• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Tratamento de sementes
 

Tratamento de sementes

on

  • 1,293 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,293
Views on SlideShare
1,258
Embed Views
35

Actions

Likes
1
Downloads
30
Comments
0

2 Embeds 35

http://www.ruralpecuaria.com.br 31
http://blog.ruralpecuaria.com.br 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Tratamento de sementes Tratamento de sementes Document Transcript

    • 1 Tratamento de Sementes João José Dias Parisi Priscila Fratin Medina Instituto Agronômico - IAC, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Fitossanidade. Av. Barão de Itapura, 1481, 13020-902, Campinas, SP; e-mail: jparisi@iac.sp.gov.br e pfmedina@iac.sp.gov.br. INTRODUÇÃO É sabido que 90 % das culturas destinadas à produção de alimentos no mundo estão sujeitas ao ataque de doenças, cuja maioria dos agentes causais pode ser transmitida pelas sementes. A semente é o vetor mais eficiente de disseminação de patógenos devido às suas características intrínsecas, uma vez que o patógeno veiculado por ela tem maior chance de provocar doença na planta oriunda dela e se espalhar para outras plantas sadias, iniciando assim uma epidemia. A eficiência da semente como vetor independe da distância, sendo que os patógenos podem permanecer viáveis por períodos de tempo mais longos, mantendo sua patogenicidade inalterada. O uso de sementes certificadas com boa qualidade física, fisiológica e sanitária é uma das medidas mais eficientes de controle das doenças disseminadas por sementes. Para tanto, é necessário que o produtor confira a qualidade das sementes antes da semeadura, através das análises de pureza, germinação e
    • 2 sanidade realizadas em Laboratórios credenciados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Quando não se dispõe de sementes de boa qualidade em quantidade suficiente ou se deseja introduzir materiais de procedências duvidosas, ou ainda para reduzir o potencial de inóculo primário, recomenda-se o tratamento das sementes. O tratamento, eliminando os patógenos das sementes, ou protegendo-as contra ação de patógenos do ambiente (solo ou armazenamento), tem grande importância no desenvolvimento de plantas vigorosas e sadias. Tratamento de sementes é, provavelmente, a medida mais antiga, barata e, às vezes, a mais segura e a que propicia os melhores êxitos no controle das doenças de plantas disseminadas pelas sementes. O mais antigo relato sobre tratamento de sementes encontrado é de 60 anos depois de Cristo, quando Plínio o Antigo (militar, historiador, funcionário imperial e cientista romano) recomendava a imersão de sementes de trigo em vinho ou suco de folhas de cipreste da família das coníferas, rico em tanino, para controlar o “Míldio”. Outro relato refere-se a um fato ocorrido em meados de 1670, quando sementes de trigo, recolhidas de um barco oriundo da Austrália e que naufragou no canal de Bristol, próximo à Inglaterra, foram recolhidas por agricultores e, por estarem salgadas (impróprias para alimentação), plantaram-nas e, como resultado,
    • 3 as culturas delas originadas apresentaram-se livres do “carvão” (Tilletia foetida) em comparação com aquelas das sementes normais, devido à ação fungicida da água salgada. Posteriormente em 1761, a mistura sal e cal foi usada para esta finalidade. Em 1807 foi desenvolvido o sulfato de cobre. Em 1889, descobriu-se a eficiência da termoterapia no tratamento de sementes. Em 1917, foi introduzido o primeiro mercurial orgânico líquido. Em 1934 surgiu o fungicida do grupo do ditiocarbamatos (thiram) e posteriormente, o heterocíclicos (captan). A partir de 1960 houve grande avanço no tratamento químico de sementes, com o surgimento de diversos fungicidas dos grupos dos benzimidazóis (carberdazim, thiabendazol, tiofanato metílico), triazóis (triadimenol, tolyfluanid, fludioxonil). O Tratamento de sementes, no sentido amplo, é a aplicação de processos e substâncias que preservem ou aperfeiçoem o desempenho das sementes, permitindo a expressão máxima do potencial genético das culturas. Inclui a aplicação de defensivos (fungicidas, inseticidas e nematecidas), produtos biológicos (Trichoderma), inoculantes (bactérias do gênero Rhizóbium fixadoras de nitrogênio), estimulantes (hormônios), micronutrientes (Cu, Zn), etc. ou a submissão a tratamentos físicos (termoterapia). No sentido mais restrito, refere-se à aplicação de produtos químicos eficientes contra fitopatógenos. O tratamento químico de sementes além de ser econômico e de fácil execução, é também considerado seguro ao homem e ao ambiente. Devido à
    • 4 pequena quantidade de produtos adicionados às sementes e estes estarem em contato direto com o sítio alvo, é um método pouco prejudicial ao ambiente, quando comparado aos sistemas convencionais de tratamento de doenças, via aérea. Muitos autores consideram o tratamento químico de sementes como uma das medidas mais eficientes no controle de micro-organismos transportados e/ou transmitidos pelas mesmas, porque além de eliminar ou reduzir o inóculo do patógeno na semente, pode impedir a entrada de patógenos em áreas isentas, propiciar emergência uniforme de plantas, proteger as sementes e plântulas contra micro-organismos presentes no solo, além de evitar a necessidade de ressemeadura, com consequente economia de sementes. Esta prática representa apenas 0,5 a 1,0% do custo de produção das culturas. Cerca de 90% das sementes de soja brasileira são tratadas com fungicidas e 80% com Inseticidas. Em milho híbrido, 100% das sementes são tratadas com fungicidas e 85% com inseticidas. O mercado de fungicidas para tratamento de sementes mais que duplicou nos últimos 10 anos. Em 2011 foi de US$ 85 milhões (4,0% do mercado de fungicidas); sendo 59 % para soja, seguida pelo milho (13%), trigo, aveia, centeio e cevada (13%), algodão (4%), feijão (2%) e arroz (2%). O valor da comercialização de inseticidas para tratamento de sementes em 2011 foi de US$ 512 milhões (18 % do mercado de inseticidas), ou seja, superior ao de fungicidas; nesse caso, 63 % do valor gasto com inseticidas para o tratamento de sementes foi direcionado à cultura da soja, 23% a do milho, 3% a do trigo, aveia,
    • 5 centeio e cevada, 4%, a do algodão 2% a do feijão e 2% a do arroz. Esse crescente aumento de demanda no Brasil proporcionou a evolução tecnológica das indústrias de máquinas e equipamentos utilizados no tratamento das sementes, bem como o desenvolvimento de produtos de alta qualidade, a qualificação de pessoas e o aperfeiçoamento de sistemas de segurança, como o uso de equipamento de proteção individual (EPI). O tratamento de sementes, principalmente de milho híbrido e de hortaliças, é realizado por empresas produtoras de sementes, que as comercializam já tratadas. No caso de sementes de soja, atualmente o tratamento convencional é realizado pelo agricultor antes da semeadura através de máquinas pequenas. Outra possibilidade é o TSI (tratamento de semente industrial). Dentre as vantagens do tratamento industrial da semente vale destacar a qualidade superior devido à precisão da dose, cobertura e aderência dos produtos aplicados, além da questão da saúde dos operadores e da segurança na aplicação, que é muito mais controlada. Outra vantagem é a possibilidade da aplicação de produtos de recobrimento (film coating) a base de polímeros sintéticos que protegem as sementes e melhoram o desempenho no campo. Entre as desvantagens vale destacar o maior custo, pois o agricultor poderá adquirir sementes com todos os tratamentos, ou seja, fungicidas, inseticidas e nematicidas para serem utilizadas em áreas sem necessidade de controle de patógenos e/ou pragas, o que poderá causar contaminação do solo e do meio ambiente. É necessário um bom gerenciamento
    • 6 para assegurar a quantidade correta de sementes a serem tratadas, pois caso não sejam utilizadas, essas não poderão ser aproveitadas como grão. Primeiramente é necessário conhecer a qualidade sanitária das sementes, ou seja, identificar os patógenos e as pragas presentes para posterior escolha de tratamentos fungicidas, inseticidas e nematicidas mais adequados e devidamente registrados no MAPA. No caso dos fungicidas há diferenças quanto à abrangência de ação ou especificidade. Assim, a ação combinada de fungicidas sistêmicos com protetores tem sido estratégia das mais eficazes no controle de fungos presentes nas sementes e/ou no solo. REFERÊNCIAS HENNING, A.A. Tratamento industrial de sementes mais prático e eficiente. Revista campo & negócio, ano x, n. 115, 2012. MACHADO, J.C. Tratamento de sementes no controle de doenças. Lavras, LAPS/FAEPE, 138 p., 2000. MENTEN, J.O.M. et al. Evolução dos produtos fitossanitários para tratamento de sementes no Brasil. In: ZAMBOLIM, L., ed. Sementes: qualidade fitossanitária. Viçosa, UFV, p. 333-374, 2005. MENTEN, J.O.; MORAES, M.H.D. Avanços no Tratamento e recobrimento de
    • 7 sementes. Tratamento de sementes: Históricos, Tipos, Características e Benefício. Informativo Abrates, v.20, n3, 2010. NEERGAARD, P. Seed Pathology. London: MacMillan Press, v.1, 839p.,1979. PARISI, J.J.D.; MENTEN, J.O.M.; MARTINS, M.C. Sensibilidade in vitro e in vivo de Phomopsis sojae e Phomopsis phaseoli f. sp. meridionalis. Fitopatologia Brasileira, v.24, n.1, p.25-30, 1999. PARISI, J.J.D.; SANTOS, A. F.; MENTEN, J.O. Tratamentos de sementes florestais. In: SANTOS, A.F.; PARISI, J.J.D.; MENTEN, J.O. Patologia de sementes florestais, Colombo: Embrapa Florestas, cap. 4. 236p., 2011. SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA DEFESA AGRÍCOLA. SINDAG. Dados básicos. São Paulo: SINDAG, 2012. SOAVE, J.; MORAES, S.A. Medidas de controle de doenças transmitidas por sementes. In: SOAVE, J.; WHETZEL, M.M.V.S. Patologia de sementes. Campinas: Fundação Cargil, cap.8. 480p.,1987. TAYLOR, A.G.; HARMAN, G.E. Concepts and technologies of selected seed treatments. Annual Review of Phytopathology, v.28, p. 321-339, 1990.