DIAGNÓSTICO
POR
IMAGEM
História dos Raios-x
   Em 8 de novembro
    de 1895, o
    professor de física
    teórica, Doutor
    Wilhelm Conrad
  ...
História dos Raios-x

   A primeira
    radiografia da
    história foi a da
    mão esquerda
    de Anna Bertha
    Ludw...
História dos Raios-x
   O artigo original de Röntgen, "Um novo tipo de
    Raios-X", foi publicado 50 dias depois em 28 d...
História dos Raios-x
   No Brasil, o médico Francisco Pereira das Neves
    iniciou suas experiências com os raios X no i...
História dos Raios-x
   Em 1950, surgiu o intensificador de imagens e a
    automação.
   Em 1958, teve início a utiliza...
O que são os raios X?
   Os raios X são uma forma de energia eletromagnética
    de comprimento de onda muito curto, meno...
Radiografia
Densidade Radiológica
     MEIO     ABSORÇÃO           IMAGEM

Metal         Total      Branca brilhante

Cálcio        Gr...
Tomografia Computadorizada
   A TC obtém uma série de diferentes
    projeções angulares de raio X que são
    processada...
TC
TC
TC 3D - Próstata
Ressonância Nuclear Magnética

   Imagem por RNM combina um
    campo magnético forte e a energia
    de radiofreqüência ...
RNM
RNM
RNM / PET
Ressonância Magnética Funcional
TC multislice ou Multidetectores
TC multislice ou Multidetectores
TC multislice ou Multidetectores
TC multislice ou Multidetectores
TC multislice ou Multidetectores
Angiorresonância Magnética
Ultra-Som
   Resultam das propriedades de ondas
    sonoras de alta freqüência (ondas
    longitudinais) e de suas intera...
US
US 3D
Raio X Acadêmico
   a) Cada procedimento radiológico deve ser
    assentado, constando de:
   (i) data do exame, nome e endereço completo...
Radiografia Tórax PA Normal
Radiografia Tórax – Perfil Normal
Hipertensão Pulmonar
Pneumonia por Chlamydia pneumoniae
Fibrose Pulmonar / Polimiosite
Metástase Múltipla
Pneumotórax Bilateral
TC Tórax
Janela Pulmonar
Nódulo Pulmonar Solitário
TC Tórax
Janela Mediastino
Aneurisma Biloculado da Aorta
Ecografia com Doppler Colorido
da Artéria Carótida
Marcapasso cardíaco
Radiografia PA Crânio
Radiografia Perfil de Crânio
Radiografia Perfil de Crânio
Coluna Cervical em AP
Coluna Cervical Perfil
TC vértebra cervical
Calcificação Carótida
Coluna Lombar T1 e T2
Coluna Lombar Planejamento Axial
Escoliose
Escoliose
Hérnia Discal
Retificação Lordose Cervical
Espondiloartrose
Fatura Vertebral - osteoporose
Fratura Vertebral - RNM
Mieloma
RX do Beijo
Ombro
Ombro
Fratura por PAF
Fratura Colo Umeral
Cotovelo
Osteossíntese Olécrano
Aumento Massa Óssea em Tenista
Fratura Rádio
Fratura de Rádio
Carcinoma de Rádio
Quadril
Quadril
Panorâmica de Quadris
Sacro
Fratura Colo Femoral
Fratura Colo Femoral
Prótese Total Quadril (artroplastia)
Fratura Diafisária fêmur
Joelho
Fratura Patela
Artrorressonância joelho
Condroma
Tumor ósseo
Cisto de Backer
Tíbia e Fíbula
Tíbia e Fíbula
Tíbia e Fíbula
Rádio e Ulna
Tornozelo
Tornozelo
Joanete (pré e pós operatório)
Punho e Mão
Pé
Pé
Mamografia
RNM Mama
Nódulos Bilaterais Densos
TC Crânio - planejamento
RM do Encéfalo - Sagital
RM Encéfalo - Axial
RM Encéfalo - Coronal
RM Planejamento Axial e Coronal
RNM Coronal Cervical
RNM Coronal Tronco
RNM Coronal Pelve
RNM Coronal - Joelhos
RNM Coronal Perna e Pé
Anatomia AVE
AVE Hemorrágico
AVE Isquêmico
Tumor Calcificado
Cores Axiais
Plataforma de Força
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá

14,328

Published on

Diagnóstico por imagem para alunos de Fisioterapia e Enfermagem UCB.

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
15 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
14,328
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
840
Comments
0
Likes
15
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá

  1. 1. DIAGNÓSTICO POR IMAGEM
  2. 2. História dos Raios-x  Em 8 de novembro de 1895, o professor de física teórica, Doutor Wilhelm Conrad Röntgen, descobriu os raios X, em Würzburg (Alemanha).
  3. 3. História dos Raios-x  A primeira radiografia da história foi a da mão esquerda de Anna Bertha Ludwig Röntgen, sua mulher.
  4. 4. História dos Raios-x  O artigo original de Röntgen, "Um novo tipo de Raios-X", foi publicado 50 dias depois em 28 de Dezembro de 1895. A 5 de Janeiro de 1896, um jornal austríaco relatou a descoberta de um novo tipo de radiação por Röntgen. Foi atribuído a Röntgen um título honorário de Doutor em Medicina pela Universidade de Würzburg após a sua descoberta. Ele publicou um total de 3 artigos sobre raios-X entre 1895 e 1897. Nenhuma das suas conclusões até agora provaram ser falsas. Atualmente, Röntgen é considerado o pai da radiologia de Diagóstico, a especialidade médica que utiliza imagem para o diagnóstico de doenças.
  5. 5. História dos Raios-x  No Brasil, o médico Francisco Pereira das Neves iniciou suas experiências com os raios X no início de 1896, no gabinete de física da Faculdade Nacional de Medicina (atual Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ). Em 22 de dezembro deste mesmo ano, foi realizada a primeira radiografia a serviço da medicina clínica, na cidade do Rio de Janeiro.  A abreugrafia, idealizada por Manoel Dias de Abreu, surgiu em março de 1937, no Rio de Janeiro, e foi um método de grande importância na época em razão da epidemia de tuberculose.
  6. 6. História dos Raios-x  Em 1950, surgiu o intensificador de imagens e a automação.  Em 1958, teve início a utilização médica do ultra- som.  A tomografia computadorizada (TC), que consiste basicamente na associação de um aparelho de raios X com um computador, surgiu no início da década de 1970.  O aparelho da ressonância nuclear magnética (RNM), com obtenção de imagens através de campos magnéticos potentes, no final da década de 1970, representou um novo impulso no diagnóstico através de imagens.
  7. 7. O que são os raios X?  Os raios X são uma forma de energia eletromagnética de comprimento de onda muito curto, menor que 1 Angström. Propriedades  atravessam objetos;  São absorvidos pelos objetos que atravessam;  Produzem radiações secundárias em todos os corpos que atravessam;  Fazem fluorescer certos sais metálicos;  Enegrecem emulsões fotográficas;  Propagam-se em linha reta;  Ionização, transformam gases em condutores elétricos;  Exercem efeito biológico.
  8. 8. Radiografia
  9. 9. Densidade Radiológica MEIO ABSORÇÃO IMAGEM Metal Total Branca brilhante Cálcio Grande Branca Água (partes Média Cinza moles) Gordura Pouca Quase preta Ar Nenhuma preta
  10. 10. Tomografia Computadorizada  A TC obtém uma série de diferentes projeções angulares de raio X que são processadas por um computador para fornecer uma secção de determinada espessura.  Os exames do encéfalo, da medula espinhal, do aparelho musculoesquelético e do tórax não necessitam de nenhuma preparação especial. Os estudos do abdome e da pelve quase sempre requerem opacificação do trato gastrointestinal com uma solução de meio de contraste diluída (composto de bário).
  11. 11. TC
  12. 12. TC
  13. 13. TC 3D - Próstata
  14. 14. Ressonância Nuclear Magnética  Imagem por RNM combina um campo magnético forte e a energia de radiofreqüência para estudar a distribuição e o comportamento dos prótons de hidrogênio na gordura e na água.
  15. 15. RNM
  16. 16. RNM
  17. 17. RNM / PET
  18. 18. Ressonância Magnética Funcional
  19. 19. TC multislice ou Multidetectores
  20. 20. TC multislice ou Multidetectores
  21. 21. TC multislice ou Multidetectores
  22. 22. TC multislice ou Multidetectores
  23. 23. TC multislice ou Multidetectores
  24. 24. Angiorresonância Magnética
  25. 25. Ultra-Som  Resultam das propriedades de ondas sonoras de alta freqüência (ondas longitudinais) e de suas interações com os tecidos biológicos que vão formar os ecogramas.  Uma onda sonora de determinada freqüência (3,5 a 10 MHz) é produzida por princípios piezoelétricos. O tamanho e a forma do cristal emissor e sua freqüência ressonante são fatores importantes na determinação do curso do feixe sonoro no interior dos tecidos a serem examinados.
  26. 26. US
  27. 27. US 3D
  28. 28. Raio X Acadêmico
  29. 29.  a) Cada procedimento radiológico deve ser assentado, constando de:  (i) data do exame, nome e endereço completo do paciente, sexo, idade, indicação do exame, tipo de procedimento radiológico realizado, quantidade de filmes utilizados e, quando aplicável, tempo de fluoroscopia, número de cortes de CT e intervalo dos cortes;  (ii) peso e técnica radiológica (kVp, mAs, distância fonte-receptor de imagem, tela- filme), quando justificável.  (iii) não é necessário um sistema de registro em separado quando for possível recuperar a informação requerida com referência a outros.
  30. 30. Radiografia Tórax PA Normal
  31. 31. Radiografia Tórax – Perfil Normal
  32. 32. Hipertensão Pulmonar
  33. 33. Pneumonia por Chlamydia pneumoniae
  34. 34. Fibrose Pulmonar / Polimiosite
  35. 35. Metástase Múltipla
  36. 36. Pneumotórax Bilateral
  37. 37. TC Tórax Janela Pulmonar
  38. 38. Nódulo Pulmonar Solitário
  39. 39. TC Tórax Janela Mediastino
  40. 40. Aneurisma Biloculado da Aorta
  41. 41. Ecografia com Doppler Colorido da Artéria Carótida
  42. 42. Marcapasso cardíaco
  43. 43. Radiografia PA Crânio
  44. 44. Radiografia Perfil de Crânio
  45. 45. Radiografia Perfil de Crânio
  46. 46. Coluna Cervical em AP
  47. 47. Coluna Cervical Perfil
  48. 48. TC vértebra cervical
  49. 49. Calcificação Carótida
  50. 50. Coluna Lombar T1 e T2
  51. 51. Coluna Lombar Planejamento Axial
  52. 52. Escoliose
  53. 53. Escoliose
  54. 54. Hérnia Discal
  55. 55. Retificação Lordose Cervical
  56. 56. Espondiloartrose
  57. 57. Fatura Vertebral - osteoporose
  58. 58. Fratura Vertebral - RNM
  59. 59. Mieloma
  60. 60. RX do Beijo
  61. 61. Ombro
  62. 62. Ombro
  63. 63. Fratura por PAF
  64. 64. Fratura Colo Umeral
  65. 65. Cotovelo
  66. 66. Osteossíntese Olécrano
  67. 67. Aumento Massa Óssea em Tenista
  68. 68. Fratura Rádio
  69. 69. Fratura de Rádio
  70. 70. Carcinoma de Rádio
  71. 71. Quadril
  72. 72. Quadril
  73. 73. Panorâmica de Quadris
  74. 74. Sacro
  75. 75. Fratura Colo Femoral
  76. 76. Fratura Colo Femoral
  77. 77. Prótese Total Quadril (artroplastia)
  78. 78. Fratura Diafisária fêmur
  79. 79. Joelho
  80. 80. Fratura Patela
  81. 81. Artrorressonância joelho
  82. 82. Condroma
  83. 83. Tumor ósseo
  84. 84. Cisto de Backer
  85. 85. Tíbia e Fíbula
  86. 86. Tíbia e Fíbula
  87. 87. Tíbia e Fíbula
  88. 88. Rádio e Ulna
  89. 89. Tornozelo
  90. 90. Tornozelo
  91. 91. Joanete (pré e pós operatório)
  92. 92. Punho e Mão
  93. 93.
  94. 94.
  95. 95. Mamografia
  96. 96. RNM Mama Nódulos Bilaterais Densos
  97. 97. TC Crânio - planejamento
  98. 98. RM do Encéfalo - Sagital
  99. 99. RM Encéfalo - Axial
  100. 100. RM Encéfalo - Coronal
  101. 101. RM Planejamento Axial e Coronal
  102. 102. RNM Coronal Cervical
  103. 103. RNM Coronal Tronco
  104. 104. RNM Coronal Pelve
  105. 105. RNM Coronal - Joelhos
  106. 106. RNM Coronal Perna e Pé
  107. 107. Anatomia AVE
  108. 108. AVE Hemorrágico
  109. 109. AVE Isquêmico
  110. 110. Tumor Calcificado
  111. 111. Cores Axiais
  112. 112. Plataforma de Força
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×