Your SlideShare is downloading. ×
Especial ed31
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Especial ed31

94
views

Published on

Conheça um pouco mais de nossos serviços de BOMBEIRO INDUSTRIAL em www.resgate.com

Conheça um pouco mais de nossos serviços de BOMBEIRO INDUSTRIAL em www.resgate.com


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
94
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ARQUIVO JORGE ALEXANDRE ALVES ESPECIAL / CERTIFICAÇÃO QUALIDADE AMEAÇADA Cursos livres de credenciamento internacional oferecem opção de atualização profissional, mas aluno deve estar atento a fraudes O curso apresentado na foto segue os procedimentos adequados de credenciamento 22 Emergência OUTUBRO / 2011
  • 2. O s frequentes investimentos no setor de atendimento a emergências fazem crescer a demanda por capacitação. Cada vez mais profissionais que atuam no pré-hospitalar, seja em serviços públicos ou privados, ou mesmo na primeira resposta dentro de empresas, buscam qualificar sua atuação em cursos livres e, assim, fazer frente a um mercado cuja competitividade é ascendente. A opção costuma recair sobre cursos de credenciamento internacional, cuja fonte está vinculada a instituições estrangeiras reconhecidas por sua excelência. No Brasil, tais capacitações são conhecidas por suas siglas, tendo os chamados cursos LS (Life Support - Suporte à Vida) como os mais frequentados. A busca por qualificação profissional sem critérios, contudo, pode colocar o aluno ou a empresa contratante em situações embaraçosas ou que resultem em perdas financeiras. Incluem-se aí os cursos plagiados (cópias não-autorizadas) e os crimes de estelionato (quando o curso vendido utiliza indevidamente a marca da instituição). Neste caso, o aluno pode cair em um golpe: ele não terá o credenciamento internacional que contratou, pois o instrutor não possui autorização para ministrar o curso. Júnia Shizue Sueoka, médica do GRAU Resgate, coordenadora do SAME 199 São Caetano do Sul/SP e professora de graduação em Medicina, diz que algumas pessoas tiram proveito da grande demanda no mercado e se utilizam de má fé para copiar e comercializar cursos de forma irregular, com interesse puramente financeiro. Assim, se aproveitam de profissionais ingênuos e, por vezes, oferecem valores abaixo dos oficiais, levando o aluno a fazer um curso que não obedece aos critérios de qualidade exigidos pelos núcleos oficiais e pelos detentores dos direitos autorais. “Temos que combater essas pessoas, acionando-os juridicamente para que não Reportagem de Rafael Geyger OUTUBRO / 2011 Emergência Emergência 23 23
  • 3. ESPECIAL / CERTIFICAÇÃO Paulo) em cursos da AHA (American Heart Association) e diretor do GesBrasil (Grupo de Ensino em Saúde Brasil). Entre outras informações, o documento traz o número da autorização para que o curso seja ministrado no Brasil. “É o agreement que atesta que ele é um centro credenciado”, diz. Por fim, a autenticidade é comprovada com o certificado internacional emitido. “Forjar documentos ou criar uma cortina de fumaça para vender um produto é fácil. Difícil é, ao final do curso, emitir o certificado verdadeiro”, afirma Randal. “A carteirinha que o aluno recebe em determinados cursos vem dos Estados Unidos e é mais difícil de ser falsificada”, completa Waltecir. continuem lesando os profissionais que os procuram, os quais, muitas vezes, têm poucos recursos para dispor em capacitação”, avalia ela. Diante de tal cenário, como se proteger? Como estar seguro de que o treinamento contratado é ministrado por empresa idônea e profissional devidamente autorizado? Especialistas recomendam uma série de medidas que o contratante pode adotar para certificar-se da autenticidade do produto. Na opinião de Randal Fonseca, diretor da RTI (Rescue Training International) e instrutor do NSC (National Safety Council), o aluno tem na internet uma ferramenta aliada. Nos websites (páginas oficiais) das instituições que desenvolvem os cursos e certificam instrutores e alunos, o contratante poderá consultar quais os centros de treinamento e, em alguns casos, os instrutores autorizados para ministrar aulas. Segundo ele, ao desconfiar da autenticidade do curso, o interessado pode fazer uma consulta à instituição no exterior, pois ela também terá interesse em coibir o uso indevido da marca. Um aspecto relevante a ser considerado é que cursos da linha Life Support 24 Emergência possuem um vínculo de acreditação em educação em forma de convênio. Dessa forma, um centro de treinamento é inicialmente aceito como polo de representação da entidade internacional em um determinado local (cidade, estado ou país). A dica é dada por Rosemary Provenzano Thami, diretora médica do curso ITLS (International Trauma Life Support) no Brasil e coordenadora acadêmica do SERV-RIO/CITE (Centro Integrado de Treinamento em Emergência). Ela também lembra que inexiste docência livre para tais cursos. “Ou seja, todos os instrutores têm um vínculo institucional com a organização de ensino credenciada”, completa. Também é mais seguro ter uma pessoa jurídica como provedor dos treinamentos, avalia Jorge Alexandre Alves, especialista em emergências e diretor da Fire & Rescue College Brasil. “Porém, é muito importante conhecer ainda o endereço físico dessa instituição ou se é somente virtual”, afirma. Outra medida é solicitar o agreement a quem está vendendo o curso, recomenda Waltecir Lopes, fisiologista, instrutor do Incor (Instituto do Coração de São RISCOS Durante o treinamento, o aluno deve estar atento à abordagem do instrutor para detectar possíveis desvios e, assim, evitar ser enganado. Waltecir Lopes refere ter conhecimento de casos em que materiais de instituições estrangeiras, como vídeos e livros, foram utilizados em cursos sem autorização. Seria essa uma forma ilegal e imoral de utilizar a sigla internacional do curso para captar alunos. “Colocar que um curso é AHA ou NSC e usar nomes como BLS (Basic Life Support) sem realmente ser é uma insanidade que deve ser denunciada. Estamos vivendo uma loucura e muitas pessoas estão desligadas, mas algumas falsificações são grosseiras”, diz, referindo-se a falsas credenciais de instrutores que já flagrou. O enfermeiro Thiago Nadalin Corain, instrutor da Socesp (Sociedade de Cardiologia de São Paulo), concorda que é necessário cuidado ao procurar profissionais e empresas que ofereçam treinamentos. Um dos cursos mais plagiados no Brasil é o BLS, que sofre adaptações diversas. “Não é difícil encontrar instituições oferecendo o curso de Suporte Básico à Vida, pois a maioria não é credenciada e sem a devida autorização para realizá-lo e o que é pior: com instrutores mal preparados e desatualizados”, refere. Há, ainda, casos de fraude elaborados. Randal Fonseca relata que um indivíduo tentou usar um certificado de doação ao NSC para comprovar a uma multinacional que a empresa dele era um centro de treinamento autorizado. Explica RanOUTUBRO / 2011
  • 4. ESPECIAL / CERTIFICAÇÃO SOCESP to, pois não tem o hábito esse tipo de treinamento”, reitera. dal que qualquer pessoa que Além disso, refere Randal, muitas de cobrar ou mesmo chedoe 500 dólares ao NSC recar a sua autenticidade. Já empresas estão mais interessadas no ceberá um diploma de para Jorge Alexandre Al- certificado do que no aprendizado. “O membro da instituição, mas ves, quando o curso é pro- número de propostas que recebemos que ser membro doador não curado por pessoa física, para vender certificado é alto”, diz. “Não o autoriza a ministrar curo menor preço costuma vendemos, mas sabemos que há quem sos do NSC. ser adotado como princi- o faça, entregando certificados sem comDe posse do papel, o estepal fator de escolha, asso- provação do aprendizado”, completa. lionatário ofereceu uma ciado à localização próxiqualificação criada por ele A credencial do NSC só é entregue ma da sua residência e do após aprovação do aluno na avaliação próprio, como se tivesse o perfil do grupo de partici- prática e no exame escrito, em que consuso autorizado pelo NSC. pantes, como gênero, faixa te a assinatura do aluno solidária com a Também comprou um ma- Thiago: cuidar treinamentos nequim de treinamento junto ao depar- etária e profissão. do instrutor. Os centros de treinamenPor sua vez, Randal Fonseca relata o to NSC devem enviar também uma foto tamento de vendas do NSC e alegou que a instituição havia, inclusive, enviado a caso de uma empresa que precisava que dos alunos com os equipamentos obriseus funcionários tivessem o certifica- gatórios. Mesmo que lentamente, avalia ele tal material para o curso. A multinacional detectou o risco e do internacional para prestar serviços a Randal, a prática tem dado resultados. consultou o NSC nos EUA, que já ha- uma multinacional. Um instrutor do “Os centros de treinamento que quevia estranhado o pedido de urgência do NSC, então, ofereceu uma proposta com rem ser sérios, vingarão. Temos visto indivíduo em receber seu certificado de credenciamento NSC e outra sem o ma- modificações promissoras, substituindo doador. “Tivemos que interromper a terial didático do NSC, mas com menor a velha cultura do jeitinho brasileiro”, ação de um indivíduo que tentou se lo- preço e certificado doméstico, assinado diz. cupletar do trabalho do NSC para ven- por ele. Ele ressalta ainda que o aluno que opta A escolha foi pela oferta mais barata, por aprender tem como retorno a gratider um produto feito na sua cozinha, dizendo que aquele produto estava endos- mas a credencial não foi aceita pela mul- ficação pelo aprendizado. “Ser esperto sado por uma instituição internacional, tinacional, pois não cumpria os requisi- é fazer a coisa certa, não é permanecer tos internacionais para a formação do na ignorância. Esperteza é ensinar corsem realmente estar”, reclama Randal. Para Rosemary Provenzano, as ativida- aluno e, assim, os funcionários da con- retamente e, no dia em que o filho, o des ilícitas ocorrem em razão da lacuna tratada não puderam trabalhar. “Quem cônjuge ou o colega de trabalho de um deixada pela educação formal, já que há compra um curso alternativo é tão cri- socorrista bem formado precisar, ele um hiato educacional com relação ao en- minoso quanto o instrutor que oferece saberá como agir”. sino da Emergência na graduação (Enfermagem e Medicina). Com isso, o que seria um simples curso para atualização profissional passa a ser visto como capacitação, já que as escolas médicas e de Enfermagem, em sua maioria, não a- Opções de qualificação nos cursos livres internacionais companharam a evolução curricular. abrangem emergências clínicas e traumáticas diversas “A educação, no aspecto comercial, é uma atividade rentável. Sendo assim, Cursos da linha LS começaram a ser tes desses cursos são das mais diversas muitos locais passam a oferecer cursos procurados no Brasil por praticantes de áreas”, relata. livres para um público-alvo ávido por atividades esportivas e de aventura, coNa avaliação de Júnia Shizue Sueoka, conhecimento”, diz. Ela mesma já de- mo mergulhadores e alpinistas. Confor- médica do GRAU Resgate e coordenatectou a oferta de um curso ITLS por me Jorge Alexandre Alves, especialista dora do SAME 199 São Caetano do Sul, empresa não autorizada. em emergências e diretor da Fire & tais cursos proporcionaram uma melhoRescue College Brasil, o reconhecimento ra significativa no atendimento ao paciRESPONSABILIDADE do credenciamento em qualquer lugar ente, impactando diretamente na sua O raciocínio é lógico: só há mal-in- do mundo foi um atrativo para tal gru- morbimortalidade. Ela afirma que, com tencionados ofertando cursos falsos ou po, que também realizava sua atividade o objetivo de padronizar conceitos de plagiados por que há compradores dis- em locais remotos, longe de qualquer atuação, os cursos de certificação interpostos a pagar pela ilegalidade e despre- tipo de assistência de urgência, na mai- nacional já são, inclusive, utilizados ocupados com a qualidade do aprendi- oria das vezes. como pré-requisito para contratações zado. Sendo assim, o contratante do treiDevido à boa qualidade dos materiais em algumas empresas. namento tem a responsabilidade implí- didáticos e da atualização dos protocoO ganho do aprendizado de um procita de disciplinar o mercado. los oferecida em tais treinamentos, ex- tocolo técnico e sistematizado, reconhePara Waltecir Lopes, uma minoria con- plica Jorge, profissionais de emergência cido e utilizado em vários países, é tamtrata qualidade e o aluno não costuma passaram a procurar por esse tipo de bém ressaltado como uma vantagem fazer jus ao que pagou pelo treinamen- qualificação. “Atualmente, os participan- desse tipo de treinamento por Rosemary Caminhos da atualização 26 Emergência OUTUBRO / 2011
  • 5. OUTUBRO / 2011 JÚNIA SUEOKA Provenzano Thami, diretora médica do curso ITLS no Brasil e coordenadora acadêmica do SERV-RIO/CITE. Contudo, ela lembra que tais qualificações não têm o caráter de habilitação, ou seja, não tornam um profissional apto para o atendimento a emergências. As opções de qualificação nos cursos livres abrangem emergências clínicas e traumáticas. O ITLS (antigo BTLS) é dividido em básico e avançado. Explica Rosemary que a opção básica é destinada, preferencialmente, a profissionais de nível técnico e também a brigadistas, bombeiros civis, dentistas e fisioterapeutas. Já o curso avançado é voltado a enfermeiros, médicos, acadêmicos de Enfermagem ou Medicina, a partir do sétimo e oitavo períodos, respectivamente. Ainda na área do trauma, as opções mais conhecidas são o PHTLS (Pre Hospital Trauma Life Support), o ATLS (Advanced Trauma Life Support) e o ATCN (Advanced Trauma Care for Nurses), este último voltado exclusivamente a enfermeiros, define Thiago Nadalin Corain, enfermeiro e instrutor na Socesp. Já na área clínica, refere Thiago, a opção mais procurada é o BLS, que é voltado a profissionais da saúde em geral, Cursos de certificação internacional têm participantes de diversas áreas profissionais de resgate e que pode ser cursado por pessoas ligadas a atividades diversas. Em seu conteúdo, o aluno aprende manobras de ressuscitação, uso do DEA e procedimentos de primeira resposta a situações de urgência mais corriqueiras. Na área cardiológica, o ACLS (Advanced Cardiac Life Support) é direcionado a médicos, acadêmicos de Medicina e enfermeiros e aborda procedimentos avançados, como manipulação de fármacos e condução terapêutica em situações como infarto e acidente vascular. Em linha semelhante, mas voltado a pacientes pediátricos, a opção é o PALS (Pediatric Advanced Life Support). Ainda com certificação estrangeira, há Emergência 27
  • 6. uma série de outros treinamentos bastante praticados no Brasil, que contam com instrutores treinados para seguir os protocolos internacionais atualizados, como Heart Saver (reconhecimento e resposta à parada cardiorrespiratória) e First Responder (agente de emergências médicas). Completam o cenário alguns cursos ainda não difundidos no Brasil, lembra Jorge Alexandre. Ele cita o AMLS (Advanced Medical Life Support), que oferece suporte avançado voltado a médicos, o BHLS (Basic Hazmat Life Support) e o AHLS (Advanced Hazmat Life Support). Os dois últimos têm conteúdos específicos para suporte de vida em emergências com produtos perigosos, contando com o reconhecimento da AACT (American Academy of Clinical Toxicology). Cursos trazem protocolo técnico e sistematizado, reconhecido e utilizado em vários países EUA a médicos e paramédicos - categoria que permanece sem similar no Brasil. Assim, profissionais de nível técnico podem até aprender sobre farmacologia e manobras invasivas, que são de atribuição exclusiva do médico no APH brasileiro. “Algumas drogas e equipamentos usados no ATLS não existem no Brasil”, diz. “As pessoas fazem esses cursos, objetivando conhecimento individual, uma vez que dentro da equipe o profissional não poderá aplicar as técnicas se não for um médico”, completa. Da necessidade, surgem as adaptações, que podem impor riscos à qualificação ao modificar o conteúdo do treinamento. Por esta razão, qualquer adaptação deve se restringir à aplicabilidade do aprendizado e não ao protocolo de ensino. “Só não podemos mudar o conteúdo e a essência do curso”, diz Júnia. ARQUIVO JORGE ALEXANDRE ALVES APLICAÇÃO Antes de matricular-se em cursos livres, é muito importante saber o que realmente está buscando e qual a aplicação prática do conteúdo para sua vida profissional. Segundo Jorge Alexandre, é preciso ponderar, por exemplo, se o curso básico cumpre com as expectativas nele depositadas e se há nível de formação suficiente para compreender os procedimentos do curso avançado, bem como realizá-los sem impedimento legal, dentro do seu limite de atuação. Randal Fonseca, diretor da RTI e instrutor do NSC, faz ressalva semelhante. Como exemplo, ele cita que os cursos PHTLS e ATLS são direcionados nos JÚNIA SUEOKA ESPECIAL / CERTIFICAÇÃO OBJETIVOS TRAÇADOS 28 Emergência Antes da matrícula, alunos devem saber o que realmente buscam e qual a aplicação prática do conteúdo para a sua vida profissional Ainda assim, a adaptação só pode ser realizada quando do conhecimento e autorização dos núcleos centrais. Thiago Corain diz que devem ser ensinados aos alunos procedimentos em conformidade com os modelos internacionais para, em seguida, discutir em aula o que pode ser feito no dia a dia dos atendimentos para se aproximar ao máximo possível do protocolo. Como exemplo, ele cita a recomendação para que o aluno, após reconhecer uma pessoa inconsciente fora do hospital, peça ajuda e um DEA (Desfibrilador Externo Automático). No Brasil, contudo, a existência do aparelho na maioria dos locais ainda é rara. “Então, orientamos ao aluno a solicitar ajuda o mais rápido possível de uma equipe especializada, esperando que ela venha com um desfibrilador”, pontua. Para Jorge Alexandre, pode haver uma adaptação também quanto ao profissional que participa do treinamento. Ou seja, ele recomenda que equipes de suporte avançado também frequentem cursos de suporte básico, considerando a notória insuficiência desse conteúdo na formação profissional. Já nos treinamentos de suporte avançado, é importante ter a participação de profissionais enfermeiros e técnicos que trabalham em equipes de emergência em hospitais e no pré-hospitalar. Segundo Jorge, mesmo que não possam efetuar procedimentos invasivos, eles devem conhecer as rotinas e protocolos para, em forma de time, serem mais eficientes no atendimento crítico dos pacientes. Além de tomar a qualificação como OUTUBRO / 2011
  • 7. ESPECIAL / CERTIFICAÇÃO um ganho para a equipe, é preciso sistematizar os processos fazendo com que cada etapa do atendimento seja integrada com as outras ações. Cada tipo de curso é apenas uma peça na engrenagem, avalia Randal. “Um programa de treinamento necessita de cursos que, ao serem concluídos, seja o começo de outro programa, dentro de uma corrente de responsabilidade. Um sistema é, portanto, um conjunto de mecanismos afins que deve conduzir a uma ação de qualidade mensurável. Se os serviços não estiverem elencados dentro de um processo lógico, teremos uma colcha de retalhos”, afirma. Para Randal, é uma ilusão dos profissionais das empresas e instituições governamentais acreditar que os seus interesses possam ser atendidos somente pelo fato de os cursos virem dos EUA, indiscriminadamente. “Um curso, sozinho, é como se alguém aprendesse a tocar notas musicais de forma aleatória. Há uma série de sons até harmônicos, mas não há uma melodia”, compara. Ética do aprendizado Centros de treinamentos e instrutores devem ter compromisso com o conteúdo dos cursos, construído por pesquisas científicas as técnicas de resgate e as operações especiais deixaram de ser apenas conteúdos criativos sem grande responsabilidade e passaram a ser desenvolvidos a partir de tecnologias altamente sofisticadas, o que exige padronizar e controlar a emissão dos certificados, tanto para os instrutores, como para os alunos. Os representantes no Brasil das instituições promotoras dos cursos livres são os centros de treinamento. Um documento de gestão contratual entre as partes estabelece uma série de cláusulas sobre limites éticos, técnicos, administrativos, gerenciais e de uso da imagem do órgão credenciador pelo núcleo brasileiro. Conforme Rosemary Provenzano Thami, quando algum centro se distancia destas limitações e responsabilida- SOCESP Os cursos livres com credenciamento internacional têm em suas bases mais do que sólidas instituições. Seus conteúdos são formatados a partir de fontes, ou seja, do resultado de pesquisas que comprovam, cientificamente, o que está se propondo a ensinar. Essa é uma carência do ensino e aprendizagem na área de emergência no Brasil, detecta Randal Fonseca. “Em vez de os profissionais se unirem e fundarem instituições sólidas, preferem bater na porta dos órgãos de governo e pedir que entreguem a coisa pronta. Instituições criadas pela sociedade civil organizada é que devem dar aos governantes os parâmetros de como querem que as coisas sejam feitas e não ao contrário, como vemos”, avalia. Ele reitera que os primeiros socorros, Cursos formatados a partir de pesquisas que comprovam cientificamente o que está sendo ensinado 30 Emergência des, ele é automaticamente descredenciado ou poderá sofrer algum tipo de punição, conforme estabelecido no convênio. Por sua vez, Jorge Alexandre Alves, explica que um dos instrumentos de fiscalização da qualidade do treinamento (sempre pela instituição credenciadora, já que não existe órgão regulador) é a avaliação direta dos alunos por meio de um questionário. Tal metodologia pode resultar no descredenciamento de centros e de instrutores. Na análise de Randal, é importante estar atento a condutas suspeitas de centros que, mesmo credenciados, podem prejudicar a qualidade do aprendizado. Entre elas, está a falta de controle na emissão das credenciais de instrutores e de alunos. Randal sugere que o contratante desconfie da seriedade do centro que prometer enviar as credenciais juntamente dos livros didáticos, antes mesmo da conclusão do curso. “Livros, por si só, não ensinam a salvar vidas”, diz. “De nada adiantará ter a ferramenta para ensinar se o instrutor não está sensibilizado e motivado a fazer o uso devido dela, como também não adianta entregar livros de boa qualidade para os alunos e acreditar que eles aprenderão sozinhos”, completa. INSTRUTOR O principal aliado do aluno que deseja aprender é o seu instrutor e, por isso, investir na formação adequada desse profissional é necessário. Lembra Rosemary que cada curso possui o seu manual do instrutor, com diretrizes e exigências contratuais pedagógicas, didáticas e administrativas já pré-estabelecidas e que devem ser seguidas. Os critérios de identificação do instrutor em potencial e do programa obrigatório para a sua formação também são particulares de cada curso. Em linhas gerais, explica ela, após um desempenho exemplar no treinamento, seguido pelo curso específico de instrutor feito por indicação e de alcançar índice satisfatório em competência e perfil pedagógico, o profissional terá apoio do seu centro de treinamento para exercer esta potencialidade. O cenário atual, entretanto, remete à ausência de uma supervisão pedagógica tão criteriosa e contínua em alguns sítios credenciados. Preocupação semelhante é demonsOUTUBRO / 2011
  • 8. Não é apenas por cursos livres de certificação internacional que o profissional de emergência pode se capacitar no Brasil. Há uma série de treinamentos oferecidos por empresas e instrutores na área de consultoria, muitos deles elaborados para necessidades específicas. Conforme Waltecir Lopes, instrutor do INCOR e diretor do GesBrasil, é importante que o contratante avalie esse tipo de qualificação como alternativa, pois o curso sem credenciamento pode, conforme o caso, até superar o treinamento que oferece a certificação. “Há empresas que não querem curso com cre- denciamento internacional, mas cursos customizados, ou seja, desejam que cumpra suas necessidades legais, que use a sua realidade, que proponha alternativas para os planos de emergência e que respeite a sua logística, recursos humanos, etc.”, diz. Assim como ocorre com os cursos certificados, para esse tipo de treinamento a recomendação ao contratante é avaliar o currículo do instrutor e a idoneidade da empresa responsável pelo curso, além de seu histórico e proposta pedagógica, questionando a fonte utilizada para a formatação do treinamento. trada por Waltecir Lopes. Dependência do material didático e falta de domínio sobre o conteúdo são falhas apontadas por ele. Waltecir lembra também do compromisso do instrutor com a aprendizagem e destaca que o ensino não pode ser transformado em uma disputa sobre quem ministra a aula mais rapidamente. Para ele, embora não haja exigência legal, seria recomendável que o instrutor tivesse formação de professor, ou seja, graduação com Licenciatura Plena. Os cursos de credenciamento internacional, no entanto, exigem apenas que o instrutor seja da área de saúde (são 13 profissionais, conforme a Resolução 218/97, do Conselho Nacional de Saúde). Randal Fonseca recomenda que o instrutor invista na sua carreira e mantenha sua credencial internacional sempre atualizada. “Todo instrutor, de qualquer tipo de curso livre, que emita certificação de qualificação profissional internacional, deve ter Licenciatura Plena. Sem isso, ninguém poderia estar autorizado a ministrar aulas em cursos que precisam passar por auditorias”, defende ele. em habilidades práticas, psicomotoras e cognitivas. Júnia Shizue Sueoka, lembra que a carteirinha não garante uma vaga no mercado, mas é um indicativo de que aquele profissional passou por avaliação criteriosa e que teve as informações necessárias para o atendimento da vítima. Não há no Brasil nenhuma legislação ou mesmo política interna em instituições privadas que preveja o porte ou renovação das credenciais, esclarece Jorge Alexandre. Já nos Estados Unidos, ARQUIVO WALTECIR LOPES OPÇÃO CUSTOMIZADA Treinamentos para necessidades específicas país de origem da maioria desses credenciamentos, a carteirinha deve estar válida e ser apresentada sempre que solicitada em fiscalizações, auditorias ou exigências legais locais. Segundo Jorge, ela serve de critério para os profissionais comprovarem que estão aptos a trabalhar em determinados serviços de emergências em território norte-americano, como salas de emergências em hospitais ou ambulâncias, independente da sua formação. ALUNO Já por parte do aluno, ao concluir o curso e receber sua credencial (carteirinha), ele inicia uma nova fase profissional, que pode lhe trazer novas oportunidades de emprego, como também implicações legais caso ultrapasse as suas limitações de competência. A credencial tem validade curta (em geral dois anos) e o curso deve ser refeito após esse período. De acordo com Waltecir Lopes, ela atesta que o aluno foi aprovado dentro do mínimo de desempenho exigido OUTUBRO / 2011 Emergência 31