Percepção ambiental do parque da vale
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Percepção ambiental do parque da vale

on

  • 917 views

 

Statistics

Views

Total Views
917
Views on SlideShare
905
Embed Views
12

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

2 Embeds 12

http://rooseveltfabrantes02.blogspot.com.br 11
http://rooseveltfabrantes02.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Percepção ambiental do parque da vale Document Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO COLÉGIO UNIVERSITÁRIO – COLUN CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE DISCIPLINA: GESTÃO DA QUALIDADE DO AR PROFa. CONCEIÇÃO VASCONCELOS ROOSEVELT FERREIRA ABRANTES SÃO LUÍS 2013
  • 2. ROOSEVELT FERREIRA ABRANTESPercepção Ambiental do Parque Botânico da Vale Trabalho apresentado à disciplina de Gestão da Qualidade do Ar do terceiro modulo, ministrada pela Profa. Conceição Vasconcelos para obtenção de nota. SÃO LUÍS 2013
  • 3. PERCEPÇÃO AMBIENTAL DO PARQUE BOTÃNICO DA VALE O Parque Botânico da Vale, localizado no bairro do Anjo da Guarda em São Luis doMaranhão, é uma área mista, entre o verde e uma pequena parte do nicho urbano, por serum espaço onde há o predomínio de vegetação arbórea vasta e mata ciliar intacta e floradiversificada, mas com pouca fauna de contexto original, muitas delas inseridasposteriormente, o que o encarrega de diversas funções a zelar como a ecológica e aambiental, além das sociais entre outras, visando a melhoria do meio ambiente citadino,encontrado ao seu entorno, que é excessivamente impactado devida as instalaçõesindustriais e urbanísticas. Utilizando-se de observações sistemáticas e da percepção interpretativa doambiente, fez-se um estudo de percepção ambiental deliberativa e denotativa, queobjetivou apurar a visão de diversos agentes sociais envolvidos com este parque sobre aexecução de suas distintas funções no contexto do sistema urbano, da fauna e da floradeste lugar. Nesse sentido, constatou-se que a função ecológica está sendo cumprida e háno parque programas e/ou atividades de Educação Ambiental, sendo estasimprescindíveis à própria manutenção, conservação e segurança ecossistêmica doparque. A Educação Ambiental, assim, emerge como um instrumento favorável nocumprimento dessas indispensáveis funções de uma área verde e semi urbana. Contatou-se por meio das observações sistemáticas que, o parque Botânico daVale é uma área verde importante na melhoria do meio ambiente urbano excessivamenteimpactado do entorno dos bairros do Anjo da Guarda, Vila Isabel, Vila Nova, Gancharia,Gapara e Vila Maranhão. A área de entorno do parque é totalmente urbanizada e possuium trânsito denso, o que proporciona estresse crônico e ruídos diversos à sua população. Segundo os agentes sociais observados no dia-a-dia deste entorno, que utilizam oparque para caminhadas, visitação e atividade lúdicas, este parque se demonstrou seruma ótima opção de lazer e de entretenimento, que purifica o ar e reduz a poluição sonora,objetivando uma propensão disponível ao desenvolvimento da qualidade de vida, entreoutras funções ecológicas, ambientais e sociais. Além disso, o estudo de percepção ambiental nos permitiu identificar o sentimentoque estes agentes sociais possuem, por meio de respostas dos sentidos aos estímulosexternos. Observados principalmente por alguns dos frequentadores que ali repartilhamessa experiência conosco. Assim sendo, seus usuários e funcionários se identificam com oparque, através de um elo afetivo. Estes reconhecem que tal área verde é importante parao seu lazer, conforto e sociabilidade, como também de toda sociedade Ludovisense. Entretanto, faz-se justa as funções sociais, psicológicas e, sobretudo, aseducacionais exercidas dentro deste projeto, que estão sendo completamente atingidasdentro desta temática social e ambiental. O projeto proposto pela Campainha Vale -“Parque Botânico” - traz em seu bojo programas e/ou atividades de Educação Ambiental,bastante coerentes e eficazes, sendo estas necessárias ao cumprimento de tais funçõesambientais e ecológicas, bem como imprescindíveis à própria manutenção, conservação esegurança do parque. O ideal para ampliação e a manutenção deste espaço tão importante para acomunidade seria a proposição de um plano de manejo ambiental sustentável, dasmatrizes naturais deste local, pelos órgãos públicos responsáveis, em parceria com acomunidade científica acadêmica, incrementando mais atividades de Educação Ambientale ecológica com caráter de pesquisas e estudo mais avançado dentro destes nichos,angariando mais valor e mais riqueza a este lugar rico em descobertas do conhecerambiental, isto funcionaria como instrumento de suporte favorável ao cumprimento dasfunções indispensáveis e relevantes de uma área verde urbana como o parque Botânicoda Vale. 3
  • 4. O Parque Botânico da Vale em São Luis está aberto para visitação de terça adomingo, das oito à dezesseis horas, e está localizado na Avenida dos Portugueses, s/n,Anjo da Guarda. As visitas às trilhas ecológicas podem ser agendadas pelo telefone. Paraacessar as trilhas ecológicas é necessário ter o acompanhamento de orientadoresambientais, assim nos relatou Paulo Henrique, Monitor e Guia do parque Botânico da Vale. Segundo Paulo Henrique e Samia Furtado, que funcionários do parque, enossa Guia no restante do trajeto percorrido, os frequentadores do Parque Botânicoda Vale passam a contar, com mais uma nova alternativa de contato direto com anatureza. Através de um passeio guiado por um caminho cheio de surpresas e sensaçãoperceptiva, quem for ao local terá a oportunidade de fazer um verdadeiro exercício depercepção ambiental e de estímulo ao desenvolvimento físico e mental. Trata-se da Trilhados Sentidos, que foi adaptada especialmente com objetivo de estimular o contatosensorial com a natureza e, assim, proporcionar melhorias na qualidade de vida dosvisitantes. A Trilha dos Sentidos foi pensada como forma de estimular a inclusão social depessoas com deficiência, oferecendo uma estrutura adequada para esse público. Opasseio é voltado ainda para aqueles que buscam simplesmente uma maneira diferente deinteração com a natureza como forma de relaxamento. A nova atividade passa a fazerparte da programação permanente do Parque Botânico da Vale. A estudante Silvania dos Santos Rabelo uma das alunas do curso técnico de meioambiente do colégio universitário da UFMA, que possuir necessidades especiais referentesao comprometimento de visão, foi uma das privilegiadas no percorrer dessa trilha e sedemonstrou muito feliz e agraciada pelo projeto poder beneficiar também quem temnecessidades especiais, fator que não se ver muito em outras repartições públicas eprivadas do Estado do Maranhão. Segundo nossa Guia, na Trilha dos Sentidos, os visitantes são convidados adescobrir novas sensações ao entrar em contato com diferentes elementos do meioambiente. Um passeio diferente, guiado por sons, cheiros e cores que estimulam os cincosentidos e despertam o prazer de estar mais próximo da natureza. O passeio dura em média trinta minutos, por um percurso de cento e vinte cincometros, intercalado por estações que retratam os cinco sentidos, com espécies variadasde plantas que possuem cheiros, cores vibrantes e diferentes texturas, além de sons danatureza. Todas as informações apresentadas na trilha são traduzidas para o Braille. Oroteiro inclui, ainda, a interação com diversos elementos presentes na floresta, comoárvores dotadas de superfícies diferenciadas, características da mata, e frutos distribuídosao longo do caminho. O Parque Botânico Vale em São Luís já atendeu cerca de 360 mil visitantes desdea sua inauguração em 2008. O Parque ocupa uma área de aproximadamente100 hectarese está localizado no Complexo Industrial Portuário de Ponta da Madeira, em São Luís. Suaimplantação contribui para a proteção ecossistêmica de um dos últimos fragmentosflorestais da Ilha de São Luís. Além disso, é um espaço de lazer, educação ambiental eatividades físicas, sendo frequentado por pessoas de todas as idades. Além da Trilha dos Sentidos, o Parque disponibiliza outras três trilhas ecológicasque proporcionam o contato dos visitantes com a natureza: tais como a Trilha do Angelim,Trilha da Mata Ciliar e a Trilha de Restauração Florestal. Para caminhar em uma dastrilhas ecológicas existentes, o visitante deve usar calça e sapatos fechados. Nas demaisdependências, podem trajar bermudas e sapatos baixos confortáveis para caminhada. Ascrianças com menos de cinco anos não podem fazer a caminhada nas trilhas, tendo comoopção as atividades recreativas e Ecoteca. O local possui várias áreas ao ar livre, gramados e áreas com jardins, além de umauditório e um anfiteatro, com a estrutura composta por quatro salas de aula e uma sala deleitura. Como outra opção de lazer para a garotada, um parquinho infantil está disponível 4
  • 5. para crianças contendo brinquedos feitos a partir de madeira de reflorestamento comogangorras e escorregadores. Esta visita técnica possibilitou ter um olha mais aguçado e treinado sobre osaspectos físicos e naturais dos sistemas biológicos que nos rodeiam, e aprender que todosos sistemas estão interligados e submetidos ao um único fim, de propiciar a continuidadeda vida na terra e sobretudo nós seres humanos somos parte dessa continuidade, por issoé sábio cuidar e preservar para colhe-lo no futuro. 5
  • 6. para crianças contendo brinquedos feitos a partir de madeira de reflorestamento comogangorras e escorregadores. Esta visita técnica possibilitou ter um olha mais aguçado e treinado sobre osaspectos físicos e naturais dos sistemas biológicos que nos rodeiam, e aprender que todosos sistemas estão interligados e submetidos ao um único fim, de propiciar a continuidadeda vida na terra e sobretudo nós seres humanos somos parte dessa continuidade, por issoé sábio cuidar e preservar para colhe-lo no futuro. 5