Banco de Órgãos em Portugal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Banco de Órgãos em Portugal

on

  • 806 views

Fui contactada por um grupo de estudantes Universitários muito interessados no tema dos Transplantes, Doação e Banco e Recolha de Órgãos em Portugal, no sentido de os ajudar a esclarecer algumas ...

Fui contactada por um grupo de estudantes Universitários muito interessados no tema dos Transplantes, Doação e Banco e Recolha de Órgãos em Portugal, no sentido de os ajudar a esclarecer algumas perguntas que me enviaram por mail ... Aqui têm o resultado de este excelente trabalho.
Parabéns,
Sandra Campos


Mail que recebi:

Boa noite,
Somos um grupo de alunos da Universidade do Minho do curso de Engenharia Biómedica e estamos a realizar um trabalho sobre Banco de Órgãos em Portugal.
Gostariamos de saber se tem disponibilidade para nos responder a algumas perguntas.
Ficariamos muito gratos.
Muito obrigado pela atenção.


Diana,
Joana,
Marino,
Paulo,
Sara

Statistics

Views

Total Views
806
Views on SlideShare
806
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
8
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Banco de Órgãos em Portugal Document Transcript

  • 1. Universidade do Minho 2009/2010 ÓRGÃOS: “Da Doação… … à Transplantação” Serviços de apoio Clínico Docente: Olívia Pereira Trabalho realizado Por: Diana Machado nº52550 Joana Castro nº52578 Marino Maciel nº52557 Paulo Silva nº52569 Sara Pimenta nº52567 Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica – 3ºAno Maio 2010
  • 2. Agradecimentos À professora Olívia Pereira, docente da unidade curricular Serviços de Apoio Clínico, pela ajuda prestada na sugestão dos vários aspectos que deveriam ser abordados no presente trabalho. À senhora Sandra Campos, pelo seu testemunho e pela sua disponibilidade em responder a algumas questões sobre o seu caso de transplantação bi-pulmonar. Ao Doutor José Gerardo, Director de Transplantação do Hospital S. João, pelo esclarecimento de dúvidas relativas à realização do trabalho.
  • 3. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” Sumário O presente trabalho tem como principal objectivo abordar a temática da transplantação de órgãos, nomeadamente, de definir os seus tipos, transplantação autoplástica e heteroplástica, indicar quais os principais problemas éticos e jurídicos relacionados, fazer uma análise estatística acerca da doação e transplantação de órgãos em Portugal, e perceber quais os principais mecanismos envolvidos na preservação e transporte de órgãos. Para além disso, ao longo da realização deste trabalho procedeu-se ao contacto com uma pessoa que realizou um transplante bi-pulmonar, sendo que a entrevista realizada encontra-se na totalidade em anexos, e no corpo do trabalho encontra-se um pequeno comentário a essa entrevista, realizado pelo grupo. O principal objectivo foi comparar a informação recolhida na literatura com uma situação real.
  • 4. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” Índice 1.Introdução.................................................................................................................. 3 2.Transplante de órgãos ................................................................................................ 4 3.Princípios éticos e perspectiva jurídica da transplantação em Portugal........................ 5 4.Rede nacional de coordenação de colheita e transplantação........................................ 8 4.1 Coordenadores hospitalares de doação................................................................. 8 4.2 Gabinetes Coordenadores de Colheita e Transplantação....................................... 9 4.3 Rede Nacional de Colheita – Unidades Autorizadas para a Colheita de Órgãos.. 10 5.Análise estatística relativa à doação de órgãos em Portugal ...................................... 12 6.Preservação de órgãos .............................................................................................. 16 6.1 Fisiopatologia da Preservação de órgãos............................................................ 17 6.1.1 Integridade da estrutura celular.................................................................... 17 6.1.2 Composição iónica da célula ....................................................................... 18 6.1.3 Lesão por reperfusão ................................................................................... 18 6.2 Soluções para preservação ................................................................................. 18 6.2.1 Solução Euro-Collins .................................................................................. 19 6.2.2 Solução HTK Bretschneider ........................................................................ 19 6.2.3 Solução University of Wisconsin (UW)....................................................... 19 6.2.4 Solução Celsior ........................................................................................... 19 6.3 Técnicas de preservação de órgãos..................................................................... 20 6.4 Princípio de preservação de órgãos .................................................................... 20 6.4.1 Manutenção do doador ................................................................................ 21 6.4.2 Remoção de múltiplos órgãos...................................................................... 21 6.4.3 Soluções de preservação.............................................................................. 21 6.5 Técnicas de preservação correntes ..................................................................... 22 6.5.1 Rim, Fígado e Pâncreas ............................................................................... 22 Serviços de Apoio Clínico Página 1
  • 5. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” 6.5.2 Coração e pulmões ...................................................................................... 22 6.5.3 Intestino delgado ......................................................................................... 23 6.6 Órgãos cuja viabilidade foi comprometida ......................................................... 23 7.Transporte de órgãos................................................................................................ 23 8.Comentário .............................................................................................................. 25 9. Conclusão ............................................................................................................... 26 10.Bibliografia ............................................................................................................ 27 11.Anexos................................................................................................................... 30 Serviços de Apoio Clínico Página 2
  • 6. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” 1.Introdução A doação de órgãos é uma forma peculiar de testemunho da caridade. Numa época como a nossa, com frequência marcada por diversas formas de egoísmo, torna- se cada vez mais urgente compreender quanto é determinante para uma correcta concepção da vida entrar na lógica da gratuidade. De facto, existe uma responsabilidade do amor e da caridade que compromete a fazer da própria vida uma doação aos outros, se quisermos verdadeiramente realizar-nos a nós próprios. Bento XVI, Novembro 2008 A doação de órgãos possibilita a luta pela vida. É um gesto que reflecte o amor ao próximo. É necessária, porque a cada dia que passa as listas de espera por um transplante aumentam. Se um dia se tiver a possibilidade de doar um órgão, porque não o fazer!? Isto contribui para devolver a felicidade a uma pessoa que sofre pela espera de um órgão compatível. O acto de doação conduz a uma grande lição de vida. É de salientar que nem todas as pessoas que morrem podem ser doadores, mas apenas uma percentagem muito pequena. Isto porque, as pessoas vivem toda uma vida em que o organismo é sujeito a sucessivas agressões, e como consequência estas levam a alterações nos seus órgãos, impossibilitando assim a transplantação. O transporte e a preservação de órgãos é um serviço de saúde de extrema importância, que permitem manter a viabilidade do órgão doado. Assim, é um serviço que necessita de uma organização cuidada e especializada. No âmbito da unidade curricular Serviços de Apoio Clínico decidiu-se abordar a temática da transplantação de órgãos, uma vez que esta suscitou um interesse peculiar, pelo facto de ser um tema actual e de interesse para a sociedade global e, simultaneamente, por fornecer conceitos mais técnicos, nomeadamente no que se refere à preservação e transporte dos órgãos, à coordenação da colheita e transplantação de órgãos, problemas éticos e políticos associados à transplantação, etc. Para além disso, esta área poderá ser um campo de trabalho para um Engenheiro Biomédico, nomeadamente na organização da base de dados das listas de espera, no controlo estatístico dos dados da transplantação, etc. Neste sentido o presente trabalho constitui uma mais-valia para o futuro. Serviços de Apoio Clínico Página 3
  • 7. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” 2.Transplante de órgãos Um transplante (ou transplantação) consiste na transferência de células, tecidos ou órgãos vivos de uma pessoa (o doador) para outra (o receptor) ou de uma parte do corpo para outra, com o objectivo de restabelecer uma função perdida. Existem dois subtipos de transplantação, e estes podem ser: [1] 1. Transplantação autoplástica, que é a transplantação de tecidos do mesmo organismo, de um lugar para o outro (como por exemplo, os excertos de pele)[2]; 2. Transplantação heteroplástica, que ocorre quando se transplantam órgãos ou tecidos de um organismo para o outro. E esta pode ser homóloga, se a transplantação ocorrer entre indivíduos da mesma espécie. Se a transplantação se der entre indivíduos de espécies diferentes designa-se por heteróloga ou xenotransplantação. A transplantação heteróloga encontra-se actualmente pouco desenvolvida tendo, portanto, um longo caminho a percorrer no mundo da investigação científica. Além disso, abarca consigo um conjunto de problemas, entre os quais pode- se destacar os de natureza: a) Clínica, rejeição por parte do hospedeiro dos órgãos ou tecidos do doador, que neste caso será um animal; aparecimento de doenças de origem não humana, em que o surgimento de vírus letais poderá ser catastrófico. b) Ética, em que, se por um lado há quem veja o xenotransplante como meio para prolongar a vida e melhorar a qualidade da mesma, por outro há quem pense que o homem não possui o direito de utilizar os animais em seu próprio benefício. c) Económica, como é uma área em desenvolvimento, implica grandes investimentos. [3][4][5] Os transplantes acarretam grandes benefícios às pessoas afectadas por determinadas doenças que, de outra maneira, seriam incuráveis. A transplantação de um órgão tem como pressuposto encontrar um doador que seja compatível, assim como aceitar os riscos que uma intervenção cirúrgica dessa escala pode trazer, quer para o beneficiário como para um doador vivo. Implica também aceitar a utilização de fármacos imunossupressores, como também, encarar a possível Serviços de Apoio Clínico Página 4
  • 8. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” rejeição do órgão transplantado e ultrapassar complicações graves que poderão levar à morte. Os órgãos doados podem ter origem numa pessoa viva ou então em alguém que acabou de falecer. A probabilidade de sucesso na transplantação será maior quando se trata de um doador vivo. Porém, órgãos como o coração, os pulmões e os componentes do olho (a córnea e o cristalino) só podem provir de alguém que tenha morrido recentemente. [1] [6] Depois de cumpridas todas as formalidades e realizada a colheita, os órgãos são conduzidos para as unidades de transplantação que contêm o receptor. A complexidade da cirurgia do transplante e a impossibilidade da sua programação, visto estar sempre dependente da ocorrência de um doador, torna imperioso manter as equipas com o nível de preparação técnica necessário. [7] 3.Princípios éticos e perspectiva jurídica da transplantação em Portugal A intervenção das ciências médicas e de técnicas cirúrgicas na área dos transplantes têm tido um progresso rápido e contínuo nos últimos tempos. Porém, com o progresso das técnicas, com o aumento dos pedidos de dádiva, com a escassez de doadores e com questões sobre a qualidade dos órgãos susceptíveis de transplante, os problemas éticos relacionados com o transplante de órgãos têm vindo a tornar-se cada vez mais complexos. [8] A transplantação reflecte questões éticas relativas à experimentação no corpo humano, decisões políticas relacionadas com a saúde e, num sentido mais lato, questionam os limites do conceito de dignidade humana. A ética da transplantação agrega três princípios gerais, que abordam a legitimidade do transplante: 1. O princípio da intangibilidade corporal, ou seja, o corpo pertence à entidade pessoal, e como tal merece tanta dignidade como a pessoa humana. Deste modo, qualquer intervenção na integridade corporal é ao mesmo tempo uma intervenção na dignidade pessoal. 2. O princípio da solidariedade, que defende que o homem é um ser social e capaz de fazer variados sacrifícios em prol do bem da comunidade. Assim, a doação Serviços de Apoio Clínico Página 5
  • 9. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” de órgãos deverá ser uma iniciativa pessoal, mas nunca poderá comprometer a integridade vital. 3. O princípio da totalidade, estipula que o corpo é visto como um todo, então cada parte do mesmo deve ser avaliada de acordo com o todo. Deste modo, qualquer operação com um órgão, se for proveitosa para o corpo humano, torna-se legítima a intervenção médica. A dignidade da pessoa humana potencia a criação de um conjunto de princípios específicos pelos quais a transplantação se rege: 1. O principio da autonomia, que estabelece que a colheita de tecidos ou órgãos tem de passar pelo consentimento do doador vivo e do receptor. O consentimento destes deve ser livre, informado e inequívoco. [11] 2. O princípio da confidencialidade defende que o indivíduo tem a capacidade de decidir se pretende o anonimato em todo o processo. [11] 3. O princípio da gratuidade defende que o órgão ou tecido, por possuir individualidade própria nunca poderá ser vendido. A comercialização de órgãos seria um acto contra a integridade humana, uma vez que o órgão passaria a ser tratado como um mero objecto, com valor monetário, não humano. [11] Os estabelecimentos autorizados a realizar transplantes de órgãos, de tecidos e células podem receber uma remuneração, única e exclusivamente pelo serviço prestado, não podendo o cálculo desta remuneração atribuir qualquer valor aos órgãos, tecidos ou [11] células, colhidos ou transplantados (art. 5º/3). Todavia, existem países que devido à falta de condições de vida, assentam em critérios de ética diferentes, permitindo situações de transplantação remunerada, como é o caso da Índia. 4. O princípio da não discriminação, em que a selecção dos receptores apenas é realizada mediante critérios médicos. A transplantação do encéfalo bem como de órgãos sexuais não existe, porque violaria o conceito de dignidade humana. Isto porque, estas duas situações pisam a fronteira da identidade humana. Sobretudo no que diz respeito ao cérebro, porque este preserva a memória da vida. [9] [10][12] Existem critérios que estabelecem a legitimidade da doação de órgãos e eles são: Serviços de Apoio Clínico Página 6
  • 10. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” 1. Doação voluntária, que possibilita ao indivíduo vivo manifestar livremente a sua opção em aceitar doar os seus órgãos. Esta opção é sempre confirmada por escrito, sendo livremente revogável. [9] 2. Consentimento presumido, no qual por definição todo o indivíduo post mortem é potencial doador de órgãos. Este princípio, que é o usado em Portugal, torna o processo de doação mais eficaz, uma vez que os médicos podem retirar os órgãos de um cadáver imediatamente após a sua morte. O consentimento presumido divide-se em duas componentes: a forte, que permite ao médico retirar os órgãos de todo e qualquer cadáver, e a fraca, que exclui do conjunto de doadores, todos os cidadãos que, em vida, tenham declarado objecção ao procedimento. [9] Numa perspectiva jurídica, salientam-se os seguintes direitos do paciente: a) Direito ao consentimento informado e ao sigilo médico. b) Direito do homem sobre o poder do seu corpo. c) Direito do receptor negar o tratamento, mesmo que isso implique a sua morte. Em Portugal, a 22 de Abril de 1993 foi publicada a Lei 12/93, lei que regulamenta a Colheita e Transplante de órgãos e tecidos de Origem Humana. Algumas considerações sobre a lei: Relativamente à colheita em vida, a lei refere-se à admissibilidade dos doadores, ao consentimento e ao direito à assistência e à indemnização. Os doadores vivos possuem um seguro (art.9º/2), que lhes reserva uma indemnização no caso de ocorrer qualquer dano. Em relação à colheita de órgãos ou tecidos em cadáveres, a legislação considera potenciais doadores quem não tenha manifestado ao Ministério da Saúde a sua qualidade de não doador. Para esse efeito, existe o RENNDA (Registo Nacional de Não Doadores), trata-se de um sistema informatizado onde constam todos os que manifestaram junto do Ministério a sua total ou parcial indisponibilidade em doar post mortem órgãos/tecidos. A legislação portuguesa normalmente autoriza apenas a colheita em vida de órgãos regeneráveis (art.6º). Contudo, para menores e outros incapazes a proibição é absoluta. Nos casos em que existe uma relação de parentesco até ao terceiro grau é Serviços de Apoio Clínico Página 7
  • 11. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” permitida a dádiva de órgãos e substâncias não regeneráveis. No caso de dádiva e colheita de órgãos ou tecidos não regeneráveis, a respectiva admissibilidade fica dependente de parecer favorável, emitido pela Entidade de Verificação da Admissibilidade da Colheita para Transplante (EVA) (art.6º/3). Em relação aos dadores incapazes, está presente a distinção entre menores e os que possuem qualquer anomalia psíquica. As doações de substâncias regeneráveis nos maiores, incapazes por anomalia psíquica, só podem ser feitas mediante autorização judicial (art. 8º/5). Qualquer menor pode doar um órgão através do consentimento dos pais. Quando não existe poder paternal, recorre-se ao tribunal (art. 8º/3), sem ser necessária uma autorização judicial. É de salientar que tudo o que foi referido até então não se aplica a transfusões de sangue, à dádiva de óvulos e esperma, à transferência e manipulação de embriões, assim como à colheita de órgãos para fins de investigação científica, existindo para cada caso uma legislação específica. [9] [11] 4.Rede nacional de coordenação de colheita e transplantação A rede nacional de coordenação de colheita e transplantação é constituída pelos coordenadores hospitalares de doação e por gabinetes coordenados de colheita e transplantação (GCCT). [13] 4.1 Coordenadores hospitalares de doação Os cargos associados aos coordenadores hospitalares de doação (CHD) são desempenhados por licenciados em medicina com formação específica para a detecção e avaliação completa de potenciais doadores de órgãos para transplantação. São preferencialmente médicos das áreas de urgência, cuidados intensivos, emergência ou anestesia. O coordenador hospitalar de doação é nomeado pelo conselho de administração do hospital, sob a proposta do coordenador nacional das unidades de colheita. [14] São apresentadas de seguida um conjunto de funções do CHD: [13] Serviços de Apoio Clínico Página 8
  • 12. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” 1. Identificar e avaliar todos os potenciais doadores através de visitas diárias às unidades de cuidados intensivos ou outros serviços hospitalares onde se prestem cuidados de suporte ventilatório, usando de todos os conhecimentos científicos disponíveis. 2. Obter a história clínica do potencial doador e todos os doados necessários para a sua correcta avaliação e proceder, posteriormente, à sua validação. 3. Assegurar a qualidade, segurança e transparência de todos os procedimentos. 4. Disponibilizar a informação adequada à família dos potenciais doadores. 5. Proceder aos contactos com o GCCT para obtenção do apoio logístico necessário à realização da colheita de órgãos para efeitos de transplantação. 6. Proceder aos registos necessários relacionados com a actividade definidos pela ASST (Autoridade para Serviços de Sangue e Transplantação). 7. Promover e divulgar a actividade da colheita e transplantação de órgãos, bem como participar em acções de sensibilização para a doação na área de influência do respectivo hospital e do GCCT. 8. Reunir periodicamente com o director do GCCT para avaliação de resultados obtidos e concertação de acções, e sempre que necessário com o coordenador nacional das unidades de colheita. 9. Dar parecer sobre medidas propostas no âmbito hospitalar que possam, de algum modo, interferir na actividade de colheita de órgãos. 10. Elaborar anualmente um relatório da actividade desenvolvida e apresentá-lo ao conselho de administração do respectivo hospital e à ASST. 4.2 Gabinetes Coordenadores de Colheita e Transplantação Os Gabinetes Coordenadores de Colheita e Transplantação (GCCT) são sistemas autónomos dotados de recursos humanos com especializações na área da coordenação de colheita e transplantação. São compostos por equipas pluridisciplinares para a realização da colheita de órgãos, tecidos e células nos doadores identificados para esse efeito (pelo CHD) e por outros profissionais indispensáveis à actividade. Funcionam permanentemente, dispondo, para esse efeito, de uma escala de coordenadores de colheita e transplantação e de um sistema de contacto que garante uma resposta eficaz à referenciação de um potencial doador em qualquer hospital do país. [13] Cada gabinete é Serviços de Apoio Clínico Página 9
  • 13. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” dirigido por um director, elegido pelo conselho administrativo do respectivo hospital e sob a proposta da ASST com competência na área da saúde e transplantação e com formação preferencial na área da coordenação de colheita de órgãos, para transplantação. Os GCCT encontram-se localizados no: a. Hospital de São João; b. Centro Hospitalar do Porto - Unidade de Santo António; c. Hospitais da Universidade de Coimbra; d. Centro Hospitalar de Lisboa Central - Hospital São José; e. Centro Hospitalar de Lisboa Norte - Hospital de Santa Maria. 4.3 Rede Nacional de Colheita – Unidades Autorizadas para a Colheita de Órgãos Na tabela seguinte apresentam-se as unidades a nível nacional autorizadas para a colheita de órgãos em pareceria com o respectivo GCCT. Tabela 1 - Unidades Autorizadas para Colheita de Órgãos [15] Zona Norte Em articulação com o GCCT do Em articulação com o GCCT do Hospital de Santo António Hospital de S. João Grupo Hospitalar Hospital Grupo Hospitalar Hospital Centro Hospitalar Unidade de Santo Hospital São João - Hospital São João – do Porto António Porto Porto Hospital Sra. Unidade Local de Hospital Pedro Centro Hospitalar Oliveira – Saúde de Hispano Alto Ave Guimarães Matosinhos (Matosinhos) Hospital Santa Hospital S. Marcos Hospital S. Marcos Unidade Local Luzia - Viana do de Braga de Braga Saúde Alto Minho Castelo Centro Hospitalar C. H. de Vila Real - de Trás-os-Montes Peso da Régua Hospital Padre e Alto Douro Centro Hospitalar Américo - Vale do Centro Hospitalar Tâmega e Sousa C. H. Vila Nova de Sousa de Vila Nova de Gaia/Espinho Gaia/Espinho Zona Centro Em articulação com o GCCT dos Hospitais da Universidade Coimbra Serviços de Apoio Clínico Página 10
  • 14. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” Grupo Hospitalar Hospital Grupo Hospitalar Hospital Centro Hospitalar Hospital Santo Hospital Santo HUC de Lisboa Central André - Leiria André – Leiria Centro Hospitalar Centro Hospitalar de Coimbra Hospital Infante D. Hospital Infante D. de Coimbra Hospital Pediátrico Pedro - Aveiro Pedro – Aveiro de Coimbra Hospital de S. Hospital S. Centro Hospitalar C.H. Cova da Beira Teotónio - Viseu Teotónio – Viseu Cova da Beira – Covilhã Centro Hospitalar C.H. Entre-o-Douro Entre-o-Douro e e Vouga (H. S. Unidade Local de ULS Guarda (H. Vouga Sebastião - Saúde Guarda Sousa Martins) Stª Mª Feira) Hospital Amato Hospital Amato Hospital Ponta Hospital Ponta Lusitano- Castelo Lusitano- Castelo Delgada Delgada Branco Branco Zona Sul Em articulação com o GCCT do Hospital de S. José Grupo Hospitalar Hospital Grupo Hospitalar Hospital C.H.L.C. (São José) Hospital Santarém Hospital Santarém Unidade Local de C.H.L.C. ULS Baixo Saúde Baixo (Capuchos) Alentejo (H Beja) Centro Hospitalar Alentejo de Lisboa Central Hospital Espírito Hospital Espírito C.H.L.C (Estefânia) Santo - Évora Santo – Évora Hospital Distrital C.H.L.C. (Marta) Hospital Faro Faro Hospital Hospital Barlavento Hospital Barlavento H. Curry Cabral Curry Cabral Algarvio Algarvio Hospital Fernando Hospital Fernando Centro Hospitalar Fonseca - Fonseca - C. H. Funchal Funchal Amadora/Sintra Amadora/Sintra Unidade Local de ULS Norte Hospital Garcia de Hospital Garcia de Saúde Norte Alentejano (H. Orta Orta Alentejano) Portalegre Centro Hospitalar Hospital N. Srª do Barreiro Montijo, Hospital Litoral Hospital Litoral Rosário – Barreiro EPE Alentejano Alentejano (H. Centro Hospitalar Hospital São Santiago Cacém) de Setúbal Bernardo (Setúbal) Em articulação com o GCCT do Hospital de Santa Maria Grupo Grupo Hospital Hospital Hospitalar Hospitalar Serviços de Apoio Clínico Página 11
  • 15. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” Hospital de Santa Hospital São Centro Hospitalar Maria Francisco Xavier Lisboa Norte Hospital Pulido Centro Hospital Hospital Egas Valente Ocidental Lisboa Moniz Centro Hospitalar Hospital Abrantes Hospital Santa Cruz Médio Tejo Hospital Hospital Hospital Cascais Reynaldods Santos Reynaldods Santos Hospital Cascais (HPP) - Vila Franca Xira - Vila Franca Xira 5.Análise estatística relativa à doação de órgãos em Portugal Abaixo encontram-se os dados apresentados pela ASST relativamente à evolução da doação de órgãos em Portugal e as principais conclusões. O gráfico da Figura 1 evidencia a evolução no número de dadores de órgãos de cadáver, por milhão de habitantes (p.m.h.), nos últimos quatro anos. Desde 2006 até 2009, o número de doadores cadáveres aumentou cerca de 64%. Figura 1 – Representação do número de dadores cadáveres de órgãos, por milhão de habitantes (p.m.h.), em Portugal, nos últimos quatro anos (cálculo efectuado por 10,62 milhões de habitantes). [16] Para se conhecer a situação da colheita de órgãos de cadáveres, tendo em conta a posição demográfica, é possível verificar, através dos gráficos da Figura 2, que nos últimos dois anos, na região Sul ocorreu maior número de colheitas. O Norte contabilizou um menor número de colheitas realizadas. Serviços de Apoio Clínico Página 12
  • 16. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” É possível concluir que, de 2008 para 2009, o aumento de número de colheitas foi mais significativo na região Sul, tendo registado 26% desse aumento, ao passo que a região Norte registou o menor aumento (apenas 3,2%). Para este estudo, é preciso ter em conta que os resultados obtidos nos arquipélagos da Madeira e dos Açores estão inseridos nas regiões Sul e Centro, respectivamente. Também é importante deter que o número de habitantes por região é diferente. [16] Em 2008, registou-se 3.745.439 habitantes na região Norte, havendo 25,6 dadores/p.m.h., 2.628.064 habitantes na região Centro e Açores, contabilizando 42,7 dadores/p.m.h., e 4.253.747 habitantes na região Sul e Madeira, havendo 28,4 dadores/p.m.h. Assim sendo, para o mesmo número de habitantes (um milhão), a região Centro e Açores tiveram maior número de colheitas de órgãos de cadáveres nestes últimos dois anos. [16] Figura 2 – Representação do número de colheitas de órgãos efectuadas em dadores cadáveres por região, nos últimos dois anos. [16] Analisando a evolução no número de colheitas de um determinado órgão, é possível verificar, através dos gráficos da Figura 3, que de 2008 para 2009 houve um aumento de 13,3% no número de colheitas de órgãos de cadáveres em Portugal, sendo que o maior aumento ocorreu no número de rins disponíveis para transplantação. Este facto foi importante na medida em que se pode reduzir o número de utentes em lista de espera para transplante de órgãos. Serviços de Apoio Clínico Página 13
  • 17. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” Figura 3 – Representação do número de colheitas de órgãos em cadáveres, nos anos de 2008 e 2009, em Portugal. [16] Através dos gráficos da Figura 4, pode-se concluir que, no ano de 2009, 71% das dádivas em vivo ocorre em casos em que o doador e o receptor apresentam um grau de parentesco muito próximo. Essa dádiva verificou-se com maior frequência nos casos em que os dois implicados são irmãos. Tal facto deve-se à maior compatibilidade genética entre indivíduos que partilham este grau de parentesco. Apenas 29% das dádivas em vivo implica indivíduos que não estão unidos por um grau de parentesco, mas apresentam uma relação conjugal ou então uma união de facto. Comparando o número de colheitas em vivo realizadas em 2008 com o número de colheitas realizadas em 2009, verifica-se que houve um aumento de cerca de 25%. Serviços de Apoio Clínico Página 14
  • 18. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” Figura 4 - Representação do número de colheitas de órgãos em vivo (rim e fígado) em Portugal, em 2008 e 2009, segundo a Lei nº12/1993 e a Lei nº 22/2007. [16] Para além do estudo estatístico relativo à colheita de órgãos, torna-se importante ter conhecimento quanto à quantidade desses órgãos que foram utilizados para transplante. Segundo os gráficos da Figura 5, é possível concluir que o transplante de córneas foi o mais efectuado em Portugal, nos últimos três anos, seguido dos transplantes da medula e renal. Verifica-se que número de transplantes para um determinado órgão aumentou, à excepção do número de transplantes hepáticos, em que no último ano ocorreu um decréscimo de cerca de 6,9%. É também importante referir que o transplante pulmonar e pancreático em Portugal é praticamente residual. Serviços de Apoio Clínico Página 15
  • 19. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” Figura 5 – Dados relativos à transplantação de órgãos efectuada em Portugal, nos anos de 2007, 2008 e 2009. [16] Perante estes resultados, como consequência da reorganização das unidades de colheita, Portugal poder-se-á orgulhar por se encontrar no pelotão da frente da União Europeia na área da doação de órgãos. Das 20 colheitas realizadas por milhão de habitante na Europa, Portugal registou 27 colheitas para o mesmo número de habitantes, em 2009. [17] A coordenadora nacional das unidades de colheita da ASST, Maria João Aguiar, congratula-se, imputando a boa prestação do país; “Somos hoje uma história de sucesso única na Europa”; e lança novo objectivo: alcançar os 30 dadores por milhão de habitantes, em 2010. [17] 6.Preservação de órgãos O primeiro transplante foi realizado na década de 1950, e tratou-se na transplantação de um rim. Desde então, a melhoria das técnicas cirúrgicas e resultados após transplantação renal e de outros órgãos, como o fígado, o pâncreas, o coração, os pulmões, contribuíram para um crescente número de transplantes realizados no mundo Serviços de Apoio Clínico Página 16
  • 20. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” inteiro. A grande parte dos órgãos doados são de doadores post mortem e por essa razão, a conservação de órgãos para a realização do seu transporte entre os locais de recolha e de transplantação é um factor de extrema importância, de forma a garantir a viabilidade destes. As tecnologias de preservação de órgãos têm melhorado ao longo dos anos. Existem actualmente, várias soluções de conservação de órgãos e estas estão a ser constantemente modificadas a fim de se alcançar uma melhoria de resultados na preservação de um órgão. Seguidamente irão ser abordadas a fisiopatologia, técnicas e princípios de preservação de órgãos, e apresentadas várias soluções de preservação actualmente utilizadas para transplantes do rim, fígado, pâncreas, intestino delgado, pulmão e coração. 6.1 Fisiopatologia da Preservação de órgãos A homeostase de um órgão é profundamente afectada pela sua recolha, preservação e transplantação. A lesão que um órgão sustenta durante essas fases ocorre essencialmente como resultado da isquemia e hipotermia. As técnicas de preservação existentes pretendem minimizar estas lesões a fim de manter a sobrevivência do órgão e da sua função. Os danos causados aos órgãos durante as fases já referidas, ocorrem essencialmente em duas etapas: a primeira é a fase isquémica quente, que envolve o tempo desde a interrupção da circulação no órgão doador até ao primeiro contacto do órgão como a solução de preservação hipotérmica; a segunda é a fase isquémica fria que ocorre quando o órgão é conservado num estado de hipotermia antes do transplante. [18] Existem três mecanismos de lesões nos órgãos:  Integridade da estrutura celular  Composição iónica da célula  Lesão por reperfusão 6.1.1 Integridade da estrutura celular A membrana celular desempenha um papel de extrema importância para a célula pois funciona como uma barreira activa com o meio extracelular. A permeabilidade da membrana à água e a certos iões depende da integridade da bicamada lipídica, a qual é fortemente afectada pela temperatura. A hipotermia induz uma transição de fase nos Serviços de Apoio Clínico Página 17
  • 21. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” lípidos, provocando assim profundas alterações na permeabilidade, nomeadamente o aumento da permeabilidade da membrana que resulta no aumento do volume celular. Assim, as soluções de preservação são hipertónicas a fim de minimizar estas alterações.[18] 6.1.2 Composição iónica da célula A bomba sódio-potássio tem como principal função manter a composição iónica da célula. Contudo, esta bomba só funciona na presença de adenosina trifosfato (ATP) e numa situação de isquemia, onde não há produção de ATP, a bomba encontra-se inactiva. Assim, o potássio sai do interior da célula para o espaço extracelular e o sódio tende a entrar para dentro da célula, onde a sua concentração é normalmente pequena. A entrada de sódio para o interior da célula, aumenta a permeabilidade da membrana à água, havendo assim um grande aumento do volume celular. Este efeito, se não controlado, pode provocar lise celular. Por esta razão, as soluções de preservação têm composições de eletrólitos semelhantes ao ambiente intracelular, ou seja, com concentrações elevadas de potássio e baixas de sódio, para minimizar os efeitos enunciados. Um outro efeito da isquemia é o aumento da permeabilidade da membrana ao cálcio. O aumento do cálcio intracelular promove a contracção do músculo liso vascular, podendo causar vasoespasmo e danos isquémicos. [18] 6.1.3 Lesão por reperfusão A constatação de que uma grande parte das lesões dos órgãos era provocada pela reperfusão levou a alguns desenvolvimentos na preservação de órgãos, de forma a evitar tais lesões. Durante a reperfusão, o oxigénio torna-se subitamente disponível na célula, e o metabolismo prossegue rapidamente, resultando numa produção repentina de intermediários de oxigénio reactivo. As vias celulares são sobrecarregadas destes radicais livres de oxigénio e ocorre a lesão celular. [18] 6.2 Soluções para preservação Existem actualmente diversas soluções de lavagem utilizadas para a preservação de órgãos. De seguida apresentam-se algumas delas, sendo que apesar de diferirem um pouco na sua composição, todas têm três principais efeitos: evitar o aumento do volume Serviços de Apoio Clínico Página 18
  • 22. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” celular, retardar a destruição das células, e maximizar a função do órgão, após a perfusão ser restabelecida. 6.2.1 Solução Euro-Collins As soluções iniciais utilizadas na preservação de órgãos, designadas soluções Collins, eram constituídas por elevadas concentrações de potássio, magnésio, fosfato, sulfato e glicose. Mais tarde como uma modificação das soluções Collins, sugiram as soluções Euro-Collins, com elevadas concentrações de potássio, fosfato e glicose. Estas permitiram uma melhoria da preservação de órgãos, em especial do rim, coração, fígado e pulmão. [18] 6.2.2 Solução HTK Bretschneider Constituída por histidina, triptofano e ácido alfa-cetoglutárico. Contém ainda baixas concentrações de sódio, potássio e magnésio. Pode ser utilizada para a preservação do rim, fígado e coração. Ao longo dos anos foi-se tornando cada vez mais popular, pois melhora a função renal após transplante, em comparação com a solução Euro-Collins. [18] 6.2.3 Solução University of Wisconsin (UW) A solução UW foi desenvolvida para a preservação do fígado, rim e pâncreas. A sua composição é complexa, sendo que alguns elementos que a constituem são: lactobionato, potássio, sódio, magnésio, fosfato, insulina, adenosina, etc. O principal elemento eficaz da solução é o lactobionato, pois é o responsável por retardar o aumento do volume celular. Foi considerada a solução padrão para a preservação do fígado, pois permite o aumento dos seus tempos de isquemia, permitindo assim que sejam transportados por distâncias mais longas até aos seus receptores. [18] 6.2.4 Solução Celsior Solução especialmente desenvolvida para a preservação do coração, sendo que é, actualmente, também utilizada para o rim, pulmão e fígado. Para além disso, está a ser investigada para a preservação do pâncreas. Na sua constituição constam os seguintes elementos: sódio, potássio, magnésio, cálcio, lactobionato, histidina, glutamato, etc. [18] Serviços de Apoio Clínico Página 19
  • 23. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” Todas as soluções acima apresentadas representam uma parcela daquelas que existem hoje em dia e ainda as que se encontram em fase de investigação. 6.3 Técnicas de preservação de órgãos Como já foi referido anteriormente, a grande parte dos órgãos transplantados são de doadores mortos, e por vezes doador e receptor estão distantes um do outro. Torna-se então necessário existir métodos seguros para garantir a preservação dos órgãos durante o tempo de transporte destes até aos seus beneficiários. O tempo de preservação aceitável varia de acordo com o órgão. O transplante do coração é normalmente realizado dentro de 5 horas após a sua recolha, o rim pode ser armazenado com segurança por 40-50 horas, os transplantes de pâncreas são realizados após 5-15 horas de conservação e os de fígado dentro de 6-12 horas. [18] A principal técnica de preservação de órgãos é a preservação hipotérmica, devido à sua simplicidade, facilidade de transporte e de não necessitar de equipamento caro e sofisticado. São utilizadas duas técnicas de preservação hipotérmica: armazenamento a frio simples e perfusão hipotérmica contínua. No armazenamento a frio simples, o órgão é inicialmente lavado com uma solução de preservação fria e posteriormente colocado numa bolsa estéril imerso na solução. A bolsa estéril é ainda colocada no interior de um saco que contém gelo triturado. As principais vantagens associadas a esta técnica são: a facilidade de transporte e a disponibilidade. [18] Na perfusão hipotérmica contínua, é utilizada uma máquina que vai continuamente bombear fluidos de perfusão através do órgão. As principais vantagens associadas são: a garantia de que o oxigénio e outros substratos são entregues ao órgão, mantendo o metabolismo celular, incluindo a síntese de ATP e outras moléculas. [18] 6.4 Princípio de preservação de órgãos Existem essencialmente três princípios associados à preservação de órgãos. São eles: [18]  Manutenção do doador  Remoção de múltiplos órgãos  Soluções de preservação Serviços de Apoio Clínico Página 20
  • 24. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” 6.4.1 Manutenção do doador O estado hemodinâmico de um potencial doador é um factor de extrema importância para a viabilidade de um órgão. Para tal, este deve ser mantido de forma adequada para evitar lesões dos órgãos antes da sua recolha e preservação, ou seja, deve-se manter a perfusão dos tecidos, oxigenação e ventilação até se verificar a morte cerebral do doador e assim se proceder à recolha dos órgãos. Durante a operação para a recolha do órgão, o tempo de isquemia quente deve ser minimizado, e o órgão deve ser arrefecido rapidamente no local. Depois, o órgão é mantido num estado de hipotermia até que se proceda à sua transplantação. Para cada órgão em causa, o tempo de isquemia fria deve ser mantido dentro dos limites estabelecidos. [18][19] 6.4.2 Remoção de múltiplos órgãos Caso estejamos a falar de um doador post mortem, podem ser retirados múltiplos órgãos de um só doador, que servirão para vários receptores. A recolha de órgãos envolve as seguintes etapas: 1. Incisão 2. Exploração e inspecção 3. Remoção de órgãos 4. Encerramento da incisão (1)(2) incisão, exploração e inspecção Após uma incisão abdominal e toráxica, é feita uma exploração geral para verificar se não existem condições que impeçam a doação, como tumores, infecções ou lesões dos órgãos. (3)(4) remoção de órgãos e encerramento da incisão Após os órgãos abdominais e toráxicos serem recolhidos, o tórax e o abdómen são fechados e os cuidados padrões pós-morte são dados. 6.4.3 Soluções de preservação Uma solução ideal de preservação é dotada de dois principais requisitos. O primeiro é ser constituída por um conjunto de moléculas que permaneçam fora da célula e que sejam activas para impedir o aumento do volume celular. O segundo é proporcionar um ambiente bioquímico apropriado para as células. Os diversos tipos de Serviços de Apoio Clínico Página 21
  • 25. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” soluções com as suas constituições e funcionalidades foram já apresentados anteriormente. [18] 6.5 Técnicas de preservação correntes De seguida são apresentadas quais as principais formas de preservação de cada órgão actualmente transplantado, caso este tenha origem num doador post mortem. 6.5.1 Rim, Fígado e Pâncreas A solução utilizada para a preservação de armazenamento a frio dos rins é actualmente a solução Euro-Collins. A sua composição proporciona um ambiente hiperosmolar a fim de reduzir o volume celular, e a sua utilização juntamente com a hipotermia, como técnica de preservação de órgãos, permite que os rins sejam armazenados até 36-48 horas, mantendo a sua viabilidade. [18] Relativamente à preservação do fígado e pâncreas, a solução actualmente mais utilizada é a solução University of Wisconsin (UW), uma vez que esta tem mostrado vantagens associadas à sua utilização relativamente à solução Euro-Collins. Diversos estudos, têm comprovado que a necessidade de diálise do receptor após transplante é reduzida quando utilizada a solução UW. Com a solução UW, juntamente com a hipotermia, tanto o fígado como o pâncreas podem ser armazenados com segurança de 12-18 horas. [18] 6.5.2 Coração e pulmões Uma das soluções que pode ser utilizada para a preservação do coração, juntamente com a hipotermia, é a solução HTK Bretschneider. O limite para o tempo de isquemia fria do coração é normalmente 4 horas. Por esta razão, os procedimentos realizados entre doador e receptor têm de ser bem coordenados de forma a limitar o tempo de isquemia, visto este ser um factor de extrema importância para a funcionalidade do órgão no beneficiário. [18] Relativamente aos pulmões, o limite de tempo para a isquemia fria não foi ainda bem definido. Pensa-se apenas que 6 horas é o limite, com base em observações empíricas. Esta limitação é importante no sentido que representa um entrave para a distância entre o doador e receptor. Uma outra limitação é o facto de um dos pulmões permanecer em isquemia mais tempo que outro, pois no caso de transplante dos dois pulmões, estes não podem ser colocados em simultâneo. Para além disso a solução de Serviços de Apoio Clínico Página 22
  • 26. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” preservação ideal para os pulmões não é ainda conhecida, sendo que a solução Celsior tem sido a mais utilizada, pois permite um rápido estabelecimento da função pulmonar. Para respeitar o tempo limite de isquemia fria do pulmão e, este possa ser transplantado com segurança, é utilizado, normalmente, uma equipa de recolha e uma de transplantação a funcionar em simultâneo, ao contrário dos outros órgãos. Devido a todas as restrições enunciadas, nomeadamente as carências na qualidade e duração de [18] preservação, os resultados de transplante de pulmões são ainda muito limitados. Talvez por estas razões, é que o número de transplantes pulmonares realizados em Portugal seja muito reduzido, tal como verificamos na análise estatística apresentada anteriormente. 6.5.3 Intestino delgado Como resposta à síndrome do intestino curto, a transplantação de segmentos do intestino delgado, tem sido largamente utilizada. O limite de tempo de isquemia fria para o intestino é 12 horas. A solução utilizada actualmente para a preservação do intestino é a solução UW. Pensa-se também que a aplicação de monóxido de carbono à solução pode impedir a lesão por reperfusão. 6.6 Órgãos cuja viabilidade foi comprometida Os órgãos cuja preservação não correu da melhor forma ou caso não seja possível a sua transplantação são entregues ao serviço de anatomia patológica e, segundo o despacho nº 242 de 1996, constituem resíduos hospitalares do tipo IV, nomeadamente peças anatómicas identificáveis, pelo que têm de ser incinerados obrigatoriamente. [20] 7.Transporte de órgãos Após as fases importantíssimas de colheita e preservação dos órgãos, segue-se uma não menos importante, o seu transporte. Derivado a vários factores esta etapa pode mesmo ser considerada como crítica, visto a dificuldade de encontrar doadores compatíveis e órgãos em bom estado, é dramático “perder-se” um órgão na etapa de transporte. Serviços de Apoio Clínico Página 23
  • 27. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” Por isso, tudo é preparado, desde logo com a colocação do órgão em caixas térmicas para a sua conservação e transporte. Estas caixas têm uma refrigeração adequada e gelo a rodear o saco que contém a solução de preservação onde está imerso o órgão. [20] Quando o doador está num local diferente do receptor, é necessário realizar o transporte inter-hospitalar, que logicamente é muito mais demorado sendo que, em casos que estas duas entidades estejam a muitos quilómetros de distância, a situação torna-se ainda mais desesperante. Para fazer face a essas distâncias, normalmente o órgão doado deve ser transportado por uma brigada de trânsito da GNR, ou em casos muito específicos, como o transporte de um rim entre dois hospitais da mesma cidade, pode ser assegurado pela ambulância do hospital que colheu o órgão. [20] Em situações urgentes ou para longas distancias, para além de se utilizarem helicópteros, pode também ser pedido auxílio à Força Aérea Portuguesa, que disponibiliza os seus Aviocar, e desde 2004, os seus rápidos e estáveis Falcon 50, para esta nobre tarefa [21], contando já com muitas horas de voo efectuadas. [22] Para além de garantirem rapidez, estes elementos também são responsáveis pela segurança do transporte, sendo esta parte da tarefa também essencial, quando no mundo acontecem cada vez mais casos de tráfico de órgãos. Serviços de Apoio Clínico Página 24
  • 28. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” 8.Comentário à entrevista a Sandra Campos Após a leitura e análise da entrevista, ficou-se com a ideia que os transplantes pulmonares são aqueles que Portugal menos arrisca, pelo facto de ser um órgão pouco rentável, que exige elevados custos de transplantação e elevada experiência de pessoal médico. Apesar de não se ter literatura que corrobore esta afirmação, notou-se, pela análise estatística realizada, que os transplantes pulmonares em Portugal são praticamente inexistentes. Para além disso, no estudo da preservação de órgãos, ficou-se consciente das dificuldades inerentes à transplantação pulmonar. Por tudo isto e apesar de não se ter certezas das razões do pequeno número do transplantes pulmonares em Portugal, este pode estar de facto associado a razões económicas e técnicas, pois o problema não estará na doação, uma vez que todas as pessoas falecidas são potenciais doadores, excepto as registadas na RENNDA. Um outro ponto importante é o facto de por vezes a transplantação ser o único meio de sobrevivência de uma pessoa, mas esta traz consigo inúmeros efeitos secundários, pelo facto de se ter necessidade da administrar medicamentos imunossupressores a fim de aumentar as probabilidades de sucesso do transplante que irão provocar um défice do sistema imunitário, logo um maior risco de infecções, como no caso da pessoa entrevistada. A entrevista completa encontra-se em anexos. Serviços de Apoio Clínico Página 25
  • 29. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” 9. Conclusão Os constantes avanços nas áreas da medicina e da biotecnologia derivaram novos métodos de combate a inúmeras doenças e de “devolução de uma nova vida”. Entre esses métodos, encontra-se o processo de transplantação de órgãos. Trata-se de um processo de extrema responsabilidade, uma vez que todos os envolvidos terão de efectuar as suas funções, desde a doação até à transplantação, passando pela preservação e transporte de órgãos, o mais eficaz, célere e seguro possível, utilizando as várias técnicas disponíveis e respeitando todos os requisitos e cuidados a ter com um determinado órgão, como, por exemplo, o seu prazo de validade. Daí procede a necessidade da existência de um sistema de gestão, capaz de garantir que todo o processo decorra dentro da legislação, sem a ocorrência de não conformidades. Devido aos inúmeros entraves relacionados com a clonagem de órgãos, é de salientar a grande importância do dever de cada um de nós em cooperar para uma causa tão nobre, como a de salvar a vida de um outro cidadão, cuja sobrevivência está dependente da transplantação de um órgão compatível. Torna-se, por isso, indispensável informar e instruir a população para esta máxima, de modo a que os resultados que se têm verificado até então possam ser cada vez mais positivos, permitindo corresponder às necessidades de um maior número de doentes e, quiçá, diminuir as listas de espera e o número de mortes associadas ao tipo de doenças que requer transplante. Serviços de Apoio Clínico Página 26
  • 30. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” 10.Bibliografia [1] Portal da Saúde - O que é um transplante?,disponível em: http://www.portaldasaude.pt/portal/conteudos/informacoes+uteis/doacao+de+orgaos+e+ transplantes/transplante.htm (consultado a: 29-03-2010) [2]Autotransplante, disponível em: http://medicosdeportugal.saude.sapo.pt/action/10/glo_id/1374/menu/2/ (consultado a: 29-03-2010) [3] Heterotransplante, disponível em: http://medicosdeportugal.saude.sapo.pt/action/10/glo_id/6271/menu/2/ (consultado a: 29-03-2010) [4] Xenotransplante, disponível em: http://paginas.fe.up.pt/~jamc/xenotransplante/conclusao.html (consultado a: 29-03- 2010) [5] Xenotransplante, disponível em: http://medicosdeportugal.saude.sapo.pt/action/10/glo_id/2914/menu/2/ (consultado a: 29-03-2010) [6] Documento relativo à colheita e transplante de Tecidos e Órgãos de Origem Humana, disponível em: http://www.srsdocs.com/parcerias/publicacoes/diversos/documento_transplantes.pdf (consultado a: 29-03-2010) [7] Como se colhem e transplantam órgãos em Portugal?, disponível em: http://www.asst.minsaude.pt/transplantacao/perguntasfrequentes/Paginas/Comocolheme transplantamorgaosemPortugal.aspx (consultado a: 29-03-2010) [8] Transplante de Órgãos, disponível em: Serviços de Apoio Clínico Página 27
  • 31. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” http://www.almedina.net/catalog/product_info.php? Products_id=9381 (Consultado a: 30-03-2010) [9] Transplantação, disponível em: http://aptransplantacao.no.sapo.pt/Perspec.html (consultado a: 30-03-2010) [10] Parecer n.º p/05/apb/06 sobre directivas antecipadas de vontade, disponível em: http://www.sbem-fmup.org/fotos/gca/1148471346directivas_medicas.pdf (consultado a: 30-03-2010) [11] http://dre.pt/pdf1sdip/2007/06/12400/41464150.PDF Lei n.º22/2007 de 29 de Junho, Assembleia da República (consultado a:30-03-2010) [12] PRICE, David, Legal and ethical aspects of organ transplantation, Cambridge University Press, 2000 (págs. 23 a 121 e 217 a 314) [13] Decreto de Lei, 1ª série, nº90 de 9 de Maio de 2008 [14] Rede de colheita, disponível em: http://www.asst.min-saude.pt/transplantacao/servicos/Paginas/redenacional.aspx#a1 (consultado a: 26-03-2010) [15] Rede nacional de colheita - Unidades Autorizadas para Colheita de Órgãos, disponível em: http://www.asst.minsaude.pt/SiteCollectionDocuments/RedeNacColheita_CHD_Fev_20 10_Portal.pdf (consultado a: 27-03-2010) [16] http://www.asst.min-saude.pt (consultado a: 28-03-2010); [17] Portugal na liderança da colheita e transplante de órgãos, disponível em: http://www.tribunamedicapress.pt/nacional-1/25513-portugal-na-lideranca-da-colheita- e-transplante-de-orgaos (consultado a: 28-03-2010); Serviços de Apoio Clínico Página 28
  • 32. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” [18] MUKHERJEE, Sandeep , Organ Preservation, Mar 17, 2010 , disponível em: http://emedicine.medscape.com/article/431140-overview (consultado a: 25-03- 2010); [19] Transplantes: A vida de quem salva vidas: disponível em: http://aeiou.expresso.pt/transplantes-a-vida-de-quem-salva-vidas=f571235 (consultado a 03-04-2010) [20] Mensagem de correio electrónico do doutor José Gerardo, Director de Transplantação do Hospital S. João (vide anexo); [21] Força Aérea Portuguesa, http://www.emfa.pt/ (consultado a: 25-03-2010) [22] Os anjos dos órgãos, disponível em: http://clix.visaojunior.visao.pt/default.asp?CpContentId=330488 (consultado a 07-04- 2010) Serviços de Apoio Clínico Página 29
  • 33. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” 11.Anexos Situação Real Boa tarde a todos, Obrigada pelo vosso e-mail. Sim sou uma grande defensora especialmente pela verdade neste tema. Aqui vão as respostas: Relacionado com o meu caso, 1- Há quantos anos fez o seu transplante? Dia 5 de Maio de 2010 faz 5 anos. 2- Acha que esta questão dos transplantes evoluiu muito desde essa altura? Os Transplantes Pulmonares ainda não são uma realidade em Portugal e infelizmente há muita gente que morre à espera em listas de espera que na realidade não existem. Luto para que todas estas pessoas que sofrem consigam ter uma oportunidade - uma 2ª vida, pois é isso que significa o Transplante - uma Nova oportunidade a agarrar de corpo e alma. Espero que as minhas repostas vos sejam úteis para o vosso trabalho e que também fiquem a perceber a triste realidade dos Transplantes em Portugal. Há muito a melhorar mas primeiro que tudo é necessário que os actuais médicos tenham a consciência e a humildade que não têm a experiência necessária para levar em frente um programa de transplantação pulmonar. Falo dos Transplantes Pulmonares pois são eles a "ovelha negra" da transplantação em Portugal. Para que tenham uma ideia - Num programa de 10 anos - Corunha fez 250 transplantes pulmonares, Barcelona 500 transplantes pulmonares e Portugal 12 transplantes pulmonares. Foi muito bom denunciar este problema em 2007 com a Grande Reportagem da Sic, pois hoje em dia já se fala abertamente sobre a questão da transplantação em Portugal, no entanto, cada vez que algo é denunciado, de imediato, surge outro programa (na TV ou revistas) onde os responsáveis da transplantação em Portugal se defendem com números um pouco longe da realidade ou dizendo que está tudo bem com a transplantação, pois falam da Serviços de Apoio Clínico Página 30
  • 34. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” transplantação em geral e não da transplantação para cada órgão em especifico. Por tudo isto, resumindo, acho que a transplantação não teve uma grande evolução. É uma pena as pessoas que passaram por um Transplante terem medo de denunciar tudo aquilo que passaram, pois há muitas situações a denunciar. 3- Quanto tempo esperou pelo transplante? Fiquei a oxigénio em 2002 e esperei até 2004. Fui para a Corunha em Novembro de 2004 apenas, porque no meio do azar, tive a sorte do tecto da sala de cirurgias do Hospital de Santa Marta ter caído e na altura os médicos avisaram-me que iam para obras. Foi esse o argumento que consegui para sair de Portugal. Esperei imenso tempo em Portugal e foi uma luta com os médicos que queriam convencer-me a não fazer o transplante porque "tinham remédios para não me fazer sofrer no momento em que não houvesse mais remédio que ser entubada numa unidade de cuidados intensivos". Quando finalmente consegui ir para a Corunha entrei na lista de espera e ainda estive 8 meses à espera de um órgão compatível, no meu caso, por ser Fibrose Quística, teve que ser um transplante Bi-Pulmonar pois ambos os pulmões estavam totalmente destruídos. 4- Neste momento acha que é mais fácil encontrar dadores compatíveis? A facilidade de encontrar órgãos compatíveis sempre foi a mesma, ou seja, a nossa lei até permite que a recolha e transplantes sejam feitos com alguma facilidade pois segundo a nossa lei - "Todos somos automaticamente dadores desde que não estejamos inscritos na RENNDA (não dadores). Ao contrário de Espanha onde é necessário pedir autorização à família para doar os órgãos. Com dizia o problema é que alguns órgãos como os pulmões não são rentáveis pois são aqueles que menos aguentam fora do corpo humano, são aqueles onde é obrigatório uma equipa de recolha e uma de transplantação a funcionar em simultâneo, ao contrario dos outros órgãos. Portanto, a questão não está na dificuldade mas na vontade ou falta de vontade económica dos responsáveis na área da transplantação em Portugal. Existe ainda o facto do nosso INEM não estar preparado para "recolher". Serviços de Apoio Clínico Página 31
  • 35. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” 5- Quais foram as complicações existentes, se existiram, depois do transplante? A cirurgia demorou mais ou menos 8 horas e acordei já desentubada o que significa que correu bastante bem. Estive 1 semana nos cuidados intensivos e depois levaram-me para o isolamento na toráxica onde fiquei 1 mês. Durante o isolamento aperceberam-se que estava com uma obstrução intestinal (que pode acontecer bastante em casos de fibrose quística). No meu caso só tive 2 obstruções - uma antes do transplante quando estava a oxigénio e esta durante o isolamento. O que acontece é que os intestinos não trabalham e não se pode comer a não ser por veia. Tudo isso fez que ficasse 1 mês no isolamento em vez dos 15 dias que estavam previstos. Outras complicações surgiram por causa de bactérias que me começaram a dar febre e expectoração. Tive que ser internada por 3 vezes para fazer antibiótico endovenoso. As bactérias que surgem podem ser pela imunossupressão (os medicamentos que tomamos por não haver rejeição e que nos colocam as defesas mais baixas) ou porque já existiam e ficaram dentro (por exemplo no esófago ou nas fossas nasais que ainda não podem ser transplantadas) e com a imunossupressão "despertam". Foi o que aconteceu. De resto não tenho complicações e tenho uma vida muito normal. 6- Teve apoio hospitalar necessário co-financiado, ou teve de pagar do seu bolso a maior parte dos tratamentos? Segundo a lei quando um país não tem condições para tratar de uma pessoa, essa pessoa tem o direito de escolher um país para a tratar. No caso dos transplantes pulmonares existem convénios entre Portugal e Espanha (Hospital Juan Canalejo na Corunha). Apenas porque, na verdade, Portugal não faz Transplantes Pulmonares. Se for outros transplantes já é necessário esperar em Portugal. Os pagamentos são feitos entre hospitais. Por lei não é possível fazer transplantes a nível particular por causa do tráfico ilegal de órgãos. Portanto, Portugal (no meu caso, Hospital de Santa Maria em Lisboa onde está a unidade de fibrose quística onde estava internada) teve que pagar a Espanha toda a cirurgia, a estadia no Hotel de Pacientes e os medicamentos enquanto estive em Espanha e uma parte da estadia e comida do acompanhante (no meu caso, foi a minha mãe). Quando voltei para Portugal quem me Serviços de Apoio Clínico Página 32
  • 36. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” fornece os medicamentos é o hospital de Santa Maria pois por lei quem tem fibrose Quística tem direito aos medicamentos fornecidos pelo Hospital. Como transplantados também temos direito aos imunossupressores fornecidos pelo hospital. Todas as revisões médicas são feitas na Corunha onde vou mais ou menos de 2 em 2 meses. O hospital de Santa Maria tem que me pagar a viagem e a estadia (mais ou menos de 3 dias) no Hotel de Pacientes para a revisão. 7- Sabe de quem era o seu órgão? Não, não se pode saber. Apenas sei que é de uma rapariga de Vigo (Espanha) e que tinha mais ou menos 30 anos. 8- Tem conhecimento de como ele chegou até a si? Não, apenas sei que veio de um hospital de Vigo. Questões mais gerais: 9- Muitos artigos dizem que existem alguns órgãos que não podem ser utilizados pois existem demoras no seu transporte, o que pensa sobre isto? Não é verdade. Os órgãos que não podem ser utilizados é porque por algum motivo estão danificados e por isso não se pode realizar o transplante pois colocariam em risco a vida do transplantado. Como disse, por exemplo, os pulmões só aguentam 4 horas fora do corpo humano, sendo por isso necessárias 2 equipas em simultâneo - uma para a recolha e outra para o transplante. No caso de outros órgãos que aguentam mais tempo fora do corpo humano já é possível usar químicos para os manter em bom estado até ao transplante. Se virem na grande reportagem da Sic, a responsável de transplantação admite que o pulmão não é um órgão "rentável" pois é um órgão muito caro de manter em químicos e implica a existência das tais 2 equipas a funcionar em simultâneo. Por último se existe de facto demoras nos transportes é porque o sistema não funciona a 100% pois por exemplo em Espanha, falo da Corunha, que é caso que conheço melhor, o sistema funciona de tal Serviços de Apoio Clínico Página 33
  • 37. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” forma bem que chegam a vir recolher órgãos a Portugal e voltam para a Corunha com esses órgãos (que não são utilizados em Portugal) para salvar vidas na Corunha, inclusivé vidas de portugueses. 10- O que pensa dos organismos competentes em Portugal responsáveis por esta tarefa? Penso que ainda há muito para melhorar. Para além do blog dos Transplantes Pulmonares, tenho outro blog onde ainda tenho reportagens sobre os transplantes em http://xanicatrabalhosmanuais.blogspot.com Vejam por exemplo a reportagem da revista visão - "A roleta dos transplantes" e podem ver como é a realidade em Portugal. Portugal não é um país que invista de verdade nos transplantes e infelizmente quem trabalha nesta área não admite que necessitam de alguém muito experiente para começar uma equipa do zero. Não basta alguns estágios no estrangeiro para se dizer que já se é um médico toráxico experiente. Pois não falamos de "números" mas de Vidas que têm que ser salvas. O processo do transplante depois de muita experiencia acaba `por ser relativamente fácil, o problema está em saber nivelar os imunossupressores para que não haja possibilidade de rejeição nem que os outros órgãos estejam a ser sobrecarregados com medicação, por exemplo, o rim é um dos órgãos que mais sofre com o excesso de medicação. Ainda há o problema de os médicos que estão â frente dos transplantes pulmonares serem cardiologos e não verdadeiros médicos de toraxica. 11- Procuramos em muitos sites e não encontramos uma entidade coordenadora de transplantação em Portugal, encontramos que existem alguns hospitais que podem colher órgãos e cada um tem os seus directores, não acha que uma entidade geral melhoraria a situação e evitaria erros de falta de comunicação? Sim, concordo mas como vos disse não existe uma vontade política e económica em investir nesta área. Serviços de Apoio Clínico Página 34
  • 38. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” Esperamos não a ter chateado muito Não me chatearam, foi um prazer;) Se for necessário algo mais digam! Até breve, Sandra Campos Muito obrigado pela atenção. Mensagem de correio electrónico do Doutor José Gerardo, Director de Transplantação do Hospital S. João Bom dia, Somos um grupo de alunos universitários e no âmbito da disciplina "Serviços de Apoio Clínico" do curso de Engenharia Biomédica da Universidade do Minho, estamos a realizar um trabalho sobre "Banco de órgãos" e agradecíamos se nos pudessem responder às questões que em baixo seguem, desde já muito obrigado. 1) Há alguma entidade responsável por coordenar a recolha de órgãos a nível nacional, ou estão divididas pelos centros de recolha de órgãos situados em diversos hospitais do país? 2) Quem é o responsável pelo transporte dos órgãos? 3) Que requisitos têm de ser compridos para que o transporte de um órgão se dê? 4) Os órgãos têm um prazo de validade, certo? O que acontece aos que passam essa data e não podem ser utilizados? 5) É verdade que o transporte de órgão pode ser efectuado por empresas privadas desde que esse transporte seja acompanhado por um agente da autoridade? 6) Existe alguma legislação específica para o transporte de órgãos? Muito obrigado pela ajuda, Com os melhores cumprimentos, Diana Machado Joana Castro Marino Maciel Serviços de Apoio Clínico Página 35
  • 39. Órgãos: “Da Doação à Transplantação” Paulo Silva Sara Pimenta Bom dia, 1. A ASST, ou seja, a "Alta Autoridade dos Serviços de Sangue e Transplantação"; mais abaixo no organigrama estão os coordenadores hospitalares de doação e os gabinetes de coordenação de colheitas e transplantação, há cinco gabinetes no país e cerca de 40 coordenadores hospitalares; 2. Os gabinetes de coordenação de colheita e transplantação são os responsáveis pelo guarda e transporte de órgãos; 3. Conforme a resposta 2, o transporte pode ser feito pela brigada de trânsito ou pela força aérea; se se tratar de um rim entre dois hospitais da mesma cidade, o transporte é assegurado pela ambulância do hospital que colheu o órgão, dentro de um mala térmica com gelo a rodear o saco que contém o líquido de preservação onde está imerso o órgão; O rim tolera até 72 horas de preservação e transporte, mas deve ser colocado durante as primeiras vinte horas depois da colheita; os outros órgãos, pâncreas, coração, pulmão e fígado devem ser implantados nas seis horas seguintes à colheita; durante este período os órgãos estão imersos num líquido especial de preservação e arrefecidos a cerca de 4- 8 graus C; 4. Ver respostas anteriores; caso não seja possível a colocação o órgão será entregue ao serviço de anatomia patológica do hospital de colheita; 5. O transporte de órgãos está descrito acima; o transporte de tecidos é feito por companhias privadas dado que alguns bancos de tecidos são também privados e aqui o que se exige é uma rapidez relativa compatível com correio aéreo expresso; 7. Para órgãos não; para o transporte de tecidos existe uma norma europeia que foi transcrita para a legislação nacional na lei 12/2009 Bom trabalho José Gerardo, Director da Transplantação do Hospital S. João Serviços de Apoio Clínico Página 36