Your SlideShare is downloading. ×
entrevista à revista Turismo na Serra
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

entrevista à revista Turismo na Serra

97
views

Published on

Published in: Travel

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
97
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Para quem não conhece a cidade do Ipojuca, quais são os poten- ciais turísticos de atratividade da região? Porto de Galinhas hoje é o maior destino turístico do estado de Per- nambuco e, destaca-se entre os dez mais visitados do Brasil, dados estes oficiais do Ministério de Turismo e das agências operadoras respon- sáveis por este tipo levantamento, anualmente. A área ainda propicia um arrecife praticamente dentro da Vila de Porto de Galinhas, com a maré seca e com menos de cinco metros, você entra em contato com a beleza e a riqueza natural. Temos no estuário do Rio Maracaípe um criatório natural de cavalo marinho, que é localizado dentro do manguezal, entre as raízes que estão fincadas no solo. Propor- cionamos, também, uma grande visualização das tartarugas marinhas, em média a desova desta espécie dura cerca de cinco a seis meses por ano, e o turista poderá observar a sua ida, após processo natural, para o mar. Além de oferecermos a maior concentração de árvores Baobás em nosso Estado, inclusive algumas com mais de trezentos anos. No distrito- sede temos o Engenho Gapió, de 1846, com uma capela no meio do canavial, centrada na área rural, muito preservada. Ainda temos um néctar de um vulcão desativado, que fica próximo à usina. Estes destinos mencionados são pre- servados e totalmente engajados nos meios de preservação ambiental. Conte-nos sobre os processos acer- ca de infraestrutura, destacando também o que está em pauta e o que já está sendo executado. Em área física, Ipojuca tem duas vezes e meio o tamanho de Recife, doze vezes o tamanho de Olinda, além de possuirmos uma área territo- rial de 527 km². De acordo com o último senso do IBGE, temos 83 mil habitantes, distribuídos nos quatro distritos que formam a região, são eles: Distrito-sede, Nossa Senhora perfil Ruixavier ipojuca de múltiplos potenciais Um destino rico em história, cultura e encan- tos ambientais, detentor de uma das rotas turísticas mais procuradas do país – Vila de Porto de Galinhas - busca gerir processos de requalificação da sua ca- deia produtiva, com o obje- tivo de garantir mobilidade, comodidade e segurança aos visitantes que almejam curtir os atrativos da região. do Ó, Camela e o Distrito Industrial de Suape. Vale salientar que dentro destes distritos existem as Vilas Litorâ- neas de Muro Alto, Cupe, Maracaípe, Serrambí, Touquinhos, Suape e Porto de Galinhas – que se destaca como potencial econômico e turístico, com expressão nacional e internacional - quem sabe se logo não venha a se formar um distrito. Estamos cuidando da urbanização das praças, privilegiando a mobilida- de das pessoas. Além de estabelecer ações de saneamento básico para uma condição indispensável de satisfação do nosso público visitante e os que já são residentes. Os profis- sionais que prestam serviço na área de limpeza pública são muito ativos, temos uma escala de 24 horas, com profissionais concentrados nos traba- lhos de higiene básica, em especial, na área de Porto de Galinhas. Como podemos qualificar os processos de sinalização dos polos turísticos? Essa é uma questão que estamos começando a trabalhar. Hoje o nosso maior potencial turístico é Porto de Galinhas, mas conta com uma sinali- zação deficiente, é difícil para quem chega se situar na região. Inclusive é um tema que tem preocupado a ges- tão pública, por isso já selecionamos e contratamos profissionais para criar uma nova concepção de sinalização turística, sabemos que é um traba- lho que demandará tempo, mas já iniciamos o processo de retirada das placas, para reconstrução do foco. Podemos dizer que é um projeto em desenvolvimento, mas que até o final do ano estará implantado. Quais medidas estão sendo toma- das que visem à qualificação das vias de acesso as áreas litorâneas que compõem a região? Temos 32 km de litoral, que começa em Porto do Suape e termina na praia de Toquinho. A rodovia que dá acesso a PE 60 está prejudicada, mas que segue em fase de manutenção. Mas, para chegar a Porto de Galinhas, por exemplo, você passa por rodovias pedagiadas que dão maior segurança na estrada, no que se refere à mobi- lidade. Quanto à parceria com instituições de suporte ao desenvolvimento da região? O Sebrae é um parceiro, eles vêm desempenhando um trabalho ma- ravilhoso que visa “linkar” a cadeia produtiva em torno de si mesmo em forma de rede, retratando o assunto em seminários bem construtivos. A intenção é fazer com que os atrativos turísticos estejam “linkados”, sejam as redes ambientais ou de informações, a exemplo das redes sociais. Hoje Porto de Galinhas dispõe de um Centro de Atendimento ao Turista (CAT), em que consistem as atividades do local? Notamos a necessidade de ter um local onde o turista pudesse se infor- mar dos atrativos da região, desde o acesso até alguns pré-requisitos de localidade. Preparamos nosso corpo funcional quanto aos melhores processos de atendimento, a nossa equipe é formada por profissionais bi- língues que vão atender o estrangei- Rui Xavier,de 55anos,é Engenheiro Civil. Com 30 anos de experiência em gestão pública,conduziu alguns cargos de chefia nas seguintes esferas:Departamento de Controle Operacional da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU),em Recife.Secretaria de Obras,Viação e Urbanismo (1998/2000),In- fraestrutura e Serviços Municipais (2001/2002), na cidade do Ipojuca,além de administrar os processos de manutenção pertencente à Secretaria de Serviços Urbanos e Obras de Jaboatão dos Guararapes. Atualmente ocupa a função de Secretário de Turismo e Cultura do Ipojuca. papeandopapeando “Temos no estuário do Rio Maracaípe um criatório natural de cavalo marinho,que é localizado dentro do manguezal,entre as raízes que estão fincadas no solo.Ainda possuímos tar- tarugas marinhas e centenários baobás,todos preservados” POR_LAYANNA FLORÊNCIO IMAGENS_UHÉLIO GONÇALVES 16 j u n h o 2 0 1 4 j u n h o 2 0 1 4 17
  • 2. ro, assim como o brasileiro, da melhor forma possível. Como é distribuído e orientado o grupo formador da cadeia produ- tiva de Ipojuca, em especial, do seu principal destino turístico, Porto de Galinhas? Porto de Galinhas tem um ponto mui- to positivo, no sentido de que todo o tipo de associação ser personalidade jurídica, o que facilita a relação com o poder público. Os jangadeiros têm CNPJ, diretoria, assim como os taxis- tas, ambulantes e etc. Cada profissio- nal que trabalha engajado nesse setor de otimização dos processos econô- micos e turísticos da região tem uma entidade de classe, que são ativos na discussão de projetos de melhorias para o melhor desempenho de suas atividades no setor. Explique-nos qual o objetivo de instituir um decreto que controla a entrada de veículos que transpor- tam turistas para a praia de Porto de Galinhas? O decreto de número 135, de 25 de abril de 2014, tem o objetivo de disciplinar a entrada destes veículos na praia. É fazer com que a capacida- de de carga da praia seja compatível ao número de turistas que chegam ao local aos domingos e feriados nacionais. Estipulamos o número de 16 transportes com a capacidade de 50 passageiros. Deste modo, orienta- mos que ao vir para Porto nestes dias específicos, liguem para Prefeitura de Ipojuca e informem sua ida a Porto, que receberá a autorização como um arquivo digitalizado, que pode ser enviado por e-mail ou via fax para o solicitante, que deverá apresentar a fiscalização para posterior liberação de entrada a área. Chamamos de ‘controle do fluxo de pessoas para a ordem do município’, o que já explica a nossa ação. O que queremos é garantir a mobilidade, o conforto e a segurança dessas pesso- as que visitam Porto de Galinhas. A princípio este projeto demandou diversas críticas, mas com o passar do tempo as pessoas compreenderam que esta medida visa melhorias e não proibições. Em Porto de Galinhas existe uma central de carregamento de Celu- lares, uma ação diferenciada do Governo Municipal. Qual o obje- tivo desta implementação e o que ela tem trazido de positivo para região? Toda a captação de energia respeita as condições ambientais, de preserva- ção natural, deste modo associamos a energia solar e incluímos um espaço nas proximidades do Centro de Aten- dimento ao Turista (CAP), que agrega cabeamentos variados para carregar telefones portáteis e tablets. Essa ideia gerou uma demanda positiva, muitos elogios. Mas o índice de depredação é crescente, como os furtos de cabos conectores. Outra questão que vale salientar é que também dispomos de uma internet sem fio de qualidade, com acesso gratuito, que visa privilegiar o nosso povo e o visitante de Porto. Porto de Galinhas também tem se destacado com a execução de pro- jeto acerca do turismo acessível. Qual o objetivo deste segmento? O Governo do Estado criou o progra- ma Praia sem Barreiras, implantou em Fernando de Noronha e depois trouxe para Porto de Galinhas. O objetivo do sistema é garantir acessibilidade e mobilidade para as pessoas deficientes. Nós temos um convênio com a Associação Rodas da Liberdade que é quem opera o sistema para a Prefeitura, inclusive na contratação de profissionais, moni- tores presentes, cadeiras adequadas para transportar o deficiente, pro- porcionando banho de mar gratuito assistido, além de dispor mergulhos e passeios de jangada – pagos - para essas pessoas. Quais os pontos positivos e nega- tivos de Ipojuca, enquanto destino turístico? Os pontos negativos estão relacio- nados à falta de frequência de ações que qualificassem o destino Porto de Galinhas, foram oito anos de uma interrupção na gestão do destino turístico. Ocorreu que coube ao governo atual a reorganização desta cadeia produtiva, porque é aquela coisa, o hotel desempenha um bom trabalho, ele busca o turista até no exterior, mas se o turista chega ao local e observa que o sistema turis- mo não funciona, ele não volta. Do ponto de vista positivo, observamos que os diversos encantos da região, todos totalmente preservados. Além de campeonatos de esporte náuti- cos. Se você pudesse convidar quem nunca esteve em Ipojuca e se pudesse reforçar o convite de retorno, para quem já conheceu os encantos da região, o que desta- caria? Ipojuca está em transformação e a cada dia está cada vez melhor. Porque o poder público é presente, a exemplo, o funcionamento até aos domingos desta Secretaria de Turis- mo. Aqui você ainda pode desfrutar dos encantos de Porto de Galinhas, ainda posso reforçar: Porto de Gali- nhas, muito mais que um paraíso. “Chamamos de ‘controle do fluxo de pessoas para a ordem do município’, o que já explica a nossa ação. O que queremos é garantir a mobilidade, o conforto e a segurança dessas pessoas que visitam Porto de Galinhas” ruixavier FOTOS_ UHÉLIO GONÇALVES18 j u n h o 2 0 1 4 j u n h o 2 0 1 4 19