NOME DO CONCURSO :                PREFEITURA DO MUNICIPIO DE AMERICANA NOME DO PROFESSOR :               ANA CLÁUDIA DOS S...
A autora faz uma reflexão sobre o processo histórico da educação dos surdos em paralelocom o desenvolvimento da educação g...
b) A semiótica imagética é um recurso didático muito utilizado também com os ouvintes       onde os conteúdos são transpor...
b) A construção dos conceitos pautada na área dos estudos da linguística, educação e          artes livre de ideologias po...
Justificativa:                   A história da educação dos surdos durante muitos anos foi marcada pela dominação da      ...
I.   As crianças surdas podem desenvolver plenamente sua linguagem de sinais mesmo tendo     contato apenas com pessoas ou...
6) Segundo Quadros (2010). O estudo da aquisição da linguagem está diretamente          relacionado a um tipo de abordagem...
LÍNGUA MATERNA                                             Educação de Surdos: a aquisição da                             ...
presentes, supergeneralizações dos verbos. A utilização dos verbos de forma adequadaocorre por volta dos cinco anos.CONTEÚ...
língua de sinais como L2 poderão compartilhá-la com seus filhos possibilitando o seu uso em                  outro context...
Justificativa:O decreto 5626/05 garante aos alunos surdos o direito de acesso ao currículo e os bensculturais através da l...
e) Expectativas de aprendizagem de primeira língua.                  ALTERNATIVA CORRETA: A                  Justificativa...
b) Ordenar as sílabas formando frases - ordenar frases simples - reescrita de texto-       estudo das palavras-chave.    c...
Assinale a alternativa correta sobre as afirmativas anteriormente apresentadas:                    a)   Somente a afirmati...
a) O domínio da língua de sinais que permita comparações lexicais e estruturais entre a       língua de sinais e o portugu...
gêneros textuais. Considerando o gênero “Regras de jogos”, assinale a alternativa que    justifica a escolha deste gênero ...
Extraído de: PEREIRA, 2011,p.7 disponível em: . http://www.ileel.ufu.br/anaisdosielp/pt/arquivos/sielp2011/artigo_24.pdfCo...
Expectativas de aprendizagem dos padrões da escrita – 4º anoSegmentar corretamente a palavra na passagem de uma linha para...
c) Billíngue-bicultural onde são consideradas as características culturais de      conhecimento de língua majoritária e id...
III-      Crianças oriundas de famílias com nível socioeconômico baixo demoram mais                   para se alfabetizare...
a) As línguas de sinais apresentam-se na modalidade viso-espacial que determinam o               uso de mecanismos sintáti...
I-      I. DERIVAÇÃO                                  A- Está ligado aos fatores visuais da                               ...
expectativas de aprendizagem para                                                           a Educação Infantil e Ensino  ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Gabarito professor bilingue [portuguêslibras]

2,847

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,847
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
64
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Gabarito professor bilingue [portuguêslibras]"

  1. 1. NOME DO CONCURSO : PREFEITURA DO MUNICIPIO DE AMERICANA NOME DO PROFESSOR : ANA CLÁUDIA DOS SANTOS CAMARGO ÁREA : LIBRASPROVA ELABORADA PARA O CARGO DE: PROFESSOR BILINGUE [PORTUGUÊS/LIBRAS]CONTEÚDO DIFICULDADE REF:PEDAGOGIA VISUAL MÉDIA REF: BASSO, Idavania Maria de Souza. Mídia e educação de surdos: transformações reais ou uma nova utopia?1) Os avanços da ciência e da tecnologia nas últimas décadas trazem novas perspectivas para a educação geral e no processo educacional das pessoas surdas de forma particular. Segundo Basso (2003) as TIC’s têm colaborado com a elevação do nível de letramento do aluno surdo. Considere as afirmações abaixo: I. Os processos de aprendizagem essencialmente visuais específicos das pessoas surdas inclui a leitura e produção de imagens visuais. Não está restrita aos processos de codificação/decodificação de símbolos sonoros e gráficos. II. A internet tem se mostrado um local de profunda equidade entre todos os seus membros, ainda assim os surdos são excluídos por não terem acesso pleno às informações orais.III. A internet é rica fonte de informações escritas que substituem as orais com grande vantagem, constitui-se como um dos meios eletrônicos mais eficientes de contato com a língua escrita.IV. O uso dos tradutores on line tem colaborado com grande eficiência na transcrição correta dos significados, aumentando o vocabulário e possibilidades de escrita das pessoas surdas. V. A internet possibilita a agregação das comunidades surdas, fortalecendo a difusão de sua cultura e integração bem como as possibilidades de contato com outras realidades políticas e culturais.Assinale a alternativa que apresentas as alternativas corretas: a) I, II, IV b) II, III,V c) I, III, V d) I, II, III, IV e) I,III, IV, VALTERNATIVA CORRETA: CJustificativa:
  2. 2. A autora faz uma reflexão sobre o processo histórico da educação dos surdos em paralelocom o desenvolvimento da educação geral e da inclusão das tic’s nos processos educacionaise sua evolução – oralidade – escrita – audiovisual. Considerando a constituição dos sujeitossurdos enquanto usuários de uma comunicação visual, as tic’s entram como umapossibilidade pedagógica viável para as pessoas surdas para além dacodificação/decodificação de símbolos sonoros e gráficos, mas, sobretudo, comoinstrumentos de interação nos diferentes níveis e contextos sociais com a vantagem desubstituição das informações orais pela escrita expandindo o vocabulário e atribuindonovos significados aos signos, o que reporta ao uso da língua escrita no sentido atribuído aoconceito de Letramento (via e-mail, chat, ICQ ou MIRC), garantindo a inclusão e equidade. Otexto cita ainda o sistema de escrita de sinais Sign. Writing e os tradutores, estes não são tãoeficientes devido ao grande número de erros de significado bem como na tradução literalque caracteriza uma redução do vocabulário. A internet possibilita também a agregação dascomunidades surdas, fortalecendo a difusão de sua cultura e integração bem como aspossibilidades de contato com outras realidades políticas e culturais.CONTEÚDO DIFICULDADE REF:PEDAGOGIA VISUAL DIFÍCIL CAMPELLO, A. R. S. Pedagogia Visual / Sinal na Educação dos Surdos. In: Quadros, R. M. de.; Pelin, G. (orgs). Estudos Surdos II. Petrópolis: Arara Azul, 2007. p. 100-131.2) Considere a figura abaixo: Fonte: Figura 1: Quadros, R. M. de.; Perlin, G. (orgs). Estudos Surdos II. Petrópolis: Arara Azul, 2007, pag. 105 A professora utiliza da semiótica imagética para explicar o ciclo de ovulação feminino. Considerando as especificidades da educação de surdos assinale a alternativa que contemple esse conceito: a) A utilização dos gestos na educação de surdos transformam a informação em imagem e a imagem em língua de sinais que garantem atribuição do sentido dos conceitos mais elementares aos mais elaborados.
  3. 3. b) A semiótica imagética é um recurso didático muito utilizado também com os ouvintes onde os conteúdos são transportados para figuras especificamente no ensino da disciplina de ciências. c) Semiótica imagética utiliza a imagem no quadro (recurso gráfico) para ilustrar uma informação subsidiada pela língua de sinais. d) A semiótica imagética caracteriza-se especialmente pelo uso da língua de sinais e de elementos verbais presentes nas propostas pedagógicas para surdos e ouvintes e suas experiências no mundo social. e) A semiótica imagética é um campo de estudo da semiótica geral que prioriza a busca da significação transformando os signos gráficos em signos visuais, considerando as características da cultura os recursos da língua de sinais, as experiências visuais e recursos didáticos disponíveis.ALTERNATIVA CORRETA: EJustificativa:Em seu texto Campello (2007) apresenta uma situação de dificuldade de um professordurante uma explicação sobre o ciclo de ovulação feminino. O professor consideraimpossível explicar a matéria aos surdos, pois faltam recursos visuais e linguísticos para tal. Aprofessora surda apresenta ao grupo a Semiótica imagética que é uma área dentro dosestudos da semiótica geral, não são gestos ou mímicas sem conexão, mas tem por princípioo uso de signos como unidades de sentido transpor a imagem em língua de sinais. Não sereduz a um simples recurso didático ou a um facilitador de aprendizagem de uma ou outradisciplina, é uma representação da realidade a partir das experiências visuais do indivíduo.Considerando que a forma de percepção do mundo e de conceitos nas pessoas surdas dá-sepor via visual é necessário que se tenha um conhecimento sobre como são as experiênciasvisuais do surdo que em muito diferem das experiências visuais dos ouvintes. É precisoconhecer os princípios e recursos da cultura, da língua de sinais e possibilidades dos recursosdidáticos disponíveis.CONTEÚDO DIFICULDADE REF:PEDAGOGIA VISUAL MÉDIA CAMPELLO, A. R. S. Pedagogia Visual / Sinal na Educação dos Surdos. In: Quadros, R. M. de.; Pelin, G. (orgs). Estudos Surdos II. Petrópolis: Arara Azul, 2007. p. 100-131.3) Campello (2007) descreve que as experiências visuais em que estão inseridos os sujeitos surdos permitem desenvolver um discurso viso-espacial que é construído sócio historicamente. Dessa forma as práticas pedagógicas devem comtemplar vários aspectos. Assinale a alternativa que NÃO corresponde a essa prática pedagógica: a) Uma elaboração do currículo, do fazer didático e reorganização das disciplinas de forma a comtemplar as especificidades dos surdos.
  4. 4. b) A construção dos conceitos pautada na área dos estudos da linguística, educação e artes livre de ideologias políticas baseada na concepção de mundo através da subjetividade do olhar. c) O uso da língua de sinais enquanto meio e fim da interação social, cultural, política e científica. d) O desenvolvimento do discurso como parte da constituição do sujeito e o reconhecimento de si diante das relações sociais. e) A utilização dos recursos da pedagogia visual: jogos educativos, recursos visuais, tecnologias de informação e comunicação.ALTERNATIVA CORRETA: BJustificativa:Com características viso-espaciais, a LSB inscreve-se no lugar da visualidade e, sem dúvida,encontra na imagem uma grande aliada junto às propostas educacionais e às práticas sociais.Este discurso viso-espacial é socialmente construído, é histórico e que não está livre deideologias políticas, sociais e culturais. Através da elaboração de currículos e reorganizaçãodas disciplinas o aluno surdo poderá construir a sua imagem e seu discurso a partir doreconhecimento de si enquanto ser histórico e social, através da utilização da língua desinais na construção de significados utilizando-a de forma eficiente.CONTEÚDO DIFICULDADE REF:PEDAGOGIA VISUAL DIFÍCIL REIS, Flaviane. Professor surdo: a política e a poética da transgressão pedagógica. Dissertação de mestrado em Educação. Universidade Federal de Santa Catarina. 20064) Reis (2006) problematiza as relações entre pedagogia de surdos, pedagogia ouvinte, política e poética dos professores surdos. A partir das afirmativas, assinale a alternativa que corresponde respectivamente à dimensão política e poética de atuação dos professores surdos na educação: I. Estratégias de ensino específicas com objetivo de identificação cultural. II. Quebra de um paradigma com a pedagogia tradicional respeitando a identidade e diferença, luta pelo espaço na educação dos surdos.III. Relação de poder que se caracteriza pela dominação de uma cultura sobre a outra.IV. Forma de expressão e ensino através da sua língua e cultura. a) I,II b) III,I c) II, IV d) III, IV e) IV, IALTERNATIVA CORRETA: C
  5. 5. Justificativa: A história da educação dos surdos durante muitos anos foi marcada pela dominação da pedagogia ouvinte sobre os sujeitos surdos. A concepção de surdez, as práticas pedagógicas, a identificação enquanto sujeitos de um processo tinham um referencial ouvinte. Os professores surdos estão conquistando o seu espaço nas escolas de surdos, porém, essa conquista não é apenas física demonstra uma capacidade de transformação ou transgressão como conta a autora, pois questiona uma relação de poder já estabelecida imbricada no conceito de normalidade. A pedagogia surda é baseada na diferença como característica cultural de constituição do sujeito. A dimensão política desta transgressão refere-se à quebra da pedagogia tradicional. Os professores surdos têm a sua identidade e diferença e lutam para conseguir um espaço dos surdos na educação de surdos com estratégias de ensino adequadas transmitindo valores culturais e políticos. A dimensão poética refere-se à poeticidade do professor surdo que se produz pelo seu próprio jeito de se expressar e de ensinar através do seu próprio corpo, da sua própria identidade, da sua própria consciência, do seu próprio pensamento, da sua própria diferença, da sua própria cultura e da sua língua de que estão enfatizando. Ambas as dimensões reforçam a cultura, língua de sinais, alteridade, diferença e identidade e representação do professor surdo. CONTEÚDO DIFICULDADE REF: AQUISIÇÃO DE LIBRAS COMO MÉDIA QUADROS, Ronice Müller de. LÍNGUA MATERNA Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre:. Artes Médicas, 2010. 5) Leia os trechos abaixo:Não há limitações cognitivas ou afetivas inerentes à surdez, tudo depende das possibilidades oferecidas pelo grupo social para o seu d(...) respeitar a pessoa surda e sua condição sociolinguística implica em considerar seu desenvolvimento pleno como ser bicultural a fi Considere as afirmativas:
  6. 6. I. As crianças surdas podem desenvolver plenamente sua linguagem de sinais mesmo tendo contato apenas com pessoas ouvintes. II. As particularidades de processamento cognitivo e linguístico de uma criança surda estão atreladas às características da modalidade da língua que utiliza. III. Cabe à escola oferecer oportunidade de desenvolvimento e estruturação da linguagem a partir do ensino da língua de sinais preferencialmente com um professor surdo, visto que 95% dos surdos são de família ouvinte. IV. As dificuldades apresentadas por crianças surdas nas escolas deve-se a falta de uma estruturação linguística primária na língua oral. V. A língua de Sinais é considerada a língua materna dos surdos pois é adquirida de forma natural quando há exposição à mesma. Asssinale as alternativa que indica as afirmativas incorretas: a) As afirmativas III, IV, V b) As afirmativas I, II,V c) As afirmativas I, II, III d) As afirmativas I e IV e) Somente a afirmativa III ALTERNATIVA CORRETA: D Justificativa: Se há um dispositivo de aquisição de linguagem comum a todos os seres humanos que são acionados mediante a exposição à língua, a língua portuguesa na modalidade oral não será a língua que acionará naturalmente esse dispositivo nas crianças surdas, ela poderá até adquirir esta língua mas não será de forma natural como ocorre com a língua de sinais. Na maioria das vezes, se não for exposta a língua de sinais precocemente, a criança terá apenas traços de uma língua oral/gestual que não são suficientes para uma estruturação completa de linguagem que pode ocasionar sérios problemas no seu desenvolvimento psicolinguístico e psicossocial. Como a maioria das crianças surdas é filha de pais ouvintes o contato com a língua de sinais geralmente se dará na escola, espaço de construção de sua identidade cultural. O processo de aquisição de língua de sinais esta diretamente relacionada com a cultura e forma de perceber o mundo através da visualidade. Portanto o processamento cognitivo e linguístico de uma criança surda difere de uma criança ouvinte sendo recomendável que a criança tenha acesso sempre que possível a um professor surdo como modelo linguístico e cultural. CONTEÚDO DIFICULDADE REF: AQUISIÇÃO DE LIBRAS COMO MÉDIA QUADROS, Ronice Müller de. LÍNGUA MATERNA Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre:. Artes Médicas, 2010.
  7. 7. 6) Segundo Quadros (2010). O estudo da aquisição da linguagem está diretamente relacionado a um tipo de abordagem filosófica, histórica e social. Conhecê-las em suas nuances é tarefa de qualquer profissional que trabalhe na educação de surdos. Considere as seguintes afirmativas: I- A aquisição da linguagem dá-se pela descoberta das regularidades da língua, é inerente ao ser humano. A partir dos dados linguísticos a que é exposta a criança aciona a gramática de sua língua materna. II- A linguagem é um sistema simbólico dominado por regras que são desenvolvidas a partir de associações no contexto social como consequência do desenvolvimento cognitivo. III- A linguagem desenvolve-se essencialmente por meio de um processo complexo de estímulo, reforço, treino e repetição.Assinale a alternativa correta sobre as afirmativas anteriormente apresentadas: a) A afirmativa I refere-se à abordagem interacionista. b) A afirmativa III refere-se à abordagem comportamental. c) A afirmativa II refere-se à abordagem linguística. d) A afirmativa I não corresponde a uma abordagem de aquisição de língua. e) A afirmativa III refere-se a uma sequência didática muito utilizada ainda na educação de surdos. ALTERNATIVA CORRETA: B Justificativa: Há três abordagens sobre aquisição: A abordagem comportamentalista (Skinner 1957) tem como premissa básica o interesse pelos aspectos mensuráveis do comportamento, estímulos que predizem o aparecimento de respostas. O enfoque está no desempenho e não na competência ESTÍMULO – REFORÇO – CONDICIONAMENTO – TREINO E IMITAÇÃO. A abordagem linguística (Chomsky, 1957) tem como premissa a linguagem tendo uma gramática que independe do uso da linguagem. A aquisição de língua dá-se pela descoberta das regulares da língua é inerente ao ser humano. A partir dos dados linguísticos a que é exposta a criança aciona a gramática de sua língua materna. A abordagem interacionista divide-se entre o enfoque cognitivista (Piaget) e social (Vygotsky). A linguagem é um sistema simbólico dominado por regras que são desenvolvidas a partir de associações no contexto social como consequência do desenvolvimento cognitivo. O conflito entre as abordagens deu início às pesquisas de aquisição de língua no seu processo que suscitou vários questionamentos sobre o processo de aquisição de uma segunda língua. CONTEÚDO DIFICULDADE REF: AQUISIÇÃO DE LIBRAS COMO DIFÍCIL QUADROS, Ronice Müller de.
  8. 8. LÍNGUA MATERNA Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre:. Artes Médicas, 2010.7) As pesquisas recentes sobre aquisição das línguas de sinais por crianças surdas filhas de pais surdos evidenciam que esse processo é análogo ao desenvolvimento das línguas orais. Assinale a alternativa que relaciona respectivamente o período à característica de aquisição da linguagem. a) Estágio de um sinal: ocorrem as primeiras distinções derivacionais e a diferenciação entre os nomes e os verbos. b) Estágio das primeiras combinações: ocorre a chamada explosão do vocabulário e o uso do sistema pronominal da língua de sinais. c) Estágio de múltiplas combinações: a criança altera a ordem de construção das frases de SV ou VO para SVO, as palavras são responsáveis pelo estabelecimento das relações gramaticais. d) Estágio de um sinal: corresponde a fase pré-linguística , a substituição da apontação natural dos ouvintes pelo sistema linguístico da libras. e) Estágio das múltiplas combinações: as crianças começam a utilizar o sistema pronominal com referentes não presentes no contexto do discurso apresentando erros semelhantes às crianças ouvintes como as supergeneralizações dos verbos.ALTERNATIVA CORRETA: EJustificativa:No capítulo 3 do livro Educação de Surdos – Aquisição da linguagem após apresentação dasabordagens que estudam a aquisição de língua, Quadros (2010) apresenta detalhadamenteprocesso de aquisição de linguagem pelas crianças surdas filhas de pais surdos. São quatroperíodos distintos:Período pré-linguístico: foi realizado um estudo sobre o balbucio verificando-se esseprocesso é igual em crianças surdas e ouvintes diferenciando-se posteriormente conforme oinput linguístico que a criança recebe.Período de estágio de um sinal: as crianças não fazem uso dos dispositivos indicativos dalibras, recorrendo ao apontamento como as crianças ouvintes, os sinais apresentam-secomo formas congeladas, não são observadas flexões optando a criança por formasmorfofonêmicas. No final do período há uma reorganização onde a criança muda o conceitoda apontação.Estágio das primeiras combinações: A ordem usada pelas crianças surdas neste estágio é SV,VO e posteriormente SVO. A ordem das palavras é responsável pelo estabelecimento dasrelações gramaticais, a criança utiliza-se da incorporação dos indicadores para concordânciaverbal, pois esta está atrelada à aquisição do sistema pronominal. Neste período é comum oprocesso de reversão pronominal. Os objetos são nomeados e referidos apenas no contextoimediato.Estágio de múltiplas combinações: Ocorre a chamada explosão de vocabulário e começa aocorrer distinções derivacionais, diferenciação entre os nomes e os verbos o uso do sistemapronominal da língua de sinais ainda com erros como empilhamento de referentes não
  9. 9. presentes, supergeneralizações dos verbos. A utilização dos verbos de forma adequadaocorre por volta dos cinco anos.CONTEÚDO DIFICULDADE REF:AQUISIÇÃO DE LIBRAS COMO DIFÍCIL QUADROS, Ronice Müller de.LÍNGUA MATERNA Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre:. Artes Médicas, 2010.8) Uma das grandes dificuldades encontradas por professores no desenvolvimento deatividades com alunos surdos reside no bloqueio ocasionado pela falta de uma línguacomum no ambiente escolar. Sobre a aquisição da linguagem, identifique a alternativa queaponta elementos que justificam o ensino precoce da língua de sinais para as criançassurdas.a) O uso da língua de sinais em conversas informais modelaria importantescaracterísticas da linha do discurso oral, garantindo às crianças completa fluência necessáriapara aprender o idioma na modalidade oral e escrita.b) As línguas de sinais são organizadas no cérebro constituindo-se como línguasnaturais, tem um período crítico para sua aquisição. Considerando que a maioria dascrianças surdas somente tem acesso a língua de sinais na escola há sérias consequênciaspara o aprendizado.c) Crianças surdas filhas de pais ouvintes tem a língua oral como primeira língua poisnão recebem inputs linguísticos que possibilitem a aquisição natural de uma língua de sinais,tampouco desenvolvem satisfatoriamente a língua de sinais na escola através do ensinosistemático desta língua.d) O atendimento na escola deve propiciar a aquisição da língua de sinais L1simultaneamente à aprendizagem da língua majoritária como L2. A família deveproporcionar práticas interculturais e a criança deve vivenciar a linguagem em diferentescontextos.e) A língua de sinais L1 substituirá a língua majoritária L2 em uso e nas relações sociaiscontribuindo com melhor desempenho nas relações sociais especialmente no convíviofamiliar como no contexto escolar.ALTERNATIVA CORRETA: BJustificativa:As línguas de sinais são línguas naturais da comunidade surda que se desenvolvem nocérebro, tem um período crítico para aquisição, a maioria das crianças surdas é filha de paisouvintes e tem contato com a língua de sinais na escola. A escola por sua vez durante muitosanos insistiu em práticas oralistas impondo a língua oral e ignorando e capacidade deaprendizado que os surdos apresentavam através das habilidades viso-espaciais o queocasionou grande dificuldade na aprendizagem. As crianças surdas filhas de pais surdos temacesso à língua precocemente, pois compartilham da mesma língua dos pais em situaçõescomunicativas reais ( entre parentes, amigos, etc.) que permitem um desenvolvimentonatural da linguagem. A participação dos pais ouvintes é fundamental, pois ao aprenderem a
  10. 10. língua de sinais como L2 poderão compartilhá-la com seus filhos possibilitando o seu uso em outro contexto que não só o escolar. O professor ao ensinar a língua de sinais não deve esquecer o status linguístico da mesma ela não é um apoio à aprendizagem de uma segunda língua. Os estudos comprovam que mesmo crianças surdas filhas de pais ouvintes ao terem contato com input linguístico da libras de forma adequada desenvolvem a língua de sinais de forma satisfatória, a partir da organização do discurso na primeira língua o aluno tem condição de aprender uma segunda língua. CONTEÚDO DIFICULDADE REF: EDUCAÇÃO BILÍNGUE MEDIA LODI, Ana Claudia Balieiro e LACERDA, Cristina Broglie Feitosa de. Uma escola duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. Porto Alegre: Editoria Mediação, 2009. 9) Leia o trecho abaixo:A proposta de educação bilíngue para surdos contempla o direito linguístico da pessoa surda de ter acesso aos conhecimentos sociais É correto afirmar que para a implantação de uma proposta bilíngue para surdos dentro do contexto escolar atual, faz-se necessário: I- Implantar salas de apoio pedagógico para desenvolvimento de treinamento auditivo e de fala que foram suprimidos da sala de aula. II- Garantia do direito à aquisição da língua de sinais nos anos iniciais da escolarização. III- Inclusão de outros profissionais no ambiente escolar como instrutores surdos como modelo linguístico-cultural e do intérprete de língua de sinais. IV- Reduzir o currículo considerando as especificidades de acesso à informação característico da cultura surda. V- Formação de professores bilíngues com bom nível conhecimento da língua de sinais e de metodologia de ensino da L2. a) Apenas as afirmativa I, II, IV está corretas b) Apenas a afirmativa IV está incorreta. c) Apenas as afirmativas II, III, V estão corretas d) Apenas a afirmativa V está correta. e) As afirmativas I, III e IV estão incorretas. ALTERNATIVA CORRETA: C
  11. 11. Justificativa:O decreto 5626/05 garante aos alunos surdos o direito de acesso ao currículo e os bensculturais através da língua brasileira de sinais. Não se trata de redução de currículo, mas dagarantia de acesso ao mesmo dentro de suas características linguísticas e culturais. Aspráticas de oralização e atendimento clínico não são mais responsabilidade da escolabilíngue, pois o centro do processo é a aquisição da língua portuguesa na modalidade escritae da língua de sinais como primeira língua. Dentro deste aspecto é necessário que as escolaspossam garantir ao aluno surdo o direito à instrução em sua primeira língua. Uma escolabilíngue é aquela que cria um ambiente linguístico apropriado às formas particulares deprocessamento cognitivo e linguístico da criança surda assegurando o desenvolvimentosócio emocional a partir da identificação com surdos adultos ou professores fluentes emLibras, garantindo um espaço de trocas linguísticas, as quais facilitarão a construção de umaaprendizagem significativa, com metodologias de ensino adequadas para a aquisição dalíngua portuguesa na modalidade escrita. Nesta proposta a escola deve promover acapacitação dos professores, funcionários e pais na língua de sinais além da contratação deoutros profissionais como o professor especialista, os instrutores de Libras e o intérprete deLibras.CONTEÚDO DIFICULDADE REF:EDUCAÇÃO BILÍNGUE DIFÍCIL MARTINS, Vanessa Regina de Oliveira; MARTINS, Luana. Experiências de letramento visual na constituição da libras e do português por alunos surdos numa escola regular Anais do SIELP. Volume 1, Número 1. Uberlândia: EDUFU, 2011.10) Martins (2011) relata sua experiência de reorganização da escola dentro de uma perspectiva bilíngue-bicultural. Além da estrutura física e humana necessária para tal mudança faz-se necessário ressignificar o contexto de aprendizagem dos alunos surdos de forma a: I- Considerar a surdez como uma experiência visual e a Libras como constitutiva do sujeito surdo e de seus processos subjetivos. II- Utilizar a língua sinais como L1 uma vez que todas as relações sociais perpassam pela linguagem. III- Proporcionar letramento visual por meio de experiências em práticas culturais / sociais por meio da visão.As afirmativas acima se referem à a) Uma abordagem de trabalho na perspectiva teórica enunciativa discursiva. b) Princípios teóricos que embasam a pedagogia da diferença surda. c) Pressupostos teóricos sobre os conceitos de língua, surdez e linguagem. d) Metodologia de ensino aplicada ao ensino de português para surdos.
  12. 12. e) Expectativas de aprendizagem de primeira língua. ALTERNATIVA CORRETA: A Justificativa: Considerando-se a surdez como experiência visual e que é através da Libras que o aluno surdo irá constituir-se como sujeito é necessário que as práticas pedagógicas na educação de surdos considerem a utilização da Libras como L1, uma vez que todas as relações passam pela linguagem. Essa perspectiva visa o letramento visual, a criança deve ser estimulada a vivenciar as práticas discursivas através da experiência a partir de si na relação com os outros. A abordagem teórica adotada neste trabalho se dá pela perspectiva teórica enunciativa discursiva, a qual entende o sujeito constituído pelos vários discursos que o compõem, permeado na escola e nas práticas cotidianas. Toda proposta de educação bilíngue está baseada em um referencial teórico que norteiam os conceitos sobre surdez, língua e linguagem. A experiência relatada pela autora indica que há uma estrutura política que modifica o espaço de uma escola pensada para ouvintes, rumo a uma escola composta também por pessoas que não ouvem, mas que pertencem a essa escola – pertencem como sujeitos surdos falantes de uma língua viso-gestual e que está (esta língua e o sujeito surdo) marcada e presente no espaço da escola e nas relações internas desta instituição. CONTEÚDO DIFICULDADE REF: ENSINO DE L2 DIFÍCIL PEREIRA, Maria Cristina da Cunha (org.). Leitura, escrita e surdez. São Paulo: FDE, 2005. 11) Leia o trecho:A Proposta Curricular para Deficientes Auditivos (1979), documento referência na educação de surdos, recomendava que, na medida Assinale a alternativa que corresponde à sequência didática desta proposta sugerida aos professores: a) Reconhecer e identificar as palavras-chaves - Reproduzir por escrito as palavras - ordenar as palavras em frases simples – ordenar as frases formando um texto.
  13. 13. b) Ordenar as sílabas formando frases - ordenar frases simples - reescrita de texto- estudo das palavras-chave. c) Reescrita do texto- formação de frases- estudo do vocabulário – ordenar frases simples. d) Reconhecer e identificar sílabas dos vocábulos - estudo do vocabulário- formação de frases - Reproduzir o texto por escrito. e) Formar palavras - reproduzir o texto - estudo das palavras-chaves - formar frasesALTERNATIVA CORRETA: AJustificativa:No final da década de 70, os estudos sobre aquisição da linguagem passaram a enfatizar oconteúdo em vez da forma e esta mudança teve influência na educação de surdos.O documento de 79 elaborado pelo MEC e Derdic/PUC apesar de apresentarem o textosugere atividades com grande ênfase nas palavras, previamente escolhidas pelosprofessores. O enfoque está no reconhecimento e identificação destas palavras-chaves, nareprodução correta das mesmas, a capacidade de ordená-las em frases simples e a partirdestas frases formarem um texto. O documento faz uma referência à semântica, mas aproposta traz um modelo gramatical de ensino de português como exemplifica Pereira(2005) pela descrição da Chave de Fitzgerald (concepção de língua como código). Na tarefade ensinar a Língua Portuguesa ao aluno surdo, o professor iniciava com palavras eprosseguia com a utilização destas palavras em estruturas frasais, primeiramente simples, edepois cada vez mais longas e morfossintaticamente mais complexas. Por meio de exercíciosde substituição e de repetição, esperava- se que os alunos memorizassem as estruturasfrasais trabalhadas e as usassem em textos que seriam reprodução do texto trabalhado.Muitas escritas de alunos surdos refletem esse modelo de ensino de L2.CONTEÚDO DIFICULDADE REF:ENSINO DE L2 DIFÍCIL PEREIRA, Maria Cristina da Cunha (org.). Leitura, escrita e surdez. São Paulo: FDE, 2005.12) O ensino de português para surdos está estritamente ligado à concepção de língua / linguagem e leitura / escrita. Muito tem se trabalhado no decorrer da história da educação de surdos com a concepção de língua como código onde se determinam qual é o papel do professor, do aluno e do texto nas relações de construção da leitura e escrita. Considerando a concepção de língua como atividade discursiva: I- O professor deve escolher o vocabulário do texto a ser apresentado. II- As atividades devem contemplar situações de uso da língua portuguesa escrita. III- O aluno precisa conhecer todo o vocabulário do texto para ler. IV- O texto é um lugar de interação entre o professor e o aluno. V- O aluno elabora hipóteses sobre o significado do texto na leitura a partir do seu conhecimento de mundo.
  14. 14. Assinale a alternativa correta sobre as afirmativas anteriormente apresentadas: a) Somente a afirmativa I está incorreta. b) I,II,III estão corretas. c) Somente as afirmativas II e IV estão incorretas d) II, IV, V estão corretas. e) Somente a afirmativa III está incorreta.ALTERNATIVA CORRETA: DJustificativa:A concepção de língua e linguagem, leitura e escrita estão intimamente ligados às práticaspedagógicas dos professores de surdos no decorrer de sua história. Na concepção de línguacomo código há uma grande ênfase na estrutura da língua com suas regras gramáticas. Asformas gramaticais eram apresentadas as crianças surdas do mesmo modo como para ascrianças ouvintes. A língua é considerada um código, sendo a leitura e escrita processos dedecodificação e reprodução deste código. Diante o fracasso no ensino de surdos e ouvintes.Os estudos da linguagem veem na concepção de língua enquanto discurso uma possibilidademaior de sucesso para o ensino de crianças surdas uma vez que o foco vai para o texto comoespaço de interação, o aluno não é mais um ser passivo. Fulgencio e Liberato consideram aleitura como um conjunto de informações visuais e não visuais (o que ele sabe / o que eleretira do texto), dessa forma o aluno não precisa conhecer todo o vocabulário do texto paraler, pois não é uma questão de decodificação, mas de previsões e inferências que vão darsentido ao texto como uma unidade de sentido. Na concepção de língua como código oprofessor escolhe o texto bem como as palavras-chaves que irá trabalhar, as atividadesreduzem-se a formação de frases e textos com estrutura controlada (linguagem filtrada). Naconcepção de língua como atividade discursiva cabe ao professor proporcionar atividadesdiversificadas de uso da escrita a fim de que o aluno perceba as finalidades através dediferentes portadores de texto que possam ampliar a sua visão de mundo e conhecimentodo português escrito.CONTEÚDO DIFICULDADE REF:ENSINO DE L2 DIFÍCIL LEBEDEFF, Tatiana Bolívar. Análise das estratégias e recursos “surdos” utilizados por uma professora surda para o Ensino de Língua escrita. In: Perspectiva v. 24, n. Especial - julho / dezembro 2006 – Florianópolis.13) Musselman (2000) destaca existirem evidências de que o conhecimento de leitura e escrita numa primeira língua se transfira para a segunda, porém se o que se aprende na escola não é a forma impressa da língua de sinais, mas a língua portuguesa na modalidade escrita. Para alcançar o objetivo do ensino de língua portuguesa como L2 o que o professor deve considerar ao preparar uma atividade com texto?
  15. 15. a) O domínio da língua de sinais que permita comparações lexicais e estruturais entre a língua de sinais e o português escrito de forma a promover uma reflexão metalinguística. b) Se o gênero permite uma leitura do significado denotativo das palavras, dirimindo dúvidas com relação ao vocabulário e seu significado. c) Estruturar o texto na escrita de sinais de forma a facilitar o acesso ao texto, de forma atender a legislação de instrução na L1. d) Agregar elementos visuais (legenda, gráfico, figura) que sirvam de referência pois o aluno surdo não tem acesso a diferentes portadores de texto fora do contexto escolar. e) Escolher um gênero com o qual os alunos ainda não tiveram contato a fim de que possa avaliar o grau de fluência na leitura dos alunos.ALTERNATIVA CORRETA: AJustificativa:Lebbedef (2000) em seu artigo apresenta a fala de vários autores que contribuem para oentendimento da dimensão da complexidade do trabalho com texto dentro de umaabordagem discursiva. Se não há uma interdependência linguística direta entre as línguas desinais e portuguesa, são necessárias outras estratégias que permitam os alunos a estruturara correlação entre língua de sinais e língua portuguesa que a autora refere-se comoestratégias surdas para o ensino da língua portuguesa para surdos. Dessa forma o professordeve ter um bom nível de conhecimento na língua de sinais de forma que possa instigar osalunos a fazer associações e reflexões sobre as estruturas gramaticais e lexicais das línguas,explorando o alfabeto manual, uso de sinais, ampliando as possibilidades de leitura daspalavras não como unidades autônomas, mas no sentido do texto com todas aspossibilidades de sentido promovendo uma importante reflexão metalinguística. Viader,Pertusa e Vinardell (1999) apresentam a exteriorização e a demanda de explicitação. Aprimeira permite o aluno narrar o texto em língua de sinais e o segundo a produção de umtexto em língua de sinais a partir da leitura ou construção de um resumo. Por meio dofeedback, pistas e estratégias sugeridas pela professora, o aluno irá desenvolvendo suaspróprias estratégias de compreensão de texto. A libras favorece o conhecimento de mundo,possibilita o desenvolvimento de habilidades metalinguísticas e metacognitivas.CONTEÚDO DIFICULDADE REF:ENSINO DE L2 DIFÍCIL SÃO PAULO. Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem para a Educação Infantil e Ensino Fundamental – Língua portuguesa para a pessoa surda.14) As orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem de língua portuguesa para surdos propõem ao professor expor os alunos a diferentes tipos e
  16. 16. gêneros textuais. Considerando o gênero “Regras de jogos”, assinale a alternativa que justifica a escolha deste gênero para o 3º ano do ensino fundamental: a) O gênero traz informações explícitas em seu corpo que permite o aluno ler e produzir textos com autonomia sem a interferência do professor pela repetição de padrões gráficos. b) As informações deste tipo de texto permitem ao professor explorar melhor o vocabulário garantindo a compreensão das partes do texto para todo. c) A apresentação de informações claras e específicas não exige um processo complexo de reflexão sobre a língua. d) No terceiro ano o aluno já pode ler com compreensão textos curtos que abordem temas conhecidos para que atribuam sentido à leitura. Para ler o aluno precisa estar motivado. e) O gênero pode ser reproduzido facilmente na língua de sinais pois se constitui com palavras simples e de fácil dedução.ALTERNATIVA CORRETA: DJustificativa: O ensino de português para surdos desenvolve-se de forma progressiva no decorrer de cadaano. Considerando que o aluno já tem 4 anos de escolaridade contando-se aí a educaçãoinfantil, ele já teve oportunidade de ver vários portadores de texto, sendo capaz de ler comcompreensão textos curtos que abordem tema conhecido. As crianças interessam-se muitopelo universo dos jogos o que torna a leitura estimulante, ler com um propósito. Cabe aoprofessor estimular os alunos formulando perguntas deixando-os a vontade para produzirseus próprios textos refletindo sobre suas hipóteses de escrita. O professor não devepreocupar-se com o domínio do vocabulário e estudo das palavras mas sobretudo com aqualidade do texto se apresenta informações sobre a estrutura interna do gênero.CONTEÚDO DIFICULDADE REF:ENSINO DE L2 DIFÍCIL SÃO PAULO. Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem para a Educação Infantil e Ensino Fundamental – Língua portuguesa para a pessoa surda.15) Considere o exemplo de texto produzido por aluno surdo apresentado abaixo:
  17. 17. Extraído de: PEREIRA, 2011,p.7 disponível em: . http://www.ileel.ufu.br/anaisdosielp/pt/arquivos/sielp2011/artigo_24.pdfConsiderando o ensino de português como L2 num processo contínuo de exposição ereflexão sobre a língua portuguesa podemos inferir que o texto em questão trás referênciaao conhecimento da aluna sobre a língua portuguesa escrita pelos elementos que apresenta: I- Conhecimento dos elementos constituintes da estrutura interna de um gênero específico. II- Influência de outros gêneros textuais na escrita. III- Utilização de recursos ortográficos pontuação e letra maiúscula no início da frase com aplicação de regras gramaticais.Conforme As Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem para aEducação Infantil e Ensino Fundamental – Língua portuguesa para a pessoa surda (SÃOPAULO, 2010) o conjunto de elementos descritos nas afirmativas acima está compatível àsexpectativas de aprendizagem com relação à escrita para alunos surdos de que não doensino fundamental? Assinale a alternativa correta. a) 2º ano do ensino fundamental ciclo I b) 3º ano do ensino fundamental ciclo I c) 4º ano do ensino fundamental ciclo II d) 1º ano do ensino fundamental ciclo II e) 4º ano do ensino fundamental ciclo IALTERNATIVA CORRETA: EJustificativa:Pereira (2010) trás no corpo do presente trabalho o processo de aquisição de escrita daaluna, é notável que a exposição a diferentes tipos de texto permite ao aluno ampliar as suashipóteses sobre a escrita possibilitando reflexão sobre o funcionamento linguístico-discursivo da língua portuguesa. Esta é à base da proposta das orientações curriculares eexpectativas de aprendizagem de língua portuguesa para surdos considerando uma propostabilíngue. A proposta prevê na divisão do conteúdo que a escrita seja inseridaprogressivamente de forma que o aluno já tenha um repertório na sua L1, como a maioriadas crianças chega à escola sem a língua de sinais e sem a língua portuguesa esse processo émais demorado resultando geralmente em produções escritas mais simples, tanto novocabulário, quanto nas estruturas sintáticas, quando comparadas com as de alunosouvintes de mesmo nível de escolaridade. A língua de sinais é fundamental neste processopor isso é necessário investir nas situações de leitura para posteriormente se cobrar aescrita. Dessa forma a escrita apresentada no exemplo é compatível com as expectativas deaprendizagem para o 4º ano do ciclo I:
  18. 18. Expectativas de aprendizagem dos padrões da escrita – 4º anoSegmentar corretamente a palavra na passagem de uma linha para outra.Pontuar corretamente final de frases, usando inicial maiúscula.Segmentar o texto em parágrafos em função das restrições impostas pelos gêneros.Pontuar corretamente os elementos de uma enumeração.Pontuar corretamente passagens de discurso direto em função das restrições impostas pelos gêneros.Respeitar as regularidades morfológicas.Escrever corretamente palavras de uso frequente.Acentuar palavras de uso frequente.Aplicar a regra geral de concordância verbal e nominal.Formatar graficamente o texto, com a ajuda do professor. Fonte: Orientações curriculares pág. 64. CONTEÚDO DIFICULDADE REF: POLITICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL DIFÍCIL SÃO PAULO. Orientações curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem para a Educação Infantil e Ensino Fundamental – Língua portuguesa para a pessoa surda. 16) Numa perspectiva bilíngue a escola deve priorizar atividades que assegurem apropriação da língua portuguesa (L2) por meio da língua de sinais (L1). Dentre as políticas de inclusão e educação especial essa proposta de ensino aos surdos se opõe inversamente a proposta: a) Bimodal, onde a língua de sinais e a língua portuguesa são adquiridas simultaneamente e o uso da língua majoritária deve ser desenvolvido na modalidade falada e na modalidade codificada em sinais em correspondência exata aos segmentos da fala. b) Oralista onde a fala tem um papel primordial na inclusão social do surdo cuja metodologia de ensino proíbe o uso de sinais por prejudicar a fala, as práticas pedagógicas centram-se no processo de reabilitação e aprendizagem da língua majoritária.
  19. 19. c) Billíngue-bicultural onde são consideradas as características culturais de conhecimento de língua majoritária e identidade podendo a identidade do surdo ser referenciada pela cultura ouvinte d) Comunicação total onde são considerados todos os recursos que viabilizem a comunicação e acesso a língua majoritária incluindo a linguagem falada, o alfabeto digital, sinais e linguagem escrita numa associação. e) Integracionista onde a língua de sinais é permitida, mas não tem status linguístico que considere sua utilização nos processos de aprendizagem de leitura e escrita.ALTERNATIVA CORRETA: BJustificativa:A proposta bilíngue assume a língua de sinais como primeira língua como constituinte dosujeito surdo devendo ser ensinada o mais precocemente possível a fim de que a criança aoentrar na escola tenha constituído uma linguagem que permita acessar os conteúdosescolares. Os estudos recentes remetem a uma reflexão sobre o aprofundamento doconceito de bilinguismo no que se refere aos aspectos culturais envolvidos no ensino-aprendizagem de uma segunda língua. A filosofia oralista ao proibir os sinais e investir nalíngua oral, desconsiderou os processos específicos de aprendizagem do surdo, suascaracterísticas sociais, linguísticas e cultural sendo a proposta pedagógica que trouxe maiorprejuízo a essa comunidade resultando num fracasso escolar sem precedentes. Aos poucos alíngua de sinais começa a aparecer nas propostas pedagógicas para surdos, porém ainda semstatus de língua sendo utilizada como apoio à aprendizagem da língua oral como naspropostas bimodais e de comunicação total. A proposta bimodal prevê a aquisição de sinaise a língua portuguesa simultaneamente valorizando a língua majoritária que prevê seuaprendizado na modalidade falada e na modalidade codificada em sinais emcorrespondência exata aos segmentos da fala. A comunicação total utiliza todos os recursosque viabilizem a comunicação e acesso a língua majoritária incluindo a linguagem falada, oalfabeto digital, sinais e linguagem escrita numa associação.CONTEÚDO DIFICULDADE REF:POLITICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL MÉDIA SANCHES, Carlos. A escola, o fracasso escolar e a leitura. Letramentos e minorias. Editora Plexus. 1999.17) Segundo Sanches (1999), a prevenção do fracasso escolar passa pela promoção da aquisição e uso eficiente da leitura e da escrita. Assinale a alternativa que corresponde aos argumentos apontados por Sanches: I- Estar alfabetizado não é saber ler e escrever, a escola tem cumprido o seu papel social de alfabetizar os alunos, porém o domínio da leitura e da escrita é insuficiente para dirimir a injustiça social. II- O fracasso escolar tem como fator gerador a qualidade de formação dos profissionais na área da educação.
  20. 20. III- Crianças oriundas de famílias com nível socioeconômico baixo demoram mais para se alfabetizarem. IV- A democratização do ensino possibilitou um maior acesso ao Ensino Médio e por consequência trouxe igualdade de oportunidades através do preparo de profissionais mais capacitados. V- São fatores determinantes para o fracasso escolar: a repetência, o abandono e o baixo rendimento dos alunos.a) II, III, IVb) I, IV, Vc) I, III, Vd) II, IV, Ve) I, II, IIIALTERNATIVA CORRETA: CJustificativa:Sanches traz uma reflexão sobre o fracasso escolar para além de dados estatísticos eestereotipado sobre a má qualidade da educação na Venezuela. Para ele o fator principal deexclusão dos alunos é a deficiência no processo de aquisição de leitura e escrita que seestabelece nas dinâmicas sociais evidentes no desequilíbrio econômico e social. Ademocratização do ensino não revelou melhora no desempenho leitor e escritor das criançasuma vez que as crianças oriundas de famílias com nível sócio econômico baixo geralmentechegam à escola com nível pré-fonético, enquanto crianças oriundas de classe econômicaalta chegam à escola alfabetizadas. As crianças menos favorecidas demorarão mais tempopara se apropriarem do código (alfabetização) e por consequência terão desempenho muitoinferior na compreensão da leitura e eficiência na escrita. Essa desigualdade vai se estenderaté o ensino médio e universidade influenciando os processos de escolha profissional bemcomo a qualidade de formação do mesmo. O fracasso escolar desta forma está relacionadocom a língua escrita, com a alfabetização inicial e com a compreensão da leitura. Assim ascrianças repetem porque não se alfabetizam em oportunidade e na forma prevista, desistemapós anos de repetência por não terminarem de aprender a ler e escrever apresentandoassim baixo rendimento porque não entendem o que leem, não podendo refletir sobre oque é estudado.CONTEÚDO DIFICULDADE REF:ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA MEDIA QUADROS, Ronice Müller de.LIBRAS Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre. Artes Médicas, 2010.18) Com relação aos aspectos linguísticos da Libras, assinale a alternativa que corresponda ao estatuto das línguas de sinais dentro de uma proposta bilíngue-bicultural:
  21. 21. a) As línguas de sinais apresentam-se na modalidade viso-espacial que determinam o uso de mecanismos sintáticos. São desenvolvidas nas comunidades surdas possuem uma estrutura interna e externa configurando um sistema linguístico complexo. b) As línguas de sinais por serem organizadas espacialmente estão representadas no hemisfério direito do cérebro. Derivam da comunicação gestual espontânea dos ouvintes estão ligadas a uma gramática única e universal delimitada pela iconicidade. c) As línguas de sinais por utilizarem de um sistema visual de comunicação superficial apresentam desvantagem quando comparadas linguisticamente ao sistema de comunicação oral, principalmente na tradução de termos complexos de uma língua para a outra. d) As línguas de sinais são línguas naturais da comunidade surda com parâmetros e recursos gerais que permitem a identificação e comunicação entre surdos de diferentes países por meio da gramática universal. e) A estrutura das línguas de sinais por sua modalidade e apresentação difere em seus aspectos sintáticos morfológicos das línguas orais-auditivas, mas mantem interdependência entre si na forma e conceito das palavras. ALTERNATIVA CORRETA: AJustificativa: Muitas são as concepções equivocadas sobre as línguas de sinais. São línguas naturais desenvolvidas nas comunidades surdas possuem uma estrutura interna e externa configurando um sistema linguístico complexo. Apesar de se organizarem espacialmente as línguas são processadas no hemisfério esquerdo do cérebro da mesma forma que as línguas orais. Os estudos linguísticos mostram que na evolução da língua ocorreu a perda completa da iconicidade resultando em formas arbitrárias. Desta forma não se pode dizer que seja universal, pois cada país escolhe o referente e o convenciona de acordo com sua cultura. As línguas de sinais possuem os mesmos princípios organizacionais e parâmetros que formam a gramática das línguas são, portanto tão complexas e expressivas como as línguas orais. Dentro de uma perspectiva bilíngue-bicultural as línguas de sinais não estão subjugadas à língua majoritária ou para servir de apoio na aprendizagem de uma segunda língua. São línguas genuínas através da qual o aluno surdo irá aprender os conteúdos escolares respeitadas sua condição linguística e apoiada pela legislação. CONTEÚDO DIFICULDADE REF: ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA MEDIA SÃO PAULO. Orientações LIBRAS curriculares e proposição de expectativas de aprendizagem para a Educação Infantil e Ensino Fundamental – Língua Brasileira de sinais. 19) A Língua Brasileira de Sinais, como as outras línguas de sinais, tem um léxico e um sistema de criação de novos sinais por derivação, composição, incorporação de argumento. Relacione os conceitos referente aos processos de formação dos sinais abaixo:
  22. 22. I- I. DERIVAÇÃO A- Está ligado aos fatores visuais da língua presente em alguns verbos de manuseioII- II. COMPOSIÇÃO B- Os sinais têm os mesmos parâmetros de CM, L, PA diferenciando-se pelo movimento.III- III. INCORPORAÇÃO C- Mudança na configuração de mãoNUMERAL para expressar quantidade.IV- IV. INCORPORAÇÃO D- Movimento contrário ao sinal comNEGAÇÃO simultaneidade e mudança na expressão facial.V- V. INCORPORAÇÃO DE E- Quando dois sinais se unem paraARGUMENTO. formar um terceiro com significado distinto I- I-B, II-A, III-D, IV-C, V-E. II- I-A, II-C, III-E, IV-D, V-B. III- I-D, II-E, III-A, IV-B, V-C. IV- I-C, II-D, III-B, IV-E, V-A. V- I-B, II-E, III-C, IV-D, V-A.ALTERNATIVA CORRETA: EJustificativa:A Língua Brasileira de Sinais, como as outras línguas de sinais, tem um léxico e um sistemade criação de novos sinais. Não são utilizados sufixos ou prefixos como nas línguas orais, maspelo acréscimo de movimentos ou mudança nos parâmetros de formação dos sinais.Derivação: de nomes para verbos e vice-versa caracteriza-se pela mudança no movimentomantendo os outros parâmetros inalterados OUVIR/OUVINTE.Composição: utilização de dois sinais para formar um terceiro com sentido distinto:ESCOLA/IGREJA.Incorporação de argumento: está ligado aos fatores visuais da língua presente em algunsverbos de manuseio PINTAR-CABELO/PINTAR-PAREDEIncorporação de um numeral caracteriza-se pela mudança na configuração para expressar aquantidade DUAS HORAS/QUATRO MESESIncorporação da negação: Resulta no movimento contrário pode ter simultaneidade oumudança na expressão facial: QUERER / NÃO QUERER, GOSTAR / NÃO GOSTAR.CONTEÚDO DIFICULDADE REF:ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA MEDIA SÃO PAULO. OrientaçõesLIBRAS curriculares e proposição de
  23. 23. expectativas de aprendizagem para a Educação Infantil e Ensino Fundamental – Língua Brasileira de sinais.20) A flexão de aspecto nos verbos em Libras está relacionada com a forma e duração domovimento. Garantem dentro de uma narrativa localizar o personagem no espaço eidentificar a intensidade ou modo de suas ações. Assinale a alternativa que corresponde àflexão de verbo quanto ao aspecto: VI- ELA FALOU – aspecto iterativo. VII- ELAS FICARAM OLHANDO – aspecto durativo. VIII-ELE VIAJA SEMPRE – aspecto pontual. IX- ELES FALAM SEM PARAR - aspecto continuativo. X- ELAVIAJOU COM ELE – aspecto interativo e pontual.ALTERNATIVA CORRETA: DJustificativa:Segundo Quadro e Karnopp (2004) os verbos na Libras são divididos em três classes:a) verbos simples – são verbos que não se flexionam em pessoa e númeroe não incorporam afixos locativos. Alguns destes verbos apresentam flexão deaspecto APRENDER, SABER e GOSTAR.b) verbos com concordância – são verbos que se flexionam em pessoa, número e aspecto,mas não incorporam afixos locativos. DAR, PERGUNTAR e DIZER.c) verbos espaciais – são verbos que têm afixos locativos. IR, COLOCAR e CHEGAR.A flexão de aspecto está relacionada com as formas e a duração dos movimentos.Os aspectos pontual, continuativo, durativo e iterativo são obtidos por meio de alteraçõesdo movimento e/ou da configuração de mão segundo Brito (1995) FALAR em “ele falou”(pontual) e “ele fala sem parar” (continuativo); OLHAR em “ele olhou” (pontual) e “ele ficouolhando” (durativo); VIAJAR em “ele viajou” (pontual), “ele viaja sempre” (iterativo).O uso correto das flexões verbais nas narrativas em Libras permitirá aos alunos localizaremos personagens no espaço e identificar a intensidade ou modo de suas ações.O professor de surdos deve reconhecer essas características linguísticas para intervir nasinalização do aluno melhorando a sua fluência na língua.

×