Fundação Universidade Federal do Rio Grande  Departamento de Ciências Fisiológicas Setor de Farmacologia ANALGÉSICOS,  ANT...
analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais <ul><li>infusão plantas da casca do salgueiro ( Salix alba vulgar...
Fundação Universidade Federal do Rio Grande Depto de Ciências Fisiológicas Setor de Farmacologia FARMACOLOGIA DA DOR E DA ...
Fundação Universidade Federal do Rio Grande Depto de Ciências Fisiológicas Setor de Farmacologia FARMACOLOGIA DA DOR E DA ...
Fosfolipídios Ácido aracdônico Ácido 5-hidroxiperoxi eicosatetraenoico 5-HEPTE 5-HETE leucotrienos TxA 2 PGE 2 , PGF 2 PGI...
Mecanismo de ação Inibição periférica e central da atividade da enzima ciclooxigenase e subsequente diminuição da biosínte...
<ul><li>Mecanismo da ação antinflamatória  </li></ul><ul><li>Bloqueio da formação de PGs por inibição da COX  (Vane, 1971)...
<ul><li>Mecanismo da ação analgésica </li></ul><ul><li>Bloqueio da formação de PGs por inibição da COX  (Moncada  et al., ...
<ul><li>Mecanismo da ação antitérmica  </li></ul><ul><li>Bloqueio da formação de PGs por inibição da COX  (Milton e Wendla...
As ciclooxigenases   <ul><li>COX-1  </li></ul><ul><li>enzima  essencial constitutiva  </li></ul><ul><li>encontrada na maio...
As ciclooxigenases   <ul><li>COX-2 </li></ul><ul><li>formação induzida processo inflamatório e interleucinas - IL 1 , IL 2...
As prostaglandinas   <ul><li>FUNÇÕES FISIOLÓGICAS DAS PROSTAGLANDINAS  </li></ul><ul><ul><li>estimulação da agregação plaq...
As prostaglandinas   <ul><li>FUNÇÕES FISIOLÓGICAS DAS PROSTAGLANDINAS  </li></ul><ul><ul><li>manutenção do fluxo renal e r...
As prostaglandinas   <ul><li>APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS DAS PROSTAGLANDINAS  </li></ul><ul><ul><li>estimulação uterina: abort...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>absorção VO (estômago e intestino delgado) </li></...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>(Farmacologia, Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANA...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>distribuição: livres e ligados a proteína plasmáti...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>metabolização e excreção </li></ul><ul><ul><li>est...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>excreção renal </li></ul><ul><ul><li>influenciada ...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>analgesia - ...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>antiinflamat...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE <...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE <...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE <...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE <...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE <...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE <...
<ul><li>Efeitos dos inibidores das COXs na indução de úlceras gástricas e inibição do edema de pata contralateral de ratos...
<ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE <...
<ul><li>Comparação entre seletividades dos AINES quanto as ciclooxigenases (IC 50  em µM e razão IC 50 ) </li></ul><ul><li...
<ul><li>Classificação dos AINES (antes COX-2) </li></ul><ul><li>ácido carboxílico  dose  ácido propiônico  dose </li></ul>...
<ul><li>Classificação dos AINES (antes COX-2) </li></ul><ul><li>ácido acético  dose  ácido enólico  dose </li></ul><ul><li...
<ul><li>Reclassificação dos AINES </li></ul><ul><li>Inibidores seletivos  Inibidores não seletivos  inibidores seletivos  ...
<ul><li>Efeitos adversos dos AINES </li></ul><ul><li>Pacientes que não utilizam AINES  Pacientes que utilizam AINES </li><...
<ul><li>Doses dos AINES </li></ul><ul><li>FÁRMACOS  ESPECIALIDADE FARMACÊUTICA BRASIL  DOSES </li></ul><ul><li>meloxicam  ...
<ul><li>DERIVADOS PIRAZOLÔNICOS  </li></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES  </li></ul><ul><ul><li>efeitos GI: n...
<ul><li>DERIVADOS PARAMINOFENOL </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><ul><li>menor grau ligação proteína  Plasm...
<ul><li>DERIVADOS ÁCIDO FENILACÉTICO  </li></ul><ul><li>EFEITOS FARMACOLÓGICOS </li></ul><ul><ul><li>inibição COX superior...
<ul><li>DERIVADOS DO INDOL </li></ul><ul><li>EFEITOS FARMACOLÓGICOS </li></ul><ul><ul><li>inibição COX superior indometaci...
<ul><li>DERIVADOS ÁCIDO PROPIÔNICO  </li></ul><ul><li>EFEITOS FARMACOLÓGICOS </li></ul><ul><ul><li>inibição COX, inibição ...
<ul><li>DERIVADOS DO OXICAN  </li></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES  </li></ul><ul><ul><li>GI (16%), cefaléi...
<ul><li>FENAMATOS  </li></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES  </li></ul><ul><ul><li>GI: dispepsia, desconforto ...
<ul><li>DERIVADOS DO ÁCIDO PIRROLACÉTICO </li></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES  </li></ul><ul><ul><li>GI: d...
<ul><li>DERIVADOS DA BUTANONA </li></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES  </li></ul><ul><ul><li>menor incidência...
<ul><li>DERIVADOS DO ÁCIDO CARBÂMICO </li></ul><ul><li>EFEITOS FARMACOLÓGICOS </li></ul><ul><ul><li>inibidor PGs fraco </l...
<ul><li>DERIVADOS DA FENOXIMETANOSSULFANILIDA </li></ul><ul><li>EFEITOS FARMACOLÓGICOS </li></ul><ul><ul><li>inibidor PGs ...
<ul><li>Efeitos colaterais específicos  </li></ul><ul><li>FÁRMACOS  EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES  </li></ul><ul><li>...
<ul><li>Efeitos colaterais específicos  </li></ul><ul><li>FÁRMACOS  EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES  </li></ul><ul><li>...
<ul><li>Efeitos colaterais específicos  </li></ul><ul><li>FÁRMACOS  EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES  </li></ul><ul><li>...
<ul><li>Efeitos colaterais específicos  </li></ul><ul><li>FÁRMACOS  EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES  </li></ul><ul><li>...
<ul><li>Efeitos colaterais específicos  </li></ul><ul><li>FÁRMACOS  EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES  </li></ul><ul><li>...
<ul><li>PRINCIPAIS EFEITOS ADVERSOS DOS ANTIINFLAMATÓRIOS </li></ul><ul><li>diarréia e hemorragia gastrointestinal </li></...
<ul><li>ANTIINFLAMATÓRIOS:  PERSPECTIVAS PARA O FUTURO </li></ul><ul><li>INIBIDORES DA FOSFODIESTERASE </li></ul><ul><li>R...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Aines

3,069

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,069
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
58
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aines

  1. 1. Fundação Universidade Federal do Rio Grande Departamento de Ciências Fisiológicas Setor de Farmacologia ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS Organização: Ana Luiza Muccillo-Baisch Colaboração: Daniela Marti Barros, Eli Sinnott Silva, Fernando Amarante Silva e Guiomar Oliveira
  2. 2. analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais <ul><li>infusão plantas da casca do salgueiro ( Salix alba vulgaris ) </li></ul><ul><li>1838: Píria isolou ác. salicílico da salicina </li></ul><ul><li>1844: Cahours isolou ác. Salicílico do óle de Gautéria (Wintergreen) </li></ul><ul><li>1860: Kolbe e Lautemann obtiveram por síntese </li></ul><ul><li>1897, 10 de agosto: Felix Hoffmann, químico alemão, do laboratório do comerciante Friedrich Bayer e do técnico em tinturaria Johann Weskott extraiu a fórmula do aas </li></ul><ul><li>1899: Dreser introduziu o uso clínico do aas </li></ul><ul><li>1900: BAYER produz 4,2 toneladas </li></ul><ul><li>1919: marca pasaa domínio público </li></ul><ul><li>1994: consumo de 50 mil toneladas </li></ul>1899: registro ASPIRIN A= acetil spir= flor spirea in= novos medicamentos
  3. 3. Fundação Universidade Federal do Rio Grande Depto de Ciências Fisiológicas Setor de Farmacologia FARMACOLOGIA DA DOR E DA INFLAMAÇÃO Fisiopatologia da resposta inflamatória e dolorosa Estímulo lesivo celular (físico, químico, biológico Lesão celular e liberação de enzimas intracelulares Liberação e ativação de mediadores endógenos cininas: histamina, prostaglandinas, 5-HT peptídeos: angiot, subst P e BK acidose tecidual produção de íons K + e H + Ativação do sistema do complemento Resolução Cronificação Amstrong, 1952, 1953 Keeke e Amstrong, 1964 Guzman et al.., 1962 Lin e Guzman, 1968 Rocha e Silva, 1964 Rocha e Silva e Garcia Leme, 1972 Vane, 1971 Lewis e Whittle, 1977 Ferreira e Vane, 1979 Higgs et al., 1980 Di Rosa et al., 1971 Higgs et al., 1980 Higgs e Flower, 1981 Mobarok e Morley, 1980 analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais Sensibilização seletiva por substâncias algésicas durante a inflamação: BK, 5-HT e PGs * Reação inflamatória aguda alterações morfofisiológicas vasculares, infiltrado celular * PGI 2 ,PGE 1 , PGE 2
  4. 4. Fundação Universidade Federal do Rio Grande Depto de Ciências Fisiológicas Setor de Farmacologia FARMACOLOGIA DA DOR E DA INFLAMAÇÃO Sistema de termorregulação Temperatura corporal Receptores cutâneos para frio e calor Efetuadores Centros Termorreguladores hipotalâmicos (mediação e modulação: PGs, catecolaminas, cininas, acetilcolina) Fluxo sangüíneo Glândulas sudoríparas Ventilação pulmonar Pirogênios endógenos Leucócitos e outras células Pirogênios exógenos Microorganismos Milton e Wendlant, 1971 (PGE 1 =febre) Cooper et al., 1967 Jackson, 1967 (pirogênio endógeno) Feldberg e Saxena, 1971 (PGE 1 =hipotálamo) Vane, 1971 (aspirina inibe PGs) Milton, 1982 (febre PGs abortivo) analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais Hipotálamo anterior: calor, sudorese, VD hipotálamo posterior: frio, tremor, arrepios, VC
  5. 5. Fosfolipídios Ácido aracdônico Ácido 5-hidroxiperoxi eicosatetraenoico 5-HEPTE 5-HETE leucotrienos TxA 2 PGE 2 , PGF 2 PGI 2 Fosfolipase A 2 lipoxigenases cicloxigenases PGH 2 /PGG 2 analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais
  6. 6. Mecanismo de ação Inibição periférica e central da atividade da enzima ciclooxigenase e subsequente diminuição da biosíntese e liberação dos mediadores da inflamação, dor e febre (prostaglandinas). analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMTÓRIOS
  7. 7. <ul><li>Mecanismo da ação antinflamatória </li></ul><ul><li>Bloqueio da formação de PGs por inibição da COX (Vane, 1971) </li></ul><ul><li>inibição da liberação de histamina (Lewis e Whittle, 1977) </li></ul><ul><li>diminuição da migração PMN e monócitos (Di Rosa et al., 1971; Higgs et al., 1980) </li></ul>analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  8. 8. <ul><li>Mecanismo da ação analgésica </li></ul><ul><li>Bloqueio da formação de PGs por inibição da COX (Moncada et al., 1978; Ferreira e Vane, 1979) </li></ul><ul><li>exceção aos fenamatos que possuem ação antagonista sobre os receptores das PGs (Moncada et al., 1978; Collier e Sweatman, 1968) </li></ul>analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  9. 9. <ul><li>Mecanismo da ação antitérmica </li></ul><ul><li>Bloqueio da formação de PGs por inibição da COX (Milton e Wendlant, 1971/ PGE como modulador na regulação da temperatura e ação antipirética relacionada com interferência na liberação de PGs; Vane, 1971) </li></ul>analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  10. 10. As ciclooxigenases <ul><li>COX-1 </li></ul><ul><li>enzima essencial constitutiva </li></ul><ul><li>encontrada na maioria das células e tecidos </li></ul><ul><li>produção de PGs para manutenção de funções fisiológicas </li></ul>analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  11. 11. As ciclooxigenases <ul><li>COX-2 </li></ul><ul><li>formação induzida processo inflamatório e interleucinas - IL 1 , IL 2 e TNF  </li></ul><ul><li>prostaglandinas que mediam inflamação, dor e febre </li></ul>analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  12. 12. As prostaglandinas <ul><li>FUNÇÕES FISIOLÓGICAS DAS PROSTAGLANDINAS </li></ul><ul><ul><li>estimulação da agregação plaquetária (TXA 2 ) </li></ul></ul><ul><ul><li>inibição (PGI) </li></ul></ul><ul><ul><li>relaxamento vascular (PGE 2 , PGI) </li></ul></ul><ul><ul><li>contração (PGF, TXA) </li></ul></ul><ul><ul><li>contração brônquica (PGF 2 , LCT, LTD, TXA) </li></ul></ul><ul><ul><li>relaxamento (PGE) </li></ul></ul><ul><ul><li>proteção da mucosa gástrica (PGE 1 , PGI) </li></ul></ul>analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  13. 13. As prostaglandinas <ul><li>FUNÇÕES FISIOLÓGICAS DAS PROSTAGLANDINAS </li></ul><ul><ul><li>manutenção do fluxo renal e regulação do metabolismo de Na + e K + (PGE 1 , PGI 2 ) </li></ul></ul><ul><ul><li>indução contração uterina (PGE, PGF 2  ) </li></ul></ul><ul><ul><li>produção de febre (PGE 2 ) </li></ul></ul><ul><ul><li>hiperalgesia por potencialização dos mediadores da dor </li></ul></ul><ul><ul><li>sensibilização das terminações nociceptivas periféricas </li></ul></ul>analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  14. 14. As prostaglandinas <ul><li>APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS DAS PROSTAGLANDINAS </li></ul><ul><ul><li>estimulação uterina: aborto entr 12 a e 20 a semana </li></ul></ul><ul><ul><li>ductus arteriosus : recém nascidos </li></ul></ul><ul><ul><li>trato gastrintestinal: anti ulceroso </li></ul></ul><ul><ul><li>agregação plaquetária: substituto da heparina </li></ul></ul><ul><ul><li>impotência masculina: corpos cavernosos </li></ul></ul><ul><ul><li>inibidores dos leucotrienos: asma </li></ul></ul>analgésicos antitérmicos antiinflamatórios não hormonais ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  15. 15. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>absorção VO (estômago e intestino delgado) </li></ul><ul><ul><li>níveis plasmáticos em 30 min; pico em 2 horas </li></ul></ul><ul><li>fatores que influenciam a absorção: </li></ul><ul><ul><li>composição, velocidade de desintegração e dissolução, </li></ul></ul><ul><ul><li>alimentos, pH, tempo de esvaziamento gástrico </li></ul></ul><ul><li>constante de dissociação ( pKa= 3,5) </li></ul><ul><ul><li>pH 2,5 - 91% não ionizada </li></ul></ul><ul><ul><li>pH 4,5 - 91 % ionizada </li></ul></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  16. 16. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>(Farmacologia, Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  17. 17. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>distribuição: livres e ligados a proteína plasmática (albumina) </li></ul><ul><li>BHE, B placentária, líquido sinovial, peritoneal, saliva, fezes, leite, suor </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  18. 18. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>metabolização e excreção </li></ul><ul><ul><li>esterases mucosa GI (hidrólise) </li></ul></ul><ul><ul><li>conjugação com glicina e ácido glicurônico </li></ul></ul>Aspirina ác. Salicílico glicuronídeos ác. Saliciúrico (15% urina) (75 % urina) (10% salicilato free) ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  19. 19. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>excreção renal </li></ul><ul><ul><li>influenciada pelos fatores relacionados ao pH urinário e competição com outros ácidos orgânicos </li></ul></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  20. 20. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>analgesia - dores leves a moderadas </li></ul><ul><ul><li>cefaléia, dismenorréia, mialgias, artralgias, neuralgias, desconforto pós-operatório, pós-parto, cirurgias odontológicas, procedimentos ortopédicos </li></ul></ul><ul><li>antitérmico (atenção síndrome de REYE) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  21. 21. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>antiinflamatório </li></ul><ul><li>antiagregante plaquetário </li></ul><ul><li>queratolítico </li></ul><ul><li>revulsivo </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  22. 22. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE </li></ul><ul><ul><li>TGI, mais freqüentes com tratamento prolongado e elevadas doses </li></ul></ul><ul><ul><li>intolerância gástrica (dor, desconforto epigástrico, náuseas, vômitos, anorexia) </li></ul></ul><ul><ul><li>ulceração da mucosa com sangramento </li></ul></ul><ul><ul><li>exacerbação na presença de etanol </li></ul></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  23. 23. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE </li></ul><ul><ul><li>mecanismo proposto: </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>acúmulo de altas concentrações de HCl e da substância na mucosa </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>liberação de O 2 , enzimas lisossômicas tecidos destruídos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>diminuição síntese PG da microvasculatura </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>isquemia localizada </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>anóxia celular </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>diminuição síntese PG (PGE 1 e PGE 2 ) moduladoras da secreção </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>perda sangue: dose 4-5g/dia [120-350 ug], de 3 a 8 ml/dia (norma de 0,6 ml/dia) </li></ul></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  24. 24. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE </li></ul><ul><ul><li>nefrotoxicidade </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>ingestão crônica de AAS, fenacetina e paracetamol </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>21 a 28% incidência de necrose papilar e nefrite intersticial nos pacientes artríticos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>AAS, paracetamol, pirazolônicos, ácido propiônico, derivados do indol, paracetamol </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>diminuição da função renal </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>hepatotoxicidade </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>aumento níveis de transaminase </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>dose-dependente </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>pct doenças do tecido conjuntivo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>reversíveis </li></ul></ul></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  25. 25. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE </li></ul><ul><li>desequilíbrio ácido-básico </li></ul><ul><ul><li>doses terapêuticas: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>aumento consumo de O 2 e produção de CO 2 </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>aumento compensatório da respiração </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>[35 mg/100 mL ] : estímulo do centro respiratório </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>hiperventilaçãop e alcalose respiratória </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>[elevadas] : excreção compensatória de Bic Na, K e pH do sangue tende a voltar ao normal, porém resultando alcalose respiratória com diminuição capacidade tampão do sistema. </li></ul></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  26. 26. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE </li></ul><ul><li>desequilíbrio ácido-básico </li></ul><ul><ul><li>[acima de 50 mg/100 mL ] : depressão centros respiratórios e hipoventilação + produção de CO2 </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>alcalose respiratória </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>pCO2 aumentada </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>[Bic] diminuída </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>pH sangue diminuído </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>acúmulo de ácido lático, pirúvico e cetoácidos por interferência no metabolismo dos carbohidratos + salicilatos ácidos: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>acidose metabólica </li></ul></ul></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  27. 27. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE </li></ul><ul><li>CONTRA-INDICAÇÕES </li></ul><ul><li>pelos efeitos anticoagulantes </li></ul><ul><ul><li>terapia anticoagulante </li></ul></ul><ul><ul><li>alterações na coagulação (hemofilia, hipoprotrmbinemia, deficiência vitamina K) </li></ul></ul><ul><ul><li>cirurgias </li></ul></ul><ul><li>pelos efeitos sobre aparelho GI </li></ul><ul><ul><li>úlcera péptica </li></ul></ul><ul><ul><li>gastrite ou sangramento gastrintestinal </li></ul></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  28. 28. <ul><li>Efeitos dos inibidores das COXs na indução de úlceras gástricas e inibição do edema de pata contralateral de ratos com artrite </li></ul><ul><li>COX-1 COX-2 COX-2/1 </li></ul><ul><li>ID 50 úlcera (mg -1 kg 1 dia) ID 50 edema (mg -1 kg 1 dia) </li></ul><ul><li>aspirina 32,4 198 6,1 </li></ul><ul><li>piroxicam 1,07 0,76 0,7 </li></ul><ul><li>indometacina 2,35 0,67 0,3 </li></ul><ul><li>meloxicam 2,47 0,12 0,05 </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  29. 29. <ul><li>SALICILATOS </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><li>INDICAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>TOXICIDADE </li></ul><ul><li>CONTRA-INDICAÇÕES </li></ul><ul><li>gravidez </li></ul><ul><ul><li>fechamento prematuro do ductus arteriosus </li></ul></ul><ul><ul><li>gestação prolongada </li></ul></ul><ul><ul><li>trbalho de parto prolongado </li></ul></ul><ul><ul><li>risco sangramento materno </li></ul></ul><ul><li>febre crianças etiologia infecções varicela e outros vírus tipo influenza </li></ul><ul><ul><li>síndrome de Reye (lesão hepática severa e encefalopatia </li></ul></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  30. 30. <ul><li>Comparação entre seletividades dos AINES quanto as ciclooxigenases (IC 50 em µM e razão IC 50 ) </li></ul><ul><li>COX-1 COX-2 COX-2/1 </li></ul><ul><li>piroxicam 0,0005 0,3 600 </li></ul><ul><li>indometacina 0,028 1,68 60 </li></ul><ul><li>ibuprofeno 4,85 72,8 15 </li></ul><ul><li>meloxicam 4,8 0,43 0,09 </li></ul><ul><li>nimessulida 9,2 0,52 0,06 </li></ul><ul><li>DFU >50 0,04 <0,001 </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  31. 31. <ul><li>Classificação dos AINES (antes COX-2) </li></ul><ul><li>ácido carboxílico dose ácido propiônico dose </li></ul><ul><li>aspirina 2, 4-6g/dia 2x/dia ibuprofeno 100-400mg, 4x/dia </li></ul><ul><li>diflunisal 0,5-1,5 g,2x/dia naproxeno 250-500 mg, 2x/dia </li></ul><ul><li>salsalatos 1,5-3,0 g, 2x/dia fenoprofeno 300-600 mg, 4x/dia </li></ul><ul><li>trissalicilato 1,5-3 g, 2x/dia cetoprofeno 75 mg, 3x/dia </li></ul><ul><li>de Mg+ flurbiprofeno 100 mg, 3x/dia </li></ul><ul><li>oxaprozina 600 mg, 4x/dia </li></ul><ul><li>fenamatos dose </li></ul><ul><li>meclofenamatos 50+100 mg. 3x/dia </li></ul><ul><li>ácido mefenâmico 250 mg, 4x/dia </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  32. 32. <ul><li>Classificação dos AINES (antes COX-2) </li></ul><ul><li>ácido acético dose ácido enólico dose </li></ul><ul><li>indometacina 25-50 mg, 3x/dia piroxicam 20 mg, 2x/dia </li></ul><ul><li>tolmetina 400-800 mg, 3x/dia tenoxican 20 mg, 2x/dia </li></ul><ul><li>sulindaco 150-200 mg, 3x/dia fenilbutazona 100 mg, 3x/dia </li></ul><ul><li>diclofenaco 50-75 mg, 2x/dia </li></ul><ul><li>etodolaco 200-300 mg. 3 ou 4x/dia </li></ul><ul><li>naftilcanonas </li></ul><ul><li>nabumetona 500 mg, 3x/dia </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  33. 33. <ul><li>Reclassificação dos AINES </li></ul><ul><li>Inibidores seletivos Inibidores não seletivos inibidores seletivos Inibidores altamente seletivos </li></ul><ul><li>da COX-1 da COX-1 da COX-2 da COX-2 </li></ul><ul><li>aspirina aspirina (altas doses) meloxicam celecoxib </li></ul><ul><li>indometacina etodolaco refecoxib </li></ul><ul><li>piroxicam nimesulida </li></ul><ul><li> diclofenaco salicilato </li></ul><ul><li>ibuprofeno </li></ul><ul><li> nabumetona </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  34. 34. <ul><li>Efeitos adversos dos AINES </li></ul><ul><li>Pacientes que não utilizam AINES Pacientes que utilizam AINES </li></ul><ul><li>N (%) (n=226) (n=334) </li></ul><ul><li>dor abdominal 33 (14,6) 96 (27,9) </li></ul><ul><li>pcts avaliados com 14 (42) 47 (49) </li></ul><ul><li>sintomas GI </li></ul><ul><li>lesão GI </li></ul><ul><li>úlcera 01 (7,1) 14 (29,8) </li></ul><ul><li>gastrite/duodenite 00 (0) 02 (4,3) </li></ul><ul><li>total 01 (7,1) 16 (34) </li></ul><ul><li>risco relativo </li></ul><ul><li>úlcera 4,2 (p=0,16) </li></ul><ul><li>nenhuma agressão 4,2 (p=0,16) </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  35. 35. <ul><li>Doses dos AINES </li></ul><ul><li>FÁRMACOS ESPECIALIDADE FARMACÊUTICA BRASIL DOSES </li></ul><ul><li>meloxicam Meloxil ® 7,5 A 15 mg/dia </li></ul><ul><li>nimesulida Nimeflan ® 200 mg/dia </li></ul><ul><li>celecoxib Celebra® 200 a 400 mg/dia </li></ul><ul><li>refecoxib 25 a 50 mg/dia </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  36. 36. <ul><li>DERIVADOS PIRAZOLÔNICOS </li></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><ul><li>efeitos GI: náusea, vômitos, desconforto epigástrico, diarréia, retenção sódio, fenômenos hemorrágicos, agranulocitose, púrpura, trombocitopenia, hemolítica e anemia aplástica </li></ul></ul><ul><li>CONTRA-INDICAÇÕES </li></ul><ul><ul><li>GI, insuficiências hepática e renal, discrasias sanguíneas, hipertensão arterial </li></ul></ul><ul><li>SUBSTÂNCIAS </li></ul><ul><li>fenilbutazona Butazolidina® </li></ul><ul><li>oxifenilbutazona Tandrex ® </li></ul><ul><li>dipirona Novalgina ® </li></ul><ul><li>apazona </li></ul><ul><li>feprazona Zepelan ® </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  37. 37. <ul><li>DERIVADOS PARAMINOFENOL </li></ul><ul><li>FARMACOCINÉTICA </li></ul><ul><ul><li>menor grau ligação proteína Plasmática </li></ul></ul><ul><ul><li>metabólito intermediário tóxico </li></ul></ul><ul><li>EFEITOS FARMACOLÓGICOS </li></ul><ul><ul><li>não altera tempo sangramento </li></ul></ul><ul><ul><li>menor potência antiinflamatória </li></ul></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><ul><li>doses terapêuticas, baixa incidência </li></ul></ul><ul><li>CONTRA-INDICAÇÕES </li></ul><ul><ul><li>hipersensibilidade aos Salicilatos, insuficiências hepática e renal </li></ul></ul><ul><li>SUBSTÂNCIAS </li></ul><ul><li>Fenacetina Descon®, Cibalena, ®, Dorilax ® </li></ul><ul><li>Acetaminofen ou Paracetamol Tylenol®, Dôrico® </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  38. 38. <ul><li>DERIVADOS ÁCIDO FENILACÉTICO </li></ul><ul><li>EFEITOS FARMACOLÓGICOS </li></ul><ul><ul><li>inibição COX superior indometacina e propiônicos </li></ul></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><ul><li>GI (20%): sangramentos, ulcerações ou perfuração parede </li></ul></ul><ul><ul><li>hepatotoxicidade (15%): aumento transaminases </li></ul></ul><ul><li>SUBSTÂNCIAS </li></ul><ul><li>Diclofenaco Tandrilax®, Arten ®, Voltaren ®, Cataflan ® </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  39. 39. <ul><li>DERIVADOS DO INDOL </li></ul><ul><li>EFEITOS FARMACOLÓGICOS </li></ul><ul><ul><li>inibição COX superior indometacina e propiônicos </li></ul></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><ul><li>GI (+ sérios): dor epigástrica, anorexia, dispepsia, náuseas, vômitos, úlcera péptica, sangramento GI </li></ul></ul><ul><ul><li>SNC: cefaléia (25 a 50%), vertigens, tonturas, confusão mental, alucinações, distúrbios psiquiátricos (depressão e psicoses) </li></ul></ul><ul><ul><li>neutropenia, trombocitopenia, anemia aplástica </li></ul></ul><ul><ul><li>erupções cutâneas, prurido, urticária, crises agudas de asma, edema angioneurótico </li></ul></ul><ul><li>CONTRA-INDICAÇÃO </li></ul><ul><ul><li>doenças GI, psiquiátricas, epilepsia, parkinson </li></ul></ul><ul><ul><li>insuficiência hepática e renal </li></ul></ul><ul><li>SUBSTÂNCIAS </li></ul><ul><li>Indometacina Indocid® </li></ul><ul><li>Sulindaco Clinoril® </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  40. 40. <ul><li>DERIVADOS ÁCIDO PROPIÔNICO </li></ul><ul><li>EFEITOS FARMACOLÓGICOS </li></ul><ul><ul><li>inibição COX, inibição sistema das cininas e histamina e interferência com produção SRS </li></ul></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><ul><li>GI (5 a 10%) : </li></ul></ul><ul><ul><li>trombocitopenia, agranulocitose, erupções cutâneas, cefaléia, tonturas </li></ul></ul><ul><ul><li>prolongamento tempo sangramento </li></ul></ul><ul><li>CONTRA-INDICAÇÃO </li></ul><ul><ul><li>hipersensibilidade cruzada, doença GI </li></ul></ul><ul><ul><li>insuficiência hepática e renal </li></ul></ul><ul><li>SUBSTÂNCIAS </li></ul><ul><li>Ibuprofeno Artril®, Motrim® </li></ul><ul><li>Naproxeno Naprosyn® </li></ul><ul><li>Fenoprofeno Algipron® </li></ul><ul><li>Cetoprofeno Profenid® </li></ul><ul><li>flurbiprofeno </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  41. 41. <ul><li>DERIVADOS DO OXICAN </li></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><ul><li>GI (16%), cefaléia, zumbidos, edema, prurido, erupções cutâneas, aumento transaminases, anemias, traombocitopenia, leucopenia, eosinifilia </li></ul></ul><ul><li>CONTRA-INDICAÇÃO </li></ul><ul><ul><li>doença GI, alteração na coagulação </li></ul></ul><ul><li>SUBSTÂNCIAS </li></ul><ul><li>Piroxicam Feldene® </li></ul><ul><li>Tenoxicam Tilatil®, Tenoxen ® </li></ul><ul><li>Meloxicam </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  42. 42. <ul><li>FENAMATOS </li></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><ul><li>GI: dispepsia, desconforto gástrico </li></ul></ul><ul><ul><li>anemia hemolítica </li></ul></ul><ul><li>CONTRA-INDICAÇÃO </li></ul><ul><ul><li>doença GI, alteração na função renal </li></ul></ul><ul><li>SUBSTÂNCIAS </li></ul><ul><li>ácido mefenâmico Ponstan® </li></ul><ul><li>Ácido flufenâmico Mobilisin ® assoc. </li></ul><ul><li>Ácido etofenâmico Bayro-gel ® </li></ul><ul><li>Ácido meclofenâmico </li></ul><ul><li>Ácido tolfenâmico </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  43. 43. <ul><li>DERIVADOS DO ÁCIDO PIRROLACÉTICO </li></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><ul><li>GI: dispepsia, desconforto gástrico </li></ul></ul><ul><ul><li>SNC: cefaléia, nervosismo, ansiedade, insônia, distúrbios visuais </li></ul></ul><ul><ul><li>hipersensibilidade </li></ul></ul><ul><li>SUBSTÂNCIAS </li></ul><ul><li>Etodolaco ® </li></ul><ul><li>Tolmetin ® </li></ul><ul><li>Zomepiraco ® </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  44. 44. <ul><li>DERIVADOS DA BUTANONA </li></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><ul><li>menor incidência de efeitos GI do que aspirina e outras drogas </li></ul></ul><ul><ul><li>erupções cutâneas, cefaléia, tontura, zumbidos e prurido </li></ul></ul><ul><li>SUBSTÂNCIAS </li></ul><ul><li>Nabumetona Reliflex ® </li></ul><ul><li>Proquazona ® </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  45. 45. <ul><li>DERIVADOS DO ÁCIDO CARBÂMICO </li></ul><ul><li>EFEITOS FARMACOLÓGICOS </li></ul><ul><ul><li>inibidor PGs fraco </li></ul></ul><ul><ul><li>mecanismo central analgésico noradrenérgico </li></ul></ul><ul><ul><li>analgésico somente </li></ul></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><li>SUBSTÂNCIAS </li></ul><ul><li>Flurpirtina Katadolon ® </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  46. 46. <ul><li>DERIVADOS DA FENOXIMETANOSSULFANILIDA </li></ul><ul><li>EFEITOS FARMACOLÓGICOS </li></ul><ul><ul><li>inibidor PGs fraco </li></ul></ul><ul><ul><li>mecanismo central analgésico noradrenérgico </li></ul></ul><ul><ul><li>analgésico somente </li></ul></ul><ul><li>EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><li>SUBSTÂNCIAS </li></ul><ul><li>Nimesulida Scaflan®, Antiflogil®, Neosulida®, Sintalgin® </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  47. 47. <ul><li>Efeitos colaterais específicos </li></ul><ul><li>FÁRMACOS EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><li>Salicilatos úlcera péptica, sangue oculto nas fezes, aas alterações visuais e auditivas, distúrbios do equilíbrio ácido-básico </li></ul><ul><li>Pirazolônicos úlcera péptica, leucemia, leucopenia, fenilbutazona agranulocitose e anemia aplástica </li></ul><ul><li>oxifenilbutazona </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  48. 48. <ul><li>Efeitos colaterais específicos </li></ul><ul><li>FÁRMACOS EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><li>Oxicans reações GI, edema, sonolência, dor de cabeça, meloxicam alterações dermatológicas </li></ul><ul><li>piroxicam </li></ul><ul><li>tenoxicam </li></ul><ul><li>Fenamatos </li></ul><ul><li>ác. Mefenâmico náuseas, vômitos, dor abdominal, úlcera péptica </li></ul><ul><li>e diarréia, anemia hemolítica </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  49. 49. <ul><li>Efeitos colaterais específicos </li></ul><ul><li>FÁRMACOS EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><li>Ác. Propiônico efeitos GI, cutâneos e sonolência, edema e ibuprofeno aumento da uréia </li></ul><ul><li>cetoprofeno </li></ul><ul><li>naproxeno </li></ul><ul><li>flurbiporfeno </li></ul><ul><li>Indolacéticos dor de cabeça, vertigem, confusão, distúrbios indometacina psíquicos (depressão grave, psicose, </li></ul><ul><li>sulindaco alucinações e suicídio), oculares e gastrointestinais </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  50. 50. <ul><li>Efeitos colaterais específicos </li></ul><ul><li>FÁRMACOS EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><li>Ác. Acético efeitos GI, elevação de transaminases, diclofenaco agranulocitose </li></ul><ul><li>cetorolaco </li></ul><ul><li>tolmetina </li></ul><ul><li>Aminofenóis reações em pele, neutropenia, trombocitopenia, hepatotoxicidade (doses acima de 10 a 15 g) </li></ul><ul><li>Sulfonalídico efeitos GI, pele e SNC </li></ul><ul><li>nimesulida </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  51. 51. <ul><li>Efeitos colaterais específicos </li></ul><ul><li>FÁRMACOS EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES </li></ul><ul><li>Alcanonas efeitos GI, cefaléia, tontura e prurido </li></ul><ul><li>nabumetona </li></ul><ul><li>Etodolaco efeitos GI </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  52. 52. <ul><li>PRINCIPAIS EFEITOS ADVERSOS DOS ANTIINFLAMATÓRIOS </li></ul><ul><li>diarréia e hemorragia gastrointestinal </li></ul><ul><li>dispepsia e úlcera péptica </li></ul><ul><li>disfunção e falências renal ( necrose papilar aguda, nefrite intersticial crônica, diminuição do fluxo sangüíneo renal e do ritmo de filtração glomerular e da retenção de sal e água) </li></ul><ul><li>inibição da agregação plaquetária e aumento do tempo de sangramento </li></ul><ul><li>alteração dos testes de função renal e icterícia </li></ul><ul><li>interação com outras drogas </li></ul><ul><li>Fonte: Farmacologia ( Penildon Silva, 2002) </li></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  53. 53. <ul><li>ANTIINFLAMATÓRIOS: PERSPECTIVAS PARA O FUTURO </li></ul><ul><li>INIBIDORES DA FOSFODIESTERASE </li></ul><ul><li>ROLIPRAN - patologias com alterações de linfócitos T ou cininas (TNF  ), choque séptico, encefalomielite, esclerose múltipla </li></ul><ul><li>MECANISMO DE AÇÃO: </li></ul><ul><ul><li>Inibição liberação mediadores inflamatórios </li></ul></ul><ul><ul><li>supressão migração de leucócitos </li></ul></ul><ul><ul><li>inibição expressão células de adesão </li></ul></ul><ul><ul><li>indução produção IL-10 (atividade inibitória) </li></ul></ul><ul><ul><li>estimulação síntese e liberação esteróides e catecolaminas </li></ul></ul><ul><ul><li>indução de apoptose </li></ul></ul>ANALGÉSICOS, ANTITÉRMICOS E ANTIINFLAMATÓRIOS
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×