Your SlideShare is downloading. ×
Apresentação da palestra "Classe Média" em evento da ACRJ
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Apresentação da palestra "Classe Média" em evento da ACRJ

471

Published on

Apresentação da palestra "Classe Média - É ouvindo a população que se constrói políticas públicas adequadas", mostrada pelo ministro da SAE/PR, Moreira Franco, durante lançamento do mais novo Conselho …

Apresentação da palestra "Classe Média - É ouvindo a população que se constrói políticas públicas adequadas", mostrada pelo ministro da SAE/PR, Moreira Franco, durante lançamento do mais novo Conselho Empresarial da Associação Comercial do Rio, em 14.03.2013.

Published in: News & Politics
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
471
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A estrutura de renda no Brasil R$ 10.000 – 0,2% mais ricos R$ 2.400 – 5% mais ricos R$ 5.500 – 1% mais ricos R$ 1.500 – 10% mais ricosRenda familiar per capita (R$/mês) 2.480 641 1.019 441 155 291 78 28% 52% 20% Porcentagem da população Fonte: Estimativas produzidas com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). 2
  • 2. Distribuição de renda no Mundo 1905ral 1905ral 1904ral 1904ral 1904ral 1904ral Só 18% da população mundial vive com renda superior a R$ 1019Renda familiar per capita (R$/mês) 1903ral 1903ral 1903ral 1903ral 1902ral R$1019 18% 1902ral 1902ral 1901ral 54% da população mundial vive 1901ral com renda inferior a R$ 291 1901ral 1901ral 1900ral 54% R$291 1900ral 1900ral 1900ral 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40% 45% 50% 55% 60% 65% 70% 75% 80% 85% 90% 95% 100% Fonte: Banco Mundial, estimativas produzidas com base em Milanovic, 2011 (The Have and the Have Nots). Valores em R$ 2012. 3
  • 3. Se a Classe Média fosse um país, seria o 12º mais populoso do mundo China Índia Estados Unidos Indonésia Brasil 5º Paquistão Nigéria Bangladesh ´ Russia Japão ´ Mexico Classe Média Brasileira 12º Filipinas Vietnã Etiópia Egito Alemanha Irã Turquia Tailândia 10 100 1000 (milhões de pessoas)Fonte: Banco Mundial - World Development Indicators, 2012 4
  • 4. Se fosse um país, a Classe Média estaria no G20 do consumo mundial Estados Unidos Japão Alemanha Reino Unido China França Itália Brasil 8º Canadá Índia México Espanha Coréia do Sul Austrália Rússia Argentina TurquiaClasse Média Brasileira 18º Holanda Suíça 0 1 10 100Fontes: Estimativas produzidas com base nos indicadores do Banco Mundial - WorldDevelopment Indicators, 2010, Pesquisa de Orçamento Familiar (POF), 2008-2009, e (trilhões de R$)no Sistema de Contas Nacionais (IBGE). Valores em R$ de 2012 5
  • 5. A Classe Média gastou cerca deR$ 1 trilhão em 2011 Classe Baixa R$ 150 bi Classe Alta R$ 1,4 tri Classe Média R$ 975 bi Fonte: Estimativas produzidas com base na Pesquisa de Orçamento Familiar (POF) e no Sistema de Contas Nacionais (IBGE). Valores em R$ 2012. 6
  • 6. A ascensão da Classe Médiadepende da renda do trabalho A sua sustentabilidade está associada à conjugação de dois fatores: Inflação Valorização do controlada & salário mínimo 7
  • 7. Na década de 40, deslanchou umprocesso de expansão da ClasseMédia No entanto, esse processo ficou restrito à área urbana e não foi sustentável 8
  • 8. 1945-54 inflação controlada e crescimento do salário mínimoINFLAÇÃO (% - escala logarítmica) 1954 1945 Fonte: Ipeadata. VALOR REAL DO SALÁRIO MÍNIMO (em R$ de 2012) 9
  • 9. 1954-64 crescimento da inflação e salário mínimo estagnadoINFLAÇÃO (% - escala logarítmica) 1964 1954 Fonte: Ipeadata. VALOR REAL DO SALÁRIO MÍNIMO (em R$ de 2012) 10
  • 10. 1964-74 queda da inflação e queda do salário mínimoINFLAÇÃO (% - escala logarítmica) 1964 1974 Fonte: Ipeadata. VALOR REAL DO SALÁRIO MÍNIMO (em R$ de 2012) 11
  • 11. 1974-84 crescimento da inflação e salário mínimo estagnadoINFLAÇÃO (% - escala logarítmica) 1984 1974 Fonte: Ipeadata. VALOR REAL DO SALÁRIO MÍNIMO (em R$ de 2012) 12
  • 12. 1984-94 crescimento da inflação e queda do salário mínimo 1994INFLAÇÃO (% - escala logarítmica) 1984 Fonte: Ipeadata. VALOR REAL DO SALÁRIO MÍNIMO (em R$ de 2012) 13
  • 13. 1994-2000 queda da inflação e salário mínimo estagnado 1994INFLAÇÃO (% - escala logarítmica) 2000 Fonte: Ipeadata. VALOR REAL DO SALÁRIO MÍNIMO (em R$ de 2012) 14
  • 14. 2001-11 inflação controlada e crescimento do salário mínimo Expansão da Classe Média rural e urbanaINFLAÇÃO (% - escala logarítmica) 2000 2011 Fonte: Ipeadata. VALOR REAL DO SALÁRIO MÍNIMO (em R$ de 2012) 15
  • 15. De 1945 a 2011 O Brasil recuperou a trajetória ascendente de valorização dos salários eINFLAÇÃO (% - escala logarítmica) o controle da inflação Fonte: Ipeadata. VALOR REAL DO SALÁRIO MÍNIMO (em R$ de 2012) 16
  • 16. Para assegurar a contínuavalorização do salário mínimo semgerar descontrole inflacionário, é preciso investir no aumento da produtividade 17
  • 17. De 1990 a 2010, o salário mínimo aumentou 90%, mas a produtividade aumentou apenas 10% 100 90 80 70 60 50Variação % Salário 40 30 20 10 0 -10 Produtividade média do trabalho -20 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 18
  • 18. Aumento real do salário mínimo sem ocorrespondente aumento da produtividadegera inflação Como foi possível nos últimos anos aumentarmos o salário mínimo a taxas muito superiores ao aumento da produtividade? 19
  • 19. 1950-60salário mínimo cresce maisque a produtividade 1960 1950 20
  • 20. 1960-70queda do salário mínimo comaumento da produtividade 1960 1970 21
  • 21. 1970-80estabilidade do salário mínimo comaumento da produtividade 1980 1970 22
  • 22. 1980-90queda do salário mínimo comequivalente queda da produtividade 1980 1990 23
  • 23. 1990-2000leve aumento do salário mínimocom queda da produtividade 2000 1990 24
  • 24. 2000-2010salário mínimo aumenta maisque a produtividade 2010 2000 25
  • 25. 2000-2010salário mínimo aumenta maisque a produtividade Expansão sustentável do salário mínimo 2010 26
  • 26. Mas crescimento da rendasem estabilidade é insuficientepara gerar bem estar O controle da inflação gera estabilidade do ponto de vista macro, mas o micro depende de muitos outros fatores 27
  • 27. Para diminuir a instabilidade darenda da classe média e apercepção de riscos e incerteza, os seguros cumprem um duplo papel 28
  • 28. Do ponto de vista dasempresas, oferecem proteçãocontra choques e perdas deprodução= proteção do emprego Do ponto de vista dos indivíduos, reduzem riscos desnecessários = proteção para assumir apenas os riscos associados às maiores oportunidades 29
  • 29. A renda da Classe Alta é 4x a renda daClasse Média, mas o gasto total comseguros equivale a 11x Despesa mensal com Renda familiar per capita seguros voluntários mensal média R$ 128 R$ 2,357 11x 4x R$ 589 R$ 12 x x Média Alta Média Alta Fonte: Estimativas produzidas com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (IBGE-PNAD, 2009) e na Pesquisa de Orçamentos Familiares (IBGE-POF, 2008-2009). Valores em R$ 2013. 30
  • 30. Despesa mensal média por tipo de seguro:Classe Alta vs. Classe Média Seguro voluntário de veículo 19 Seguro obrigatório de veículo 3 Gasto total com seguros voluntários: 11x Seguro pessoal 73 Seguro de vida 16 Seguro de saúde 8 Fonte: Estimativas produzidas com base na Pesquisa de Orçamentos Familiares (IBGE-POF, 2008-2009). Valores em R$ 2013. 31
  • 31. É preciso criar incentivos paraexpansão do mercado de seguros Redução dos riscos de quebra sistêmica Adaptação dos produtos às necessidades e condições da Classe Média 32
  • 32. SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOSSite: www.sae.gov.brE-mail: saepr@presidencia.gov.brTel: (61) 3411-4639

×