• Like
Aurelio paz dos reis   final
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Aurelio paz dos reis final

  • 580 views
Uploaded on

Produção audiovisual 1 2012 …

Produção audiovisual 1 2012
Pequisa de Autor
sara Machado 50626

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
580
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
4
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Aurélio Paz dos ReisProdução Audiovisual I Sara Machado 50626
  • 2. Biografia• Pioneiro do cinema português, Aurélio Paz dos Reis nasceu a 28 de julho de 1862 na cidade do Porto, onde faleceu a 19 de setembro de 1931.• Comerciante e floricultor, fundou a Flora Portuense (primeira casa do género no País, que exportou flores e sementes, vindas de campos de ensaio próprios)
  • 3. • Também reconhecido com um activo democrata, participou no movimento revolucionário de 31 de janeiro de 1891, acabando por figurar mais tarde entre os principais apoiantes da República.• Era também fotógrafo amador e gostava de tirar retratos a gentes do teatro. Explorava a estereoscopia, a fotografia em relevo.
  • 4. • Quando soube que os irmãos Lumièr tinham construído os primeiros aparelhos de filmagem e projeção cinematográfica, partiu para Paris onde adquiriu, logo em 1896, uma máquina de filmar e projetar, e realizou e exibiu nesse mesmo ano, pela primeira vez, no Porto, 27 pequenos filmes.• O Kinematógrafo Português (designação usada por Paz dos Reis para referir o cinématografo inventado pela família Lumière) foi apresentado em sessão pública no Porto, no Teatro do Príncipe Real, ( o actual Teatro Sá da Bandeira) no dia 12 de Novembro de 1896. Este eram filmes com a duração de cerca de um minuto.
  • 5. Paz dos Reis e o Cinema• Cinema português nasce pela mão de Aurélio Paz dos Reis embora Portugal já tivesse assistido ao rodar da manivela por Harry Short.• Paz dos Reis forma uma sociedade com o seu cunhado, fotógrafo de profissão, Francisco Bastos Júnior com a ideia de comprar um cinematógrafo aos irmãos Lumière. Eles metem-se então a caminho e vão até Lyon. Os irmãos franceses porém, que de dinheiro não precisam - basta o que lhes dá o negócio paterno da fotografia – e que respeitam os desígnios do augusto pai de não alienar o invento, não o vendem.
  • 6. • Paz dos Reis não desiste e faz seAo Caminhopara conseguir realizar oseu objectivo.• Os dois viajantes dão a volta aoInfortúnio comprando uma máquinade filmar a outros dois irmãos.São eles os Werner, estabelecidos naCidade da Luz.Tinham eles lançadoNo mercado um Aparelhocronofotográfico, uma variante do cinematógrafo, com diferente mecânica mascapaz de filmar tão bem como a máquina dos seus célebres inventores.
  • 7. • É com esta maravilha que Paz dos Reis se põe a filmar em frente da loja do fiel amigo, mal chegam da França ficando fascinado com as imagens vistas na tela e vendo aquilo que com elas pode conseguir.• Paz dos Reis dá início a uma longa série «de variados e assinaláveis quadros kinematográficos».
  • 8. • Em 12 de Dezembro de 1896, Aurélio da Paz dos Reis apresenta no Teatro do Príncipe Real o fruto do seu "Kinetographo Portuguez", a primeira sessão portuguesa de cinema com filmes portugueses filmados por um português. O público acede e aplaude e o Kinetographo dirige-se para Braga para novas sessões, regressando de novo para o Porto e depois para o Rio de Janeiro.• Em terras brasileiras e devido sobretudo a falhas técnicas, Aurélio da Paz dos Reis, não consegue fazer singrar o seu trabalho. Desiludido regressa a Portugal a 24 de Janeiro de 1897 e abandona a cinematografia
  • 9. O Cinematógrafo Português• O espectáculo de apresentação decorreu a 12 de Novembro de 1896 (Porto, Teatro do Príncipe Real). Notícias na imprensa:
  • 10. Notícias na imprensa:• Dia 12 – Jornal de Noticias: «O espectáculo dehoje apresenta o Kinetógrafo Português, sendoexibidos12 perfeitíssimos quadros, 7 nacionais e 5estrangeiros.Os quadros portugueses representam o seguinte:«Jogo do Pau» (Santo Tyrso), «Saída do PessoalOperárioDa Fábrica Confiança», «Chegada de um ComboioAmericano a Caboucos», «O Zé Pereira nasRomariasdo Minho», «A Feira de S. Bento», «A Rua do Ouro»(Lisboa), «Marinha». O espectáculo é completadocom a companhia de Zarzuela que se fará ouvir naspeças Música Clássica, Las Campanelas (primeiraapresentação) e «Os Africanistas». O kinetógraphoportuguês funciona no intervalo do 2º para o 3ºacto».
  • 11. Dia 13 – Comércio do Porto: «Num dos intervalos, o Sr. Aurélio Paz dos Reis exibiu no kinematógraphovários quadros, algumas dos quais muito engraçados e que tiveram intensosaplausos».Dia 13 – O Primeiro de Janeiro: «Hontem apresentação do kinetórgrapho português, pelo Sr. Aurélio Pazdos Reis teve êxito completo. Tanto as vistas estrangeiras como as nacionais,destes principalmente «O jogo do Pau» e a «Saída das Costureiras da FábricaConfiança» foram acolhidas com grandes salvas de palmas».As projecções são retomadas em Braga, no Teatro São Gerardo (onde hoje selocaliza o Banco Portugal), a 20 e 23 de Novembro, espectáculo melhoradocom outras fitas, quase todas francesas, e com a intervenção de umilusionista de Braga chamado José Maria Avelino. Em Dezembro volta a serexibido no Porto.
  • 12. Filmografia• Feira do Gado na Corujeira;• Chegada de um Comboio Americano a Cadouços;• O Zé Pereira na Romaria de Santo Tirso;• Azenhas do Rio Ave;• O Jogo do Pau;• Rio Douro;• Mercado do Porto;
  • 13. • Cortejo Eclesiástico saindo da Sé do Porto no Aniversário da Sagração do Eminentíssimo Cardeal D. Américo;• O Vira;• A Rua do Ouro;• Marinha no Tejo;• Saída de dois Vapores;• Torre de Belém;• Avenida da Liberdade;• A Dança Serpentina (com a brasileira Cirina Polónio, dançarina internacionalmente famosa);