixeira a céu aberto num país em desenvolvimento. Correndo o risco de contrair doenças, muitos habitantes procuram no meio dos desperdícios restos de produtos que possam vender e obter algum meio de subsistência. Normalmente, são famílias inteiras a viver dos desperdícios dos outros.
  • 9. http://www.aguasgaia.pt/san_etar_febros.htm O sistema de saneamento do concelho de Gaia é assegurado pela existência de cinco ETAR - Gaia Litoral, Febros, Crestuma, Lever e Areinho. É constituído por uma vasta rede de emissários e coletores que se estende por 1 224 km, limpando e despoluindo todo o território municipal e alterando um estado de coisas vindo do passado, com mudança radical da atitude das populações que são cada vez mais exigentes com as condições ambientais dos locais em que vivem.
  • 10. P e q u i m p o l u í d a A péssima qualidade do ar aumentou as taxas de cancro de pulmão em Pequim. O número de vítimas cresceu cerca de 60% na última década. Além de prejuízos para a saúde da população, a poluição atmosférica causou avultados prejuízos económicos em quatro cidades chinesas. A China, como muitos dos países que foram de regime socialista, nunca teve preocupações ambientais com as suas indústrias. Os objetivos das autoridades passavam pela produção a qualquer preço. Combater a poluição fica caro e diminui, de imediato, os lucros.
  • 11. http://www.greenpeace.org/brasil/pt/Blog/nvoa-de-poluio-paira-sobre-a-china/blog/43679/ … Pequim esteve coberta por uma densa névoa seca de poluição. A qualidade do ar foi considerada a “pior já registada” e o centro de monitorização de poluição da cidade advertiu os moradores sobre as péssimas condições do ar – a poluição estava 30 a 45 vezes acima dos níveis de segurança - e recomendou que a população permanecesse em casa.
  • 12. Crescimento espacial desordenado: Verticalização na área socialmente mais influente (administração, gestão, política), alastramento das áreas socialmente mais débeis no sentido das periferias urbanas – situação frequente em Países em Desenvolvimento. http://ambienteemcena.blogspot.pt/2012/02/por-ulisses-oliveira-visao-reducionista.html
  • 13. http://www.vipsaccess.com/hotels/chicago/chicago.jpg Em primeiro plano, o centro financeiro e político-administrativo da cidade de Chicago – CBD. O preço elevado do solo no “centro” obriga à construção em altura para compensar o investimento na aquisição do terreno. Em segundo plano, os extensíssimos subúrbios próprios de um país jovem com fraca densidade populacional mas uma densa rede de transportes de qualidade, facilitando as ligações entre o centro e as periferias. A população usufrui um elevado poder de compra sendo numerosa a frota automóvel privada.
  • 14. Manhattan, o concelho mais densamente povoado dos EUA e uma das áreas mais densamente povoadas do mundo é, também, o centro económico e cultural dos Estados Unidos. Sede das Nações Unidas, é conhecida pela cidade que nunca dorme. O seu intenso movimento, já no século XIX, justificou a construção de um espaço que proporcionasse um ambiente de calma e de proximidade à natureza. O Central Park, na imagem, é o principal parque urbano da cidade. E s p a ç o s v e r d e s u r b a n o s
  • 15. Muitos nova-iorquinos, consideram-no um oásis dentro da grande floresta de arranha-céus existente na região. Aqui, as pessoas podem diminuir o ritmo frenético da cidade e esquecer os arranhas céus espalhados por todos os lugares. Nesta imagem, é possível perceber que, mesmo de noite e em pleno inverno, muitos são os que deslocam para conviver numa das duas pistas de neve. C e n t r a l P a r k à n o i t e
  • 16. http://www.notapositiva.com/pt/trbestbs/geografia/11_areas_metropolitanas_port2_d.htm A suburbanização implica as migrações urbanas. A busca por uma habitação de preço mais acessível e as deslocações diárias para o trabalho levam milhares de habitantes, de manhã, para o centro da metrópole, e, à tarde, ao regresso a casa. Há, também, migrações pendulares cruzadas. São aqueles movimentos diários que se dão entre dois ou mais concelhos diferentes. Por exemplo, Gaia-Porto; Gaia-Maia; Espinho-Matosinhos, etc.
  • 17. As cidades em que vivemos atualmente são, ao mesmo tempo, centros de desenvolvimento, onde há aumento da expectativa de vida, mas também de geração de lixo, de poluição e de problemas de mobilidade. As migrações pendulares contribuem para as extensas filas diárias nas horas de ponta, em particular. São Paulo, Brasil - congestionamento
  • 18. Muita da população que se desloca diariamente para os seus empregos tem de suportar gastos de tempo excessivos para além da duração das próprias viagens. Alguns dos utentes necessitam de usar mais do que um transporte. Ao gasto que têm de suportar soma-se o stress dos tempos perdidos com prejuízo do convívio com família e amigos. Obrigados a sair de casa muito cedo, muitos pais chegam a casa tardiamente, cansados e esgotados pelas longas filas de espera e, frequentemente, a troco de um ordenado baixo que não cobre as carências familiares. http://expresso.sapo.pt/users/1939/193931/filas-autocarros-lisboa-be61.jpg
  • 19. Lisboa inundada – uma das consequências gravosas devido à impermeabilização dos solos. O asfalto usado para a pavimentação das ruas tapa antigos vales de inundação por onde escorriam as águas pluviais acumuladas com as chuvas. A falta de escorrência natural vai ser compensada com o aparecimento de águas, por exemplo, pelas tampas de saneamento.
  • 20. http://farm4.staticflickr.com/3415/4648808416_e1f8e13908_z.jpg Proliferação das favelas (bairros de lata na Europa) nos morros da cidade do Rio de Janeiro. É visível a forte ocupação do espaço sem sinais de qualquer planeamento urbano. Os problemas sociais são diversos e frequentes, entre eles, o tráfico de droga.
  • 21. http://cidadesparaquem.org/blog/2013/5/20/a-difcil-questo-da-habitao-ltima-parte-o-que-esperar-da-atual-gesto O problema da habitação nas cidades atinge níveis elevados principalmente em países de rápido crescimento demográfico. Nesta imagem, na China, surge um conjunto habitacional que reflete o tipo de organização política do país. Como República Popular em que o Estado controla fortemente a sociedade, a construção de habitação deve ser rápida e barata sem preocupações de luxo.
  • 22. http://194.8.30.191:8080/G021/Frontal/748/IMO/1316/748_83_1316_017.JPG A segregação espacial dentro das cidades é uma consequência da própria segregação social. Em países de economia capitalista, o solo é objeto de especulação imobiliária. Os construtores civis tendem a localizar as habitações de luxo em locais privilegiados da cidade. As habitações da classe média são construídas mais na periferia onde o preço dos terrenos é mais barato. A ocupação do espaço periférico é facilitado pela existência de vias de comunicação e da rede de transportes públicos.