1 1E. Marques - Modelo URCA
URCA – UM MÉTODO DE ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS
COM FOCO EM SISTEMAS COMPLEXOS
PROF. EDUARDO MARQUE...
2
“FILOSOFIA” DO MÉTODO URCA
2E. Marques - Modelo URCA
1. “SUITE PROSPECTIVA”: CONJUNTO DE MODELOS QUALITATIVOS E
QUANTITA...
3
O QUE BUSCAMOS COM CENÁRIOS
3E. Marques - Modelo URCA
ESTRUTURAR A INCERTEZA DO FUTURO (MICHEL GODET)
IDENTIFICAR PROCES...
4
CENÁRIOS
4E. Marques - Modelo URCA
QUE METODOLOGIAS PODEM SER APLICADAS?
1. NÃO HÁ UMA METODOLOGIA PADRÃO PARA ESTE FIM
...
5
CENÁRIOS
5E. Marques - Modelo URCA
DESCRIÇÃO DO PROCESSO URCA
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
1. ESCOPO DO
ESTUDO
3. AVALIAÇÃO
DA
CONJUNTURA
2. ESTUDOS
RETROSPECTIVOS
4. TRANSFERÊNCIA
DE TECNOLOGIA
(TREINAMENTO)
5. S...
20
CENÁRIOS
20E. Marques - Modelo URCA
UM EXEMPLO DE APLICAÇÃO DO
MODELO URCA
21 21E. Marques - Modelo URCA
Elencar as variáveis
22 22E. Marques - Modelo URCA
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15
URCA MATRIX: INFLUENCE OF ROW ON COLUMN
U - UNIDIRECTION...
23 23E. Marques - Modelo URCA
Identificar as incertezas-críticas
1.815 INFLAÇÃO
1.787 ECONOMIA MUNDIAL
1.663 CONFLITOS REG...
INCERTEZA CRÍTICA ESTADO FUTURO 1 ESTADO FUTURO 2 ESTADO FUTURO 3
INFLAÇÃO Explode Controlada Deflação
ECONOMIA MUNDIAL
Em...
ECONOMIA
MUNDIAL
DIVISÃO
INTERNACIONAL
DO TRABALHO
EDUCAÇÃO
NACIONAL
POUPANÇA
DOMÉSTICA
INVESTIMENTO
EM DEFESA
NACIONAL
IN...
27
Atores em ação
27E. Marques - Modelo URCA
FORJAM O FUTURO, ANTECIPAM
ESTRATÉGIAS DEVIDO À
PERCEPÇÃO DAS MUDANÇAS
PRATIC...
28
Lista de Atores e Objetivos
28E. Marques - Modelo URCA
ATORES (ORDEM ALFABÉTICA)
1. CRIME ORGANIZADO
2. EMPRESAS PRIVAD...
ContrInfla
EstFinInte
AbertCom
DomTecn
IntegReg
DesSust
DesTecn
OfertaEner
PazReg
ContrNarco
MelSegPub
GarDefNac
ProtEstru...
E. Marques - Modelo URCA 30
ALIANÇAS/CONVERGÊNCIAS ENTRE ATORES
MODELO MACTOR (MICHEL GODET)
E. Marques - Modelo URCA 31
CONFLITOS/DIVERGÊNCIAS ENTRE ATORES
MODELO MACTOR (MICHEL GODET)
32 32E. Marques - Modelo URCA
MODELO PROJETAR_S
33 33E. Marques - Modelo URCA
MODELO PROJETAR_S
BASEADO EM CURVAS LOGÍSTICAS PARA REGRESSÃO E
COMPORTAMENTO FUTURO DE PARÂ...
34 34E. Marques - Modelo URCA
21%:
“PONTO
FUTURO”
35 35E. Marques - Modelo URCA
36 36E. Marques - Modelo URCA
37 37E. Marques - Modelo URCA
OBRIGADO
eduardo.marques@fgv.br
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

URCA: Um Método de elaboração de cenários com foco em sistemas complexos

673 views

Published on

A Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, realizou, em conjunto com o Ipea, no dia 21 de agosto de 2013, o Seminário sobre Metodologias de Construção de Cenários Prospectivos. O Prof. Eduardo Marques, gerente de relações internacionais da FGV, um dos palestrantes convidados, utilizou estes slides para sua apresentação.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
673
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
56
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

URCA: Um Método de elaboração de cenários com foco em sistemas complexos

  1. 1. 1 1E. Marques - Modelo URCA URCA – UM MÉTODO DE ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS COM FOCO EM SISTEMAS COMPLEXOS PROF. EDUARDO MARQUES GERENTE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS/FGV SEMINÁRIO SOBRE METODOLOGIAS DE CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS PROSPECTIVOS IPEA / SAE BRASÍLIA – 21/AGO/2013
  2. 2. 2 “FILOSOFIA” DO MÉTODO URCA 2E. Marques - Modelo URCA 1. “SUITE PROSPECTIVA”: CONJUNTO DE MODELOS QUALITATIVOS E QUANTITATIVOS QUE SE COMBINAM PARA AJUDAR A IDENTIFICAR E ENTENDER FUTUROS POSSÍVEIS 2. POSTURA MENTAL CRIATIVA E DE RUPTURA COM “IDEIAS PRECONCEBIDAS”, EXERCITADA EM GRUPOS MULTIDISCIPLINARES 3. POSTURA PROSPECTIVA: 1. FUTURO SERÁ DIFERENTE DO PASSADO 2. EXPLICITAR ESTRATÉGIAS DE ATORES – ESTES FORJAM O FUTURO 3. A REALIDADE É UM SISTEMA COMPLEXO, COM GRANDE NÚMERO DE VARIÁVEIS DE NATUREZA DIVERSA E EM CONSTANTE INTERAÇÃO 4. A INCERTEZA INTRINSECA DOS SISTEMAS COMPLEXOS IMPEDE DE “ADIVINHAR O FUTURO”
  3. 3. 3 O QUE BUSCAMOS COM CENÁRIOS 3E. Marques - Modelo URCA ESTRUTURAR A INCERTEZA DO FUTURO (MICHEL GODET) IDENTIFICAR PROCESSOS CAUSAIS E PONTOS DE DECISÃO (HERMAN KAHN) CENÁRIOS: DESCRIÇÕES DE FUTUROS ALTERNATIVOS PLAUSÍVEIS, CRIADOS SOBRE UM SISTEMA COMPLEXO, FORMADO POR VARIÁVEIS INTER- RELACIONADAS E ESTRATÉGIAS DE ATORES SÓCIO-ECONÔMICOS.
  4. 4. 4 CENÁRIOS 4E. Marques - Modelo URCA QUE METODOLOGIAS PODEM SER APLICADAS? 1. NÃO HÁ UMA METODOLOGIA PADRÃO PARA ESTE FIM 2. AS METODOLOGIAS ADOTADAS SÃO BASEADAS EM UMA COMBINAÇÃO DE MÉTODOS, COMO BRAINSTORMING, DELPHI, ANÁLISE MORFOLÓGICA, PAINEIS DE ESPECIALISTAS, WORKSHOPS, SWOT, ENTREVISTAS, MODELOS DE REDE, MODELOS MACROECONÔMICOS, …
  5. 5. 5 CENÁRIOS 5E. Marques - Modelo URCA DESCRIÇÃO DO PROCESSO URCA
  6. 6. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008)
  7. 7. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008) • TEMA • HORIZONTE • ABRANGÊNCIA
  8. 8. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008) • TEMAS RELEVANTES • ESTUDOS ESPECÍFICOS • ESTUDOS SETORIAIS
  9. 9. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008) • ECONÔMICA • POLÍTICA • SOCIAL • TECNOLÓGICA • AMBIENTAL
  10. 10. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008) TREINAMENTO DA EQUIPE NO MÉTODO E NOS MODELOS
  11. 11. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008) DETERMINAÇÃO DO SISTEMA, DAS VARIÁVEIS E DOS ATORES
  12. 12. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008) • ATORES / TEMAS / VARIÁVEIS • QUESTIONÁRIOS / ENTREVISTAS • MESAS REDONDAS
  13. 13. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008) • MATRIZ ESTRUTURAL (URCA) • HIERARQUIZAÇÃO DE VARIÁVEIS
  14. 14. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008) • ATORES RELEVANTES • OBJETIVOS • ALIANÇAS / CONFLITOS (MACTOR)
  15. 15. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008) • MATRIZ MORFOLÓGICA • COMBINAÇÕES ENTRE ESTADOS FUTUROS • CENÁRIOS IDENTIFICADOS
  16. 16. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008) • MODELO MACRO- ECONÔMICO (PROJ_S) • IMPACTO SOBRE VARIÁVEIS ALVO (IMPACT)
  17. 17. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008) • CENÁRIOS INICIAIS • APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO • ESCOLHA DOS CENÁRIOS
  18. 18. 1. ESCOPO DO ESTUDO 3. AVALIAÇÃO DA CONJUNTURA 2. ESTUDOS RETROSPECTIVOS 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA (TREINAMENTO) 5. SISTEMA EM ESTUDO VARIÁVEIS E ATORES 6. CONSULTAS A PARTES INTERESSADAS 7. ANÁLISE ESTRUTURAL INCERTEZAS CRÍTICAS 8. ESTRATÉGIAS DE ATORES 9. ANÁLISE MORPOLÓGICA 10. QUANTIFICAÇÃO 11. CONSOLIDAÇÃO 12. CENÁRIOS O MODELO URCA: 12 ETAPAS PARA O FUTURO (MARQUES, 2008) RELATÓRIO FINAL
  19. 19. 20 CENÁRIOS 20E. Marques - Modelo URCA UM EXEMPLO DE APLICAÇÃO DO MODELO URCA
  20. 20. 21 21E. Marques - Modelo URCA Elencar as variáveis
  21. 21. 22 22E. Marques - Modelo URCA 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 URCA MATRIX: INFLUENCE OF ROW ON COLUMN U - UNIDIRECTIONAL R - REVERSAl C - CIRCULAR A - ABSENT ECONOMIAMUNDIAL DIVISÃOINTERNACIONALDOTRABALHO EQUILÍBRIODOSISTEMAFINANCEIROINTERNACIONAL PIBDOBRASIL TAXADEINVESTIMENTO POUPANÇADOMÉSTICA ABERTURACOMERCIAL INFLAÇÃO PROGRAMASSOCIAISPÚBLICOS EDUCAÇÃONACIONAL INVESTIMENTOEMCIÊNCIA&TECNOLOGIA EXPLORAÇÃODERECURSOSENERGÉTICOS CONFLITOSREGIONAIS SEGURANÇAPÚBLICA INVESTIMENTOEMDEFESANACIONAL 1 ECONOMIA MUNDIAL 1 C C U U U C C A A R C C U U 2 DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO C 2 A U A A U U U C U U R A U 3 EQUILÍBRIO DO SISTEMA FINANCEIRO INTERNACIONAL C 3 C U U C U A A U U R C U 4 PIB DO BRASIL C 4 U R C R U U U A R U U 5 TAXA DE INVESTIMENTO 5 U C R U U U U U A U 6 POUPANÇA DOMÉSTICA U 6 A C U C A A R A A 7 ABERTURA COMERCIAL C C C C 7 C A A C C C A U 8 INFLAÇÃO C U U C C 8 C C U U U U U 9 PROGRAMAS SOCIAIS PÚBLICOS C 9 C R U U C U 10 EDUCAÇÃO NACIONAL C C C C 10 C C C C C 11 INVESTIMENTO EM CIÊNCIA & TECNOLOGIA U C U C 11 C C U C 12 EXPLORAÇÃO DE RECURSOS ENERGÉTICOS C C C C 12 R C C 13 CONFLITOS REGIONAIS C U U U U C C C U 13 A U 14 SEGURANÇA PÚBLICA C C C C 14 U 15 INVESTIMENTO EM DEFESA NACIONAL C C C 15 Montar a matriz estrutural do sistema
  22. 22. 23 23E. Marques - Modelo URCA Identificar as incertezas-críticas 1.815 INFLAÇÃO 1.787 ECONOMIA MUNDIAL 1.663 CONFLITOS REGIONAIS 1.574 EQUILÍBRIO DO SISTEMA FINANCEIRO INTERNACIONAL 1.568 ABERTURA COMERCIAL 1.516 DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO 1.205 PIB DO BRASIL 1.182 TAXA DE INVESTIMENTO
  23. 23. INCERTEZA CRÍTICA ESTADO FUTURO 1 ESTADO FUTURO 2 ESTADO FUTURO 3 INFLAÇÃO Explode Controlada Deflação ECONOMIA MUNDIAL Em expansão Manutenção Em crise CONFLITOS REGIONAIS Ocorre com Brasil envolvido Ocorre sem Brasil envolvido Nao ocorre EQUILÍBRIO DO SISTEMA FINANCEIRO INTERNACIONAL Em equilíbrio Perturbações Crise ABERTURA COMERCIAL Crescente, com melhoria de relações de troca Manutenção Perfil desfavorável, com piora nas relações de troca DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO Intensivo em conhecimento Intensivo em tecnologia atual Intensivo em tecnologia c/ > volume agregado PIB DO BRASIL Cresce de forma sustentável Não cresce Recessão TAXA DE INVESTIMENTO Cresce com aumento da produtividade do capital Cresce sem aumento da produtividade do capital Estabiliza-se IDEIAS-FORÇA “MAIS COM MAIS” ? ? E. Marques - Modelo URCA 25 MATRIZ MORFOLÓGICA – DESCOBERTA DE CENÁRIOS
  24. 24. ECONOMIA MUNDIAL DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO EDUCAÇÃO NACIONAL POUPANÇA DOMÉSTICA INVESTIMENTO EM DEFESA NACIONAL INVESTIMENTO EM CIÊNCIA & TECNOLOGIA PIB DO BRASIL ABERTURA COMERCIAL EXPLORAÇÃO DE RECURSOS ENERGÉTICOS INFLAÇÃO CONFLITOS REGIONAIS E. Marques - Modelo URCA 26 MODELO TRILHA - SEQUÊNCIA DE EVENTOS
  25. 25. 27 Atores em ação 27E. Marques - Modelo URCA FORJAM O FUTURO, ANTECIPAM ESTRATÉGIAS DEVIDO À PERCEPÇÃO DAS MUDANÇAS PRATICAM JOGOS DE INTERESSE (ALIANÇAS/CONFLITOS) QUE INFLUEM NA FORMAÇÃO DO FUTURO NECESSIDADE DE INSERIR AS ESTRATÉGIAS DE ATORES NOS ESTUDOS DE FUTURO
  26. 26. 28 Lista de Atores e Objetivos 28E. Marques - Modelo URCA ATORES (ORDEM ALFABÉTICA) 1. CRIME ORGANIZADO 2. EMPRESAS PRIVADAS BRASILEIRAS 3. EXECUTIVO BRASILEIRO 4. FORÇAS ARMADAS 5. LEGISLATIVO BRASILEIRO 6. MULTINACIONAIS DE BASE TECNOLÓGICA 7. ORGANISMOS REGIONAIS 8. ORGANISMOS FINANCEIROS INTERNACIONAIS OBJETIVOS GERAIS 1. CONTROLE DA INFLAÇÃO 2. ESTABILIDADE DO SISTEMA FINANCEIRO INTERNACIONAL 3. ABERTURA COMERCIAL 4. DOMÍNIO TECNOLÓGICO 5. INTEGRAÇÃO REGIONAL 6. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 7. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 8. OFERTA DE ENERGIA 9. PAZ REGIONAL 10. CONTROLE DO NARCOTRÁFICO 11. MELHORIA DA SEGURANÇA PÚBLICA 12. GARANTIA DE DEFESA NACIONAL 13. PROTEÇÃO DA INFRAESTRUTURA NACIONAL
  27. 27. ContrInfla EstFinInte AbertCom DomTecn IntegReg DesSust DesTecn OfertaEner PazReg ContrNarco MelSegPub GarDefNac ProtEstrut CrimeOrg EmprPriv ExecBras FFAA LegisBras MultiTecn OrgReg OrgFinInt 0 0 1 0 -2 0 0 0 -2 -4 -4 -3 0 2 3 2 -2 1 -1 3 0 0 0 0 0 0 4 4 2 -2 4 2 3 4 3 4 4 3 4 1 0 0 -2 2 0 3 1 3 3 2 4 4 1 2 0 0 2 2 2 1 3 3 2 2 2 1 4 4 4 1 2 4 4 1 0 2 0 2 2 3 3 -2 4 4 1 2 4 4 2 0 0 3 4 4 0 1 2 0 2 2 0 1 0 0 ©LIPSOR-EPITA-MACTOR 2MAO MODELO MACTOR (MICHEL GODET) NÍVEL DE APOIO (+) OU OPOSIÇÃO (-) DO ATOR FRENTE AO OBJETIVO ATORES OBJETIVOS
  28. 28. E. Marques - Modelo URCA 30 ALIANÇAS/CONVERGÊNCIAS ENTRE ATORES MODELO MACTOR (MICHEL GODET)
  29. 29. E. Marques - Modelo URCA 31 CONFLITOS/DIVERGÊNCIAS ENTRE ATORES MODELO MACTOR (MICHEL GODET)
  30. 30. 32 32E. Marques - Modelo URCA MODELO PROJETAR_S
  31. 31. 33 33E. Marques - Modelo URCA MODELO PROJETAR_S BASEADO EM CURVAS LOGÍSTICAS PARA REGRESSÃO E COMPORTAMENTO FUTURO DE PARÂMETROS ESTRUTURAIS: POUPANÇA INTERNA E PRODUTIVIDADE DO CAPITAL PROJEÇÕES SE BASEIAM EM UM “PONTO FUTURO”, QUE É AQUELE QUE AS ANÁLISES MOSTRAM QUE PODE SER ATINGIDO, MAS QUE TEM QUE “RESPEITAR E MODIFICAR” A HISTÓRIA PASSADA DO PARÂMETRO.
  32. 32. 34 34E. Marques - Modelo URCA 21%: “PONTO FUTURO”
  33. 33. 35 35E. Marques - Modelo URCA
  34. 34. 36 36E. Marques - Modelo URCA
  35. 35. 37 37E. Marques - Modelo URCA OBRIGADO eduardo.marques@fgv.br

×