Drogas:                                    DROGA

               ida: uma opção...                         l Qualquer    s...
CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS                                                                     CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS
    ...
AS SINAPSES E OS
      CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS                                                        NEUROTRANSMISSORES
...
O ABUSO DE DROGAS E O
       SISTEMA DOPAMINÉRGICO                                        DEPENDÊNCIA PSÍQUICA
l   Alteraç...
ESCALADA                                                                                        ?
                        ...
...ou dessas?                                                      l Curiosidade?


l   Agosto de 1993:                   ...
FATORES DE RISCO PARA O USO                                   FATORES DE RISCO PARA O
        DE DROGAS                   ...
Fumo - tabaco
Drogas Estimulantes do SNC
                                                                  l Coquetel de a...
O MINISTÉRIO DA                                             O MINISTÉRIO DA SAÚDE
    SAÚDE ADVERTE
                      ...
Cocaína e derivados: provocam forte dependência
                   psíquica.                                   Após o uso:...
Efeitos fisiológicos
l   Lesões na mucosa nasal;                                                         Consumo Habitual
...
A euforia dura pouco
                                                                                       Merla
        ...
Via de administração e
 mecanismo de ação                                      Anfetaminas: uso e riscos
     v São tomada...
Efeitos colaterais dos anabolizantes em
                                                                               l C...
l OSSOS:
                                                                       Em homens:
                               ...
Conseqüências do uso abusivo do álcool                                Alcoolismo em mulheres
                       l     ...
Efeitos do álcool                              Álcool e Gravidez
                                                       l ...
Inalantes, solventes e
   Síndrome da abstinência
                                                                        ...
l   Na medicina são agentes eficazes para o
                                                                         alívi...
l     Deterioração física:
                                               † emagrecimento, facilidade
                    ...
l Benzodiazepínicos:                                                       Drogas perturbadoras do SNC
                   ...
Atuação no SNC                                      Maconha
                                                    q   Efeito...
q   Psíquicos:
        Æ redução da capacidade de                                Ecstasy (Êxtase)
        aprendizagem e m...
q Em primeiro momento, o usuário fica falante,
   feliz, seguro de si, receptivo ao contato social e
   com sensualidade e...
ALUCINÓGENOS - EFEITOS
                         LSD                                           l   Possíveis efeitos:
     ...
Abuso no Brasil
Ø   O abuso de anticolinérgicos é relativamente
    comum no Brasil e tem sido responsável por
    interna...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Drogas 2006

8,054

Published on

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
8,054
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
279
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Drogas 2006

  1. 1. Drogas: DROGA ida: uma opção... l Qualquer substância capaz de modificar o funcionamento do Retorno??? organismo, resultando em mudanças fisiológicas ou de comportamento Æ pode ter ação - EQUIPE DE BIOLOGIA - medicinal ou nociva. Profª Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Drogas Psicotrópicas CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS l I- Quanto aos efeitos farmacológicos: leva em (psico = mente; trópico = atração por) conta o tipo de ação ou efeito que as drogas causam l Produtos químicos de origem natural ou no SNC de seus usuários. produzidos em laboratório, que são capazes de alterar o funcionamento Depressoras mental ou psíquico, geralmente produzindo efeitos sentidos como do SNC Drogas prazerosos. l Atuam sobre o SNC, alterando nossa Estimulantes maneira de sentir, de pensar e, muitas do SNC vezes, de agir. Perturbadoras do SNC Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  2. 2. CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS Depressoras: l II- Quanto ao potencial de uso nocivo e utilidade clínica: diminuem a atividade do Estimulantes: SNC, possuindo também Perturbadoras: elaborada pela Federal Drug Enforcement Administration (DEA - USA). aumentam a atividade do promovem alterações alguma propriedade CLASSE SUBSTÂNCIAS SNC. Há aumento da qualitativas no SNC, que analgésica. Pessoas sob o vigília, da atenção, passa a funcionar fora do Classe I: nenhuma utilidade aceleração do efeito de tais substâncias - Heroína tornam-se sonolentas, seu normal, ficando com clínica. Alto potencial de abuso. pensamento e euforia. a atividade perturbada. - Alucinógenos lerdas, desatentas e Não são consideradas seguras Seus usuários tornam-se - Maconha desconcentradas. † maconha para uso, mesmo sob supervisão mais ativos, “ ligados”. † álcool † ecstasy médica. - Cocaína † fumo (tabaco) † inalantes † alucinógenos Classe II: baixa utilidade clínica. † cocaína e derivados - Ópio, morfina, codeína † narcóticos: ópio e † anticolinérgicos Alto potencial de abuso. São † anfetaminas - Barbitúricos derivados aceitas para uso médico, porém † esteróides sujeitas a severas restrições. O - Anfetaminas e derivados † sedativos (barbitúricos) e anabolizantes abuso pode conduzir a séria tranquilizantes - Fenciclidina (PCP) (benzodiazepínicos) dependência. CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS CLASSE SUBSTÂNCIAS CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS Classe III: alguma utilidade clínica. Potencial moderado de abuso. São - Paracetamol (analgésico) e codeína atualmente aceitas para uso médico. combinada l III- Quanto ao status legal das substâncias: Podem resultar em baixa dependência - Esteróides anabolizantes física e alta dependência psíquica. * Classe IV: grande utilidade clínica. - Benzodiazépínicos (tranquilizantes, l Lícitas: possuem permissão do Estado para serem Potencial baixo de abuso. ansiolíticos) comercializadas e consumidas. - Fenobarbital (barbitúrico de ação prolongada) l Ilícitas: não podem ser consumidas e muito menos * Classe V: grande utilidade clínica. - Mistura de narcóticos e atropina comercializadas. Potencial muito baixo de abuso. (anticolinérgico) - Misturas diluídas de codeína * Atualmente aceitas para uso médico. Seu abuso pode conduzir a uma dependência física ou psíquica limitada. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  3. 3. AS SINAPSES E OS CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS NEUROTRANSMISSORES l III- Quanto à origem: SISTEMA DE NEUROTRANSMISSÃO DO SEMI- NATURAIS SINTÉTICAS SISTEMA NERVOSO SINTÉTICAS Extraídas de uma Obtidas em Totalmente obtidas SISTEMA MODO DE AÇÃO NO SNC fonte exclusivamente laboratório, a partir em laboratório, sem a GABA-A Inibição natural, em geral de uma matriz necessidade de plantas. natural. precursores naturais. Glutamato Excitação –Estímulo/memória Exemplos: cocaína, Exemplo: heroína: Exemplos: Opióide Prazer/analgesia/inibição maconha, ópio e alguns obtida em laboratório barbitúricos, Serotonérgico Humor/impulsos derivados (morfina e a partir da molécula anfetaminas, ecstasy, codeína), alucinógenos de morfina. PCP. Dopaminérgico Recompensa/prazer como a mescalina e a Sistema Nervoso Periférico psilocibina. Noradrenérgico Autônomo (SNPA) Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela O SISTEMA DOPAMINÉRGICO E A BUSCA DE RECOMPENSA AS DROGAS E O SNC l Estimulação do sistema dopaminérgico Æ ligada a prazer Æ percebida como recompensa. l A sensação de prazer obtida leva o indivíduo a buscar tais estímulos repetidas vezes, criando uma memória específica para tais ações Æ sistema de recompensa. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  4. 4. O ABUSO DE DROGAS E O SISTEMA DOPAMINÉRGICO DEPENDÊNCIA PSÍQUICA l Alterações neurobiológicas na estrutura anatômica l É o desejo incontido “ requer que dos neurônios Æ redução de terminações nervosas ou administração prolongada da droga para de receptores. obter prazer ou alívio de desconforto”. l Alterações na transmissão sináptica Æ redução dos l A pessoa fica obcecada em obter a droga, neurotransmissores. com objetivo de criar certo estado psíquico ao qual se acostumou, apesar do Æ sintomas de desconforto e fissura Æ manutenção conhecimento consciente que isso talvez do uso Æ dependência. esteja prejudicando alguns aspectos de sua l Alterações acabam por bloquear o efeito primário de vida. l Este tipo de dependência é comum a todos os prazer Æ necessidade de progressivo aumento de tipos de drogas de abuso. dose para conseguir o mesmo efeito Æ tolerância. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela DEPENDÊNCIA FÍSICA SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA l É o estado caracterizado pelo aparecimento de sintomas físicos ou síndrome de abstinência, lÉ um conjunto de sintomas e sinais quando a administração da droga é suspensa. desagradáveis que surgem com baixo l A administração repetida de uma droga cria um ou nulo teor da droga no sangue. transtorno fisiológico que exige continuidade de uso da droga para impedir uma enfermidade física l Caracterizada por vertigens, tremores, característica, conhecida como síndrome de calafrios, dores abdominais fortes, abstinência. náuseas e vômitos, podendo chegar a l Este tipo de dependência é estabelecido para quase convulsões. todas as drogas depressoras do SNC e para a nicotina. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  5. 5. ESCALADA ? ? O que leva ? uma pessoa ao Quantitativa ? uso de ? Uso ocasional uso contínuo l drogas? Qualitativa l Produtos “leves” produtos ? pesados Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Você gostaria de estar envolvido em l Influência do grupo de amigos? uma manchete dessas? l 1997 Os § Morre o índio pataxó só rapaz Galdino Jesus dos "br queria es de Santos, queimado vivo em incad m fa claram "pe eira zer que por 4 jovens de gad ", in i n h spi Brasília. a". rad os Cuidado com o grupo que anda... Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  6. 6. ...ou dessas? l Curiosidade? l Agosto de 1993: l Outubro de 2002: § Marco Antônio Velasco: § morte de um garçon em morte por espancamento Porto Seguro, causada por cometida por gangue de jovens jovens da classe média brasilienses. brasiliense. l Agosto de 2000: § João Cláudio Cardoso Leal: morto espancado por dois jovens, na saída da Boate “ Music Hall”na 411 Sul. l Fevereiro de 2002: § Bernardo Santiago: morto a facadas em sua própria casa, por filhos de famílias influentes do DF. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Alguma das opções abaixo? MOTIVAÇÕES PARA O USO DE DROGAS l Tristezas e decepções? l Alívio da dor l Medo de vencer as dificuldades? l Medo de errar? l Busca do prazer l Mostrar as contradições do mundo adulto? l Busca da transcendência l Ir contra padrões sociais pré-estabelecidos? l Coisas ruins só acontecem com os outros? l Outra opção? Depois não adianta fazer como ele! Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  7. 7. FATORES DE RISCO PARA O USO FATORES DE RISCO PARA O DE DROGAS ABUSO DE DROGAS l São mais inclinadas ao uso de drogas as pessoas: l Problemas relacionados ao abuso de drogas surgem de um encontro entre três fatores básicos. Æ sem informações adequadas sobre drogas e seus Æ droga, o "produto" e seus efeitos; efeitos; Æ a pessoa, a personalidade Æ com uma saúde deficiente; e seus problemas pessoais; Æ insatisfeitas com sua qualidade de vida; Æ a sociedade, o contexto Æ com problemas psicológicos que possam torná- sócio-cultural e econômico, las vulneráveis ao abuso de drogas; suas pressões e contradições. Æ com fácil acesso a drogas. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela TIPOS DE USUÁRIOS DE DROGAS l Experimentador: experimenta uma ou várias substâncias sem dar continuidade ao uso; l Usuário casual:utiliza uma ou várias substâncias sem rupturas nas relações afetivas, sociais ou AS DROGAS E SEUS profissionais; l Usuário habitual ou “ funcional” já apresenta : EFEITOS NO ORGANISMO sinais de ruptura; l Usuário dependente ou “ disfuncional” : (dependente químico, toxicômano, drogadito: vive da droga e para a droga com rupturas de seus vínculos sociais. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  8. 8. Fumo - tabaco Drogas Estimulantes do SNC l Coquetel de aproximadamente 4.000 substâncias - quase todas nocivas; 40 a l Fumo (tabaco) 60 têm efeito cancerígeno. l Cocaína e derivados (crack e merla) l Anfetaminas l Esteróides anabolizantes Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Malefícios do cigarro O MINISTÉRIO DA SAÚDE q 75% dos casos de bronquite; q 25% dos casos de infarto do miocárdio; ADVERTE q 100 a 800% de risco de aumento de contrair infecções respiratórias - bacterianas e virais; q câncer da boca, faringe, laringe, esôfago, pâncreas, pulmão, rins, bexiga e colo do útero; q arteriosclerose, aneurisma da aorta, problemas vasculares cerebrais; q envelhecimento precoce e celulite; q dificuldade de cicatrização; q cigarro + anticoncepcional = 8 vezes mais chance de infarto. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  9. 9. O MINISTÉRIO DA O MINISTÉRIO DA SAÚDE SAÚDE ADVERTE ADVERTE Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela COCAÍNA Cocaína e derivados Pó branco obtido do Cocaína arbusto de coca – Coca Erythroxylon coca – ou Crack epadu, uma epadu, planta Merla cultivada em certas regiões da Bolívia e do Peru. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  10. 10. Cocaína e derivados: provocam forte dependência psíquica. Após o uso: Ø Mais energia; Ø Agitação; Ø Euforia, desinibição; Ø Taquicardia, aumento da pressão arterial; Ø Diminuição da fadiga e da fome; Ø Vivacidade mental. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Mecanismos de ação no SNC e dependência Mas sem a cocaína e derivados... Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  11. 11. Efeitos fisiológicos l Lesões na mucosa nasal; Consumo Habitual l Dores no peito; l Aumento das freqüências cardíaca e respiratória; l Perturbações de memória; l Inflamação dos brônquios e l Perda da capacidade mental; hemorragia nos alvéolos; l Eliminação de sangue pela tosse; l Depressão após euforia; l Perda de peso e alterações l Delírios de perseguição e hormonais. alucinações; l Agressividade; l Atos anti-sociais graves. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Crack A cocaína também afeta quem l É a cocaína transformada nem chegou a ter escolha! com o uso de soda cáustica ou bicarbonato de sódio para se tornar própria para o fumo: l Mulheres grávidas: cocaína solidificada e comprometimento do fumada na forma de feto: aborto ou mal- cristais ou pedras. formações. l É cinco vezes mais potente do que a cocaína. l Vicia rapidamente e mata de forma fulminante. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  12. 12. A euforia dura pouco Merla ü Logo induz à escalada quantitativa; l Derivada da cocaína ü Sensação de medo e de l Esta é tratada com álcalis, solvente orgânico como paranóia (nóia), o que torna querosene, gasolina ou ácido sulfúrico. os usuários agressivos. l A concentração de cocaína na merla varia de 40 a 70%. l O restante constitui-se de solução de bateria, querosene, pó de ladrilho, pó de giz, aspirina, entre outros. l É usada na forma de fumo. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Após o uso da merla § Semanas após o uso contínuo da merla, há perda de apetite, Anfetaminas ou bolinhas de peso, sonolência e cansaço constante, porém há incapacidade de conciliar o sono. q Drogas sintéticas que agem de § O uso contínuo induz a graves danos cerebrais que podem ser irreversíveis. maneira ampla. v Incapacidade de concentração. q A primeira foi a D-anfetamina v O usuário torna-se agressivo e violento. (dextroanfetamina) –1928. v O uso prolongado leva à depressão, podendo levar ao q Entrou no mercado em 1932. suicídio. v Perda progressiva do desejo sexual que conduz à q Muito usadas durante a II Guerra impotência e à frigidez. Mundial a fim de fazer os soldados v Pode causar fibrose pulmonar e, devido aos solventes, resistirem à fadiga e à fome. perda dos dentes. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  13. 13. Via de administração e mecanismo de ação Anfetaminas: uso e riscos v São tomadas como comprimidos ou injetadas na veia. v Aumentam a atividade motora. v Provocam inapetência, euforia e cortam a sonolência. Ø São usadas como moderadores de apetite. v O organismo fica em estado de Ø Devido ao risco de tolerância e de dependência só estresse, com freqüência cardíaca e podem ser vendidos sob receita médica. pressão arterial aumentadas. Ø São usadas ilegalmente para obter excitação ou reduzir v Promovem dilatação das pupilas a fadiga e o sono antes das provas ou de competições (midríase). atléticas (dopping). Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Esteróides Anabolizantes Mais conseqüências... l Classe dos hormônios sexuais masculinos, naturais ou sintéticos, Ø Com o aumento das doses, surgem que promovem e mantêm as sintomas como a esquizofrenia (a características sexuais associadas à pessoa fica irritadiça, agressiva, masculinidade, incluindo o aumento da massa muscular. começa a suspeitar que outros estão l Não há estudos que confirmem que tramando contra ela, tem há dependência, embora usuários alucinações). desta droga experimentem crises de depressão. Ø Pode levar à insônia, perda de peso danos ao fígado e aos rins, suicídio ou morte por intoxicação. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  14. 14. Efeitos colaterais dos anabolizantes em l CORAÇÃO: ambos os sexos CÉREBRO: l aumento do músculo cardíaco, que pode levar a l 1. dores de cabeça infarto em jovens. l 2. tonturas l 3. aumento da agressividade l FÍGADO E SISTEMA DIGESTIVO: l 4. irritação l 5. alteração do humor l1. O órgão passa a trabalhar demais. Foram registrados l 6. comportamento anti-social casos de tumor, cirrose, icterícia, tumor e peliosis hepatis l 7. paranóia (cistos cheios de sangue que podem levar a hemorragias). l 8. depressão l2. náuseas e vômitos. l 9. excitação e insônia Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela l RINS E APARELHO URINÁRIO: 1. edema devido à retenção de água e sais minerais (sódio, cloretos, fosfato, potássio e cálcio). Os rins ficam sobrecarregados e, em longo prazo, podem aparecer tumores, queimação e dores ao urinar. l MÚSCULOS E LIGAMENTOS: l 1. aumento da massa muscular pelo depósito de l APARELHO REPRODUTOR: proteínas nas fibras musculares. l 1. infertilidade l 2. diminuição da quantidade de gordura do corpo. l 2. aumento da libido inicialmente e queda depois do uso repetido l 3. mais chance de ruptura de ligamentos. l PELE: l SISTEMA CIRCULATÓRIO E IMUNOLÓGICO: l 1. acne (tipo grave que deixa cicatrizes no l 1. redução do bom colesterol (HDL) e aumento do mau colesterol rosto e no corpo) (LDL), o que pode levar à hipertensão arterial. l 2. estrias l 2. aumento do número de hemácias jovens e diminuição dos l 3. padrões masculinos de calvície glóbulos brancos de defesa. l 4. calafrios l 3. anemia ferropriva (por deficiência de ferro). Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  15. 15. l OSSOS: Em homens: l • irritabilidade na bexiga l • ginecomastia (desenvolvimento Na puberdade, os anabolizantes excessivo da glândula mamária do homem); aceleram o fechamento das epífises l • aumento da freqüência de (regiões de ossos responsáveis pelo ereções inicialmente, podendo crescimento), reduzindo o período levar à impotência com o uso prolongado; de crescimento e resultando em l • atrofia testicular; uma estatura menor. l • oligospermia (baixa de espermatozóides), podendo levar à infertilidade (são necessários de seis a 30 meses para que o homem volte à produção normal de espermatozóides). Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Em mulheres: l • hipertrofia do clitóris Drogas Depressoras do SNC l • engrossamento da voz l • irregularidade menstrual l Álcool l • aumento de pêlos faciais e no corpo l Inalantes,Solventes ou Voláteis (lança- l • Padrão masculino de perfume, cheirinho-da-loló, cola etc.) calvície l Narcóticos: ópio e derivados (morfina, l • virilização codeína, heroína etc) l Barbitúricos (sedativos) e Benzodiazepínicos (tranquilizantes) Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  16. 16. Conseqüências do uso abusivo do álcool Alcoolismo em mulheres l Afeta o funcionamento dos rins, fígado, coração e cérebro, provocando lesões significativas. l A mulher alcoólatra, mesmo que pare de beber na gravidez, se tiver feito uso do álcool três meses antes da fertilização do ovócito II, poderá comprometer a inteligência, o desenvolvimento motor, o peso e até provocar mal-formações no feto. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Alcoolismo em homens Características da dependência: l Compulsão l Perda de controle l Dependência psíquica e física l Tolerância Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  17. 17. Efeitos do álcool Álcool e Gravidez l O consumo de álcool durante a gravidez expõe a criança aos Os efeitos do álcool dependem de fatores efeitos do álcool. O mais grave desses efeitos é a Síndrome como: a quantidade de álcool ingerido em Alcoólica Fetal. determinado período, uso anterior de álcool e a concentração de álcool no sangue. 1. Doses até 99mg/dl: sensação de calor/rubor facial, prejuízo de julgamento, diminuição da inibição, coordenação reduzida e euforia; 2. Doses entre 100 e 199mg/dl: aumento do prejuízo do julgamento, humor instável, diminuição da atenção, diminuição dos reflexos e incoordenação motora; 3. Doses entre 200 e 299mg/dl: fala arrastada, visão dupla, prejuízo de memória e da capacidade de concentração, diminuição de resposta a estímulos, vômitos; 4. Doses entre 300 e 399mg/dl: anestesia, lapsos de memória, sonolência; 5. Doses maiores de 400mg/dl: insuficiência respiratória, coma, morte. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela O ÁLCOOL REALMENTE SÍNDROME ALCOÓLICA ATRAPALHA O FETAL JULGAMENTO??? Segundo pesquisa realizada na Universidade de Glasgow, na Escócia, 1 litro de cerveja ou 4 copos de vinho aumentam o “ sex appeal”das outras pessoas em até 25%. Portanto... Cuidado!!! Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  18. 18. Inalantes, solventes e Síndrome da abstinência voláteis l Queda de pressão, taquicardia, l Esmaltes, colas, tintas, tinner, propelentes, gasolina, removedores e alterações físicas, sudorese, distúrbios vernizes contém estes solventes. gastrintestinais e, às vezes, até l Voláteis como o éter etílico, clorofórmio, cloreto de etila (presente no lança convulsões. perfume), óxido nitroso (gás hilariante), acetona, tolueno, gasolina e outros podem provocar, quando inaladas, vertigem, embriaguez e euforia. l A mucosa pulmonar é a principal via de absorção. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela –Quarta fase: depressão tardia c pode chegar à inconsciência, queda da pressão, sonhos Inalantes - Efeitos estranhos, podendo ainda a pessoa apresentar surtos de convulsões ("ataques"). Esta fase ocorre com freqüência entre aqueles cheiradores De acordo com o aparecimento dos efeitos que usam saco plástico e após um certo tempo já após inalação de solventes, eles foram não conseguem afastá-lo do nariz e assim a divididos em quatro fases: intoxicação torna-se muito perigosa, podendo mesmo levar ao coma e morte. –Primeira fase: é a chamada fase de excitação e é a desejada c euforia, excitação, tonturas e perturbações auditivas e visuais. USO CRÔNICO –Segunda fase: a depressão do SNC começa a l danos à medula óssea, rins, fígado e pulmões; predominar c confusão mental, desorientação, voz pastosa, l alterações no ritmo cardíaco e depressão respiratória. visão embaçada, perda do autocontrole, dor de cabeça, palidez; a pessoa começa a ver ou ouvir coisas. l alteração da consciência, amnésia, fotofobia, irritação da conjuntiva, náuseas, diarréias, dores no peito, nas –Terceira fase: a depressão se aprofunda c redução articulações e nos músculos. acentuada do alerta, incoordenação ocular (a pessoa não consegue mais fixar os olhos nos objetos), incoordenação l dificuldade de concentração e déficit de memória; motora com marcha vacilante, a fala "enrolada", reflexos l destruição de neurônios causando lesões irreversíveis deprimidos; já pode ocorrer evidentes processos do cérebro. alucinatórios. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  19. 19. l Na medicina são agentes eficazes para o alívio da dor intensa. São empregados, Narcóticos também, para suprimir a tosse e controlar a diarréia. l Entre os narcóticos, destacam-se o l Com a devida orientação médica, os narcóticos são administrados por via oral ópio, um suco espesso retirado da ou por via intramuscular. papoula (uma planta cultivada na Ásia), e seus derivados, como a l Como drogas de abuso, no morfina, a codeína, e a heroína, entanto, podem ser cheirados, chamados coletivamente opiáceos. fumados ou auto- l Existem drogas sintéticas com ação administrados por vias mais semelhante à dos opiáceos, diretas através de injeções chamadas opióides: meperidina, sub-cutâneas (“bolha dérmica” e) endovenosas propoxifeno, metadona, ziperol. (“pico”). Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela l Os narcóticos sendo usados através de injeções dentro das veias, ou em doses maiores por via oral podem causar grande depressão respiratória e cardíaca. Dependência l A pessoa perde a consciência, fica de cor meio azulada porque a respiração fica muito l Dependência psíquica rápida, fraca e a pressão arterial cai a ponto de o sangue não circular direito: é o estado de seguida de dependência física. coma, que se não for atendido pode levar à l Síndrome de abstinência: morte. l Além disso, como muitas vezes o uso é feito náuseas, vômitos, diarréia, por injeção, com freqüência os dependentes cãibras musculares, cólicas acabam também por pegar infecções como hepatite e AIDS. intestinais, lacrimejamento, corrimento nasal, etc, que pode durar até 8-12 dias. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  20. 20. l Deterioração física: † emagrecimento, facilidade Sedativos e tranqüilizantes para adquirir infecções. l Sedativos: medicamentos capazes de diminuir a atividade l Deterioração psíquica: do SNC, principalmente quando ele está num estado de excitação acima do normal Æ Também chamados calmantes † falta de memória, ou sedantes. Ex.: barbitúricos. perda de raciocínio e de Æ Quando são capazes de diminuir a dor Æ analgésicos. atenção. Æ Quando são capazes de afastar a insônia, produzindo o sono Æ hipnóticos ou soníferos. l Deterioração social: Æ Quando são capazes de conter convulsões Æ † falta de energia para o anticonvulsivos. trabalho e outras atividades l Tranquilizantes: aliviam estados de ansiedade (ansiolíticos), depressão (antidepressivos), tensão e os do dia-a-dia, bem como espasmos musculares (anticonvulsivos). Também são impotência sexual. comercializados como sedativos ou hipnóticos. Ex.: benzodiazepínicos. l Quando não está drogado, o Æ Promovem indução de sono, relaxamento muscular, viciado em narcóticos fica sem redução do estado de alerta Æ prejuízo das funções ânimo, apático e sem energia psicomotoras e dos processos de aprendizagem e memória. para as atividades corriqueiras. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela l Barbitúricos: l De ação ultracurta: produzem anestesia dentro de 1 minuto após administração endovenosa; efeito de breve duração Æ indesejáveis para fins de abuso. Ex.: hexobarbital (Sombulex), metohexital Síndrome da abstinência (Brevital), tiamilal Pentothal) l De ação curta e intermediária: após administração por via oral o tempo de início de sua ação é de 15 a 40 minutos e a duração é de l Vai desde insônia rebelde, irritação, até 6 horas Æ mais procurados por toxicômanos. Ex.: pentobarbital (Nembutal), secobarbital (Seconal) e anobarbital (Amytal) agressividade, delírios, ansiedade, l De ação prolongada: apresentam tempos de início de ação de até uma hora e duração de até 16 horas. São usados na medicina angústia, até convulsões generalizadas. como sedativos, hipnóticos e anticonvulsivos Æ não são alvo do mercado ilícito. Ex.: fenobarbital (Luminal), mefobarbital (Mebaral), l A síndrome de abstinência requer metarbital (Gemonil) obrigatoriamente tratamento médico e l Dependência física e psíquica, tolerância . l Doses altas: hospitalização, pois há perigo da † depressão, amnésia e confusão mental, podendo bloquear os pessoa vir a falecer. centros nervosos responsáveis pela circulação e pela respiração, o que determina a morte. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  21. 21. l Benzodiazepínicos: Drogas perturbadoras do SNC l Início de ação lento e duração longa. l São necessárias grandes doses (20 a 40 vezes l Maconha mais altas) para trazer efeitos mais graves Æ a l Ecstasy (êxtase) pessoa fica mole, com dificuldade para andar ou ficar de pé, a pressão sangüínea cai e pode até l Alucinógenos desmaiar Æ dificilmente entra em coma e/ou l Anticolinérgicos morre Æ situação muda quando são ingeridos juntamente com o álcool ou outra droga. Woodstock 69 l Uso prolongado Æ dependência física e psíquica. l Demora na manifestação da síndrome de abstinência Æ lenta eliminação da droga. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Woodstock - Artistas do Rock Maconha l Drogas obtida da planta Canabis sativa, cujo princípio ativo é o delta-9-tetra- JERRY GARCIA/ hidrocanabinol (THC). BOB WEIR JANIS JIMI HENDRIX ROGER Grateful Dead l Com 140 milhões de usuários e DALTREY JOPLIN Jerry Garcia, morta em 4 de Outubro de 1970 morto em 18 de Setembro de 1970 aos 27 anos The Who diabético, morreu de ataque cardíaco em 5.000 anos de história, a aos 27 anos. Considerada a maior Guitarrista mais influente virtude de consumo cantora de blues branca da de todos os tempos. de drogas. maconha é a droga ilícita mais história. No auge da carreira Morreu sufocado em seu morreu de uma overdose de heroína no Landmark Hotel em próprio vômito amarrado em uma maca a caminho popular do planeta e também a Los Angeles. Foi cremada e suas do hospital por causa de cinzas jogadas na costa de Marin County na Califórnia. O álbum uma overdose de barbitúricos. mais polêmica. Pearl que ela deixou gravado foi lançado após sua morte. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  22. 22. Atuação no SNC Maconha q Efeitos variam com: † quantidade consumida, † partes da planta que entram na mistura, † terreno em que a erva é cultivada, † ambiente em que ela é consumida, † constância do uso, † personalidade do fumante. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Maconha Efeitos Crônicos l Possíveis efeitos: Æ euforia, relaxamento das l Físicos: inibições, aumento do apetite, Æ bronquite, asma, faringite, enfizema e comportamento desorientado. câncer (devido ao benzopireno). l Efeitos de super-dosagem: Æ diminui em até 50-60% a quantidade de testosterona Æ redução da quantidade de Æ fadiga, paranóia, possível espermatozóides Æ infertilidade. psicose. Æ redução da imunidade Æ predisposição l Abstinência: para doenças infecciosas. l Æ insônia, hiperatividade e casos de diminuição de apetite ocasionalmente relatados. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  23. 23. q Psíquicos: Æ redução da capacidade de Ecstasy (Êxtase) aprendizagem e memorização, Ø Sintetizada e patenteada em 1914 por um laboratório Æ amotivação Æ não sentir vontade de alemão. fazer mais nada, pois tudo fica sem Ø Droga conhecida como MetilenodioxiMetAnfetamina graça e importância (síndrome amotivacional). (MDMA), desenvolvida, inicialmente, para ser moderador de apetite. Æ dependência psíquica Æ algumas pessoas. Ø É um coquetel produzido a partir de anfetaminas e Æ tolerância. alucinógenos. Æ o dependente se afasta da família, do trabalho e do lazer, para ficar usando a droga. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela ü A combinação da droga com a Características música produz um estado de transe similar ao experimentado em rituais tribais ou em q Provoca dependência psíquica e pode levar cerimônias religiosas. à morte. ü Os efeitos são percebidos em q É conhecida como droga do amor – torno de 30 min, já que leva algum suposto afrodisíaco –provoca excitação tempo para a droga atingir o SNC. quase incontrolável no usuário. üA substância aumenta a concentração de serotonina q Aflora a libido. (neurotransmissor que regula o humor, o sono, a atividade sexual, o q Sensação de bem-estar. apetite, o ritmo circadiano, as funções neuroendócrinas, temperatura q Aumenta o desejo, mas prejudica o corporal, sensibilidade à dor, atividade motora e funções cognitivas) e de dopamina (neurotransmissor relacionado a sensações de satisfação e desempenho... prazer). q No homem diminui em 50% a capacidade üO“ barato”pode durar até 8h. de ereção e torna o orgasmo difícil. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  24. 24. q Em primeiro momento, o usuário fica falante, feliz, seguro de si, receptivo ao contato social e com sensualidade em alta. Conseqüências q Não se anime: q Tais efeitos, porém, são passageiros! Ø Muitas pessoas morrem por reações q Durante a “ viagem”são freqüentes alérgicas. acidentes como insuficiência hepática e renal, convulsões, hemorragia cerebral Ø Muitas mortes são causadas, até morte súbita. principalmente, quando o q O revertério deve-se ao aumento de ecstasy é usado em associação temperatura (chega até 42º), seguido de com outras drogas como a sudorese e desequilíbrio cocaína e o álcool. hidroeletrolítico. Ø Quando não mata, pode causar q É conveniente relatar casos de dois usuários que morreram por excesso de consumo de água –um distúrbios como a síndrome do chegou a beber 14L de água: essa droga desequilibra pânico, depressão, déficit de o sistema antidiurético. memória, delírios e alucinações. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela § Muitas vezes, as alucinações consistem de pesadelos Alucinógenos aterrorizantes, acompanhados de sentimentos de medo e de pânico, com impulsos ü LSD (dietilamida do ácido lisérgico). violentos e suicidas. ü Mescalina (extraída do cacto peiote). § Há dependência psíquica ü Psilocibina (obtida de um cogumelo em graus variáveis. mexicano). § A tolerância desenvolve ü Vinho de Jurema (preparado à base da planta brasileira Mimosa hostilis). rapidamente, embora ü Caapi e Chacrona (plantas desapareça rápido com o alucinógenas utilizadas juntamente cessar o uso. com bebidas). § Não há desenvolvimento da síndrome da abstinência. ü Pó-de-anjo (PCP) § Pode ocorrer sintomas físicos pouco salientes como dilatação das pupilas, suor excessivo, taquicardia e náuseas seguidas de vômitos. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  25. 25. ALUCINÓGENOS - EFEITOS LSD l Possíveis efeitos: Æ ilusões, alucinações, fraca percepção q O LSD provoca lesões nos cromossomos das células do tempo e da distância. nervosas, nos glóbulos brancos do sangue e nas células reprodutoras, pode causar danos não somente l Efeitos de superdosagem: ao organismo de quem usa, mas também, aos filhos que venha a ter. Æ episódios de “ viagem” mais q Devido à perturbação psíquica promovida pelo LSD- prolongados e mais intensos, psicose, 25, há perda da habilidade de perceber e avaliar possível morte. situações comuns de perigo. q Semanas ou até meses após experiências com LSD, a pessoa repentinamente passa a ter todos os sintomas psíquicos daquela experiência anterior, isto é, sem ter tomado de novo a droga Æ Flashback. Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela Ø Efeitos físicos: Æpupilas muito dilatadas, Anticolinérgicos Æ boca seca Æ taquicardia Æ intestinos paralisados l Incluem nesse grupo: Æ bexiga preguiçosa Æ planta trombeteira ou lírio Æ elevação da temperatura corporal Æ medicamentos: Artame, Akineton (até 40-41° C) Akineton e Bentyl. Ø Efeitos psíquicos: l Podem produzir, em doses Æ alucinações do tipo percepção elevadas, alterações nas mental sem objeto (ver ratos, índios e funções psíquicas. estrelas quando esses objetos não existem, por exemplo). Ana Luisa Miranda Vilela Ana Luisa Miranda Vilela
  26. 26. Abuso no Brasil Ø O abuso de anticolinérgicos é relativamente comum no Brasil e tem sido responsável por internações de emergência. O Artame chega a ser a terceira droga mais usada pelos meninos de rua (após os inalantes e a maconha). Essas drogas não desenvolvem tolerância e não há descrição de síndrome de abstinência. Ana Luisa Miranda Vilela
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×