A carne como alimento

867 views
770 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
867
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
48
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A carne como alimento

  1. 1. OBJETIVO GERAL:Reflexão sobre o assunto para compreendê-lonum contexto mais amplo.OBJETIVOS ESPECÍFICOS:1.Entender os contextos de parágrafos sobre a carne, usados para liberar ou impor o seu uso.1.Estabelecer clima de compreensão e tolerância para com os que não adotaram ainda certos pontos da Reforma de Saúde como, por exemplo, o vegetarianismo.
  2. 2. 1.Estabelecer a harmonia entre textos aparentemente contraditórios sobre o consumo da carne.1.Propor uma educação mais completa da Reforma de Saúde na pregação e testemunho pessoal.1.Desestimular as críticas entre membros e liderança nesta questão.1.Incentivar a adesão de membros/pastores à Reforma de Saúde de forma equilibrada.
  3. 3. REGIMES ALIMENTARES PRESCRITOS POR DEUSO REGIME ORIGINAL Antes do pecado Gn 1:29,30. Após o pecado Gn 1:29; 3:18 Após o dilúvio Gn 9:3-4 No deserto Êxo. 16:2-21
  4. 4. O REGIME POSTERIOR PERMITIA CARNE Os sacrifícios. Lev. 6:25, 26; 7:1,2,6; 8:31; 10:13, 14, 18 As porções dos sacerdotes. Êxo. 29:26-29,31, 32 A páscoa. Êxo. 12:4, 7 ,8 Deus manda pão e carne para Elias. I Reis 17:6 Jesus multiplica peixe. Jo. 6:11 Jesus e a pesca milagrosa. Lc. 5:4-6 Jesus come a páscoa. Mc. 14:12-14 Jesus come peixe após sua ressurreição. Lc 24:41-43 Apóstolos: comer carne sem sangue. At. 15:20
  5. 5. RAZÕES PARA ÊNFASE DE E. WHITE CONTRA A CARNE1. Regime mais popular do seu tempo era composto de carne, gordura, amido e doces. (Conf. SDABC, vol. X, 390), comiam “carne em alta escala” no país. CSRA, 412.2. A forte resistência e ataques que membros e pastores faziam à Reforma de Saúde. CSRA, 401.
  6. 6. MALEFÍCIOS DO ALIMENTO CÁRNEOA condescendência com o apetite geradoença - exemplo do antigo Israel nãorenunciando o desejo de carne, vindo entãoa peste. CSS, 141.1. Uma reforma é necessária nesta questão da saúde, pois a carne põe em perigo a saúde física, mental e espiritual. CSS, 575.2. Muitos dos meio convertidos nesta questão sairão do povo de Deus. CSS, 575; CSRA, 382.3. Moléstias dos animais são transmissíveis. CSRA, 384.
  7. 7. 4. Estimulantes das paixões carnais junto com a manteiga. CSRA, 48 e 395.5. Câncer transmitido pela carne. CSRA, 384 e 388.6. Aqueles que não querem por em prática nas instituições não devem aceitar a direção delas CSRA 415 e 416.7. Há influência negativa dos carnívoros sobre as pessoas. CSRA, 404.28
  8. 8. OS MINISTROS E O ALIMENTO CÁRNEO O DEVER DOS MINISTROS1. Devem ser estritamente temperantes no comer e beber. CSRA, 382.2. Devem despertar o povo e dar bom exemplo em não comer carne. CSRA, 399.3. A responsabilidade de vencer o apetite pesa sobre todos e em especial sobre os ministros. CSRA, 54.
  9. 9. RESULTADO DE REJEITAR A REFORMA DE SAÚDE E NÃO APOIÁ-LANão serem separados como mestres do povo enquanto ensino e exemplo contradiz, por falta de interesse devido à condescendência, a mensagem sobre a reforma pró-saúde (não só carne) CSRA, 453,454.
  10. 10. RESULTADO DE CONTINUAR A COMER CARNE POR APETITE PERVERTIDO1. Unir-se a outros pela condescendência em comê-la, onde há abundância de frutas e verduras, pode, possivelmente, abalar a confiança no ministro. CSRA, 402.2. A condescendência de ministros pagos pelo dízimo com o apetite pervertido nessa questão é desprezo pelas advertências de Deus e prejuízo para a saúde. CSRA, 404.
  11. 11. A ATITUDE DE ALGUNS MINISTROS NOS DIAS DE E. G. WHITE1. Alguns ministros demonstravam pouco interesse na reforma pró-saúde devido a condescendência. CSRA, 453.2. Muitas pessoas e alguns ministros têm demonstrado pouca consideração para com a Departamento de Reforma de Saúde, por não verem a relação da Reforma de Saúde com a mensagem. CSRA, 733. Em 1904 muitos ministros não seguiam a reforma pró-saúde apesar da luz dada. CSRA, 288.
  12. 12. A REFORMA ENVOLVE MAIS DO QUE CARNE1) Ar puro: respiração correta, ambiente arejado, ventilação natural para enfermos, passeios ao ar livre, fuga de lugares poluídos.2) Luz solar: exposição diária, tempo de exposição, horário de exposição, exposição de roupas e de partes internas da casa.3) Abstinência: café, chá preto, carnes imundas, cigarro, drogas, bebidas alcoólicas, outros por peculiaridades pessoais.
  13. 13. 4) Água em abundância: beber suficiente e limpa, banhar-se diariamente, lavar roupas e utensílios, substituir bebidas artificiais por naturais, não usar às refeições.5) Repouso: dormir cedo, acordar cedo, ter dia de folga, férias, intervalos no trabalho, evitar lazer competitivo ou de jogos de azar.
  14. 14. 6) Exercício físico: adequado à pessoa e idade, moderado, regular, vitalício, não violento, não competitivo, preferir caminhar e cuidar da terra.7) Confiança no poder de Deus: Leitura da Bíblia, compromisso com a igreja, tempo para oração, meditação, testemunho. Cultivar a fé a esperança e o amor.
  15. 15. 8) Alimentação conveniente: a) Princípio da quantidade (suficiente x insuficiente) b) Princípio da qualidade (carne, açúcar, amidos, gordura, condimentos, etc.) c) Princípio da freqüência. (duas a três vezes) d) Princípio da combinação (leite e açúcar, frutas e verduras, mais de três variedades na mesma refeição, líquido às refeições, etc.) e) Princípio da adequação (atividade física, intelectual, clima, idade, estado de saúde, condições dos órgãos digestórios, etc.)A questão da carne, portanto, é uma pequenaparte de um dos oito remédios da natureza, não éa Reforma de saúde em si, mas um detalhe dela.
  16. 16. CITAÇÕES GERAIS APLICADAS EXCLUSIVAMENTE À CARNE• “Contamina o sangue” – Em geral aplicada à carne refere-se a outras coisas como: açúcar, leite e ovos juntos, falta de exercícios físicos, frutas junto com verduras, não beber água suficiente. CSRA, 113, 330, 354.2. “Enfraquece a mente para o trabalho ministerial” - açúcar, leite e ovos juntos, queijo, manteiga, massas suculentas, condimentos, frutas e verduras juntos, dormir tarde e insuficiente, comer demais, comer fora de hora. CSRA, 113, 327, 328, 331, 354 395 (usar manteiga com moderação, 352)
  17. 17. 3. “Não liderar instituições” – para os que combatiam a Reforma de Saúde e queriam colocar carne nas instituições.4. “Pastor deve ser exemplo” – refere-se a tudo e não apenas a carne. Os textos dizem: “ na temperança” e na “ reforma de saúde”. CSRA, 402
  18. 18. 5. “A carne é o pior alimento” – Açúcar, massas e bolos são piores do que carne. CSRA, 328, 334.6. “Carne nem se for sã” - Se a carne não é doente é mais recomendada do que grandes quantidades de leite com açúcar. Não faz o mal que o leite com açúcar faz.CSRA, 334, 330.
  19. 19. 7. “A carne desqualifica para o ministério” – torta doce desqualifica para o serviço de Deus. CSRA, 333. Imprudência no comer inabilita para a obra que precisa ser feita. 3358. “Não se pode comer carne alguma pois os animais estão doentes” –Apesar disso, EllenWhite fez exceções parauso de carne e outrositens afetados pelasdoenças dos animais.Para isso recomendoucuidado. CSRA, 355, 356
  20. 20. QUAL DEVE SER NOSSA ATITUDE PARA COM OS QUE COMEM CARNE?Há, realmente, alguns que vivem em circunstâncias que os impedem de adotar plenamente a reforma? Se assim for, cada indivíduo precisa considerar suas peculiaridades ao adotar a reforma. É uma questão que envolve aspectos pessoais.
  21. 21. 1. Entender que a Reforma de Saúde deve ser progressiva. CSRA, 356.2. Não tomar atitudes críticas, de ataque, buscando corrigir os outros, pois isso desperta resistência e desenvolve o mau hábito da crítica naquele que pretende ajudar. CSRA, 464.
  22. 22. 3. Considerar que o abandono da carne pode não ser o ideal para todos.“O regime cárneo não é o mais são, e, todavia eu não tomaria a atitude de que ele deva ser rejeitado por toda pessoa”.CSRA, 395.
  23. 23. 4. Verificar as possíveis exceções dadas no Espírito de Profecia.“Se a reforma pró-saúde com todo o seu rigor for ensinada àqueles cujas circunstâncias não lhes permitem sua adoção, ter-se-á produzido mais dano do que bem”. CSS, 137. Quais são essas circunstâncias?
  24. 24. CIRCUNSTÂNCIAS OU EXCEÇÕES INDICADAS POR ELLEN WHITE PARA NÃO SE ADOTAR O VEGETARIANISMO1. Tuberculosos desenganados – não devem ser forçados a deixar a carne. CSRA 292,2:“Os tuberculosos que se acham em decididocaminho da sepultura, não devem fazermudanças particulares a esse respeito, mas sejaexercido cuidado para obter carne de animais omais saudáveis possível.”
  25. 25. 2. Pessoas que sofrem de tumores - nãodevem ser forçadas a deixar a carne. CSRA,292, 3:“As pessoas que têm tumores a minar-lhes avida, não devem ser carregadas com a questãode deverem ou não abandonar o uso da carne.Cuide-se de não coagir a uma resolução quantoa esse assunto. Não ajuda ao caso forçar amudanças, mas prejudicará aos princípios deabstinência da carne. Façam-se palestras nasala de visitas. Eduque-se a mente, mas não seforce a pessoa alguma, pois tal reforma feita sobpressão é inútil....”
  26. 26. 3. Vários tipos de doenças e exaustão(esgotamento). CSRA, 394:“Em certos casos de doenças ou exaustão,poderá ser considerado melhor usar algumacarne, mas grande cuidado deve ser tomado paraadquirir carne de animais sadios.”4. Facultativa onde não haja abundância devegetais. CBV, 103.
  27. 27. 5. Deve-se considerar a emergência como noexemplo de E. G. White. CSRA, 394:“Quando não me foi possível obter o alimento deque necessitava, comi um pouco de carnealgumas vezes; mas estou ficando cada vez maisatemorizada de fazê-lo.”
  28. 28. 6. Órgãos digestivos fracos. CSRA, 395:“Os que têm fracos órgãos digestivos, podemmuitas vezes comer carne, quando não lhes forpossível ingerir verduras, frutas e mingaus.”7. Hábitos não devem ser mudadosprecipitadamente. CSRA, 462: “Hábitos que foram por toda a vidaensinados como sendo direitos, não devem sermudados por medidas rudes ou precipitadas.”
  29. 29. 8. Pobres não devem ser coagidos a deixar acarne. CSRA, 463:“Sinto sincera comiseração para com famílias quechegaram à fé recentemente, e que se sentem tãopremidas pela pobreza que não sabem de ondelhes virá a próxima refeição. Não é meu deverfazer-lhes discursos sobre o comer saudável. Hátempo de falar, e tempo de calar.”
  30. 30. Caso fosse um ponto de comunhão com aigreja, espiritualidade ou de salvação comojustificar tais declarações?Trata-se de hábito específico (a reforma desaúde é mais ampla). Nesses casos oconsumo da carne não ocorre por desprezo erejeição á Reforma de Saúde e nem porcondescendência com o apetite pervertido,mas por uma razão pessoal que deve serrespeitada.
  31. 31. ATITUDES RECOMENDADAS POR ELLEN WHITE SOBRE O COMER CARNE1. Comer ou não comer carne não é teste. CSRA,462. Nem os que comem são os maiorespecadores: “Devemos considerar a situação do povo, e opoder de hábitos e práticas de vidas inteiras, edevemos ser cautelosos em não impor aosoutros nossas idéias, como se esta questãofosse um teste, e os que comem carne fossemos maiores pecadores.”
  32. 32. 2. Ninguém deve ser consciência do outro nestaquestão. CSRA, 463: “Nunca julguei ser meu dever dizer que ninguém deveria provar carne, sob quaisquer circunstâncias. Dizer isto, quando o povo tem sido educado a viver de comer carne em tão grande medida, seria levar ao extremo a questão. Nunca senti ser dever meu fazer asserções arrasadoras. O que tenho dito, disse-o sob uma intuição do dever, mas tenho sido cautelosa em minhas afirmações, porque não queria dar ocasião para qualquer pessoa ser consciência para outro.
  33. 33. 3. Não há regra estabelecida nessa questão(CSRA, 95,3; 404:2):“Não estabelecemos regra alguma para ser seguida no regime alimentar, mas dizemos que nos países onde abundam as frutas, cereais e nozes, os alimentos cárneos não constituem alimentação própria para o povo de Deus.”“Uma pessoa não pode ditar uma estrita regra para outra. Cada um deve exercer discernimento e domínio, agindo por princípio.” CSRA, 139
  34. 34. 4. Não é prova de comunhão para os crentes(CSRA 404:3, 466):“Não nos compete fazer do uso da alimentação cárnea uma prova de comunhão; devemos, porém, considerar a influência que crentes professos, que fazem uso da carne, têm sobre outras pessoas.” 5. Não é uma prova para ministros e não devemser forçados a abandonar o seu uso. O ministroque comer é responsável pelas conseqüências.CSRA 401,2:
  35. 35. “Se bem que não tornemos o uso doalimento cárneo uma prova, se bem que nãoqueiramos forçar ninguém a abandonar seuuso, todavia é nosso dever instar para queministro algum da associação faça pouco damensagem de reforma nesse ponto, ou a elase oponha. ... Ele [o Senhor] nos deu a obra deproclamar a mensagem da reforma pró-saúde,e se não podeis avançar nas fileiras dos que aestão proclamando, não o deveis tornarnotório. Neutralizando o trabalho de vosso co-obreiros, que estão ensinando a reforma pró-saúde, estais fora da ordem, operando do ladocontrário.” (1902)
  36. 36. 6. Não vibrar ataque contra quem está comendocarne. CSRA, 462,2:“Quando assentados a uma mesa onde haja carne, não devemos vibrar um ataque contra os que a usam, mas deixá-la intocada quanto a nós, e se nos perguntarem a razão de assim proceder, devemos de maneira bondosa explicar o motivo de não a usarmos.”
  37. 37. RECOMENDAÇÃO GERAL DE E. G. WHITE DE COMO AGIR1. Não é uma prova e nem é forçado o ministro deixar a carne, mas ele não deve se opor e nem fazer pouco caso do assunto. Se não pode avançar junto com os que proclamam a reforma pró-saúde não deve fazer isso notório. CSRA, 401. (1902)
  38. 38. “Devemos lembrar que há demasiado tipos de mentalidades no mundo, e que não podemos esperar que cada um veja exatamente como nós em todas as questões de alimentação. As mentes não seguem exatamente a mesma direção.” CSRA, 351“Nossos ministros devem tornar-se inteligentes nesta questão. Não a devem ignorar, nem se desviar pelos que os chamam extremistas. Verifiquem o que constitui a verdadeira reforma pró-saúde, e ensinem-lhe os princípios, tanto por preceito, como por tranqüilo e coerente exemplo.” CSRA, 451

×