Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this document? Why not share!

IBGE: safra brasileira de grãos deve ser 0,7% menor em 2012 - Redução em relação a 2011 se deve à estiagem na região Sul

on

  • 1,126 views

A safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deve alcançar 158,7 milhões de toneladas em 2012, de acordo com a estimativa divulgada nesta quinta, dia 9, pelo Instituto Brasileiro de ...

A safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deve alcançar 158,7 milhões de toneladas em 2012, de acordo com a estimativa divulgada nesta quinta, dia 9, pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). Pela previsão do órgão, a produção brasileira teria queda de 0,7% em relação à de 2011, quando foram registradas 159,9 milhões de toneladas.

http://agricultura.ruralbr.com.br/noticia/2012/02/ibge-safra-brasileira-de-graos-deve-ser-0-7-menor-em-2012-3658402.html

Statistics

Views

Total Views
1,126
Views on SlideShare
1,120
Embed Views
6

Actions

Likes
0
Downloads
6
Comments
0

1 Embed 6

http://alfonsin.com.br 6

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

IBGE: safra brasileira de grãos deve ser 0,7% menor em 2012 - Redução em relação a 2011 se deve à estiagem na região Sul IBGE: safra brasileira de grãos deve ser 0,7% menor em 2012 - Redução em relação a 2011 se deve à estiagem na região Sul Document Transcript

  • 1 – Lavouras1.1 – Produção Agrícola 2012 – primeiras estimativas da safra 2012, em nível nacional, emrelação à produção obtida em 2011 Dentre os vinte e seis produtos selecionados, oito apresentam variação positiva naestimativa de produção em relação ao ano anterior: algodão herbáceo em caroço (1,5%),caféem grão - ARÁBICA (13,5%),café em grão - CANEPHORA (3,1%), cana-de-açúcar (8,8%), feijãoem grão 2ª safra (16,2%), mamona em baga (34,2%), milho em grão 1ª safra (0,2%), milho emgrão 2ª safra (29,1%). Com variação negativa são dezoito produtos: amendoim em casca 1ªsafra (8,4%), amendoim em casca 2ª safra (0,6%), arroz em casca (14,9%), aveia em grão(10,8%), batata-inglesa 1ª safra (9,1%), batata-inglesa 2ª safra (11,4%), batata-inglesa3ª safra (2,0%), cacau em amêndoa (6,2%), cebola (3,6%), cevada em grão (13,3%), feijãoem grão 1ª safra (9,0%) feijão em grão 3ª safra (5,7%), laranja (8,3%), mandioca (1,5%) ,soja em grão (6,4%), sorgo em grão (7,7%), trigo em grão (11,0%) e triticale em grão(2,6%). Cumpre registrar que para os cultivos de segunda e terceira safras de algunsprodutos e para as culturas de inverno (trigo, aveia, centeio, cevada e triticale) que,devido ao calendário agrícola, não permitem que se tenha ainda uma avaliação da produção,os dados correspondem às projeções obtidas a partir das informações ocorridas em anosanteriores. 40 Variação percentual da produção - comparação 2012 / 2011 - BRASIL Mamona 30 Milho 2ª Café Arábica Feijão 2ª Cana de açúcar 20 Café Canephora Batata - ing. 1ª Alg. herbáceo Batata-ing. 3ª Amendoim 1ª Amendoim 2ª Batata-ing. 2ª 10 Mandioca Feijão 1ª Feijão 3ª Triticale Laranja Milho 1ª Cevada Cebola Sorgo Cacau Arroz Aveia Trigo Soja 0 -10 -20
  • Variação absoluta da produção - comparação 2012 / 2011 - BRASIL 7.000.000 6.000.000 Milho 2ª 5.000.000 4.000.000 3.000.000 Café Canephora Batata - ing. 1ª Batata-ing. 2ª Amendoim 1ª Café Arábica Batata-ing. 3ª Alg. herbáceo Amendoim 2ª 2.000.000 Mandioca Feijão 2ª Feijão 1ª Feijão 3ª Mamona Cevada Milho 1ª Laranja Triticale Cebola Cacau Sorgo Aveia Trigo Arroz 1.000.000 Soja 0 -1.000.000 -2.000.000 -3.000.000 -4.000.000 Cana-de-açúcar - diferença absoluta +55.998.380 t -5.000.0001.2 – Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas – primeiras estimativas da safra 2012,em nível nacional, em relação à produção obtida em 2011 Nesta primeira avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas,estima-se uma produção da ordem de 158,7 milhões de toneladas1, inferior em 0,7% à obtidaem 2011 (159,9 milhões de toneladas), e também 1,0% inferior ao último prognóstico(160,3 milhões de toneladas). Esta redução deve-se principalmente à estiagem ocorrida naregião Sul. A área a ser colhida em 2012, de 50,6 milhões de hectares, apresentaacréscimo de 4,0% frente à área colhida em 2011. As três principais culturas, que somadasrepresentam 90,7% da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas, o arroz, o milho e asoja, respondem por 83,0% da área a ser colhida. Em relação ao ano anterior o arrozapresenta uma redução de 9,2% enquanto o milho e a soja apresentam variações positivas de12,3% e 2,5%,respectivamente. No que se refere à produção, o arroz e a soja apresentam,nessa ordem, decréscimos de 14,9% e 6,4%, enquanto que o milho acréscimo de 11,4%. Vale destacar que, considerando apenas os produtos da safra de verão 2, a produçãoprevista, para esse grupo de grãos, de 121,1 milhões de toneladas é inferior em 5,3% àregistrada para esse mesmo conjunto em 2011 (127,9 milhões de toneladas). Essa redução sedeve principalmente à estiagem ocorrida na região Sul.1 Em atenção a demandas dos usuários de informação de safra, os levantamentos para Cereais, leguminosas e oleaginosas, ora divulgados, foram realizados em estreitacolaboração com a Companhia Nacional de Abastecimento - Conab, órgão do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, continuando umprocesso de harmonização das estimativas oficiais de safra, iniciado em outubro de 2007, para as principais lavouras brasileiras.2 Produtos de verão: Algodão herbáceo (caroço de algodão), amendoim 1ª safra (em casca), arroz (em casca), feijão 1ª safra, mamona (baga), milho 1ª safra (em grão)e soja (em grão)
  • 180.000.000 -0,7% 160.000.000 Cereais, leguminosas e oleaginosas 140.000.000 Área e Produção - Brasil 120.000.000 1980 a 2012 Produção (t) 100.000.000 80.000.000 60.000.000 +4,0% 40.000.000 Área (ha) 20.000.000 0 1981 1983 1985 1990 1992 1994 1996 1998 2003 2005 2007 2009 2011 1980 1982 1984 1986 1987 1988 1989 1991 1993 1995 1997 1999 2000 2001 2002 2004 2006 2008 2010 2012 Entre as Grandes Regiões, esse volume da produção de cereais, leguminosas eoleaginosas apresenta a seguinte distribuição: Centro-Oeste, 60,8 milhões de toneladas;Região Sul, 59,0 milhões de toneladas; Sudeste, 18,1 milhões de toneladas; Nordeste, 16,5milhões de toneladas e Norte, 4,3 milhões de toneladas. Comparativamente à safra passada,são constatados incrementos nas Regiões Nordeste, 12,0%, Sudeste, 5,4% e Centro-Oeste,8,5% e decréscimos na Região Norte, 0,6% e Sul, 12,7%. Observa-se, na figura a seguir, que o Mato Grosso, nessa primeira avaliação para2012, lidera como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 22,2%,seguido pelo Paraná, com 19,6% e Rio Grande do Sul, com 13,4%, estados que somadosrepresentam 55,2% do total nacional. 22,2 Cereais, leguminosas e oleaginosas 19,6 Participação na produção nacional Segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação Sudeste 2012 11,4% Nordeste Sul 13,4 10,4% Participação % 37,2% Norte 2,7% 9,7 Centro- Oeste 7,4 38,3% 6,0 4,7 4,2 4,0 2,1 1,8 1,2 0,9 0,7 0,6 0,5 0,4 0,2 RR 0,1 RN 0,1 ES 0,1 PB 0,1 AC 0,1 AL 0,1 AP 0,0 AM 0,0 RJ 0,0 PA BA MA DF RS GO MG RO CE SE MS SP PI PE SC PR TO MT
  • 1.3 – Comentários específicos – Safra 2012 em relação a safra 2011ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço) - A primeira estimativa de algodão herbáceo para 2012 é daordem de 5,1 milhões de toneladas, contra 5,0 milhões de toneladas obtidas em 2011,indicando um incremento de 1,5%. Este levantamento mantem a tendência informada no últimoprognóstico. Destaca-se que o Mato Grosso continua sendo o principal produtor, com 50,0%da produção nacional, apesar de ter sua área de plantio reduzida em 3,7% nesta safra. Aárea prevista é de 692.866 ha sendo que, nesse Estado, os plantios estendem-se atéfevereiro. No momento, caso se confirme o rendimento médio previsto de 3.703 kg/ha, aprodução esperada de 2.565.593 t, para o Mato Grosso, suplantará em apenas 1,0% aprodução de 2011. A Bahia, segundo produtor nacional, teve crescimento de 3,6% na área eredução de 0,6% na produção. Os estados que tiveram aumento expressivo de área foramPiauí (25,4%), Pernambuco (27,2%) e São Paulo (58,0%). O estado da Paraíba apesar deapresentar um aumento na área de 29,9% teve uma queda no rendimento médio de 54,7%,influenciando a diminuição da produção em 40,8%. 2.800.000 0 1, 2.600.000 2.400.000 Algodão herbáceo (em caroço) 2.200.000 Produção (t) 2.000.000 Variação % ,6 1.800.000 -0 1.600.000 1.400.000 1.200.000 1.000.000 800.000 2011 2012 ,0 600.000 -2 8 400.000 9, 6 ,4 2, ,7 7 8 ,7 ,7 1 -2 2, 0, 48 ,2 200.000 6 4, 34 28 -1 -4 9, 0 -1 MT BA GO MS MG PI SP MA CE PR RN PB PE ALAMENDOIM (em casca) 1ª safra- Para o amendoim, a área a ser colhida, no conjunto dosestados informantes, é de 79.627 ha, maior 4,2% que a área colhida na safra anterior. Aprodução esperada é de 237.547 t, 8,4% inferior à quantidade colhida na safra 2011, quetotalizou 259.341 t. São Paulo, maior produtor nacional, apesar de apresentar 8,2% deaumento de área (65.998ha), teve sua produção reduzida em 7,7% (207.762 t). A culturaembora apresente avanços tecnológicos, no que diz respeito a variedades e mecanização dacolheita, ainda não alcançou níveis semelhantes ao de outras importantes culturas noPaís. A utilização de áreas de renovação de cana-de-açúcar para plantio do amendoim éimportante e muitas vezes o cultivo da leguminosa fica na dependência da disponibilidadede áreas de cana, erradicadas após 5 anos de colheitas sucessivas, o que pode nãoacontecer, dependendo de condições de mercado e custos de produção, principalmente. Aqueda no rendimento da cultura pode estar associada à ausência de tratos culturais, jáque o preço atual do produto não estimula o investimento em tecnologia.ARROZ (em casca) - No que se refere à cultura do arroz, neste primeiro levantamento de2012, a produção esperada de 11,4 milhões de toneladas é 14,9% inferior à registrada em
  • 2011 (13,4 milhões de t). Essa avaliação praticamente mantém o quadro previsto noterceiro prognóstico, realizado em dezembro, que era de uma produção de 11,9 milhões detoneladas. A diminuição se deve, notadamente ao Rio Grande do Sul, principal produtor,com 64,4% de participação na produção nacional, que nessa avaliação registra umadiminuição de 17,6% na produção esperada e 10,1% na área plantada em relação a 2011. Essanova avaliação confirma a tendência de queda na área plantada, agora avaliada em 1,1milhão hectares, como consequência dos baixos preços do produto e da falta de água nasbarragens em algumas regiões do Estado. Parte das áreas cultivadas com arroz para a safrade 2011 foi ocupada com milho e, especialmente, com soja. O Prolongamento da estiagempoderá trazer prejuízos que serão avaliados futuramente. 9.000.000 ,6 8.000.000 7 -1 Arroz (em casca) 7.000.000 Produção (t) 6.000.000 Variação % 5.000.000 4.000.000 Part. Prod.>1% 3.000.000 2 0 11 2 0 12 2.000.000 1 ,8 ,9 6, ,4 -4 9 -2 1 ,5 ,5 1.000.000 4 ,6 -1 ,0 2, -0 0 1 -4 -1 -1 -4 0 RS SC MA MT TO PI PA PR RO GOFEIJÃO (em grão) 1ª safra - Para o feijão 1ª safra, aguarda-se para 2012 uma produção decerca de 1,8 milhões de toneladas, menor em 9,0% que a produção obtida em 2011. Registra-se uma área plantada de 2,2 milhões de hectares, menor 8,4% que a de 2011. Os baixospreços praticados, ao longo da última safra, e o fato de outros produtos como a soja e omilho apresentarem maiores perspectivas de rentabilidade são apontados como principaismotivos que desestimularam o plantio. Além desses fatores, no Paraná, maior produtor,participando com 18,9% da produção prevista para o País, a área a ser colhida de 246.131ha e a produção esperada de 344.235 t, são menores que as registradas na safra das águasde 2011 em 28,5% e 35,5%, respectivamente, este fato também é decorrente da perda de áreapara o milho e a soja. A diminuição no rendimento médio ocorreu como consequência dasbaixas temperaturas noturnas verificadas nos meses de novembro e dezembro e também daestiagem.
  • 900.000 Feijão (em grão) Total 9 800.000 4, -1 Produção (t) 700.000 Variação % 4 0, 600.000 500.000 Part. Prod.>1% ,2 53 400.000 9 6, 2011 2012 1 8, 300.000 7 0, -2 -1 5 5 9, 0, 200.000 -1 ,3 1 -9 ,3 3, 35 -2 ,3 2 ,3 100.000 ,5 ,8 55 7, 3 38 -2 5, -0 0 PR M G BA GO CE SP MT SC PE PI RS DF PB TO M A RO PAMILHO (em grão) 1ª safra - Aguarda-se para o milho 1ª safra uma produção de 34,2 milhõesde toneladas, superior em apenas 0,2% à observada em 2011. Apesar de haver um aumento de7,8% na área plantada, houve diminuição no rendimento médio de 8,7% em relação ao anoanterior, o que proporcionou estabilidade na produção. O quadro favorável, em relação aoincremento de área, é reflexo da recuperação dos preços do produto, o que se consolidouao longo do ano de 2011, fazendo com que muitos produtores optassem por esse cultivo deverão, em detrimento de outras culturas. Na região Sul, maior produtora, a área plantadade 2,7 milhões de hectares é superior em 10,6% à de 2011 e a produção esperada de 13,1milhões de toneladas, comparativamente ao mesmo ano, é inferior em 15,3%. O Paraná mostraexpressivo aumento na área plantada (22,0%), mas apresenta uma redução no rendimentomédio de 18,8% causado pela estiagem ocorrida nos meses de dezembro e janeiro. Isso fazcom que a produção esperada de 6,0 milhões de toneladas não varie muito em relação a2011, ficando 1% inferior. Minas Gerais, que pelo segundo ano é o maior estado produtorde milho 1ª safra, teve um aumento de área de 7,1%, com uma produção estimada em 7,1milhões de toneladas que é 14,0% maior que o ano anterior.
  • 8.000.000 ,1 14 7.000.000 Milho (em grão) 1ª safra ,0 -1 Produção (t) 6.000.000 Variação % 5.000.000 5 Part. Prod.>1% 7, 8 4.000.000 ,5 4, ,1 21 -4 -1 3.000.000 ,0 2011 2012 -1 2.000.000 ,1 ,4 50 13 ,6 ,2 ,7 ,7 11 ,6 5 1.000.000 47 53 3, 46 -5 0 MG PR SC GO RS SP BA PI CE MA MT PA MS RO DFMILHO (em grão) 2ª safra – A produção do milho 2ª safra deve alcançar 28,3 milhões detoneladas, o que representa 29,1% a mais que a produção do ano anterior. A área plantadae o rendimento médio também tiveram aumento de 11,1% de 11,5%, respectivamente. Esteaumento deve-se principalmente aos estados de Mato Grosso e Paraná, primeiro e segundomaiores produtores de milho 2ª safra, que tiveram sua produção aumentada 36,8% e 55,3%,respectivamente, em relação à safra de 2011. Cabe ressaltar que este ano o plantio domilho 2ª safra está sendo antecipado nestes estados, isto acontece porque o climafavoreceu o plantio da soja também um pouco antecipado, liberando assim as áreas para oplantio do milho safrinha mais cedo. ,8 11.000.000 36 ,3 55 10.000.000 Milho (em grão) 2ª safra 9.000.000 Produção (t) 8.000.000 Variação % 7.000.000 6.000.000 5.000.000 ,6 ,5 2011 2012 -3 4.000.000 -8 3.000.000 ,3 ,9 2.000.000 13 64 ,4 8 7 60 4, 0, 1.000.000 -3 0 MT PR MS GO SP SE BA MG DF
  • SOJA (em grão) - Para a soja em 2012, a produção esperada de 70,0 milhões de toneladasapresenta variação negativa de 6,4% em comparação ao total obtido em 2011. A área a sercolhida aponta um crescimento de 2,5%, enquanto que o rendimento médio esperado registraum decréscimo de 8,7%, sendo respectivamente, 24,7 milhões de hectares e 2.841 kg/ha. Noque se refere ao rendimento médio, a queda reflete as condições climáticas desfavoráveisocorridas na região Sul, como a estiagem verificada nos meses de dezembro e janeiro. EstaRegião registrou uma diminuição nessa variável de 24,5%. O Rio Grande do Sul que nomomento ocupa a terceira colocação na produção nacional, apresenta uma expressiva quedana produtividade(30,8%) o que acarreta uma diminuição na produção de 28,9%. No Paraná acultura também apresenta problemas da mesma ordem registrando um declínio da produção edo rendimento médio da ordem de 24,4% e 21,1% respectivamente. Santa Catarina tambémcontribuiu para esta diminuição da produção, teve uma redução de 2,1% da área a sercolhida, de 4,2% no rendimento médio e de 6,2% na produção que aponta para 1,4 milhão detoneladas. No Mato Grosso, maior produtor, a área a ser colhida de 6,9 milhões dehectares é superior em 7,4% à de 2011 o mesmo ocorrendo com a produção esperada de 22,0milhões de toneladas que cresce 5,9%. Vale ressaltar que a produtividade sofreu uma quedade 1,4% decorrente do excesso de chuvas que favoreceu a proliferação de doenças. 24.000.000 ,9 5 22.000.000 Soja (em grão) 20.000.000 18.000.000 Produção (t) 4 4, Variação % -2 16.000.000 14.000.000 9 8, 12.000.000 -2 ,6 10.000.000 3 2011 2012 8.000.000 ,2 7 6.000.000 ,6 ,1 -0 4 0 4.000.000 ,5 ,5 7, ,2 -2 1 18 -6 ,3 ,5 ,2 2.000.000 3 5 -0 -4 0, 0 MT PR RS GO MS BA MG MA SP SC PI TO RO PA DF Além dos grãos já mencionados, são relatados, a seguir, as ocorrências de algunsprodutos que fazem parte do elenco da conjuntura.Batata-inglesa (1ª safra) Para a batata-inglesa 1ª safra, a área destinada à colheita de 65.579 hectares émenor 8,5% que a colhida na safra correspondente de 2011. Caso se confirme o rendimentomédio previsto de 24.218 kg/ha a produção estimada poderá alcançar 1.588.184 toneladas,decrescendo 9,1% frente à safra de mesmo período em 2011. Minas Gerais é a principalUnidade da Federação produtora desta primeira safra (511.823 t), que representa 32,2% dovolume de produção nacional. Neste estado os preços praticados em 2011 ficaram abaixo dosregistrados no ano anterior o que pode ter desestimulado os produtores. Vale ressaltarque não foi confirmado o plantio previsto na projeção em diversos municípios do sul doestado, principalmente em torno de Pouso Alegre. Destacam-se ainda como grandesprodutores os estados do Paraná , Rio Grande do Sul e São Paulo com respectivamente
  • 27,5%, 19,2%, 15,1% do volume nacional.Café (em grão) A partir deste mês o IBGE passa a publicar separadamente as duas espécies de caféeconomicamente cultivadas no País, o arábica e o canephora, este último recebendo nomesde vários materiais genéticos mais utilizados, de acordo com o estado produtor. Assim,esta espécie pode ser conhecida por conilon, robusta, robustão, vitória, entre asnomenclaturas mais conhecidas. O tratamento, para efeito de fins estatísticos ecomentários técnicos será o de café canephora (Coffea canephora Pierre ex Froenher). De acordo com o levantamento realizado em janeiro, a safra nacional de café,considerando as duas espécies em conjunto, está inicialmente prevista em 2.957.597 t ou49,3 milhões de sacas de 60 kg. O crescimento da produção frente à safra colhida em 2011está estimado em 10,8%, embora a área de colheita deva decrescer 0,4%, estando previstos2.100.999 ha. A área total ocupada com as duas espécies é de 2.300.186 ha, sendo 4,1%maior que a área em 2011, representando quase 100.000 ha a mais, possivelmente járefletindo novos plantios que ocorreram por conta da recuperação dos preços do produtoverificados em 2010. As florações para a safra 2012, aconteceram de forma normal para as duas espéciese, a partir de outubro de 2011, as chuvas tiveram intensidade satisfatória na maioria dasregiões cafeeiras, suficiente para manter os chumbinhos e promover até agora, no mês dejaneiro, seu crescimento e “enchimento” . O acréscimo observado no rendimento médio, de 11,2%, consideradas o arábica e ocanephora em conjunto, pode ser creditada também à particularidade que apresenta o café,especialmente o arábica, de alternar anos de altas e baixas produtividades, embora sejapossível afirmar que esta natural manifestação fisiológica está progressivamentetornando-se de mais difícil percepção uma vez que práticas agrícolas como adensamento dasplantas, “stress hídrico” induzido, irrigação e podas bem conduzidas, tem colaboradopara minimizar a percepção da bianualidade fazendo com que, cada vez mais, diminuam asdiferenças entre anos de “alta” e “baixa” produtividades. Contudo, é importante ressaltarque não é o fenômeno fisiológico que está se modificando, mas sim, a sua evidenciação. Com referência ao café arábica (em grão), o País deverá produzir, em 2012,2.238.857 t, equivalentes a 37,3 milhões de sacas de 60 kg, 13,5% a mais que em 2011,sendo que o rendimento médio, característico de um ano de “alta”, deverá aumentar 14,0%frente ao ano passado. Embora a área a ser colhida apresente decréscimo de 0,5%, a áreatotal ocupada com café arábica no País deve aumentar 7,7%, representando 125.137 ha denovos plantios, evidenciando o bom momento que a cafeicultura experimenta. O caféarábica representa 75,7% de todo café cultivado no Brasil. Em Minas Gerais, maior produtor nacional de arábica, dependendo da região,ocorreram duas ou mais floradas. Os bons níveis de chuvas a partir de outubro até opresente momento estão refletindo positivamente nas previsões da safra de 2012, sendoesperada uma produção de 1.544.395 t (25,7 milhões de sacas), 17,2% a mais que 2011. Aárea total cultivada no Estado é de 1.162.555 ha, 15,1% superior a 2011, enquanto a áreaa ser colhida está inicialmente estimada em 1.015.543 ha, apenas 0,5% superior à áreacolhida em 2011. O rendimento médio esperado é de 1.521 kg/ha, sendo 16,6% maior que nasafra de 2011. O estado de Minas Gerais produz 69,0% de todo o arábica brasileiro.
  • Além de ser um ano de “safra cheia”, as excepcionais condições do mercado em 2011estimularam produtores que investiram na cultura, gerando aumento na produção empraticamente todas as regiões do Estado. Embora as chuvas tenham sido abundantes a partirde outubro, pelo menos até o momento, não se tem notícias que elas tenham comprometido odesenvolvimento das lavouras. Apesar disso, os custos com tratamentos contra doençasfúngicas, bacterianas e plantas invasoras devem aumentar. São Paulo, 2º maior produtor de arábica, deverá produzir 232.904 t (3,9 milhões desacas) em 2012, um aumento de 17,1%, frente ao ano passado, um acréscimo de 14,3% norendimento, também compatíveis com um ano de “alta”. No que se refere ao café canephora (em grão) o País deverá produzir 718.740 t (12,0milhões de sacas). Este café representa 24,3% do total produzido no Brasil. A espécieapresenta grande importância para o mercado interno e exportação e embora seja utilizadocomo bebida pura em alguns países do oriente médio, é na formação de “blends” com o caféarábica que o canephora revela seus grandes atributos, conferindo corpo e cor à bebida,estando esta combinação consagrada em todos os continentes. O Espírito Santo participa com 75,4% da produção nacional desta espécie. Em 2012,o Estado deverá colher 297.233 ha e produzir 541.717 t (9,0 milhões de sacas),registrando um aumento de 3,1% frente à safra de 2011. Em Rondônia, segundo maior produtor da espécie, a safra está inicialmente estimadaem 98.407 t (1,6 milhões de sacas), 5,2% a mais que em 2011. A figura a seguir apresenta a variação ocorrida na produção de café em relação aoano de 2011. 1.800.000 ,0 17 1.600.000 1.400.000 Café (em grão) Total Produção (t) 1.200.000 Variação % 1.000.000 0 4, 800.000 600.000 2011 2012 ,1 400.000 17 ,8 -4 0 2 200.000 ,4 0, 5, 6 2 ,3 5 -0 9, 5 6 3, 3, 3 1 -1 3, 8, 5, 5, -2 0 MG ES SP BA PR RO GO RJ PA MT CE PE MS AC DFMandioca (raízes) A produção nacional de mandioca para 2011, sem discriminação do destino da produçãode raízes na coleta de dados, esta avaliada em 25,7 milhões de toneladas mostrando umrecuo de 1,5% em relação à última safra. A área a ser colhida de 1,8 milhões de hectaresmantêm-se inalterada, enquanto verifica-se uma variação negativa de 1,4% no rendimentoprevisto de 14.683 kg/ha, em relação à safra de 2011. Os principais estados produtoressão Pará (17,9%), Paraná (16,0%) e Bahia (13,2%).