Gabarito intérprete de libras

7,515 views

Published on

0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
7,515
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
352
Actions
Shares
0
Downloads
164
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Gabarito intérprete de libras

  1. 1. Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos – Feneis NOME DO CONCURSO PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE AMERICANA NOME DO PROFESSOR VANIA DE AQUINO ALBRES SANTIAGO ÁREA LIBRASPROVA ELABORADA PARA O CARGO DE: Intérprete de LIBRAS Tema Questões Respostas corretaPolítica de Educação Questão 1: D) Garantir professor dede surdos (2) Libras ou instrutor de Libras; A comunidade surda tem em mãos uma importante conquista tradutor e intérprete de Libras política na qual se baseiam as ações e reivindicações em - Língua Portuguesa; professor torno da educação de surdos, o Decreto nº 5626/2005 que para o ensino de Língua regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, e o art. Portuguesa como segunda 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Assinale a língua para pessoas surdas; e alternativa que apresenta a premissa da legislação professor regente de classe apresentada. com conhecimento acerca da A) Garantir a inclusão da Libras como disciplina curricular singularidade linguística em todos os cursos de bacharelado, para fomentar o seu uso e manifestada pelos alunos difusão. surdos. B) Garantir que as pessoas ouvintes tenham prioridade nos cursos de formação de professores de Libras. C) Garantir que o ensino de língua portuguesa seja ofertado Fonte: desde a educação infantil, como primeira língua para surdos e deficientes auditivos. BRASIL, Ministério da Educação. Decreto nº 5626 de D) Garantir professor de Libras ou instrutor de Libras; 22 de setembro de 2005. tradutor e intérprete de Libras - Língua Portuguesa; professor Regulamenta a Lei no 10.436, para o ensino de Língua Portuguesa como segunda língua de 24 de abril de 2002, que para pessoas surdas; e professor regente de classe com dispõe sobre a Língua conhecimento acerca da singularidade linguística manifestada Brasileira de Sinais - Libras, e pelos alunos surdos. o art. 18 da Lei no 10.098, de E) Garantir o atendimento às necessidades educacionais 19 de dezembro de 2000. especiais de alunos surdos com o apoio do tradutor e intérprete de Libras a partir do ensino médio. Questão 2: B) Atuar nas salas de aula para viabilizar o acesso dos alunos No Art. 21. do decreto nº 5626/2005, infere que a partir de aos conhecimentos e um ano da sua publicação, as instituições federais de ensino conteúdos curriculares, em da educação básica e da educação superior devem incluir, em todas as atividades didático- seus quadros, em todos os níveis, etapas e modalidades, o pedagógicas. tradutor e intérprete de Libras - Língua Portuguesa, para viabilizar o acesso à comunicação, à informação e à educação de alunos surdos. Assinale a alternativa que indica corretamente onde esse profissional deverá atuar: Fonte: A) Atuar na prevenção e desenvolvimento de programas de saúde auditiva; e tratamento clínico e atendimento BRASIL, Ministério da especializado, respeitando as especificidades de cada caso; Educação. Decreto nº 5626 de 22 de setembro de 2005.
  2. 2. B) Atuar nas salas de aula para viabilizar o acesso dos alunos Regulamenta a Lei no 10.436, aos conhecimentos e conteúdos curriculares, em todas as de 24 de abril de 2002, que atividades didático-pedagógicas. dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e C) Atuar como instrutor no ensino da libras para a o art. 18 da Lei no 10.098, de comunidade escolar ouvinte. 19 de dezembro de 2000. D) Atuar como instrutor no ensino da libras como língua materna para surdos e ou deficientes auditivos. E) Atuar como professor bilíngue no ensino de português como segunda língua para surdos e deficientes auditivos. Questão 3: E) A língua de sinais como língua natural da criança “O bilinguismo é uma proposta de ensino usada por escolas surda, e parte desse que se propõem a tornar acessível à criança duas línguas no pressuposto para o ensino do contexto escolar” conforme indica Quadros (1997, p. 27). português escrito. Assinale a alternativa que complementa corretamente o conceito de bilinguismo: A) que os conteúdos e o saber escolar devem ser ensinados Fonte: Bilinguismo - uma por meio do português escrito. proposta para educação de surdos B) a língua oral como pressuposto para o ensino da escrita do português. (QUADROS, 1997, p. 21-33) C) que a língua de sinais é a única língua a ser ensinada para a criança surda. D) o uso da língua de sinais apenas fora da sala de aula. E) a língua de sinais como língua natural da criança surda, e parte desse pressuposto para o ensino do português escrito.Educação bilíngue (2) Questão 4: A) Criar um ambiente linguístico apropriado para Tendo como premissa considerar a língua de sinais brasileira oportunizar o acesso completo como primeira língua – L1 e o português escrito como à informação curricular e segunda língua - L2 da comunidade surda brasileira. O cultural. bilinguismo pode apresentar-se de duas formas na educação de surdos, com base no ensino da L2 quase concomitante ao ensino da L1 ou pelo ensino da L2 somente a partir da aquisição da L1. A partir dessas propostas, assinale a alternativa que pode ser destacada como objetivo da educação Fonte: Bilinguismo - uma bilíngue: proposta para educação de surdos A) Criar um ambiente linguístico apropriado para oportunizar o acesso completo à informação curricular e cultural. (QUADROS, 1997, p. 21-33) B) Priorizar o ensino da escrita do português em detrimento ao ensino das demais disciplinas escolares. C) Oportunizar ao aluno surdo conhecimento da língua de sinais suficientemente para comunicar-se com os colegas. D) Assegurar o desenvolvimento social do aluno surdo por meio do ensino da oralização do português. E) Ensinar a língua de sinais com o objetivo único de ensinar posteriormente a oralização. Questão 5: A) Na década de 1990 foram estabelecidas unidades de Na história da profissão de tradutor/ intérprete de Libras sabe- intérpretes ligadas aos se que há registros da sua atuação em trabalhos religiosos escritórios regionais daHistória do desde a década de 1980. E que nesta mesma década a
  3. 3. Federação Nacional de Educação e Integração de Surdos – FENEIS, passando a FENEIS foi uma entidade precursora com iniciativas de recomendar esses profissionais formação de intérpretes de Libras no Brasil, desta forma é para atuação no mercado de correto afirmar que: trabalho existente. A) Na década de 1990 foram estabelecidas unidades de intérpretes ligadas aos escritórios regionais da FENEIS, passando a recomendar esses profissionais para atuação no mercado de trabalho existente. Fonte: História do profissional intérprete de língua de sinais B) A FENEIS é responsável pelo atendimento dos surdos e deficientes auditivos que procuram seus serviços, porém (QUADROS, 2007, p. 13-17) nunca atuou na formação/ certificação de tradutores/ intérpretes. C) No Brasil, somente a partir de 2005, depois do decreto nº 5.626 os tradutores/ intérpretes de Libras começaram a atuar. D) Os intérpretes que fazem trabalho voluntário não podem ser considerados profissionais. E) Atualmente, somente a FENEIS que certifica o profissional tradutor/ intérprete de Libras para a atuação profissional em âmbito nacional.profissional intérprete(2) Questão 6: A) À medida que a língua de sinais passa a ser reconhecida “A participação de surdos nas discussões sociais abriu a os surdos ampliam sua possibilidade para a profissionalização dos intérpretes e para garantia de acesso a ela como o reconhecimento da língua de sinais em cada país” direito linguístico, e, (LACERDA, 2009, p.28), neste sentido é correto afirmar que: consequentemente neste A) A medida que a língua de sinais passa a ser reconhecida os cenário a figura do intérprete surdos ampliam sua garantia de acesso a ela como direito se consolida. linguístico, e, consequentemente neste cenário a figura do intérprete se consolida. Fonte: Intérprete de língua de B) O domínio da Libras é considerado suficiente para atuar sinais no Brasil como intérprete de Libras. (LACERDA, 2009, p.27-30) C) A profissionalização do tradutor/ intérprete de Libras só pode acontecer quando este tiver cursos e formação em graduação específica. D) Com o passar do tempo, mesmo com maior envolvimento da comunidade surda em atividades políticas, não é exigido do tradutor/ intérprete maior nível de qualificação. E) O desenvolvimento da profissão de tradutor/ intérprete de libras independe da mobilização e protagonismo da comunidade surda na reivindicação de acessibilidade e educação.Relações entre Questão 7: E) O intérprete de Libras deveprofissionais na ser capaz de intermediar as Pensando na educação inclusiva em uma perspectiva relações em sala de aula paraescola (2) bilíngue, neste caso o ambiente escolar só se tornará bilíngue além da interpretação dos se nele interagirem diferentes pessoas usuárias das duas conteúdos, a fim de línguas - Libras e português (LACERDA, 2009, p. 42). O possibilitar uma efetiva tradutor/ intérprete de Libras se vê em meio a uma série de participação do alunado surdo relações na escola que interferem no processo de inclusão do nas atividades e na aluno surdo, sendo assim, assinale a alternativa que apresenta comunidade escolar, atitude correta: proporcionando seu A) O intérprete decidir o layout da sala e em caso de trabalho desenvolvimento e autonomia.
  4. 4. em grupo, ele sempre decidir em qual grupo o aluno deve participar da atividade. B) Um único aluno surdo incluído, em uma escola regular em Fonte: Escola e intérpretes que a comunidade escolar não sabe Libras, deve relacionar-se apenas com o intérprete de Libras. (LACERDA, 2009, p.41-45) C) Na sala de aula o intérprete de Libras não pode intervir com o professor na construção de estratégias para tornar a aula mais dinâmica e visual para os surdos. D) Ao atuar na sala de aula, o intérprete por ser o único que sabe a língua de sinais, explica o conteúdo abordado pelo professor segundo seus conhecimentos, sem envolver o professor regente de sala. E) O intérprete de Libras deve ser capaz de intermediar as relações em sala de aula para além da interpretação dos conteúdos, a fim de possibilitar uma efetiva participação do alunado surdo nas atividades e na comunidade escolar, proporcionando seu desenvolvimento e autonomia. Questão 8: C) O intérprete deve considerar seu papel de Sobre a atuação do intérprete de Libras nas atividades intermediador não apenas dos didáticas desenvolvidas em sala de aula inclusiva no Ensino conteúdos, mas de intermediar Fundamental, é correto dizer que: a efetiva participação dos A) O intérprete deve esperar que o professor decida como a surdos nas atividades didático- atividade será aplicada para o aluno surdo, independente da pedagógicas, levando em condição linguística desse aluno. consideração as diferenças linguísticas e culturais entre B) O intérprete auxilia o aluno surdo a fazer as atividades alunos surdos e alunos onde há a necessidade da escrita do português, mas não ouvintes, alunos surdos e questiona o professor sobre as questões linguísticas que professores que não sabem envolvem a produção escrita dos surdos. libras. C) O intérprete deve considerar seu papel de intermediador não apenas dos conteúdos, mas de intermediar a efetiva participação dos surdos nas atividades didático-pedagógicas, levando em consideração as diferenças linguísticas e culturais entre alunos surdos e alunos ouvintes, alunos surdos e professores que não sabem libras. Fonte: Escola e intérpretes D) Em sala de aula em que há mais de um surdo incluído, o (LACERDA, 2009, p.41-45) intérprete deve privilegiar aquele aluno que apresenta melhor nível de língua de sinais em detrimento aos demais, pois estes vão acompanhando os melhores durante a escolarização. E) Em caso de prova escrita o intérprete de Libras não deve ficar na sala de aula, pois o aluno surdo tem que dominar os conteúdos dados independentemente de sua condição linguística.Aspecto léxico- Questão 9: C) A língua representa umsemântico no sistema de signos A atuação do tradutor/ intérprete de Libras não pode ser vista compartilhado por umaprocesso e como um trabalho estritamente linguístico, entretanto esteinterpretação (2) comunidade linguística profissional deve deter alguns conhecimentos específicos comum, esse sistema deve ser sobre as línguas envolvidas no processo de interpretação, de conhecimento dos portanto assinale a alternativa correta: intérpretes ser constante objeto A) A Libras, apesar de ser uma língua natural, se adapta com de estudo. o tempo às regras da Língua Portuguesa porque não possui escrita. Fonte: Discussões sobre as
  5. 5. B) A Libras é como as outras línguas de sinais, e em breve os línguas de sinais surdos serão universalizados. (QUADROS, 1997, p. 45-50) C) A língua representa um sistema de signos compartilhado por uma comunidade linguística comum, esse sistema deve ser de conhecimento dos intérpretes ser constante objeto de estudo. D) As línguas de sinais derivam da comunicação gestual espontânea dos ouvintes. E) Há uma falha na organização gramatical da língua de sinais, sendo ela um pidgin de outras línguas e subordinada às línguas orais. Questão 10: B) Nas línguas de sinais os verbos com concordância No estudo das línguas de sinais a concordância verbal é um variam de acordo com o tema bastante específico e requer a observação não apenas de movimento do sinal e um sinal, mas da organização sintática e semântica da pressupõe a incorporação de enunciação. Segundo Quadros (1997) é correto afirmar que: pronomes. A) Todos os verbos na Libras são flexionais ou direcionais. B) Nas línguas de sinais os verbos com concordância variam Fonte: Estudos sobre de acordo com o movimento do sinal e pressupõe a concordância verbal em incorporação de pronomes. línguas de sinais (QUADROS, C) A concordância verbal nas línguas de sinais acontece 1997, p. 59-61) somente quando há a indicação de referentes presentes. D) A concordância verbal nas línguas de sinais não envolve marcação de pessoa e de número. E) As relações gramaticais das sentenças em línguas de sinais independem da direção do movimento dos verbos. Ética e Questão 11: C) Considerar os diversossituação problema na níveis da Língua Brasileira de No atendimento as necessidades enunciativas na Sinais bem como da Línguaeducação (4) intermediação da comunicação entre pessoas surdas e Portuguesa que os usuários da ouvintes os tradutores/ intérpretes de Libras devem, a partir interpretação possam de uma postura ética: apresentar durante a A) Privilegiar a informação para o cliente surdo, pois ele é comunicação. quem mais necessita de informação. B) Interpretar somente do português para a Libras, porque os Fonte: Código de Ética ouvintes podem aprender a Libras. (QUADROS – MEC/SEESP, C) Considerar os diversos níveis da Língua Brasileira de 2007, p. 31-40) Sinais bem como da Língua Portuguesa que os usuários da interpretação possam apresentar durante a comunicação. D) Manter sempre uma fala formal e rebuscada, independente das pessoas envolvidas na interpretação e do seu nível de entendimento das línguas. E) Complementar a fala do cliente surdo ou responder por ele, para ajudar na comunicação quando ele não souber responder algo. Questão 12: A) Deve manter atitude imparcial, evitando Durante o transcurso da interpretação o tradutor/ intérprete de interferências e opiniões língua de sinais deve ser profissional e manter uma conduta próprias, a menos que seja adequada para cada espaço de interpretação, portanto é requerido pelo grupo a fazê-lo. correto dizer que:
  6. 6. A) O intérprete deve manter atitude imparcial, evitandointerferências e opiniões próprias, a menos que seja requerido Fonte: Código de Éticapelo grupo a fazê-lo. (QUADROS – MEC/SEESP,B) O intérprete deve encorajar pessoas surdas a buscarem 2007, p. 31-40)decisões legais ou outras em seu favor.C) O intérprete pode aceitar qualquer tarefa de interpretaçãose for convidado, independentemente do seu nível decompetência linguística para assumir determinados trabalhos.D) O intérprete deve interpretar somente de forma literal,evitando assim desvios e infidelidade na interpretação.E) Não é adequado ao intérprete pedir assistência de outrosintérpretes em palestra técnicas, ele deve trabalhar sozinho edeve superar suas próprias dificuldades.Questão 13: C) O intérprete continua interpretando tentando criarNa interpretação educacional nos primeiros anos do ensino enunciações que façam sentidofundamental, o intérprete percebe que o aluno não de acordo com o nível decompreendeu um conceito que foi transmitido, isso se dá em língua, linguagem edecorrência desses alunos quase sempre estarem em fase de conhecimento de mundo doaquisição de língua e/ou pela divergência de experiências aluno surdo, caso não sejaculturais e conhecimento de mundo, neste caso o intérprete, suficiente, interrompe a aula eadotando uma postura ética, assinale a alternativa que indica pede ajuda ao professor,qual conduta o intérprete deve manter: solicita que ele expliqueA) O intérprete continua interpretando acompanhando os novamente o conceito.conteúdos independentemente do grau de dificuldade e deentendimento dos alunos sobre os conceitos mais importantesda aula. Fonte:B) O intérprete para a interpretação e conversa com o aluno e O intérprete de língua depede para ele copiar, já que aquele ele não vai entender sinais no ensino fundamentalmesmo. (LACERDA, 2009, p.61-79)C) O intérprete continua interpretando tentando criarenunciações que façam sentido de acordo com o nível delíngua, linguagem e conhecimento de mundo do aluno surdo,caso não seja suficiente, interrompe a aula e pede ajuda aoprofessor, solicita que ele explique novamente o conceito.D) Explica do seu jeito, dá exemplos, enquanto a aula correparalelamente com outros conteúdos, pois se o aluno nãoaprender aquele conceito não vai aprender mais nada.E) O intérprete reclama com o professor que está difícil defazer o seu trabalho, pois o aluno não sabe língua de sinais etem pouco conhecimento de mundo.Questão 14: E) Existem especificidade na atuação do intérprete“A atuação do Intérprete de Língua de Sinais, tanto na educacional nos diferenteseducação infantil quanto na etapa inicial do ensino níveis de ensino, necessidadefundamental, se mostra muito complexa” (LACERDA, 2009, de conhecimentos pontuais,p.84). Assinale a alternativa pertinente a esta situação uso de diferentes estratégiasA) É comum o professor delegar ao intérprete a de acesso e de fornecer aresponsabilidade de assumir o ensino dos conteúdos para os informação a criança,alunos surdos, o intérprete deve fazê-lo incondicionalmente. participação do planejamento escolar, entre outras.B) As crianças em fase de aquisição de linguagem conseguemassimilar e construir todos os conceitos interpretados nasaulas, isso torna o trabalho do intérprete educacional uma O papel de Intérprete de língua
  7. 7. tarefa fácil. de sinais na educação infantil e no ensino fundamental. C) Os alunos da educação infantil sabem distinguir perfeitamente o papel do professor e do intérprete na sala de (LACERDA, 2009, p.82-85). aula, portanto o intérprete não precisa se preocupar com isso. D) O intérprete não necessita de formação específica para atuar no espaço educacional, a situação de sala de aula é correspondente às demais áreas de interpretação. E) Existem especificidades na atuação do intérprete educacional nos diferentes níveis de ensino, necessidade de conhecimentos pontuais, uso de diferentes estratégias de acesso e de fornecer a informação a criança, participação do planejamento escolar, entre outras.Processos de Questão 15: A) Além das questõestradução/interpretaçã linguísticas envolvidas nos Na interpretação educacional, o tradutor se depara com discursos, o intérprete deveo (6) diferentes gêneros discursivos, explicação de conteúdo, estar atento ás realidade explicação de enunciados e orientações de atividades, extralinguística do discurso, chamada de atenção aos alunos, orientações para avaliação, portanto deve interpretar etc. Na perspectiva de que os alunos surdos devem ter acesso qualquer tipo de discurso na aos conteúdos escolares e também a construção de sala de aula, considerando o conhecimento de mundo na escola é correto afirmar que: nível de relevância e de A) Além das questões linguísticas envolvidas nos discursos, o dificuldade da informação intérprete deve estar atento ás realidade extralinguística do dada. discurso, portanto deve interpretar qualquer tipo de discurso na sala de aula, considerando o nível de relevância e de Os gêneros discursivos em dificuldade da informação dada. livro didático Para surdos: B) Em uma situação de interpretação da explicação de análise dos procedimentos atividade o intérprete educacional deve optar pela Tradutórios aplicados de interpretação uma única vez, sem reiteração, pois o aluno português para Libras. deve estar atento, e depois ele pode ler o enunciado da (SANTOS In: ALBRES; atividade em seu material. SANTIAGO, 2012, p. 30-50) C) Na interpretação da explicação de conteúdo o intérprete deve ater-se à fala do professor, sem interpretar perguntas e dúvidas dos alunos ouvintes. D) Quando o professor chama a atenção dos alunos da sala, o intérprete somente interpreta se a mensagem for direcionada para o aluno surdo. E) O intérprete educacional deve ater-se na informação linguística e nos procedimentos de interpretação, portanto dedica-se exclusivamente ao estudo das línguas a nível lexical. Questão 16: A) No processo de tradução/ interpretação decisões devem “Qualquer ato de interpretação e de tradução implica uma ser tomadas pelos tradutores/ participação ativa no evento discursivo pelo tradutor- intérpretes para garantir a intérprete, que, por esse motivo, não pode ser considerado transmissão da completude da simples intermediário imparcial do processo discursivo, mensagem com foco no permanecendo na fronteira entre duas línguas em diálogo” sentido e também com o (ALMEIDA; LODI, 2010, p.100), mediante ao exposto é objetivo de manter o tipo de correto afirmar que: discurso do locutor. A) No processo de tradução/ interpretação decisões devem ser tomadas pelos tradutores/ intérpretes para garantir a transmissão da completude da mensagem com foco no Gêneros discursivos da esfera sentido e também com o objetivo de manter o tipo de discurso acadêmica e prática de tradução-interpretação Libras-
  8. 8. do locutor. Português: reflexões. (ALMEIDA; LODI, 2010, p.B) O processo de tradução/ interpretação exige 89-103)essencialmente do intérprete conhecimento lexical do assuntoa ser interpretado.C) O tradutor/ intérprete deve ser fiel à mensagem original,mantendo sempre metáforas e estilo da língua de partida paraa língua alvo.D) O tradutor/intérprete é um simples intermediário doprocesso discursivo transmitido da língua de partida para alíngua alvoE) Para o processo de tradução/ interpretação, faz-senecessário especificamente o conhecimento de diferenteslínguas e linguagens, mas a construção de sentido nãodepende do tradutor/ intérprete, pois ele deve ser estritamenteimparcial.Questão 17: C) A tradução/ interpretação deve considerar as condições“A tradução/ interpretação do português para a Libras ou linguísticas e extralinguísticasvice-versa, aproximadas duas línguas de modalidades em que as línguas e seusdistintas. A diferença de estrutura e de produção-percepção falantes estão envolvidos.entre as essas línguas acarreta aos seus “falantes” condiçõesde conhecimento de mundo ainda mais diverso e singular,que refletem no contexto que influencia a materialidade da Português e libras em diálogo:tradução” (SANTIAGO, 2012, p. 32), portanto é correto Os procedimentos de traduçãoafirmar que: e o campo do Sentido.A) O português é uma língua de modalidade oral-auditiva e a (SANTIAGO In: ALBRES;Libras uma língua de modalidade gestual-visual, mas isso não SANTIAGO, 2012, p. 30-50)implica em nada no resultado da interpretação.B) O português é uma língua de modalidade oral-visual e aLibras uma língua de modalidade gestual-visual.C) A tradução/ interpretação deve considerar as condiçõeslinguísticas e extralinguísticas em que as línguas e seusfalantes estão envolvidos.D) A diferença de modalidade de língua existe nas maisdiversas situações de interpretação, o português é oral-auditivo e a Libras é oral-visual.E) A Libras e o português são de mesma modalidade, poissão usadas no mesmo país, o Brasil.Questão 18: E) Este procedimento consiste em redividir e reagruparNa tradução/ interpretação que envolve línguas orais e períodos e orações do textolínguas de sinais, o procedimento técnico de reconstrução de original para a língua alvo,períodos é muito comum. Assinale a alternativa correta: comumente na Libras vemos oA) Esta prática permite melhorar falhas na organização de uso da pergunta retórica comouma língua para outra, da Libras para o português ou vice- aparato para esseversa. procedimento.B) Este procedimento só acontece na interpretação de línguasde sinais para línguas orais e vice-versa. Português e libras em diálogo: Os procedimentos de traduçãoC) A reconstrução de períodos só pode ser usada em e o campo do Sentido.discursos informais, portanto não sendo uma prática nainterpretação educacional.D) A reconstrução de períodos é um procedimento muito (SANTIAGO In: ALBRES; SANTIAGO, 2012, p. 30-50)
  9. 9. complexo e exige muito do tradutor-intérprete, por isso não é muito utilizada. E) Este procedimento consiste em redividir e reagrupar períodos e orações do texto original para a língua alvo, comumente na Libras vemos o uso da pergunta retórica como aparato para esse procedimento. Questão 19: D) O procedimento de transferência consiste na Uma possibilidade no processo de interpretação educacional/ soletração manual da palavra acadêmica é a utilização do procedimento de Transferência da língua alvo e em seguida com Explicação tentando atender a necessidade do aluno uma breve explicação do surdo de ter acesso a terminologia específica em português e termo em língua de sinais. ao mesmo tempo construir um conceito a partir da interpretação em língua de sinais. Assinale a alternativa correta a partir do conceito apresentado. Português e libras em diálogo: Os procedimentos de tradução A) A transferência parte da língua alvo para a língua de e o campo do Sentido. partida, aproveitando os sinais específicos das disciplinas. (SANTIAGO In: ALBRES; B) Este procedimento pode ser utilizado, mas não representa SANTIAGO, 2012, p. 30-50) na interpretação uma escolha mediante a condição bilíngue em que o aluno surdo está inserido. C) A transferência consiste em criar sinais para as palavras específicas de cada conteúdo ou disciplina. D) O procedimento de transferência com Explicação consiste na soletração manual da palavra da língua alvo e em seguida uma breve explicação do termo em língua de sinais. E) A transferência deve ser feita sempre que o tradutor/ intérprete não conhecer um sinal para os termos específicos de cada disciplina. Questão 20: D) A modalidade simultânea é mais comumente observa da A interpretação educacional ou acadêmica pode fazer uso de em grandes eventos e duas principais modalidades de interpretação, a consecutiva conferências e em sala de aula, e/ ou a simultânea. Segundo (LACERDA, 2009) é correto pois ela quase nada interfere firmar que: no tempo de apresentação dos A) A modalidade consecutiva não é mais utilizada, somente locutores. serve de exercício para formação de novos intérpretes. B) A modalidade consecutiva é aquela em que o intérprete escuta um longo trecho do discurso, toma notas, e após a conclusão significativa do trecho toma a palavra e repete todo Interpretação/ tradução: o discurso. Esta é a modalidade que leva menos tempo e, história, limites e portanto, a mais usada em palestras. possibilidades. C) A modalidade simultânea só é utilizada na interpretação (LACERDA, 2009, p.11-21). entre línguas orais, por exemplo, a interpretação do português para o inglês. D) A modalidade simultânea é mais comumente observa da em grandes eventos e conferências e em sala de aula, pois ela quase nada interfere no tempo de apresentação dos locutores. E) A interpretação simultânea só é possível se houver cabines com equipamento de recepção do som e microfones.BibliografiaALBRES, Neiva de Aquino. Surdos & Inclusão Educacional. Petrópolis, RJ: Editora Arara Azul, 2010.
  10. 10. ALBRES, Neiva de Aquino. Mesclagem de voz e tipos de discursos no processo de interpretação da língua de sinais para oportuguês oral. In: QUADROS, Ronice Müller (org.). Cadernos de Tradução. Volume Especial: Tradução e Interpretaçãode Línguas de Sinais, 2010. Disponível em: http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/2175-7968.2010v2n26p291ALBRES, Neiva de Aquino. Processos de produção e legitimação de saberes para o currículo de pós em libras naformação de intérpretes. para uma especialização? In: Anais do Congresso de Tradutores intérpretes de Língua de sinais –UFSC. Novembro de 2010. http://www.congressotils.cce.ufsc.br/pdf/Neiva%20de%20Aquino%20Albres.pdfALBRES, Neiva de Aquino e SANTIAGO, Vânia de Aquino Albres Santiago (organizadoras). Libras em estudo:tradução/interpretação. São Paulo: FENEIS, 2012. 219 p. (Série Pesquisas). Disponível em:http://www.feneissp.org.br/index.php?ps=e-bookBRASIL, Ministério da Educação. Decreto nº 5626 de 22 de setembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 deabril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de2000.BRASIL, Ministério da Educação. Lei nº 10436 de 24de abril de 2009. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Librase dá outras providências.BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial naPerspectiva da Educação Inclusiva. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria Ministerial nº555, de 5 de junho de 2007, prorrogada pela Portaria nº 948, de 09 de outubro de 2007.CAPOVILLA, F. C. e RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua de Sinais Brasileira,Vol. I e II: Sinais de A à Z. Ilustração: Silvana Marques. São Paulo:Editora da Universidade de São Paulo, 2001.FARIA, Sandra Patrícia. Metáfora na LSB: por debaixo dos panos ou a um palmo de nosso nariz?. ETD. EducaçãoTemática Digital, http://143.106.58.55/revista/v, v. 07, n. 02, 2006. Disponível em:http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/etd/article/view/1641LACERDA, Cristina B.F. de. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Cad. CEDES[online]. 1998, vol.19, n.46 [citado 2012-02-15], pp. 68-80 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621998000300007&lng=pt&nrm=isoLACERDA, Cristina Broglia Feitosa de. Intérprete de libras em atuação na educação infantil e no ensino fundamental.Porto Alegre: Editoria Mediação, 2009.LODI, Ana Claudia Balieiro; ALMEIDA, Elomena Barbosa de. Gêneros discursivos da esfera acadêmica e prática detradução-interpretação Libras-Português: reflexões. Tradução e Comunicação (Cessou em 1986), v. 20, p. 89-103, 2010.http://sare.unianhanguera.edu.br/index.php/rtcom/article/view/1965QUADROS, Ronice Müller de. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 2010.

×