Cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância

  • 2,508 views
Uploaded on

Kit de cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância. Ótima para imprimir e distribuir para mulheres e também para os homens... Orientações sobre alimentação, saúde da mulher, amamentação, …

Kit de cartilhas da Unicef sobre gestação e primeira infância. Ótima para imprimir e distribuir para mulheres e também para os homens... Orientações sobre alimentação, saúde da mulher, amamentação, cuidados com a gestante e também com o recém-nascido, etc...

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
2,508
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
114
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A família é responsável pela vida e pelo desenvolvimento de suas crianças, com o apoio da comunidade e do governo. Quem faz parte da sua família e como são tomadas as decisões? Cuidar, educar, respeitar e proteger também são responsabilidades da família. A família
  • 2. A família é responsável por criar, cuidar, educar, brincar, proteger e garantir o desenvolvimento de suas crianças. Para isso, deve ter o apoio da comunidade e do governo. (Artigo 227 da Constituição Federal e Art. 19 do Estatuto da Criança e do Adolescente) O papel da famíliaA família 01 tenha momentos de encontro. A hor um desses momentos. Parte do dinheiro da família deve ser r A di ve ser decidida em conjunto e de acordo com a organização de cada família. v F conviv se casam ou vivem juntas, com ou sem filhos. T veres e Atenção:
  • 3. 02Como vocês receberam a notícia da gravidez? Gravidez não é doença, mas é preciso garantir os cuidados para preservar a saúde da gestante e do bebê. Vá à Unidade de Saúde assim que confirmar a gravidez para início do pré-natal. Você receberá o Cartão da Gestante e a vacina antitetânica, se necessário. Medo, surpresa, alegria, ansiedade e preocupação são sentimentos que podem surgir com a notícia da gravidez. É importante que a família converse sobre esses sentimentos. Mãe e bebê precisam ser respeitados e protegidos. O pré-natal deve ser iniciado assim que a gravidez for confirmada. Gravidez
  • 4. A mãe e o bebê precisam ser respeitados e protegidos. A notícia da gravidezGravidez Uma gravidez planejada certamente é recebida com alegria. Nem sempre a gravidez é planejada. Se a notícia é uma surpresa, também pode ser recebida com alegria. De qualquer forma a mamãe e o bebê precisam se sentir amados, respeitados e protegidos. Preste atenção: a notícia de que vai chegar um bebê. rce a paternidade desde a gestação. dos amigos e da comunidade. de Saúde para confirmar a gravidez e começar o pré-natal. 02
  • 5. 03 Gestante e bebê têm direito ao pré-natal: exames, sete consultas, no mínimo, e orientações gratuitas. Vá à Unidade de Saúde assim que desconfiar que está grávida. Está na hora de começar o pré-natal E agora, o que você e sua família devem fazer? Lá, você receberá apoio e orientações e fará exames de sangue, urina, ginecológico, dentário e outros. Quanto antes começar o pré-natal, melhor. Assim você terá uma gravidez com menor risco. E, se houver algum problema, mais cedo ele será descoberto e tratado. Pré-natal
  • 6. É responsabilidade do Conselho Municipal de Saúde definir, acompanhar e fiscalizar a garantia dos direitos da gestante e do bebê. Pré-natal Está na hora de começar o pré-natal v r iv V v r r Tr r F Ati iv i iv Preste atenção: Se o pai e a família demonstram cuidados com a grávida e com o bebê que vai nascer. Esses cuidados são fundamentais para a gestante e o bebê. 03 ra v ra r r r v r ra r Informe a família sobre como deve ser o pré-natal de qualidade: r r nv r r
  • 7. No Cartão da Gestante são acompanhadas as informações sobre a saúde da gestante e a evolução do bebê. 04Para que serve o Cartão da Gestante? O Cartão da Gestante serve para anotar e acompanhar:
  • 8. Durante a gravidez e até cinco meses após o parto, a mulher tem estabilidade no emprego. Só poderá ser demitida por justa causa. (Consolidação das Leis do Trabalho - CLT) O Cartão da GestanteCartão da Gestante O Cartão da Gestante, que a grávida recebe na Unidade de Saúde ao começar o pré-natal, é onde devem estar anotados os exames, as consultas e as ocorrências durante a gestação. Nele deve estar anotado o número do cadastro do SIS-PRÉNATAL, que será utilizado pelo serviço onde ocorrer o parto. Essas anotações facilitam o acompanhamento da gestação pelos profissionais de saúde e estimulam a gestante e a família a ficar mais atentas. O Cartão também funciona como uma agenda: ajuda a lembrar o dia da consulta e os exames que a grávida precisa fazer. É por meio do Cartão que um profissional se comunica com outro. 04 Assim, mesmo que a gestante precise mudar de médico ou necessite de atendimento em outra Unidade de Saúde, o profissional vai saber tudo o que já foi feito no pré-natal. Atenção: vem estar anotadas informações sobre a saúde da mãe e sua gravidez. Confira: ao fazer a primeira consulta do pré-natal. ram solicitados os exames. rcada a próxima consulta.
  • 9. 05O que você pode fazer para diminuir os riscos na gravidez? A gravidez é considerada de alto risco quando existe maior possibilidade de comprometimento da saúde da gestante, do bebê ou dos dois. No pré-natal, a gestante precisa fazer pelo menos sete consultas, e depois a consulta do pós-parto. Você deve comparecer a todas as consultas do pré-natal. É importante fazer todos os exames e seguir as orientações dos profissionais. Não consuma bebidas alcoólicas, cigarro, drogas e medicamentos sem receita. A saúde da mãe e do bebê depende muito da qualidade do pré-natal. Riscos na gravidez
  • 10. Situações de risco na gravidezRiscos na gravidez A gestante tem o direito de mudar de função ou setor no trabalho se isso afetar a sua saúde ou a do bebê. Fique de olho: As gestantes nessas situações necessitam de mais apoio da família e cuidados especiais do serviço de saúde. Atenção: A pressão alta pode matar a mãe e o bebê. , HIV/aids e hepatite podem passar da mãe para o bebê. que podem ser tratadas durante a gravidez. rante a gravidez pode provocar deficiência mental no bebê. As drogas prejudicam o desenvolvimento e podem criar dependência química no bebê. Todas as gestantes precisam de cuidados, mas algumas delas precisam de atenção redobrada. Têm menos de quatro anos de estudo. Têm mais de 35 anos de idade. Tiveram complicações em gravidez anterior. Têm alguma doença como aids, diabetes, anemia, sífilis, pressão alta, epilepsia, hepatite, lúpus. Têm problemas do coração. ras drogas. iveram muitos filhos. Estão vivendo em situação de risco. 05
  • 11. Sinais de perigo na gravidez A família deve conhecer os sinais de perigo na gravidez. 1. Sangramento. 2. Vômitos frequentes. 3. Ardência ao urinar. 4. Febre alta ou dor de cabeça. 5. Inchaço anormal das pernas e/ou dos braços. 6. Bebê que não se mexe. 7. Perda de líquido. 06 Quando devo procurar com urgência o serviço de saúde? Riscos na gravidez
  • 12. Os serviços de saúde devem estar preparados para acolher e tratar as gestantes de risco. Sinais de perigo na gravidez Riscos na gravidez Atenção: rceber alguns desses sinais, vai av r Procure saber: r ra 06 r volver ra dev r P v F r c
  • 13. 07Quais os direitos da gestante soropositiva? O exame para HIV não é obrigatório, mas é importante que seja feito. O resultado do exame só pode ser informado para a gestante. A mãe HIV positivo não deve amamentar. Ela tem direito de receber orientações e apoio para alimentar o seu bebê. Tem direito de receber, de graça, medicamentos para HIV/aids durante a gravidez. O companheiro deve fazer os exames e receber medicamentos, se necessário. Os testes para HIV/aids são de graça e têm que ser autorizados pela gestante. Gestante soropositiva
  • 14. As Doenças Sexualmente Transmissíveis aumentam o risco de pegar HIV/aids. Gestante soropositivaGestante soropositiva O vírus da aids pode passar da mãe para o filho durante a gravidez, o parto e a amamentação. Esse vírus precisa ser identificado por exames. A gestante soropositiva precisa ser tratada com medicamentos adequados. O companheiro também deve fazer os exames e receber medicamentos, se necessário. O casal deve ser sempre orientado a usar preservativo, mesmo que os dois parceiros estejam infectados pelo HIV, para evitar infecção cruzada e risco de transmissão de grupos de vírus resistentes. A gestante soropositiva tem direito a receber, de graça, medicamentos para HIV/aids. Lembre-se que a gestante tem direito à privacidade. Atenção: ra HIV/aids e sífilis devem ser fornecidos, gratuitamente, pelos serviços de saúde e usados pela mãe de acordo com a indicação médica. ivo NÃO deve amamentar seu bebê. A mãe tem o direito de receber orientações e apoio para alimentar o seu bebê. Ela deve ser encaminhada ao serviço de saúde. O fornecimento da fórmula láctea deve ser garantido a todas as crianças expostas ao HIV. ratamento adequado, a gestante soropositiva pode ter um bebê saudável. ve ser amamentado por outra mãe devido ao risco de infecção pelo leite materno. 07
  • 15. 08 Se o exame para sífilis for positivo e a mãe e o parceiro não forem tratados, o bebê poderá nascer com má-formação. O que fazer quando o resultado do teste de sífilis é positivo? O tratamento da sífilis durante a gravidez proteje o bebê, evitando complicações, inclusive o risco de morte. ratamento da mãe durante a gravidez trata também o bebê. ratamento é gratuito e cura a doença. ve ser tratado ao mesmo tempo. A mãe poderá amamentar normalmente o seu bebê. Pergunte sobre os resultados dos exames realizados para sífilis. Sífilis e Sífilis Congênita
  • 16. 08 A ocorrência da sífilis congênita pode ser evitada com um pré-natal de qualidade. Sífilis e Sífilis Congênita UDAT - PN DST/AIDS Gestante com sífilis De maneira semelhante ao HIV, a sífilis também pode passar da mãe para o filho no período da gravidez. Exames para sífilis que são realizados na rotina do pré-natal identificam a infecção. Nesse caso, deve-se iniciar rapidamente o tratamento. O tratamento do parceiro deve ser simultâneo ao da gestante. Os casos de sífilis materna e congênita devem ser devidamente tratados e notificados à vigilância epidemiológica municipal. O tratamento adequado cura a infecção materna e evita a transmissão ao bebê. A falha no tratamento materno poderá determinar situações graves, tais como aborto ou sequelas graves no bebê, com risco de morte. Após o diagnóstico da sífilis, o casal deve ser orientado a usar preservativos nas relações sexuais até que ambos tenham sido tratados simultaneamente para evitar reinfecção. Os exames para sífilis devem ser realizados regularmente nas consultas do pré-natal para verificar se o tratamento foi adequado. Atenção: O teste para sífilis (VDRL) deve ser realizado na primeira consulta e na fase inicial da gestação, no início do terceiro trimestre gestacional e no momento do parto. Os resultados devem ser anotados no Cartão da Gestante. Não há contraindicações à amamentação.
  • 17. 09 As famílias com dificuldade de acesso à alimentação têm direito de ser incluídas nos programas do governo. Qual a melhor comida para a gestante e o bebê? A alimentação deve ser variada com produtos da região e da época. Sempre que puder, comer frutas, legumes e verduras. Comer também arroz, feijão, milho, macaxeira, castanha, carnes, galinha ou frango, peixes e ovos. Beber leite. Beber, pelo menos, dois litros de líquidos, que podem ser água, chás e sucos de frutas regionais. Alimentação
  • 18. Alimentação saudávelAlimentação Comer muito não quer dizer comer bem. Uma boa alimentação precisa ser variada, à base de leite, frutas, vegetais, carne, peixe, ovos, arroz, feijão, batata, mandioca, milho, pão, para suprir as necessidades nutricionais. Dicas para a família: Valorizar os alimentos da região e da época. Tomar pelo menos dois litros de líquidos por dia, que podem ser água, chás e sucos de frutas regionais. A gestante precisa comer, todos os dias, alimentos ricos em ferro, vitaminas A e C, iodo e cálcio. O cálcio é importante para a gestante e o bebê, porque ajuda a formar e manter ossos e dentes fortes. Ele é encontrado principalmente no leite e seus derivados, em folhas escuras e sardinhas. Preste atenção: Se a família tem comida em quantidade e qualidade. Se tem o hábito de comer frutas, verduras e legumes. Se come carne ou peixe com alguma regularidade. Famílias com dificuldade para obter alimentos devem ser encaminhadas para programas do governo. Igrejas, associações comunitárias e outras instituições também podem ajudar as famílias a se alimentar melhor. Oriente as famílias a consumir alimentos nutricionalmente ricos, considerando sempre os costumes regionais. 09
  • 19. 10 Os alimentos mais ricos em vitamina A são: Ovos; leite e seus derivados; carnes, fígado, peixes; azeite de dendê, de oliva e óleos de cozinha em geral; frutas amarelas e alaranjadas em geral, buriti, banana, mamão, manga, pupunha, etc; legumes como abóbora ou jerimum, cenoura e beterraba; hortaliças e vegetais; folhagens verde-escuras como couve, jambu, vinagreira, coentro, salsa, folha da taioba, mastruz, batata doce, inhame e outras. Onde posso encontrar vitamina A? A vitamina A favorece o crescimento da criança e previne doenças da pele e deficiência visual. Ajuda na cicatrização e fortalece a defesa do corpo. Alimentação
  • 20. A Constituição Federal garante a toda pessoa o direito à alimentação saudável e adequada às suas necessidades e sua idade. Vitamina A A vitamina A melhora o sistema de defesa do corpo, previne infecções, protege a visão e ajuda no crescimento do bebê. A vitamina A é encontrada em ovos, leite e seus derivados; carnes, fígado, peixes gordos; azeite de dendê e óleos; frutas, como buriti, manga e mamão maduros, pequi ou piquiá, pitanga e pupunha; legumes, como abóbora ou jerimum, batata-doce e cenoura; hortaliças e vegetais de folhagem escura, como azedinha ou vinagreira, couve, espinafre, beldroega, bertalha, caruru, taioba e jurubeba, batata doce e inhame. Atenção: Toda refeição deve ter, pelo menos, um desses alimentos crus; pode ser uma salada ou uma fruta, lavadas com água limpa. Se as crianças da família queixam-se de dificuldade para enxergar ao entardecer e à noite, devem ser encaminhadas ao serviço de saúde. Alimentação 10
  • 21. 11 É preciso comer alimentos ricos em ferro, como fígado, carnes, ovos, feijão, castanha e verduras verde-escuras, como couve, jambu e outras. Coma frutas cítricas e amarelas ou alaranjadas como laranja, tangerina, cajarana, limão, caju, goiaba, manga, mamão, acerola, açaí, araçá-boi, buriti e outras. As frutas cítricas ajudam o organismo a aproveitar melhor o ferro dos alimentos. A gestante tem o direito de receber medicamento com ferro, receitado no serviço de saúde. Como prevenir a anemia? Alimentação A anemia é também conhecida como sangue fraco. Sinais de anemia: Palidez da língua, da parte interior dos lábios e da palma das mãos, cansaço e falta de ar e batimentos acelerados do coração. Ferro
  • 22. FerroAlimentação O ferro dos alimentos é melhor aproveitado pelo organismo quando a pessoa come esses alimentos junto com os ricos em vitamina C, como limão, laranja, caju, goiaba, manga e acerola. O suplemento de ferro, isto é, o medicamento com ferro, durante a gestação, trata a anemia da mãe e previne a anemia do bebê. Atenção: Os sinais de anemia são: Palidez da língua, da parte interior dos lábios e da palma das mãos. acelerado do coração. vermes podem agravar a anemia. A falta de ferro no organismo da mãe prejudica o desenvolvimento do bebê. A falta de ferro causa anemia, que é a carência nutricional mais comum no ve pode prejudicar o desenvolvimento do bebê. A anemia durante a gravidez aumenta as complicações no parto, como a hemorragia, que é uma das principais causas de morte materna. com anemia e baixo peso ao nascer. Alimentos como fígado, carnes, ovos, feijão, lentilha, verduras verde-escuras são ricos em ferro e protegem contra a anemia. 11
  • 23. 12 Usar pequenas quantidades de sal iodado na comida previne deficiência mental no bebê. O iodo é encontrado no sal iodado, nos alimentos do mar e também nas verduras, legumes e frutas cultivados em terras perto do mar. A falta de iodo no corpo da gestante prejudica o desenvolvimento do bebê e poderá causar deficiência mental na criança. A falta de iodo também pode causar bócio ou “papeira”. Para preveni-lo compre e use somente sal iodado. Deixe o sal iodado em pote fechado, longe do fogo, em local fresco e seco. Não consuma “sal para gado”. É prejudicial à saúde humana. Onde encontrar iodo?Alimentação
  • 24. O iodo é importante para o desenvolvimento físico e mental. A falta de iodo no corpo da gestante pode provocar aborto ou afetar a formação do cérebro do bebê. Poderá, também, causar deficiência mental no bebê, atrasar o crescimento da criança e prejudicar sua capacidade de aprendizagem. Os alimentos que contêm iodo são: sal iodado; alimentos do mar, como peixes e mariscos; verduras, legumes e frutas cultivados em terras perto do mar. A falta de iodo na alimentação por muito tempo causa aumento da glândula tireóide, doença conhecida como bócio ou “papo”. A melhor forma de se evitar a deficiência de iodo é comprar e usar o sal iodado. Pequenas quantidades de sal iodado na comida previnem a deficiência de iodo no organismo. Iodo 12 Alimentação Atenção: Dicas para o uso do sal iodado Ao comprar o sal, observe se ele é iodado e está dentro do prazo de validade. Guarde o sal iodado na embalagem, dentro de um pote fechado, sempre em local fresco e ventilado, longe do calor e de lugares úmidos. Não guarde o sal na geladeira. Agindo assim, você garante a qualidade do seu sal iodado. O sal usado na alimentação do gado e para curtir couro não deve ser usado pelas pessoas, pois não contém iodo.
  • 25. Saneamento básico 13 Como manter a higiene da sua casa? Garantir a coleta de lixo, rede de esgoto e abastecimento de água é obrigação do governo. Para manter a higiene, a família precisa de:
  • 26. Está na Constituição: todo cidadão tem direito aos serviços básicos de saneamento e saúde. Higiene Saneamento básico A família e a gestante precisam ter acesso a um ambiente limpo para garantir sua saúde e desenvolvimento. Coleta de lixo, rede de esgoto, abastecimento de água são serviços básicos e devem ser garantidos pelos governos. A rede de esgoto e a coleta adequada de lixo evitam a disseminação de doenças. Procure saber se as famílias se organizam para conseguir coleta de lixo, abastecimento de água e rede de esgoto para a comunidade. Onde não houver água tratada, é necessário usar o hipoclorito de sódio na água de beber e de lavar os alimentos. Para acondicionar a água de beber é importante usar filtros. 13 Atenção: Incentive a família a participar de associações e grupos comunitários, a fim de buscar soluções para os problemas de saneamento básico. Nas áreas rurais, o lixo deve ser queimado ou enterrado para não atrair ratos e insetos que causam doenças. Se não tiver garantido o seu direito a serviços de saneamento básico, a população deve procurar a Prefeitura, os Conselhos de Direitos ou a Promotoria de Justiça de sua cidade.
  • 27. Higiene 14 Quando as famílias se unem, é mais fácil exigir das autoridades o direito à água e ao saneamento básico. Manter a casa limpa, fazer a higiene do corpo e das mãos, lavar alimentos e utensílios evitam doenças, como verminoses e diarreias. A higiene corporal da mulher é importante para prevenir infecções e complicações nela e no seu bebê. Como ter bons hábitos de higiene?
  • 28. Higiene Toda pessoa tem direito a água de boa qualidade para manter sua saúde. Higiene Para prevenir muitas doenças, são importantes estes hábitos de higiene: Tomar banho todos os dias. avar os cabelos com frequência. ovar os dentes pela manhã, após as refeições, depois de comer doces e antes de dormir. avar as mãos, com sabão, antes das refeições, antes de mexer em alimentos e depois de usar o sanitário. avar as roupas com água e sabão e lavar o sanitário e as latrinas. 14 iver num ambiente limpo é fundamental para uma vida saudável. Atenção: Os alimentos devem ser lavados com água limpa antes de preparados ou consumidos. Pratos, copos, talheres, canecas, panelas e outros utensílios de cozinha devem ser lavados e guardados em local protegido de moscas, baratas, ratos e poeira. A família e a gestante precisam ter acesso a água limpa para manter bons hábitos de higiene.
  • 29. Aleitamento materno 15 Por que é bom dar o peito? Aleitamento materno O leite materno protege o bebê contra doenças. É limpo e não dá trabalho para preparar, pois já está pronto. Amamente seu bebê exclusivamente ao seio até os 6 meses de idade. Criança amamentada desenvolve-se mais rápido, cresce inteligente e saudável. O uso de chupetas ou mamadeira pode atrapalhar a amamentação e deformar os dentes. A mãe HIV positivo NÃO pode amamentar, mas o bebê pode receber a alimentação com a mesma atenção e carinho. Para amamentar, a mulher precisa do apoio da família e da comunidade.
  • 30. Aleitamento materno Aleitamento materno Nenhum leite substitui o leite materno. O aleitamento reforça os laços afetivos. 15 Amamentar = dar leite do peito. O leite da mãe é adequado, completo, econômico e suficiente para o bebê. Sua digestão é mais fácil, pois é feito especialmente para o estômago da criança. Contém vitaminas, minerais, gorduras, açúcares e proteínas na quantidade de que o bebê precisa. Por isso, não é preciso dar chás nem água. Possui substâncias que não são encontradas em nenhum outro leite e que protegem o bebê de doenças, como diarreia, pneumonia, infecção de ouvido, alergias. Atenção: O leite materno é o único alimento de que o bebê precisa até os 6 meses de idade. O aleitamento materno deve ser continuado até os 2 anos ou mais, juntamente com outros alimentos. Toda gestante deve ser orientada sobre a importância do aleitamento materno. A amamentação supre todas as necessidades do bebê nos primeiros seis meses de vida. Ela reforça os laços afetivos da mãe com o bebê e contribui para o desenvolvimento físico e mental da criança. Mãe HIV positivo NÃO pode amamentar.
  • 31. 16Orientações para a amamentaçãoAleitamento materno O leite da mãe é o melhor leite para o bebê. Durante a gravidez: r r r r r r
  • 32. Atenção: A gestante HIV positivo deverá receber o “Guia prático de preparo de alimentos para crianças menores de 12 meses que não podem ser amamentadas”. A mãe soropositiva deverá ter sua lactação inibida logo após o parto por uso de inibidor de lactação. Deverá receber apoio tanto da equipe de saúde como das pessoas em quem confia para não se sentir discriminada por não estar amamentando. Importante: É desejável que ao amamentar o bebê o ambiente seja aconchegante, tranquilo, de troca de carinho. Criar esse ambiente ajudará no crescimento e desenvolvimento emocional do bebê. Aleitamento materno Orientações para a amamentação O bebê tem direito a ser amamentado e a mãe precisa de apoio para amamentar. 16 Durante a gravidez: ra sustentar o peso das mamas. ou sabonete nos mamilos. ra retirar colostro, pois isso pode estimular a contração do útero. do peito não interferem na amamentação. A criança que abocanha bem a parte escura do peito retira o leite com facilidade.
  • 33. Grupo de gestantes 17 O grupo favorece a parceria e laços de solidariedade entre as gestantes. No grupo de gestantes, você tem oportunidade de trocar ideias e experiências com outras grávidas. Os profissionais de saúde podem esclarecer dúvidas e orientar sobre cuidados que devem ser tomados durante a gravidez. As outras grávidas sentem as mesmas coisas que eu? Grupo de gestantes
  • 34. Grupo de gestantes Em grupo, a gestante sente-se mais fortalecida Em grupo, as gestantes trocam experiências, informações e se fortalecem. A Unidade de Saúde deve informar o local onde a gestante vai ter o parto. Deve também organizar as visitas em grupos de gestantes para conhecer a equipe e o local do parto. Procure saber: de grupos já formados. de gestantes. Estimule a formação de grupos de gestantes. No grupo, as gestantes podem trocar informações, comparar sentimentos e relatar medos e sonhos comuns. Conversando com outras gestantes, elas ficam mais à vontade para falar das mudanças no corpo, da sexualidade, das ansiedades em relação à gravidez, parto e nascimento do bebê. Para alívio da ansiedade e das tensões físicas, indique ou descubra quem poderá proporcionar exercícios de relaxamento e respiração no grupo de gestantes. Eles contribuem para a tranquilidade e um melhor preparo para o momento do parto. 17
  • 35. Mudanças no corpo da gestante e do bebê A amamentação ajuda o útero a voltar ao seu tamanho normal. Tudo começa com o encontro de um espermatozoide do homem e um óvulo da mulher. Ao final do primeiro mês, o bebê tem o tamanho de um grão de arroz. Ao final da gestação, o bebê, em geral, mede cerca de 50 cm e pode pesar em torno de 3 quilos e 400 gramas. A primeira mudança no corpo da gestante é o aumento dos seios. Ao final da gravidez, ela terá ganho entre 9 e 12 quilos. A gestante e o bebê 18 Como se forma o corpo do bebê?
  • 36. A gestante e o bebê Mudanças no corpo da gestante e do bebê Na gravidez, o corpo do bebê e o corpo da gestante passam por mudanças de peso, tamanho e forma. No primeiro trimestre, o corpo da gestante tem poucas mudanças: as mamas estão maiores e as aréolas mais escuras. O corpo do bebê está em formação. O pré-natal acompanha mês a mês as mudanças que ocorrem no corpo da gestante e do bebê. 18 No segundo trimestre, a barriga está maior e a gestante começa a perceber os movimentos do bebê, que cresce muito nesse período. No terceiro trimestre, a mulher tem as veias das mamas bem visíveis, o umbigo pode ficar saliente e o bebê ganha mais peso.
  • 37. 19 É importante que o pai do bebê ou o companheiro da gestante acompanhe o desenvolvimento da gestação. Os três primeiros meses de gestação Como está o bebê na barriga? Primeiro trimestre Ao final do primeiro mês, o bebê tem o tamanho de um grão de arroz. Com três meses de gestação, o bebê está quase do tamanho da mão fechada de um adulto. 1 mês e 15 dias tamanho real 2 meses tamanho real 3 meses tamanho real 1 mês tamanho real Evite fumo, bebidas alcoólicas ou drogas. Não tome nenhum medicamento sem orientação médica.
  • 38. Primeiro trimestre No primeiro trimestre, há poucas modificações no corpo da gestante. As mamas estão maiores e ela pode sentir enjoos, muito sono e tonturas, porém gravidez não é doença. Ao final do primeiro mês, o bebê é do tamanho de um grão de arroz. O coração, o cérebro e a coluna estão em formação. No final do terceiro mês, ele tem quase o tamanho da mão fechada de um adulto. O cérebro, o estômago, os intestinos, o esqueleto e os músculos estão mais desenvolvidos. Procure saber: ra urinar. vosa ou preocupada. Do primeiro ao terceiro mês de gestação Sugira que a mãe escute música, que é muito importante para o desenvolvimento da criança. nvolve alguma atividade. Atenção: ramento vaginal, dores e cólicas muito fortes sinais, dev A gestante, no primeiro trimestre, deve tomar a vacina antitetânica para que ela e o bebê fiquem protegidos contr com interv podem ser administradas dependendo da situação e da indicação médica. A vacina contra a gripe é indicada para todas as gestantes. 19
  • 39. 20 A gestante tem direito a um acompanhante nas consultas de pré-natal. Do quarto ao sexto mês de gestação Como está o bebê na barriga? Ao final do quarto mês, o bebê mexe com as mãos, com o corpo, dá chutes. Ele já percebe sons. Converse com seu bebê. Começam a se formar os dentes e os dedos das mãos e dos pés. No fim do sexto mês, a pele do bebê é fina e brilhante, e ele começa a abrir os olhos. Parece que o bebê gosta quando as pessoas tocam a barriga da sua mãe. Segundo trimestre 6 meses tamanho aproximado do real nofimdosextomês,medeaproximadante30cm
  • 40. Gestantes que estão sem companheiro precisam de mais apoio da família e da comunidade. Segundo trimestre Do quarto ao sexto mês de gestação Nessa fase, os enjoos já diminuíram. A gestante sente-se mais segura e acompanha com prazer sua barriga crescendo. A gestante e a família começam a perceber os movimentos do bebê. Ele dá chutes, mexe com as mãos e com o corpo. Além da voz da mãe, o bebê percebe outros sons. A gestante pode convidar o pai a sentir o bebê se mexendo na barriga. É emocionante para os três. Importante: vem conversar com o bebê que vai nascer. Enquanto isso, podem acariciar a barriga da gestante. Sinais de risco: chaço nas pernas, mãos e rosto ao acordar, perda de água ou sangramento pela vagina, dores e cólicas muito fortes. Na presença desses sinais, é preciso encaminhar a gestante ao serviço de saúde. 20
  • 41. 21 Como está o bebê na barriga? Não esqueça da última dose da vacina contra tétano. O bebê ainda na barriga da mãe já percebe muito do que acontece a seu redor. Sente gosto amargo e doce, ouve sons, portanto, converse com o seu bebê e acaricie a barriga. Ele mexe menos, pois está mais apertado dentro do útero. No final do nono mês, os pulmões estão maduros. Sinais de risco: exe por mais de 12 horas; perda de água ou sangue pela vagina; pressão alta; inchaço nas pernas, mãos e rosto; dores de cabeça. Diante desses sinais, a família deve levar a gestante com urgência ao serviço de saúde. Terceiro trimestre Do sétimo ao nono mês de gestação no fim do nono mês, o bebê mede aproximadante 50 cm
  • 42. Terceiro trimestre Do sétimo ao nono mês de gestação Oriente a gestante a: r r P i r V Sinais de risco: r P c Com esses sinais, levar a gestante para o serviço de saúde. r r P r r r r Pressão alta é doença grave. Se não for controlada durante a gravidez, poderá causar a morte da gestante e do bebê. 21
  • 43. Preparando a casa Preparando a casa para receber o bebê Onde o bebê vai ficar? O lugar onde o bebê vai ficar deve ser protegido, limpo e arejado. É importante que a gestante possa contar com o apoio e ajuda dos parentes, vizinhos e amigos na hora de ter bebê. É um direito da gestante conhecer o local onde terá o seu bebê. 22
  • 44. Preparando a casa Preparando a casa para receber o bebê Está chegando a hora do bebê nascer. A mãe, com a ajuda dos familiares, deve escolher o nome do bebê. Isso facilita a formação do vínculo. Além disso, algumas crianças deixam de ser registradas por ainda não ter seu nome escolhido ao nascer. Ao nascer, o bebê precisa de um lugar seguro e limpo e de roupa de cama e banho só para ele. A família deve ajudar a gestante a preparar a casa para a chegada do bebê. Para evitar que o bebê seja picado pelos mosquitos que transmitem dengue e malária, é necessário cobrir o berço com mosquiteiro. Nas últimas semanas antes do parto, é bom que a gestante fique mais próxima do local onde vai ter o bebê. Preste atenção: á fez uma visita prévia à maternidade para se familiarizar com o ambiente. Ajuda a diminuir a sua ansiedade e cria vínculo com a equipe que fará seu parto. de alguém para cuidar das crianças e da casa enquanto ela vai ter o bebê. Assim, ficará mais tranquila durante o trabalho de parto. Veja como mobilizar ajuda para a mãe quando ela não conta com ninguém ao voltar para casa. 22
  • 45. Preparando-se para o parto Cartão da Gestante. Documento de identidade, que pode ser carteira de identidade, certidão de nascimento ou de casamento, carteira de motorista. Roupas para a gestante e o bebê. Artigos de higiene. A Lei 11.108, de 2005, assegura o direito do pai a acompanhar a mãe e o bebê no hospital, antes, durante e após o parto. A gestante já deve deixar preparada, com antecedência, uma sacola com: 23 O que é preciso levar para o hospital? Preparando para o parto
  • 46. A mãe e o pai que trabalham com carteira assinada têm direito a licença pelo nascimento do bebê. Preparando-se para o parto Se o parto for no hospital: Verifique se o hospital ou maternidade já cumprem a lei, garantindo a presença do pai durante e após o parto. e ter acesso facilitado par e o bebê, a qualquer hora do dia. A gestante tem direito a seis meses de licença-maternidade, que pode ser iniciada um mês antes do parto. de licença após o nascimento do bebê. Assim, ele pode fazer o registro de nascimento, ajudar Preparando-se para o parto le ar para o hospital. Atenção: ra do parto. rantido pela Lei no 11.108, de 2005. 23
  • 47. O bebê vai nascer Qual é a hora certa de ir para o hospital? Parto 24 Se o hospital é próximo, a gestante pode esperar em casa até as contrações do útero acontecerem com um tempo próximo de 10 em 10 minutos. Também pode ocorrer eliminação repentina de água, que significa o rompimento da “bolsa das águas”, indicando que é preciso procurar o hospital. Quando o hospital é longe e há dificuldade de transporte, é bom sair de casa antes das contrações ficarem mais fortes. A gestante sente-se mais tranquila quando pode contar com o apoio do companheiro, da família e da comunidade.
  • 48. Todo hospital ou maternidade tem que acolher a gestante e garantir a assistência ao parto. Parto O bebê vai nascer Sinais de que o parto está próximo: v br r r v r v v r r r r 24 O r r r Oriente a gestante: r r r v r r v r o r
  • 49. Parto 25Chegando à maternidade O que vai acontecer com a gestante? Ao chegar à maternidade, a ficha de internação é preenchida. É importante conhecer a equipe de saúde. São feitos os exames para acompanhar o trabalho de parto. A gestante pode se movimentar, tomar banho e receber massagem. É um direito da gestante ser acompanhada por pessoa da sua escolha, antes, durante e depois do parto.
  • 50. Parto Chegando à maternidade A gestante deve ser recebida com carinho e respeito pelos profissionais de saúde. O profissional de saúde vai escutar o coração do bebê, contar quantas vezes o útero se contrai e fazer toque vaginal para ver como está a dilatação do colo do útero. Com isso, ele vai avaliar se está na hora do bebê nascer. Dependendo do resultado, a gestante vai para o quarto ou para a sala de pré-parto até que se complete a dilatação do colo do útero. Ela pode andar, tomar banho e receber massagem. Tudo isso ajuda a relaxar. Por lei, a gestante tem direito a acompanhante antes, durante e após o parto. Importante: vel que a gestante e seu acompanhante conheçam previamente a rotina da maternidade e se possível a equipe de saúde. Valendo os direitos: Toda gestante tem direito à assistência ao parto e pós-parto de forma humanizada. 25
  • 51. 26 O parto pode ser feito sem dor?Parto No parto normal, a gestante pode receber medicamentos que diminuem a dor do parto. O parto normal, geralmente, é a melhor maneira de trazer o bebê ao mundo. O bebê nasce mais ativo e tem logo vontade de mamar. Cesariana é uma cirurgia e só deve ser feita pelo médico e quando for, de fato, necessária. O SUS paga o medicamento contra dor para o parto normal.
  • 52. Atenção: As casas de parto devem estar próximas da maternidade para o caso de ser necessário outro tipo de intervenção. Oriente a gestante: ral, o parto normal é a melhor maneira para o bebê nascer ivo e mostra v ras horas de vida. disposta para amamentar e cuidar do seu bebê Parto O parto No hospital, maternidade ou casa de parto, ral, é assistida por médica(o) ra(o) obstetra. diminue ou inibe a participação da mãe, ser assistida pela parteira tradicional capacitada. Natural é parto normal; cesariana só se for, de fato, necessária. 26
  • 53. 27 A melhor posição para o parto é aquela em que a gestante se sente mais confortável. No parto normal, a gestante pode escolher a posição deitada, sentada ou de cócoras. Procure saber se o local onde você vai ter o bebê já utiliza a cadeira de parto ou a cama inclinada. Na posição semideitada ou sentada, fica mais fácil para a mulher fazer força e participar ativamente do nascimento do bebê. Parto A gestante pode escolher a posição para o parto?
  • 54. Parto O bebê e a mãe participam ativamente do parto normal. O bebê faz força para nascer, e a sua cabeça vai alargando o colo do útero e a vagina para poder passar. A gestante pode escolher a posição que achar mais confortável: deitada, sentada ou de cócoras. O hospital ou maternidade são obrigados a permitir que a gestante esteja acompanhada por pessoa da sua escolha, antes, durante e depois do parto. Posições para o parto As posições sentada e de cócoras facilitam o trabalho de parto. Algumas maternidades já usam cadeira de parto, banheiras e mesa inclinada, que são mais confortáveis para a mulher. Também no parto em casa, assistido por parteira tradicional, a mulher pode escolher a melhor posição para o parto: de cócoras, deitada de lado ou ajoelhada. 27
  • 55. Parto 28Cuidados no parto de gestante soropositiva O que acontece no momento do parto? A gestante HIV positivo recebe, no momento do parto, medicação na veia. O bebê não faz testagem para HIV na maternidade. Ele recebe medicamento pela boca, imediatamente após o nascimento e durante as seis primeiras semanas de vida. O bebê recebe fórmula infantil que é um leite em pó apropriado para ele, que será dado em copinho, com muito carinho. Mãe e bebê soropositivos têm direito a exames, remédios e acompanhamento da Equipe de Saúde.
  • 56. Toda gestante tem o direito de fazer o exame para o HIV e receber medicamento durante a gestação e o parto. Parto Cuidados no parto de gestante soropositiva O bebê não fará a testagem para HIV na maternidade. Receberá medicamento imediatamente após o nascimento e durante as seis primeiras semanas de vida (42 dias). Ele deverá ser encaminhado para o serviço de saúde especializado para crianças expostas ao HIV. O bebê recebe fórmula infantil que é um leite em pó apropriado para ele. O bebê deve ter alta da maternidade com consulta agendada em um serviço especializado, que fará os testes de acordo com determinações do Ministério da Saúde. 28 O vírus da aids pode passar da mãe para o filho durante o parto. Se a mulher não fez o teste para o HIV/aids durante a gestação, ela tem direito a fazer o teste rápido no momento do parto. A gestante soropositiva recebe, no momento do parto, medicação injetável. Mãe soropositiva não pode amamentar devido ao risco do vírus ser transmitido pelo leite materno. Não se recomenda, também, que o bebê seja amamentado por outra mãe.
  • 57. 29 Alojamento conjunto é um direito da família. É bom para a mãe, o pai e o bebê. O que acontece depois do parto Por que é bom o bebê ficar junto da mãe? O alojamento conjunto é bom para toda a família. A mãe pode olhar, tocar e amamentar o bebê sempre que quiser. O pai e outros familiares podem participar mais ativamente desses momentos de intimidade com o bebê. A mãe de primeiro filho vai aprender a cuidar do seu bebê com as outras mães e profissionais de saúde. O nascimento
  • 58. Alojamento conjunto é um direito da família. É bom para a mãe, o pai e o bebê. O que acontece depois do parto? Logo que nasce, o bebê deve ser colocado em cima do corpo da mãe para sentir seu cheiro e calor e sugar seu seio. É muito importante que a gestante seja apoiada para amamentá-lo já na sala de parto. Ao nascer, o bebê recebe uma pulseira com o nome da mãe. Se eles estão bem, vão para o alojamento conjunto, onde o bebê fica o tempo todo junto da mãe. Assim os dois vão se conhecendo melhor. O nascimento 29 Com o bebê sempre junto de si, a mãe sente mais segurança e pode amamentá-lo sempre que ele quiser. No alojamento conjunto, ela pode contar com a ajuda e orientação dos profissionais de saúde.
  • 59. 30 Quanto mais tempo o bebê ficar aconchegado no peito da mãe, melhor. Ele mama mais vezes, ganha peso mais rápido, mantém a temperatura do corpo e se sente mais protegido. O pai deve dividir com a mãe a responsabilidade de cuidar do bebê prematuro e de baixo peso. Bebê prematuro e de baixo peso Como posso cuidar do meu bebê? O nascimento Método cangurú Ficar pertinho da mãe, do pai e da família ajuda o bebê a crescer e a se desenvolver. Método Canguru
  • 60. A mãe tem direito a permanecer no hospital cuidando de bebê prematuro. O nascimento Bebê prematuro e de baixo peso O bebê prematuro e de baixo peso muitas vezes precisa ficar em incubadora ou ser colocado sem roupa bem junto do corpo da mãe (contato pele a pele precoce), ou de outro familiar, para que possa se manter aquecido, como recomenda o método Canguru. Mesmo que fique em incubadora, é importante o contato do bebê com a mãe, o pai ou outros familiares. Esse contato propicia maior ligação afetiva entre a família e o bebê e facilita o aleitamento materno. Se o bebê prematuro ainda não consegue sugar o peito da mãe, o leite materno pode ser retirado e dado com copinho até ele conseguir mamar. Mamando mais vezes, o bebê ganha peso e se fortalece mais rápido. A mãe também pode doar o leite excedente para o banco de leite. Verifique se há postos de coleta no município ou na região. O pai pode dividir com a mãe a tarefa de cuidar do bebê e mantê-lo aquecido. Preste atenção: do bebê, porque ele é prematuro. Nesse caso, é necessário que o serviço de saúde oriente e acompanhe essa família mais de perto. 30
  • 61. 31Deixando o hospital O que acontece antes da alta? O cartório não pode cobrar pelo registro civil e pela primeira via da certidão de nascimento. A mãe recebe a Caderneta de Saúde da Criança preenchida com as informações do parto e do nascimento do bebê. O Serviço de Saúde onde nasceu o bebê fornece a Declaração de Nascido Vivo, para que os pais possam fazer o registro civil e receber a certidão de nascimento do bebê. Se o parto foi domiciliar e tiver sido realizado por parteira, ela vai entregar para a mãe ou o pai uma ficha de notificação de parto em domicílio. Eles deverão ir ao cartório com seus documentos e a ficha para registrar a criança. Voltando para casa O ideal é que o registro civil seja feito logo após o nascimento, ainda na maternidade.
  • 62. É direito do bebê ser registrado e receber a certidão de nascimento. Deixando o hospitalVoltando para casa 31 Atenção: As vacinas BCG e contra a hepatite B devem ser aplicadas logo após o nascimento, de preferência na maternidade. A mãe deve ser vacinada contra a rubéola, receber a vitamina A e marcar a consulta de pós-parto. Importante: O Teste do Pezinho é um exame que descobre algumas doenças graves que podem afetar o desenvolvimento do cérebro do bebê. Esse teste deve ser feito entre o 4º e o 7º dia após o nascimento, no hospital ou Unidade de Saúde. Antes da alta, o hospital deve fornecer: A Caderneta de Saúde da Criança preenchida com os dados do parto e nascimento. A via amarela da Declaração de Nascido Vivo para fazer a certidão de nascimento do bebê. Alguns hospitais fazem o registro civil antes da alta do bebê. Para fazer o registro civil da criança, pais casados precisam apresentar a certidão de casamento. Caso não sejam casados, é necessária a presença do pai como declarante ou sua autorização escrita. Se a mãe for a declarante e o pai não reconhecer a paternidade, constará somente o nome da mãe na certidão de nascimento.
  • 63. 32 O Cartão da Gestante contém informações sobre a gravidez, o parto e o pós-parto. Deve ser levado à Unidade de Saúde, na consulta pós-parto e na próxima gestação. A Caderneta de Saúde da Criança é um documento importante para acompanhar o crescimento, o desenvolvimento, a alimentação e a vacinação da criança até os 9 anos de idade. A Caderneta de Saúde da Criança deve ser guardada com cuidado e levada sempre que a criança for à Unidade de Saúde ou a campanhas de vacinação. Cartão da Criança Por que é importante guardar o Cartão da Gestante e a Caderneta de Saúde da Criança? O Cartão da Gestante e a Caderneta de Saúde da Criança contêm informações importantes sobre a saúde da mãe e da criança.
  • 64. O Cartão da Gestante, que já tinha informações sobre o pré-natal, agora é devolvido à mãe com as anotações sobre o parto e nascimento da criança. A Caderneta de Saúde da Criança começa a ser preenchida onde o bebê nasceu e acompanha a criança até os 9 anos de idade. Na Caderneta de Saúde da Criança, são anotados o nome da criança, a data e local do nascimento, peso, comprimento, medida da cabeça, vacinas recebidas e tipo de parto. Os pais podem acompanhar o crescimento e o desenvolvimento do bebê pelas anotações da Caderneta de Saúde da Criança. O direito à saúde está previsto na Constituição e deve ser garantido pelo Sistema Único de Saúde. Cartão da Gestante e Caderneta de Saúde da Criança Cartão da Criança Atenção: Oriente a família a conservar o Cartão da Gestante e a Caderneta de Saúde da Criança com muito cuidado, pois são documentos importantes. 32
  • 65. 33 Toda mãe precisa fazer consulta de revisão do parto, até 10 dias após o parto ou antes, se houver necessidade. Atenção, família: c Procure atendimento médico com urgência. Chegando em casa Como vamos cuidar da mãe e do bebê? A mãe precisa da ajuda do companheiro e das outras pessoas para que possa amamentar e cuidar do seu bebê.
  • 66. A mãe necessita da ajuda da família para que possa amamentar e cuidar do bebê. Sinais de risco: v Atenção: v Chegando em casa Após o parto, a mulher deve voltar ao serviço de saúde: 33
  • 67. 01A família acolhe a mãe e o bebê em casa Como vamos cuidar da mãe e do bebê? Mãe e bebê em casa A fam lia, a comunidade e o mun c pio são responsáveis pela educação e proteção da criança. Mãe e bebê devem ser bem acolhidos. Eles precisam de atenção, cuidados e muito afeto. A família deve cuidar do dia a dia da casa para que a mãe possa tocar, amamentar, cuidar e ficar perto do bebê.
  • 68. Mãe e bebê em casa O governo, a sociedade e a família são responsáveis por cuidar da criança, protegê-la e educá-la. A família acolhe a mãe e o bebê em casa Preste atenção: Se a mãe tem apoio familiar, caso contrário, procure ajuda com os vizinhos e visite mais vezes essa família. ra o bebê ficar deitado e participar da vida em família. ou de outras pessoas nas tarefas da casa. nversar sobre o ra da mãe cuidar e se relacionar com o bebê. Importante: A família deve receber mãe e bebê num ambiente ra viver. Ajudada nas tarefas da casa, a mãe pode cuidar do bebê e amamentá-lo. ra para cuidar do bebê e precisa de apoio. Com a ajuda de outr iveram ra. As mães sem companheiro precisam de mais apoio da família. Se a mãe fez cesariana, pode sentir dor na ra andar e cuidar do bebê. iveram parto normal e precisaram fazer um corte na entrada da v podem sentir o desconforto dos pontos. 01
  • 69. 02Cuidados com bebê prematuro e de baixo peso O que vamos fazer? Bebê prematuro e de baixo peso precisa de mais atenção da família e do serviço de saúde. A saúde do bebê Manter o bebê mais tempo junto do corpo da mãe ou do pai. Assim ele fica quentinho, como se ainda estivesse dentro da barriga. O bebê precisa mamar mais vezes, durante o dia e também à noite, para ganhar peso mais rápido.
  • 70. No primeiro mês, as famílias com bebês prematuros ou de baixo peso devem ser visitadas com mais frequência pela equipe de saúde. Cuidados com bebê prematuro e de baixo peso A saúde do bebê Os bebês que nasceram prematuros ou com baixo peso podem ficar um tempo maior no hospital. Esses bebês precisam de cuidados especiais, porque têm pouca defesa e podem pegar infecções; têm pouca gordura no corpo e não conseguem se manter aquecidos; os pulmões ainda não estão maduros, por isso, eles podem ter problemas respiratórios. A melhor maneira de cuidar desse bebê é mantê-lo o maior tempo possível junto ao corpo da mãe. O contato pele a pele aquece e conforta o bebê. Ele pode mamar mais vezes e, assim, ganhar peso mais rápido. Importante: O aleitamento materno é essencial para ajudar o bebê a se fortalecer e ficar protegido das doenças. A equipe de saúde deve reforçar o apoio e a motivação na necessidade de amamentação. Atenção: Bebês prematuros muito pequenos podem ter dificuldade para sugar o peito da mãe. Nesses casos, recomenda-se retirar o leite materno e dar com colher ou copinho. 02
  • 71. 03 O município é responsável pelo funcionamento das equipes de saúde da família, incluindo os agentes de saúde. Serviços básicos de saúde para o bebê e a família Temos esses serviços na comunidade? Serviços A tarefa de educar, proteger e cuidar do bebê é especialmente da famíl a. Para isso, ela precisa contar com serviços de boa qualidade próximos do local onde vive e do apoio da comunidade. Os profissionais de Saúde da Família, da Pastoral da Criança, do Centro de Referência da Assistência Social - C e de outros serviços públicos ou comunitários ajudam a família nos cuidados com o bebê.
  • 72. O governo municipal é responsável por organizar e manter serviços de atenção básica à saúde. Serviços básicos de saúde para o bebê e a família Serviços A Unidade de Saúde deve estar próxima de onde mora a família. Assim, fica mais fácil vacinar o bebê e ter a atenção dos profissionais de saúde. Os profissionais de Saúde da Família, da Pastoral da Criança, do Centro de Referência da Assistência Social - CRAS e de outros serviços públicos ou comunitários ajudam os pais e a família a cuidar da saúde e do desenvolvimento das crianças. Outros grupos também são parceiros no fortalecimento da família. Grupos de pais, de gestantes, de jovens, de igrejas, esportivos e culturais colaboram no cuidado, educação e proteção das crianças. As equipes de saúde devem dar atenção especial às famílias com bebês recém-nascidos. É necessário fazer a visita domiciliar logo após a alta do bebê. Essa visita ajuda a identificar problemas de saúde com a mãe e o bebê e dá o apoio para a amamentação. Aproveite para observar o tipo de moradia e condições de higiene e dê orientações. Atenção: Para os bebês prematuros ou de baixo peso, a visita deve ser feita nos três primeiros dias, e para os demais bebês, até o final da primeira semana. 03
  • 73. A mãe deve voltar ao serviço de saúde: Imediatamente, em caso de febre, dor forte na barriga, perda de líquidos, sangramento ou corrimento com cheiro forte. Dez dias depois do parto para avaliar a cicatrização dos pontos, as condições das mamas e do útero. Quarenta dias depois do parto para receber orientações sobre planejamento familiar. É importante o companheiro ir junto para essa revisão pós-parto para que recebam orientação sobre a necessidade de um espaço de pelo menos dois anos entre um filho e outro. Todas as mulheres têm direito a informações e acesso aos métodos anticoncepcionais, inclusive os naturais. 04 A Unidade de Saúde tem o dever de atender as mulheres no pós-parto. Cuidados com a saúde da mãe Quando devo voltar ao serviço de saúde? A saúde da mãe
  • 74. É importante que a família também conheça os sinais de risco depois do parto. Cuidados com a saúde da mãe A saúde da mãe A mulher precisa se alimentar bem, tomar mais líquidos e descansar mais para recuperar as forças, produzir leite e cuidar do bebê. Se teve parto normal e levou pontos, a mulher precisa lavar o local com água e sabão toda vez que urinar e evacuar. Esses pontos caem sozinhos. Os pontos da cesariana são retirados no serviço de saúde. Depois do parto, é normal a mulher ter um pequeno sangramento que vai diminuindo e clareando. A mulher deve ir ao serviço de saúde: r forte na barriga, perda de líquidos, sangramento ou corrimento com mau cheiro. dos pontos, as condições das mamas e do útero. orientações sobre planejamento familiar. É importante orientar a mãe e, se possível, o companheiro, para que haja um espaço de pelo menos dois anos entre um filho e outro. Assim, a mulher consegue recuperar-se da gestação e do parto e dar o leite do peito com mais tranquilidade. Oriente sobre o direito que todas as mulhere têm a informações e acesso aos métodos anticoncepcionais, inclusive os naturais. 04
  • 75. 05Estado emocional da mulher no pós-parto O que precisamos fazer? A saúde da mãe Nos primeiros dias depois do parto, a mãe pode se sentir triste, desanimada e cansada. Quando esses sentimentos não passam ou se agravam, a mãe pode estar com depressão pós-parto. Sinais de depressão pós-parto: Alteração súbita de humor. Crises de choro. Tristeza e desânimo. Dificuldade para cuidar de si e do bebê. Nessas situações, é preciso levá-la ao serviço de saúde. A depressão pós-parto é uma condição que pode ser grave e precisa ser tratada.
  • 76. As mulheres necessitam de muito apoio do companheiro, da família, dos profissionais de saúde e da comunidade para cuidar do bebê. Estados emocionais no pós-partoA saúde da mãe As mulheres podem sentir-se abatidas e desanimadas depois do parto. Isso logo passa. Mas, quando esses sintomas se prolongam por mais tempo e a mãe tem crises de choro e não consegue cuidar do bebê, pode estar com depressão pós-parto. A depressão pós-parto é doença e não pode ser confundida com um mal-estar passageiro. A mãe precisa receber tratamento médico adequado e mais apoio da família. Preste atenção: ra interesse e alegria ao cuidar do bebê. rada pela família e pela comunidade. instabilidade emocional na fam lia. 05
  • 77. Mãe bem alimentada produz mais leite. Alimentação da mãe que amamenta O que devo comer quando estou amamentando? Alimentação da mãe 06 Mãe que amamenta pode comer todo tipo de alimento e deve tomar bastante líquidos. Isso ajuda a produzir leite. Não há alimentos específicos para aumentar a produção de leite. Os melhores alimentos são os da própria região e de cada época do ano, pois são mais baratos, frescos e nutritivos. Ao amamentar, a mãe não deve consumir álcool, fumo, drogas ou medicamentos sem receita médica.
  • 78. O governo deve providenciar apoio alimentar à mãe que amamenta. Está no Estatuto da Criança e do Adolescente. Alimentação da mãe que amamenta Alimentação da mãe Não existe “leite fraco”, mas a mãe que amamenta precisa de uma quantidade maior de alimentos e de líquidos. A mãe pode comer todo tipo de alimento. Ela deve comer frutas, verduras, carnes, miúdos, legumes, feijão e arroz, que possuem os nutrientes e vitaminas de que ela precisa. Também deve beber bastante líquido: chás, água, sucos ou leite. Isso ajuda a produzir leite materno. Assim, ela supre suas necessidades e produz leite em quantidade e qualidade adequadas ao bebê. A mãe não deve consumir álcool, fumo e outras drogas, nem tomar medicamentos sem receita médica. A família deve comprar e consumir os alimentos que são próprios da região e de cada época do ano. Eles são mais baratos, frescos e nutritivos. Se a família está com dificuldade para conseguir comida, é preciso buscar apoio na comunidade e nas instituições que possam complementar a sua alimentação. 06
  • 79. Na primeira semana de vida, o bebê precisa ser levado à Unidade Básica de Saúde para: F T P O bebê deve ser levado com urgência ao serviço de saúde se tiver: F 3- T P 07 Se o bebê não estiver bem de saúde, durante o dia, leve-o imediatamente à Unidade Básica de Saúde, e, à noite, ao serviço de pronto-socorro. Quando devo levar o bebê ao serviço de saúde? 1 2 3 4 5 6
  • 80. Atenção: O bebê deve ser levado com urgência ao serviço de saúde se: Tiver febre. A temperatura do corpo estiver Tiver dificuldade de respirar. A barriga estiver estufada. A pele estiver muito amarelada. iv Tiver dificuldade para mamar. em torno do umbigo. Contar com o apoio de outras mulheres que já tiveram filhos ajuda a mãe a identificar problemas de saúde no bebê. Primeira ida ao serviço de saúde e sinais de perigo para o bebê em casa O bebê deve ser lev de Saúde na primeira semana de vida par o Teste do P Esses testes servem para identificar precocemente transtornos que podem prejudicar o crescimento e o desenvolvimento do bebê. r ratamento. ve ser vacinado contra tuberculose e hepatite B ele deve receber essas vacinas na visita à Unidade ra semana de vida. 07
  • 81. 08 Os profissionais de saúde e as mulheres que já tiveram filhos podem ajudar as famílias a cuidar de seus bebês. Outros cuidados com o bebê O que podemos fazer? Dia a dia do bebê O bebê chora quando tem cólicas, quando está molhado, com frio ou fome, e quando quer carinho. Ele pode também estar com gases, nariz entupido, soluço. Nesses casos, existem cuidados simples que a mãe pode aprender com pessoas mais experientes.
  • 82. Família informada cuida melhor do bebê. Outros cuidados com o bebêDia a dia do bebê Algumas orientações para ajudar as mães: soluços: Choro que não passa: Cólicas: Gases: dob Golfadas: av Nariz entupido: 08 v v Pa iv v av
  • 83. O bebê passa a maior parte do tempo dormindo. A melhor posição para ele dormir é de barriga para cima. O bebê se comunica pelo choro quando quer mamar, se está molhado, tem dor e também quando quer carinho. 09 Ficar perto da mãe ajuda o bebê a se desenvolver. Como é o bebê no primeiro mês Como é o bebê? Características do bebê
  • 84. Ficar perto da mãe ajuda o bebê a se desenvolver. Como é o bebê no primeiro mêsCaracterísticas do bebê Nos primeiros dias, o bebê perde um pouco de peso e dorme a maior parte do tempo. Com 15 dias, se mama bem, já deve ter recuperado o peso do nascimento. A cabeça é grande e os ossos não estão emendados. Pode ter inchaço no couro cabeludo, resultado da pressão da cabeça no canal de parto. Comunica-se pelo choro quando sente dor, fome, frio ou calor, está com fralda molhada ou suja e também quando quer carinho. Parece que se assusta ou quer abraçar quando ouve sons ou é tocado. As fezes dos primeiros dias são quase pretas e viscosas. Bebê que mama no peito tem fezes amarelas e meio líquidas. Isso não é diarreia. O bebê nunca deve dormir de barriga para baixo (de bruços). Recomenda-se que ele durma de barriga para cima. Cuide para que a boca e o nariz não fiquem cobertos. Para aquecê-lo, é preferível agasalhá-lo com mais roupas em vez de cobri-lo com muitas cobertas. Importante: O bebê está se desenvolvendo bem quando mama, dorme bastante, respira suavemente, faz cocô e xixi várias vezes ao dia. 09
  • 85. Cada bebê tem seu jeito de se desenvolver. Conversar e brincar com o bebê desde o nascimento é muito importante para que ele se desenvolva bem. Se achar que sua criança não está se desenvolvendo como você espera, fale sobre isso com um profissional de saúde. Como o bebê se desenvolve? O desenvolvimento do bebê é influenciado pelos costumes e hábitos da família e da comunidade. Desenvolvimento 10
  • 86. O desenvolvimento do bebêDesenvolvimento Cada criança aprende e se desenvolve à sua maneira e no seu tempo. Primeiro, o bebê comanda o olhar, depois sustenta a cabeça, o pescoço e os ombros, para mais tarde se sentar, engatinhar e ficar em pé. Em seguida, anda. O bebê não faz isso sozinho, ele depende das pessoas que convivem com ele. Sinais de que o bebê está se desenvolvendo bem: Olha para o rosto da mãe enquanto está mamando. ovimentos diante de sons mais fortes. Acompanha com o olhar os movimentos da mãe. ra o seio da mãe para mamar quando é colocado no colo. O convívio com a família e a comunidade é fundamental para o desenvolvimento do bebê. 10
  • 87. Neste primeiro mês, a pessoa mais importante para o bebê é a mãe. Vínculo entre mãe e bebê Por que o bebê precisa ser cuidado pela mãe? Vínculo mãe/bebê 11 O bebê gosta muito quando a mãe conversa com ele, canta baixinho, olha nos seus olhos, toca e massageia o corpo dele. Na falta da mãe, é bom que o bebê seja cuidado na maior parte do tempo pela mesma pessoa, porque ele precisa reconhecer quem cuida dele.
  • 88. O bebê começa a conhecer o mundo por meio da sua relação com a mãe. Vínculo entre mãe e bebê Vínculo mãe/bebê O bebê precisa reconhecer quem cuida dele, por isso, precisa ser cuidado, na maior parte do tempo, pela mesma pessoa. Neste primeiro mês, o melhor para o bebê é ser cuidado pela mãe. Ela deve aproveitar os momentos da troca de fralda e do banho para conversar com o bebê, cantar baixinho, massagear o corpo dele, olhá-lo nos olhos. Assim, os dois vão se conhecendo e se amando mais. O pai deve participar ativamente desses momentos. 11 Como saber se o vínculo entre mãe e bebê está sendo estabelecido: rante a amamentação, o bebê procura o olhar da mãe e ela olha para ele. chorando e a mãe o pega no colo, ele se acalma. ele tenta acompanhar, com os olhos, os movimentos dela.
  • 89. 12Ambiente favorável ao desenvolvimento do bebê Qual é o melhor lugar para o bebê ficar? O ambiente do bebê O bebê precisa de tranquilidade. Evite levá-lo a lugares onde haja muita gente e barulho, como supermercados, shoppings e restaurantes. Não deixe que fumem dentro de casa. A fumaça faz mal para a criança. Se os pais fumam, não devem pegar o bebê enquanto fumam ou logo após terem fumado. E devem lavar bem as mãos após fumar. Agasalhe a criança e deixe sempre as janelas abertas para arejar a casa. Evite usar produtos de limpeza com cheiro forte. O bebê necessita de tranquilidade. Evite ambientes com muito barulho e muitas pessoas.
  • 90. Para se desenvolver, o bebê precisa das pessoas que convivem com ele. Ambiente favorável ao desenvolvimento do bebê O ambiente do bebê 12 A casa deve ser limpa e o local onde o bebê fica deve ser seguro e bem arejado. Ele reconhece e presta atenção na voz da mãe e gosta também de ouvir a voz do pai. O bebê precisa de tranquilidade. Evite levá-lo a lugares onde haja muita gente e barulho. Não deixe que fumem dentro de casa. A fumaça faz mal para a criança. Se os pais fumam, não devem pegar o bebê enquanto fumam ou logo após terem fumado. E devem lavar bem as mãos após fumar. Agasalhe a criança e deixe sempre as janelas abertas para arejar a casa. Evite usar produtos de limpeza com cheiro forte. Preste atenção: o bebê possa olhar e tentar pegar; nversa e pega o bebê no colo, mesmo quando ele não está chorando. Isso é bom para o desenvolvimento dele.
  • 91. Toda criança tem direito ao registro civil e à primeira via da certidão de nascimento gratuitos. Lei nº 9.534 de 10/12/1997. 13O Registro Civil O registro do bebê PARTO NO HOSPITAL Pais casados Apresentar a Declaração de NascidoVivo fornecida pelo hospital. certidão de casamento, presença do pai ou da mãe. Pais não casados Apresentar a Declaração de Nascido Vivo. Presença do pai e da mãe, ou um dos dois, trazendo a carteira de identidade. Se o pai é o declarante, será feito o registro de filiação paterna e materna. Se o pai não puder ir junto, a mãe só poderá fazer o registro com o nome paterno se tiver uma procuração pública do pai para isso. Se a mãe não tiver essa procuração, ela pode fazer o registro em seu nome apenas e, a qualquer tempo, o pai pode comparecer espontaneamente ou por ordem da justiça ao cartório para registrar a paternidade. Se o pai se recusar a registrar a criança, a mãe deve informar o nome dele no cartório para que o juiz encaminhe o processo de reconhecimento de paternidade. PARTO FORA DO HOSPITAL- Sem a Declaração de Nascido Vivo é preciso levar os pais e duas testemunhas que assistiram ao parto ou confirmem a gravidez. Como registrar o bebê?
  • 92. O Registro Civil O registro do bebê O hospital onde o bebê nasceu fornecerá a Declaração de Nascido Vivo. Esse documento é exigido para a emissão da certidão de nascimento. Alguns hospitais fornecem o registro civil do bebê. Devem ser registrados em cartório: Os bebês que não foram registrados no hospital. Os bebês que nasceram em casa. Para registrar o bebê que nasceu em casa, é preciso levar ao cartório duas testemunhas que assistiram ao parto ou confirmem a gravidez. A parteira pode ser testemunha. A família deve procurar o conselho tutelar, o promotor ou juiz da infância e da juventude se tiver problemas para fazer o Registro Civil do bebê. 13 Preste atenção: a Declaração de Nascido Vivo (via amarela) e se a criança já foi registrada. ras crianças e pessoas adultas da O registro civil e a primeira via da certidão de nascimento, por lei, sempre são gratuitos. de nascimento é um direito de todo cidadão brasileiro.
  • 93. 14 É dever do profissional de saúde preencher a Caderneta de Saúde da Criança. Para que serve a Caderneta de Saúde da Criança? Saúde do bebê A Caderneta de Saúde da Criança serve para a família e a equipe de saúde acompanharem mês a mês o crescimento e o desenvolvimento da criança. Na Caderneta, são registrados os dados da saúde da criança desde o nascimento até os 9 anos. A Caderneta de Saúde da Criança deve ser guardada em lugar seguro e levada sempre a consultas, exames e campanhas de vacinação para ser preenchida.
  • 94. Com a Caderneta de Saúde preenchida, é possível acompanhar o crescimento e desenvolvimento da criança. A Caderneta de Saúde da CriançaSaúde do bebê A Caderneta de Saúde da Criança, fornecida pelo serviço de saúde, serve para acompanhar o crescimento e desenvolvimento da criança do nascimento aos 9 anos. Deve ser levada ao Serviço de Saúde nas consultas. A Caderneta de Saúde da Criança contém informação sobre alimentação, agenda de vacinação, segurança e prevenção de acidentes e desenvolvimento afetivo e emocional da criança. A curva de peso mostra se a criança está ganhando ou perdendo peso de um mês para outro. 14 Preste atenção: de Saúde da Criança em lugar adequado. va a Caderneta de Saúde da Criança a todas as consultas nos serviços de saúde.
  • 95. 15 É direito das famílias ter Unidade de Saúde perto do lugar onde moram para vacinar suas crianças. Vacina Por que você tem que vacinar seu bebê? Calendário de vacinação infantil O bebê precisa ser vacinado, porque ele nasce sem defesa para algumas doenças. Calendário vigente em 2013 Aonascer 1mês 2meses 3meses 4meses 5meses 6meses 7meses 8meses 9meses 12meses 15meses 18meses 24meses 4anos 5anos 6anos 9a10anos BCGID Doseúnica HepatiteB 1ªdose 2ªdose 3ªdose Tríplicebacteriana(DTPwouDTPa) 1ªdose 2ªdose 3ªdose Haemophilusinfluenzaeb 1ªdose 2ªdose 3ªdose Poliomelite(vírusinativados) 1ªdose 2ªdose 3ªdose Rotavírus Pneumocócicaconjugada 1ªdose 2ªdose 3ªdose MeningocócicaCconjugada 1ªdose 2ªdose Influenza(gripe) Poliomeliteoral(vírusvivosatenuados) Febreamarela 1ªdose Reforço HepatiteA 1ªdose 2ªdose Trípliceviral(sarampo,caxumbaerubéola) 1ªdose Varicela(catapora) 1ªdose HPV Trêsdoses Vacinas Duasoutrêsdoses,deacordocomofabricante Reforço Reforço Reforço Reforço Reforço Duasdosesnaprimovacinaçãoantesdos9anosdeidade.Doseanualdereforço. DONASCIMENTOAOS2ANOSDEIDADE DOS2AOS10ANOS DIASNACIONAISDEVACINAÇÃO 2ªdose 2ªdose Reforço Reforço Reforço
  • 96. 15 A melhor proteção para o bebê é a combinação de leite materno e vacinas. Vacina é proteçãoVacina Atenção: v a v B. Importante: V v av Pa v Pa v v v v v v v av
  • 97. 16 O bebê fica mais calmo quando a família organiza seus horários de sono e banho de sol. A rotina do bebê A família precisa ter uma rotina para organizar a vida do bebê. De dia, ele deve ficar num lugar claro e, à noite, num lugar silencioso e escuro. É bom banhar o bebê para ele relaxar e dormir melhor. O bebê deve tomar sol somente antes das 9 horas da manhã ou depois das 4 horas da tarde. Para evitar risco de sufocação, o bebê não deve dormir junto com outras pessoas. Como organizar a vida do bebê?
  • 98. A organização dos cuidados e da rotina diária dá mais tranquilidade ao bebê. Rotina que organiza a vida do bebêA rotina do bebê É importante que a família estabeleça algumas rotinas para ajudar a organizar a vida do bebê. Nos primeiros dias, o bebê não tem noção de dia ou noite. Por isso, é comum dormir o dia inteiro e acordar à noite. Durante o dia, o bebê pode ficar em lugares mais claros. À noite, ele deve ficar em ambiente mais escuro e silencioso. O banho acalma e ajuda o bebê a dormir. O bebê deve ser colocado para tomar sol antes das 9 horas da manhã ou depois das 4 horas da tarde. 16
  • 99. Amamentação Por que o leite materno é melhor para a mãe e para o bebê? O aleitamento materno é melhor porque: O leite materno é melhor porque: 17 Leite materno é o melhor alimento e protege o bebê.
  • 100. 17 Oriente a mãe em relação a ordenha e armazenamento de leite materno, caso ela necessite se afastar por algum tempo. AmamentaçãoAleitamento O leite materno é a única alimentação necessária ao bebê até os 6 meses de idade. Não é necessário dar chá nem outros líquidos. Se o bebê está ganhando peso, o leite materno está sendo suficiente. Após os 6 meses, é preciso dar outros alimentos e continuar amamentando. O bebê dorme muito e, ao sentir fome, acorda para mamar. Cada bebê tem seu jeito de mamar e de dormir. O bebê dorme tranquilo se estiver de banho tomado, fralda limpa e bem alimentado. Quando o bebê chora, é bom oferecer o peito. Atenção: O leite materno é o melhor alimento para o bebê porque: É feito na medida certa para as suas necessidades. Possui anticorpos que protegem o bebê de diarreia, pneumonia e alergias. É de mais fácil digestão. É mais limpo e sem risco de contaminação, pois sai direto do seio da mãe para a boca do bebê.
  • 101. 18 Se o bebê está ganhando peso, o leite materno está sendo suficiente. Posição e pega na amamentação Como vou saber se a pega está certa, isto é, se estou amamentando corretamente? Aleitamento A pega está correta quando:
  • 102. Posição e pega na amamentaçãoAleitamento A mãe deve escolher uma posição bem confortável para dar de mamar ao bebê, para que ele abocanhe bem o mamilo e a parte escura do seio. Assim, a amamentação será prazerosa para os dois. O bebê deve ficar com a barriga encostada no corpo da mãe. Com um braço, a mãe apoia o pescoço e o tronco do bebê, aproximando a barriga dele do seu corpo. Com a outra mão, aproxima a boca do bebê do bico do peito. Ao sentir o cheiro da mãe, o bebê abre a boca e abocanha o mamilo e a parte escura da mama. Como saber se a “pega” está adequada: ve estar bem aberta. rados para fora. ve tocar o peito da mãe. ra da mama deve estar dentro da boca do bebê, ficando visível um pedaço da parte de cima. checha deve estar redonda, cheia. ve envolver o bico do peito. Importante: A mãe deve aproveitar a hora de amamentar para olhar nos olhos do bebê, conversar com ele e acariciá-lo. 18 O leite de todas as mães é forte e bom. A cor do leite pode variar, mas ele nunca é fraco.
  • 103. 19 Quanto mais o bebê mama, mais a mãe produz leite. Amamentação: problemas mais frequentes O que eu faço agora? Aleitamento A melhor maneira de evitar e tratar rachadura, ingurgitamento e inflamação da mama (mastite) é: v e Mastite
  • 104. 19 Na maioria dos problemas da amamentação, a mãe pode continuar amamentanto. Amamentação: problemas mais frequentes Aleitamento 1) Fissura ou rachadura - ocorre quando a posição do bebê e a pega do mamilo estão erradas. Como evitar e tratar: 2) Ingurgitamento - ocorre quando a mãe mamar. As mamas ficam endurecidas ou empedradas. Como evitar e tratar: de mamar para amolecer a mama e facilitar a sucção. 3) Mastite - ocorre quando o seio inflama. muito dolorida. A mãe pode sentir febre e calafrios. Como evitar e tratar: ser tratada. Mamadeira, chuca, bico ou chupeta ser usados. Quanto mais o bebê mama, mais a mãe
  • 105. 20 O bebê gosta do contato da água morna e das mãos da mãe. Higiene Aproveitar o momento do banho para conversar com o bebê. Usar água limpa e morna e pouco sabonete. Para evitar queimaduras, sempre verificar a temperatura da água antes de colocar o bebê. Segurar o bebê com firmeza para que ele não escorregue. Não usar talco, que pode causar alergia e problemas respiratórios no bebê. Como dar banho no bebê?
  • 106. O banho proporciona conforto, bem-estar e protege o bebê de doenças. O banho do bebêHigiene Na hora do banho, a mãe deve: 20
  • 107. 21 No curativo do umbigo, somente álcool a 70%. Higiene do bebê O curativo do umbigo deve ser feito todos os dias depois do banho. Seque bem o umbigo com pano limpo ou gaze, passe álcool a 70% e espere secar. O cordão do umbigo leva de sete a dez dias para cair. Faixa, umbigueira e esparadrapo dificultam a respiração do bebê e o cordão do umbigo demora mais a secar e cair. Como faço o curativo do umbigo?
  • 108. Faixa ou umbigueira dificultam a respiração do bebê e o cordão do umbigo demora mais a cair. Como fazer: r r r v r r O curativo do umbigo 21 v v av r v v v
  • 109. Higiene 22 As famílias devem cobrar dos governantes seus direitos aos serviços de saneamento. A higiene da casa e da comunidade Como manter a limpeza dentro e fora de casa? Cuidados em casa: Varrer o chão, seja de terra batida, cimento, cerâmica, madeira. rar a poeira com pano úmido. Lavar sempre as mãos, alimentos e utensílios de cozinha. Abrir portas e janelas para arejar. Colocar roupas ao sol. Manter os animais fora de casa. Cuidados fora de casa: Manter o lixo tampado. Não jogar lixo na rua. Limpar o quintal. Enterrar o lixo ou colocar no local da coleta pública.
  • 110. A higiene da casa e da comunidade depende das pessoas e também dos serviços básicos de saneamento. Higiene da casa e da comunidadeHigiene Os cuidados com a higiene dentro e fora da casa previnem muitas doenças. Por isso, a limpeza é importante para toda a família e, principalmente, para a saúde do bebê. Para manter a higiene da casa e da comunidade, a família precisa ser atendida pelos serviços básicos de saneamento: abastecimento de água, coleta de lixo e rede de esgotos. Cuidados em casa: Varrer o chão, seja de terra batida, cimento, cerâmica, madeira. Passar pano úmido para retirar a poeira. 22 Abrir portas e janelas para arejar. avar as roupas do bebê separadas das outras roupas. de fora da casa. avar as mãos antes e depois de lidar com o bebê. rar, só para o uso do bebê, roupas, toalhas, lençóis e cobertas. Cuidados fora de casa: na rua, para evitar ratos, baratas e moscas, que transmitem doenças para pessoas.
  • 111. 23 A segurança do bebê depende do cuidado e da atenção dos pais e da família. Cuidados com a segurança do bebê Como evitar acidentes com o bebê? Prevenção de acidentes A segurança do bebê depende dos adultos que convivem com ele. O lugar onde o bebê dorme deve ficar longe de fogão, lamparina, vela e lampião. Bebê que dorme junto com os pais pode ser sufocado pelo corpo deles. Não deixe que ele fique sozinho em cima de qualquer móvel, nem por um segundo. Nunca dê remédio que não tenha sido receitado para ele.
  • 112. 23 A criança tem direito à proteção e à segurança. A família, a comunidade e o governo têm o dever de garantir esse direito. Cuidados com a segurança do bebêPrevenção de acidentes A segurança do bebê depende muito dos adultos que convivem com ele. A maior parte dos acidentes, nessa fase, acontece no local onde o bebê fica. O lugar onde o bebê dorme precisa ser limpo, estar longe do chão, para evitar umidade e insetos, e longe de fogão, lamparina, vela e lampião, para evitar queimaduras. Não é recomendável para o bebê dormir na mesma cama ou rede que o adulto, pelo risco de sufocá-lo. A família precisa ficar atenta: Crianças maiores - podem derrubar o bebê do colo, da cama ou da rede. Medicamentos - muita atenção na dose receitada para evitar intoxicação. Banho - segurar bem o bebê para que ele não escorregue. Temperatura da água do banho - para evitar queimaduras no bebê.
  • 113. 24Malária e dengue O que podemos fazer para acabar com essas doenças? Malária e dengue Para acabar com a malária e a dengue, é preciso acabar com os mosquitos que transmitem essas doenças. Para evitar essas doenças, é preciso: Não deixar água parada e em recipiente sem tampa. Tampar caixas d’água e tanques. Usar mosquiteiro. Não tomar banho de rio ao entardecer. Casa e quintal limpos evitam a criação de mosquitos.
  • 114. Manter limpos a casa e o quintal é uma forma de evitar a criação de mosquitos. Malária e dengueMalária e dengue Para evitar que o mosquito da malária ou da dengue pique as pessoas: r e amanhecer. r. Atenção: r. 24 raves, r r Para acabar com a dengue, é preciso eliminar os locais onde os mosquitos põem os ovos: ’água r r r
  • 115. Parabéns pai, mãe, irmãos, avós, tios e amigos. Todos vocês são muito importantes para o bebê. O bebê faz 1 mês Vamos comemorar! Um mês de vida 25 A família tem motivos de sobra para comemorar o primeiro mês do bebê. A dedicação intensa da mãe, o carinho da família, o apoio e o cuidado do pai foram muito importantes para o bebê crescer e se desenvolver. Todo esse amor e esses cuidados continuarão sendo importantes e necessários para a vida do bebê. Agora, mais uma vez, é importante lembrar que é preciso deixar um espaço de pelo menos dois anos entre o nascimento de um filho e outro porque dá tempo da mulher se recuperar e cuidar melhor da criança que já nasceu.
  • 116. Bem alimentado e cuidado, o bebê cresce e se desenvolve saudável. O bebê faz 1 mêsUm mês de vida O bebê faz 1 mês e a família tem motivos de sobra para comemorar, pois essa foi uma fase muito delicada na vida da criança. No Brasil, a maior parte das mortes de crianças com menos de 1 ano acontece no primeiro mês. Criar condições para que essas crianças cresçam saudáveis e felizes é dever de cada um e de todos. Na visita domiciliar, preste atenção: ras. vacinas. para dormir. Tudo isso é sinal de que o bebê está sendo bem cuidado. Quando identificar problemas, oriente as fam lias. Importante: ânimo para continuar a cuidar bem do bebê. 25
  • 117. 01 Nesta fase, o bebê vira a cabeça e olha para tudo o que lhe chama atenção. Ao mamar, gosta de tocar o seio da mãe e olhar nos olhos dela. Em geral, faz cocô e xixi depois de cada mamada. Como é o nosso bebê de 2 e 3 meses? O bebê gosta de ser tocado e acarinhado pelas pessoas da família. O bebê de 2 e 3 meses
  • 118. Como é o bebê de 2 e 3 meses 01 O bebê de 2 e 3 meses Cada bebê é diferente do outro, mas, em cada fase do desenvolvimento, eles têm algumas características comuns: Podem dormir muitas horas por dia, mas se interessam e participam cada vez mais pelo que acontece à sua volta. Viram a cabeça e seguem pessoas e objetos com o olhar. ras pessoas, principalmente dos pais. Leve o seu bebê à unidade de saúde aos 2 meses para tomar as vacinas, acompanhar o crescimento e desenvolvimento e receber as orientações necessárias. raídos por vozes e gostam de olhar rostos. v razer e conforto em olhar veis ao toque e precisam sentir que outras pessoas os respondem. Atenção: A família deve respeitar o jeito e o ritmo do seu bebê dormir, acordar, mamar e brincar.
  • 119. O nosso bebê está se desenvolvendo bem? 02 O bebê está se desenvolvendo quando dorme tranquilo, mama bem e se comunica com as pessoas pelo choro, riso, olhar, movimentos do corpo e sons que faz com a garganta. Falar bastante para o bebê é o melhor caminho para desenvolver sua linguagem. A Caderneta de Saúde da Criança ajuda a família a acompanhar o desenvolvimento do bebê. O bebê de 2 e 3 meses
  • 120. O desenvolvimento do bebê 02 O bebê de 2 e 3 meses Importante: A melhor forma de fortalecer o desenvolvimento do cérebro do bebê é oferecer-lhe interação com pessoas e coisas. Por volta dos três meses, o bebê: vozes. ra ele e mo vanta a cabeça. nvolvimento se: F mamar direito. F r Atenção: desenvolvimento deve ser encaminhada ao serviço ratar as doenças O serviço de saúde deve acompanhar o crescimento e o desenvolvimento do bebê, informar e orientar a família. Para o bebê se desenvolv v abr desenv r nvolver-se dev c nvolver socialmente. F nvolve v pelo choro e movimentos do corpo. Movimenta pernas e br chor
  • 121. Como podemos ajudar o bebê a se desenvolver? 03 O bebê aprende e se desenvolve quando é criado pela família com amor, carinho, conversa, músicas e brincadeiras. A família precisa se organizar para que o bebê tenha horário de dormir, passear e tomar banho. Isso também ajuda no seu desenvolvimento. O bebê gosta que falem com ele utilizando a linguagem e entonação carinhosa que as mães costumam usar. O bebê de 2 e 3 meses
  • 122. Como o bebê aprende e se desenvolve Atenção: iv v v iv v v v O bebê aprende com a família a se relacionar com os outros. 03 iv v
  • 123. Por que nosso bebê precisa brincar? 04 Porque o bebê se desenvolve e aprende quando brinca com objetos e com as pessoas da família. Todos os momentos em que a família passa com o bebê, conversando, lendo, cantando, tocando-o e brincando são importantes para desenvolver sua inteligência e suas emoções. Brincar promove o relacionamento entre o bebê e seus pais. É brincando que o bebê aprende a se comunicar e a descobrir o mundo. O bebê de 2 e 3 meses
  • 124. O bebê aprende a brincar 04 Atenção: v c c . v v c v O bebê aprende e se desenvolve por meio das brincadeiras.
  • 125. O bebê e a família Como cuidar do bebê? 05 Todas as crianças têm direito de ter uma família e precisam dela. Pai e mãe devem cuidar do bebê. A responsabilidade é dos dois. A família deve amar, proteger, cuidar e educar. Uma parte do dinheiro da família deve ser destinada às despesas com o bebê. Ter família é um direito e uma necessidade do bebê. O bebê de 2 e 3 meses
  • 126. O bebê e a família 05 O bebê de 2 e 3 meses Ter uma família é direito de todas as crianças, que precisam ser amadas, protegidas, cuidadas e educadas. Algumas famílias apresentam graves problemas que as impedem de cuidar bem de suas crianças, tais como uso de drogas, negligência, maus-tratos e violência. Esses casos devem ser encaminhados para o Conselho Tutelar, Promotor de Justiça, Juiz da Comarca. Cada família tem seu jeito de ser e de educar suas crianças. Todas as famílias merecem ser respeitadas e valorizadas. Toda criança tem direito de ter uma família, um nome e sobrenome. Observe: de casa para a mãe poder cuidar do bebê. Se a família destina uma parte do dinheiro para as despesas da criança. Se a criança já foi registrada e tem sua certidão de nascimento. Atenção: Se a criança ainda não foi registrada, oriente a família como fazer para registrá-la no cartório mais próximo da residência.
  • 127. A rotina da família e do bebê O que deve ser feito todos os dias? 06 A família deve repetir alguns cuidados com o bebê: v T v v v A rotina de cuidados ajuda a família a se organizar e é necessária para a saúde e bem-estar do bebê.
  • 128. A rotina da família e do bebê 06 Alguns cuidados com o bebê devem ser repetidos todos os dias. A rotina não precisa ser cansativa, pesada ou aborrecida. Com amor e criatividade, a rotina transforma-se em momentos agradáveis de contato entre família e bebê. O bebê: ras para crescer e se desenvolver. Conforme vai crescendo, fica mais tempo acordado durante o dia e dorme ras durante a noite. Adora colo e conversa. Gosta também de massagens, de brincadeiras suaves, de ouvir Oriente a família a: de Observe se a família consegue criar uma rotina de cuidados com o bebê. Isso o ajuda a acostumar-se com a vida da família. A rotina de cuidados ajuda o bebê a organizar suas necessidades de sono, alimentação, passeio e higiene. O bebê de 2 e 3 meses
  • 129. Como cuidar do bebê? 07 Nos primeiros meses de vida, é recomendável que uma única pessoa cuide do bebê a maior parte do tempo. Na falta dos pais, o bebê precisa ser cuidado por outro adulto, com carinho e atenção. Para ajudar no desenvolvimento: Abrace, beije e converse com o bebê. aves e cantigas de ninar. P aninhado em seu corpo, e passeie pelo quarto. de 2 e 3 meses Cuidados, proteção e amor dão segurança ao bebê para que ele cresça e se desenvolva.
  • 130. Cuidados com o bebê 07 O bebê de 2 e 3 meses O bebê precisa ter uma relação afetiva com quem cuida dele. Isso é extremamente importante para um saudável desenvolvimento emocional, social e mental do bebê. O contato diário com a mesma pessoa dá segurança. Quem cuida sempre percebe melhor o que o bebê quer pelo jeito como chora, sorri e se movimenta. É bom para o bebê ser cuidado pelo pai e pela mãe. Se isso não for possível, ele precisa ser atendido por outro adulto com carinho e atenção. Atenção: nverse com os pais sobre o perigo de deixar o bebê ser cuidado por outras crianças quando eles não estão em casa. Oriente: A pessoa que cuida do bebê deve conversar sobre o que está fazendo, por exemplo: “Agora vou trocar suas fraldas, porque você está molhado”; “Acho que você está com sono, você não quer dormir um pouquinho?”; “Hoje você está bastante animado”. Isso vai ajudar o bebê a se sentir seguro e vai ajudar no desenvolvimento de sua linguagem. Observe: na amamentação. ra prazer em amamentar. O bebê cria laços de afeto com as pessoas que cuidam sempre dele.
  • 131. 08 O leite materno é o único alimento de que o bebê precisa nos primeiros seis meses de vida. O bebê está mamando bem quando: o leite. Faz xixi várias vezes ao dia e evacua normalmente. Depois das mamadas, o bebê deve ser colocado no colo em pé para arrotar. O leite materno é de graça, já vem pronto, quentinho e previne doenças na mãe e no bebê. O bebê de 2 e 3 meses O bebê está mamando bem? Aleitamento materno
  • 132. Aleitamento materno 08 O bebê de 2 e 3 meses Importante: Os pais podem ter certeza de que o leite é suficiente e o bebê está mamando bem, quando o bebê faz xixi várias vezes ao dia, evacua normalmente e está aumentando de peso. Oriente: Depois das mamadas, o bebê deve ser colocado em pé no colo para arrotar. O leite materno é o único alimento de que o bebê precisa até os 6 meses de idade. A amamentação pode ser um grande momento de prazer para a mãe e o bebê. O contato pele a pele e olho no olho é importante para a formação dos laços afetivos e para o desenvolvimento do bebê. Para ganhar peso, é preciso que o bebê mame até esgotar uma mama antes de mamar na outra. É preciso começar uma nova mamada pela mama que terminou a última mamada. O leite do início da mamada mata a sede e o leite final faz o bebê engordar. O leite materno oferece tudo o que o bebê precisa.
  • 133. 09 Os pais podem suspeitar de problemas no desenvolvimento do bebê quando ele: r r r r r v v r T r r r Bebê com deficiência precisa de cuidados especiais da família, comunidade e serviços de saúde. Bebê com deficiência Como você percebe problemas no desenvolvimento do bebê?
  • 134. Bebê com deficiência 09 O bebê de 2 e 3 meses Doenças e problemas durante a gestação e o parto podem atrasar o desenvolvimento do bebê. A família deve ser apoiada para não se sentir culpada se o bebê não está se desenvolvendo como ela acha que deveria. O atraso no desenvolvimento do bebê, em alguns casos, pode ser recuperado com os cuidados da família. Em outros, necessita de cuidados especializados. Família de bebê com atraso no desenvolvimento ou deficiência física precisa de mais apoio da comunidade e do serviço de saúde. Oriente a família: ve ser levado ao serviço de saúde se o seu desenvolvimento for muito diferente do de outras crianças da mesma idade. Sinais de alerta: do corpo do bebê. sons e movimentos. ou sonoros como barulhos, luz forte, etc.
  • 135. Bebê com problemas de saúde Como saber se o bebê está doente? 10 Sinais de que o bebê está doente e precisa de atendimento urgente: 1. Dificuldade para mamar 2. Pouca reação quando tocam ou mexem nele. 3. Vômito. 4. Diarreia. 5. Febre alta e persistente. 6. Convulsões. A família precisa do apoio da comunidade e do serviço de saúde para cuidar do bebê quando ele está doente. O bebê de 2 e 3 meses 1 54 3 6 2
  • 136. Bebê com problemas de saúde 10 O bebê de 2 e 3 meses A maioria dos bebês nasce e cresce saudável. No entanto, alguns podem apresentar sinais de doença, como: V Ter convulsões. Ter dificuldade para respirar. Uma criança doente precisa ser cuidada e confortada constantemente pelos adultos. Bebê com doença grave pode precisar veis têm o direito de ficar junto com a criança no hospital. Atenção: os sinais de doença para procurar o serviço vel. Nas visitas domiciliares, observe os seguintes sinais de perigo no bebê: r - mo ra acordar. ra respirar ou respir r. Crianças doentes têm prioridade de atendimento nos serviços de saúde.
  • 137. 11 A criança com infecção respiratória aguda tem: O que fazer? Leite materno e vacinas protegem a criança das doenças respiratórias. Infecção respiratória aguda Como saber se o bebê está doente?
  • 138. Infecção respiratória agudaO bebê de 2 e 3meses As infecções respiratórias são doenças responsáveis por grande número de internações e mortes de crianças. Essas infecções são causadas por micróbios que atacam o sistema respiratório. A pneumonia é a forma mais grave. O que fazer: Levar ao médico. e pelo tempo recomendados pelo médico. geral piorar. Atenção: de infecção respiratória e levar a criança Sinais que podem indicar pneumonia: ou respiração rápida. A pneumonia é a forma mais grave de infecção respiratória aguda nas crianças. 11
  • 139. O bebê de 2 e 3 meses Como prevenir a diarreia e a desidratação? 12 Bebê com diarreia precisa mamar ou se alimentar mais vezes e tomar soro de reidratação oral. 1 copo cheio de água limpa 1 medida rasa de sal 2 medidas rasas de açúcar Misture e prove. O soro caseiro deve ser menos salgado que a lágrima Quando as fezes estão líquidas, comece a oferecer o soro oral após cada evacuação ou vômito. Como preparar o soro caseiro - Use colher-medida Como preparar o soro de reidratação oral. Colocar em um litro de água todo o pó de um envelope de sais de reidratação e mexer bem. Atenção no preparo e uso dos sais de reidratação um litro de soro. A diarreia é um desarranjo do intestino com aumento do número de evacuações e fezes amolecidas ou líquidas. Uma das complicações da diarreia é a desidratação causada pela grande perda de líquidos. A familia deve estar atenta e preparada com a ajuda da equipe de saúde para prevenir e tratar a diarreia e a desidratação. O soro caseiro e o soro de reidratação oral são fundamentais para evitar e tratar a desidratação.
  • 140. Diarreia e desidratação A diarreia acontece com mais frequência quando: As condições de saneamento básico são precárias. As pessoas não têm condições para lavar bem as mãos antes de preparar os alimentos, depois de usar o banheiro, e antes e depois de trocar as fraldas do bebê. ra. Evitando a diarreia uente, principalmente, quando: Você pode prevenir a diarreia lavando bem as mãos: Cuidando da criança com diarreia Criança com diarreia precisa de mais alimentação para não ficar desnutrida, por isso: ofereça os alimentos que a criança está habituada a comer. Evitando a desidratação podem piorar a diarreia. A criança precisa ser levada ao serviço de saúde quando: pouco xixi. 2 e 3 meses Pele seca, olhos fundos, pouca saliva, pouca lágrima e pouca urina são sinais de desidratação. 12
  • 141. O bebê de 2 a 4 meses 13 Vacinas e leite materno protegem o bebê de muitas doenças graves. A criança precisa ser vacinada para ficar protegida de doenças que prejudicam seu desenvolvimento, causam deficiências ou até mesmo a morte. Aos 2 meses, o bebê deve receber as primeiras doses das seguintes vacinas: 1ª dose da vacina Sabin - contra paralisia infantil. 1ª dose de vacina pentavalente - a pentavalente é contra tétano, contra difteria, contra coqueluche, contra certos tipos de meningite, contra pneumonia e contra hepatite B. 1ª dose de vacina contra rotavírus. 1ª dose de vacina pneumocócica 10, contra pneumonia. O bebê precisa continuar o esquema de vacinação! Aos 2 meses, o bebê vai receber várias vacinas
  • 142. Vacinação 13 O bebê de 2 a 4 meses As vacinas são importantes porque protegem as crianças de diversas e graves doenças. Mesmo que a criança esteja doente, deve ser levada à Unidade de Saúde para ser vacinada. Lá os profissionais de saúde vão decidir se ela pode tomar vacina. O calendário de vacina é parte da Caderneta de Saúde da Criança. As vacinas que a criança recebeu são anotadas a caneta, e a data da próxima dose está escrita a lápis. As crianças ficam bem protegidas de algumas doenças quando tomam todas as doses de vacinas nas datas certas. Aos 2 meses, o bebê deve tomar as primeiras doses das seguintes vacinas: Pentavalente - contra tétano, contra difteria, contra coqueluche, contra certos tipos de meningite, contra pneumonia e contra hepatite B. Fique atento: tomou todas as vacinas indicadas para a sua idade. Ao final dos dois meses, a criança já deve ter recebido as seguintes vacinas: A primeira dose da vacina antipólio. na maternidade. contra difteria, contra coqueluche, contra certos tipos de meningite, contra pneumonia e contra hepatite B. Aos 3 meses: Os pais devem levar a criança para ser vacinada nos serviços de saúde de rotina e nas campanhas.
  • 143. O bebê de 4 a 6 meses 14Vacinação O município tem o dever de manter serviços de vacinação próximos ao lugar onde as famílias moram. Aos 4 meses: v r v r a v v Aos 5 meses: v Aos 6 meses: v r vacina v r Que vacinas o bebê precisa tomar?
  • 144. Vacinação O bebê de 4 a 6 meses As vacinas protegem as crianças de diversas doenças graves. Para ficar bem protegido, o bebê precisa tomar todas as vacinas indicadas para a sua idade. A criança dos 4 aos 6 meses deve tomar as seguintes vacinas: Aos 4 meses: vacina contra a pólio. vacina pentavalente, contra tétano, contra difteria, contra coqueluche, contra certos tipos de meningite, contra pneumonia e contra hepatite B. vacina contra o rotavírus. vacina pneumocócica 10. Aos 5 meses: vacina meningocócica C, contra meningite. Aos 6 meses: vacina contra a pólio. vacina pentavalente, contra tétano, contra difteria, contra coqueluche, contra certos tipos de meningite, contra pneumonia e contra hepatite B. vacina pneumocócica 10. Os pais precisam estar atentos para manter as vacinas de suas crianças em dia. 14
  • 145. O bebê de 2 a 11 meses Por que a vitamina A é importante? 15 O leite materno oferece a quantidade de vitamina A de que o bebê precisa até os 6 meses de idade. A vitamina A é importante porque previne as complicações de doenças, como diarreia, infecções e problemas na visão. A mãe que amamenta deve comer frutas e verduras amarelas e alaranjadas, vegetais de folhas verde-escuras, fígado, carnes, óleos e peixes. Assim, seu leite terá a quantidade de vitamina A de que o bebê precisa.
  • 146. A vitamina A 15 O bebê de 2 a 11 meses A vitamina A fortalece o sistema de defesa do corpo. Quando a criança não ingere a quantidade necessária de vitamina A, tem maiores riscos de diarreia mais grave e prolongada. As pessoas com deficiência de vitamina A enxergam mal em ambientes pouco iluminados. Criança com diarreia há mais de 14 dias, com desnutrição grave, tem riscos maiores de lesão nos olhos e cegueira por deficiência de vitamina A. A mãe com boa reserva de vitamina A no corpo fornece, pelo seu leite, a quantidade da vitamina de que o bebê precisa nos primeiros seis meses de vida. Importante: A mãe deve comer frutas e verduras amarelas e alaranjadas, vegetais de folhas verde-escuras, óleos, fígado, peixes e carnes. Assim, o leite materno terá uma boa quantidade de vitamina A. As crianças de 6 meses a 4 anos e 11 meses, residentes em área de risco para deficiência de vitamina A, devem receber suplementação. Para mais informações, veja a Caderneta de Saúde da Criança. Observe: A. de enxergar em ambiente pouco iluminado, ou dificuldade de voltar para casa ao anoitecer. A vitamina A previne doenças e evita lesões nos olhos.
  • 147. O bebê de 2 a 11 meses 16 O ferro do leite materno é o mais aproveitado pelo organismo do bebê. O ferro previne infecções, anemia e ajuda no desenvolvimento da criança. A anemia pode provocar fraqueza e falta de apetite. O bebê recebe o ferro de que precisa pelo leite materno. As outras fontes de ferro são: fígado, carnes magras, feijão, lentilha, farinha de trigo e milho fortificado com ferro e ácido fólico e vegetais folhosos verde-escuros. Comer laranja, limão, acerola ajuda o organismo a aproveitar melhor o ferro dos alimentos. Por que o ferro é importante?
  • 148. Ferro 16 O bebê de 2 a 11 meses A anemia é causada pela falta de ferro no corpo humano. É a carência nutricional que mais ocorre no mundo. A anemia pode provocar fraqueza, falta de apetite e atraso do desenvolvimento da criança. Após os seis meses, começa a alimentação suplementar, mas o bebê deve continuar mamando. As outras fontes de ferro são: fígado, carnes magras, ovos, feijão, castanha, farinha de trigo e de milho fortificados com ferro e ácido fólico, vegetais folhosos verde-escuros. Todas as crianças de 6 meses a 18 meses de idade devem tomar o suplemento de ferro que pode ser encontrado nas Unidades de Saúde. Atenção: coma um pedaço de fruta ou beba aproximadamente 50 ml de suco de frutas cítricas após as refeições. A criança com anemia pode apresentar palidez da língua, das palmas das mãos e da parte interior dos lábios; cansaço e falta de ar. Algumas pessoas precisam receber medicamentos com ferro para tratar a anemia. verminose pioram a anemia. falciforme, talassemia, entre outras, não deve receber suplementação de ferro. Alimentos ricos em ferro ajudam no desenvolvimento físico e mental da criança.
  • 149. IodoO bebê de 2 a 11 meses Por que devemos usar sal iodado? 17 A deficiência de iodo no organismo pode causar deficiência mental no bebê. O iodo previne problemas no desenvolvimento da criança. Pequena quantidade de sal iodado fornece todo o iodo de que o organismo precisa. Compre somente sal iodado para usar na comida de sua família. O sal iodado deve ser guardado em local seco, fresco, longe do fogão, ao abrigo do sol. Não guarde o sal na geladeira.
  • 150. Iodo 17 O bebê de 2 a 11 meses O iodo é essencial para a vida das pessoas. Previne problemas no desenvolvimento da criança. O sal iodado é a melhor e mais barata fonte de iodo e deve ser guardado em lugar seco, tampado e longe do calor do fogão. O sal não deve ser colocado na geladeira. Observe: com papo (bócio) no pescoço. no preparo da comida. Explique: do gado e para curtir couro não deve ser usado pelas pessoas, pois não contém iodo. à saúde e deve ser evitado principalmente pelas gestantes. Bastam pequenas quantidades de iodo para prevenir problemas no desenvolvimento das crianças.
  • 151. A criança e a comunidadeO bebê de 2 a 11 meses Como garantir nossos direitos? 18 As famílias devem se unir para discutir os problemas da comunidade. As famílias devem se unir para discutir os problemas que afetam a todos e procurar os conselhos municipais e os promotores de Justiça para garantir seus direitos. É direito de todas as famílias ter, próximo ao lugar onde moram: raças e parques limpos. ros culturais e comunitários. reches, pré-escolas e escolas.
  • 152. A criança na comunidadeO bebê de 2 a 11 meses É na família e na comunidade que a criança encontra as melhores oportunidades para crescer e se desenvolver saudável. Os problemas que afetam a comunidade interferem diretamente na saúde e qualidade de vida das crianças. A falta de água limpa, de coleta de lixo e o esgoto a céu aberto prejudicam a saúde de toda a família, mas são as crianças que mais adoecem de diarreia e verminose. A fumaça do cigarro ou do fogão a lenha causa alergias respiratórias. Importante: As famílias devem discutir, na comunidade, a qualidade dos serviços de saúde e de educação (creche, pré-escola e escola). As famílias devem saber identificar os serviços que faltam na comunidade e exigir a sua implantação. As famílias devem exigir jardins e praças limpos e seguros para as crianças brincarem. Atenção: Se a prefeitura não atender às demandas da comunidade, as famílias devem procurar o conselho tutelar da cidade. A família, a comunidade e o governo têm o dever de cuidar das crianças, educá-las e protegê-las. 18
  • 153. A limpeza do ambiente traz bem-estar para a família e evita doenças. Cuidados de higieneO bebê de 2 a 11 meses 19 Os cuidados com a higiene da casa e da comunidade ajudam a evitar alergias e doenças no bebê e na família: Ao varrer o chão, seja de terra batida, cimento ou cerâmica, leve o bebê para outro cômodo da casa. ra com pano úmido. ave sempre as mãos antes e depois de trocar o bebê, antes de preparar os alimentos, depois de usar o banheiro e de pegar nos animais de estimação. chão, no quintal ou na rua. Por que a higiene é importante?
  • 154. Cuidados de higieneO bebê de 2 a 11 meses Tanto a higiene de casa quanto a da comunidade são importantes para a vida e a saúde de todos. As pessoas devem lavar as mãos antes e depois de trocar o bebê, depois de usar o banheiro, antes de preparar os alimentos, antes das refeições e ao chegar em casa. Os animais domésticos devem ser mantidos fora da casa, pois podem transmitir doenças e provocar alergias. Ao chegar em casa, é bom limpar os sapatos, para não carregar sujeira e micróbios da rua para dentro de casa. A higiene dos ambientes é muito importante para a saúde do bebê e da família. Atenção: Os cuidados de higiene são muito importantes para a saúde do bebê: avar as roupas do bebê separado das outras roupas, inclusive a rede de dormir. raldas de pano ao sol para secar. Passar a ferro toda a roupa. avar os brinquedos com água e sabão. raldas descartáveis sujas em sacos plásticos ou lixeira com tampa. ivre de objetos que acumulem água. 19
  • 155. 20O desenvolvimento do bebê dos 4 aos 6 meses O bebê gosta de participar da vida da família e da comunidade. O bebê de 4 a 6 meses O bebê saudável é esperto; levanta a cabeça e os ombros quando é colocado de bruços; consegue se virar e rolar sozinho; pega e solta objetos. Ele gosta que as pessoas cantem, brinquem e conversem com ele. Assim, aprende e se desenvolve. O bebê pode ficar no chão limpo para olhar, tocar e conhecer o que está em volta. Ele gosta também de passear fora da casa e conhecer outras pessoas. Como é o bebê?
  • 156. Como é o bebê dos 4 aos 6 meses? O bebê de 4 a 6 meses O bebê dos 4 aos 6 meses permanece mais tempo acordado durante o dia e dorme mais à noite. Quando colocado deitado de barriga para cima, segurando-se pelos braços, traz a cabeça bem firme. O corpo está mais firme e já pode sentar-se com apoio. Pode virar-se sozinho e rolar. Antes, ele só conseguia segurar os objetos que colocavam na mão dele. Agora, ele já aprendeu a pegar e soltar os objetos. É assim que ele aprende que os objetos caem e fazem barulho. Tudo o que o bebê pega, ele leva à boca. Por isso, para o bebê não se sufocar, ele deve ter objetos seguros, que não soltem partes e estejam limpos para brincar. A família pode saber se o bebê escuta bem quando ele se vira na direção do barulho. O bebê gosta de bater objetos, amassar e rasgar papéis. Assim, ele descobre ruídos, percebe formas. O bebê comunica-se com as pessoas dando pequenos gritinhos e fazendo barulhos com os lábios. Gosta de ouvir a própria voz e aprende a distinguir sons diferentes. Já pode distinguir a voz da mãe e do pai. Entre os 4 e os 6 meses, os bebês são mais alertas para as coisas familiares, mas também se interessam muito pelas coisas novas. Importante: Também nessa fase, dar atenção para os bebês é a melhor forma de brincar com eles. 20
  • 157. O bebê de 4 a 6 meses 21 O governo é responsável por garantir creche para as crianças. Educação infantil de qualidade Direito da criança Cabe aos pais decidir se matriculam ou não o bebê na creche. A criança soropositiva tem os mesmos direitos de outras crianças, incluindo ter uma família e frequentar a creche sem nenhuma discriminação. As crianças com deficiência podem e devem frequentar a creche, pois isso ajuda muito o seu desenvolvimento. Os pais devem visitar a creche e observar se o ambiente é limpo e arejado, se os profissionais são capacitados, carinhosos e atenciosos e se as outras crianças estão bem cuidadas.
  • 158. Educação infantil de qualidade Creche 21 Cabe aos pais decidir se matriculam ou não seu bebê na creche e o poder público deve oferecer vagas para as famílias que façam essa opção. A criança pode ser atendida na creche até os 4 anos quando deve então ser matriculada na pré-escola. Na creche, a criança tem a oportunidade de conviver com outras crianças sob a responsabilidade de profissionais especializados em educação infantil. Oriente os pais sobre como avaliar se a creche é de boa qualidade. Uma boa creche deve ter: rabalho que valorize a criatividade da criança e a participação ativa dos pais. rados e em quantidade suficiente para cuidar de crianças em grupos e educá-las. tomar banho de sol, comer, brincar, tomar banho e repousar. ivros e discos em quantidade suficiente, variados e adequados à idade da criança. de forma carinhosa. avem as mãos depois de trocar as fraldas e antes de preparar a comida dos bebês. O bebê de 6 a 11meses A creche deve promover e facilitar a participação da família e respeitar a opinião dos pais.
  • 159. Prevenção de acidentesO bebê de 4 a 6 meses 22 Os bebês precisam de liberdade e, ao mesmo tempo, de segurança para explorar os espaços. Conforme o bebê cresce e se movimenta mais, aumentam os riscos de acidentes. A família precisa tomar alguns cuidados para proteger o bebê: rolar e cair. rar de perto dele objetos que possa engolir Afastar sacos plásticos ou sacolas que podem tampar o rosto do bebê e sufocá-lo. ro, manter a criança sempre no banco traseir rotegida. Tampar as tomadas elétricas. Manter velas e lamparinas fora do alcance do bebê. veis e nem sob os cuidados de outras crianças. Como proteger o bebê de acidentes?
  • 160. Prevenção de acidentes 22 O bebê de 4 a 6 meses O bebê precisa de liberdade e segurança para se movimentar e explorar os espaços da casa, mas é preciso prevenir os acidentes que podem causar problemas sérios e até a morte do bebê. Os riscos de acidente dentro de casa aumentam quando o bebê começa a se virar e engatinhar. Podem ocorrer queda da cama, berço, rede, trocador, carrinho; choque elétrico nas tomadas; afogamento em banheiras e bacias. Alguns cuidados podem evitar que a criança sofra acidentes dentro de casa. Afastar objetos pequenos que ele possa pegar sem um adulto por perto. velas e lamparinas longe do alcance do bebê. A família precisa estar sempre atenta para prevenir acidentes. Oriente a família a:
  • 161. Como é o bebê? Desenvolvimento do bebê dos 7 aos 9 mesesO bebê de 7 a 9 meses 23 Mesmo sem saber falar, o bebê entende o que as pessoas falam com ele. Os pais devem mostrar as figuras das histórias, enquanto leem para os bebês. O bebê já pode sentar sem apoio, virar de lado e engatinhar. Presta atenção no que as pessoas falam e tenta imitá-las falando “pa pa, ma ma”. Faz gestos, bate palminhas e dá adeus. Para evitar acidentes nesse período: Deixe fora do alcance da criança, objetos pequenos, cortantes e de pontas agudas, medicamentos e produtos de limpeza. Proteja as tomadas e os fios elétricos para evitar choques. Que legal, querida!
  • 162. Os bebês dos 7 aos 9 meses 23 O bebê de 7 a 9 meses Essa é uma fase de muitas descobertas. A família deve valorizar o que o bebê já faz ou tenta fazer e dar apoio e segurança para novas conquistas e aprendizagens. Para o bebê, brincar é mais do que divertimento. Brincar é tudo que estimula seu corpo e seus sentidos para desenvolver seu pensamento e inteligência. Os adultos devem oferecer espaço limpo e seguro para o bebê se movimentar e brincar. Assim, ele aprende a engatinhar, agarrar objetos, sentar e se sustentar em seus pés, o que vai trazer mais independência para ele. O bebê gosta de ver figuras e livros. Os pais devem mostrar as figuras das histórias enquanto leem para o bebê. Aos 9 meses, o bebê já sabe quando pode ou não fazer certas coisas, aceita ou nega com a cabeça, girando para dizer “não”. Ele precisa ser acompanhado com atenção, pois tem vontade de se deslocar pela casa, senta sem apoio e gira o corpo para se colocar na posição de engatinhar Observe se a criança: nversas e tenta imitar o que as pessoas falam com ela, fazendo pa, pa, ma, ma. em certas coisas. Importante: À medida que cresce a independência física, aumenta a dependência afetiva. O bebê quer e precisa de constante apoio emocional e encorajamento, pois está descobrindo as dificuldades e lições de crescer.
  • 163. Alimentação 24 O bebê precisa comer alimentos limpos, frescos e variados, além do leite materno. O bebê de 6 a 9 meses O que o bebê pode comer a partir dos 6 meses? A partir dos 6 meses, oferecer de forma lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até 2 anos de idade ou mais. A partir dos 6 meses, dar alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes) no mínimo três vezes ao dia. Exemplos de papas: Arroz + jerimum + couve + carne; refogadas + carne moída; ou frango desfiado; As frutas podem ser dadas amassadas ou na forma de suco, sem açúcar. Usar alimentos variados, frescos e limpos; usar pouco sal e óleo no final do cozimento.
  • 164. Alimentação 24 O bebê de 6 a 9 meses A comida deve ser dada na colher, para o bebê aprender a mastigar e engolir. No início, é natural que o bebê coma pouco, faça caretas, feche a boca ou cuspa a comida, porque ele está aprendendo a engolir alimentos pastosos. É preciso lavar bem as mãos antes de preparar e dar a comida do bebê. Os alimentos e os utensílios também devem ser bem lavados. A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida de colher. Oferecer à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é uma alimentação colorida. Estimular o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições. Evitar açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas, nos primeiros anos e ao longo da vida. Usar sal com moderação. Importante: Para uma alimentação saudável, siga os dez passos contidos na Caderneta de Saúde da Criança do Ministério da Saúde. A nova alimentação do bebê traz mudanças na rotina da família.
  • 165. O bebê de 7 a 9 meses 25Como evitar os acidentes? Alguns cuidados para evitar acidentes em casa: v T T v A família deve proteger a criança dos acidentes domésticos.
  • 166. Prevenção de acidentes 25 O bebê de 7 a 9 meses O desejo do bebê de conhecer as coisas é muito grande. Então, ele vai querer tocar, provar e manipular o que quer que possa ter nas mãos. Isso pode levar o bebê a situações de perigo. Apesar da curiosidade ser vital para o seu desenvolvimento, o bebê precisa de segurança. Limites dados pelos adultos fazem parte do aprendizado. Aprender que não se pode fazer tudo o que se quer é um grande passo no aprendizado do autocontrole. Quanto mais o bebê aprender a lição agora, menos os pais terão que intervir nos próximos anos. A memória do bebê é curta. Os pais devem repetir “não” firmemente e com alguma frequência para lembrar o bebê. O bebê não pode ser deixado sozinho, pois pode queimar-se, cortar-se, envenenar-se ou afogar-se. A cozinha é o lugar da casa que mais oferece perigo de acidente. Fogão, água quente, produtos de limpeza e facas chamam muito a atenção da criança. Para evitar acidentes: chão precisa estar limpo. vem ser protegidas. As tomadas elétricas e as vasilhas d´água devem ser tampadas. guardados em local seguro. A família é responsável pela proteção e segurança da criança.
  • 167. AlimentaçãoO bebê de 9 a 11 meses 26 Alimentos de várias cores fornecem os nutrientes de que o bebê precisa para crescer saudável. O aleitamento materno deve continuar, sendo oferecido quando o bebê desejar. O bebê precisa comer alimentos variados, frescos e limpos. Deve comer pedaços pequenos. A comida do bebê deve ter pouco sal, gordura e pouco açúcar. Não dê para o bebê alimentos com corantes, como gelatinas e iogurtes coloridos. Os corantes provocam alergias alimentares. É necessário ainda ter uma certa flexibilidade com relação ao horário das refeições. O bebê deve ter seu prato e sua colher. A família deve acostumar a criança a comer à mesa. A hora da refeição é um bom momento para reunir a família. O bebê gosta de experimentar a comida dos adultos. O que o bebê pode comer dos 9 aos 11 meses?
  • 168. Alimentação O bebê de 9 a 11 meses Após os 6 meses, aos poucos, a alimentação do bebê vai ficando parecida com a alimentação da família. O bebê deve ter seu copo, prato e sua colher separados e bem lavados sempre. A família deve acostumar a criança a comer à mesa. A hora da comida é um bom momento para reunir a família. A comida do bebê deve ter pouco sal, pouca gordura e muito pouco açúcar. A maioria dos sucos de frutas e bebidas com leite não precisa de açúcar. Não dê para o bebê alimentos não saudáveis, com corantes, como salgadinho de pacote, biscoitos recheados, gelatinas, iogurtes coloridos, macarrão instantâneo com tempero em pó. Os corantes provocam alergias alimentares sérias que podem causar até retardo no desenvolvimento. A refeição salgada deve conter sempre um alimento de cada grupo: rculos: arroz, aveia, batata, inhame, cará. ve, repolho, abóbora, cenoura, vagem, beterraba. ave, peixe, fígado. Nos intervalos das refeições, a família pode oferecer pequenos lanches para o bebê, como: Frutas cruas ou cozidas amassadas, com consistência espessa (que não cai da colher). Leite materno e alimentos variados fornecem todos os nutrientes de que o bebê precisa. 26
  • 169. VacinaçãoO bebê de 9 a 11 meses 27 A criança fica protegida de doenças graves se tomar todas as vacinas. Verifique se as vacinas estão em dia para a idade do bebê, na Caderneta de Saúde da Criança. Em algumas regiões do Brasil, aos 9 meses, o bebê que reside ou vai viajar para áreas de risco de febre amarela deve ser levado ao serviço de saúde para tomar a vacina contra essa doença. Que vacina o bebê precisa tomar aos 9 meses?
  • 170. Vacinação O bebê de 9 a 11 meses Verifique se na sua região há indicação para fazer a vacina contra a febre amarela. Quando houver essa indicação, oriente a família para vacinar a criança aos 9 meses. A criança que reside ou que vai viajar para áreas de risco de febre amarela precisa ser vacinada. Nas visitas domiciliares, é preciso verificar na Caderneta de Saúde da Criança se ela tomou todas as vacinas indicadas para a sua idade. Os pais devem ser orientados a levar a criança à Unidade de Saúde para receber as vacinas, mesmo que o bebê tenha febre, diarreia ou gripe. A decisão de vacinar ou não será da equipe de saúde. Fique atento: Se a criança aos 9 meses já tomou as vacinas previstas até essa idade. Em algumas regiões do Brasil, aos 9 meses, os bebês devem tomar a dose única da vacina contra a febre amarela. 27
  • 171. O bebê de 9 a 11 meses 28 A higiene da boca do bebê Deve-se limpar a boca do bebê antes do nascimento dos dentes. A limpeza da boca do bebê deve ser feita depois de cada refeição e, principalmente, antes de dormir.
  • 172. A higiene da boca do bebê O bebê de 2 a 11 meses O bebê aprende bons hábitos de higiene com sua família. A limpeza da boca do bebê é muito importante para retirar os restos de leite e impedir o crescimento dos micróbios da cárie. A cárie é uma doença infecciosa causada por bactérias. A boca do bebê deve ser limpa depois de cada refeição da seguinte maneira: em água limpa. língua e dentes do bebê. Importante: Mamar no peito ajuda o bebê a ter dentes fortes e bem alinhados. A higiene da boca do bebê previne a formação de cárie e outras doenças da boca. 28
  • 173. O bebê de 9 a 11 meses 29 Os bons hábitos de higiene são muito importantes para a saúde e o conforto do bebê. O bebê aprende com a família a ter bons hábitos de higiene. Para isso, é importante: avar as mãos do bebê sempre que necessário. avar o bumbum e trocar as fraldas cada vez que ele fizer cocô ou xixi. Por que a higiene é importante?
  • 174. HigieneO bebê de 9 a 11 meses Nessa fase, o bebê se suja mais, pois engatinha e brinca no chão. A família deve manter a rotina de higiene do bebê, como dar banho todos os dias, limpar bem a boca depois de mamar e comer, lavar o bumbum e trocar as fraldas sempre que ele fizer xixi e cocô. A higiene é muito importante para a saúde e o conforto do bebê. As mãos do bebê precisam ser lavadas várias vezes ao dia e principalmente antes das refeições, porque tudo o que ele pega leva à boca. O bebê deve ter seu próprio lençol, travesseiro e toalha, além de um lugar limpo e seguro para dormir. Onde se usa rede, deve haver uma rede só para o bebê, que deve ser lavada com frequência. 29
  • 175. O bebê de 2 a 11 meses 30 A malária e a dengue são doenças graves em gestantes, crianças e idosos. Para se proteger das picadas dos mosquitos, é preciso: ros. rdecer. água, como pneus e garrafas. Tampar caixa d’água. Como se proteger da malária e dengue? O uso de mosquiteiros protege o bebê das picadas dos mosquitos.
  • 176. Malária e dengueO bebê de 2 a 11 meses Atenção: Para se proteger das picadas dos mosquitos, é preciso: ra de casa ao entardecer e amanhecer r Tampar caixas d’ gra ao entardecer e amanhecer O mosquito da dengue bota os o os r Malária e dengue podem ser evitadas com o uso de mosquiteiros. 30
  • 177. Como é a criança de 1 a 2 anos O que a criança gosta de fazer? A criança de 1 a 3 anos 01 F r r Vir ivr r r r v c r r Mo A criança precisa conhecer, tocar, mexer, dançar, cantar, ouvir histórias. Essas atividades ajudam no seu aprendizado e desenvolvimento.
  • 178. Como é a criança de 1 a 2 anos A criança de 1 a 3 anos A criança aprende a falar com as pessoas que falam e conversam com ela. 01 Nessa fase, a criança está cheia de energia e entusiasmo. Aprende por meio da exploração do ambiente, curiosidade, imitação e imaginação sem fim. Quanto mais a criança é estimulada a falar, movimentar-se e descobrir, maior será o desenvolvimento do seu cérebro e da coordenação fina dos seus movimentos. Essas realizações ajudam a criança a se comportar com mais competência e confiança. A criança, nessa fase, já pode andar e se desloca pela casa. Abaixa-se, sem cair, para pegar objetos no chão. Começa a identificar as partes do corpo e aprende a falar o nome delas. Ainda se comunica por gestos, abana a cabeça para dizer não, dá adeus, bate palminhas, fala pequenas frases, como “mamá qué bola”, “papá qué água”. Atenção: A família deve estar perto da criança para que ela se sinta protegida ao aprender a andar. A criança aprende a falar com as pessoas que falam com ela, repete o que ouve e, por isso, devemos falar corretamente as palavras. A criança já entende o que falam com ela, mas nem sempre obedece. Ela atende quando se interessa por fazer o que foi pedido. ra e faz pirraça quando é contrariada.
  • 179. Criança precisa brincar. Brincando sozinhas ou com outras crianças, elas aprendem e se desenvolvem. De esconde-esconde, cantar, dançar, bater palma, rolar no chão, imitar as pessoas. Gosta de brincar com caixas vazias de tamanhos variados, embalagens vazias e limpas, transformadas em brinquedos. Gosta de ouvir várias vezes as mesmas histórias. Cuidado: ásticos podem causar sufocamento, por isso, não devem ser dados para a criança brincar. A criança de 1 a 3 anos 02Brincadeiras Do que a criança gosta de brincar?
  • 180. Brincadeiras 02 Brincar é a atividade principal da criança. Ao brincar, a criança desenvolve a atenção, memória, movimentação, equilíbrio e imaginação.Também desperta a curiosidade e fortalece a confiança e autoestima. A família precisa organizar o ambiente, oferecer revistas ou livros, objetos e brinquedos. Criar situações para a criança olhar, brincar de correr, pular, saltar, empurrar ou puxar objetos, sozinha e também com outras crianças. A criança acha que é o centro do mundo e tem dificuldade de compartilhar. As crianças devem também brincar nas creches com os educadores. Nessa idade, a criança usa e explora os objetos da casa. Ela quer fazer as coisas sozinha, inclusive o que não pode fazer, como subir e descer de locais perigosos, colocar o dedo em tomadas elétricas, colocar na boca o que encontra pela casa, colocar sacos plásticos na cabeça. Cuidado: A família precisa acompanhar o que a criança está fazendo e ensinar, com firmeza e sem violência, o que ela pode e o que não pode fazer, sempre explicando as razões. A criança de 1 a 3 anos Brincar é a atividade principal da vida da criança.
  • 181. Para a família Como proteger a criança de acidentes A criança de 1 a 3 anos A criança nessa idade precisa de muita vigilância dos adultos para evitar que se acidente. 03 ão deixe a criança sozinha perto de balde e tanques, poços, banheiras, privadas e piscinas. ão, aquecedor e ferro elétrico. Evite que as pontas da toalha de mesa fiquem ao alcance da criança, pois, ao puxá-las, por derrubar objetos, vidros e líquidos quentes. e mantenha os cabos das panelas para trás. étricas. essa idade, a criança está mais ativa e curiosa. ão permita que a criança tenha acesso sozinha a escadas e providencie barreiras de proteção. que possam ser abertas em caso de incêndio.
  • 182. Fique atento: v v Prevenção de Acidentes 03 Com a criança pequena, a maioria dos acidentes ocorre em casa. É preciso eliminar (ou evitar) as situações de risco para os acidentes. v v v
  • 183. A criança de 1 a 3 anos Quando retirar as fraldas? 04 Por volta de 1 ano e meio, a criança começa a avisar que quer fazer xixi e cocô. Essa é a melhor época para iniciar a retirada de fraldas. Não se deve apressar a retirada das fraldas. Os pais nunca devem bater na criança porque ela não conseguiu avisar a tempo que vai fazer xixi e cocô. Cada criança tem seu momento próprio para abandonar as fraldas. Mamãe, acabei!
  • 184. Retirada das fraldas 04 Aos 3 anos, já sabe fazer xixi e cocô sozinha, mas ainda precisa da ajuda dos adultos para se limpar. A família deve perguntar repetidas vezes se ela deseja ir ao banheiro e elogiá-la quando ela avisa. Quando a criança não conseguir fazer xixi e cocô no lugar adequado, a família nunca deve bater, repreender ou ridicularizar a criança. A criança de 1 a 3 anos A retirada das fraldas deve ser gradual e sem violência. A retirada das fraldas é um momento muito delicado para a família e a criança. É importante que os pais compreendam que o controle do xixi e do cocô não acontece de uma hora para outra. A partir de 1 ano e meio de idade, ela passa a sentir o que acontece com o seu corpo e tem maior controle sobre os músculos do ânus e do genital. Algumas vezes, a criança avisa que vai fazer xixi ou cocô, outras vezes só avisa depois que já fez.
  • 185. A criança de 1 a 3 anos A criança de 2 e 3 anos Como a criança se comporta? A criança já pode falar frases completas, responde e conversa com as pessoas. Tenta fazer coisas sozinha, embora ainda precise da ajuda dos adultos. Gosta de desenhar, rabiscar e de participar das atividades dos adultos. Com as outras pessoas, ela aprende como são as coisas, para que servem e como funcionam. A família precisa ensinar com firmeza e sem violência o que a criança pode e o que não pode fazer. 05
  • 186. Como é a criança de 2 e 3 anos 05 Nessa idade, a criança começa a entender o que pode e o que não pode fazer. Tenta fazer coisas sozinha, embora ainda precise da ajuda dos adultos. Já consegue organizar o pensamento e pode formar frases completas para se comunicar. Nas atividades do dia a dia, junto com a família, aprende noções de tamanho, cor, peso, quantidade e lugar. Frequentemente, a criança sente medos e não sabe explicá-los. Alguns desses medos são das coisas novas, outros são frutos de sua imaginação. Os adultos devem compreendê-la, não ridicularizá-la, nem humilhá-la para fortalecer a sua segurança emocional. A criança tenta resolver conflitos com outras crianças na base dos empurrões e tapas. Os adultos devem ensinar que essa não é a melhor forma de resolver problemas. Os adultos devem falar com as crianças sobre a dor que o outro sente ao apanhar e despertar nelas o sentimento de compaixão. Histórias infantis ajudam a criança a se identificar com personagens e aprender com eles. A criança de 1 a 3 anos A criança primeiro aprende a fazer as coisas com as outras pessoas para depois fazê-las sozinha.
  • 187. Como promover o pensamento e a aprendizagem da criança? A criança de 1 a 3 anos 06 A criança desenvolve autoconfiança, quando é bem tratada e a família reconhece e encoraja as suas habilidades crescentes e seus talentos. Aprende a confiar, quando se sente compreendida, e a compartilhar, quando as outras pessoas são generosas com ela. A criança aprende a se sensibilizar e ser solidária quando as suas emoções, alegrias e tristezas são entendidas e respeitadas. A família deve ouvir com atenção e respeito o que a criança fala e pergunta e responder de forma simples e clara para que ela compreenda. Perguntar e ouvir a opinião da criança, contar histórias e ler ajudam a desenvolver sua fala e pensamento. A curiosidade é necessária para ela conhecer e compreender o mundo em que vive.
  • 188. O desenvolvimento para a aprendizagem A criança é curiosa e pergunta muito o nome de tudo. Às vezes, a família se aborrece com tantas perguntas, mas deve valorizar a sua fala. Ela ainda não tem formada a noção de tempo, por isso, diz: “amanhã eu fui”, “ontem eu vou”. É preciso ouvir com respeito e atenção suas perguntas e responder de forma simples e clara para que ela possa compreender. Importante: A família deve contar e ler histórias diariamente para a criança. Isso ajuda a desenvolver a fala e o pensamento. A criança de 1 a 3 anos A curiosidade ajuda a criança a aprender e a se desenvolver. 06 É muito importante insistir com a família que o desenvolvimento da criança tem a ver com o conhecimento e também com as emoções, os sentimentos e o amor. Por isso, a família deve demonstrar seu amor pela criança, elogiá-la e valorizá-la pelas coisas bem feitas. A criança deve ser encorajada a finalizar todas as coisas que começar, não desistir facilmente e, depois, começar tarefas novas. Tudo isso vai ajudá-la a aprender.
  • 189. A criança de 1 a 3 anos 07Brinquedos e brincadeiras Por que é importante brincar com outras crianças? Para que a criança aprenda a: crianças. Brincando, a criança aprende regras e valores para a vida em comunidade.
  • 190. Brinquedos e brincadeiras A necessidade de dormir da criança diminui e ela tem mais tempo para brincar e explorar o seu ambiente. A criança começa a se interessar por brincadeiras e jogos com regras, porque trazem novos desafios. Brincadeiras regionais infantis devem ser ensinadas pela família. Brincar de roda, por exemplo, ajuda a criança a seguir regras, cantar e se movimentar. Bonecas e bonecos ajudam a criar a brincadeira do faz-de-conta, o que desenvolve nas crianças habilidades sociais e de resolução de problemas. O uso excessivo da televisão prejudica o desenvolvimento da criança pois a impede de brincar com as outras crianças e a expõe a programas com conteúdo inadequado. A criança de 1 a 3 anos A criança aprende nos jogos e brincadeiras a cooperar e respeitar as outras crianças. 07 A amarelinha e outras brincadeiras em grupo ajudam a criança a conhecer e seguir algumas regras: pular num pé só, esperar sua vez, não pisar no risco. Nas atividades em grupo, a criança aprende a conviver com outras crianças, a partilhar brinquedos e vivenciar situações de frustração. Regras e limites ajudam a criança a se relacionar com os outros. Gradualmente, as crianças aprendem a evitar objetos e lugares proibidos. Explicações simples ajudam as crianças a entender a diferença entre bem e mal, o certo e o errado.
  • 191. Alimentação Como deve ser a alimentação da criança e da família? 08A criança de 1 a 3 anos Criança gosta de segurar a colher e tentar comer por conta própria. O leite materno pode ser oferecido como lanche nos intervalos das refeições, pelo menos até a criança completar 2 anos de idade. Os alimentos devem ser oferecidos em pequenos pedaços, para que a criança conheça cada alimento e aprenda a mastigar e engolir. Assim, vai se acostumando a comer alimentos de gosto e consistência variados. A criança aprende a ter uma alimentação saudável com seus familiares. É importante também que a família procure ter hábitos saudáveis. A partir de 1 ano, a criança já pode comer a mesma comida dos adultos: café da manhã, almoço e jantar, mais dois pequenos lanches entre as refeições e um lanche antes de dormir.
  • 192. A partir de 1 ano de idade, a criança já pode comer a mesma comida dos adultos: café da manhã, almoço e jantar, mais dois pequenos lanches entre as refeições e um lanche antes de dormir. A saúde depende de uma alimentação variada, colorida, com alimentos limpos e frescos. Deve conter feijão, arroz, milho, batata e outras raízes, frutas e verduras, pão, massas, leite e derivados, carne e óleo. A criança não deve ser acostumada a tomar refrigerantes, comer doces, balas, salgadinhos. Esses alimentos não são nutritivos, prejudicam o apetite da criança e contribuem para a formação de cáries. Para desenvolver bons hábitos alimentares, a criança precisa do bom exemplo da família. A alimentação de toda a família é mais saudável quando tem pouca gordura, pouco sal e pouco açúcar. A família deve incentivar a criança, sem forçá-la, a comer todo tipo de alimento disponível. Quando ela recusa uma refeição, é preferível guardar e oferecer mais tarde. É importante que a criança participe das refeições junto com a família e tenha seu próprio prato e talher. A criança alimenta-se melhor se a refeição é feita junto com a família, sem brigas ou distrações, como televisão ligada. Cuidado: Não substituir a refeição de sal por leite. Nessa idade, o leite não garante mais todos os nutrientes de que a criança precisa. Oferecer o leite no café da manhã ou nos lanches. Os alimentos de cores variadas, limpos e frescos fornecem os nutrientes de que a criança precisa. 08 Alimentação A criança de 1 a 3 anos
  • 193. A vitamina A é importante para o crescimento da criança, ajuda a prevenir infecções e protege a visão. Essa vitamina é encontrada em: í. ão, manga, jerimum, o ferro. Alimentos como as frutas regionais têm muitas vitaminas. A criança de 1 a 3 anos 09Vitamina A e C, Ferro e Iodo Como enriquecer nossa alimentação?
  • 194. Vitaminas A e C, ferro e iodo A vitamina A é importante para o crescimento da criança, ajuda a prevenir infecções e protege a visão. Essa vitamina é encontrada em: Frutas oleosas, como o abacate e o açaí. ovo, leite, manteiga e queijo. ranjados e vermelhos, como mamão, manga, jerimum, laranja, limão, açaí, buriti e outros. O ferro previne a anemia. Os alimentos mais ricos em ferro são carnes vermelhas e vísceras; feijão; vegetais de folhas verde-escuras; farinha de trigo e de milho fortificadas; rapadura, melado e açúcar mascavo. ranja, caju, acerola, goiaba, limão são ricos em vitamina C e ajudam o organismo a absorver melhor o ferro. Informe-se sobre os nutrientes que existem nos alimentos regionais. O iodo é importante para o desenvolvimento físico e mental. Os alimentos ricos em iodo são sal iodado, peixes e frutos do mar. A criança de 1 a 3 anos Todas as famílias têm direito à alimentação de qualidade e na quantidade necessária para viver com boa saúde. 09
  • 195. A Caderneta de Saúde da Criança deve ser levada todas as vezes em que a criança for ao serviço de saúde. A criança de 1 a 3 anos A Caderneta de Saúde da Criança serve para os pais e os profissionais de saúde acompanharem peso, estatura, desenvolvimento e vacinas da criança. A Caderneta de Saúde da Criança tem também muitas orientações para a família sobre a criança e seus direitos. A criança está crescendo bem quando a linha de peso está sempre subindo, acompanhando uma mesma curva. Para que serve a Caderneta de Saúde da Criança? 10 Vamos ver se você está crescendo e se desenvolvendo direitinho.
  • 196. A Caderneta de Saúde da Criança A criança de 1 a 3 anos A Caderneta de Saúde da Criança ajuda os pais e o serviço de saúde a acompanhar o crescimento e o desenvolvimento da criança do nascimento até os 9 anos. A Caderneta de Saúde da Criança serve para registrar o peso, as vacinas, as doenças, a alimentação e o desenvolvimento da criança do nascimento até os 9 anos. A Caderneta de Saúde da Criança tem também muitas orientações para a família sobre a criança e seus direitos. Com a Caderneta de Saúde da Criança preenchida, fica mais fácil para os pais acompanhar o crescimento e o desenvolvimento da criança. A curva de peso da Caderneta de Saúde da Criança mostra se a criança está ganhando peso adequado para a idade. O quadro do desenvolvimento mostra as conquistas que a criança saudável pode alcançar em cada faixa etária. Atenção: O calendário de vacinação traz o esquema básico de vacinas que a criança precisa receber. Aos 12 meses: tríplice viral - Primeira dose e a pneumocócica 10 - reforço. Aos 15 meses: Reforço das vacinas; tríplice bacteriana (DPT), poliomielite oral e meningocócica C. A criança precisa ser vacinada nas campanhas, mesmo que já tenha tomado todas as vacinas. Importante: Leia a Caderneta de Saúde com a família. Isso vai ajudá-la a entender melhor as mensagens. 10
  • 197. É importante lavar as mãos depois de ir ao banheiro. Faça isso sempre e ensine a criança. É preciso lavar as mãos antes de fazer a comida da criança e da família e antes de cada refeição. A higiene do corpo, da casa e na comunidade é importante para manter a saúde e evitar doenças, como verminose, diarreia, doenças de pele e dengue. Quando a comunidade se organiza, fica mais fácil manter os locais públicos limpos. A criança tem direito de viver em ambiente limpo e saudável. A criança de 1 a 3 anos Por que os hábitos de higiene são importantes? 11
  • 198. Hábitos de higiene Os hábitos de higiene do corpo, da casa, e da comunidade são importantes para a saúde e a qualidade de vida. Escovar dentes, pentear cabelo, tomar banho, lavar as mãos, colocar lixo no lugar certo são hábitos de higiene que a criança aprende com a família. Todas as atividades feitas com a criança devem ser vistas como oportunidades para interagir com ela e desenvolver suas habilidades de linguagem e outras aprendizagens. Importante: A casa precisa ser limpa diariamente. A comunidade deve se organizar, colocando o lixo em local apropriado e exigindo da prefeitura a coleta desse lixo. As praças, parques e locais onde as crianças brincam devem ser limpos e seguros. Atenção: Quando a família tem acesso aos serviços de saneamento básico, fica mais fácil manter bons hábitos de higiene. A comunidade deve procurar o Conselho Municipal de Saúde e os Conselhos de Direitos, Tutelar e o Ministério Público se os serviços de saneamento básico não forem oferecidos pela prefeitura. A criança de 1 a 3 anos A criança aprende com a família a cuidar da higiene do corpo, da casa e da comunidade. 11
  • 199. Como educar a criança para a cidadania? A criança de 1 a 3 anos A família tem o dever de ensinar a criança a reconhecer e respeitar regras, valores e costumes diferentes dos seus. Os pais precisam conversar muito com a criança e explicar tudo o que for possível. É importante perguntar para a criança a opinião dela e respeitar o que ela pensa. Os pais educam pelo exemplo das palavras e atitudes. Quando os pais cumprem seus deveres e respeitam os direitos das crianças, estão ensinando à criança valores de cidadania. 12
  • 200. Educação para a cidadaniaA criança de 1 a 3 anos Criança que tem seus direitos respeitados aprende a respeitar o direito dos outros. A criança aprende valores essenciais para uma vida digna e solidária na convivência com sua família e comunidade. A melhor maneira de ensinar é por meio dos exemplos, das atitudes e do diálogo. A maneira como a família convive com a comunidade dá à criança a oportunidade de conhecer e respeitar outras formas de viver, pensar e agir. 12 A família deve perguntar a opinião da criança sobre as coisas simples, para que ela possa aprender a participar da vida da família. A criança tem direitos. E a família precisa conhecê-los para dar à criança uma boa qualidade de vida.
  • 201. Como saber se a criança tem alguma deficiência? 13 Criança com deficiência aprende e se desenvolve melhor na convivência com a família e com outras crianças. A família pode desconfiar que a criança tem alguma deficiência quando ela não se desenvolve como outras crianças da mesma idade. A criança com deficiência tem direito de frequentar todos os ambientes a que outras crianças costumam ir. Isso ajuda o seu desenvolvimento. A criança de 1 a 3 anos
  • 202. A criança com deficiência A criança com deficiência tem direito a serviços como saúde, educação e outros. A criança de 1 a 3 anos Algumas crianças nascem com deficiência. Às vezes já é possível suspeitar e diagnosticar a deficiência logo após o nascimento. A equipe de saúde deve ajudar a família a aceitar, apoiar e amar essa criança. A família pode suspeitar que a criança não está se desenvolvendo bem logo no início da vida. Em outras vezes, a deficiência só se manifesta mais tarde, sendo importante que os pais e profissionais de saúde acompanhem o desenvolvimento da criança para detectar e tratar o mais cedo possível. A Caderneta de Saúde da Criança ajuda a família a identificar problemas no desenvolvimento da criança. Quando a família identifica atraso no desenvolvimento ou alguma deficiência, é preciso que a criança seja examinada por um profissional de saúde. Ela deve receber atendimento especial exigido pela sua condição peculiar, para que se identifiquem e se desenvolvam todas as suas potencialidades. Atenção: Criança com deficiência pode precisar de muitos cuidados da família e do serviço de saúde. Mas precisa, principalmente, ser tratada como criança, ou seja, precisa brincar, tomar sol, passear, conviver com outras crianças normalmente, na comunidade ou na creche. 13
  • 203. Lazer e segurança Como cuidar da segurança da criança? 14 É importante que a criança participe das brincadeiras e festas da comunidade, mas com segurança. A criança precisa de locais limpos e seguros para brincar e se divertir. As creches são um direito da criança e as famílias devem se unir e lutar para tê-las na comunidade. Juntas, as famílias podem ainda conseguir lugares, como praças e parques, onde a criança possa brincar ao ar livre de subir e descer, andar de bicicleta, correr e se relacionar com outras crianças. Essas atividades fazem a criança se desenvolver melhor. A criança de 1 a 3 anos
  • 204. Lazer e segurança A criança de 1 a 3 anos Fogos de artifício e fogueiras não são brincadeiras de criança. A criança precisa de locais limpos e seguros para brincar sozinha ou com outras crianças. As atividades de lazer e as brincadeiras são muito importantes para que ela aprenda e se desenvolva. A criança é curiosa e não tem noção de perigo. Ao explorar o ambiente, pode ser atropelada, cair em valas, tanques e poços, sofrer queimaduras, afogar-se ou se engasgar com objetos pequenos. A criança precisa participar da vida da família e da comunidade, ir a festas, brincar com outras crianças, mas sempre acompanhada por um adulto. A família é responsável por cuidar da criança e protegê-la em casa e na comunidade. Fique atento: ília a nunca deixar a criança em casa sem a presença de um adulto de confiança. É um direito da criança ter locais seguros onde ela possa ficar enquanto seus pais trabalham. A creche pode ser uma opção da família. 14
  • 205. Ele cresce tão rápido. Temos que guardar tudo isto em lugar seguro. Como evitar os acidentes domésticos? 15 Os acidentes mais comuns com as crianças são quedas, queimaduras, intoxicações, engasgamento, atropelamentos e afogamentos. Em caso de acidentes, a família deve procurar o serviço de saúde mais próximo. Para evitar acidentes, é preciso acompanhar de perto o que a criança está fazendo e tomar cuidado para que ela não mexa em objetos ou produtos perigosos. Criança precisa de liberdade para se desenvolver e de proteção contra os acidentes domésticos. A criança de 1 a 3 anos
  • 206. Orientações em caso de acidentes Quando a criança cai e se machuca, é bom fazer compressa de gelo ou água fria com panos limpos para diminuir a dor e o inchaço. Também é necessário lavar o ferimento imediatamente com água e sabão no caso de cortes, raladuras e arranhões. Se a criança cair e perder a consciência, deve ser atendida no serviço de saúde, o mais rápido possível. Fique atento: Nos casos de intoxicação ou envenenamento por produtos de limpeza ou medicamentos, a criança precisa ser atendida com urgência no serviço de saúde mais próximo. A criança precisa explorar o ambiente e brincar. A família deve protegê-la de acidentes. 15 A criança de 1 a 3 anos
  • 207. O que é violência contra a criança? 16 Violência contra a criança é crime mesmo quando é praticada pelos pais com a intenção de “corrigir e educar”. Bater, xingar, deixar de atender às necessidades da criança e provocar medo são formas de violência. O abuso sexual é outra forma de violência e acontece quando o adulto usa seu poder sobre a criança para ter prazer sexual. Isso é crime. O Conselho Tutelar deve ser chamado para ajudar a família a proteger as crianças da violência. Pai ou mãe bêbados ou drogados colocam a criança em risco. A criança de 1 a 3 anos
  • 208. Violência contra a criança Todas as pessoas têm o dever de avisar o ConselhoTutelar sobre os casos de violência contra a criança. 16 Violência é qualquer tipo de agressão, mesmo quando praticada pelos pais com a intenção de “educar” a criança. A violência apresenta-se de várias formas: Violar os seus direitos. r, ameaçar, xingar, humilhar. ovocar medo. Crianças que são tratadas com violência, por exemplo, que apanham dos pais, provavelmente crescerão violentas com os outros. r prazer sexual, por meio de palavras insinuantes, do genital do adulto ou estupro. Importante: A criança que sofre violência sexual deve ser atendida por profissionais que a assistam em todos os aspectos relacionados a esse sofrimento, inclusive na avaliação da necessidade de atenção específica em DST/HIV/aids. Atenção: Criança com dificuldade para se sentar ou caminhar, dor ou coceira no genital, infecção urinária repetida, roupas manchadas ou sujas de sangue, com mudança Casos identificados de crianças vítimas de violência devem ser encaminhados ao ConselhoTutelar ou denunciados às autoridades municipais (delegado, promotor A criança de 1 a 3 anos
  • 209. 1 2 3 4 5 6 Doenças mais frequentes 17A criança de 1 a 3 anos Quando notar algum sinal de perigo para a saúde da criança, leve-a à unidade de saúde ou ao hospital mais próximo. 1- Convulsões (ataques) ou criança mais molinha, parada e com choro fraco. 2- Vomita tudo. 3- Não se alimenta, não bebe água, não mama. 4- Tosse ou dificuldade de respirar: [Tiragem subcostal (aparecem as costelas quando puxa o ar)], [Ruído esquisito ao respirar (estridor)]. 5- Emagrecimento acentuado, inchaço em ambos os pés ou palidez acentuada. 6- Diarreia: Boca seca e olhos fundos. Sinais de perigo para a criança
  • 210. Doenças mais frequentes A criança de 1 a 3 anos Infecções respiratórias agudas e diarreia podem se tornar graves se não identificadas e tratadas a tempo. Infecção respiratória aguda, diarreia e desidratação são doenças muito frequentes na infância e, se não forem identificadas e atendidas a tempo, podem se tornar graves e levar a criança à morte. Oriente a família a reconhecer os sinais dessas doenças. Sinais de infecções respiratórias agudas: Tosse ou dificuldade para respirar. ração rápida com chiado. Febre. Sinais de diarreia e desidratação: F v Vômito. Pouca urina, saliva e lágrima. Quando essas doenças se agravam, a criança apresenta os seguintes sinais: r. Tem convulsão. Vomita tudo o que bebe ou come. com urgência no serviço de saúde. 17
  • 211. A dengue e a malária são doenças transmitidas pela picada de mosquitos. Como podemos evitar dengue e malária? 18 Dengue e malária são doenças perigosas principalmente para as crianças, gestantes e idosos. Para evitar essas doenças, é preciso: r T P r ra de casa ao entardecer r A criança de 1 a 3 anos
  • 212. Malária e dengueA criança de 1 a 3 anos Para evitar dengue e malária, é preciso acabar com os criadouros e se proteger das picadas dos mosquitos. A malária e a dengue são doenças graves, principalmente em crianças, gestantes e idosos. Essas doenças são causadas por picadas de mosquitos. Para evitar a proliferação de mosquitos, é preciso: tampados. 18 Para evitar que os mosquitos piquem as pessoas, é preciso: Passar repelente na pele sempre que sair de casa. r. ra de casa ao entardecer r.
  • 213. Como deve ser uma boa creche? 19 Creche de qualidade é direito da criança e da família. A criança de 1 a 3 anos Uma boa creche deve oferecer: o desenv de expressão da criança - r r, desenhar r, dançar. rados e carinhosos. ras. a c iva os pais para i iv ência r iv crec
  • 214. CrecheA criança de 1 a 3 anos Quando a família se interessa pelas atividades da creche, a criança sente-se mais segura e valorizada. 19 A creche é um serviço para as famílias que, por vários motivos, precisam de ajuda para o cuidado da criança. Por exemplo, quando os pais trabalham em tempo integral. A creche proporciona à criança oportunidade de participar de experiências variadas junto com outras crianças e adultos. A creche contribui para o desenvolvimento da criança. Toda creche deve seguir recomendações do Ministério da Educação e estar autorizada pelo Conselho Municipal de Educação. A creche é um direito da criança e deve ter: Ambiente e materiais adequados. rados de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases de 1996. rama educativo que promova a saúde e o desenvolvimento da criança nos aspectos psicológico e social. ra a criança brincar, explorar materiais e exercitar a criatividade. Atividades de brincadeira, alimentação, higiene e repouso. Participação dos pais.
  • 215. A criança e a comunidade Como a minha comunidade cuida da criança? 20A criança de 1 a 3 anos O município tem o dever de oferecer espaços limpos e seguros onde as crianças possam brincar. A criança precisa passear pela comunidade, conviver e brincar com adultos e outras crianças. A criança com deficiência também deve brincar com as outras crianças. As pessoas da comunidade devem se unir para exigir e manter limpos e seguros os locais onde as crianças brincam.
  • 216. A criança e a comunidade A criança de 1 a 3 anos As famílias devem exigir do governo lugares limpos e seguros para o lazer das crianças. 20 A família deve levar a criança para passear pela comunidade. Assim, ela conhece outras pessoas e lugares. As famílias devem se organizar para exigir da prefeitura espaços na comunidade para as crianças brincarem (parques, praças, brinquedotecas). A criança com deficiência também precisa participar da vida da família e da comunidade, para ser conhecida e respeitada pelas pessoas e não ser discriminada. Verifique: rais e de lazer para passeios com a criança. e bibliotecas para emprestar livros de histórias. A criança precisa de locais limpos e seguros, onde possa brincar e conviver com outras crianças e com adultos da comunidade.
  • 217. Atitudes saudáveis 21 A criança gosta de conhecer a história de sua família. Além dos cuidados diários com a alimentação, higiene e sono, a criança precisa de outras atividades para se desenvolver com saúde: ras crianças. Tomar sol. nviver com outras crianças e adultos. nversar e trocar ideias. Participar da vida da família e da comunidade. ivros coloridos. A criança de 1 a 3 anos Aqui em casa todo mundo participa Como tornar a criança mais criativa?
  • 218. Atitudes saudáveis Toda criança tem direito à saúde, à educação, ao esporte, ao lazer, à cultura, à igualdade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária. Além da rotina que envolve a higiene, alimentação e sono, outras atividades são importantes para a aprendizagem e o desenvolvimento da criança: ais, sozinha e com outras crianças. rar a casa e a comunidade. Tomar sol, antes das 10 horas e após as 16 horas. nversar com outras crianças e adultos. Participar da vida da família e da comunidade. 21 Atenção: A criança não deve permanecer por muito tempo assistindo à televisão. Importante: Rabiscar papéis e olhar figuras coloridas em revistas e livros ajudam a criança a se desenvolver mais rápido. A criança de 1 a 3 anos
  • 219. 01 Entre 4 e 6 anos, a criança gosta de: F v r. v r. r v r. Como é a criança de 4 a 6 anos O que a criança gosta de fazer? Quando a criança inventa histórias, ela não está mentindo, está brincando de faz-de-conta. Esta brincadeira ajuda a desenvolver o pensamento da criança.
  • 220. Como é a criança de 4 a 6 anos 01 A criança já se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança é muito criativa, gosta de inventar histórias. A brincadeira de faz-de-conta ajuda a desenvolver o seu pensamento, que agora se apoia nas ideias e palavras. Ela já é capaz de imaginar além do que está vendo. A família deve convidar a criança a contar suas histórias. Tem mais domínio sobre suas ações e movimentos e permanece mais tempo brincando em atividades que exigem atenção, como encaixe de pequenas peças, recorte, colagem, desenho. Já sabe segurar lápis, gravetos e desenhar formas que parecem sol, bonecos, casas. Por meio do desenho, ela expressa o que vê e o que sente. Desenhar ajuda a criança a, mais tarde, aprender a ler e escrever. O pensamento e a linguagem estão mais desenvolvidos e ela se expressa com mais clareza. Sua habilidade de ouvir e sua atenção aumentaram. Preste atenção: e lhe responde? violência? e se movimentar? A criança de 4 a 6 anos O acesso à pré-escola a partir dos 4 anos é obrigatório por lei e um direito da criança.
  • 221. 02Participação Por que a criança deve participar da vida da família? A família é a principal responsável pela sobrevivência, crescimento, desenvolvimento, educação, proteção e participação da criança. A criança aprende observando e participando das atividades dos adultos e das crianças mais velhas. Os adultos precisam ensinar a criança com paciência. Os pais devem perguntar a opinião da criança. O que ela pensa precisa ser considerado. A criança aprende e se desenvolve observando e fazendo junto com os adultos o que os outros fazem, até conseguir fazer as coisas sozinha. A criança de 4 a 6 anos Vovó, me ensina a fazer uma boneca?
  • 222. 02 A criança é influenciada pelo que as outras pessoas pensam dela. Por isso, é muito importante que a família e demais cuidadores favoreçam a elevação de sua autoestima. Assim, ela será mais confiante, irá melhor na escola e será capaz de lidar com os desafios que encontrar. A criança precisa participar da vida familiar. Ela gosta quando os adultos a convidam para fazer pequenas tarefas ou pedem sua opinião. A família deve encorajar a colaboração da criança e valorizar o que ela faz. Atenção: A criança aprende com a sua família a conhecer, valorizar e respeitar os hábitos, costumes, valores e forma de ser de outras pessoas. A criança deve ser ouvida e sua opinião considerada, sempre que possível. Mostre para a família que é importante ensinar para a criança seu próprio nome e sobrenome, o nome dos pais, seu endereço, e se houver, um número de telefone. Assim poderá informar onde mora, se necessário. ParticipaçãoA criança de 4 a 6 anos Toda criança tem direito a uma família.
  • 223. 03 Menino e menina são diferentes no corpo. A família precisa ensinar às crianças que essas diferenças devem ser respeitadas. Menino e menina, homem e mulher, todos têm direitos iguais, na cidade ou no campo, sejam negros, brancos, amarelos ou indígenas, sejam gordos, magros, altos, baixos, ricos ou pobres, de qualquer religião ou credo e que tenham ou não alguma deficiência ou doença, como a aids. A família que reconhece e respeita as diferenças cria seus filhos sem preconceitos, com liberdade e respeito. Educação para a igualdade Como educar menino e menina? A criança de 4 a 6 anos
  • 224. 03 A criança aprende com sua família e com outras pessoas com quem convive o que é ser menino e menina, homem e mulher. Menino e menina, homem e mulher, todos têm direitos iguais, na cidade ou no campo, sejam negros, brancos, amarelos ou indígenas, sejam gordos, magros, altos, baixos, sejam ricos ou pobres, sejam de qualquer religião ou credo, tenham ou não alguma deficiência, diferente orientação sexual ou tenham alguma doença, como a aids. Educação para a igualdade e a diversidade A criança de 4 a 6 anos Meninos e meninas são diferentes no corpo e iguais nos direitos. Se os adultos respeitam as diferenças entre os sexos, dividem tarefas e responsabilidades e entendem que todas as pessoas têm direitos iguais, a criança vai aprender que meninos e meninas são diferentes no corpo, mas iguais nos direitos. Importante: Assim como no mundo do adulto não existem tarefas específicas de homem ou de mulher, no mundo da criança não existem brincadeiras só de menino ou só de menina. A criança pode brincar do que quiser, desde que seja seguro.
  • 225. 04 A criança aprende com a família a exigir direitos, cumprir deveres e respeitar as diferenças. Educação para a cidadania Por que educar a criança para a cidadania? A criança precisa aprender que há limites, direitos e deveres que devem ser respeitados e seguidos por todos, na família e na comunidade. A família deve dizer, com firmeza, o que a criança pode e o que não pode fazer, explicando os motivos. Combinar e manter regras ajudam a criança a respeitar o direito das outras pessoas. A família precisa definir uma rotina para a criança, como, por exemplo, hora de ir para a escola, hora do almoço e jantar, hora do banho e hora de dormir. A criança de 4 a 6 anos
  • 226. 04 Educação para a cidadaniaA criança de 4 a 6 anos As regras e normas que a criança aprende com a família são importantes para a sua vida na comunidade. A família e os educadores precisam conversar e explicar para a criança tudo o que for preciso, em todos os momentos. Cada família estabelece suas regras e normas. Algumas podem ser negociadas, outras não. A família, por meio de diálogo, deve dizer o que a criança pode ou não fazer, explicando os motivos. Mostre para a família que é importante manter relações de igualdade, de respeito mútuo, de respeito às diferenças. É importante procurar solução pacífica para os conflitos, por meio do diálogo, da colaboração, da solidariedade. A família deve respeitar as leis e as regras da sociedade, dando bons exemplos às crianças. Importante: Esse é o momento de lhes ensinar a importância da diversidade e da tolerância em relação a outras pessoas que possam ser diferentes delas. Essa é uma primeira lição de cidadania e uma grande oportunidade para construir as bases de uma vida sem preconceitos e para ensinar a criança a se relacionar com outras pessoas. Atenção: foi combinado quando ela sabe o que vai acontecer se deixar de fazer o que foi recomendado. e deveres que devem ser respeitados e seguidos por todos, na família e na comunidade.
  • 227. 05 Por que a criança deve participar da vida da comunidade? A criança aprende com as pessoas a sua volta e se desenvolve. Por isso, é importante que ela participe da vida da família e da comunidade. Festas, danças, cultos religiosos, teatro, cinema, circo são atividades que ajudam a criança a conhecer e valorizar os costumes do lugar. Todas as crianças têm direito à convivência familiar e comunitária. A criança e a comunidadeA criança de 4 a 6 anos Estatuto da Criança e do Adolescente, art. 4º
  • 228. 05 A criança deve participar da vida social e cultural do lugar onde vive. Assim, ela conhece as pessoas, seus trabalhos e como se divertem, e aprende, também, a valorizar hábitos, cultura e costumes da comunidade. A criança que é ativa dentro da comunidade, e respeitada por ela, tem um forte sentido de pertencimento, identidade e autoestima elevada. Na família, inicia-se o aprendizado básico de como se estabelecem as relações de respeito mútuo, solidariedade e responsabilidade. A criança e a comunidade A criança de 4 a 6 anos Conviver com outras pessoas ajuda a criança a compreender e a respeitar as diferenças. Preste atenção: de participar de festas, teatro, cinema, circo e outras atividades culturais. onde as famílias possam se reunir. e acolhimento das crianças, das mulheres, das pessoas mais idosas, com as pessoas como aids.
  • 229. A criança de 4 a 6 anos Brinquedotecas e bibliotecas Onde a criança pode ler e brincar? 06 As bibliotecas e brinquedotecas são espaços destinados ao lazer e à cultura. Na brinquedoteca, as crianças se encontram para brincar, ouvir e contar histórias. Na biblioteca, as pessoas de todas as idades podem ler livros, assistir a filmes e palestras, participar de cursos e oficinas. As famílias e as lideranças podem organizar brinquedotecas e bibliotecas nas suas comunidades. As famílias unidas têm mais força para exigir do governo a criação e a manutenção de espaços culturais e de lazer na comunidade.
  • 230. 06 As crianças devem ter um espaço comunitário para brincar, compartilhar ideias e desenvolver a imaginação e a aprendizagem. As brinquedotecas e bibliotecas comunitárias são espaços onde as crianças e suas famílias se encontram para brincar, construir brinquedos, ler, contar e ouvir histórias. Incentive a família a: r-se com outras famílias para exigir do governo brinquedotecas e bibliotecas para a comunidade. ivros, revistas, brinquedos para realizar atividades com as crianças. Brinquedotecas e bibliotecas É direito das famílias ter, no lugar onde moram, espaços públicos para atividades culturais e de lazer. A criança de 4 a 6 anos
  • 231. A criança deve frequentar a pré-escola a partir dos 4 anos. 07É importante a criança ter acesso à pré-escola No convívio com outras crianças e educadores, a criança brinca, desenha, ouve histórias, participa de brincadeiras e jogos. A família deve perguntar e encorajar a criança a contar o que ela fez e aprendeu na escola. É importante a participação da família nas atividades escolares. A criança com deficiência também tem direito a uma escola que permita A criança de 4 a 6 anos
  • 232. 07 É importante que, a partir de 4 anos de idade, a criança frequente a pré-escola, pois esse é um direito da criança é um dever da família e do poder público. Na pré-escola, a criança tem oportunidade de: em espaços coletivos. ímulos em diversos aspectos relacionados ao desenvolvimento neuromotor, . normas da família e da comunidade onde ela vive. Preste atenção: conquistas e ajuda a criança a superar as dificuldades. Uma boa pré-escola deve ter: massa de modelar. Centro de Educação Infantil Pré-escola de 4 a 6 anos A criança com deficiência tem direito à escola com espaço adequado para seu desenvolvimento.
  • 233. 08 Emoção e aprendizagem estão muito ligadas nessa idade. As famílias devem incentivar e participar das brincadeiras das crianças. Em vez de responder rapidamente uma pergunta da criança, desafie-a e pergunte: “o que você pensa sobre isso?” ou “como você pensa que podemos fazer isso?” Brinque com a criança e estimule sua imaginação. O desenvolvimento para a aprendizagem Como promover o pensamento e a aprendizagem da criança? A criança de 4 a 6 anos
  • 234. 08 O desenvolvimento para a aprendizagem A criança de 4 a 6 anos Quando é dada a oportunidade à criança de explorar e interagir com o ambiente em que vive, ela torna-se um aprendiz ativo e confiante. Para facilitar o aprendizado da leitura e da escrita, ofereça à criança: formas de texto. blocos, botões, adivinhação. e perguntar. A aprendizagem da criança é responsabilidade da família, da escola e da comunidade. Atenção: É importante incentivar a família a oferecer esses recursos, cantar cantigas, brincar de faz-de-conta, contar histórias Todas essas atividades favorecem o desenvolver habilidades para a resolução de problemas.
  • 235. 09 Criança sadia comunica-se também pelos gestos e pelo movimento do corpo. A criança e o movimento Você brinca com sua criança? Reserve um tempo por dia para conversar e brincar com a criança. A criança precisa se movimentar, subir e descer, correr e pular. É necessário existir nas comunidades, parques infantis, praças ou outros espaços que ofereçam lazer com segurança. As brincadeiras ajudam a criança a se desenvolver e melhoram o equilíbrio e a sustentação do corpo. É importante que a família e a escola ensinem o que se pode e o que não se pode fazer. A criança de 4 a 6 anos
  • 236. 09 Nessa idade, a criança já consegue usar talheres, tesoura, escova de dente e pente. Essas tarefas simples ajudam a coordenar melhor os movimentos do corpo. Participar de jogos cantados e brincadeiras com ritmo, dançar, pular corda, correr, jogar bola e saltar ajudam a criança a conhecer e controlar melhor o corpo. A criança deve brincar em praças e parques, onde possa subir, descer, e fazer atividades físicas com mais liberdade. Atenção: É importante que alguém da família reserve um tempo do dia para passar em companhia da criança. A criança e o movimento A criança de 4 a 6 anos Criança precisa de espaço onde possa brincar e movimentar-se com liberdade e segurança. A criança está em constante movimento a maior parte do tempo. Isso ocorre porque ela usa seu corpo para expressar pensamentos e emoções que ainda não consegue exprimir pela palavra. Movendo seu corpo, entende melhor muitas palavras e conceitos que são novos para ela. Por exemplo, se você começa a falar sobre aviões, a criança abre seus braços e “voa” em torno do espaço. A criança precisa desenvolver a coordenação motora visando à aquisição de diversas habilidades, como a escrita, o desenho e a manipulação de objetos.
  • 237. 10 Toda criança é criativa e curiosa, precisa de espaço, brinquedos e objetos para explorar. Curiosidade Por que a criança faz tanta pergunta e como responder as perguntas dela? A criança de 4 a 6 anos A criança quer conhecer seu corpo e faz muitas perguntas, como, por exemplo, por que meninos e meninas são diferentes, como os bebês nascem, como entram na barriga da mãe. A família deve responder as perguntas de forma simples e sem mentiras. A criança é criativa e curiosa. Pergunta sobre tudo, desmonta brinquedos e objetos, mexe em todas as coisas, para descobrir como são e para que servem. A criança gosta de objetos para montar e desmontar, abrir e fechar, cortar, colar, colecionar.
  • 238. 10 CuriosidadeA criança de 4 a 6 anos Criança saudável tem curiosidade de conhecer o próprio corpo e o corpo de outras pessoas. A criança tem necessidade de tocar todas as partes do corpo e costuma fazê-lo, inclusive os genitais, sem malícia ou maldade. Ela também quer saber como é o corpo das outras pessoas. Por isso, pergunta por que menina é diferente de menino, como o bebê entra na barriga da mamãe, por que os adultos têm pelos no corpo, entre outras questões. É comum que os adultos tenham dificuldade para responder todas as perguntas que a criança faz. No entanto, as perguntas devem ser respondidas de forma simples e sem mentiras. Isso é natural e não deve ser visto como distúrbio de comportamento. Por esse motivo, a criança não deve ser punida, nem castigada. A curiosidade estimula a criança a descobrir e entender as coisas. Ao desmontar um brinquedo, a criança não está querendo destruí-lo. O que ela quer é entender como ele é e como funciona. É importante que a família: ivar a criança a descobrir coisas novas. ra que servem e como funcionam as coisas. ra a criança no que ela pode e no r
  • 239. A criança e a criatividade O que minha criança gosta e sabe fazer? A criança de 4 a 6 anos 11 A criança gosta de brinquedos e de objetos para brincar e criar. É importante que a família e os profissionais da pré-escola estimulem a criança a criar, elogiem e valorizem o que ela faz. Verifique se, na sua casa e na escola, existem materiais variados para a criança brincar e criar. Elogie suas produções. Sente-se com ela e desenhe você também. Valorize e elogie o que a criança já sabe fazer.
  • 240. A criança comunica o que vê, o que pensa e o que sente, por meio da fala, dos gestos, dos sentimentos e dos desenhos. A criança gosta muito de rabiscar, desenhar, pintar e construir objetos. Materiais muito simples que a família tenha em casa são excelentes para a criança criar brinquedos caseiros: ra ou carvão servem para rabiscar e desenhar. rafas plásticas vazias e latas, para criar brinquedos. ra modelar bichinhos e bonecos. A criança tem o direito e a necessidade de brincar com brinquedos, outros objetos e pessoas. na escola. Incentive a família a mostrar para a criança a criação de algum artista ou artesão local. Assim, ela pode conhecer e valorizar o que é feito em sua comunidade. conversas, de desenhos e pinturas, de ideias diferentes ou dos movimentos corporais, demonstra sua criatividade. Estimular as experiências corporais, sensoriais e expressivas, respeitando os ritmos e desejos da criança, estimulará criatividade e um desenvolvimento mais adequado. A família deve estimular a criança a criar e deve valorizar o que ela faz. 11 A criança e a criatividadeA criança de 4 a 6 anos
  • 241. A criança e a música Por que o contato com a música é importante? A criança de 4 a 6 anos 12 A música aproxima as pessoas, diverte e desenvolve a criatividade. Por meio da música, a criança aprende, em casa ou na escola, a expressar sentimentos, a dançar com harmonia, produzir sons e ritmos e a desenvolver algumas habilidades. Muitos objetos que existem em casa podem virar instrumentos musicais. É importante pedir para ouvir as músicas que a criança aprendeu a cantar, como também ver os desenhos e as pinturas que ela fez na pré-escola. A família deve valorizar o que a criança sabe fazer e acompanhar o que a pré-escola está ensinando e o que ela está aprendendo na comunidade.
  • 242. A criança gosta de cantar, de ouvir a própria voz, de tocar instrumentos musicais e de que cantem para ela. É bom mostrar para a criança que a vida é cheia de sons e melodias. O tic-tac do relógio, o trem passando, a chuva caindo, o chiado da panela de pressão, tudo produz som e tem ritmo. A criança gosta quando seus pais constroem para ela instrumentos musicais com objetos existentes na casa. Pode ser flauta de pedaço de bambu, tambor de lata, chocalho de latinha com pedras dentro, reco-reco de madeira, etc. A criança e a música A escola e a família devem proporcionar à criança a oportunidade de criar suas próprias danças, cantos e músicas. 12 A criança de 4 a 6 anos Esses brinquedos simples ajudam a criança a se desenvolver e a criar sons, ritmo e melodia. É importante que a família esteja atenta ao que a escola ensina para a criança, como são os seus desenhos e se sabe cantar as músicas que aprendeu. A música e a dança favorecem o desenvolvimento motor, o ritmo e a memorização.
  • 243. A criança precisa ter contato com a palavra escrita e as figuras dos livros, revistas e folhetos. Os adultos devem ler para ela histórias, cartas, notícias de seu interesse no jornal, folhetos, anúncios na rua. Fazer de conta que está lendo um dos livros enriquece a imaginação e incentiva o aprendizado da leitura e da escrita. A escrita e as ilustrações são muito importantes para a criança, pois apresentam ideias e servem para planejar ações e se comunicar com outras pessoas. 13A criança e os materiais impressos Por que é importante que a criança tenha contato com livros? A criança de 4 a 6 anos
  • 244. A criança precisa ter contato desde cedo com materiais impressos, como livros, revistas e folhetos. Nessa idade, a criança gosta de ouvir histórias que as pessoas leem para ela em livros. Gosta também de pegar um livro e fazer de conta que está lendo. A família pode construir pequenas histórias, junto com a criança, com materiais disponíveis em casa. Revistas, folhetos e jornais de propaganda têm muitas figuras que podem ser recortadas para ilustrar o livro de histórias criado em casa. A criança e os materiais impressos Contar histórias cheias de magia, aventura e suspense estimula a imaginação e o desenvolvimento da criança. 13 A criança de 4 a 6 anos Pais que mostram para a criança palavras escritas estão mostrando outra forma de comunicação, incentivando o interesse pela leitura. Atenção: escritos. ílias a reunir livros e revistas e a ler para as crianças. órias, ou escritores, para animar rodas de leitura e contação de histórias na comunidade. Sugira que a família apresente diversos tipos de textos, como lendas, trava-línguas, contos e outros.
  • 245. A criança não deve passar muitas horas do dia vendo televisão, porque: rogramação da TV não deve substituir as atividades e brincadeiras. rogramas são próprios para a criança. recisa brincar com outras crianças. Aumenta o risco de obesidade infantil, pois as crianças ficam paradas e comem mais salgadinhos e doces em frente da televisão. A família tem a responsabilidade de selecionar o que a criança pode ver na televisão. A criança e a televisão Converse com a criança sobre o que ela vê na televisão. Os valores da família são mais importantes do que aqueles que a televisão transmite. 14 Quanto tempo minha criança passa vendo televisão? A criança de 4 a 6 anos Existem vários outros momentos de lazer além da televisão.
  • 246. A televisão leva às casas informações, cultura e lazer. Porém é necessário que a família fique atenta ao tempo em que a criança passa vendo televisão e ao tipo de programação a que assiste. Sugira à família que estabeleça os horários para o uso da televisão, além de explicar a quais os programas que ela pode assistir. Passar muito tempo somente vendo TV, impede que a criança participe de outras atividades e brincadeiras, e faz com que veja programas não recomendados para sua idade. A criança e a televisão 14 A criança de 4 a 6 anos A televisão não pode substituir as outras atividades e brincadeiras da criança. É importante que a família assista aos programas junto com a criança e converse com ela sobre o que assistiram. Os profissionais da educação infantil devem orientar as famílias sobre o uso da televisão. Os valores expostos pela televisão não podem anular ou substituir aquilo em que as famílias acreditam e que praticam. Atenção: Sugira que a família não faça suas refeições diante da televisão. Esse momento é de convivência e diálogo.
  • 247. Evite ter em casa refrigerantes, salgadinhos, balas e doces. Sempre é difícil dizer não aos filhos quando há disponibilidade desses produtos. Alimentos de cores variadas têm vários tipos de nutrientes de que o corpo precisa para a saúde e o crescimento das crianças. Os alimentos frescos, da região e da época, preparados com pouca gordura, pouco sal e pouco açúcar, são mais saudáveis. Quando a família tem bons hábitos alimentares, ensina, naturalmente, a criança a se alimentar de forma saudável. Alimentação A criança se alimenta melhor quando come junto com os familiares, num ambiente sem brigas e distrações. 15 Por que é importante comer alimentos variados? A criança de 4 a 6 anos
  • 248. Nessa fase, a criança entende melhor o valor da alimentação para a sua saúde. É importante explicar o que os alimentos fazem dentro do corpo: verduras são ricos contra doenças. ovos, peixes têm proteínas que formam os músculos, o cérebro os ossos e os dentes. F verde-escuras e carnes v A criança gosta de acompanhar as pessoas na compra, colheita e preparo dos alimentos. Alimentaçãode 4 a 6 anos independência para saber da importância de comer certos alimentos. verdura de folha verde-escura, um pedacinho de carne, acompanhado de suco ou fruta, tem os nutrientes de que o corpo precisa. tem vontade, escolhe o que quer comer e, a criança a comer todos os tipos variada contém todos os nutrientes de que ela precisa para crescer e se desenvolver 15
  • 249. Hábitos de higiene Como ensinar os hábitos de higiene? Nessa idade, a criança já pode, sozinha, tomar banho, escovar os dentes, lavar as mãos antes de comer e depois de usar o banheiro, pentear o cabelo, sempre acompanhada de um adulto. Manter o quintal, a casa e as roupas limpos e os objetos organizados ajuda a criança a entender a importância de organizar e cuidar de suas coisas. A criança se desenvolve melhor e adoece menos num ambiente limpo. A criança de 4 a 6 anos 16
  • 250. Os hábitos de higiene pessoal já devem fazer parte da rotina da criança. Tomar banho, escovar os dentes, lavar as mãos antes das refeições e depois de usar o banheiro e pentear os cabelos são atividades que a criança já pode fazer sozinha, sempre supervisionada por um adulto. Quando a família cuida da higiene da casa, da limpeza do quintal e das áreas públicas da comunidade, ensina à criança a importância dos bons hábitos de higiene. As instituições de educação infantil podem convidar as crianças a realizar um mutirão de limpeza na pré-escola. Hábitos de higiene A criança aprende a cuidar da higiene do corpo, da casa e da comunidade com o exemplo dos adultos. A criança de 4 a 6 anos Sugira à família que aproveite, por exemplo, ao lavar as mãos, a oportunidade para falar sobre a água, sua temperatura, a sensação da água na pele da criança e que lavar as mãos evita doenças. Para que a família possa manter limpos a casa e o ambiente em que vive, é preciso que tenha acesso aos serviços de saneamento básico - água tratada, coleta de lixo e esgoto. Lembre que os momentos de higiene podem ser muito divertidos. 16
  • 251. A família ensina a criança a cuidar do meio ambiente quando, no dia a dia, cuida bem dos animais e das plantas, mantém limpos e organizados a casa, o quintal, o jardim, coloca o lixo em local adequado, usa água e energia elétrica sem desperdício. Verifique se a escola cuida e ensina a criança a cuidar do meio ambiente. Ao ajudar a família a cuidar de plantas e animais, a criança aprende a respeitar a natureza. 17Por que é importante cuidar do meio ambiente? A criança de 4 a 6 anos A criança precisa aprender com o exemplo dos adultos a preservar, respeitar e cuidar das plantas, dos animais, dos rios, das árvores.
  • 252. A criança que tem a oportunidade de conviver com pequenos animais e plantas fica interessada e curiosa a respeito do nascimento, crescimento e reprodução dos seres vivos. Lembre-se de alertar a família quanto ao cuidado com a higiene dos animais domésticos. Uma excelente oportunidade para que a criança aprenda a preservar o meio ambiente é ensiná-la como plantar alguma semente, cuidar da plantinha, e acompanhar seu crescimento. O meio ambiente A criança aprende com a família a cuidar do meio ambiente, a respeitá-lo e preservá-lo. 17 A criança de 4 a 6 anos É preciso que os adultos tratem com respeito animais, plantas, rios, árvores, para que a criança aprenda a cuidar dos seres vivos e a respeitar os recursos naturais do meio ambiente. A família deve tratar bem os animais e plantas, colocar o lixo em local adequado, usar água e energia elétrica sem desperdício. Isso tudo mostra a importância da participação da criança, enfatiza que ela também é responsável pelo cuidado com o meio ambiente. Cuidar do meio ambiente é cuidar da própria vida.
  • 253. A criança de 4 a 6 anos Como evitar malária e dengue? 18 A família deve ensinar a criança como se prevenir da dengue e da malária. Além de controlar o foco de mosquitos, é preciso proteger a criança das picadas com atitudes como: ários . água parada. O mosquito da dengue não respeita cerca, nem muro, por isso, todas as famílias devem manter limpos seus quintais. Vamos organizar este quintal.
  • 254. A criança, nessa fase, já pode ser informada sobre como se transmite a malária e a dengue. Os adultos podem convidá-la para ajudar na limpeza do jardim e do quintal e aproveitar a oportunidade para mostrar a ela os ovos e as larvas dos mosquitos depositados em água limpa e parada. Para eliminar os focos dos mosquitos, é preciso: Eliminar objetos que acumulem água limpa, como vasos de flores, pneus, garrafas, tampinhas. Manter tanques e caixas d’água tampados. Capinar os matos dos terrenos próximos à casa. Para se proteger das picadas, é preciso: Evitar ficar fora da casa no entardecer e amanhecer. Usar repelente ao sair de casa. Não tomar banho no rio no final da tarde. Usar mosquiteiro. Atenção: A criança precisa ser ensinada a eliminar os focos dos mosquitos e também a se proteger das picadas. Malária e dengue são doenças graves que podem até matar. Malária e dengue Os cuidados com o meio ambiente ajudam a prevenir a dengue e a malária. 18 A criança de 4 a 6 anos
  • 255. Para proteger as crianças dos vermes, é preciso: avar as mãos antes de preparar e comer os alimentos e depois de usar o banheiro. limpos e medicados contra os vermes. toalha. Criança com verminose pode ficar fraca, por causa da anemia. Pode ter tosse seca, barriga grande, coceira no ânus e nos genitais. 19 Bons hábitos de higiene e acesso a serviços de saneamento básico são fundamentais para evitar as verminoses. Verminose Como proteger as crianças dos vermes? A criança de 4 a 6 anos Vovó me ensinou a lavar sempre as mãos depois de fazer cocô.
  • 256. Nessa fase, é comum a criança ter vermes, porque está em contato com terra, brinca descalça em lugares contaminados, coloca a mão suja na boca. O mais comum é que os vermes entrem no organismo pela boca, por meio da água, alimentos ou mãos contaminadas. Criança com verminose pode desenvolver anemia, barriga grande, desânimo, palidez, tosse seca, coceira no ânus e nos genitais. Se a verminose não for tratada, poderá prejudicar o desenvolvimento da criança. Alguns hábitos simples ajudam a evitar os vermes: alimentos e depois de usar o banheiro. em sacos plásticos. caracol. sempre levar a criança à Unidade de Saúde. Verminose As famílias têm direito a serviços de saneamento, saúde e educação para que possam manter sua qualidade de vida. 19 A criança de 4 a 6 anos
  • 257. A criança terá dentes fortes e saudáveis se os cuidados começarem ainda na gestação: v v 20Saúde bucal A saúde da boca depende de alimentação saudável e boa higiene bucal. Como ter dentes saudáveis?
  • 258. Entre 4 e 6 anos de idade, a criança começa a perder os dentes de leite e, no lugar desses, nascem os dentes permanentes. Por volta dos 6 anos, os molares nascem na parte posterior da boca. Esses dentes também são permanentes. Se a criança teve a oportunidade de aprender a cuidar dos dentes de leite, agora fica mais fácil manter a higiene dos dentes permanentes. Para evitar problemas. A criança precisa de alimentação saudável, evitando doces e refrigerantes. A criança deve escovar os dentes ao acordar, depois das refeições, antes de dormir e toda vez que comer ou tomar algo doce. A criança deve ter uma escova de dentes só para ela, e esta deve ser trocada com frequência. Também é importante levar a criança ao dentista, pelo menos uma vez ao ano. Os dentes devem ser escovados da seguinte maneira: de dentro como na de fora. ovada com movimento de vaivém. Por fim, escovar a língua. Saúde bucal 20 A saúde da boca depende de uma alimentação saudável e de bons hábitos de higiene. A criança de 4 a 6 anos
  • 259. É bom que os pais de crianças com deficiência conheçam outros pais que também tenham filhos na mesma condição para que possam trocar experiências, lutar pelos direitos dos seus filhos e se sentir mais fortalecidos para amar, proteger e cuidar de sua criança de forma integral. 21 Criança com deficiência precisa de muito amor, atenção, cuidados e proteção, como todas as outras crianças. Criança com deficiência Como lidar com as deficiências? A criança de 4 a 6 anos Criança com deficiência precisa brincar com outras crianças e frequentar os espaços infantis, sem discriminação ou preconceito.
  • 260. Todas as crianças devem ser amadas, protegidas e educadas. As crianças com deficiência precisam de muito amor, atenção, cuidados e proteção. Precisam também brincar com outras crianças para aprender e se desenvolver. É importante que os pais tenham acesso às informações relacionadas à deficiência de seu filho. A criança precisa passear na comunidade, participar das festas e comemorações. Assim as pessoas vão conhecendo e compartilhando atividades prazerosas com ela. O que mais atrasa o desenvolvimento de uma criança com deficiência é mantê-la isolada ou tratá-la de forma diferente das outras crianças. É importante que a família conheça outras famílias com crianças com deficiência para que possam trocar suas experiências e lutar pelos direitos de seus filhos. Os pais devem ser informados de que é direito da criança com deficiência frequentar a pré-escola e de que é proibido a escola recusá-la pelo fato de ser deficiente. Criança com deficiência É dever do poder público assegurar à criança com deficiência atendimento adequado. 21 A criança de 4 a 6 anos
  • 261. 22 Criança precisa de espaço para brincar e de cuidados para não se machucar. Prevenção de acidentes Como proteger a criança de acidentes? A criança de 4 a 6 anos Cabos de panela devem ficar voltados para dentro do fogão. Remédios, venenos e produtos de limpeza devem ser guardados fora do alcance das mãos e da vista. Facas, tesouras, sacos plásticos, fósforos e outros objetos que possam machucar devem ser mantidos fora do alcance das crianças. Fossas, valetas, poços e tanques d’água devem ser mantidos tampados. Em caso de acidente, a criança precisa ser levada com urgência ao serviço de saúde e, em caso de envenenamento ou intoxicação, a família deve saber informar que produto ela tomou.
  • 262. Prevenção de acidentes É dever da família cuidar da criança e protegê-la dos acidentes em casa e na comunidade. 22 Alguns cuidados podem evitar que a criança sofra acidentes em casa e na comunidade:
  • 263. Toda agressão contra a criança é violência, mesmo se for praticada pelos pais com a intenção de “educar”. Não atender às necessidades de afeto, alimentação, saúde, educação, higiene e repouso também são formas de violência. Criança que é tratada com respeito também respeita os outros. O Conselho Tutelar ajuda as famílias nos casos de violência contra a criança. 23Violência contra a criança Violência contra a criança é crime, mesmo quando os pais têm intenção de “educar”. O que são maus-tratos e violência? A criança de 4 a 6 anos
  • 264. A violência contra a criança não se manifesta só nas ruas. Costuma ser praticada pelas pessoas que convivem com a criança. Muitas vezes, essas pessoas agem com violência, achando que estão educando a criança. Não atender às necessidades de saúde, alimentação, higiene, repouso é uma forma de violência, chamada negligência. Bater, espancar, beliscar, puxar orelha, gritar, acusar, xingar, zombar, humilhar, discriminar, ameaçar, meter medo, ser autoritário, rejeitar ou exigir demais de uma criança também são formas de violência e têm impacto negativo na sua autoestima e no seu desenvolvimento. Toda pessoa que presenciar ou souber de casos de violência contra a criança deve notificar o Conselho Tutelar, o Juizado da Infância e da Adolescência, o Promotor Público ou mesmo o delegado de polícia. Preste atenção: Se a criança se mostra insegura, com medo ou muito agressiva, pode estar sofrendo maus-tratos. Procure conversar com a família e esclarecer que violência contra a criança não educa e é crime. Os profissionais de saúde têm a obrigação de comunicar ao Conselho Tutelar local a suspeita ou confirmação de maus-tratos à criança. Violência contra a criança A criança de 4 a 6 anos Crianças que sofrem violência podem crescer inseguras, medrosas ou se tornar adultos violentos. 23
  • 265. A família deve suspeitar de violência ou abuso sexual se a criança passa a apresentar distúrbio de comportamento como: A maior parte dos casos de violência e abuso sexual contra a criança é praticada 24 Todas as pessoas têm o dever de denunciar ao Conselho Tutelar casos suspeitos ou confirmados de violência sexual contra a criança. Como desconfiar de abuso sexual? A criança de 4 a 6 anos
  • 266. O abuso sexual contra a criança normalmente é praticado por pessoas conhecidas ou que convivem com ela, como parentes, vizinhos, amigos. Tanto as meninas como os meninos podem ser vítimas de abuso sexual, e o agressor pode ser homem ou mulher. Alguns sinais podem indicar que a criança está sendo vítima de abuso sexual: outros de maneira compulsiva. para a idade. assistam em todos os aspectos relacionados Preste atenção: e que participam de cenas de agressões inseguras ou com comportamentos inadequados. Pode ser que a criança mostre sinais de abuso sexual por meio dos desenhos, brincadeiras e jogos. Abuso sexual A criança de 4 a 6 anos 24
  • 267. O adulto precisa manter a calma para atender a criança. Quando pega fogo nas roupas, é preciso cobrir o corpo da criança com um pano até que o fogo se apague. A criança deve beber bastante água para evitar a desidratação. Não se deve furar as bolhas e nem passar pomadas ou remédios caseiros (exemplo: pasta de dente, manteiga). Compressa de água fria com pano limpo ajuda a diminuir a dor. É preciso levar a criança ao serviço de saúde, pois queimadura pode infeccionar e deixar cicatrizes. 25 Prevenir os acidentes domésticos ainda é o melhor remédio. Primeiros socorros - queimaduras O que fazer quando a criança se queima? A criança de 4 a 6 anos
  • 268. A criança pode sofrer queimaduras por diferentes motivos: O que fazer: O que não se deve fazer: A família deve proteger a criança dos acidentes domésticos. Primeiros socorros - queimaduras 25
  • 269. v v v v v v v 26 A criança precisa ser protegida dos acidentes domésticos. Primeiros socorros – quedas O que fazer quando a criança cai?
  • 270. Criança saudável corre, pula, sobe e desce. Por isso, pode cair e se ferir. Nos pequenos cortes e ferimentos, basta lavar o local com água e sabão, secar a pele e cobrir com curativo, e fazer compressas com gelo para diminuir o inchaço. As quedas de lugares altos podem causar fraturas e hemorragias. É preciso muito cuidado ao atender a criança, pois as quedas de lugares altos podem ter atingido a cabeça, o pescoço e a coluna vertebral. O que fazer: Identificar o local onde está sangrando. Aquecer a criança. Se estiver inconsciente, não dar nada para ela beber. Cobrir os ferimentos com um pano limpo. Comprimir o local do sangramento. Não tentar retirar cacos de vidro ou lascas de madeira dos ferimentos. Se houver serviço de emergência, chamar pelo telefone. Levar a criança imediatamente ao serviço de saúde. Se a criança cair e permanecer inconsciente, não mexer, nem tentar remover. Manter a criança na posição em que caiu. Chamar o SAMU (192) ou serviço especializado de socorro. Criança precisa de espaço para brincar e de proteção contra os acidentes. Primeiros socorros – quedas A criança de 4 a 6 anos 26
  • 271. As crianças em situações de desastres (enchentes, deslizamentos, seca...) 27 O poder público deve oferecer assistência às vítimas de desastres nas várias áreas, incluindo atividades lúdicas e apoio para as crianças e suas famílias. A criança de 4 a 6 anos Caso as crianças vítimas de um desastre tenham que ficar em um abrigo temporário, recomendam-se os seguintes cuidados: os cuidados básicos de higiene, saúde, nutrição, para que retornem ou continuem e não abandonem As crianças devem ser atendidas em primeiro lugar especialmente durante os desastres
  • 272. Todas as pessoas que são vítimas de um desastre devem ser atendidas adequadamente, mas as crianças devem receber atenção prioritária. São consequências imediatas para as crianças: desnutrição, surtos de doenças infecciosas, interrupção das atividades escolares, perda da moradia e do contato com a família, riscos de abuso sexual e outras formas de violência. São efeitos de longo prazo para as crianças: comprometimento da saúde e da nutrição, atraso educacional e traumas psicológicos permanentes. Atenção: Caso as crianças vítimas de um desastre tenham que ficar em um abrigo temporário, recomendam-se os seguintes cuidados: básicos de higiene, saúde, nutrição, segurança, proteção e educação. para que retornem ou continuem e não abandonem o aleitamento materno exclusivo. decidir se há necessidade de complementar o calendário e oferecer apoio psicossocial para as crianças e suas famílias. desastres nas várias áreas, incluindo atividades lúdicas e apoio para as crianças e suas famílias. O tempo de permanência no abrigo deve ser o menor possível e deve-se evitar o uso de escolas como abrigos temporários. 27 As crianças em situações de desastres (enchentes, deslizamentos, seca...) de 4 a 6 anos