172   a lua, minha eterna namaorada
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

172 a lua, minha eterna namaorada

on

  • 950 views

 

Statistics

Views

Total Views
950
Views on SlideShare
949
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 1

http://www.slideshare.net 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

172 a lua, minha eterna namaorada Presentation Transcript

  • 1. A LUA, MINHA ETERNA NAMORADA JOSÉ SEBASTIÃO MARTINS Sequência automática dos slides
  • 2. Todo o dia, no mesmo horário, tenho um encontro marcado com a minha eterna namorada.
  • 3. Ficamos olhando um para o outro num silêncio profundo, mas esse silêncio diz mais do que qualquer palavra.
  • 4. Tudo começou quando eu namorava RITA, uma moça linda, carinhosa, éramos apaixonados um pelo outro e os nossos encontros, na maioria das vezes, tinha a lua como nossa companheira. Só ela sabia de nossas confidências e nossa paixão.
  • 5. Muitas vezes, em época de lua cheia, ela clareava mais do que nossa aura, parecia que os seus fachos de luzes eram dirigidos a nós
  • 6. Íamos ao cinema, baladas, mas não tinha como encerrar o nosso encontro sem que encontrássemos um cantinho, nem que fosse a beira mar e voltássemos os nossos olhares para ela, parecia que estava lá nos esperando.
  • 7. Era o encerramento daquela noite ou madrugada, como se fossemos despedir ou falar boa noite ou bom dia à nossa mãe.
  • 8. Mas, como na vida nada é eterno e a felicidade nunca é completa, um dia RITA indo para o trabalho de motocicleta, foi atropelada por um carro, por imprudência do motorista alcoolizado . Socorrida, chegou ao hospital desacordada.
  • 9. Quando recebi um telefonema, logo pela manha, o primeiro do dia, antes de atendê-lo senti uma sensação estranha e logo veio a notícia do acidente.
  • 10. Corri para o hospital e depois de algum tempo o médico procurou a família e ali eu estava junto, quando ele deu a notícia que ninguém queria ouvir, RITA estava em coma, porque sofreu traumatismo craniano e seu estado era grave.
  • 11. Ela ficou por 15 dias em estado vegetativo. Fiz promessas, orações, pedidos por sua vida, mas acho que não fui ouvido e DEUS a levou para o céu, talvez para morar na lua.
  • 12. Daí em diante não quis saber mais de ninguém, já faz mais de um ano, e, hoje a LUA É MINHA ETERNA NOMORADA , porque, é como disse no início, todo o dia, no mesmo horário, tenho um encontro marcado com ela, porque, para mim, RITA está lá junto dela me esperando.
  • 13. Não sei até quando essa situação vai durar, mas espero que um dia possamos nos encontrar em outra dimensão, na casa de Deus onde estão, o céu, o sol, as estrelas, a LUA, e lá quem sabe poderemos continuar o nosso romance que, talvez, por ironia do destino foi interrompido.
  • 14. Créditos: José Sebastião Martins Texto: José Sebastião Martins Imagens: Google Formatação: José Sebastião Martins Música: Faithful Father - Brian Doerksen Data da formatação: março/2008 e-mail do autor: [email_address] Por favor, não modifique e nem altere os créditos. Não clique, aguarde…
  • 15. Todos sabemos que a chamada LEI SECA, recentemente editada, deve passar por algumas revisões para se adequar aos hábitos normais e sadios da sociedade, evitando o radicalismo que muitas vezes faz o que é bom ficar ruim, mas, devemos reconhecer que, com ela, muitos acidentes serão evitados, a exemplo do que fiz questão de realçar neste meu texto fictício, onde, por imprudência de pessoas irresponsáveis dirigem seus veículos alcoolizadas ceifando a vida de muitos inocentes, ou quando não, deixando-os inválidos para sempre, não sabendo respeitar o seu próprio limite de uma dosagem alcoólica. JOSÉ SEBASTIÃO MARTINS - autor Clique aqui para sair