Workshop
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Workshop

on

  • 529 views

 

Statistics

Views

Total Views
529
Views on SlideShare
525
Embed Views
4

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

2 Embeds 4

http://sandralopespmav.blogspot.com 3
http://sandralopespmav.blogspot.pt 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Workshop Workshop Presentation Transcript

  • Modelo de Auto-Avaliação Das Bibliotecas Escolares
  • Destinatários • Elementos do Orgão Directivo • Coordenadores dos Departamentos Curriculares • Elementos da Equipa da BE
  • Objectivos - Dar a conhecer o Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares; - Compreender os conceitos relacionados com a construção e aplicação do modelo; - Reflectir sobre a relevância da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares; - Reconhecer o Modelo como instrumento pedagógico e de melhoria de melhoria; - Reflectir sobre a necessidade de criar condições para a implementação eficaz do modelo.
  • Programa 9h – 9h30 Abertura, apresentação da agenda, objectivos do Workshop; 9h30 – 11h O Modelo de Auto-avaliação das BE; Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares. O Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria. Conceitos implicados. 11h Pausa para café 11h15 – 13h Organização estrutural e funcional. Integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar. Oportunidades e constrangimentos. Gestão participada das mudanças que a sua aplicação impõe. Níveis de participação da escola.
  • Programa 14h30 – 15h30 Grupos de Trabalho Serão constituídos grupos de trabalho que debaterão os temas: • Pertinênica do Modelo de Auto-Avaliação; • Oportunidades; • Constrangimentos; Pausa para café 15h45 – 17h Grupos de Trabalho Realização de acta do debate; Eleição do porta-voz do grupo. 17h Debate
  • Temáticas abordadas: • Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares. • O Modelo enquanto instrumento pedagógico e de melhoria. Conceitos implicados. • Organização estrutural e funcional. • Integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar. Oportunidades e constrangimentos. • Gestão participada das mudanças que a sua aplicação impõe. Níveis de participação da escola.
  • Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares O Modelo de Auto-Avaliação das BE • Constitui um instrumento pedagógico e de melhoria contínua; • Permite ao órgão de gestão e aos coordenadores: – Avaliar o trabalho da biblioteca escolar; – Identificar o grau de eficiência e de eficácia dos serviços prestados e de satisfação dos utilizadores da BE; – Identificar o impacto desse trabalho no funcionamento global da escola e nas aprendizagens dos alunos.
  • Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares Identificação das áreas de sucesso e aquelas que, por apresentarem resultados menores, requerem maior investimento, determinando, nalguns casos, uma inflexão das práticas. A necessária regulação como veículo promotor da qualidade da biblioteca escolar e da melhoria das práticas, torna imperiosa a existência deste Modelo. Desta forma, as bibliotecas escolares adquirem visibilidade e permitem uma maior integração na escola com a qual interagem e mantêm uma relação orgânica.
  • Conceitos implicados A noção de valor. • O valor é uma atribuição subjectiva e está relacionado com as percepções relativamente a um benefício real ou esperado. • Trata-se de uma atribuição subjectiva relacionada com as percepções relativamente a um benefício real ou esperado. • [...]Se é importante a existência de uma BE agradável e bem apetrechada, a esse facto deve estar associada uma utilização consequente nos vários domínios que caracterizam a missão da BE, capaz de produzir resultados que contribuam de forma efectiva para os objectivos da escola em que se insere.
  • Conceitos implicados Auto-avaliação • A auto-avaliação deve ser encarada como um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua da BE. • Destaca as áreas nucleares, determinantes e com um impacto positivo no ensino e na aprendizagem, sobre as quais a BE deverá reflectir de forma a originar mudanças concretas na prática. • A auto-avaliação, ao apontar os pontos fortes e fracos, deverá contribuir para a definição de um novo plano de desenvolvimento, estabelecendo objectivos e prioridades, tendo em conta o uma perspectiva realista face à BE e ao contexto em que se insere.
  • Práticas de Pesquisa-Acção O Modelo de Auto-Avaliação tem em conta práticas de pesquisa- acção. Estas práticas estabelecem a relação entre os processos e o impacto ou valor que originam. Durante este processo identifica-se um problema, recolhem-se evidências, avaliam-se e interpretam-se as evidências recolhidas. Posteriormente, procura-se extrair conhecimento que oriente futuras acções e que delineie caminhos. Centra-se a pesquisa, mais uma vez, no impacto e não nos inputs.
  • Organização estrutural e funcional Os vários elementos a analisar no Modelo foram agrupados em quatro domínios e respectivos subdomínios: • A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular – A.1 Articulação Curricular da BE com as Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica e os Docentes – A. 2 Promoção das Literacias da Informação, Tecnológica e Digital • B. Leitura e Literacia • C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade – C.1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular – C.2. Projectos e parcerias • D. Gestão da Biblioteca Escolar – D.1. Articulação da BE com a Escola/ Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE – D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços – D.3. Gestão da colecção/da informação
  • Organização estrutural e funcional Cada domínio/subdomínio é apresentado num quadro que inclui um conjunto de indicadores temáticos que se concretizam em diversos factores críticos de sucesso. Os indicadores apontam para as zonas nucleares de intervenção em cada domínio e permitem a aplicação de elementos de medição que irão possibilitar uma apreciação sobre a qualidade da BE. Os indicadores apontam para as zonas nucleares de intervenção em cada domínio e permitem a aplicação de elementos de medição que irão possibilitar uma apreciação sobre a qualidade da BE. Os factores críticos de sucesso pretendem ser exemplos de situações, ocorrências e acções que operacionalizam o respectivo indicador. A listagem (não exaustiva) permite compreender melhor as formas de concretização do indicador, tendo simultaneamente um valor informativo/formativo e constituindo um guia orientador para a recolha de evidências. Modelo Modelo de Auto-Avaliação (2009) Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares
  • Perfis de desempenho • Os descritores apresentados retratam o padrão de execução da BE em cada um dos níveis. • Pretende-se, com esses descritores, ajudar a identificar a situação em que a biblioteca se encontra e a verificar onde é necessário actuar para melhorar de nível.
  • Integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar. Oportunidades • Análise reflexiva das práticas e re-definição de novas estratégias nos domínios que apresentem lacunas; • Visibilidade dos resultados obtidos e consequentemente, o impacto da BE na Escola; • Regulamentação da avaliação da BE como símbolo de qualidade dos seus serviços.
  • Integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar. Constrangimentos • Poucos hábitos de recolha de evidências para análise das práticas; • Aferição do impacto das bibliotecas muito centrada ainda na relação directa entre os inputs (colecção existente, staff, verba gasta com o funcionamento da biblioteca escolar...) e os outputs (número de empréstimos, número de visitas, sessões realizadas pela equipa...). • Dificuldades relacionadas com a pouca disponiilidade da comunidade docente para colaborar no processo.
  • Gestão participada das mudanças que a sua aplicação impõe. Níveis de participação da escola. • Envolver Orgão de Gestão e Departamentos no processo de auto-avaliação da BE; - Reconhecimento da pertinência do Modelo; - Importância do Modelo não só para a BE mas para toda a Escola; - Participação e colaboração na recolha de evidências, deve ser instituído como um compromisso da escola, na sua globalidade, já que um melhor desempenho da biblioteca irá beneficiar o trabalho de todos, docentes e alunos.
  • Bibliografia • Eisenberg, Michael (2002) “This Man wants to change your job”. Disponível em: http://www.schoollibraryjournal.com/article/CA240047.ht ml [10/11/2009] • Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares (2009). Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares. Disponível em: http://www.rbe.min-edu.pt [07/11/2009] • Todd, Ross (2004) “School libraries: Making them a class act.” Broome-Tioga BOCES School Library system Annual Librarian/Administrator Breakfast. Binghamton, NY. Disponível em <http://www.scils.rutgers.edu/~rtodd/WA%20School%20 Libraries%20A%20Class%20Act.ppt#540> [10/11/2009]