RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008

  • 788 views
Uploaded on

...


Normas para a Educação Especial, modalidade da Educação Básica no Sistema Municipal de Ensino de Araucária.

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
788
On Slideshare
788
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008Aprovada em: 20/06/2008 Reexame em: 01/07/2008PARECER ANEXO Nº 09/2008Aprovado em: 20/06/2008 Reexame em: 01/07/2008COMISSÃO PERMANENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIALINTERESSADO: Sistema Municipal de Ensino de AraucáriaMUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA / ESTADO DO PARANÁASSUNTO: Normas para a Educação Especial, modalidade da Educação Básica noSistema Municipal de Ensino de Araucária.COORDENADOR: Conselheira Giovanna PonzoniRELATORIA COLETIVA O Conselho Municipal de Educação de Araucária no uso de suas atribuições legais,ouvida a Comissão Permanente de Educação Especial, e com fundamento no inciso III doart. 11 da Lei Federal nº 9.394/96, à vista da Lei Municipal nº 1.527, de 2 de novembro de2004 (publicada em Diário Oficial do Paraná em 30/06/2005) RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Art. 1º – A organização da Educação Especial, modalidade da Educação Básica,para o Sistema Municipal de Ensino, contempla os aspectos contidos na presenteResolução e no Parecer nº 09/2008 que a esta se incorpora. Art. 2º – A oferta obrigatória da educação especial tem início na educação infantil,a partir de zero ano. Art. 3º – A Educação Especial, dever constitucional do Estado e da família, seráoferecida, preferencialmente, na rede regular de ensino. Parágrafo Único – Os educandos com necessidades educacionais especiais que necessitam de uma atenção individualizada nas atividades da vida autônoma e social, recursos, ajudas e apoios intensos e contínuos que a escola comum não consiga prover, serão atendidos em caráter extraordinário, em escolas especiais, atendimento que será complementado, sempre que necessário e articuladamente, pelos serviços de Saúde, Trabalho e Promoção Social, Cultura, Esporte e Lazer, sob a responsabilidade do município, de forma gratuita. Art. 4º – O atendimento educacional especializado será realizado em serviços e 1
  • 2. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008apoios especializados: Classes Especiais, Escolas Especiais, Salas de Recursos, CentrosEspecializados e Serviço Educacional de Apoio à Inclusão no Trabalho. CAPÍTULO II DA INCLUSÃO ESCOLAR Art. 5º – O sistema educacional será reestruturado tendo em vista a inclusãoescolar na Educação Básica (suas etapas e modalidades). Parágrafo Único – Será realizada discussão no Sistema Municipal de Ensino que envolva as etapas da Educação Básica: Educação Infantil, Ensino Fundamental e suas modalidades. Art. 6º – As Unidades Educacionais de Ensino Regular Municipais garantirão emsuas Propostas Pedagógicas o acesso e o atendimento a educandos com necessidadeseducacionais especiais. § 1º – O currículo será o mesmo para todos os educandos, pois como cidadãos, todos têm o direito à igualdade de oportunidades e a Unidade Educacional tem como função a democratização e socialização do saber elaborado e científico. § 2º – O currículo atenderá às necessidades diferenciadas dos educandos, incorporando a questão da diversidade e valores inclusivos, estabelecendo um planejamento individualizado e uma avaliação que permita diversificadas formas de expressão, fornecendo indicativos dos processos que devem ser retomados. Art. 7º – A Secretaria Municipal de Educação é a responsável por prover asUnidades Educacionais das condições para atender aos educandos, de acordo com assuas necessidades específicas em seu processo de desenvolvimento e aprendizagem. Art. 8º – A Secretaria Municipal de Educação organizará e efetivará Plano deFormação Continuada sobre Inclusão Escolar a todos os profissionais da educação,especialmente aos professores que atuam com educandos com necessidadeseducacionais especiais incluídos nas Unidades Educacionais da Rede Municipal deEnsino. § 1º – O Plano de Formação Continuada envolverá todos os departamentos de ensino da SMED, visto que a Inclusão Escolar diz respeito a todas as etapas e modalidades da Educação Básica oferecidas pela Rede Municipal de Ensino e não somente à modalidade da Educação Especial. § 2º – Prevalecerão os aspectos pedagógicos relacionados ao desenvolvimento das potencialidades do educando, com enfoque na sua capacidade de aprendizagem, sendo acrescida nessa formação conhecimentos relacionados aos aspectos clínicos e sociais que se fizerem necessários. Art. 9º – A SMED garantirá as condições de acessibilidade a todos os educandosnas Unidades Educacionais de ensino regular: I – eliminação de barreiras arquitetônicas urbanísticas na edificação, incluindo 2
  • 3. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008 instalações, equipamentos, tecnologia assistiva e mobiliário; II – eliminação de barreiras nas comunicações; III – profissionais de apoio ao atendimento aos educandos incluídos; IV – professor atuando como intérprete nas classes comuns de Ensino Regular em que estiverem matriculados alunos surdos. Art. 10 – Fica estabelecida a redução de dois educandos por turma para cadaeducando incluído em classe comum do ensino regular, não podendo ultrapassar aquantidade de dois educandos inclusos por turma. § 1º – Cabe à Secretaria Municipal de Educação prover a Unidade Educacional das condições para a organização de turmas conforme o número estabelecido na legislação. § 2º – A Unidade Educacional fará o planejamento, para o ano subseqüente, do número de turmas e professores necessários para o atendimento a todos os educandos, considerando os incluídos que estarão matriculados em turmas menores. § 3º – No caso dos alunos surdos, poderão estar inclusos até 08 (oito) alunos em cada turma, não ultrapassando o número admitido definido para o Ensino Fundamental, com garantia do professor-intérprete de Língua Brasileira de Sinais ou Professor Bilíngüe, Art. 11 – Será realizado planejamento participativo entre a Unidade Educacionalque atende o educando com necessidade educacional especial incluído, os Serviços eApoios Especializados, o Serviço de Saúde do Sistema Público e os pais/responsáveis. Art. 12 – Os educandos com necessidades educacionais especiais incluídos nassalas comuns do Ensino Regular terão, sempre que necessário, atendimentocomplementar e suplementar em salas de recursos, salas de apoio pedagógico eatendimento no serviço de saúde pública. CAPÍTULO III DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Art. 13 – A Proposta Pedagógica na Educação Especial assegurará um conjuntode recursos, apoios e serviços educacionais especializados, organizadosinstitucionalmente para apoiar, complementar, suplementar e, em alguns casos, substituiros serviços educacionais comuns, de modo a garantir a educação escolar e promover odesenvolvimento dos educandos com necessidades educacionais especiais, em todas asetapas e modalidades da Educação Básica. Art. 14 – O currículo na Educação Especial levará em conta o que determinam osartigos 26, 27 e 32 da LDB, com a base nacional comum e a parte diversificada. Art. 15 – As Propostas Pedagógicas das Unidades Educacionais que prestam 3
  • 4. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008atendimento na Educação Especial devem basear-se nas normas e diretrizes curricularesnacionais e municipais. Art. 16 – Os elementos constitutivos da Proposta Pedagógica seguem legislaçãoestabelecida no Sistema Municipal de Ensino: I – Identificação da Unidade Educacional: a) Localização; b) Histórico; c) Caracterização sócio-econômica da comunidade escolar (educandos, pais e profissionais da educação); d) Caracterização das condições físicas e materiais; e) Histórico do processo de construção da Proposta Pedagógica na Unidade Educacional. II – Princípios, fins e objetivos; III – Concepções: sociedade; educação; gestão; planejamento; formação continuada; currículo; ensino-aprendizagem; metodologia; avaliação; IV – Regime de Funcionamento; V – Condições Físicas e Materiais necessárias; VI – Relação dos profissionais da Unidade Educacional, especificando cargos, funções e níveis de escolaridade; VII – Calendário Escolar; VIII – Matriz curricular; a) Conteúdos, metodologia e avaliação; IX – Anexos: a) Plano de Formação Continuada para os profissionais; b) Plano de Ação da Unidade Educacional. CAPÍTULO IV DA CARACTERIZAÇÃO DOS EDUCANDOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Art. 17 – As necessidades educacionais especiais são aquelas definidas pelascondições de aprendizagem apresentadas pelo educando, em caráter temporário oupermanente, bem como pelos recursos e apoios que a Unidade Educacional deveráproporcionar, objetivando a remoção das barreiras para a aprendizagem. Art. 18 – Será ofertado atendimento educacional especializado aos educandoscom necessidades educacionais especiais decorrentes de: I – dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no processo de desenvolvimento que dificultem o acompanhamento das atividades curriculares, vinculadas a uma causa orgânica específica ou relacionadas a distúrbios, limitações ou deficiências; II – dificuldades de comunicação e sinalização demandando a utilização de outras línguas, linguagens e códigos aplicáveis; 4
  • 5. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008 III – condutas típicas de síndromes e quadros psicológicos, neurológicos ou psiquiátricos; IV – altas habilidades/superdotação, grande facilidade de aprendizagem que leve os educandos a dominar rapidamente os conceitos e procedimentos; V – situações de hospitalização longas. CAPÍTULO V DA REALIZAÇÃO DA AVALIAÇÃO PSICOEDUCACIONAL Art. 19 – Para encaminhamento ao atendimento especializado (serviços e apoios)a criança/adolescente será avaliada pela Equipe de Avaliação Psicoeducacional daSMED. § 1º – A equipe de Avaliação Psicoeducacional será composta por profissionais especializados em Educação Especial da área de Educação, profissionais da área de Saúde e Promoção Social. § 2º – A equipe de Avaliação Psicoeducacional identificará se a necessidade especial está relacionada a causas orgânicas, sociais ou educacionais e indicará os encaminhamentos necessários das Secretarias Municipais de Educação, Promoção Social e Saúde. Art. 20 – Antecedendo o encaminhamento formal para a AvaliaçãoPsicoeducacional, as Unidades Educacionais realizarão a avaliação, no contexto escolar,com o respectivo relatório descritivo, para a identificação das necessidades educacionaisdo educando. § 1º – A avaliação no contexto escolar objetivará conhecer os fatores que impedem e dificultam o processo educativo e servirá ao professor para rever sua prática pedagógica em sala de aula. § 2º – Tal avaliação deverá ser realizada pelo professor, com o apoio da equipe pedagógica ou de professor especializado, podendo contar, ainda, com profissionais dos serviços especializados sempre que necessário. Art. 21 – A Avaliação Psicoeducacional com caráter interdisciplinar estende-se àcriança a partir de zero ano que ainda não freqüente o Sistema Municipal de Ensino. Parágrafo Único – Quando for detectada a necessidade de atendimento especializado às crianças a partir de zero ano, este será interventivo e preventivo, na perspectiva da estimulação precoce, oferecido por uma equipe de profissionais das áreas da educação, saúde e assistência social que atuem integradamente. CAPÍTULO VI DA TERMINALIDADE ESPECÍFICA Art. 22 – Receberá certificação de conclusão de escolaridade com terminalidade 5
  • 6. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008específica o educando que, em virtude de suas necessidades educacionais especiais,depois de esgotadas todas as possibilidades de atendimento educacional nos respectivosserviços e apoios, não atingir o exigido no nível fundamental. Parágrafo Único – Enquanto o educando demonstrar que não se esgotaram suas condições para a aprendizagem na escolarização formal, deve-se reiterar o direito de permanecer matriculado e prosseguir o percurso escolar. Art 23 – Os profissionais da Educação Especial, juntamente com o Departamentode Educação Especial da SMED, aprofundarão estudos relativos aos saberes necessáriosà obtenção da terminalidade específica aos educandos com necessidades educacionaisespeciais e ao momento adequado da terminalidade ocorrer. Art 24 – A partir do ano de 2012, os educandos com necessidades educacionaisespeciais permanecerão nas Escolas Especiais na etapa corresponde às séries iniciais doEnsino Fundamental até a idade de 18 (dezoito) anos, sendo-lhes concedida Certificaçãode Terminalidade Específica após esta idade. Art 25 – Nas classes especiais, será concedida Certificação de TerminalidadeEspecífica, na etapa correspondente às séries iniciais do Ensino Fundamental somenteaos educandos que tenham chegado ao limite de aprendizagem dos conhecimentosescolares, que demonstrem avanços no seu processo de desenvolvimento e a superaçãode seus níveis de letramento. Art. 26 – Os educandos que receberem Certificação de Terminalidade Específicaserão encaminhados a programas públicos de atendimento, para que dêem continuidadeao seu processo de desenvolvimento. § 1º – Até o ano de 2012 serão criados programas públicos de atendimento às pessoas com necessidades especiais para que estas dêem continuidade ao seu processo de desenvolvimento e de inserção social. § 2º – Poderão ser criadas oficinas protegidas, centros de atendimento, centros de convivência ou outros programas, conforme a necessidade. Art. 27 – A certificação denominada terminalidade específica, deverá serfundamentada em avaliação pedagógica, realizada pelo professor e equipe pedagógicada Unidade Educacional, envolvendo ainda os profissionais da área de Saúde e ServiçoSocial e os pais/responsáveis do educando. Art. 28 – O Certificado de Conclusão de escolaridade denominada terminalidadeespecífica virá acompanhado de um Parecer Descritivo no qual estará expresso oconhecimento apropriado pelo educando, segundo o planejamento definido anteriormentepela Unidade Educacional. Parágrafo Único – São elementos indispensáveis na formulação do Parecer Descritivo: I – Processos de aprendizagem funcionais, da vida prática e da convivência social (consciência de si, cuidados pessoais e de vida diária, exercício da independência, capacidade de estabelecer relações coletivamente e cooperativamente, capacidade 6
  • 7. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008 de compreender a indicação de tarefas e executá-las); II – Tempo de permanência na etapa do curso; III – Nível de aprendizagem da leitura, escrita e cálculo. Art. 29 – O Histórico Escolar de certificação de terminalidade específica serádescritivo e conterá essencialmente: I – identificação da Unidade Educacional; II – dados de identificação do educando; III – registros relativos aos períodos, séries, ciclos, etapas ou anos letivos, carga horária e freqüência do educando; IV – assinatura dos responsáveis pela expedição do documento; V – indicação quanto ao nível de adiantamento para o prosseguimento dos estudos, se for o caso; VI – indicação de alternativa educacional (Educação de Jovens e Adultos – Fase II), ao Serviço Educacional de Apoio à Inclusão no Trabalho ou indicação para outros programas públicos de atendimento; VII – relação de demais documentos com cópia anexada ao histórico (parecer descritivo, atestados e avaliações advindos das observações de outros profissionais). Parágrafo Único – O Certificado de Conclusão de Terminalidade Específica expedido pela Unidade Educacional ao educando com necessidades educacionais especiais objetivará historiar a vida escolar do educando, indicando encaminhamentos a políticas públicas de atendimento. Art. 30 – A SMED deverá orientar, acompanhar e aprovar os procedimentos para acertificação da terminalidade específica. Art. 31 – Ao educando que apresentar característica de superdotação serãooferecidos desafios suplementares nas classes comuns do ensino regular e/ou em salasde recursos e a possibilidade de aceleração de estudos para concluir em menor tempo asérie ou etapa escolar, utilizando-se dos procedimentos da reclassificação definidos emlegislação própria do Sistema Municipal de Ensino. Parágrafo Único – A SMED, através do seu Departamento de Educação Especial, viabilizará à Unidade Educacional possibilidades de contatos com outros espaços institucionais da comunidade que atuem com programas para educandos que apresentem altas habilidades. CAPÍTULO VII DA FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS Art. 32 – As Unidades Educacionais de Ensino Comum que atendam educandoscom necessidades educacionais especiais incluídos, contarão em sua equipe pedagógica(direção e suporte pedagógico) com no mínimo um profissional capacitado ouespecializado na modalidade de Educação Especial. 7
  • 8. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008 § 1º – Entende-se como profissional capacitado em Educação Especial aquele que freqüentou curso de Formação Continuada na modalidade de Educação Especial. § 2º – Entende-se como profissional especializado em Educação Especial aquele que comprove habilitação mediante adicional e/ou curso de especialização na modalidade de Educação Especial, em nível médio ou superior. § 3º – Aos professores de classes comuns, a SMED assegurará formação continuada sobre a inclusão para atendimento aos educandos com necessidades educacionais especiais. § 4º – O professor que atua como intérprete nas salas comuns do Ensino Regular apresentará comprovação de fluência em Libras por meio de certificado de proficiência em LIBRAS, emitido pelo Ministério da Educação (PROLIBRAS) ou Declaração (Intérprete ou Apoio Pedagógico) da Federação Nacional de Educação e Integração de Surdos – FENEIS; § 5º – O instrutor de libras apresentará a mesma certificação, sendo preferencialmente surdo. Art. 33 – Nas Escolas Especiais e nos Centros de Atendimento Especializado,equipe pedagógica (direção e suporte pedagógico) e professores comprovarão habilitaçãomediante adicional e/ou curso de especialização na modalidade de Educação Especial,em nível médio ou superior. Art. 34 – Os professores que atuem em serviços e apoios pedagógicosespecializados nas Unidades Educacionais de Ensino Regular, comprovarão habilitaçãomediante adicional e/ou curso de especialização na modalidade de Educação Especial,em nível médio ou superior. CAPÍTULO VIII DOS SERVIÇOS ESPECIALIZADOS SEÇÃO I DAS CLASSES ESPECIAIS Art. 35 – As Unidades Educacionais de ensino regular municipais devidamenteautorizadas pela SMED, poderão criar, sempre que for necessário e que houverdemanda, classes especiais para os anos iniciais do Ensino Fundamental. Parágrafo Único – Para autorização de Classes Especiais, a Unidade Educacional elaborará processo próprio, e após a verificação adicional das condições por parte do Setor de Estrutura e Funcionamento da SMED, o pedido deverá ser encaminhado ao Conselho Municipal de Educação para análise e emissão de Parecer e posteriormente à SMED para emissão de ato de autorização de funcionamento. Art. 36 – Nas classes especiais serão atendidos educandos das séries iniciais doEnsino Fundamental que apresentem: 8
  • 9. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008 I – quadros de deficiência mental ou múltipla, que demandem ajuda e apoio intensos e contínuos, os quais a classe regular comum não consiga prover. II – condições de comunicação e sinalização diferenciadas. III – condutas típicas, síndromes e quadros psicológicos, neurológicos ou psiquiátricos. Art. 37 – A matrícula do educando na Classe Especial será efetivada medianterelatório e indicação da equipe de Avaliação Psicoeducacional. Parágrafo Único – Os educandos das classes comuns que apresentarem indicativos de necessidade de atendimento em classe especial, serão encaminhados pela Unidade Educacional, com relatório elaborado pelo professor e equipe pedagógica à equipe de Avaliação Psicoeducacional da SMED que realizará avaliação, com respaldo de testes formais psicológicos e quando necessário de outros profissionais da saúde e indicará as intervenções especializadas necessárias aos educandos. Art. 38 – O currículo da classe especial será pautado pelos princípios e objetivosda Proposta Pedagógica da Unidade Educacional, observando-se as necessidades doseducandos, utilizando-se métodos, procedimentos didáticos e recursos pedagógicosespecializados e, quando necessário, materiais didáticos e equipamentos específicospara que o educando tenha acesso ao currículo da base nacional comum e partediversificada. Art. 39 – A avaliação na Classe Especial será processual e contínua. § 1º – Os resultados obtidos de análise qualitativa serão devidamente registrados em Parecer Descritivo elaborado semestralmente e oferecerão indicações sobre as possibilidades de novos encaminhamentos pedagógicos e clínicos para o educando. § 2º – O Parecer Descritivo será elaborado conjuntamente pelo professor da Classe Especial e pela equipe pedagógica da Unidade Educacional e terá formulário próprio, expedido pela SMED. § 3º – Os pais/responsáveis serão informados do processo de aprendizagem e desenvolvimento do educando e receberão cópia dos pareceres descritivos semestrais. Art. 40 – A pasta individual do educando que freqüenta a Classe Especial, deveráconter: I – ficha de matrícula; II – relatórios da Avaliação Psicoeducacional; III – planejamento educacional individual; IV – avaliação pedagógica de acompanhamento semestral (Parecer Descritivo), elaborada pelo professor; V – laudos médicos. Art. 41 – As classes especiais terão espaço físico adequado, com tamanho,localização, salubridade, iluminação e ventilação de acordo com as normas estabelecidas 9
  • 10. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008em legislação específica e materiais pedagógicos adequados às necessidades doseducandos. Art. 42 – Fica estabelecido número máximo de doze educandos por turma. Art. 43 – A Classe Especial obedecerá ao art. 24 da LDB nº 9.394/96, com cargahorária mínima anual de 800 horas, distribuídas por um mínimo de 200 dias de efetivotrabalho escolar. Art. 44 – Para atuar na Classe Especial, o professor deverá comprovar habilitaçãoem Educação Especial em nível médio (adicional) ou em nível de especialização em Pós-Graduação. Art. 45 – É de responsabilidade das Unidades Educacionais encaminharjuntamente com a declaração de transferência do educando matriculado na ClasseEspecial, cópia da última avaliação pedagógica semestral do educando (ParecerDescritivo), do relatório da avaliação psicoeducacional e demais documentos referentesao processo de acompanhamento do educando. Art. 46 – Os educandos matriculados em Classe Especial que apresentaremavanços no seu processo de ensino-aprendizagem, serão encaminhados para sériecorrespondente da Classe Comum, mediante avaliação pedagógica contínua realizadapelo professor e equipe pedagógica da Unidade Educacional, devidamente registrada emParecer Descritivo e encaminhada à documentação escolar para análise e deferimento. SEÇÃO II DAS ESCOLAS ESPECIAIS Art. 47 – Nas Escolas Especiais serão atendidos educandos com necessidadeseducacionais especiais que apresentem quadros graves de deficiência mental e múltiplaque requeiram apoios intensos e supervisão contínua nas atividades da vida autônoma esocial. Art. 48 – As escolas especiais obedecerão à mesma legislação específica paratodas as Unidades Educacionais referente às normas para criação, autorização erenovação de autorização de funcionamento ou cessação de atividades. Parágrafo Único – As Escolas Especiais poderão ofertar as etapas da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, conforme indicar sua autorização de funcionamento. Art. 49 – As Instituições de ensino não-governamentais e sem fins lucrativos deEducação Especial que necessitem pleitear apoio técnico, pedagógico, administrativo efinanceiro do Poder Público Municipal, deverão ter o acompanhamento e a avaliaçãoperiódica do setor competente da Secretaria Municipal de Educação. 10
  • 11. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008 Art. 50 – As Escolas Especiais obedecerão ao art. 24 da LDB nº 9.394/96, comcarga horária mínima anual de 800 horas, distribuídas por um mínimo de 200 dias deefetivo trabalho escolar. Art. 51 – As escolas especiais terão condições adequadas às necessidades doeducando: I – acessibilidade nas edificações, com a eliminação de barreiras arquitetônicas nas instalações, mobiliários e equipamentos, conforme normas técnicas e legislação específica. II – profissionais de apoio capacitados. III – professores e equipe pedagógica (direção e suporte pedagógico) habilitados ou especializados em Educação Especial. Art. 52 – Para matrícula de ingresso ou matrícula mediante transferência emEscola Especial, o educando realizará avaliação com uma equipe especializadainterdisciplinar composta pela equipe pedagógica da Escola Especial, pelos profissionaisdo Serviço de Saúde Especial e do Serviço Social. Art. 53 – A pasta individual do educando que freqüenta a Escola Especial, deveráconter: I – ficha de matrícula; II – cópia da avaliação psicoeducacional; III – planejamento educacional individual; IV – avaliação pedagógica de acompanhamento semestral (Parecer Descritivo), elaborada pelo professor; V – laudos médicos. Art. 54 – O professor, juntamente com a equipe pedagógica da escola especial,sob orientação do Departamento de Educação Especial da SMED, realizará avaliaçãopedagógica semestral dos educandos, registrando-se em Parecer Descritivo, indicando aspossibilidades de novos encaminhamentos pedagógicos e clínicos, quando for o caso. Art. 55 – De acordo com o desenvolvimento apresentado pelo educandomatriculado em Escola Especial, o seu encaminhamento para o Ensino Comum serárealizado mediante avaliação pedagógica contínua, devidamente registrada em ParecerDescritivo. § 1º – O parecer descritivo será elaborado pelo professor, equipe pedagógica das escolas especiais, juntamente com os profissionais da área de Saúde, Serviço Social e os pais ou responsáveis pelo educando. § 2º – O Parecer Descritivo será encaminhado à documentação escolar para análise e deferimento. Art. 56 – A partir do ano de 2012, o educando que tenha chegado ao limite deaprendizagem dos conhecimentos escolares, completados 18 (dezoito) anos, deveráreceber certificação de terminalidade específica na etapa correspondente às séries iniciais 11
  • 12. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008do Ensino Fundamental. Parágrafo Único – Ao receber a certificação de terminalidade específica, o educando será encaminhado para o Serviço Educacional de Apoio à Inclusão no Trabalho ou para outros programas públicos de atendimento. Art. 57 – As escolas especiais terão espaço físico adequado, com tamanho,localização, salubridade, iluminação e ventilação de acordo com as normas estabelecidasem legislação específica e materiais pedagógicos adequados às necessidades doseducandos. Art. 58 – Fica estabelecido o número máximo de dez educandos por turma. Parágrafo Único – A organização das turmas obedecerá ainda as especificidades de cada educando e determinação do Parecer das equipes de avaliação especializada interdisciplinar. Art. 59 – As escolas especiais contarão com serviços das áreas de Saúde,Trabalho e Serviço Social que sejam necessários ao atendimento dos educandos comnecessidades educacionais especiais. § 1º – Esses serviços, contarão com estrutura, espaço físico, tamanho, localização, salubridade, iluminação e ventilação adequadas e de acordo com as necessidades do atendimento. § 2º – Caberá a SMED prover tais condições, através de parcerias com as Secretarias Municipais. Art. 60 – O educando com necessidades educacionais especiais terá garantidotodo o atendimento clínico necessário ao seu desenvolvimento. Parágrafo Único – O atendimento clínico poderá ser realizado nas Unidades Educacionais, desde que não ocupe o tempo reservado ao trabalho pedagógico, garantindo-se as 800 horas e 200 dias letivos de efetivo trabalho escolar previstos em lei. CAPÍTULO IX APOIOS ESPECIALIZADOS SEÇÃO I SALA DE RECURSOS Art. 61 – As Unidades Educacionais de ensino regular municipais devidamenteautorizadas pela SMED, poderão criar, sempre que for necessário e que houverdemanda, Salas de Recursos para o Ensino Fundamental. Parágrafo Único – Para autorização de Salas de Recursos, a Unidade Educacional elaborará processo próprio, e após a verificação adicional das condições por parte do Setor de Estrutura e Funcionamento da SMED, o pedido deverá ser encaminhado ao Conselho Municipal de Educação para análise e 12
  • 13. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008 emissão de Parecer e posteriormente a SMED para emissão de ato de autorização de funcionamento. Art. 62 – Nas Salas de Recursos serão atendidos educandos do EnsinoFundamental que necessitem de apoio complementar para obter avanço no processo deaprendizagem na classe comum de ensino regular e que apresentem: I – transtornos/distúrbios de aprendizagem, com dificuldades de comportamentos individuais e sociais; II – manifestações comportamentais típicas de síndromes e quadros psicológicos que ocasionam atrasos no desenvolvimento e prejuízos no relacionamento social; III – condições de comunicação e sinalização diferenciadas. Art. 63 – Poderão ser criadas salas de recursos para suplementar o atendimentoeducacional realizado no ensino regular para os educandos superdotados/ com altashabilidades. Art. 64 – A matrícula do educando na Sala de Recursos só será efetivada medianterelatório da equipe de Avaliação Psicoeducacional. Parágrafo Único – Para ingresso em Sala de Recursos, os educandos do Ensino Fundamental serão encaminhados pela Unidade Educacional com relatório elaborado pelo professor e equipe pedagógica à equipe de Avaliação Psicoeducacional da SMED que realizará avaliação e indicará as intervenções e encaminhamentos necessários aos educandos. Art. 65 – O trabalho pedagógico da Sala de Recursos será realizado medianteplanejamento que parta das necessidades específicas de cada educando, utilizando-se demetodologias, procedimentos didáticos e recursos pedagógicos especializados e, quandonecessário, materiais didáticos e equipamentos específicos de forma a subsidiar oeducando no seu processo de aprendizagem do currículo da base nacional comum eparte diversificada. Parágrafo Único – O trabalho desenvolvido na Sala de Recursos não tem caráter de reforço escolar. Art. 66 – O acompanhamento pedagógico do educando será registrado emrelatório semestral na forma de Parecer Descritivo, elaborado pelos professores da Salade Recursos e Classe Comum juntamente com a equipe pedagógica e terá formuláriopróprio, expedido pela SMED. Parágrafo Único – Deverá ocorrer acompanhamento da prática educativa e reavaliação periódica dos processos de intervenção pedagógica, proposto para cada educando, pelo professor da Sala de Recursos, professor da Classe Comum, equipe pedagógica da Unidade Educacional de Ensino Comum em que o educando estiver matriculado e Equipe do Departamento de Educação Especial da SMED. Art. 67 – O educando freqüentará a Sala de Recursos pelo tempo necessário parasuperar as dificuldades e obter êxito no processo de aprendizagem na Classe Comum. § 1º – O educando receberá atendimento clínico necessário para a superação de 13
  • 14. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008 suas dificuldades pelo Serviço de Saúde Pública. § 2º – Quando o educando não necessitar mais da Sala de Recursos, seu desligamento deverá ser formalizado por meio de relatório pedagógico elaborado pelos professores da Sala de Recursos, Classe Comum e Equipe Pedagógica. Art. 68 – As Salas de Recursos terão espaço físico adequado, com tamanho,localização, salubridade, iluminação e ventilação de acordo com as normas estabelecidasem legislação específica e materiais pedagógicos adequados às necessidades doseducandos. Art. 69 – O atendimento na Sala de Recursos será realizado para grupos de, nomáximo, cinco educandos, de duas a quatro vezes semanais no mínimo, uma hora e meiaem período contrário à freqüência do educando na classe comum. § 1º – O cronograma de atendimento será elaborado pelo professor da Sala de Recursos, juntamente com a Equipe Pedagógica da Unidade Educacional, conforme as necessidades pedagógicas do educando, em consonância com a indicação dos procedimentos de intervenção pedagógica do relatório da Avaliação Psicoeducacional. § 2º – O professor organizará o controle de freqüência dos educandos através de formulário próprio elaborado pela Unidade Educacional que ofereça a Sala de Recursos. § 3º – No cronograma estará garantido um período para organização do trabalho entre o professor da Sala de Recursos e professor da Classe Comum e a equipe pedagógica da Unidade Educacional em que o educando estiver matriculado. Art. 70 – Para atuar na Sala de Recursos, o professor deverá comprovarhabilitação em Educação Especial em nível médio (adicional) ou em nível deespecialização em Pós-Graduação. Art. 71 – A pasta individual do educando que freqüenta a Sala de Recursos, alémdos documentos exigidos para a Classe Comum, deverá conter os relatórios da AvaliaçãoPsicoeducacional e Pareceres Descritivos de acompanhamento semestral, elaboradospelos professores da Sala de Recursos e da Classe Comum. § 1º – Para o educando freqüentar a Sala de Recursos em outra Unidade Educacional, deverá haver na pasta individual tanto da Classe Comum quanto da Sala de Recursos a documentação acima citada. § 2º – Os pais/responsáveis serão informados do processo de aprendizagem e desenvolvimento do educando e receberão cópia dos pareceres descritivos semestrais. Art. 72 – É de responsabilidade das Unidades Educacionais encaminharjuntamente com a declaração de transferência do educando matriculado na Sala deRecursos, cópia do último relatório semestral de avaliação do educando, do relatório daAvaliação Psicoeducacional e demais documentos referentes ao processo deacompanhamento do educando na Sala de Recursos. 14
  • 15. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008 SEÇÃO II CENTROS DE ATENDIMENTO ESPECIALIZADO (CAE) Art. 73 – Os Centros de Atendimento Especializado são serviços de naturezapedagógica, desenvolvidos por professores habilitados e/ou especializados em EducaçãoEspecial, ofertados a educandos com necessidades educacionais especiais matriculadosou não na Educação Básica. Art. 74 – Os Centros de Atendimento Especializado oferecerão apoio àescolarização formal do educando e/ou possibilitarão o acesso a línguas, linguagens ecódigos aplicáveis, bem como a utilização de recursos técnicos, tecnológicos e materiais,equipamentos específicos, com vistas a sua inclusão social. Art. 75 – O atendimento nos centros poderá realizar-se em UnidadesEducacionais, em salas adequadas ou espaços especialmente determinados para tal. Art. 76 – O atendimento poderá ser realizado individualmente ou em grupos deeducandos, respeitando suas necessidades e especificidades, em turno contrário, casofreqüentem o ensino regular, de acordo com avaliação diagnóstica. Art. 77 – Será garantido no cronograma de atendimento um horário disponível paraque o professor especializado possa organizar o trabalho com o professor da classecomum e com a equipe pedagógica da Unidade Educacional em que o educandofreqüenta a classe regular. Art. 78 – Serão atendidos nos Centros de Atendimento Especializado educandosregularmente matriculados no Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação de Jovense Adultos, ou não escolares, que apresentem dificuldades na visão, na fala e/ou escrita(cegos, com baixa visão, surdos, surdo-cegos), a partir de zero ano, mediantecomprovação através de laudo médico. Art. 79 – Os Centros de Atendimento Especializado terão condições adequadas àsnecessidades do educando: I – acessibilidade nas edificações, com a eliminação de barreiras arquitetônicas nas instalações, mobiliários e equipamentos, conforme normas técnicas e legislação específica. II – facilitadores de comunicação (sistemas aumentativos ou alternativos de comunicação). III – adaptações dos materiais e recursos pedagógicos e tecnológicos. Art. 80 – Na pasta individual do educando deverá constar: I – cópia da avaliação de ingresso; II – ficha de matrícula; III – freqüência do educando em formulário elaborado pelo Centro de Atendimento Especializado; 15
  • 16. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008 IV – laudos médicos; V – avaliação pedagógica semestral (Parecer Descritivo) elaborada pelo professor e equipe pedagógica; VI – planejamento educacional individual. Art. 81 – Para atuar no Centro de Atendimento Especializado o professor deverácomprovar Habilitação em Educação Especial em nível médio (adicional) ou em nível deEspecialização em Pós-Graduação. § 1º – O professor do CAE-Área de Surdez apresentará comprovação de fluência em Libras por meio de certificado de proficiência em LIBRAS, emitido pelo Ministério da Educação (Prolibras) ou Declaração (Intérprete ou Apoio Pedagógico) da Federação Nacional de Educação e Integração de Surdos – FENEIS. § 2º – O instrutor de libras apresentará a mesma certificação, sendo preferencialmente surdo. § 3º – O professor do CAE-Área Visual apresentará comprovação de conhecimento e domínio do Braille e Sorobã. Art. 82 – Os Centros de Atendimento Especializado obedecerão à mesmalegislação específica para todas as Unidades Educacionais no que se refere às normaspara criação, autorização e renovação de autorização de funcionamento ou cessação deatividades. Art. 83 – A permanência do educando nos Centros estará condicionada à suanecessidade individual e seu desligamento especificamente do CAE-V far-se-á medianteconstatação através de laudo médico e na medida em que a Unidade Educacional,conhecendo e reconhecendo as necessidades desse educando, possa, na sua rede deapoio, dar as respostas educativas que ele necessita. SEÇÃO III SERVIÇO EDUCACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO NO TRABALHO (SEAIT) Art. 84 – O Serviço Educacional de Apoio à Inclusão no Trabalho promoverá ainclusão da pessoa com necessidades especiais no trabalho. Art. 85 – Este serviço encaminhará as pessoas com necessidades especiais paracursos profissionalizantes ofertados pelo Poder Público, instituições públicas ou privadasde Educação Profissional, para estágios ou trabalho com vínculo empregatício. Art. 86 – O Serviço Educacional de Apoio à Inclusão no Trabalho realizará contatocom as instituições e empresas do município, auxiliando-as no processo de inclusão daspessoas com necessidades especiais. Art. 87 – Será realizado acompanhamento do processo de inclusão no trabalho,através de reuniões e intervenções com a pessoa com necessidades especiais, sua 16
  • 17. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008família e a instituição na qual ela tenha sido incluída. Art. 88 – O Serviço Educacional de Apoio à Inclusão no Trabalho estará articuladoà Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego, com vistas ao encaminhamento eacompanhamento do processo de inclusão no trabalho às pessoas com deficiência. CAPÍTULO X DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 89 – Serão discutidos pelas instituições que compõem o Sistema Municipal deEnsino questões que ultrapassam os limites da Educação Especial, mas que interferemdiretamente na qualidade de sua oferta: I – Organização de um programa de atendimento com caráter de apoio pedagógico no contra-turno para o Ensino Fundamental. II – Organização e efetivação por todos os departamentos da SMED de Plano de Formação Continuada sobre Inclusão Escolar aos profissionais da educação, atendendo imediatamente aos professores que atuam com educandos com necessidades educacionais especiais incluídos nas Unidades Educacionais da Rede Municipal de Ensino. III – Ampliação no atendimento do Serviço de Saúde Especial, tendo em vista as necessidades dos educandos. IV – Discussão junto a Secretaria Municipal de Saúde visando a implantação de um Centro de Habilitação e Reabilitação, contemplando o atendimento a todas as pessoas com necessidades especiais. V – Criação, até o ano de 2012, de programas públicos de atendimento às pessoas com necessidades especiais que, ao receber certificação de terminalidade específica da Unidade Educacional, não freqüentarão mais escolas ou classes especiais, para serem encaminhadas a outras atividades oferecidas pelo Poder Público, dando continuidade ao seu processo de desenvolvimento e de inserção social. Art. 90 – Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogando-sea Resolução nº 02/2006-CME/Araucária. Araucária, 01 de julho de 2008. Ana Lúcia Ribeiro dos Santos Presidente do CME/Araucária Conselheira Giovanna Ponzoni Coordenadora 17
  • 18. MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA ESTADO DO PARANÁ CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CME/ARAUCÁRIA Nº 03/2008VOTO DOS CONSELHEIROSCONCLUSÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A Comissão aprova por unanimidade a presente Resolução.Conselheira Titular Adriana Cristina Kaminski Ferreira..........................................................Conselheira Titular Emília Correia..........................................................................................Conselheira Titular Giovanna Ponzoni...................................................................................Conselheira Titular Maria Aparecida Iargas Karas.................................................................Conselheira Suplente Elair Hasselmann de Bastos...............................................................Conselheira Suplente Gicele Maria Gondek...........................................................................Conselheira Suplente Maria Aparecida Vieira........................................................................CONCLUSÃO DO PLENÁRIO DO CME/ARAUCÁRIA Em conclusão: O Plenário acompanha a decisão da Comissão Permanente deEducação Especial e aprova a presente Resolução.Conselheira Titular Ana Lúcia Ribeiro dos Santos (Presidente do CME)...............................Conselheira Titular Elecy Maria Luvizon.................................................................................Conselheira Titular Emília Correia..........................................................................................Conselheira Titular Giovanna Ponzoni...................................................................................Conselheira Titular Márcia R. N. Katuragi de Melo.................................................................Conselheira Titular Maria Aparecida Iargas Karas.................................................................Conselheira Titular Maria Terezinha Piva...............................................................................Conselheiro Titular Moacir Marcos Tuleski Pereira................................................................Conselheiro Titular Sérgio Luis Prestes.................................................................................. 18