Your SlideShare is downloading. ×
Testemunho Raquel _ campanha solidariedade_ACREDITAR_ emrc
Testemunho Raquel _ campanha solidariedade_ACREDITAR_ emrc
Testemunho Raquel _ campanha solidariedade_ACREDITAR_ emrc
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Testemunho Raquel _ campanha solidariedade_ACREDITAR_ emrc

579

Published on

Campanha emrc para ajudar a associação de pais e amigos de crianças com cancro_ ACREDITAR

Campanha emrc para ajudar a associação de pais e amigos de crianças com cancro_ ACREDITAR

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
579
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CAMPANHA SNEC 2013 | ACREDITAR TestemunhoCarta Aberta A todos os alunos Especialmente a ti, que estás a ler! Janeiro 2012 Agora que tudo devia ganhar mais sentido, é quando menos o encontro. Aquele mundo de que eu achava ter tanta consciência pregou-me a maior partida de sempre. Afinal eu não sabia nada. Era apenas mais uma sortuda que acordava sem qualquer preocupação. De repente, a cena mudou de cenário. Descobrir que se tem uma doença grave consegue mudar-nos a vida em milésimas de segundos. Tenho 16 anos. Chamo-me Raquel e tenho um Linfoma de Hodgkin. Há apenas dois meses era a Raquel que tinha uma vida, comparada à de agora, maravilhosa. É tudo o que sonho ter agora. Sonho em acordar sem nenhuma preocupação, ir à escola, estar com os meus amigos, jogar basquetebol. Demorar uma hora a pentear-me de manhã. Ser independente. Não contar os dias que faltam para a próxima quimioterapia. Não contar os minutos que faltam para os próximos comprimidos. Agora o Hospital de Coimbra é a minha segunda casa; doutores, enfermeiros e auxiliares a minha segunda família. Passaram dois meses e continuo a ter medo destes corredores que parecem não ter fim.
  • 2. Questiono-me várias vezes: “Porquê a mim?”, “Que mal fiz eu?”. Ninguém tem uma resposta. Já passaram dois tratamentos, faltam-me assim quatro ciclos de quimioterapia. Já sinto o friona cabeça. Os últimos cabelos estão a cair. Incrível como já me senti dona do mundo, capaz de tudo, e agora não ser capaz de nada. Otempo teima a ser lento, e eu teimo em contar o tempo. A verdade é que tentei mostrar-meforte, e à medida que vou entrando nesta nova realidade, vou-me desanimando. Tenho saudadesda antiga Raquel que costumava habitar este corpo, sempre com solução para tudo. Onde está asolução agora?! Sei que neste tipo de situações temos é que levantar a cabeça, lutar todos os dias eaproveitar cada dia ao máximo. Mas palavras são fáceis de dizer. Como posso aproveitar aomáximo se estou fechada entre paredes? Perdi a vontade para tudo. Nada me concretiza. Realmente custa. Há aqui casos muito piores. Alguns sem cura. Outros com imensos meses de tratamento. Emtantos casos, no meio de tantas crianças, o meu não é de longe o pior. A verdade é que muitaspessoas dariam tudo para viver este meu “pesadelo”, porque o deles deve ser um autênticoinferno. Por vezes ainda acredito que a qualquer instante vou ter a minha mãe a acordar-me e istonão passou tudo mesmo de um grande pesadelo. Resta-me esperar. A vida é injusta. Fevereiro 2013 Imaginem um carrocel, daqueles com as chávenas que andam à roda. E rodam e rodam erodam. E tudo à nossa volta fica desfocado. Foi assim que me senti. Que a minha vida estavadesfocada. Que eu de repente andava às voltas. Senti-me perdida. Quando saímos da nossa zona de conforto sentimo-nos perdidos. A razão de isto acontecer é simples: não conhecemos as diferentes realidades. Vivemos nonosso pequeno “país das maravilhas” onde só existem os nossos problemas e tudo parece estarcontra nós. Só quando conhecemos a realidade dos outros é que damos valor ao que temos. Porquesábio é quem dá valor ao que tem antes de perder. Eu aprendi com várias realidades. 2 Acreditar | EMRC
  • 3. Quando iniciei o meu tratamento não fazia ideia do que me esperava. Fui conhecendo aospoucos e poucos. Não vou mentir e dizer que tornou-se mais fácil. Apenas mudou a minhamaneira de ver as coisas. Eu que pensava dar valor a tudo, não dava valor a nada. Conheci a força quando tinha quelevar tratamentos dolorosos. Conheci o amor, sempre que dizia estar farta de tudo, e a minhamãe me dizia: “Calma, tu vais conseguir!”. Conheci a saudade, quando tinha que ficar vários diassem ver o meu pai, e a dor quando tinha que lhe dizer adeus. Coisas simples como deitar-me na minha cama, levantar-me, poder sair à rua, tomar banho,entre outras coisas do dia-a-dia de uma pessoa, passaram a ser importantes para mim, quandoas conseguia fazer sozinha. Logo a conclusão que eu tiro, é que eu teimava em contar o tempo. Vivia com muita pressa.Mas o meu objetivo e de todas as crianças que lá estavam era lutar pela vida. E o de algumas crianças infelizmente era lutar por mais alguns dias. Era dar valor a cadamomento. Não esqueço aqueles sorrisos, mesmo com tanto sofrimento. Não esqueço a esperança daqueles pais, mesmo quando tudo apontava para o pior. Não esqueço a determinação dos médicos em curar-nos. A determinação de todos emproporcionar-nos um dia melhor. Não me esqueço dos amigos que lá conheci. Dos que já cá nãoestão. Mostraram-me como o ser humano pode ser extraordinariamente forte. Se uma criança consegue sorrir em tal momento, porque havemos de reclamar de coisas tãoinsignificantes? Aprendi a dar valor às pequenas coisas, que afinal são tão grandes. Não façam que vivam. Vivam mesmo! E quando se queixarem do tempo, dos testes, dos vossos pais a chatearem-vos, como eutambém me queixava, pensem que às vezes nem tudo é tão mau como parece, e que se calhar oque nós temos e tanto reclamamos, é o sonho de alguém! Ílhavo, fevereiro2013 , Raquel Vicente Cunha, Aluna de EMRC 3 Acreditar | EMRC

×