Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
FT7 - OCUPAÇÃO ANTRÓPICA
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

FT7 - OCUPAÇÃO ANTRÓPICA

  • 2,998 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,998
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
271
Comments
0
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Biologia e Geologia 11º 11/12 FICHA DE TRABALHO 7 GEOLOGIA Ocupação antrópica e problemas de ordenamento1. Analise os esquemas seguintes, que procuram representar dois tipos de ocupação do solo em zonas de vale. 1.1. Identifica o esquema (A ou B) em que: a) A infiltração das águas é maior; b) A escorrência superficial das águas é maior. 1.2. Compara o risco de cheia nas áreas X (esquema A) e Y (esquema B) da figura. 1.3. Um factor a considerar no risco de cheia e que está representado na figura é … a) … o relevo. b) … a forma da rede hidrográfica. c) … o substrato geológico. d) … a área da bacia hidrográfica. 1.4. Em que medida é que a construção intensa, como no esquema B, favorece a ocorrência de cheias?2. Interpreta o gráfico seguinte, que procura representar a variação do caudal máximo do rio Tejo, em Vila Velha de Ródão, em dois períodos do século XX – um, até 1950, e outro, marcado pela construção de uma série de barragens no rio, entre 1950 e 1973. 2.1. Formula a hipótese mais plausível para explicar o valor de caudal mínimo verificado em 1945. 2.2. Identifica os cinco anos em que se registaram os máximos valores de caudal. 2.3. Que dado do gráfico revela a diminuição do risco de cheia, a partir da década de 50? 2.4. O gráfico sugere que as barragens do rio Tejo … a) …regulam os caudais do rio. b) …reduziram os caudais máximos e mínimos do rio. c) …aumentaram a probabilidade da ocorrência de cheias. d) …não afectaram o regime natural de escoamento do rio.Professora Sandra Nascimento Página | 1 de 3
  • 2. Biologia e Geologia 11º 11/123. Analise os esquemas I, II e III da figura seguinte, que pretendem evidenciar a interferência de obras portuárias – porto de abrigo e esporões – na dinâmica sedimentar e, por consequência, na evolução da paisagem litoral. 3.1. Tendo em consideração o assoreamento do porto de abrigo, posto em evidência nos esquemas II e III. 3.1.1. Qual é a origem desse problema? 3.1.2. Em que medida tal problema põe seriamente em risco o próprio funcionamento do porto de abrigo? 3.2. Explica, com base nos dados, a destruição da frente marítima da povoação A. 3.3. Relativamente aos esporões representados no esquema III, refere um dado da figura que revele os seus efeitos: a) benéficos; b) prejudiciais. 3.4. A que se deve a formação do ilhéu, na passagem do esquema II para o esquema III?4. Analisa a figura seguinte, que mostra, em corte, um litoral rochoso. 4.1. Que fenómeno está representado pela evolução 1-2-3? 4.2. Descreve os passos do processo que leva à acumulação dos blocos rochosos na base da falésia. 4.3. Como se designa a superfície aplanada referenciada por S? 4.4. Que condição terá de ser cumprida para que a arriba representada se transforme numa arriba fóssil?5. Na figura seguinte, o esquema A representa o perfil de uma encosta antes de ser sujeita a uma intervenção, com vista à implantação de um conjunto de casas. Os esquemas B e C representam duas possibilidades para a localização das referidas casas. 5.1. Identifica as condições geológicas que afectam a estabilidade da encosta. 5.2. Comenta cada uma das alternativas propostas nos esquemas B e C, tendo em conta a segurança das construções. 5.3. Para viabilizar a solução proposta no esquema B, optou-se pela construção de um muro deProfessora Sandra Nascimento Página | 2 de 3
  • 3. Biologia e Geologia 11º 11/12 suporte em betão com um sistema de drenagem associado. A vantagem desse sistema de drenagem consiste em… a) …reter a água infiltrada. b) …consolidar a rocha arenítica. c) …diminuir a permeabilidade da rocha arenítica. d) …reduzir as tensões acumuladas no interior da vertente6. Lê o texto seguinte com atenção: GOVERNO NACIONAL DOS AÇORES PROÍBE CONSTRUÇÕES NAS FAJÃSVárias dezenas de moradias nas características fajãs de São Miguel estão em perigo devido à existência deelevados riscos naturais, e o governo regional, para proteger pessoas e bens, decidiu proibir ali novas construções.Dotadas de uma enorme beleza e sossego, as fajãs são verdadeiros santuários ambientais. Definem-se comoextensões de terra plana, “encurraladas” entre a falésia e o mar, cada vez mais procuradas pelos açorianos paraa edificação de segunda casa e para actividades de veraneio.Mas estes são lugares que têm tanto de bonito, pitoresco e de “moda” turística como de traiçoeiro. Um estudo parao ordenamento da orla costeira de São Miguel confirmou as suspeitas que já pairavam há muito: as fajãs são dossítios geologicamente mais vulneráveis para se viver (ainda temporariamente), na “amálgama” de riscos querepresenta a ilha.Em São Miguel há três fajãs urbanizadas e frequentadas por pessoas durante parte do ano, ou mesmo ao longo detodo o ano: a da Rocha da Relva, em Ponta Delgada, a do Calhau, na Povoação, e a Araújo, no Nordeste. Nastrês, apesar das respectivas especificidades, o perigo geológico é denominador comum. Um estudo oficial éconcludente, quando diz que se trata de zonas “ameaçadas por riscos naturais múltiplos e especialmentevulneráveis sob o ponto de vista ambiental, onde se verifica a maioria das vulnerabilidades num contexto deelevada sensibilidade e valor ambiental”.As fajãs têm condições favoráveis para a agricultura, sobretudo vinha. Se este era o uso tradicional, o modernoencarrega-se de transformar edificações, que antigamente serviam de adegas, em ampliadas e confortáveis casasde verão. Existe muitas dezenas de imóveis a recortar aqueles locais, a maior parte dos quais sem licenciamentos eclandestinos dentro do Domínio Público Marítimo, a menos de 50 metros da linha de costa. PAULO FAUSTINO, Diário de Noticias, 22/04/2007 6.1. Qual é a principal razão para considerar as fajãs locais de elevado risco geológico? 6.2. Qual é a origem destas “extensões de terra plana”, “encurraladas” entre a terra e o mar? 6.3. Que outro risco geológico referido no texto ameaça as populações das fajãs? 6.4. Que medida anunciada no texto foi tomada pelo Governo Regional dos Açores para minimizar o problema aqui tratado? 6.5. Refere um factor potenciador do risco de movimentos de massa característicos de regiões geologicamente instáveis, como os Açores.Professora Sandra Nascimento Página | 3 de 3