Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this document? Why not share!

Like this? Share it with your network

Share

Coletanea 2010

on

  • 4,611 views

COLETÂNEA DE MATERIAL DE APOIO

COLETÂNEA DE MATERIAL DE APOIO
PARA USO NA APLICAÇÃO DO CURRÍCULO NOS
GRUPOS DE EXERCÍCIO MEDIÚNICO-2010

Statistics

Views

Total Views
4,611
Views on SlideShare
3,085
Embed Views
1,526

Actions

Likes
0
Downloads
49
Comments
0

12 Embeds 1,526

http://ccm-2012.blogspot.com.br 1174
http://sbeeccm.blogspot.com 119
http://ccm-2011.blogspot.com 76
http://www.sbeeccm.blogspot.com 69
http://www.ccm-2012.blogspot.com.br 41
http://ccm-2012.blogspot.com.es 24
http://ccm-2012.blogspot.ch 10
http://ccm-2012.blogspot.com 7
http://www.ccm-2012.blogspot.pt 3
http://ccm-2012.blogspot.it 1
http://ccm-2012.blogspot.de 1
http://ccm-2012.blogspot.co.uk 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Coletanea 2010 Document Transcript

  • 1. SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS ESPÍRITAS COLETÂNEA DE MATERIAL DE APOIO PARA USO NA APLICAÇÃO DO CURRÍCULO NOS GRUPOS DE EXERCÍCIO MEDIÚNICO Outubro de 2010 Versão 1.2
  • 2. Nosso maior inimigo é o desconhecimento de quem somos. Espírito Leocádio José Correia O Centro Espírita deve trabalhar para alcançar o padrão de Universidade aberta. Espírito Antonio Grimm Currículo é vida; é, portanto, a totalidade das experiências do ser humano que são dirigidas, conotadas, para os fins de educação. O exercício mediúnico deve refletir no seu currículo a conduta de todos, permitindo uma linha processual educativa com continuidade e seqüência. Espírito Marina Fidélis
  • 3. SUMÁRIO Proposta desta coletânea ...................................................................................................... 1 Filosofia e objetivo do exercício mediúnico............................................................................... 2 Planejamento do semestre de reuniões do GEM ....................................................................... 2 Fase preparatória - antecede o início do semestre .................................................................... 2 Leitura básica ...................................................................................................................... 2 Sugestões de releitura .......................................................................................................... 2 Livro Espiritismo e Currículo .................................................................................................. 2 Sugestões de leitura complementar ........................................................................................ 3 Material de apoio.................................................................................................................. 3 Programa de atividades do Semestre ...................................................................................... 4 Plano de reunião semanal do GEM .......................................................................................... 4 Exemplo de um plano reunião: (aplicável ao Módulo 4): ............................................................ 4 Avaliação ............................................................................................................................ 5 Coordenando a reunião de exercício mediúnico ........................................................................ 5 Recursos da primeira reunião................................................................................................. 6 Técnicas de reunião .............................................................................................................. 6 Rede de Contatos ................................................................................................................. 7 Informativo da fase pré-curricular .......................................................................................... 8 Natureza e significado do convite para participação do GEM - Grupo de Exercício Mediúnico .......... 9 Currículo ............................................................................................................................. 9 Fichamento de leitura do livro ―O Médium e o Exercício Mediúnico‖ da irmã Marina Fidélis ........... 10 Espiritismo e Espiritualismo ................................................................................................. 12 Reencarnação, Livre Arbítrio e Mediunidade ........................................................................... 12 Espiritualização .................................................................................................................. 13 Preâmbulo do livro ―O Que é o Espiritismo‖ ........................................................................... 14 O que é o Espiritismo? – Alguns conceitos ............................................................................. 15 Evangelho no Lar ............................................................................................................... 16 Como fazer o Evangelho no Lar ............................................................................................ 16 Exemplo de texto do Evangelho para leitura de debate - Morte Prematura ................................. 17 Se fosse um homem de bem, teria morrido ........................................................................... 18 A Força Da Prece ................................................................................................................ 19 Prece de Francisco de Assis ................................................................................................. 21 A ignorância também mata. - Alumínio: útil e mortal .............................................................. 22 Alimentação Natural ........................................................................................................... 23 O Caso da Ponte ................................................................................................................ 24 Dinâmica de Grupo - O Caso da Ponte - Instruções para o Coordenador: ................................... 25 O Dilema da Vacina ............................................................................................................ 27 O Dilema da Vacina (Parte 2) ............................................................................................... 28 Regras para viver no planeta terra ....................................................................................... 29 Carta do Chefe Seatle ......................................................................................................... 30 SBEE - Exercício Mediúnico – Módulo 2 (2/2002) .................................................................... 32 Deus................................................................................................................................. 32 Comentários ...................................................................................................................... 33 DEUS - A evolução de um conceito ....................................................................................... 34 Calvin – Tirinhas ................................................................................................................ 35 Deuses Egípcios ................................................................................................................. 36 Deuses Gregos ................................................................................................................... 37 Jesus e a Moral Cristã ......................................................................................................... 38 Um Homem Chamado Jesus ................................................................................................ 40 O Livro da Vida .................................................................................................................. 44
  • 4. Da Pluralidade das Existências - A Reencarnação – O Livro dos Espíritos ................................. 45 Reencarnação .................................................................................................................... 47 Um Novo Fim ..................................................................................................................... 49 Ecografia ........................................................................................................................... 50 A eficiência da 'lei seca' ....................................................................................................... 51 Um pequeno serviço ........................................................................................................... 52 Livre-arbítrio ..................................................................................................................... 53 A Resposta da Gratidão ....................................................................................................... 54 Competência e Humildade ................................................................................................... 55 O Eco ............................................................................................................................... 56 Só Não Erra Quem Não Faz – Erro é acerto em processo ......................................................... 57 Festival do Vinho ................................................................................................................ 58 Vôo Tam 3054 – Acaso, Destino ou Livre Arbítrio? .................................................................. 59 Cultura e Mediunidade ........................................................................................................ 62 Mediunidade – SBEE – Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas – Maio/2000 ........................... 63 Hagar – Recrutador de Tripulações – Sintonia e frequência ...................................................... 65 Exercício da Amnésia: ......................................................................................................... 66 Consoada .......................................................................................................................... 67 Trajetória de Vida ............................................................................................................... 68 Darwin e - o que é evolução? (Coleção Caminhos da Ciência – Scipione) ................................... 70 O que dificulta nossa reforma espiritual? ............................................................................... 71 Breve História do Espiritismo ............................................................................................... 72 Allan Kardec ( 1804 - 1869) ................................................................................................ 73 Breve história da SBEE ....................................................................................................... 74 Inventário da Estrutura e Atividades da SBEE – Junho de 2006 - (Sumário) ............................. 75 Introdução à Filosofia ......................................................................................................... 83 Para que serve a filosofia? ................................................................................................... 85 Ciência Espírita .................................................................................................................. 88 Carbono-14 uma testemunha do tempo ................................................................................ 89 Caminhante ....................................................................................................................... 91 Religião do Eldorado ........................................................................................................... 92 Doutrina dos Espíritos ......................................................................................................... 93 Cercas ou Pontes? .............................................................................................................. 94 Autoavaliação: ................................................................................................................... 95 Duas Histórias, Dois Destinos .............................................................................................. 96 Trecho do Evangelho .......................................................................................................... 97 Filmes ............................................................................................................................. 100
  • 5. 1 Proposta desta coletânea A proposta deste trabalho é reunir um conjunto de documentos que possam servir de apoio para a leitura, estudo e debate nos grupos de exercício mediúnico. O livro ESPIRITISMO E CURRÍCULO; sugere os temas a serem trabalhados nos grupos; este trabalho sugere alguns artigos, recortes, reproduções e dinâmicas que podem facilitar a abordagem ao conhecimento que se pretende explorar. O conteúdo deste trabalho tem caráter exemplificativo e não deve ser visto como modelo, mas como padrão da diversidade de meios que o coordenador pode lançar mão para alcançar os objetivos do exercício mediúnico. Os recursos aqui disponibilizados podem servir tanto aos núcleos que já possuem módulos seqüenciais estruturados, como aos núcleos que por razões diversas ainda não tem como seguir o currículo proposto no livro Espiritismo e Currículo editado pela SBEE. As fontes utilizadas são várias e incluem as obras da codificação espírita; os livros editados pela SBEE; os conteúdos do site www.sbee.org.br; o jornal Documentos SBEE; as edições da revista SER Espírita; as matérias e artigos do site www.serespírita.com.br; artigos de jornais e revistas; notícias do cotidiano; artigos espíritas; dinâmicas de grupo e outras técnicas de apoio à condução das reuniões. Cada tema sugerido pelo currículo pode ser trabalhado com profundidade variável dependendo do módulo, prontidão ou experiência dos coordenadores e coordenandos. Para tanto o coordenador pode fazer uso de um documento base que facilite a abertura do debate e sirva de referencial para o coordenando. Tipicamente, a reunião do grupo de exercício mediúnico é um debate em torno de uma questão onde o coordenador convida a opinião dos participantes; expressa sua opinião sobre o assunto; apresenta um material que sirva de referencia e conduz para uma conclusão antes da prece de encerramento da atividade do dia. A proposta não é convencer pessoas, mas ajudá-las a repensar o pensado, expondo idéias sem impor convicções. Sempre que um grupo, por alguma razão, recebe novos integrantes é importante relembrar os princípios básicos da Doutrina dos Espíritos para facilitar aos novos o entendimento e encadeamento das idéias que se está debatendo.
  • 6. 2 Filosofia e objetivo do exercício mediúnico A filosofia do Grupo Exercício Mediúnico é alcançar o princípio básico da vida que é o espiritual e o planejamento das reuniões de grupos visa a aplicação do currículo dentro de uma pedagogia construtivista. O objetivo é promover em cada pessoa o autoconhecimento e o desenvolvimento de uma consciência crítica e ativa de seu próprio processo de vida, trazendo instrumentos e instruções fundamentais ao gerenciamento das oportunidades, desafios e contradições do cotidiano. Planejamento do semestre de reuniões do GEM Fase preparatória - antecede o início do semestre Antes do início do semestre é importante organizar o conteúdo e o material de apoio para o desenvolvimento das reuniões. Leitura básica A leitura mínima; recomendada ao coordenador e seu grupo pode ser encontrada nas páginas 39 e 63 do Livro Espiritismo e Currículo. Um método que o Coordenador pode utilizar no planejamento das 15 a 18 reuniões do semestre é o de definir um tema para cada reunião e selecionar um texto ou outro recurso que represente o exemplo ou o apoio lógico do que se está debatendo ou estudando. Sugestões de releitura Como preparação para o início de cada semestre, recomenda-se a releitura periódica de textos, mensagens e livros de apoio, que permite a ampliação e o enriquecimento da interpretação alcançada em leituras anteriores. 1- Textos de apoio e glossário do livro ―Espiritismo e Currículo‖ 2 - Espiritismo e Exercício Mediúnico da Irmã Marina Fidélis 3 - O Médium e o Exercício Mediúnico pelo espírito Leocádio José Correia 4 - Cadernos de Psicofonias pelo espírito Antonio Grimm 5- Textos do jornal Documentos SBEE 6 - A espiritualidade ilumina a vida do homem, entre outros livros pelo espírito Leocádio José Correia Livro Espiritismo e Currículo O livro que orienta a aplicação do currículo dos Grupos de Exercício Mediúnico apresenta o seguinte conteúdo: Sugestões para o Ciclo Básico
  • 7. 3 Sugestões para o Ciclo Complementar Glossário Textos de Apoio: Deus Jesus e a Moral Cristã Livre Arbítrio Mediunidade Reencarnação Espírito Evolução Trajetória de Vida Mediunato Espírita Homem Integral Auto atualização permanente Avaliação no Exercício Mediúnico Sugestões de leitura complementar  Filosofia para não filósofos. Albert Jacquard  Iniciação à História da Filosofia. Danilo Marcondes  Introdução à Filosofia Espírita – Herculano Pires  Sementes da descoberta científica. W.I.B. Beveridge  Ética para meu filho. Fernando Savater  As Perguntas da Vida. Fernando Savater  Sociologia básica. Machado Neto, A.L.  Cultura - Um Conceito Antropológico. Roque Laraya  Coleção Caminhos da Ciência. Steve Parker o Einstein e a Relatividade o Franklin e a Eletrostática o Edison e a Lâmpada Elétrica o Galileu e o Universo o Darwin e a Evolução o Newton e a Gravitação o Pasteur e os Microorganismos o Marie Curie e a Radioatividade Material de apoio Seleção de materiais que permitam fazer o cruzamento do cotidiano com os princípios doutrinários e que possam ajudar a enriquecer as reuniões:  editoriais de jornais  artigos de revistas e jornais  textos de apoio do livro Espiritismo e Currículo  quadrinhos de jornais e revistas  imagens e outros recursos.
  • 8. 4 Programa de atividades do Semestre Definição dos temas, estratégias e técnicas que poderão ser aplicadas para as reuniões do semestre. Trata-se de um programa genérico, suscetível a mudanças no decorrer do semestre de acordo com o emergente do grupo. Plano de reunião semanal do GEM . Abertura: . Tema: . Assunto: . Objetivo: . Conteúdo: . Técnica: . Recursos: . Encerramento: Exemplo de um plano reunião: (aplicável ao Módulo 4): . Abertura: Prece Conversa dois a dois por cinco minutos . Tema: Autoconhecimento . Assunto: Objetivos de vida . Objetivo: Promover reflexão sobre história e trajetória de vida. . Conteúdo: . Construção do significado de história de vida; . Entendimento do que é trajetória de vida e o impacto das escolhas; . A importância do estabelecimento de objetivos de vida; . Técnica: . Primeiro momento: solicitar ao grupo que elabore um cartaz através de recorte e colagem, respondendo a questão: ―Quais são os meus objetivos (2 ou 3) de vida?‖ . Segundo momento: breves apresentações individuais. . Terceiro momento: fechamento. . Recursos: Cartolina, cola, tesouras, revistas velhas. . Encerramento: Relaxamento rápido e prece final.
  • 9. 5 Avaliação A avaliação das reuniões de grupo de exercício mediúnico é processo e como tal deve ser contínua, ampla e permanente. Deve permitir o diagnóstico para manutenção ou correção de rota, assim como a auto-avaliação (do coordenador). No processo de avaliação cabe alguns questionamentos, entre outros: . Como coordenador(a), tenho procurado conhecer cada integrante do meu grupo? . Tenho sabido lidar com o emergente do grupo? . Tenho conseguido perceber o perfil dominante do grupo? (Mais científico. Mais afetivo. Mais preocupado com fenômenos.) . Conhecendo o perfil do grupo, tenho conseguido adaptar métodos, linguagem e conteúdo às suas necessidades? . Tenho procurado ampliar meu conhecimento através da boa leitura? . Tenho alcançado os objetivos planejados? . O grupo vem participando de forma ativa nas reuniões? Tem feito comentários e/ou perguntas? . Estou alcançando o que o grupo quer e o que ele precisa? . Os coordenandos vem compreendendo os conceitos trabalhados? . Os coordenandos conseguem entender os desdobramentos dos conceitos e princípios trabalhados? . Os coordenandos tem conseguido aplicar os conceitos no seu cotidiano? Coordenando a reunião de exercício mediúnico O Coordenador do Grupo de Exercício Mediúnico – GEM é misto de estudante e facilitador de aprendizado. Entre as ferramentas que dispõe está a leitura da natureza, do mundo, dos textos, das pessoas e das coisas. Uma de suas grandes contribuições é o exemplo. A reunião é aberta com uma prece por parte do coordenador, segue com a leitura de um trecho do Evangelho que pode ou não ter relação com o tema a ser tratado. As técnicas devem se alternar de modo a não cansar os participantes. Se em uma semana a atividade foi uma palestra expositiva, a atividade da semana seguinte deve propiciar o debate que aprofunde o tema anterior esclarecendo dúvidas que possam ter ficado.
  • 10. 6 Recursos da primeira reunião - Lista coletando nomes, fones e e-mails - Crachás com nome legível - Regras de horário - Orientação sobre água fluída - Apresente o colega do lado. Técnicas de reunião São inúmeras as técnicas que podem ser adotadas de modo a enriquecer a prática das reuniões. Alguns exemplos abaixo: . Apresentação expositiva e interativa. Após o ―aquecimento‖ o apresentador coloca uma ou várias perguntas para incentivar a participação do grupo; . Discussão em grande grupo. Colocado o assunto em questão o coordenador vai estimulando o grupo e construindo os conceitos a partir da colaboração do grupo. . Discussão em sub-grupos utilizando textos com mesmo conteúdo ou com conteúdos diferentes de modo a permitir o cruzamento no momento da discussão em grande grupo. . Debate entre dois sub-grupos que defendem posições opostas. Dependendo da maturidade do grupo em um primeiro momento o coordenador solicita aos sub- grupos que discutam o assunto assumindo uma posição e no momento do debate inverte as posições.
  • 11. 7 Rede de Contatos REDE DE CONTATOS DO GRUPO DE EXERCÍCIO MEDIÚNICO Fone Fone Fone Nome e-mail Comercial Residencial Celular 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25
  • 12. 8 Informativo da fase pré-curricular A filosofia do Exercício Mediúnico é a promoção, preservação e valorização da vida. Tem como objetivo maior promover em cada pessoa o desenvolvimento de uma consciência crítica e ativa de seu próprio processo de vida, trazendo instrumentos e instruções fundamentais ao gerenciamento de seu cotidiano. A Educação Espírita é libertadora. Procura, através do conhecimento, conscientizar e desenvolver em cada indivíduo o sentido universal da vida que é a evolução. A Educação Espírita quer revelar a cada um o que cada um realmente é. Entendemos que todas as potencialidades, todos os recursos, todas as ferramentas para a vida, existem e subsistem no interior da pessoa. O espiritismo é a vida e o caminho da vida. O Espiritismo, através da pedagogia da cultura, demonstra, permanentemente, que a consciência do homem representa a sua liberdade. Temos consciência de que o homem alcançará uma maior e melhor constituição do exterior pela força de seu interior. Alcançando-se é que o homem alcança o Universo; é sendo que ele é a vida. O Exercício Mediúnico é encontro, fraternidade, caridade e diálogo, troca de experiências e informações, é estudo e pesquisa, é construção do conhecimento. O grupo de Exercício Mediúnico busca, continuamente, na própria vida, a descoberta de novos caminhos, para a aprendizagem da vida. Trabalha permanentemente na abertura de horizontes mais amplos, mais claros, que permitam a cada um se renovar e crescer no sentido do seu viver. Secretaria do Exercício Mediúnico
  • 13. 9 Natureza e significado do convite para participação do GEM - Grupo de Exercício Mediúnico A escassez de pessoas, tempo e recursos nos obriga a concentrar esforços com pessoas realmente interessadas em ampliar o seu conhecimento dos princípios espíritas. O fato de vir até a casa espírita é um indicador da busca por um entendimento maior sobre o sentido e o significado da vida. O centro espírita é um laboratório que busca a verdade e deve trabalhar no sentido de alcançar e manter o foro de universidade aberta. Através do estudo da filosofia, da ciência e da religião, o Espiritismo busca oferecer os instrumentos e as instruções para que cada pessoa se revele a si mesma, alcance a identidade creatura-Creador e exerça seu livre arbítrio de maneira mais consciente. Currículo Seguimos um currículo que procura auxiliar cada um a fazer um melhor entendimento dos princípios da Doutrina Espírita: Deus Jesus e a moral cristã Reencarnação Livre arbítrio Mediunidade Imortalidade Espírito Evolução À medida que o estudioso espírita amplia seu conhecimento do significado de Deus, Jesus e seu exemplo, reencarnação, livre arbítrio, mediunidade, e outros princípios que vão se revelando à medida que seu entendimento se amplia, a visão de mundo se altera. Mudando a visão, mudam os valores e com isso o comportamento vai entrando em sintonia com as leis naturais. A assiduidade às reuniões do grupo de exercício mediúnico tem real importância, pois os temas se interligam uns com os outros e com o tempo o exercitando vai percebendo, não só a ligação entre os temas, com também o impacto do conhecimento adquirido no seu comportamento diário. Outro aspecto a considerar é o respeito aos espíritos que se acompanhanham cada exercitando durante o exercício mediúnico.
  • 14. 10 Fichamento de leitura do livro “O Médium e o Exercício Mediúnico” da irmã Marina Fidélis O objetivo do exercício mediúnico é alcançar ―o princípio básico da vida, que é o espiritual‖. pg 14 - "O exercício mediúnico, através da teoria e da prática, deve redimensionar a visão crítica do exercitando sobre a vida, a evolução e todos os comportamentos humanos." pg 19 - "O aprendizado no exercício mediúnico deve sensibilizar o médium para as grandes responsabilidades doutrinárias, sociais, espirituais." pg 19 - "Devem os orientadores, continuamente, procurar novas técnicas que permitam maior equilíbrio, satisfação e espiritualidade para os orientandos." pg 23 - "O médium, inserido no processo civilizatório materialista, deve estar atento a não se comprometer com os princípios materialistas que negam o princípio básico da vida, que é o espiritual." pg 23 – ―A mensagem espírita fortalece a busca de novos elementos, pois procura afiançar que só há liberdade no espírito quando ele se conhece, sabe quem é, o que quer, o que faz, por que faz;...‖ pg 24 – ―O médium, agente do bem, da fraternidade, não pode cultivar uma bondade aparente. Sua transformação deve ser integral, atingindo, portanto, toda a extensão da sua vida.‖ Pg 30 – ―Devemos associar o ensino da Doutrina dos Espíritos ao momento presente...‖ Pg 31 – ―A educação espírita é libertadora, procura conscientizar e desenvolver em cada indivíduo o sentido universal da vida que é a evolução.‖ Pg 33 – ―O médium deve descobrir, na Doutrina dos Espíritos, respostas, suporte para todos os momentos da existência.‖ Pg 34 – ―O facilitador mediúnico precisa sensibilizar o médium espírita a fazer reflexão sobre a realidade em que vive, para alcançar o conceitual de sua origem, da significação do espiritual, da natureza, do semelhante, da finalidade evolutiva da vida, do exemplo sublime e benevolente de Cristo, da grandeza, da bondade e da justiça de Deus.‖ Pgs 38 e 39 – Ver questões sugeridas para avaliação do andamento do exercício mediúnico... Pg 47 – ―A vida em qualquer estágio é sempre um processo para alcançar a plenitude do ser.‖ Pg 47 – ―Não basta cuidar do corpo, é preciso, é fundamental, cuidar do espírito na plenitude de todo seu ser. Toda educação sem fundamentação filosófica é estéril.‖ Pg 51 – ―Não somos mais fortes do que a nossa convicção. Não aprendemos senão pela força inspiradora da nossa convicção.‖
  • 15. 11 Pg 52 – ―O homem é sempre o seu pensamento, limitado pelo seu ideal; o homem vive a força da sua convicção.‖ Pg 56 – ―A comunhão com Deus traz ao espírito humano a saúde, a paz, o poder, a felicidade, a harmonia.‖ Pg 60 – ―O importante é a transformação íntima, a reforma moral, a consciência do que faz, por que faz, por que deixa de fazer, não perdendo nunca a identidade com o livre-arbítrio.‖ Pg 60 – ― O Espiritismo explica que não há milagres, tudo se explica racionalmente no Universo.‖ Pg 61 – ―Não há médiuns desenvolvidos na escalada da evolução. Todos caminham em todos os momentos para aprender, modificar comportamentos, melhor operar o sistema universal da vida.‖ Pg 61 – ―O médium deve ter consciência crítica da alta responsabilidade de orientar o próximo sem tirar-lhe a liberdade, de educar sem constranger, de falar em amor exemplificando, de ajudar e agenciar a caridade sem humilhar, de ensinar a liberdade com responsabilidade, se aconselhar sem anular o livre arbítrio, de ser útil sem se sentir indispensável, de participar dos padrões materiais sem descurar dos princípios espirituais, de ser humilde sem servilismo, de acreditar sem imaginar que é dono da verdade, de crer em Deus, no Evangelho de Cristo e na Doutrina dos Espíritos sem perder o raciocínio crítico‖. Pg 65 – ―Método é um caminho para se alcançar um fim; não há Espiritismo sem Ciência‖.
  • 16. 12 Espiritismo e Espiritualismo Todas as religiões que acreditam na sobrevivência do espírito são espiritualistas, mas isto não quer dizer que são espíritas. O Espiritismo é a interpretação e a prática dos princípios da Doutrina Espírita. De uma forma ou de outra, os religiosos buscam entender a vida além da vida e cada um faz a sua interpretação possível. A comunicação com os espíritos tem propiciado aos espíritas o acesso a informações que permitem olhar a vida sob uma nova perspectiva. Reencarnação, Livre Arbítrio e Mediunidade Grande parte dos religiosos do mundo crê na sobrevivência do espírito, contudo, muitas religiões pregam que só se encarna uma vez. Em outras palavras é como se fosse proibido voltar para aprender o que não foi possível aprender em uma encarnação. Há outras correntes de pensamento religioso que acreditam na eterna recorrência, ou seja, que o ser nunca se livra da reencarnação. O Espiritismo entende que o processo reencarnatório é uma das fases da evolução do espírito. O livre arbítrio é uma das conseqüências da evolução do espírito, mas essa liberdade é equilibrada por outra lei conhecida como causa e efeito ou ação e reação. Na mesma medida que somos livres, somos também responsáveis pelas conseqüências do nosso, pensar, falar e agir. Um dos recursos que a vida disponibiliza como meio de orientação e crescimento é a mediunidade. Este é um recurso que todos temos em potencial e que usamos em maior ou menor grau e cujo aperfeiçoamento depende do exercício. Mediunidade é um instrumento que auxilia cada pessoa a alcançar novos referenciais na construção do novo, pelo rompimento de seus limites, pela ampliando da visão de si mesmo, dos outros, da natureza, de Deus. Mediunidade é expressão de identidade, é sintonia e troca de experiências. Mediunidade é interação entre os polissistemas material e espiritual.
  • 17. 13 Espiritualização Ao olharmos a espiritualização como processo, podemos começar com a frase de Leon Denis: - ―A consciência dorme no mineral, desperta no vegetal, se move no animal e pensa no ser humano‖. Processo pressupõe sequência de eventos e no que diz respeito à espiritualização ainda não entendemos seu princípio ou seu fim. Voltando no tempo, encontramos evidências que nos permitem imaginar uma época em que os humanos primitivos não tinham qualquer consciência do espiritual. No início os humanos concebiam apenas o mundo material. Achados arqueológicos parecem sugerir o surgimento da consciência do espiritual quando as pessoas passaram a enterrar seus pares com alguns dos seus pertences. Há registros de pessoas enterradas com armas, jóias, símbolos de nobreza, alimentos, etc. Os egípcios chegaram a desenvolver a técnica da mumificação, na esperança de usar seu próprio corpo na vida após a vida. Ao contrário deles, os rituais gregos incluíam a cremação do corpo com uma moeda em cada olho. As moedas deveriam servir para pagar Caronte, o barqueiro que os levaria ao Hades. São evidências como estas que comprovam que a crença na existência do mundo espiritual é muito antiga. Com o passar do tempo começam as comunicações entre o mundo material e o mundo espiritual. . Moisés edita os 10 mandamentos . A Pitonisa de Delphos responde aos questionamentos de pessoas que a procuram demonstrando um crescente reconhecimento da possibilidade da comunicação entre o mundo material e o espiritual. No século XIX as comunicações se intensificam e ganham caráter científico com a presença de várias pessoas, em torno do fenômeno das mesas girantes e a anotação de perguntas e respostas, que acabaram desaguando na psicografia e psicofonia. O processo começou a ocorrer em vários países com a participação de homens e mulheres de várias áreas do conhecimento. Surge a consciência de que a comunicação entre o polissistema material e o polissistema espiritual é uma das características do espírito encarnado ou não. A descoberta é maravilhosa, pois através destas comunicações o Homem finalmente se dá conta de que é realmente um espírito. Como conseqüência descobrimos que não somos seres materiais vivendo uma experiência espiritual; somos seres espirituais vivendo mais uma experiência material. Neste estágio compreendemos que o mundo material é apenas uma parte do universo natural que inclui o polissistema espiritual e o polissistema material. À medida que o homem descobre que é um espírito sujeito às leis naturais, estando entre elas a reencarnação, ele alcança a compreensão da imortalidade e o sentido da reencarnação. Com isso sua visão da vida, do mundo, do ser e das coisas, se altera por inteiro e suas atitudes antes despreocupadas, mudam para atitudes cada vez mais conseqüentes. Neste estágio o homem encarnado alcança o sentido da reespiritualização onde sua atitude para ser a de buscar a harmonização entre o mundo natural e o mundo cultural em que vive.
  • 18. 14 Preâmbulo do livro “O Que é o Espiritismo” As pessoas que não têm do Espiritismo senão um conhecimento superficial, são naturalmente levadas a fazer certas indagações, às quais um estudo completo lhes daria, sem dúvida, a solução. Mas o tempo e, freqüentemente, a vontade, lhes faltam para se consagrarem às observações continuadas. Quereriam, antes de empreender essa tarefa, saber ao menos do que se trata e se vale a pena dela se ocuparem. Pareceu-nos útil, pois, apresentar, em um quadro restrito, a resposta a algumas das questões fundamentais que nos são diariamente dirigidas. Isso será, para o leitor, uma primeira iniciação e, para nós, tempo ganho pela dispensa de repetir constantemente a mesma coisa. O primeiro capítulo contém, sob a forma de diálogos, respostas às objeções mais comuns da parte daqueles que ignoram os primeiros fundamentos da Doutrina, assim como a refutação dos principais argumentos dos seus opositores. Essa forma nos pareceu mais conveniente, porque não tem a aridez da forma dogmática. O segundo capítulo é consagrado à exposição sumária das partes da ciência prática e experimental, sobre as quais, na falta de uma instrução completa, o observador novato deve dirigir sua atenção para julgar com conhecimento de causa. É de alguma forma o resumo de O Livro dos Médiuns. As objeções nascem, o mais freqüentemente, de idéias falsas que são feitas, a priori, sobre o que não se conhece. Corrigir essas idéias é antecipar-se às objeções: tal é o objeto deste pequeno escrito. O terceiro capítulo pode ser considerado como o resumo de O Livro dos Espíritos. É a solução, pela Doutrina Espírita, de um certo número de problemas do mais alto interesse de ordem psicológica, moral e filosófica, que são colocados diariamente, e aos quais nenhuma filosofia deu, ainda, soluções satisfatórias. Que se procure resolvê-los por outra teoria, e sem a chave que nos oferece o Espiritismo, e ver-se-á que elas são as respostas mais lógicas e que melhor satisfazem à razão. Este resumo não é somente útil para os iniciantes que poderão nele, em pouco tempo e sem muito esforço, haurir as noções mais essenciais, mas também o é para os adeptos aos quais ele fornece os meios para responder às primeiras objeções que não deixam de lhe fazer, e, de outra parte, porque aqui encontrarão reunidos, em um quadro restrito, e sob um mesmo exame, os princípios que eles não devem jamais perder de vista. Para responder, desde agora e sumariamente, à questão formulada no título deste opúsculo, nós diremos que: O Espiritismo é ao mesmo tempo uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. Como ciência prática, ele consiste nas relações que se podem estabelecer com os Espíritos; como filosofia, ele compreende todas as conseqüências morais que decorrem dessas relações. Pode-se defini-lo assim: O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza, da origem e da destinação dos Espíritos, e das suas relações com o mundo corporal.
  • 19. 15 O que é o Espiritismo? – Alguns conceitos O Espiritismo é a interpretação e a prática dos princípios fundamentais da Doutrina dos Espíritos. Espiritismo é ciência, filosofia e religião. O Espiritismo procura, na vivência da ciência, fazer a verdade através da prova. Na filosofia, procura mostrar, afirmar, reunir e expor o pensamento sobre a evolução da vida à luz do conhecimento. Na concepção religiosa, faz vida consciente, operando, mediante a história de vida de cada um, a força do auto-conhecimento, objetivando o alcance da identidade com o Creador. Espírito Antonio Grimm O Espiritismo é a religião da compreensão alcançada, do entendimento construído, dos valores vivenciados, da modificação consciente do comportamento através do conhecimento renovado de si mesmo, do conhecimento renovado do significado e da unidade da vida, do conhecimento renovado da identidade com o Creador. O religioso espírita é o que sustenta pensamento, linguagem, comportamento, que o aproximam cada vez mais, do agenciar conscientemente a organização, o ordenamento, a harmonia, a estruturação inteligente do universo. Espírito Leocádio José Correia O Espiritismo é ciência empírica, reflexão filosófica e religião natural. O Espiritismo é uma doutrina que abrange todo o conhecimento humano, acrescentando-lhe as dimensões espirituais que lhe faltam para a visualização da realidade total. O mundo é o seu objeto, a razão é o seu método e a mediunidade é o seu laboratório. J. Herculano Pires
  • 20. 16 Evangelho no Lar O Evangelho tradicional, conhecido e respeitado por todas as religiões; cujo significado é boa nova, contém os ensinamentos e o código moral do Cristo. As parábolas e ensinamentos de Jesus contidas no Evangelho Segundo o Espiritismo são explicados pelos espíritos de maneira acessível ao entendimento da maioria das pessoas. Apesar da sua linguagem própria da época de Kardec, o evangelho se mantém incrivelmente atual e segue como um farol iluminando a escuridão do entendimento humano sobre a vida, seu sentido e significado. A leitura semanal do Evangelho no lar é uma prática recomendada que deve ser iniciada e mantida como hábito da família e recurso de reflexão sobre os desafios e contradições do cotidiano. O Evangelho Segundo o Espiritismo é um manual de vida, portanto, sua leitura tem o potencial iluminador para quem busca conhecer, compreender e praticar os ensinamentos de Jesus. Além de ser um referencial moral, serve ainda como recurso educativo e transformador. Como fazer o Evangelho no Lar Escolha um dia e um horário fixo na semana para fazer o Evangelho. Convide todas as pessoas da casa – incluindo as crianças – mas não obrigue ninguém a participar. Convide pessoas que trabalham na casa e visitantes eventuais a participar. O respeito à data e hora permitem que plano espiritual se organize e esteja presente às reuniões . Coloque sobre a mesa, ou em outro local próximo, um recipiente, de preferência que seja de vidro transparente, com água para a fluidificação e sirva para as pessoas após o término da reunião. Outra forma é a de se colocar um copo ou uma garrafa de água com o nome de cada um que poderá ser tomada após a reunião ou durante a semana. Não existe e nem precisa ser criado nenhum ritual para a leitura do evangelho, portanto, estar sentado em volta de uma mesa, em outro local qualquer, de mãos dadas ou não, com esta ou aquela cor de roupa não vai influenciar em nada. A sinceridade, a boa sintonia, os bons pensamentos e a intenção de fazer o bem são as únicas coisas que contam. Inicie com uma breve prece agradecendo a oportunidade do momento, a reunião familiar, e o apoio dos espíritos orientadores. A prece é uma conversa com Deus e não uma formula pré- estabelecida. O Evangelho pode ser lido de maneira sistemática até completar sua leitura integral. Como o texto é dividido por mensagens breves de uma ou duas páginas, o tempo pode ser regulado pela leitura e debate destes trechos. Após a leitura incentive os comentários com a participação daqueles que queiram emitir opinião sobre o conteúdo lido. Debata as dúvidas e as relações com os acontecimentos do dia-a-dia de cada um, lembrando sempre, que o momento é de reflexão e não de critica ao comportamento de quem quer que seja. Após os comentários pode ser feito um momento de irradiação (pensamentos positivos emitidos para algumas pessoas que não estão presentes, para os hospitais, para a paz, por exemplo). Os nomes podem ser expressos em voz alta ou apenas em silêncio com os pedidos que cada um achar coerente fazer em benefício do próximo – amigo ou não – em seguida faz-se o encerramento da atividade com outra prece agradecendo mais uma vez pela oportunidade do
  • 21. 17 encontro, os ensinamentos e entendimentos, o apoio dos espíritos protetores, a iluminação Deus e Jesus. Exemplo de texto do Evangelho para leitura de debate - Morte Prematura 21. Quando a morte ceifa nas vossas famílias, arrebatando, sem restrições, os mais moços antes dos velhos, costumais dizer: Deus não é justo, pois sacrifica um que está forte e tem grande futuro e conserva os que já viveram longos anos cheios de decepções; pois leva os que são úteis e deixa os que para nada mais servem; pois despedaça o coração de uma mãe, privando-a da inocente criatura que era toda a sua alegria. Humanos, é nesse ponto que precisais elevar-vos acima do terra-a-terra da vida, para compreenderdes que o bem, muitas vezes, está onde julgais ver o mal; a sábia previdência onde pensais divisar a cega fatalidade do destino. Por que haveis de avaliar a justiça divina pela vossa? Podeis supor que o Senhor dos mundos se aplique, por mero capricho, a vos infligir penas cruéis? Nada se faz sem um fim inteligente e, seja o que for que aconteça, tudo tem a sua razão de ser. Se perscrutásseis melhor todas as dores que vos advêm, nelas encontraríeis sempre a razão divina, razão regeneradora, e os vossos miseráveis interesses se tornariam de tão secundária consideração, que os atiraríeis para o último plano. Crede-me; a morte é preferível, numa encarnação de vinte anos, a esses vergonhosos desregramentos que pungem famílias respeitáveis, dilaceram corações de mães e fazem que antes do tempo embranqueçam os cabelos dos pais. Freqüentemente, a morte prematura é um grande benefício que Deus concede àquele que se vai e que assim se preserva das misérias da vida, ou das seduções que talvez lhe acarretassem a perda. Não é vítima da fatalidade aquele que morre na flor dos anos; é que Deus julga não convir que ele permaneça por mais tempo na Terra. É uma horrenda desgraça, dizeis, ver cortado o fio de uma vida tão prenhe de esperanças! De que esperanças falais? Das da Terra, onde o liberto houvera podido brilhar, abrir caminho e enriquecer? Sempre essa visão estreita, incapaz de elevar-se acima da matéria. Sabeis qual teria sido a sorte dessa vida, ao vosso parecer tão cheia de esperanças? Quem vos diz que ela não seria saturada de amarguras? Desdenhais então das esperanças da vida futura, ao ponto de lhe preferirdes as da vida efêmera que arrastais na Terra? Supondes então que mais vale uma posição elevada entre os homens, do que entre os Espíritos bem-aventurados? Em vez de vos queixardes, regozijai-vos quando praz a Deus retirar deste vale de misérias um de seus filhos. Não será egoístico desejardes que ele aí continuasse para sofrer convosco? Ah! essa dor se concebe naquele que carece de fé e que vê na morte uma separação eterna. Vós, espíritas, porém, sabeis que a alma vive melhor quando desembaraçada do seu invólucro corpóreo. Mães; sabei que vossos filhos bem-amados estão perto de vós; sim, estão muito perto; seus corpos fluídicos vos envolvem, seus pensamentos vos protegem, a lembrança que deles guardais os transporta de alegria, mas também as vossas dores desarrazoadas os afligem, porque denotam falta de fé e exprimem uma revolta contra a vontade de Deus. Vós, que compreendeis a vida espiritual, escutai as pulsações do vosso coração a chamar esses entes bem-amados e, se pedirdes a Deus que os abençoe, em vós sentireis fortes consolações, dessas que secam as lágrimas; sentireis aspirações grandiosas que vos mostrarão o porvir que o soberano Senhor prometeu. - Sanson, ex-membro da Sociedade Espírita de Paris. (1863.)
  • 22. 18 Se fosse um homem de bem, teria morrido 22. Falando de um homem mau; que escapa de um perigo, costumais dizer: - "Se fosse um homem bom, teria morrido." Pois bem; assim falando, dizeis uma verdade, pois, com efeito, muito amiúde sucede dar Deus a um Espírito de progresso ainda incipiente prova mais longa, do que a um bom que, por prêmio do seu mérito, receberá a graça de ter tão curta quanto possível a sua provação. Por conseguinte, quando vos utilizais daquele axioma, não suspeitais de que proferis uma blasfêmia. Se morre um homem de bem, cujo vizinho é mau homem, logo observais: - "Antes fosse este." Enunciais um grande erro, porquanto aquele que parte concluiu a sua tarefa e o que fica talvez não haja principiado a sua. Por que, então, haveríeis de querer que ao mau faltasse tempo para terminá-la e que o outro permanecesse preso à gleba terrestre? Que diríeis se um prisioneiro, que cumpriu a sentença contra ele pronunciada, fosse conservado no cárcere, ao mesmo tempo que restituíssem à liberdade um que à esta não tivesse direito? Ficai sabendo que a verdadeira liberdade, para o Espírito, consiste no rompimento dos laços que o prendem ao corpo e que, enquanto vos achardes na Terra, estareis em cativeiro. Habituai-vos a não censurar o que não podeis compreender e crede que Deus é justo em todas as coisas. Muitas vezes, o que vos parece um mal é um bem. Tão limitadas, no entanto, são as vossas faculdades, que o conjunto do grande todo não o apreendem os vossos sentidos obtusos. Esforçai-vos por sair, pelo pensamento, da vossa acanhada esfera e, à medida que vos elevardes, diminuirá para vós a importância da vida material que, nesse caso, se vos apresentará como simples incidente, no curso infinito da vossa existência espiritual, única existência verdadeira. - Fénelon. (Sens, 1861.) Trecho obtido na Internet em uma cópia on-line do Evangelho Segundo o Espiritismo Jesus escreve sobre o caráter dos que o cercam
  • 23. 19 A Força Da Prece Estudo Brasileiro mostra que o corpo reage a preces. (1) A espiritualidade exerce ação efetiva sobre o corpo humano? R: Cientistas do mundo inteiro vêm realizando estudos na tentativa de esclarecer essa questão. No que depender da primeira pesquisa brasileira nessa área, a resposta é sim. Segundo um estudo da UnB (Universidade de Brasília), um dos principais mecanismos de defesa do organismo - a fagocitose - pode ter a função estabilizada com preces feitas à distância. O estudo foi realizado com 52 voluntários, todos estudantes de medicina da UnB. A cada semana, uma dupla fornecia amostras de sangue e respondia a um questionário sobre estresse. (...) Encaminhava-se uma foto do voluntário, identificada apenas pelo nome, a um grupo de dez religiosos de diferentes credos, que, por uma semana, faziam preces para aquela pessoa. Coordenada pelo professor de imunologia Carlos Eduardo Tosta, a pesquisa demorou três anos para ser concluída. - "Eu e minha equipe ficamos surpresos porque, embora no fundo quiséssemos que houvesse influência [das orações], achávamos que a maior probabilidade seria a de não acontecer nada", diz o médico. Ana Paula de Oliveira - da Folha de São Paulo, 09.07.2004. Como vemos e constata também Joanna de Ângelis, ―lentamente, mesmo sem dar-se conta, os cientistas se tornam sacerdotes do Espírito e avançam corajosamente ao encontro de Deus e de Suas Leis, que vigem em toda parte‖. Gradativamente, a ciência vai comprovando fatos que a Doutrina Espírita já tem demonstrado. Na experiência aqui relatada identificamos vários eventos importantes: a força do pensamento, a ação dos fluidos e o valor da prece intercessória. Allan Kardec, ao emitir seus comentários na questão 662 de O Livro dos Espíritos, afirma que ―o pensamento e a vontade representam em nós um poder de ação que alcança muito além dos limites da nossa esfera corporal. A prece que façamos por outrem é um ato dessa vontade.‖ Diz-nos o Espírito Emmanuel que ―O homem custa a crer na influencia das ondas invisíveis do pensamento, contudo, o espaço que o cerca está cheio de sons que os seus ouvidos materiais não registram (...)‖ . E ainda esclarece: ―a eletricidade é energia dinâmica; o magnetismo é energia estática; o pensamento é força eletromagnética‖. É através dessa força que emulamos nossas preces e também direcionamos nossas vibrações benéficas em favor de outras pessoas, pois ―a prece é a emanação do pensamento bem direcionado e rico de conteúdos vibratórios‖. Vale a pena considerar a elucidação do Espírito André Luiz ao referir-se aos passes, que podem também ser transmitidos à distância, através das vibrações que são doadas e veiculadas pela ação da prece: - ―Pelo passe magnético, no entanto, notadamente naquele que se baseie no manancial da prece, a vontade fortalecida no bem pode soerguer a vontade enfraquecida de outrem para que essa vontade novamente ajustada à confiança magnetize naturalmente os
  • 24. 20 milhões de agentes microscópicos a seu serviço, a fim de que o estado orgânico, nessa ou naquela contingência, se recomponha para o equilíbrio indispensável‖. André Luiz esclarece-nos ainda que ―reconhecendo-se a capacidade do fluido magnético para que as criaturas se influenciem reciprocamente, com muito mais amplitude e eficiência atuará ele sobre as entidades celulares do estado orgânico – particularmente as sanguíneas e as histiocitárias -, determinando-lhes o nível satisfatório, a migração ou a extrema mobilidade, a fabricação de anticorpos ou, ainda, a improvisação de outros recursos combativos e imunológicos, na defesa contra as invasões bacterianas e na redução ou extinção dos processos patogênicos (...)‖. Verificamos que, na experiência da UnB, os voluntários comportaram-se como agentes passivos inconscientes do experimento e, apesar disso, foram beneficiados pela ação das preces, no que se refere à estabilização das funções da fagocitose. Observou-se também, segundo os questionários que foram respondidos, que o nível de estresse dos estudantes destinatários das preces não mudou. Pode-se concluir com isso que, se os voluntários tivessem consciência do processo e participassem dele ativamente, - ―ativando suas antenas receptoras destas energias‖ (4) - seguramente os resultados poderia ser ainda mais proveitosos. O mesmo aconteceria nos casos de aplicação direta de bioenergia através de passes. Quando ―Jesus recomendou que orássemos uns pelos outros, num convite à solidariedade fraternal, (ele assim o fez) a fim de que nos ajudemos através das ondas mentais da comunhão com Deus‖, (5) sem que isso significasse a instituição de profissionalismo religioso. Só nos resta sugerir que os estudiosos e investigadores continuem a produzir experiências que tragam cada vez mais luzes ao conhecimento humano, pois ―são eles os missionários da fé vibrante dos tempos passados, que retornam com o instrumento da ciência para confirmar o potencial de mediar o bem que há em cada ser‖. (2) por: Lincoln Barros de Sousa Bibliografia: 1 - Folha on-line_Folha de São Paulo, Jornal. Estudo Brasileiro mostra que corpo reage a prece. 08 de julho 2004, 07:36h. 2 - FRANCO, Divaldo Pereira. Desenvolvimento Científico. In:___. Dias Gloriosos, 1ª. ed. Salvador: LEAL, 1999. p. 12 e 20. 3 - ______ - Pedir e Conseguir. In:__ Jesus e o Evangelho à Luz da Psicologia Profunda, 1ª ed, Salvador: LEAL, 2000. p. 220. 4 - ______ - Orações Encomendadas. In:__ Messe de Amor, 7ª ed., Salvador: LEAL, 1964, p 155. 5 - ______ - Orações Solicitadas. In:__Desperte e Seja Feliz, 4ª ed. Salvador:LEAL, 1998. p.160. 6 - KARDEC, Allan. A Prece, Questão 662. In: ___O Livro dos Espíritos, 83ª.ed. Rio de Janeiro: FEB, 2002. p. 320. 7 - XAVIER, Francisco Cândido. Intercessão.In: ___Pão Nosso, 5ª.ed. Rio de Janeiro:FEB, 1977. p.45. 8 - ______ - Vontade. In:___Pensamento e Vida, 9ª ed. Rio de Janeiro: FEB, 1991. p.16. 9 - ______ - Passe magnético. In: Evolução em Dois Mundos, 16ª ed. Rio de Janeiro:FEB, 1998, p. 200 e 201
  • 25. 21 Prece de Francisco de Assis Senhor, fazei de mim instrumento do Vosso Amor, Onde haja ódio, que eu leve o amor. Onde haja tristeza, que eu leve a alegria. Onde haja dor, que eu leve o alívio. Onde haja desespero, que eu leve a esperança. Onde haja trevas, que eu leve a luz. Senhor, Que eu não procure tanto ser compreendido quanto compreender. Que eu não procure tanto ser consolado quanto consolar. Que eu não procure tanto ser amado quanto amar. Porque é dando que recebemos, É perdoando que somos perdoados, E é morrendo que nascemos para a vida eterna.
  • 26. 22 A ignorância também mata. - Alumínio: útil e mortal Se seu cabelo está caindo, desconfie do alumínio. Este metal, quando está excessivo no organismo, provoca grande oleosidade no couro cabeludo, que vai sufocar a raiz dos cabelos. Usar xampus contra a oleosidade ajuda, mas se você não eliminar a causa, vai perder muito cabelo. Muitas vezes a queda de cabelos vem acompanhada de dormências ou formigamentos quando se fica na mesma posição (com as pernas cruzadas, por exemplo). Além dos seus cabelos, todo seu organismo está sendo prejudicado: o alumínio deposita-se no cérebro, causando o mal de Alzheimer (esclerose mental precoce) e expulsa o cálcio dos ossos, produzindo a osteoporose. Este cálcio vai se depositar em outros lugares, produzindo bursite, tártaro nos dentes, bico de papagaio, cálculos renais... E também vai para dentro das suas artérias, estimulando a pressão alta e a possibilidade de isquemias cardíacas (infarto), cerebrais (trombose) e genitais (frigidez e impotência). Para o Dr. MauroTarandach, da Sociedade Brasileira de Pediatria, está bem claro o papel do alumínio nas doenças da infância, graças ao avanço da biologia molecular no que tange ao papel dos oligoelementos na fisiologia e na patologia. Os sintomas clínicos da intoxicação por alumínio nas crianças, além da hiperatividade e da indisciplina, são muitos: anemia microcítica hipocrômica refratária ao tratamento com ferro, alterações ósseas e renais, anorexia e até psicoses, o que se agrava com a continuidade da intoxicação. No Rio de Janeiro, pesquisa realizada pelo Dr. Sérgio Teixeira, membro da Sociedade Brasileira de Medicina Biomolecular, através do mineralograma (análise dos metais presentes no organismo mediante a espectrometria dos cabelos humanos) revelou uma média próxima de 17 vezes acima do normal nos 3.000 pacientes estudados durante três anos, entre crianças e adultos de ambos os sexos. Esse estudo, publicado em seu livro Medicina Holística - a Harmonia do Ser Humano, da Editora Campus (1998) demonstra bem a importância que o mineralograma teve para a medicina. Atualmente o Dr. Sérgio Teixeira utiliza a biorressonância para avaliar o nível do alumínio e outros metais. O método é muito menos dispendioso, podendo ser utilizado no consultório ou na casa do paciente. E como é que o alumínio entra no organismo? Através das panelas de alumínio, por exemplo, que vêm sendo proibidas em muitos países do mundo. Na Itália, famosa por seus restaurantes, nenhum deles pode usar essas panelas, devido à proibição do governo italiano. É que as panelas de alumínio contaminam a comida intensamente. Para você ter uma idéia: pesquisa da Universidade do Paraná demonstrou que as panelas vendidas no Brasil deixam resíduos de alumínio nos alimentos que vão de 700 a 1.400 vezes acima do permitido. Isso só ao preparar a comida. Se esta ficar guardada na panela por algumas horas, ou de um dia para o outro, este valor pode triplicar ou quintuplicar. Viu por que vale a pena trocar de panelas? Mas não é só. Sabe as latinhas de refrigerantes e cervejas, hoje tão difundidas no Brasil? Pesquisa do Departamento de Química da PUC demonstrou que elas não são fabricadas de acordo com os padrões internacionais. Em conseqüência, seu refrigerante predileto pode conter quase 600 vezes mais de alumínio do que se estivesse na garrafa. E além do alumínio, foram demonstrados pelo mesmo estudo mais 12 outros metais altamente perigosos para a saúde nessas latinhas, como o manganês, que causa o mal de Parkinson, o cádmio, que causa psicoses, o chumbo, encontrado no organismo de muitos assassinos e outros. Que tal? Prefira as garrafas, tá? Descoberto em 1809, o alumínio é um metal muito leve (só é mais pesado do que o magnésio) e já foi muito caro. Naquela época, Napoleão III, imperador da França, pagou 150 mil libras esterlinas (mais ou menos 300 mil reais) por um jogo de talheres de alumínio. Este metal tem espantosa versatilidade, sendo utilizado em muitas ligas metálicas. Depois do aço, é o metal mais usado no mundo, seja em panelas, embalagens aluminizadas, latas de refrigerantes e cervejas, antiácidos e desodorantes antitranspirantes, assim como vasilhames para cães e gatos comerem e beberem. Nestes, pode causar paralisia dos membros posteriores que leva ao sacrifício precoce dos animais. Em suma, o alumínio é muito útil... porém mortal. DR. SÉRGIO TEIXEIRA Rua Visconde de Pirajá 608/609 Ipanema - Rio de Janeiro Fones/Fax 2259- 2746 e 2259-2193 e-mail drsteixeira@openlink.com.br
  • 27. 23 Alimentação Natural A alimentação ingerida tem efeitos poderosos sobre a vida mental do homem. O comportamento humano é resultante do seu estado mental. A agressão, a passividade, a depressão, a alegria, o otimismo, a felicidade, resultam da freqüência mental. A alimentação natural, quando fundamenta no estudo, na pesquisa, ajuda a manter o equilíbrio mental, a integração moral, a harmonia, a saúde física, mental e espiritual, desde que realizada conscientemente, sem fanatismos ou distorções que perturbam a consciência crítica, o livre arbítrio, a autodeterminação do praticante. O homem que busca o autoconhecimento deve procurar o potencial da alimentação natural. Comer não significa simplesmente satisfação física, mas fundamentalmente, defesa da vida, portanto, é ato moral. Todo o tempo do homem pertence ao homem. A alimentação natural representa energia que ajuda a determinar o estado de equilíbrio entre o corpo, a mente e o espírito. Corpo, mente e espírito não atual um sobre o outro porque são um só. O ator, o portador da cultura e dos comportamentos é o espírito. Leocádio José Correia Mensagem psicografada pelo médium Maury Rodrigues da Cruz Em 10 de Maio de 1990 Mensagem extraída do livro “No Cenário da Vida” – Leocádio José Correia – Editado pela SBEE
  • 28. 24 O Caso da Ponte João era casado com Maria e se amavam. Depois de um certo tempo, JOÃO começou a chegar cada vez mais tarde em casa. Maria se sentiu abandonada e procurou PAULO, que morava do outro lado da ponte. Acabaram amantes e Maria voltava para casa sempre antes do marido chegar. Um dia, quando voltava, encontrou um BANDIDO atacando as pessoas que passavam na ponte. Ela correu de volta para casa de PAULO e pediu proteção. Ele respondeu que não tinha nada a ver com isso e que o problema era dela. Ela, então, procurou um AMIGO. Este foi com ela até a ponte, mas se acovardou diante do bandido e não teve coragem de enfrentá-lo. Resolveu procurar um BARQUEIRO, mais para baixo no rio. Este aceitou levá-la por R$ 5,00, mas nenhum dos dois tinha dinheiro. Insistiram, mas o barqueiro foi irredutível. Aí voltaram para a ponte e o bandido matou Maria. Coloque os seis personagens em ordem de culpa, isto é, coloque na linha No.1 o maior responsável pelo que ocorreu e os restantes em ordem decrescente, ficando o número 6 para o menos culpado. Minha Opinião Opinião do Grupo 1. _____________________ 1. _____________________ 2. _____________________ 2. _____________________ 3. _____________________ 3. _____________________ 4. _____________________ 4. _____________________ 5. _____________________ 5. _____________________ 6. _____________________ 6. _____________________ Escreva o nome da maior vítima.______________________________
  • 29. 25 Dinâmica de Grupo - O Caso da Ponte - Instruções para o Coordenador: 1. IMPORTANTE: Leia o Caso da Ponte ANTES de ler as instruções. 2. Organize as pessoas em grupos de 4 pessoas (5 no máximo) 3. Um método simples é o de numerar as pessoas de 1 a 4 e pedir que as pessoas de número 1 se reúnam; a seguir as de número 2 e assim por diante. 4. Peça que leiam com atenção o texto que será distribuído. 5. Após a leitura cada um deve escrever na própria folha os nomes dos culpados por ordem de culpa, do mais culpado para o menos culpado onde o numero 1 é o maior culpado e o numero seis é o menos culpado. Tempo: 5 minutos. 6. Após listar os culpados o pequeno grupo deve escolher uma pessoa para registrar o consenso do pequeno grupo sobre quem são os culpados seguindo a mesma ordem do mais culpado para o menos culpado. Tempo 20 minutos. 7. Neste momento surgirão as discussões e discordâncias e o coordenador poderá ser chamado a dirimir dúvidas. A melhor resposta é que o grupo é soberano e que os dados são apenas os que estão na folha. Uma boa frase para ajudar os participantes a fazerem reflexão sobre a complexidade da interação humana é ... ―imaginem como deve ser difícil chegar a um consenso na Câmara dos Deputados...‖ 8. Ao final do tempo os grupos se reúnem novamente e cada representante de grupo informa o consenso do grupo. As opiniões individuais não vêm mais ao caso, pois foram úteis como ponto de partida para o debate do pequeno grupo. 9. O coordenador registra no quadro ou cavalete os resultados conforme a o plano abaixo os nomes dos culpados pela ordem de consenso de cada grupo: Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 etc... 1. __________ __________ __________ 2. __________ __________ __________ 3. __________ __________ __________ 4. __________ __________ __________ 5. __________ __________ __________ 6. __________ __________ __________ Este exercício tem sido usado nos módulos iniciais e apresenta vários benefícios: 1. Ajuda na integração do grupo devido à interação que gera para construção do consenso. A opinião do grupo tende a ser diferente da opinião de cada pessoa. 2. Permite ampliar a consciência sobre as dificuldades de construir um entendimento quando várias pessoas estão envolvidas. 3. Permite avaliar as dificuldades do processo de julgar a partir de informações insuficientes recebidas de terceiros. Fechamento: Comentários do coordenador 1. O objetivo não é descobrir quem tem razão ou qual grupo acertou. 2. Não é possível julgar uma situação que não vivemos. 3. Como julgar o João ou a Maria, se não conhecemos seus motivos? 4. Na verdade, ao final que cada situação, processo ou vida, todos seremos julgados por alguém que viu tudo. Quem é esse alguém ? É comum os participantes afirmarem que é Deus. A melhor resposta contudo é: seremos julgados por nossa própria consciência. Nós estávamos
  • 30. 26 lá. Nós agimos conscientemente. Quando alcançarmos o que fizemos, nós nos cobraremos e tão logo isso ocorra, o que mais buscaremos é uma nova oportunidade para refazer o caminho. 5. Estas razões fortalecem as convicções porque muitos já vivemos situações de arrependimento e podemos avaliar como é importante o perdão e a oportunidade de refazer o caminho. Compensar o erro cometido. Reencarnar e fazer melhor desta vez. 6. Conclusão: não estamos preparados para julgar o outro. Somente a nós mesmos. 7. Para encerrar é importante perguntar: Quem é a maior vítima? O nome que aparece neste ponto é normalmente o da Maria. Contudo, tão logo alcance as conseqüências do que fez, a maior vítima do remorso será o bandido que matou a Maria violando um dos princípios fundamentais que é a vida. Fora estas sugestões entra o conteúdo já trabalhado pelo grupo no tocante ao livre arbítrio e a lei de causa e efeito e todas as implicações decorrentes. O coordenador pode enriquecer muito esta dinâmica e oferecer idéias sobre melhorias que podem ser incorporadas a estas instruções. Se você tiver sugestões ou perguntas escreva para sbee@sbee.org.br Boa reunião!
  • 31. 27 O Dilema da Vacina Há uma epidemia de gripe que mata em poucos dias não poupando ninguém. Todos os laboratórios foram convocados a produzir a vacina AEPIRG que protege contra a gripe fatal. Descobriu-se que entre as pessoas que já foram vacinadas, algumas adquiriram o vírus e estão morrendo por causa da vacina. Técnicos do Ministério da Saúde defendem que a produção sob suspeita seja suspensa, mas ninguém sabe qual laboratório está produzindo a vacina que mata, ou se todos estão. A falta da vacina pode multiplicar o número de mortos. Você faz parte do controle de qualidade de um dos laboratórios e você e sua equipe estão aqui reunidos para debater o assunto. A pressão é enorme; a produção é insuficiente e pessoas estão morrendo por falta da vacina. Seu laboratório tem um lote da vacina e está encarregado de abastecer sua pequena cidade para a vacinação em massa neste Domingo. Todos terão que ser vacinados, inclusive você e sua família. Você e sua equipe descobriram que a causa do problema está na presença de agentes ―d‖ e ―D‖ que estão no composto de algumas das vacinas produzidas, mas o problema é que não se sabe quando estarão disponíveis os lotes de vacinas sem os agentes que matam. São 19h30min de Sábado. A vacinação iniciará neste Domingo às 07h30min.
  • 32. 28 O Dilema da Vacina (Parte 2) Se você está lendo estas instruções é porque a decisão foi de passar a noite em claro para inspecionar as vacinas. Se o controle de qualidade conseguir detectar todas as vacinas contaminadas pelos agentes ―d‖ e ―D‖ a vacinação será segura; do contrário novas mortes ocorrerão. O pessoal do controle passou a noite verificando os lotes, mas a cada nova inspeção novos agentes ―d‖ e ―D‖ são encontrados. Você tem 15 minutos para liberar ou reter o lote. Antes de liberar informe quantas vacinas contaminadas pelos agentes ―D‖ ou ―d‖ foram encontradas. ANOTE AQUI O RESULTADO DA CONTAGEM INDIVIDUAL _______________________ Nome do(a) inspetor (a): ____________________________________________________ EQUIPES Contagem 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
  • 33. 29 Regras para viver no planeta terra 1) Você receberá um corpo. Você poderá adorá-lo ou odiá-lo, mas ele será seu durante toda uma vida. 2) Você aprenderá lições. Você estará matriculado em tempo integral numa escola informal chamada vida. A cada dia nessa escola, você terá a oportunidade de aprender lições. Você poderá gostar das lições ou achá-las irrelevantes. 3) Não existem erros, apenas lições. Evolução é um processo de tentativas, com erros e acertos chamados experimentação. As ―experiências‖ que falham são tão importantes para o processo quanto as experiências que dão certo. 4) Uma lição é repetida até ser aprendida. Uma lição será apresentada a você de várias formas até que você a tenha aprendido. Quando você aprendê-la poderá passar para a lição seguinte. 5) Aprender lições nunca termina. Não existe parte da vida que não contenha suas lições. Enquanto você estiver vivo, haverão lições para ser aprendidas. 6) ―Lá‖ não é melhor do que ―aqui‖. Quando o seu ―lá‖ se tornar o seu ―aqui‖, você simplesmente obterá outro ―lá‖ que novamente se parecerá melhor do que ―aqui‖. 7) Os outros são meros espelhos de você. Você não poderá gostar ou detestar algo sobre outra pessoa a menos que reflita algo que você goste ou deteste sobre si mesmo. 8) O que você fará de sua vida depende de você. Você tem todos os recursos e ferramentas que necessita. O que você faz com eles depende de você. A escolha é sua. 9) Suas respostas estão dentro de você. As respostas para as questões da vida estão dentro de você. Tudo que você precisa é olhar, ouvir e confiar. 10) Você esquecerá todas estas regras. Chérie Carter-Scott Traduzido e adaptado do livro ―Chicken Soup for the Soul‖
  • 34. 30 Carta do Chefe Seatle No ano de 1854, o presidente dos Estados Unidos fez a uma tribo indígena a proposta de comprar grande parte de suas terras, oferecendo, em contrapartida, a concessão de uma outra reserva. A CARTA DO ÍNDIO é a resposta dada pelo Chefe Seatle a essa proposta. Posteriormente foi distribuída pela ONU em todo o mundo e é considerada um dos mais belos e profundos pronunciamentos já feitos a respeito do Meio Ambiente. “ Como é que se pode comprar ou vender o céu, o calor da terra ? Essa idéia nos parece estranha. Se não possuímos o frescor do ar e o brilho da água, como é possível comprá-los ? Cada pedaço desta terra é sagrada para meu povo. Cada ramo brilhante de um pinheiro, cada punhado de areia das praias, a penumbra da floresta densa, cada clareira e inseto a zumbir são sagrados na memória e experiência de meu povo. A seiva que percorre o corpo das árvores carrega consigo as lembranças do homem vermelho. Os mortos do homem branco esquecem sua terra de origem quando vão caminhar entre as estrelas. Nossos mortos jamais esquecem esta bela terra, pois é a mãe do homem vermelho. Somos parte da terra e ela faz parte de nós. As flores perfumadas são nossas irmãs; o cervo, o cavalo, a grande águia, são nossos irmãos. Os picos rochosos, os sulcos úmidos nas campinas, o calor do corpo do potro, e o homem – todos pertencem à mesma família. Portanto, quando o Grande Chefe em Washington manda dizer que deseja comprar nossa terra, pede muito de nós. O Grande Chefe diz que nos reservará um lugar onde possamos viver satisfeitos. Ele será nosso pai e nós seremos seus filhos. Portanto, nós vamos considerar sua oferta de comprar a nossa terra. Mas isso não será fácil. Esta terra é sagrada para nós. Essa água brilhante que escorre nos riachos e rios não é apenas água, mas o sangue de nossos antepassados. Se lhe vendermos a terra, vocês devem lembrar-se de que ela é sagrada, e devem ensinar as suas crianças que ela é sagrada e que cada reflexo nas águas límpidas dos lagos fala de acontecimentos e lembranças da vida do meu povo. O murmúrio das águas é a voz de meus ancestrais. Os rios são nossos irmãos, saciam nossa sede. Os rios carregam nossas canoas e alimentam nossas crianças. Se lhes vendermos nossa terra, vocês devem lembrar e ensinar a seus filhos que os rios são nossos irmãos e seus também. E, portanto, vocês devem dar aos rios a bondade que dedicam a qualquer irmão. Sabemos que o homem branco não compreende nossos costumes. Uma porção da terra, para ele, tem o mesmo significado que qualquer outra, pois é um forasteiro que vem à noite e extrai da terra aquilo de que necessita. A terra não é sua irmã, mas sua inimiga, e quando ele a conquista, prossegue seu caminho. Deixa para trás os túmulos de seus antepassados e não se incomoda. Rapta da terra aquilo que seria de seus filhos e não se importa. A sepultura de seu pai e os direitos de seus filhos são esquecidos. Trata sua mãe, a terra, e seu irmão, o céu, como coisas que possam ser compradas, saqueadas, vendidas como carneiros ou enfeites coloridos. Seu apetite devorará a terra, deixando somente um deserto. Eu não sei, nossos costumes são diferentes dos seus. A visão de suas cidades fere os olhos do homem vermelho. Talvez seja porque o homem vermelho é um selvagem e não compreenda.
  • 35. 31 Não há lugar quieto nas cidades do homem branco. Nenhum lugar onde se possa ouvir o desabrochar de folhas na primavera ou o bater das asas de um inseto. Mas talvez seja porque eu sou um selvagem e não compreendo. O ruído parece somente insultar os ouvidos. E o que resta da vida se um homem não pode ouvir o choro solitário de uma ave ou o debate dos sapos ao redor de uma lagoa, à noite? Eu sou um homem vermelho e não compreendo. O índio prefere o suave murmúrio do vento encrespando a face do lago, e o próprio vento, limpo por uma chuva diurna ou perfumado pelos pinheiros. O ar é precioso para o homem vermelho, pois todas as coisas compartilham o mesmo sopro – o animal, a árvore, o homem, todos compartilham o mesmo sopro. Parece que o homem branco não sente o ar que respira. Como um homem agonizante há vários dias, é insensível ao mau cheiro. Mas se vendermos nossa terra ao homem branco, ele deve lembrar que o ar é precioso para nós, que o ar compartilha seu espírito com toda vida que mantém. O vento que deu a nosso avô seu primeiro inspirar também receber seu último suspiro. Se lhe vendermos nossa terra, vocês devem mantê-la intacta e sagrada, como um lugar onde até o homem branco possa ir saborear o vento açucarado pelas flores dos prados. Portanto, vamos meditar sobre sua oferta de comprar nossa terra. Se decidirmos aceitar, imporei uma condição : o homem branco deve tratar os animais desta terra como seus irmãos. Sou um selvagem e não compreendo qualquer outra forma de agir. Vi um milhar de búfalos apodrecendo na planície, abandonados pelo homem branco que os alvejou de um trem ao passar. Eu sou um selvagem e não compreendo como é que o fumegante cavalo de ferro pode ser mais importante que o búfalo, que sacrificamos somente para permanecer vivos. O que é o homem sem os animais? Se todos os animais se fossem, o homem morreria de uma grande solidão de espírito. Pois o que ocorre com os animais, breve acontece com o homem. Há uma ligação em tudo. Vocês devem ensinar às suas crianças que o solo a seus pés é a cinza de nossos avós. Para que respeitem a terra, digam a seus filhos que ela foi enriquecida com as vidas de nosso povo. Ensinem as suas crianças o que ensinamos às nossas, que a terra é nossa mãe. Tudo que acontecer à terra, acontecerá aos filhos da terra. Se os homens cospem no solo, estão cuspindo em si mesmos. Isto sabemos : a terra não pertence ao homem; o homem pertence à terra. Isto sabemos : todas as coisas estão ligadas como o sangue que une uma família. Há uma ligação em tudo. O que ocorrer com a terra recairá sobre os filhos da terra. O homem não tramou o tecido da vida; ele é simplesmente um de seus fios. Tudo que fizer ao tecido, fará a si mesmo. Mesmo o homem branco, cujo Deus caminha e fala com ele de amigo para amigo, não pode estar isento do destino comum. É possível que sejamos irmãos, apesar de tudo. Veremos. De uma coisa estamos certos – e o homem branco poderá vir a descobrir um dia: nosso Deus é o mesmo Deus. Vocês podem pensar que O possuem, como desejam possuir nossa terra; mas não é possível. Ele é o Deus do homem, e Sua compaixão é igual para o homem vermelho e para o homem branco. A terra lhe é preciosa, e feri- la é desprezar seu criador. Os brancos também passarão; talvez mais cedo que todas as outras tribos. Contaminem suas camas, e uma noite serão sufocados pelos próprios dejetos. Mas quando de sua desaparição, vocês brilharão intensamente, iluminados pela força de Deus que os trouxe a esta terra e por alguma razão especial lhes deu o domínio sobre a terra e sobre o homem vermelho. Esse destino é um mistério para nós, pois não compreendemos que todos os búfalos sejam exterminados, os cavalos bravios sejam todos domados, os recantos secretos da floresta densa impregnada do cheiro de muitos homens, e a visão dos morros obstruída por fios que falam. Onde está o arvoredo? Desapareceu. É o final da vida e o começo da sobrevivência.
  • 36. 32 SBEE - Exercício Mediúnico – Módulo 2 (2/2002) Deus 1. Deus Interior 2. Deus como justiça não pune nem castiga ―...não há efeito sem causa.‖ (Livro dos Espíritos – Parte 1, Cap. 1) ―...Deus é o fundamento do fundamento...‖ (Antônio Grimm) ―Atribuir a formação primária das coisas às propriedades íntimas da matéria seria tomar o efeito pela causa, porquanto essas propriedades são, também elas, um efeito que há de ter uma causa.‖ (Livro dos Espíritos – Parte 1, Cap. 1) ―Deus é imutável. Se estivesse sujeito a mudanças, as leis que regem o Universo nenhuma estabilidade teriam.‖ (Livro dos Espíritos – Parte 1, Cap. 1) ―Todos os homens estão submetidos às mesmas leis da Natureza. Todos nascem igualmente fracos, acham-se sujeitos às mesmas dores e o corpo do rico se destrói como o do pobre. Deus a nenhum homem concedeu superioridade natural, nem pelo nascimento, nem pela morte: todos, aos seus olhos, são iguais.‖ (Livro dos Espíritos – Parte 3, Cap. 9) ―É lei da natureza a desigualdade das condições sociais? Não; é obra do homem e não de Deus. Algum dia essa desigualdade desaparecerá? Eternas somente as leis de Deus o são. Não vês que dia a dia ela gradualmente se apaga? Desaparecerá quando o egoísmo e o orgulho deixarem de predominar. Restará apenas a desigualdade do merecimento. Dia virá em que os membros da grande família dos filhos de Deus deixarão de considerar-se como de sangue mais ou menos puro. Só o Espírito é mais ou menos puro, e isso não depende de posição social.‖ (Livro dos Espíritos – Parte 3, Cap. 9) Questões anteriores: 1) Descreva o ambiente onde está inserido. 2) Qual o seu objetivo de vida? 3) O que você entende por justiça? Responda às questões (para auxiliar na análise, pense em exemplos): 1) O que relaciona um efeito à sua causa? 2) Qual a origem do elo de ligação entre uma causa e seu respectivo efeito? 3) Quais os desdobramentos da afirmação: ―Deus é soberanamente justo e bom.‖ ? (Livro dos Espíritos – Parte 1, Cap. 1) 4) Por que ―Deus como justiça não pune nem castiga‖?
  • 37. 33 Comentários: O que liga um efeito à sua causa pode ser chamado de lei (ou regra). Sempre que determinadas condições se repetem (causas), manifesta-se o mesmo efeito. Por exemplo: neve, evaporação, gravidade, vento, combustão, etc. O estudo do ambiente tem nos levado a identificar diversos ―efeitos‖. Tudo o que vemos são efeitos, e gradualmente identifica-se também suas causas e a conseqüente relação entre causa e efeito. Feita esta constatação, um próximo passo natural é pensar sobre ―a causa das leis‖, ou de outra forma: - pensar por que a água entre em ebulição quando sua temperatura é elevada a 100°C? (respeitadas outras condições, como a pressão) - por que alguns planetas tem gravidade? - por que existem os elementos químicos, e suas conhecidas (e ainda desconhecidas) associações? O Espiritismo entende Deus como ―a causa primária de todas as coisas‖. Nosso entendimento deste conceito, porém, evolui constantemente segundo estudo individual sobre o mundo (material e espiritual). Ao analisar estes ambientes percebe-se sua complexidade, bem como o equilíbrio potencial oferecido pelas leis que os coordenam. As leis (ou regras) não orientam apenas o ambiente material. Quais princípios básicos estariam apoiando todas essas leis ou regras? - preservação da vida - responsabilidade - liberdade - igualdade Ao avaliar estes princípios identifica-se sua veracidade, coerência e aplicação. Então, é possível questionar: - preservar a vida é um princípio básico da humanidade, e é possível percebê-lo imutável em qualquer época, mesmo que as ações resultantes da sua aplicação sejam diferentes segundo o entendimento que fazemos; - a liberdade é natural de todos os seres em qualquer época ou circunstância; Estes (assim como outros) princípios não se alteram. Sua interpretação porém pode variar segundo quem os aplica. Estes princípios são, portanto, imutáveis? E qual sua origem? Por que existem?
  • 38. 34 DEUS - A evolução de um conceito Deus é um princípio fundamental para a Doutrina Espírita.  Como víamos Deus quando morávamos em cavernas?  Quantos deuses havia?  Deus natureza - Trovão – Vulcão – Ventos – Chuva – Sol  Deuses ganham forma: meio animal, meio humana e depois humana. CRENÇA EGÍPCIA - Anúbis traz Hunefer e pesa seu coração – Não pode pesar mais que uma pena de avestruz - Thot anota o resultado - Sobek a devoradora aguarda o julgamento 1250 AC - Moisés – Monoteísmo - 10 Regras - Contradição entre o ―Não matarás‖ e o ―Olho por olho‖ Moisés (1250 a.C): conjunto de regras a serem obedecidas, aliança, decálogo, monolatria; . Amós (800 a.C.): Deus de justiça . Oséas (600 a.C.): Deus de perdão . Deutero Isaías (400 a.C.): Deus único, o Deus de Israel era o Deus de toda a humanidade . Jesus (6 a.C. – 27 A.D.): Deus de amor, todos são iguais perante Deus . Spinoza: Deus não pessoal, Deus não mais fora do mundo . Os conceitos são abandonados à medida em que deixam de atender às expectativas das pessoas e de seus grupos. CONCEITOS MAIS COERENTES PREVALECEM DEUS DEIXOU DE SER: 1 entre muitos - Deus de um só povo - Deus dos exércitos - Deus que castiga Deus controlador - Deus que governa pelo medo - Deus de uma igreja Deus dogmático - Deus criado pelo homem DEUS NÃO SE RELACIONA AO: Mágico – Místico – Divinal - Sacro - Infinito – Absoluto Não é matéria ou energia, não tem forma definida, não está restrito à uma pessoa, não está no céu. Está nos seres e nas coisas mas não se confunde com elas. Não determina comportamentos, assim não há desobediência ou pecado, não vigia, não fiscaliza, não pune, não aceita oferendas ou promessas, não concede dons ou favores, não intercede, não aceita pedidos, não protege ou age por milagres. DEUS CÓSMICO Abrange todas as coisas, todos os seres, inteligentes ou não, encarnados ou desecarnados Evidente na harmonia e na estruturação inteligente do Universo. É a totalidade. Nossa identidade com o Cosmos é identidade com Deus. Identidade se faz pelo conhecimento,entendimento, sabedoria, consciência. Onipresente pois os seres criam expressando Deus. Onisciente pela consciência de cada um Onipotente, pois age através de suas criaturas ISAAC NEWTON e o cético. O que é Deus para você?
  • 39. 35 Calvin – Tirinhas
  • 40. 36 Deuses Egípcios Perceba que no prato esquerdo da balança está o coração do desencarnado e no outro há uma pensa de avestruz. Segundo a crença, se o coração estiver pesado, ele será comido pelo deus com forma de jacaré e o ser sofrerá a morte espiritual deixando de existir. É curioso notar que mais de 4000 anos depois, algumas pessoas acreditam que se não forem salvas, correm o mesmo tipo de risco.
  • 41. 37 Deuses Gregos ZEUS – Rei dos deuses e PALAS ATENA deusa da guerra INTI – o deus Sol dos Incas Jaguar – deus Maia do submundo
  • 42. 38 Jesus e a Moral Cristã Jesus, vivendo o seu tempo, construiu valores universais únicos, que, pela profundidade e extensão, modificaram os aspectos culturais, sociais, políticos e econômicos da humanidade. Para o Espiritismo, esses valores são conceitos fundamentais, sendo a moral cristã o eixo de sua visão de mundo e interpretação da realidade. O Espiritismo entende que o significado de Jesus encontra-se em seu exemplo de vida, fazendo e demonstrando a viabilidade de um padrão de comportamento. Foi a força de seu exemplo que deu significado à sua existência e não a série de mitos, interpretações e dogmas que foram agregados ao entendimento de sua mensagem. Portanto, é fundamental que o espírita possa fazer essas distinções. Para a Doutrina Espírita, Jesus, como todo ser humano, nasceu da união entre um homem e uma mulher e não de uma forma sobrenatural. De origem humilde, não era descendente de Davi e não possuía nenhuma pretensão ao poder temporal. O Espiritismo não recorre à idéia de milagre, que não existe para a Doutrina, para justificar algumas situações da existência de Jesus. Este, ao colocar em prática o seu conhecimento e a sua capacidade mediúnica, foi interpretado, pelo desconhecimento das pessoas ao seu redor, como o realizador de acontecimentos maravilhosos e fantásticos. Para entender Jesus, o Espiritismo não precisa utilizar a idéia de messias, salvador ou cordeiro de Deus. Não é importante como Jesus nasceu ou morreu, mas, sim, como viveu. Seu significado não se encontra nas condições de sua morte — não há necessidade de entendê-la como um sacrifício para salvar a humanidade ou tentar transformá-la em exceção através da idéia de ressurreição. Apesar de sua importância, Jesus não se confunde com Deus. Não é a Sua encarnação. Era filho de Deus como todas as criaturas o são. Deixar de confundir Jesus com Deus permite reconhecer o valor desse espírito que alcançou, pelo exercício de seu conhecimento, a compreensão do amor como lei fundamental do Universo, a que nenhum homem até então havia alcançado. Considerar Jesus como divino é retirar dele uma característica fundamental: a de um ideal possível de ser alcançado, uma referência exeqüível para a humanidade. Jesus, para a Doutrina, é um espírito que tem uma história ao longo da qual foi construindo seu conhecimento, diferenciando-se do nível médio da cultura terrena. Na medida em que vivenciou, em que desenvolveu experiências de vida, foi se fazendo presente, através da força de seu exemplo, da intensidade de sua coerência, da inovação e clareza do conhecimento que alcançou. O significado da síntese que construiu a respeito da existência, do ser humano, da vida, pode ser avaliado em um pequeno resumo de suas idéias:  Deus único é o pai de todos (todos são iguais perante Deus)  Ame a Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o espírito, e ame seu próximo como a si mesmo, essa é toda a lei e todos os profetas estão contidas nela.  Trate todos os homens da mesma forma que você gostaria de ser tratado  Ame seus inimigos e faça o bem àqueles que o odeiam e ore por aqueles que o perseguem e caluniam  Aquele dentre vocês que não tiver errado, que atire a primeira pedra  Eu não digo que deva perdoar ao seu irmão até sete vezes, mas até setenta vezes sete vezes  Reconcilie-se com seu adversário enquanto estiver com ele no caminho
  • 43. 39  Não julgue a fim de que não seja julgado  Ninguém pode ver o reino de Deus se não nascer de novo  O homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida pela de muitos  Por que vê um cisco no olho de vosso irmão, você que não vê uma trave no seu olho?  Que a sua mão esquerda não saiba o que faz a sua mão direita  Não se acende uma candeia para colocá-la sob o alqueire, mas sobre o candeeiro a fim de que ela clareie todos aqueles que estão na casa  Não há nada de secreto que não deva ser descoberto, nem nada de oculto que não deva ser conhecido  Fora da caridade não há condições de se alcançar um conhecimento maior de si mesmo e da vida.  Bem aventurados os que choram, porque serão consolados; os que tem fome e sede de justiça porque serão saciados; os humildes porque deles é o reino dos céus; aqueles que tem o coração puro porque verão a Deus; aqueles que são brandos porque possuirão a Terra; os pacíficos, porque eles serão chamados de filhos de Deus; aqueles que são misericordiosos porque eles próprios obterão misericórdia Jesus, em sua existência cósmica, é o caminho, a verdade, a vida em sua multiplicidade, diversidade, alteridade. Seus ensinamentos, seu comportamento e os exemplos de outras pessoas que se identificaram com sua proposta, foram desenhando, construindo, um código, um padrão de referência fundamentado na unidade da humanidade e na igualdade entre os seres, e, em decorrência, no amor ao próximo, na solidariedade, na tolerância, na responsabilidade pessoal, na liberdade de consciência e na moral como defesa, promoção da vida. Jesus é padrão de comportamento aberto para auxiliar as pessoas na construção de seu próprio futuro. Jesus é exemplo claro de comportamento moral que reflete a identidade do ser com o Universo e com Deus. Copyright: Todos os direitos reservados. A SBEE autoriza a reprodução dos textos para fins não comerciais desde que seja mencionada a fonte"
  • 44. 40 Um Homem Chamado Jesus Que homem foi esse? Não escreveu livros, não pintou quadros famosos, não foi ator de novela, não foi jogador de futebol e mesmo assim não foi esquecido em mais de 2000 anos de história? Não só não foi esquecido, mas acabou por dividir a história do ocidente em a.C e d.C. Durante as reuniões dos grupos de estudos, denominados Grupos de Exercício Mediúnico, e no atendimento à consultas que recebemos pelo e-mail da SBEE, temos nos defrontado com algumas perguntas muito interessantes sobre Jesus. Algumas destas perguntas estão relatadas abaixo juntamente com a resposta que no momento entendemos como a mais coerente. O que sabemos de Jesus? - Sabemos o que lemos e cremos naquilo que encontra sustentação em nossa fé crítica raciocinada. Jesus foi um homem? - Jesus é um espírito evoluído que encarnou como homem. De onde veio Jesus? - Não sabemos, mas pelos seus ensinamentos podemos deduzir ele veio de uma boa escola, já que muitas de suas idéias não eram conhecidas na Terra naquela época. Por quê Jesus veio a Terra? - Baseados na idéia de que quanto mais esclarecido for o espírito, mais livre ele é, podemos concluir que Jesus não veio contra a sua vontade. No mínimo aceitou um convite ou uma missão. Para quê Jesus veio a Terra? - Jesus mesmo declarou: ―eu não vim destruir a Lei, mas dar-lhe cumprimento e a Lei é amar a Deus sobre todas as coisas e o próximo como a si mesmo‖. Quem foram os pais de Jesus? - A lógica de que Deus não vai contra suas próprias leis nos levam a concluir que seus pais foram um homem e uma mulher. Jesus é Deus? - Jesus chamava Deus de pai e seus contemporâneos de irmãos. Por quê sua mensagem resistiu ao tempo? - Porque Jesus viveu e sofreu as conseqüências das suas convicções. Havia coerência entre seu pensar, seu falar e seu agir. Jesus anunciou o novo e nos deu a conhecer leis e valores maravilhosos como: a continuidade da vida, a reencarnação; o amor a Deus e ao próximo, o perdão e tantos outros conceitos que ainda carecem do entendimento pleno por parte da humanidade. Jesus ressuscitou? - Se ressuscitar é voltar à vida material no mesmo corpo, a resposta é não. Os romanos aplicavam penas capitais muito cruéis aos não romanos. A crucificação, a morte na fogueira e a morte por animais tinham como objetivo dar o exemplo e extinguir a pessoa de modo a não sobrar nada para ser cultuado. Era costume deixar o corpo crucificado ser consumido pelos abutres e cães carniceiros. Assim sendo, podemos entender que por usar o exemplo e a prova como método de ensino, Jesus teve que materializar-se para poder aparecer aos discípulos e provar a continuidade da vida.
  • 45. 41 Jesus realmente existiu? - Mesmo que fosse um mito, alguém teria que ter concebido as idéias superiores que chegam até nós. Quem quer que as tenha concebido é merecedor da nossa admiração e respeito. Há contudo, relatos de escritores não cristãos que sustentam as evidências da existência de Jesus. o Tácito ( 55-120d.C.) escrevendo sobre o incêndio de Roma informa que ―Nero acusa aqueles detestáveis por suas abominações que a multidão chama de cristãos. Esse nome vem de Cristo, que sob o principado de Tibério, foi mandado para o suplício pelo procurador Pôncio Pilatos. Reprimida momentaneamente, essa superstição horrível rebrotou novamente, não apenas na Judéia mas agora dentro de Roma‖ (Anais – cap XV p.54) o Suetônio ( 55-120 d.C.) falando da vida do imperador Cláudio: ―O imperador expulsou de Roma os judeus que viraram causa permanente de desordem pela pregação de Cristo‖ (Vida de Cláudio, cap 25, p.4) o Plínio o Jovem (61-114 d.C.) escrevendo para o Imperador Trajano: ―os cristãos tem o hábito de se reunir em um dia fixo para rezar ao Cristo, que consideram Deus, para cantar e jurar não cometer crime, abstendo-se de roubo, assassinato, adultério e infidelidade‖. (Carta a Trajano, cap. X, pg 96) Fonte: Revista Superinteressante, abril de 1996, pg 51. Onde Jesus nasceu? - Tudo indica que Jesus nasceu em Nazaré e não em Belém. Quando Jesus nasceu? - Jesus nasceu em torno do ano 3.790 do calendário judaico. Devido a um erro do abade Dionísio o Exíguo. Este abade ficou encarregado do recálculo do calendário devido a adoção do calendário gregoriano estabelecido pelo papa Gregório em 1582. Segundo ele Jesus deve ter nascido em torno do ano 6 a. C. da nossa era. Os registros históricos mostram que Quirino que fez o famoso censo, só assumiu em 6 d.C. ou seja, 12 anos depois do nascimento de Jesus. Em que dia Jesus nasceu? - Ninguém sabe. A comemoração do nascimento de Jesus em 25 de dezembro, só foi instituída em 525 d.C. e seu objetivo era coincidir com as festas pagãs de modo a substituí-las. Somente após 1582 adotou-se a idéia de a.C. e d.C. Jesus tinha irmãos? - O texto original em grego usa a palavra adelphos que significa literalmente irmãos quando se refere aos irmãos de Jesus. Mateus nomeia Tiago, José, Simão, Judas e menciona suas irmãs sem nominá-las. Há quem afirme que uma de suas irmãs se chamava Miriam. Qual a mensagem de Jesus? - Sua mensagem era forte, complexa, intensa e extensa. Era, sobretudo nova; tão nova que sua compreensão e aplicação ainda estão em nosso futuro. Jesus trouxe mensagens revolucionárias para o momento em que viveu e desafiadoras para a nossa capacidade de mudança. Idéias como todos somos iguais perante o pai; nossa relação com o pai é de amor e não de medo; é necessário perdoar os inimigos ainda estão para ser incorporadas em nossos hábitos diários. Jesus morreu? - Desencarnou, pois fazia uso de um corpo material como o de qualquer ser humano. Jesus morreu para nos salvar? - Não, em uma época em que era costume sacrificar animais para conseguir a purificação, usou-se o assassinato de Jesus como uma figura de linguagem para passar a idéia que seu sacrifício
  • 46. 42 garantiria o resgate das culpas que cada pessoa sentia. A salvação que Jesus propunha era a salvação da falta de auto-conhecimento, do ódio, do egoísmo e da ignorância. Conhecereis a verdade e esta os libertará dizia Jesus. Como Jesus ensinava? - Jesus aproveitava cada oportunidade para transformar em uma lição. Os samaritanos por exemplo eram perseguidos por sua dissidência religiosa. Era uma falta grave para um judeu falar com um samaritano. A situação ficava pior ainda se a conversa fosse uma mulher que era considerada uma pessoa de menos valor. Veja a seguir o famoso diálogo com uma Samaritana que ele encontra em um poço na Samaria; - Dá-me de beber, disse Jesus - Como sendo tu judeu me pedes de beber a mim que sou mulher samaritana? - Se tu conhecesses quem é que te diz dá-me de beber, tu lhe pedirias, e Ele te daria água viva. - Senhor! Tu não tens com que a tirar, e o poço é fundo; onde, pois, tens a água viva? És tu maior do que o nosso pai Jacó que nos deu o poço, dele bebendo, ele próprio, seus filhos e o seu gado? - Qualquer um que beber desta água tornará a ter sede, mas aquele que beber da água que eu lhe der, nunca terá sede, porque a água que eu lhe der fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna. - Dá-me dessa água para que não mais tenha sede, e aqui não venha tirá-la. (Note que a mulher samaritana fica presa ao sentido material da mensagem sem alcançar seu verdadeiro sentido espiritual) - Vai chamar teu marido e vem cá. - Não tenho marido... - Disseste bem: pois que cinco maridos tiveste, e o que agora tens não é teu marido. - Vejo que és profeta! ( neste ponto ela percebe o valor e passa a procurar a verdade) - Nossos pais adoraram neste monte e vós judeus dizeis que é em Jerusalém o lugar onde se deve adorar. - Mulher acredita-me, a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. A hora vem em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade. - Eu sei que o Messias vem e quando vier nos anunciará tudo. - Eu o sou, eu que falo contigo! Quantos de nós percebe o significado das mensagens de Jesus que estão aí aguardando a compreensão e a prática? Jesus irá voltar? - Se Jesus voltasse provavelmente não seria reconhecido. Além disso, teria sentido um professor ensinar redação para quem ainda não aprendeu a ler e a escrever? Quando virá o consolador prometido por Jesus? - Assim como os Judeus ainda esperam o Messias que já veio, alguns de nós, aguardam o consolador que já se encontra entre nós. Em nossa interpretação o consolador não é nada mais que o entendimento do significado da mensagem de Jesus; o conhecimento do significado da vida como oportunidade de evolução. Cabe a cada um de nós trabalhar na construção da ampliação da nossa consciência e da consciência daqueles com quem convivemos. Porque os escritores da época florearam a história de Jesus? - O estudioso Jaldemir Vitório do Centro de Estudos Superiores da Companhia de Jesus em Belo Horizonte explica que o texto bíblico segue o gênero literário conhecido como misdrah . Basicamente, o misdrah é uma forma de contar a história da vida de alguém usando como pano de
  • 47. 43 fundo a biografia de outras personalidades históricas. No caso de Jesus a referência a Belém é feita para associá-lo ao rei Davi do Antigo Testamento, que segundo a tradição teria nascido lá. Um outro exemplo desta licença poética é a terrível execução de recém nascidos ordenada por Herodes e a fuga de Maria e José para o Egito para simbolizar que Jesus é o novo Moisés, já que esta narrativa é bem semelhante ao que se contava da vida do patriarca bíblico. A visita dos três reis magos teria a função de simbolizar que Jesus foi reconhecido pelos demais povos do Oriente. Temos que ter em mente que os encarregados de documentar a base da nova doutrina cristã tinham que manter coerência com as histórias do velho testamento dando um sentido de continuidade. Este documento veio a se chamar biblos ou livros e mais tarde Bíblia Sagrada. A expressão sagrada tinha como função desencorajar discordâncias. Qual a diferença entre o Jesus ideal e o Jesus real? - O Jesus ideal foi criado pelas pessoas que não entenderam o valor da sua mensagem e precisavam adicionar características misteriosas para criar uma aura divina em torno da figura de Jesus. Apegados à forma e não ao conteúdo, temiam que ninguém respeitaria um judeu pobre sem sangue real e filho de um carpinteiro. O Jesus real é um espírito evoluído que por estar à frente da mentalidade da época marcou a todos pela força das suas idéias inovadoras e coerentes com a moral cósmica. O que significa Cristo? - Cristo em grego quer dizer o ungido, ou seja aquele que foi eleito para receber o óleo sagrado. Por que Jesus era detestado pelos religiosos da época? - Como havia muitas doenças e não havia nenhum sistema de saúde as pessoas recorriam ao templo para tentar se curar. Os doentes eram orientados a pagar taxas e oferecer sacrifícios no templo. Isto gerava para o doente um ciclo interminável de sofrimento e dívidas. A casta sacerdotal do templo detinha o monopólio de conduzir os fiéis aos rituais de purificação. É fácil imaginar o mal estar que os sacerdotes deviam sentir ao ouvir relatos de que com um simples toque um judeu pobre da Galiléia andava curando doentes e declarando que pessoas estavam livres dos pecados. Jesus era essênio? - Os essênios viviam no isolamento, tinham hábitos simples, admitiam a reencarnação, tinham normas morais rígidas e eram vegetarianos. Este grupo era conhecido como nazarenos. Nos manuscritos de Qunram encontrados em 1947 no Mar Morto não se encontrou até o momento nenhuma referencia a Jesus, mas o que impressiona segundo o arqueólogo Lankester Harding é a coincidência de práticas e terminologias antes consideradas exclusivas do cristianismo. Os essênios praticavam o batismo no estilo de João - o batista e se reuniam para uma ceia litúrgica de pão e vinho. Sua comunidades eram dirigidas por 12 sábios e todos os bens individuais eram compartilhados. A identidade se repete em ensinamentos da não-violência e no costume de curar doentes. Pesquisador : Paulo Henrique Wedderhoff paulo@eloforte.com Referencias Bibliográficas: SBEE – Espiritismo e Currículo – 1999 - www.sbee.org – Princípios – Jesus e a Moral Cristã A. KARDEC - O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec A. RODRIGUES – Luz do Mundo - psicografado por Divaldo Franco A. RODRIGUES – Primícias do Reino – Psicografado por Divaldo Franco Revista Superinteressante – Edição de Agosto de 1996
  • 48. 44 O Livro da Vida Benjamin Franklin, inteligência privilegiada do século 18, mais conhecido entre nós pela sugestão do uso de pára-raios em grandes edifícios, escreveu certa vez: ―Quando vejo que nada é aniquilado nos trabalhos de Deus, e nem uma gota d’água é desperdiçada, não posso acreditar que exista o aniquilamento das almas. Também não posso acreditar que Deus queira promover suportar o esbanjamento de milhões de mentes já feitas, que agora existem, e dar-se ao contínuo trabalho de fazer outras, novas. Assim, vendo que existo no mundo, acredito que, sob uma forma ou outra, sempre existirei. E, com todos os inconvenientes que a vida humana tende a oferecer, não farei objeções a uma nova edição da minha. Espero, contudo, que a errata da última seja corrigida.‖ Possivelmente em um momento de bom humor, mas firme nesse seu ponto de vista, Franklin escreveu seu próprio epitáfio: ―O corpo de Benjamin Franklin, impressor, como a capa de um livro velho, seu conteúdo despedaçado e despido de seu título e de seus dourados aqui jaz. Alimento para os vermes. Mas o trabalho não será perdido. Pois, como ele acredita, aparecerá mais uma vez, em nova e mais elegante edição, revista e corrigida pelo autor.‖ Vemos que o grande cientista acreditava, não somente na imortalidade da alma, mas também na reencarnação. E, como ele, podemos dizer que a nossa vida é um livro que estamos escrevendo e estudando todos os dias. Os nossos atos vão compondo novas páginas, os nossos pensamentos vão nele sendo impressos. Cada capítulo que concluímos, pela maturidade que vamos alcançando, é mais rico. Nenhum capítulo é somente dor. Como nenhum é de total êxtase. Lágrimas e dores se confundem, tornando a obra um best-seller. Cada vida é um livro inédito, sem igual. É bom lembrar, no entanto, que, quando um autor lança um livro pede a alguém competente no assunto que faça a apreciação do seu trabalho. Essa apreciação passa a constar como prefácio da obra. De outras vezes, é o autor mesmo que apresenta a sua obra. No prefácio ele oferece ao leitor dados sobre o conteúdo, razão e finalidade dos seus escritos. As pessoas quase sempre deixam de ler essa parte e começam a ler o assunto principal. Justamente por essa forma errada de ler, menosprezando as explicações do autor ou do prefaciador, muito do conteúdo poderá ficar sem um bom entendimento. O livro da nossa vida também possui um prefácio. É nele que anotamos os projetos e falamos dos nossos objetivos na presente existência. É no prefácio que assinalamos as diretrizes que deveremos seguir. Por essa razão, pelo menos uma vez por ano devemos reler o prefácio do livro da nossa vida. Isto para termos refrescada a memória sobre o que desejamos fazer da nossa existência. Porque viver não é somente respirar, saciar as necessidades básicas de alimentação, repouso e lazer. Viver é oportunidade de crescimento, de progresso. Ninguém nasce para ser um fracassado, derrotado. Cada qual nasce para um grande objetivo: se tornar melhor, subir um degrau na evolução. Relendo o prefácio do livro da nossa vida, recordando porque nos encontramos aqui, poderemos realizar as correções devidas para aproveitar esta oportunidade, de forma ampla. Poderemos lembrar de retornar àquele curso que começamos e desistimos. Ou talvez que devamos retornar ao seio da família que um dia largamos, em algum lugar. Possivelmente nessa lida do prefácio, recordaremos da intensa necessidade de Deus, da religiosidade. Talvez, em algum momento, reguemos com lágrimas as páginas do prefácio, enquanto a memória reavivada nos remete ao doce aconchego da prece. Pensemos nisso! Será hoje o momento de proceder à leitura do prefácio do livro da nossa vida? Equipe de Redação do Momento Espírita com base no artigo Prólogos e prefácios de Octávio Caúmo Serrano, da Revista Internacional de Espiritismo de janeiro/2004 e do cap. Testemunhos sobre a reencarnação (2ª Parte) do livro A Reencarnação através dos séculos de Nair Lacerda, ed. Pensamento.
  • 49. 45 Da Pluralidade das Existências - A Reencarnação – O Livro dos Espíritos 166. Como pode a alma, que não alcançou a perfeição durante a vida corpórea, acabar de depurar- se? R: ―Sofrendo a prova de uma nova existência. ‖ a) - Como realiza essa nova existência? Será pela sua transformação como Espírito? ―Depurando- se, a alma indubitavelmente experimenta uma transformação, mas para isso necessária lhe é a prova da vida corporal.‖ b) - A alma passa então por muitas existências corporais? ―Sim, todos contamos muitas existências. Os que dizem o contrário pretendem manter-vos na ignorância em que eles próprios se encontram. Esse o desejo deles.‖ c) - Parece resultar desse princípio que a alma, depois de haver deixado um corpo, toma outro, ou, então, que reencarna em novo corpo. E assim que se deve entender? R: ―Evidentemente.‖. 167. Qual o fim objetivado com a reencarnação? R:―Expiação, melhoramento progressivo da Humanidade. Sem isto, onde a justiça?‖ 168. É limitado o número das existências corporais, ou o Espírito reencarna perpetuamente? R: ―A cada nova existência, o Espírito dá um passo para diante na senda do progresso. Desde que se ache limpo de todas as impurezas, não tem mais necessidade das provas da vida corporal.‖ 169. É invariável o número das encarnações para todos os Espíritos? R:―Não; aquele que caminha depressa, a muitas provas se forra. Todavia, as encarnações sucessivas são sempre muito numerosas, porquanto o progresso é quase infinito.‖ 170. O que fica sendo o Espírito depois da sua última encarnação? R: ―Espírito bem-aventurado; puro Espírito.‖ Justiça da reencarnação 171. Em que se funda o dogma da reencarnação? R: ―Na justiça de Deus e na revelação, pois incessantemente repetimos: o bom pai deixa sempre aberta a seus filhos uma porta para o arrependimento. Não te diz a razão que seria injusto privar para sempre da felicidade eterna todos aqueles de quem não dependeu o melhorarem-se? Não são filhos de Deus todos os homens? Só entre os egoístas se encontram a iniqüidade, o ódio implacável e os castigos sem remissão.‖ Todos os Espíritos tendem para a perfeição e Deus lhes faculta os meios de alcançá-la, proporcionando-lhes as provações da vida corporal. Sua justiça, porém, lhes concede realizar, em novas existências, o que não puderam fazer ou concluir numa primeira prova. PARTE 2ª - CAPÍTULO IV Não obraria Deus com eqüidade, nem de acordo com a Sua bondade, se condenasse para sempre os que talvez hajam encontrado, oriundos do próprio meio onde foram colocados e alheios à vontade que os animava, obstáculos ao seu melhoramento. Se a sorte do homem se fixasse irrevogavelmente depois da morte, não seria uma única a balança em que Deus pesa as ações de todas as criaturas e não haveria imparcialidade no tratamento que a todas dispensa. A doutrina da reencarnação, isto é, a que consiste em admitir para o Espírito muitas existências sucessivas, é a única que corresponde à idéia que formamos da justiça de Deus para com os homens que se acham em condição moral inferior; a única que pode explicar o futuro e firmar as nossas esperanças, pois que nos oferece os meios de resgatarmos os nossos erros por novas provações. A razão no-la indica e os Espíritos a ensinam. O homem, que tem consciência da sua inferioridade, haure consoladora esperança na doutrina da reencarnação. Se crê na justiça de Deus, não pode contar que venha a achar-se, para sempre, em pé de igualdade com os que mais fizeram do que ele. Sustém-no, porém, e lhe reanima a coragem a idéia de que aquela inferioridade não o deserda eternamente do supremo
  • 50. 46 bem e que, mediante novos esforços, dado lhe será conquistá-lo. Quem é que, ao cabo da sua carreira, não deplora haver tão tarde ganho uma experiência de que já não mais pode tirar proveito? Entretanto, essa experiência tardia não fica perdida; o Espírito a utilizará em nova existência. Encarnação nos diferentes mundos 172. As nossas diversas existências corporais se verificam todas na Terra? R: ―Não; vivemo-las em diferentes mundos. As que aqui passamos não são as primeiras, nem as últimas; são, porém, das mais materiais e das mais distantes da perfeição.‖ 173. A cada nova existência corporal a alma passa de um mundo para o outro, ou pode ter muitas no mesmo globo? R:―Pode viver muitas vezes no mesmo globo, se não se adiantou bastante para passar a um mundo superior.‖ a) - Podemos então reaparecer muitas vezes na Terra? R: ―Certamente.‖ b) - Podemos voltar a este, depois de termos vivido em outros mundos? R: ―Sem dúvida. É possível que já tenhais vivido algures e na Terra‖. 174. - Tornar a viver na Terra constitui uma necessidade? R:―Não; mas, se não progredistes, podereis ir para outro mundo que não valha mais do que a Terra e que talvez até seja pior do que ela.‖ 175. Haverá alguma vantagem em voltar-se a habitar a Terra? R:―Nenhuma vantagem particular, a menos que seja em missão, caso em que se progride aí como em qualquer planeta.‖ a) - Não se seria mais feliz permanecendo na condição de Espírito? R:―Não, não; estacionar-se-ia e o que se quer é caminhar para Deus.‖ 176. Depois de haverem encarnado noutros mundos, podem os Espíritos encarnar neste, sem que jamais aí tenham estado? R: ―Sim, do mesmo modo que vós em outros. Todos os mundos são solidários: o que não se faz num faz-se noutro.‖ a) - Assim, homens há que estão na Terra pela primeira vez? R: ―Muitos, e em graus diversos de adiantamento.‖ b) - Pode-se reconhecer, por um indício qualquer, que um Espírito está pela primeira vez na Terra? R: ―Nenhuma utilidade teria isso.‖ 177. Para chegar à perfeição e à suprema felicidade, destino final de todos os homens, tem o Espírito que passa pela fieira de todos os mundos existentes no Universo? R: ―Não, porquanto muitos são os mundos correspondentes a cada grau da respectiva escala e o Espírito, saindo de um deles, nenhuma coisa nova aprenderia nos outros do mesmo grau.‖ a) - Como se explica então a pluralidade de suas existências em um mesmo globo? ―De cada vez poderá ocupar posição diferente das anteriores e nessas diversas posições se lhe deparam outras tantas ocasiões de adquirir experiência.‖ 178. Podem os Espíritos encarnar em um mundo relativamente inferior a outro onde já viveram? R: ―Sim, quando em missão, com o objetivo de auxiliarem o progresso, caso em que aceitam alegres as tribulações de tal existência, por lhes proporcionar meio de se adiantarem.‖ a) - Mas, não pode dar-se também por expiação? Não pode Deus degredar para mundos inferiores Espíritos rebeldes? R: R: ―Os Espíritos podem conservar-se estacionários, mas não retrogradam. Em caso de estacionamento, a punição deles consiste em não avançarem, em recomeçarem, no meio conveniente à sua natureza, as existências mal empregadas.‖
  • 51. 47 Reencarnação Reencarnação é o processo pelo qual o espírito, estruturando um corpo físico, retorna, periodicamente, ao polissistema material. Esse processo tem como objetivo, ao propiciar vivência de conhecimentos, auxiliar o espírito reencarnante a evoluir. O reencarne obedece a um princípio de identidade de freqüências, ou seja, o espírito reencarna em um determinado continente, em um determinado país, em uma determinada região desse país, em uma determinada localidade dessa região, com determinadas características culturais (idioma, usos, costumes, valores, tradições, história etc.), bem como em uma determinada família, de acordo com a sintonia que a freqüência do seu pensamento consiga estabelecer em relação a cada um desses elementos. O espírito realiza a reencarnação conscientemente, inclusive traçando o seu próprio plano geral para a existência material que está se iniciando. O espírito reencarnante, de acordo com suas limitações, será mais ou menos auxiliado por espíritos com mais conhecimento e com os quais tenha afinidade. No entanto, se não estiver suficientemente equilibrado ou consciente, será orientado no planejamento de sua passagem pelo polissistema material. Todavia, reencarnado o espírito, inicia-se o processo de existência corporal no polissistema material. É um processo aberto, pois a trajetória pessoal do encarnado segue o exercício do seu livre-arbítrio. Portanto, não há que se falar em destino, em caminhos previamente traçados. O espírito encarnado, fundamentando-se em seu existente (a bagagem de conhecimentos e experiências adquiridos ao longo de toda a sua história, seja encarnado, seja desencarnado), passa a exercitar sua capacidade, a constatar e desenvolver suas potencialidades, enfim, passa a construir seu momento presente e seu momento futuro. Vai enfrentando contradições, dificuldades, obstáculos, facilidades, administrando encontros e desencontros, permanecendo no seu plano geral ou se desviando em função de algumas variáveis do processo, mas sempre de acordo com sua vontade. No exercício do livre-arbítrio, o espírito encarnado vai construindo seu equilíbrio ou seu desequilíbrio, de acordo com a maneira pela qual enfrenta as situações e a vida. Vai, por assim dizer, determinando-se, segundo a natureza de seus pensamentos e atos. Por menos que faça, ou por mais que se desequilibre, o espírito sempre alcança progressos em um ou outro aspecto do seu ser. A evolução não está necessariamente vinculada ao tempo de vida material, mas à intensidade com que ela é vivida. A quantidade de experiências e o aproveitamento que é feito delas é fundamental para o crescimento do espírito, não importando se as experiências estão sendo vivenciadas no polissistema material ou espiritual. É de se ressaltar que, entre uma encarnação e outra, o espírito continua trabalhando, continua aprendendo, continua evoluindo, de modo que ele não reencarna no mesmo estágio em que desencarnou.
  • 52. 48 A Doutrina Espírita trabalha, atualmente, com a hipótese de que o processo reencarnatório envolve os conceitos de missão, provação, expiação e carma. Vale ressaltar que no entendimento atual da Doutrina, os processos reeencarnatórios apresentam facetas desses quatro conceitos, mas que algumas reencarnações podem apresentar o predomínio de algumas dessas características. Eles não são conseqüência de uma interferência ou controle externo ao espírito reencarnante, descartando-se portanto qualquer idéia de castigo, punição ou recompensa. Eles são decorrentes da lei de causa e efeito e das condições de equilíbrio e harmonia do espírito. Missão é a situação na qual o espírito reencarnante aplica conhecimentos internalizados a favor de uma pessoa ou do grupo de sua convivência. Provação é a situação na qual o conhecimento em processo de acomodação e internalização deve ser vivenciado; é a situação na qual o espírito é desafiado ao limite de seu conhecimento. Expiação não se refere à aplicação de conhecimento, mas, sim, a uma conseqüência de um conhecimento aplicado, que provocou conseqüências difíceis, desagradáveis, muitas vezes dolorosas, que o seu responsável deverá enfrentar. Carma ainda é um conceito útil dentro da concepção da Doutrina, desde que se esteja atento para o seu significado, diverso do de outras Doutrinas. Para o Espiritismo, carma caracteriza a situação na qual o espírito está enfrentando as conseqüências de atos seus que lhe provocaram um desequilíbrio muito intenso, tanto em qualidade como em quantidade, e que, pela sua intensidade, o espírito poderá levar toda uma encarnação, ou mais de uma, para recuperar seu equilíbrio. A pessoa em desequilíbrio estará sempre em recuperação tanto pela sua reação própria como pela ajuda de outras pessoas ( curar, aliviar, consolar; conhecimento técnico, moral e afetivo). O que varia é apenas o tempo necessário para que o equilíbrio seja novamente retomado. É importante frisar que as dificuldades que o espírito encarnado encontra em seu cotidiano muitas vezes não são explicadas pela reencarnação. Reencarnação não explica tudo. Há muitas situações de desequilíbrio causadas em sua encarnação atual. Em resumo, rencarnação não serve para explicar tragédias e desgraças; não serve para esconder a ignorância, não serve como desculpa ao imobilismo; não serve como consolo para aquelas situações que deveriam ser modificadas e não o são; não serve para destacar o passado e paralisar o presente. Reencarnação é oportunidade de aprendizado, é oportunidade de se aplicar o que se sabe e superar as limitações através de vivências sucessivas no polissistema material. Reencarnação é afirmação da unidade e da continuidade da vida. Copyright: Todos os direitos reservados. A SBEE autoriza a reprodução dos textos para fins não comerciais desde que seja mencionada a fonte"
  • 53. 49 Um Novo Fim Nasceste no lar que precisavas. Vestiste o corpo que merecias. Moras onde melhor Deus te proporcionou de acordo com teu adiantamento. Possuis os recursos financeiros coerentes com tuas necessidades; nem mais, nem menos, mas o justo para as tuas lutas terrenas. Teu ambiente de trabalho é o que elegeste espontaneamente para tua realização. Teus parentes e amigos são as almas que atraíste, com tua própria afinidade. Portanto, teu destino está constantemente sob teu controle. Tu escolhes, recolhes, eleges, atrais, buscas, expulsas, modificas tudo aquilo que te rodeia a existência. Teus pensamentos e vontades são a chave de teus atos e atitudes... São as fontes de atração e repulsão na tua jornada. Não reclames nem te faças de vítima. Antes de tudo, analisa e observa. A mudança está em tuas mãos. Reprograme tua meta, busque o bem e viverás melhor. Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar a fazer um novo fim. Chico Xavier
  • 54. 50 Ecografia Uma jovem grávida vai fazer seu ultimo exame pré-natal e o médico, ao tentar ouvir o batimento cardíaco dos gêmeos se depara com um diálogo entre os dois:
  • 55. 51 A eficiência da 'lei seca' Sexta-feira, 6 de setembro de 2002 A cidade de Diadema registrou em agosto o menor número de homicídios desde novembro de 1994. Esse município da Grande São Paulo passou dois fins de semana consecutivos, em julho, sem registrar nenhum homicídio, mudança relevante para uma cidade marcada, no ano passado, por uma média de 4 a 5 homicídios por fim de semana. Em julho de 2001 houve na cidade 26 assassinatos, contra apenas 7 neste ano. O motivo da queda da criminalidade em Diadema se deve, em grande parte, à chamada "lei seca" que proíbe o funcionamento dos bares entre 23 e 6 horas, aprovada pela Câmara Municipal e em vigor desde o início de junho último. Um trabalho conjunto da Delegacia Seccional de Polícia de Diadema com a Coordenadoria Social do município mapeou os locais e horários de maior incidência dos crimes de morte e descobriu que 60% dos homicídios ocorriam entre 11 e 4 horas no interior ou na saída dos bares, principalmente naqueles que funcionam com mesas nas calçadas. Os "acertos de contas" que vão desde o pagamento de dívidas banais até resultados dos jogos de bilhar motivaram a quase totalidade desses crimes caracterizados sempre pela embriaguez dos beligerantes. O município pioneiro nesse tipo de medida foi Barueri, seguido de Itapevi. Agora, os bons resultados de Diadema levaram a Câmara de Mauá, na mesma região, a aprovar idêntico projeto. Os vereadores de Santo André e São Bernardo também estão discutindo se proíbem a venda de bebidas alcoólicas em lugares públicos a partir das 23 horas. Em Diadema, uma rigorosa fiscalização garantiu a eficácia da lei. Regina de Luca Miki, coordenadora da Defesa Social na cidade, diz que cerca de 85% dos 1.200 bares estão obedecendo à proibição. A fiscalização da prefeitura já fechou 4 que desrespeitaram a lei, multou 18 e notificou 127. Com os bares fechados durante a madrugada, não foram apenas os homicídios que diminuíram. Os dados da polícia demonstram que o número de atendimentos a pessoas alcoolizadas em hospitais, envolvidas em pequenos acidentes, caiu de 164 em maio, antes da proibição, para 53 em junho, depois da lei. Os acidentes de trânsito despencaram de 150 para 51, no mesmo período, e os registros de agressões, de 92 para 36. A resistência dos donos dos estabelecimentos à medida é compreensível, mas o alcance social da lei é inquestionável. O argumento de que a medida só pode vigorar em cidades pequenas onde não há custosos empreendimentos destinados a um comércio de horário noturno não procede porque a lei de Diadema, por exemplo, prevê licenças especiais concedidas por uma comissão que inclui membros da comunidade, representantes do sindicato dos bares e restaurantes, policiais e funcionários da prefeitura. Os bares de consumo de classe média, que cumprirem certos critérios, como de proteção acústica, licença da vigilância sanitária e acesso para pessoas com deficiência física podem ter horário mais longo de funcionamento. Porém, basta uma única reincidência de crime envolvendo embriaguez nesses locais para que a licença seja cassada definitivamente. Os donos dos bares de consumo mais caro, destinados à classe média em Santo André e São Bernardo, omitem, em suas críticas à lei de Diadema; a possibilidade de obtenção dessa licença. São Paulo já fez algumas tentativas malogradas de fechar bares de madrugada. Os resultados obtidos em Diadema sugerem que elas deveriam ser repetidas. Artigo enviado por Rosa Branco – GEM da SBEE - 5a. Feira - Sede – para sbee@sbee.org.br
  • 56. 52 Um pequeno serviço Um homem foi chamado à praia para pintar um barco. Trouxe com ele tinta e pincéis, e começou a pintar o barco de um vermelho brilhante, como fora contratado para fazer. Enquanto pintava, percebeu que a tinta estava passando pelo fundo do barco. Percebeu que havia um vazamento, e decidiu consertá-lo. Quando terminou a pintura, recebeu seu dinheiro e se foi. No dia seguinte, o proprietário do barco procurou o pintor e presenteou-o com um belo cheque. O pintor ficou surpreso: - O senhor já me pagou pela pintura do barco - disse ele. - Mas isto não é pelo trabalho de pintura. É por ter consertado o vazamento do barco. - Foi um serviço tão pequeno que não quis cobrar. Certamente, não está me pagando uma quantia tão alta por algo tão insignificante ! Meu caro amigo, você não compreendeu. Deixe-me contar- lhe o que aconteceu. Quando pedi a você que pintasse o barco, esqueci de mencionar o vazamento. Quando o barco secou, meus filhos o pegaram e saíram para uma pescaria. Eu não estava em casa naquele momento.. Quando voltei e notei que haviam saído com o barco, fiquei desesperado, pois lembrei-me que o barco tinha um furo. Imagine meu alívio e alegria quando os vi retornando sãos e salvos. Então, examinei o barco e constatei que você o havia consertado! Percebe, agora, o que fez? Salvou a vida de meus filhos! Não tenho dinheiro suficiente para pagar-lhe pela sua "pequena" boa ação... .......................................................................................................................... Não importa para quem, quando, de que maneira. Sempre que for possível, sempre que depender de você, e principalmente, dentro de suas possibilidades, vá além ... Este poderá ser o seu diferencial!
  • 57. 53 Livre-arbítrio 843. Tem o homem o livre-arbítrio de seus atos?R: ―Pois que tem a liberdade de pensar, tem igualmente a de obrar. Sem o livre-arbítrio, o homem seria máquina.‖ 844. Do livre-arbítrio goza o homem desde o seu nascimento?R: ―Há liberdade de agir, desde que haja vontade de fazê-lo. Nas primeiras fases da vida, quase nula é a liberdade, que se desenvolve e muda de objeto com o desenvolvimento das faculdades. Estando seus pensamentos em concordância com o que a sua idade reclama, a criança aplica o seu livre-arbítrio àquilo que lhe é necessário.‖ 845. Não constituem obstáculos ao exercício do livre-arbítrio as predisposições instintivas que o homem já traz consigo ao nascer? R: ―As predisposições instintivas são as do Espírito antes de encarnar. Conforme seja este mais ou menos adiantado, elas podem arrastá-las à prática de atos repreensíveis, no que será secundado pelos Espíritos que simpatizam com essas disposições. Não há, porém, arrastamento irresistível, uma vez que se tenha a vontade de resistir. Lembrai-vos de que querer é poder.‖ 846. Sobre os atos da vida nenhuma influência exerce o organismo? E, se essa influência existe, não será exercida com prejuízo do livre-arbítrio? ―É inegável que sobre o Espírito exerce influência a matéria, que pode embaraçar-lhe as manifestações. Daí vem que, nos mundos onde os corpos são menos materiais do que na Terra, as faculdades se desdobram mais livremente. Porém, o instrumento não dá a faculdade. Além disso, cumpre se distingam as faculdades morais das intelectuais. Tendo um homem o instinto do assassínio, seu próprio Espírito é, indubitavelmente, quem possui esse instinto e quem lho dá; não são seus órgãos que lho dão. Semelhante ao bruto, e ainda pior do que este, se torna aquele que nulifica o seu pensamento, para só se ocupar com a matéria, pois que não cuida mais de se premunir contra o mal. Nisto é que incorre em falta, porquanto assim procede por vontade sua.‖ (Vede n°s. 367 e seguintes - ―Influência do organismo‖.) DA LEI DE LIBERDADE 847. Da aberração das faculdades tira ao homem o livre-arbítrio? ―Já não é senhor do seu pensamento aquele cuja inteligência se ache turbada por uma causa qualquer e, desde então, já não tem liberdade. Essa aberração constitui muitas vezes uma punição para o Espírito que, porventura, tenha sido, noutra existência, fútil e orgulhoso, ou tenha feito mau uso de suas faculdades. Pode esse Espírito, em tal caso, renascer no corpo de um idiota, como o déspota no de um escravo e o mau rico no de um mendigo. O Espírito, porém, sofre por efeito desse constrangimento, de que tem perfeitaconsciência. Está aí a ação da matéria.‖ (371 e seguintes) 848. Servirá de escusa aos atos reprováveis o ser devida à embriaguez a aberração das faculdades intelectuais? ―Não, porque foi voluntariamente que o ébrio se privou da sua razão, para satisfazer a paixões brutais. Em vez de uma falta, comete duas.‖
  • 58. 54 A Resposta da Gratidão Jim nunca imaginou que as coisas acontecessem daquela forma. Enquanto trabalhava como salva-vidas, amava o que fazia. Num dia de folga, andando pela praia, ele viu uma mulher em perigo. Jogou-se n’água e a trouxe para a praia.Depois a carregou até o posto salva-vidas, onde uma ambulância a levou para o hospital. Victória ficou muito agradecida e passou a visitá-lo, de vez em quando, no posto. Quando sabia que ele estava trabalhando, mandava-lhe pizza. Jim retribuía com visitas e telefonemas. Os outros rapazes faziam gozação da sua amizade com aquela senhora. Ele não ligava. Durante anos, mantiveram a amizade. Certo dia, retornando de uma viagem, Jim ligou para a casa dela. Quem atendeu foi uma jovem, que se identificou como bárbara. Era sua sobrinha. Contou-lhe que Victoria havia morrido, vítima de um derrame. A sobrinha viera de outra cidade para resolver alguns negócios da tia. Ela sabia tudo a respeito dele porque sua tia lhe falou. O tempo passou. Uma noite, numa festa na praia, com amigos, Jim percebeu que as coisas estavam saindo do controle. Bebidas e drogas começaram a circular. Ele decidiu ir embora. Logo depois, uma mulher que ele havia conhecido apenas algumas horas antes, também saiu. Quando ela foi dada como desaparecida e seu vestido esfarrapado foi encontrado ao lado da estrada, ele foi acusado de assassinato. Parecia um pesadelo. Ele mal a conhecia. Era uma acusação maluca. Mas a polícia precisava de um suspeito. E ele era um suspeito. Um defensor público foi indicado para cuidar do seu caso, porque ele não tinha dinheiro. Foi preso e a fiança estipulada em um valor elevadíssimo. Jim achou que não teria mais saída. Então, um dia, recebeu um telefonema. Era bárbara. Formada em direito, ela ouviu o noticiário a respeito da sua prisão e perguntava se ele aceitaria que ela o defendesse gratuitamente. Jim aceitou de pronto. Ela começou a se inteirar dos detalhes do caso. A única testemunha ocular que identificou Jim, como o homem que saiu da festa com a mulher, descreveu o casal como sendo da mesma altura. Alguma coisa estava muito errada. A suposta morta tinha 1,65m. Jim tinha quase 1,80m. Graças a esse detalhe, ela conseguiu que a fiança fosse reduzida e Jim pôde ir para casa. Aquilo foi um presente para ele. Ela contratou um detetive que, depois de algum tempo, descobriu que a suposta vítima vivia num país vizinho. Ela decidira sair de casa e abandonar o marido para começar uma nova vida, com outra pessoa. Depois de muita insistência, meses de trabalho, conseguiram que a mulher retornasse e se mostrasse à polícia, provando que estava viva. Jim estava livre da acusação. Hoje, ele vive com sua mulher e três filhos. Tem uma fazenda e dirige sua própria fábrica. Mas nunca vai esquecer aquela amizade especial com Victoria. Comenta ele: ―se aquela doce senhora não falasse de mim para sua sobrinha como o fez, é bem possível que eu estivesse apodrecendo na prisão, pelo resto da minha vida. Devo minha vida àquela mulher.‖ No entanto, bárbara tem uma versão diferente: ―ele merecia minha ajuda. Ele salvou a vida de alguém que nem conhecia, mesmo não estando em serviço naquela hora. Esse tipo de amor pela humanidade não fica sem recompensa.‖ *** Faça o bem, sem nunca aguardar recompensa. Mas guarde a certeza que os benefícios lhe chegarão, de alguma forma, neste mundo ou no outro. Isto porque à toda ação corresponde uma reação. E o bem somente gera bem maior. Equipe de Redação do Momento Espírita com base no cap. Heróis também precisam de heróis, do livro Triunfos do coração, de autoria de Chris Benghue, ed. Butterfly.
  • 59. 55 Competência e Humildade No dia 14 de março de 2004, um fato ocorrido em Recife, capital pernambucana, no Hospital da Restauração, o maior pronto-socorro público do Nordeste, se tornou notícia nacional. A reportagem dizia o seguinte: "Uma mulher que levou um tiro no coração sai andando do quarto do hospital!" Quem viu a cena ficou imaginando: como é possível alguém escapar vivo de uma situação dessas? Naquela segunda-feira de carnaval, o cirurgião João Veiga só deveria dar plantão às 4h da madrugada. Mas ele teve insônia e resolveu ir mais cedo para o trabalho. Era pra chegar na unidade de trauma às 4h da manhã. Voltei à meia-noite, contou João. Uma hora depois, a turista israelense Moran Bomflek deu entrada na emergência baleada no coração, em estado gravíssimo. Ela não respirava, o coração não batia, a pupila estava dilatada, quer dizer, o cérebro estava sofrendo. Então é morte aparente. Não tinha nenhum reflexo, lembrou o cirurgião. Um plantonista menos experiente poderia ter dado o caso como perdido. Mas João Veiga, 17 anos de profissão, agiu rápido: abriu o peito de Moran e tentou um procedimento arriscado. Massageou o coração da paciente com as próprias mãos. Eu só fiz puxar um pouquinho o coração para expor melhor a lesão e fiz dois pontos. Costurei a parte atingida e o coração ficou sem bater. Foi aí que eu comecei o procedimento de massagem cardíaca, ou seja, segurar o coração e ficar fazendo um movimento em torno de dois a quatro minutos, relatou o médico. A vida da paciente dependia de uma transfusão de sangue, urgente. O tipo de sangue necessário já estava disponível. Eu tinha pedido, há 20 minutos, sangue para outra paciente que estava estável mas precisava de sangue e quando este sangue chegou para a outra paciente eu usei pra ela. O sangue "o" negativo, que foi fundamental, contou Dr. João. *** Importante lembrar que o médico, que deveria chegar ao hospital somente às 4h da madrugada, teve insônia e resolveu ir logo para o trabalho. Somente um profissional que ama o que faz é capaz de tomar uma decisão dessas. Ele poderia ter ficado em casa descansando, assistindo televisão, ouvindo música, fazendo algo para passar o tempo... Mas ele preferiu ir para o hospital. Diga-se, um hospital público. Não é de admirar que um homem com tamanha competência e humildade, tenha tanto amparo do alto em suas tarefas. Por causa da sua extremada dedicação, ele havia solicitado sangue para outra paciente, e isso o ajudou a salvar uma vida. Sem dúvida, podemos afirmar que não houve sorte nem coincidências. Houve competência e dedicação, aliadas á providência divina. Acostumado a lidar com casos graves, João Veiga não quer ser tratado como herói. Mais uma prova de que ele é realmente um grande homem, um profissional competente e um coração generoso. Ao final da reportagem, João Veiga diz, com simplicidade e sincera humildade: "eu gosto de fazer exatamente isso, foi para isso que eu treinei." Somente pessoas verdadeiramente abnegadas conseguem fazer coisas grandiosas com a naturalidade de quem resolve pequenas questões. Um fato que nos leva a crer que este mundo tem jeito. Que existem profissionais que desempenham suas tarefas com competência e dedicação. E, acima de tudo, que Deus atende seus filhos através dos seus filhos. Sejam eles médicos, cientistas, agricultores, ou simplesmente um homem bom. Equipe de Redação do Momento Espírita, com base em reportagem exibida na Rede Globo, no Fantástico do dia 14/03/2004
  • 60. 56 O Eco
  • 61. 57 Só Não Erra Quem Não Faz – Erro é acerto em processo
  • 62. 58 Festival do Vinho Era uma vez um vilarejo onde a principal atividade era produzir uvas e naquele ano a colheita havia sido das melhores. Os moradores então decidiram comemorar com um importante festival de vinho que iria acontecer em poucos dias. Para tanto, tomaram emprestado da cidade vizinha, um barril bem grande e o colocaram no meio da praça do vilarejo. Combinaram então que cada um dos moradores deveria colocar uma garrafa do seu melhor vinho no barril, desta maneira haveria bastante vinho para a grande festa. Mas um dos moradores do vilarejo, se achando muito esperto pensou: ―se eu colocar uma garrafa de água ao invés de uma garrafa de vinho, ninguém irá notar, pois haverá tanto vinho bom no barril que a água vai se misturar e ninguém irá notar!‖ E a noite do grande festival chegou. Todos se dirigiram à praça com suas jarras e taças para provar o tão esperado vinho. A torneira do barril foi finalmente aberta aos olhos de todos os moradores, mas o que saiu foi a mais pura água! Todos os moradores do vilarejo tiveram a mesma idéia!
  • 63. 59 Vôo Tam 3054 – Acaso, Destino ou Livre Arbítrio? Após uma tragédia coletiva como o acidente da GOL em 2006 ou o acidente da TAM em 2007, é comum ouvirmos comentários de pessoas ligadas ao meio espírita procurando dar uma explicação que conforte as pessoas que perderam seus entes queridos. A maioria das explicações que temos ouvido e lido no meio espírita se direcionam para as idéias mais trabalhadas pelas pessoas que buscam conforto e esperança. Uma é o acaso e a outra é o destino. Dependendo da idéia de destino que o leitor faça, pode ficar a sensação de que era para ser assim ou que pela imprevisibilidade do acaso, a tragédia se tornou inevitável. O perigo é que estas duas opções diminuem a importância de se investigar causas, estabelecer responsabilidades e punir culpados para evitar que tais fatos de repitam. Se aceitarmos que se trata de destino, isto significa que a situação está sob controle de uma força superior, o que equivale a negar o livre arbítrio. Tal idéia parece aceitável quando analisamos fenômenos naturais, como terremotos, tsunamis, furacões e inundações. Mesmo assim, depois da primeira surpresa, passamos a ter a opção de fazer algo a respeito para minimizar os danos decorrentes destas catástrofes naturais previsíveis. Um exemplo disso está nos efeitos de alguns terremotos no Japão. É admirável notar que fortes tremores de terra causem poucos danos em algumas áreas do Japão, ao passo que tremores similares, causem enorme destruição e um enorme número de mortos em outros países. Os Japoneses não tem controle sobre os terremotos, mas constroem seus novos prédios de modo a resistir a eles com o menor dano possível. Se aceitarmos que um acidente, como o TAM 3054, se trata de acaso, isto significa que a situação não está nem sob o controle humano e nem sob o controle de uma força superior; ou seja, se os fatores negativos coincidirem, o acidente se tornará inevitável. Estaríamos então nas mãos da sorte. Uma espécie de loteria da vida onde se não chover tudo dará certo. Ambas as linhas de pensamento nos encaminham para um perigoso conformismo capaz de gerar uma repetição infindável de acidentes com perdas de vidas, sem esquecer, que devido ao caos aéreo há uma enorme perda de tempo que poderia ser aplicado de maneira mais produtiva. Precisamos pensar mais profundamente sobre o assunto, e tentar construir uma resposta que sobreviva ao teste da lógica e seja coerente com o que sabemos dos princípios doutrinários do espiritismo. Entre eles destacamos o princípio do livre arbítrio. Este princípio não significa que temos controle de tudo, mas que somos responsáveis sobre os desdobramentos daquilo que está sob o nosso controle. O espiritismo entende que livre arbítrio é o espírito agindo no limite do seu conhecimento e sendo responsável na medida do seu entendimento. As unidades culturais espíritas, apoiadas no estudo transdisciplinar da Filosofia, Ciência e Religião, trabalham no desenvolvimento da capacidade pensante dos seus estudiosos encarnados e desencarnados. Assim sendo, como espíritas, temos a responsabilidade de questionar, construir evidências e propor referenciais que contribuam para a mudança nos padrões morais e administrativos das organizações humanas. Afinal, em muitas situações, transferimos a estas organizações a responsabilidade pelo nosso bem estar e segurança. Ao confiarmos nossas vidas à manutenção de uma empresa aérea; ao comando da Aeronáutica ou às decisões de uma agencia reguladora, estamos renunciando a uma parte do nosso livre arbítrio e passando o controle àqueles que comandam o sistema aéreo. Quando rejeitamos a idéia de destino ou acaso, nos obrigamos a propor uma terceira alternativa que explique racionalmente o que aconteceu. Esta terceira explicação aparece quando relacionamos as variáveis que contribuíram para a ocorrência do acidente. Uma vez listada, a somatória de variáveis causais, indicam que o acidente poderia ter sido evitado. Para tanto,
  • 64. 60 bastava que cada um cumprisse o seu dever. Cumprir o dever pode significar estar mais atento às condições de sucesso de qualquer ação. Pode ser uma viagem de ônibus, um pouso, uma cirurgia, uma operação que pode levar uma empresa à falência, uma alimentação que pode fazer muito mal, dirigir um automóvel, etc... Em 1978 sobrevivi a uma tentativa de aterrissagem que não terminou em tragédia. Chegávamos ao aeroporto de Congonhas em um vôo Vasp vindo de Foz do Iguaçu. Já era noite e o aeroporto estava sob uma forte tempestade. Mesmo assim a torre de comando autorizou o pouso. Ventava muito. Éramos jogados de um lado para outro nas poltronas a ponto de sentir dores devido ao choque dos quadris contra o apoio dos braços. O medo era geral. No ultimo instante, ao perceber o fim da pista chegando rapidamente, o piloto arremeteu o 737 e subiu em uma inclinação inacreditável para uma aeronave tão pesada. Dentro do avião a gritaria era geral. Homens e mulheres choravam. Atrás de mim alguém gritou: - Eu não quero morrer! Depois de um pouso suave em Viracopos, muitos bateram na porta da cabine de comando exigindo que o piloto abrisse a porta e liberasse os passageiros. Depois de uma breve mensagem, o piloto levou o avião para a cabeceira da pista, decolou novamente e voltou para Congonhas, onde, já sem vento, o pouso ocorreu normalmente. Perguntado sobre como via aquilo tudo, o presidente da empresa em que eu trabalhava e que estava no mesmo vôo respondeu com uma serenidade invejável: - Acho que o piloto também não quer morrer e ele é o mais preparado entre nós para decidir o que fazer. Será que teria ocorrido o acidente da TAM se a proibição de pousar apenas com um reverso em dias de chuva, aplicada ao avião presidencial, fosse também aplicada aos vôos comerciais? Ou se tivesse sido proibido o pouso de aviões de grande porte em um aeroporto tão pequeno e sem pista de escape? Se a derrapagem do vôo da Pantanal, no dia anterior e os alertas dos pilotos que apelidaram a pista de ―skate no gelo‖ fosse levada a sério pelas autoridades do Aeroporto, da Aeronáutica ou da agência reguladora, o acidente teria ocorrido? Ou se a agência reguladora não tivesse enviado o documento que enganou a juíza que fechou o aeroporto, forçando-a a liberar a pista recém reformada? Será que as pessoas que deveriam ter assumido uma posição radical como fez a corajosa juíza, não deixaram para alguém decidir, ou confiaram no acaso ou no destino? Quando se somaram as variáveis com potencial de gerar acidentes como: avião de grande porte pousando em pista de 1940 metros sem escape, comparado com pistas de até 4000 metros; chuva na pista; pista nova com ausência de canaletas para escoamento da água; limitações no reverso, o qual era extremamente importante em situações de chuva na pista, percebemos que o acidente se tornou impossível de evitar. Assim sendo, mesmo sem um profundo conhecimento técnico, é possível a qualquer pessoa que o analisa, compreender que este acidente ocorreu porque todas as pessoas diretamente envolvidas, permitiram que a somatória de variáveis causais ultrapassasse os limites de segurança de pouso. Sem uma melhor compreensão do livre arbítrio e das nossas conseqüentes responsabilidades, continuaremos prisioneiros de mitos e crenças que tem o potencial de contribuir para gerar novas tragédias. Como espíritos, todos sabemos de antemão que iremos desencarnar um dia. Saber qual dia e de que maneira iremos morrer, não nos parece coerente com a lei da diversidade. Administrar a nossa vida e os fatores que afetam a vida de outros com coerência é responsabilidade de cada um; assim como, administrar recursos financeiros e técnicos, que impliquem em risco de interrupção da vida encarnada de muitos é responsabilidade de poucos. Por
  • 65. 61 isso, seria desejável que estas poucas pessoas passassem a ter acesso a um melhor entendimento do sentido e do significado da vida; para que não sejamos surpreendidos por novos acidentes que possam interromper nossos projetos de vida antes do esgotamento natural do nosso capital de vida. Depois que decola, o destino de um avião é o solo, quer seja por meio de um pouso normal, de um pouso forçado ou de uma queda fatal. Só devemos lembrar que, antes do pouso, houve a livre escolha do passageiro de aceitar o risco da viagem e a decisão soberana do piloto de autorizar a decolagem. Quando as variáveis causais estiverem sob o controle humano, não há porque acreditar que somos vítimas do destino ou do acaso. Assim sendo, precisamos assumir que somos responsáveis pelas variáveis que estão sob nosso controle e cumprir com nosso dever sob pena de assumir sérios débitos morais perante nossa consciência e, portanto, perante as leis naturais. Paulo Henrique Wedderhoff
  • 66. 62 Cultura e Mediunidade Cultura é o conjunto de respostas que uma sociedade utiliza em um determinado momento nas soluções de seus problemas e necessidades. Cultura é cumulativa, resultante de experiências e conhecimentos. Ao mesmo tempo é plural pois oferece várias respostas para uma mesma necessidade. Ela está em contínuo processo de modificação pois necessita responder novas questões emergentes ou encontrar respostas novas para questões antigas determinando assim seu caráter dinâmico. As novas respostas podem ser geradas dentro da própria sociedade ou encontradas externamente à ela. Por exemplo o polisistema material pode ampliar o seu campo de busca no polisistema espiritual. À comunicação entre estes pólos chamamos de mediunidade. Esta comunicação é fruto da composição de espíritos desencarnados e encarnados fazendo superação e gerando um produto mediúnico, como pinturas ou mensagens escritas e faladas. A mensagem mediúnica nos traz o referencial do polisistema espiritual permitindo respostas mais amplas ao processo evolutivo. Ela é universal e ao mesmo tempo individual. É agente de transformação. ----------------oOo---------------- Nossa proposta para este semestre foi o estudo de cultura e mediunidade. Sociedade Brasileira de Estudos Espirítas Grupo de Pequenos Projetos II Equipe de Cultura e Mediunidade 5a. Feira - Sede Redigido pelo grupo no 2o. Semestre de 1995 Coordenador: Oswaldo Henrique Branco
  • 67. 63 Mediunidade – SBEE – Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas – Maio/2000 Cultura é a herança social. É todo o conhecimento acumulado pelas pessoas ao enfrentarem situações e desafios no cotidiano. Cada pessoa, motivada pela necessidade ou interesse e sustentada pela prontidão, fará continuamente conhecimento ao buscar um referencial diferente, que permita a construção de conceitos novos e, por sua vez, sustente comportamentos, atitudes renovados. As ferramentas que estão à disposição do ser humano nessa busca de referenciais diferentes são muito variadas. A mediunidade é uma dessas ferramentas que podem ser utilizadas para o crescimento do ser humano, mas o seu conceito, utilizado pelo senso comum, deve ser modificado. No entendimento do Espiritismo, mediunidade não é sagrada, não é mística, não é mágica, não é sobrenatural. Não se alcança através de rituais ou de fórmulas predeterminadas. A sua prática é racional, equilibrada, transparente, fruto da persistência e da continuidade. O seu exercício envolve objetivo, planejamento e estruturação do processo. A mediunidade não serve para "falar com os mortos", pois os espíritos desencarnados não se enquadram nesta concepção do imaginário da cultura material. A mediunidade não se reduz a um balcão de atendimento ao qual se recorre para resolver problemas. Não serve para dizer o que as pessoas devem fazer ou para decidir seu futuro, tolhendo o seu livre-arbítrio. Para a Doutrina Espírita, mediunidade não deve ser vista como "transe". Mediunidade é sintonia e troca de experiência entre espíritos desencarnados e encarnados. Não há perda de consciência, não há anulação. Há soma das experiências das partes envolvidas, trazendo superação. A mediunidade não "serve contra mau olhado" , não "serve para ganhar na loteria", não serve para justificar comportamentos anormais. Não "serve para desobsidiar espíritos". Não é "dom", não é "graça", não é castigo ou punição. É trabalho contínuo para a construção de um momento diferente, evidenciado no comportamento de cada um. A mediunidade não faz milagres. Não concede "poderes" especiais. Ela não é fonte de todo o conhecimento. Os espíritos encarnados e os desencarnados envolvidos no processo mediúnico só conhecem alguma coisa na medida de suas experiências e de suas vivências. A mediunidade não é exclusiva de algumas pessoas. Ela é uma capacidade, uma faculdade do espírito, que se aperfeiçoa pelo exercício e esforço pessoal. Ela é de todo o grupo cultural e está intimamente ligada aos seus valores e sentimentos. A mediunidade não está pronta e acabada, transforma-se e modifica-se ao longo do tempo, acompanhando o momento emergente, as situações vividas pelo grupo, a evolução das pessoas. As pessoas evoluem pela soma de suas experiências e das experiências acumuladas pelo grupo social. Em constante crescimento interior, cada pessoa é diferente das outras porque vive experiências únicas ao longo de sua trajetória de vida. Ao ser colocada diante de novas situações, procura encontrar respostas em seu conhecimento acumulado ou no conhecimento acumulado de outras pessoas, estejam encarnadas ou desencarnadas. Exercitar a mediunidade é buscar e encontrar respostas para as questões das pessoas e da sociedade, através da comparação dos referenciais de valores, idéias e sentimentos do polissistema material e do polissistema espiritual, úteis para a evolução da pessoa e do grupo. Quando uma pessoa elabora um produto mediúnico está procurando, limitada pela prontidão do grupo cultural, evidenciar questões e/ou respostas novas para situações do social.
  • 68. 64 Portanto, o seu produto é, antes de tudo, um produto cultural, com conceitos universais, alternativos, especialistas e individuais, e caracterizado por uma forma, com um significado e com uma função. Mediunidade é instrumento que auxilia cada pessoa na construção do novo, através do rompimento de seus limites, ampliando a visão de si mesmo, dos outros, da natureza, de Deus. Mediunidade é expressão de identidade, é sintonia e troca de experiência. Mediunidade é interação entre os polissistemas material e espiritual.
  • 69. 65 Hagar – Recrutador de Tripulações – Sintonia e frequência
  • 70. 66 Exercício da Amnésia: Se você despertasse em um quarto de hotel, acometido de amnésia, que perguntas te ocorreriam? 1. 2. 3. 4. 5.
  • 71. 67 Consoada Quando a indesejada das gentes chegar (Não sei se dura ou caroável), Talvez eu tenha medo. Talvez sorria, ou diga: -Alô, ineludível ! O meu dia foi bom, pode a noite descer. (A noite com seus sortilégios.) Encontrará lavrado o campo, a casa limpa, A mesa posta, Com cada coisa em seu lugar. Manuel Bandeira ( 1886 - 1968)
  • 72. 68 Trajetória de Vida No processo de aprendizado, a pessoa tem momentos de profunda reflexão na busca do significado de sua existência: Quem eu sou? De onde eu vim? Por que estou aqui? Para onde eu vou ?São perguntas cujas respostas são essenciais para o indivíduo deixar de ser passageiro do mundo imediato e se transformar em agente consciente e conseqüente do seu processo de vida, passando, dessa forma, a planejar sua evolução. A proposta da Doutrina Espírita é tentar fornecer instrumentos e instruções para que se possa compreender e construir a pluralidade de caminhos que compõe a trajetória de vida. Portanto, é fundamental conhecer as alternativas existentes e ter consciência clara - sabedoria — dos caminhos que podem ser escolhidos. É muito importante, ao se falar em trajetória de vida, conceituar passado, presente, futuro e referencial de vida. O passado são os acontecimentos vividos, experiências acumuladas. O presente é o que a pessoa é e o que ela faz. Ao agir, o homem faz transformações — "quem não age não é" (Antonio Grimm). O futuro é a expectativa do que a pessoa quer ser. O presente da pessoa possui suas bases no somatório das suas experiências e vivências, portanto é um resultado único e individual. A observação plena, racional e intensa do presente possui profundo significado para o homem. Viver o presente, analisá-lo, pesquisá-lo é dar a dimensão do Universo à vida do homem (Antonio Grimm). A Doutrina Espírita promove o processo sustentável de vida por meio do encontro do homem consigo mesmo; ou seja, aquele que vive somente os acontecimentos do passado, ou apenas as expectativas do futuro, não vive o presente, portanto não age e não transforma. A análise do passado, do presente e do futuro é feita de acordo com determinado referencial de vida. Para a Doutrina Espírita, referencial de vida é um sistema de valores utilizado como parâmetro de avaliação crítica das decisões, das ações e do comportamento. Pode-se tentar traduzir a idéia de referencial de vida usando o seguinte exemplo: uma pessoa decidiu viajar. Viajar é uma experiência bastante interessante que permite conhecer outros lugares, pessoas e viver momentos novos. Ou seja, viajar é uma oportunidade de aprendizagem. Se esta viagem for planejada previamente, levando-se em conta as experiências anteriores da pessoa, acrescida das suas preferências e tendências atuais, além de se considerar as informações e indicações dos lugares a serem visitados, com certeza a viagem será mais condizente com as expectativas. O planejamento permitirá a escolha de caminhos mais objetivos e, o que é muito importante, servirá como referência caso, por engano, a pessoa saia do trajeto que escolheu. Entretanto, supondo-se que a pessoa não fez o planejamento prévio, deixando para o momento e para o acaso a escolha do caminho a ser tomado, a probabilidade da viagem não ser satisfatória será maior. Corre-se o risco de levar a trajetos perigosos, muitas vezes difíceis e penosos. Todo este cenário pode ser agravado pela falta de um ponto de referência para saber se a pessoa está se aproximando ou se afastando do objetivo desejado. Dessa forma, a trajetória de vida de um indivíduo pode ser encarada como uma viagem do espírito a várias culturas, lugares, momentos, situações, desafios, funções e oportunidades. A abordagem da vida como trajetória e a utilização do referencial como ferramenta são muito úteis
  • 73. 69 na otimização da evolução de cada pessoa. É importante estar reavaliando continuamente o referencial, transformando-o e corrigindo-o. O sistema referencial proposto pela Doutrina Espírita traz alguns conceitos tais como: capital de vida, história de vida, inventário de vida, projeto de vida. Capital de vida é a duração potencial, a quantidade de tempo disponível pelo espírito para construção de sua trajetória no polissistema material. História de vida é a resultante singular e universal do somatório contínuo de experiências vividas e convividas pelo espírito. Inventário de vida é o levantamento e avaliação de valores agregados pelo espírito ao longo de sua trajetória; coleção do resultado de suas experiências. Projeto de vida é a construção da trajetória de vida do indivíduo na expectativa do que ele quer ser - projeto de construção do ser na ação de sua consciência. O objetivo da vida é a evolução. Como evolução é um processo, a vida é necessariamente aberta, não há destino. A trajetória de vida é construída pela pessoa ao desenvolver os seus potenciais e superar os seus limites. Resumindo, trajetória de vida é um caminho construído livremente pelo espírito ao interagir de forma consciente e conseqüente consigo mesmo, com os outros, com a natureza, com o Universo. Copyright: Todos os direitos reservados. A SBEE autoriza a reprodução dos textos para fins não comerciais desde que seja mencionada a fonte"
  • 74. 70 Darwin e - o que é evolução? (Coleção Caminhos da Ciência – Scipione)
  • 75. 71 O que dificulta nossa reforma espiritual?
  • 76. 72 Breve História do Espiritismo Em toda história humana, principalmente entre os povos mais antigos da India, Egito, Grécia, aparecem relatos de fatos mediúnicos. Existem registros na Bíblia de que os Hebreus faziam evocações dos mortos. Também observamos registros destes fatos nos escritos religiosos dos Gregos e as pitonisas dos oráculos e entre os Vedas na Índia.Na Idade Média, devido à intolerância religiosa tornou-se difícil a prática destas manifestações. Somente no século XIX, em 1844, acontece o início da corrente espiritualista nos Estados Unidos da América, liderada por Andrew Jackson Davis protagonista de diversos fenômenos de desdobramento e experiências fora do corpo físico que levaram à publicação de um conjunto de livros conhecidos como Filosofia Harmônica. Em 1848 houve maior interesse nas manifestações com o caso das irmãs Fox. O fenômeno ficou conhecido por ruídos, pancadas e movimentos cujas causas eram desconhecidas. Da América esse fenômeno multiplicou-se por toda Europa, em particular na França onde por alguns anos pessoas se colocavam em torno de mesas que emitiam ruídos e produziam movimentos. As mesas girantes, como foram chamadas na época, viraram moda e criaram divertimento nos salões da França. Em 1854, Hippolite Leon Denizard Rivail, pedagogo e educador, foi convidado a participar de reuniões onde era estudado o fenômeno das mesas girantes. Em uma destas ocasiões ele conheceu o Sr. Baudin, passando a freqüentar as reuniões em sua casa, onde a técnica utilizada não era mais a das mesas girantes e sim a das cestas escreventes. A partir daí passou a estudar metodicamente os fenômenos, observando, comparando, analisando e registrando todas as experiências de que participava formando um conjunto de mais de cinqüenta cadernos de relatos. Ao concluir que as respostas obtidas através destas manifestações continham profundo sentido lógico, o estudioso publicou em 1857 o Livro dos Espíritos. O livro foi publicado sob o pseudônimo de Allan Kardec visto que o professor Rivail não achava justo publicar algo que não era dele, mas que provinha do ensinamento de pessoas que já haviam falecido. No ano seguinte fundou a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas e editou a Revista Espírita. Em 1859 publicou "O que é o Espiritismo", em 1861, o "Livro dos Médiuns", em 1864 "O Evangelho Segundo o Espiritismo", em 1865 "O Céu e o Inferno", e em 1868 "A Gênese". Com o desencarne de Allan Kardec em 1869, assumiu a liderança do movimento o espírita Leon Denis, considerado o consolidador do Espiritismo e à quem se credita o desenvolvimento do lado filosófico da Doutrina Espírita.
  • 77. 73 Allan Kardec ( 1804 - 1869) Nascido em Lyon - França - de uma família tradicionalmente voltada para a magistratura e advocacia, Allan Kardec (pseudônimo de Hippolyte Léon Denizard Rivail) desde jovem sentiu-se inclinado ao estudo das ciências e da filosofia Educado na Escola de Pestalozzi, em Yverdum (Suíça), tornou-se um discípulo desse célebre professor e um dos mais zelosos propagandistas do seu sistema de educação. O fato de ter nascido de uma família católica e de ter sido educado em um país protestante, o fez experimentar situações de intolerância religiosa, o que o levou a conceber, desde cedo, a idéia da necessidade de uma reforma religiosa que culminasse com a unificação das crenças. Bacharelou-se em Letras e em Ciências; lingüista insigne, falava alemão, inglês, italiano, espanhol e holandês, chegando a traduzir diferentes obras de educação e moral para a língua alemã. Foi membro de várias sociedades culturais e científicas da época, entre outras, a Academia Real de Arrás. Em 1832 casou-se com Amélie Gabrielle Boudet, estabelecendo residência em Paris. Na própria residência, entre 1835 e 1840, fundou cursos gratuitos de Química, Física, Anatomia, Astronomia, entre outros. Sua preocupação com a Educação, aliás, levou-o a publicar várias obras, abordando os mais variados assuntos, tais como Instrução Pública, Aritmética, Gramática Francesa, Geometria, Química, Física, Astronomia e Fisiologia, sendo que estes últimos eram professados por ele no Liceu Polimático. Em 1854 Allan Kardec tomou conhecimento dos fatos envolvendo as "mesas girantes e falantes". Começou a assistir as reuniões sem dar muito crédito. Foi convidado a estudar os fenômenos junto à família Boudin. Com o decorrer das pesquisas, Kardec definiu o Espiritismo como uma nova ciência a qual, pelo método experimental, chegou à conclusão de que estas manifestações provavam a existência da alma e de sua sobrevivência ao transe da morte. Percebera que cada espírito possuía um grau de conhecimento e moralidade. A comunicação com os Espíritos resultaram em vasto material, que consistia em relatos, descrições, desenhos e mensagens e, com a ajuda de amigos pesquisadores, Allan Kardec, resolveu estudá-los, classificá- los e explicá-los. Eliminou as repetições ociosas, anotou criteriosamente as falhas, as dúvidas e as lacunas para futuros esclarecimentos a serem ditados pelos Espíritos. Note-se que Kardec baseava seus estudos nas mensagens de outros médiuns, pois ele mesmo não tinha desenvolvido a habilidade da psicofonia ou psicografia. Fundou em Paris, a 01 de abril de 1858 a primeira sociedade regularmente constituída, a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. Portador de uma lesão grave no coração,desencarnou a 03 de março de 1869, quando contava com 65 anos de idade.
  • 78. 74 Breve história da SBEE A Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas, instituição filantrópica e beneficente, tem por objetivo estudar todas as manifestações espíritas; divulgar os princípios da Doutrina Espírita e proporcionar Assistência Social aos que necessitam. A SBEE é uma Sociedade de Utilidade Pública Federal, Estadual e Municipal e teve seu início em 1953, quando da fundação do Agrupamento Espírita Afonso Pena, o qual tinha como médium fundador o médium Maury Rodrigues da Cruz. O planejamento espiritual para a organização da instituição é missão do espírito Leocádio José Correia, cuja proposta visa atualizar a interpretação do Espiritismo. Cronologia Histórica:  1953 - Fundação do Agrupamento Espírita Afonso Penna - grupo familiar.  1955 - Inaugura a sede do Agrupamento Afonso Penna.  1956 - Criação da Assistência Social  1957 - Mudança da sede para a Rua 29 de Junho s / no  1958 - Alteração de nome para Centro Experimental de Estudos Espíritas Afonso Pena, para atendimento de uma maior parcela da comunidade.  1963 - Inauguração da sede própria na Rua 29 de Junho, 504.  1963 - Fundação do Lar de Meninos Leocádio José Correia, antecessor do atual Lar Escola.  1965 - Nova alteração de nome para, Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas - SBEE, com a proposta de criar uma massa crítica na interpretação e divulgação do Espiritismo, sob uma nova visão à luz da Ciência , Filosofia e Religião. Inaugura também o Museu Nacional do Espiritismo - MUNESPI  1970 - Alteração do Nome Lar dos Meninos Dr. Leocádio José Correia para Lar Escola Dr. Leocádio José Correia.  1972 - Inaugura da primeira sede do Lar Escola Sr. Leocádio José Correia.  1979 - Inauguração da segunda e atual sede do Lar Escola Dr. Leocádio José Correia, que visa o atendimento à crianças de famílias de baixa renda da comunidade.  1984 - Inauguração da sede do Campus de Assistência Social que já vinha fazendo os atendimentos desde 1956, na sede da SBEE.  1990 - Inauguração do Centro de Estudos Superiores Dr. Leocádio José Correia- CELEC.  1999 - Lar Escola recebe o Prêmio " Bem Eficiente "  2000 - Autorizada pelo MEC a Faculdade "Dr. Leocádio José Correia", tendo como entidade mantenedora o Lar Escola Dr. Leocádio José Correia.  2000 - Alteração do nome CELEC para Espaço Cultural da Faculdade Dr. Leocádio José Correia, com sede na Rua Mateus Leme.
  • 79. 75 Inventário da Estrutura e Atividades da SBEE – Junho de 2006 - (Sumário) S.B.E.E. – SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS ESPÍRITAS www.sbee.org (ver, também: www.mediunato.org) R. 29 de Junho, 504 – Vila Tingüi, Curitiba – PR. 2.1 SEGEM – Secretaria do Grupo de Estudos Mediúnicos segem.sbee@brturbo.com.br Secretária: EZENIR GABARDO Atendimento: MARIA LÚCIA WALENIA (3023-8201) 2ªs e 4ªs, no horário do atendimento ao público 2.2 GEM - Grupos de Exercício Mediúnico Módulos 1 a 10 (semestrais): 2ªfeira: 14h às 16h e 20h30 às 22h30; Sábado: 19h às 21h 3ª a 6ª feira: 20h30 às 22h30 Participação: coordenandos – convite do Dr. Leocádio; coordenadores – convite da Coordenação; autorização do Dr. Leocádio, após conclusão do CCM - Curso de Capacitação 2.3 GEM – PARA MENORES Coordenação: OSWALDO BRANCO - Aprendizes do Evangelho: 08 a 11 anos - Pré-adolescentes: 12 a 14 anos - Adolescentes: 15 a 18 anos Horário: 2ªs, 4ªs e 5ªs, das 20h30 às 22h30 - Dr. Leocádio encaminha ou autoriza, a pedido dos pais. Voluntários: precisa, inclusive para coordenar os grupos. 2.4 ATENDIMENTO AO PÚBLICO: 2ªs e 4ªs - feiras, a partir de 20h: prece, palestras, passes e consultas (mediante senha). 5ª - feira: a partir de 14h30: fluidificação da água e passe; Sábado, 15h: passe / gabinete / fluidificação da água/ entrega de algodão energizado; Domingo, 10h: palestra Voluntários: a partir do Módulo 6, mediante indicação do coordenador e autorização do Dr. Leocádio. 2.5 GRUPO CHICUTA NOGUEIRA Coordenadora: VERGÍNIA DEMOGALSKI(3257-4916) Centraliza arrecadação e distribuição de alimentos. Reúnem-se às 4ªs - feiras das 20:30 às 22:30h Voluntários: partir do Módulo 8, com autorização do Dr. Leocádio. 2.6 GRUPO SARAH MARTIN Coordenadora: ELIZABETE CURY (3352-8634) Visitas ao presídio masculino e feminino. Respondem às cartas de presidiários. Reúnem-se às 2ªs - feiras, das 20h às 23h. Voluntários: a partir do Módulo 8 e mediante autorização do Dr. Leocádio. Precisa de voluntários, especialmente homens (reativada a visita ao presídio masculino). Aceitam doações para os presidiários, tais como: calçados, roupas, cobertores, etc. 2.7 GRUPO FRANCISCO FAJARDO Coordenadora: THEREZINHA MESSIAS SCANDELARI (3356-6256 / 9126-1342) Atendimento a prostitutas, travestis e garotos de programa. Reúne-se às 2ªs -feiras à noite e às 6ªs -feiras à tarde Voluntários: a partir do Módulo 6, mediante autorização do Dr. Leocádio. Necessita para o trabalho de 6ª feira à tarde. 2.8 GRUPO SAMARITANOS Coordenadora: Dra. ELIZABETE MILA Trabalha com os dependentes químicos, alcoólatras e dependentes de tabaco. Reúnem-se às 2ªs e 4ªs à noite, no atendimento ao público. Requisitos: Médicos integrantes da SBEE. Necessitam de autorização do Dr. Leocádio.
  • 80. 76 2.9 SETOR DE IMPRENSA E DIVULGAÇÃO Coordenador: ELIEL VALÉRIO SCUSSEL Gravação de Mensagens, Atendimento de voluntários e Setor de Imprensa. Reúne-se às 2ªs e 4ªs - feiras à noite. 2.9.1 CENTRAL DE ATENDIMENTO AO VOLUNTÁRIO (CAAV) Responsável: ROGÉRIO ATHAYDE Telefones para contato: 3333-2203 – 3356-7047 – 9162-1204 Horário: 2ªs e 4ªs, 20h30 às 22h30, na Sala de Imprensa. 2.10 LIVRARIA DA SBEE Responsável: ALFEU WILBAR MARQUES GARCIA ( 3253 3186 ) Horário de atendimento ao público: 2ªs - feiras, das 13h30 às 14h e das 20h às 23h 3ªs - feiras, das 19 h às 20 h 30 min 4ªs - feiras, das 20h às 23h sábados, das 15h às 17h 2.11 BIBLIOTECA ZIGMONT GRABARSKI Funcionamento no horário do Atendimento ao Público. 2.12 BAZAR DA AMIZADE Coordenadora: THEREZINHA MESSIAS SCANDELARI (3356-6256 / 9126-1342) Bordado e artesanato. No Lar Escola Dr. Leocádio Correia. Reúne-se às 3ªs-feiras, das 13h30 às 17h00 Voluntários: Qualquer pessoa (mesmo não integrante da SBEE) Precisa, principalmente para costura. 2.13 GRUPO TONHÁ REGIS Coordenadora: ELEONORA GUTIERREZ Visita às ilhas do litoral paranaense (Ilha de Guapicun e do complexo de Superagui), atendendo cerca de 20 famílias. Uma domingo ou 2ª- feira/mês. Depende de barco. Voluntários: Precisa arcar com os próprios custos de transporte (inclusive a sua parte no barco). 2.14 GRUPO EUGÊNIA VIANA DA SILVA Coordenadora: PEDRINA MARIA JOSÉ DE SOUZA (3256-3041) Atende famílias de baixa renda em Campina Grande do Sul, levando cesta básica e materiais escolares. 2.15 GRUPO LÉA CORREIA Coordenadora: MARIA AMÉLIA GUTIERREZ BRANCO (3232-1937) Atendimento a idosos em domicílio para passe e leitura. Periodicidade: Atendimento de 15 em 15 dias. Voluntários: mediante autorização do Dr. Leocádio. Necessita de voluntários com carro. 2.16 GRUPO DR. ERASTO GAERNER Coordenador: JOÃO AMILTON LIVRAMENTO Endereço do Hospital: Av. Brasilia S/N Piraquara – PR. Telefone: (41)3673-1234 Visita HOSPITAL DE DERMATOLOGIA SANITÁRIA DO PR, antigo LEPROSÁRIO SÃO ROQUE. No 1° domingo mês. Também distribui sacola de alimentos. Voluntários: Não há requisitos. São sempre bem vindos. GRUPOS DE APOIO ( do GRUPO DR. ERASTO GAERNER) : 2.16.1 Separação e distribuição das sacolas. Coordenador: JOEL CAMARGO Contato: CLARA H. YAMADA (3254-6212 / 9976-5458) Reúne-se no sábado que antecede o primeiro domingo do mês, para separar os alimentos provenientes de doações. 2.16.2 Almoço de Natal. Coordenador: Mª EUGÊNIA TAVARES (3256-5364 /9255-6771) O grupo realiza o almoço de Natal e distribuição de presentes no dia 24/12 Voluntários: Não há requisito.
  • 81. 77 Procuram empresas que possam ajudá-los (p.ex.: floricultura p/ ajudar na decoração do local) 2.17 GRUPO ANA SEBASTIANA PATITUCCI Coordenador: LACIR (3223-3313) ou WANDA (3263-1822) O grupo realiza uma visita mensal ao Asilo do Tarumã. Dia da visita: 3° (terceiro) domingo do mês, às 14h horas Voluntários: Não há requisitos. São sempre bem vindos. 2.18 CONFECÇÃO DO ALGODÃO Coordenadora: SÔNIA Reúne-se: 2ªs - feiras à tarde e à noite, 4ªs - feiras à noite. Voluntários: Necessita de voluntários. A partir do Módulo 1, mediante autorização do respectivo coordenador. 2.19 GRUPO DE IRRADIAÇÃO Coordenadores: LÍLIAN ALBERTI e DILMA APª MARTINS Monitor: JOSÉ ANTÔNIO STEFANUTO Horário: 2ª feira 14:00 às 16:00 h 3ª feira 20:00 às 20:30 h. (preferencialmente médiuns médicos) Voluntários: completar módulos do GEM e ser indicado. 2.20 GRUPO DE ECTOPLASMIA Responsáveis: ELIEL SCUSSEL, LUIZ ORTIZ e CARLOS ALEXANDRE BRERO. Reúnem-se às: 2ªs , 4ªs e 6ªs - feiras, a partir das 23h30. Voluntários: mediante convite do Dr. Leocádio, ou sua autorização após indicação da coordenação do GEM. 2.21 GRUPOS DE ESTUDO E PESQUISA 2.21.1 NEP – NÚCLEO DE ENSINO E PESQUISA AULAS DO IRMÃO GRIMM http://www.sbee.org/orient grimm.htm Coordenação: LUIZ ROBERTO CAMPOS e PAULO BRERO Aulas: uma 6a. feira/mês, das 21:00 ~23:30 h. Participação: mediante indicação dos orientadores e autorização do ir. Grimm. Necessário estar vinculado ao GEM (como orientador ou orientando de módulos finais). 2.21.2.1 PSICOMUSICOGRAFIA e PSICOGRAFIA Responsável: JOEL SAMWAYS NETO Reunião: 3ªs - feiras; horário: início 23h (até 00h15 / 00h30 ) Requisitos:módulo V, mediante autorização do Dr. Leocádio. 2.21.2.2 PSICOPICTOGRAFIA Responsável: CLÁUDIA DE LARA Coordenadoras: IEDA COELHO – um domingo (tarde)/mês CLÁUDIA DE LARA – toda 6ª feira, 18h30 às 20h30 SUELI TRAMONDINOLLI – uma 6ª feira/mês, 20h30~22h30 Requisitos: a partir do módulo V. Contato com Cláudia às 4ªs-feiras, das 21h00 às 00h00 no museu da SBEE. Voluntários: precisa para montagem de exposições, bem como para fazer catalogação das psicopictografias no museu às 2ªs e 4ªs – feiras, à noite. 2.21.2.3 GRUPO DE INTUIÇÃO Reúne-se às 3ªs -feiras, início às 23h00 (até 00:15 / 00:30). Requisitos: a partir do módulo VI. 2.21.3 CURSO DE CAPACITAÇÃO DE MONITORES Coordenador: JOEL SAMWAYS NETO Aos sábados à tarde, durante um ano. Requisitos: indicação da coordenação e autorização do Dr. Leocádio. 2.21.4 CURSO DE ORADORES Coordenador: JOEL SAMWAYS NETO Aos sábados à tarde.
  • 82. 78 Requisitos: Convite da coordenação e autorização do Dr. Leocádio após ter completado o CCM - Curso de Capacitação de Monitores. 2.22 GRUPOS DE ATIVIDADES CULTURAIS 2.22.1 CORAL MARINA FIDÉLIS Coordenadora: ROSANAIR NEVES FRANCO (3354-4726) e-mail: rosanairfranco@yahoo.com.br Monitoras: JOCEMA LIMA e THEMIS BUSSE Reúnem-se no sábado às 16:00 horas para o ensaio Requisitos: serem médiuns da SBEE; parentes (cônjuge, filhos, pais) destes podem acompanhá-los na atividade. 3 MUNESPI- Museu Nacional do Espiritismo Responsável: LUIZ ROBERTO HAHNEMANN DE CAMPOS Horário: 2ªs e 4ªs - feiras: 20h30 às 22h30 Sábados: 15h às 17h Endereço: junto à sede da SBEE 4 LAR ESCOLA DR. LEOCÁDIO JOSÉ CORREIA End.: R. Antonio Leprevost, 331 Santa Cândida, Ctba/PR Telefone: (41)3256-5142 Presidente: Prof. Dr. MAURY RODRIGUES DA CRUZ Diretora Administrativa: Prof. DISABEL RUTH BOND DE MATTOS Coordenadora: SUELI MARIA REHLANDER Assistente social: JUSSARA DE PAULA XAVIER BONIN Atende crianças de famílias da comunidade local, cujo limite de renda seja de até R$ 1.000,00, e as mães trabalhem fora de casa. Contribuição mensal de R$ 40,00. Horário: das 7h30 às 17h (tolerância até 17h15) Servidas 4 refeições: café da manhã, almoço, lanche e sopa. Passes: para alunos e funcionários às 6ªs-feiras pela manhã. Voluntários: necessita, para o passe. 4.1 CENTRO ESPORTIVO SUPERAÇÃO 5 CAMPUS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL End.: R. Antonio Grochovski, 07 Jd Aliança, Santa Cândida Telefone: 3256-4860 Diretora: HELI NICE FINATTI RISTOW Caseira: TEREZINHA Voluntária: MARIA CRISTINA- 3356-0604 / 3356-5278/ 9935-9690) Serviços e cursos oferecidos: - Curso de cabeleireira: aceita doações, inclusive de usados (ex.: xampu, pente, etc.) - Bazar: vende a preços simbólicos os objetos recebidos em doação - Comemorações (no pátio) de dia das mães, festa junina, Natal, etc. - Cestas de Natal: distribuídas a todos os participantes (não apenas 3ª idade) - Grupo de 3a. idade: durante o encontro (às 6ªs feiras) um lanche é servido aos idosos. Fornece também cesta básica (há 45 idosos cadastrados). Na última 6ª feira de cada mês há atividades diversas (como dança, alongamento, pular corda, etc.) bem como comemoração dos aniversários. - Horário dos cursos: 13:30 ~16:00 ou 14:00 ~17:00 2a-feira: alfabetização de adultos, cabeleireira, reforço escolar 3a-feira: bijuterias, cabeleireira, pintura, bordado (o bordado é vendido no bazar da SBEE) 4ª - feira: costura 5a - feira: bordado e tricô 6a - feira: artesanato para 3a idade (13:30 ~16:00) Contato: LAISY CAMARGO (3367-4022), voluntária que ensina artesanato para o grupo de 3a. idade, às 6as. feiras. Voluntários: necessita. Não há pré-requisito (não precisa ser integrante da SBEE, pode ser de qualquer religião). Disponível inclusive para criação de novos cursos mediante apresentação de projeto. Aceita doações. 6 FACULDADE DR. LEOCÁDIO JOSÉ CORREIA – FALEC www.falec.br Mantenedora: LAR ESCOLA DR. LEOCÁDIO CORREIA End.: R. José Antº. Leprevost, 331 - Sta. Cândida – Ctba/PR
  • 83. 79 Fone/FAX: (41) 3256-5717 Horário de atendimento: 7h20min. às 22h40min. Dirigentes da Instituição Presidente da Mantenedora: Prof. DR. MAURY RODRIGUES DA CRUZ Diretor: Prof. DR. ÊNIO JOSÉ COIMBRA DE CARVALHO Vice-Diretor: Prof. Me. ELIEL VALÉRIO SCUSSEL Cursos: Graduação: PEDAGOGIA; ADMINISTRAÇÃO; TEOLOGIA ESPÍRITA Pós graduação: METODOLOGIA DO ENSINO SUPERIOR, GESTÃO AMBIENTAL, TEATRO Coordenação dos Cursos: ADMINISTRAÇÃO: Prof. ANTONIO BUENO DA SILVA TEOLOGIA ESPÍRITA: Profª CLEUSA MARIA FUCKNER e, Adjunto, Prof. REGINALDO FRANCISCO DOMINGOS PEDAGOGIA: Profª. SILVETE APª. CRIPPA DE ARAÚJO. 6.1 BIBLIOTECA SUELI ELAINE RAMOS BIANCHI – FALEC (Biblioteca Central) Coordenadora: Prof. IVONE MARANGÓN Endereço: junto ao Lar Escola Telefone: 3256-5142 Horário de atendimento: 9h~12h; 13h~17h e 18h30~21h30 Voluntários: aceita. Não há requisitos: não precisa pertencer nem à SBEE, nem à FALEC. 6.2 ESPAÇO CULTURAL FALEC Responsável: Prof. ÊNIO JOSÉ COIMBRA DE CARVALHO End.: R. Mateus Leme, 990 Ctba/PR (a duas quadras do Shopping Mueller) Telefone: (41)3352-2685 6.2.1 CURSO DE TEATRO Às 3ªs feiras, das 16h às 18h30. Há vagas disponíveis. 6.3 OUTRAS FRENTES de VOLUNTARIADO DA FALEC 6.3.1 Alfabetização de adultos: Coordenador: Prof. JOSÉ COSTA DO MONTE Alfabetização de jovens e adultos da comunidade. Aulas: 2ª, 4ª e 6a- feira, das 14h ~ 16h e 19h ~ 21h. Voluntários: Não necessita pertencer à SBEE ou à FALEC. 6.3.2 Programa de apoio às dificuldades lingüísticas e de matemática: Coordenadora de língua portuguesa: VALDENIR ORMENEZI ZANINI (3262-8336) Coordenadora de matemática: Profª. FABIANA ORMENEZI ZANINI (3256-5717) Aulas de reforço de língua portuguesa e matemática para alunos e funcionários da FALEC e LAR ESCOLA. Voluntários: graduados em Letras ou Matemática 6.3.3 Cursos de línguas estrangeiras: Atende à comunidade acadêmica da FALEC, funcionários e público em geral, é cobrada a taxa de matrícula e mensalidade dos alunos. Por enquanto não tem turmas, mas existe a possibilidade de abrir cursos de inglês, francês, espanhol e japonês. Informações na secretaria da FALEC. 6.3.4 Orientação filosófica: Gabinete para alunos e funcionários da FALEC, com orientadores da SBEE Dias de atendimento: 2ª. , 4ª e 5a. feira a partir das 19h; 6.3.5 Passe para alunos e funcionários da FALEC: Dia de atendimento: 6a. feira (noite) 6.3.6 DEVOTRA
  • 84. 80 (Departamento de Voluntariado Transdisciplinar) Coordenadora: Profª HUGUETTE ELAINE S. FRANÇA Atendimento psicológico aos alunos e funcionários da FALEC e Lar Escola. -feira - tarde. Coordenadora: HUGUETTE ELAINE SIMIÃO FRANÇA Monitora: MARGARETH PESCH Equipe: CLARA YAMADA; ELIANE APª RIBEIRO; JOCEMARA CORRÊA; LÍDIA SANTANA; MARIA APª JACUNDINO; MARIA LUIZA GALIOTTO; MARISE KUCZMARSKI; MARLI SARAIVA; MICHELE FABIANE ALVES; MILTON CORRÊA JR; MONICA SNIECIKOSKI; PRISCILA PRADO; TEREZINHA DA SILVA 7. NÚCLEOS FILIADOS PARANÁ Campina Grande do Sul Centro Experimental de Estudos Espíritas Leocádio José Correia Rua Waldomiro de Souza Hathy, nº 50 B. (CEP 83430-000) GEM: quintas-feiras, das 20h30min às 22h30min Atendimento ao Público: não tem Campo Largo Centro Experimental de Estudos Espíritas Dr. Leocádio José Correia Rua Vereador Arlindo Chemin, S/N (Próximo ao antigo Cemitério) (CEP 83601-070) Atendimento ao público: quinta 20h30min GEM terça-feira - 20h30min Cascavel SPE - Sociedade de Pesquisas Espíritas Antonio Grimm Rua Antonina, 1908 - Caixa Postal 527 (CEP: 85818-570) Exercício mediúnico: 3ª feira: das 20h30min Atendimento ao público: 5ª feira 20h30 Castro Sociedade Espírita Paulo de Tarso Rua D. Pedro Ll , 1002 – Caixa Postal 92 (CEP 84165-970) GEM: segunda-feira - 20h30min Atendimento ao público: quinta-feira - 20h30min Foz do Iguaçu Centro Experimental de Estudos Espíritas Leocádio José Correia Rua Marechal Deodoro, 902 - Centro (ao lado do Hotel Coroados) - Tel: 45 3572-2372 GEM: sábado - 17h às 18h30min Atendimento ao público: Quinta-feira - 20h Palmeira Sociedade de Estudos Espíritas Dr. Leocádio José Correia Avenida 7 de Abril, 726 – Sede Provisória (CEP 84130-000) GEM: Sábado Atendimento ao público: quinta-feira – 20h e Sábado – 15h Paranaguá Centro Experimental de Estudos Espíritas Dr. Leocádio José Correia. Rua José Gomes, 725 (CEP 83203-610) GEM: segunda-feira - 20h30min Atendimento ao público: quinta-feira - 20h30min Piraquara Centro Experimental de Estudos Espíritas Dr. Leocádio José Correia Rua Vitório Scarante, 988 esquina com Cândido Portinari, 173 (CEP 83306-020) GEM: sábado - 15h Atendimento ao público: Quinta-feira às 20:00h
  • 85. 81 Ponta Grossa Centro Experimental de Estudos Espíritas Dr. Leocádio José Correia Rua Euclides da Cunha Cunha , 267 – Vila Ana Rita (CEP 84020-070) GEM: segunda, terça, quarta e quinta-feira - 20h Atendimento ao público: Sábado - 16h São José dos Pinhais Centro Experimental de Estudos Espíritas Dr. Leocádio José Correia Endereço - Nações Unidas, 363 -Cidade Jardim - S J Pinhais-PR Horário de atendimento público - 5ª FEIRA -20:00 H passes Exerçicio mediúnico 3ª FEIRA - 20:30 H SANTA CATARINA Campos Novos Novos Sociedade de Estudos Espíritas “Casa do Caminho” Rua Nereu Ramos, (CEP 89620-000) GEM: quarta-feira – 20h e Sábado Atendimento ao público: segunda e quarta-feira. - 20h Balneario Camboriú Centro Experimental de Estudos Espíritas Marina Fidélis Rua 2950, Nº 345, Centro (CEP 88330-000) GEM: quarta-feira e sábado.- 20h Atendimento ao público: segunda-feira – 20h PARAÍBA João Pessoa Sociedade de Estudos Espíritas Leocádio José Correia Rua Almirante Barroso, 1040 (CEP 58020-000 ) RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre Sociedade Experimental de Estudos Espíritas Beneficente Dr. Leocádio José Correia Rua Luiz Afonso, Nº 241 – Cidade Baixa (CEP 90050-310) Atendimento ao público: não tem RIO DE JANEIRO Rio de Janeiro Centro Exp. de Estudos Espíritas Leocádio José Correia - CEEE Av. N. Senhora de Copacabana, 1102, casa 01 – Pça. Sara Kubistcheck (CEP 22040-000) Atendimento ao público: Terça-feira – 20h e Sábado - 15h GEM: quinta-feira – 20h SÃO PAULO São Paulo Casa da Fraternidade Rua Benedito da Fonseca Rondon, 298 Jardim Sto. Elias – Pirituba (CEP 05133-160) E-mail: cf@casadafraternidade.com.br Site: www.casadafraternidade.com.br Horário de atendimento ao Público:Segundas e Quartas das 20:30 às 22:30 hs Estudos Mediúnicos: Terças e Quintas das 20:30 às 22:30 hs MINAS GERAIS Belo Horizonte Grupo de Estudos Espíritas Dr. Leocádio José Correia Rua Juiz de Fora, 833 ap 201 - Barro Preto (CEP: 30.180-061) GEM – Quarta-feira às 20h Atendimento ao Público: não tem MATO GROSSO DO SUL Campo Grande Centro Experimental de Estudos Espíritas Dr. Leocádio José Correia.
  • 86. 82 Rua Professor Henrique Cirilo Correia, 17 - Vila Marli - CEP 79117-011 Rua Formosa,. 254, Vila Marli / CEP 79117-080 -feira - tarde. Coordenadora: HUGUETTE FRANÇA Monitora: MARGARETH PESCH Equipe: CLARA YAMADA; ELIANE APª RIBEIRO; JOCEMARA CORRÊA; LÍDIA SANTANA; MARIA APª JACUNDINO; MARIA LUIZA GALIOTTO; MARISE KUCZMARSKI; MARLI SARAIVA; MICHELE FABIANE ALVES; MILTON CORRÊA JR; MONICA SNIECIKOSKI; PRISCILA PRADO; TEREZINHA DA SILVA
  • 87. 83 Introdução à Filosofia O que é filosofia? O termo filosofia parece ter origem na junção dos termos gregos philo e sophós. Desta combinação parece vir o termo philosophos que na atualidade se escreve filósofos. Philo significa amigo ou amante e sophós significa sabedoria. É importante conceituar sabedoria como o conhecimento aplicado ao bem, ou o conhecimento eticamente aplicado, para evitar a confusão entre conhecimento e sabedoria. Conhecimento é saber, sabedoria é saber usar o saber para o bem. Com base nisso podemos concluir que todos os que buscam o conhecimento para produzir o bem, são, em tese, filósofos. Isto não impede que uma pessoa mal intencionada filosofe; visto que filosofar é buscar um entendimento maior do que o que a pessoa possui no momento em que questiona seu conhecimento atual. Quando filosofa, a pessoa pode, entre outras coisas, estar buscando pelo uso da razão, alcançar o entendimento dos fundamentos e princípios do ser; do mundo; da vida; da dor; da morte. Filosofar é, portanto, a atitude de repensar o pensar. É o esforço consciente; crítico e racional de ampliar o conhecimento. É por assim dizer um processo de reflexão crítica sistemática. É como se fosse o conhecimento duvidando de si mesmo para ter certeza de que não está iludindo a si mesmo. O processo de filosofar é exercido pelo que podemos chamar de atitude filosófica. Cada vez que usamos nossa razão para questionar o que sabemos ou o que nos dizem saber, estamos filosofando. Veja o exemplo de Hagar o Horrível; um dos mais famosos guerreiros Vikings, que invade diariamente as tirinhas de jornais no mundo todo, graças ao talento do seu criador Dick Browne. No primeiro quadro, em um esforço de motivar seus homens em meio à uma luta, ele brada:
  • 88. 84 Em seguida em um belo exemplo de atitude filosófica, seu fiel escudeiro, Lucky Sortudo diz: Veja bem o olhar desapontado do Hagar ao ver a sua verdade questionada de maneira tão hábil. Não é uma pérola?!
  • 89. 85 Para que serve a filosofia? Com este exemplo podemos concluir que a atitude filosófica pode servir para questionar o conhecimento estabelecido; para construir conceitos novos; para ampliar o entendimento; para ampliar a consciência do homem sobre si mesmo, sobre os outros, sobre o mundo, sobre o universo. Pode ainda servir para nortear a ação, servir de referência. Qual a diferença entre filosofia e mito? O mito surgiu antes, quando as pessoas não tinham a capacidade de analisar criticamente e concluir que determinadas explicações não tinham sustentação lógica. Algo semelhante ocorreu com todos nós durante uma parte da nossa infância quando éramos alegres prisioneiros do mito do Papai Noel, ou do coelho da páscoa, por exemplo. Note que o mito não é lógico, não é coerente, não é consistente, não se adapta à mudanças, mas é útil em um determinado estágio da evolução. O mito não tem compromisso com o racional e procura atender o imediato sem se importar com as contradições. Por outro lado a filosofia tenta ser racional sustentando posições com coerência, evitando contradições. Qual a diferença entre filosofia e religião ? Um dos dicionários atuais define Religião como um conjunto de crenças e dogmas que definem a relação do homem com sua origem; e quando buscamos a definição de dogma encontramos: uma crença que se sustenta em uma certeza injustificada. Com isso podemos concluir que algumas religiões são baseadas em dogmas que limitam o pensamento crítico; a avaliação e a mudança de entendimento. A filosofia, por seu lado, questiona os dogmas buscando coerência, consistência. A filosofia é aberta e está em permanente construção. Qual a diferença entre filosofia e ciência ? O mesmo dicionário afirma que ciência é o conjunto organizado de conhecimentos. Podemos entender ciência também como o estudo metódico que visa testar hipóteses e permitir a previsão de eventos. A Ciência usa instrumentos como a medição, a verificação, a comparação para submeter o conhecimento ao estudo sistemático. A ciência não admite opiniões ou preferências pessoais. Para sustentar-se, uma teoria tem que resistir às tentativas que buscam provar o contrário. A ciência é, portanto, objetiva. O conhecimento científico é confiável por que busca a comprovação através de métodos de maneira que não haja dúvida possível. Seus métodos buscam verificar que a verdade corresponde à realidade. Na ciência tudo é objeto de estudo; de observação; de experimentação. Tudo está subordinado ao como, porque e para que ? A Filosofia investiga os fundamentos do conhecimento sem preocupação de uma resposta única e pronta, mas ambas trabalham o processo racional e lógico.
  • 90. 86 Aquele que estudar como as coisas começaram terá delas a mais clara visão. Aristóteles CONFUSÃO – DEMOLIÇÃO – RECONSTRUÇÃO – Humberto Rohden Confusão entre verdades e realidades. Demolição de mitos e crenças infundadas Reconstrução com base em evidências e deduções lógicas. A primeira lição de filosofia é: - Todos podemos estar equivocados. Will Durant (no1 pg.569) A segunda lição é: - Não se aprende filosofia, aprendemos a filosofar. Immanuel Kant A terceira lição é: - A certeza equivocada é mais perigosa do que a dúvida. Isto posto filosofemos! O que havia antes da filosofia? O QUE É FILOSOFIA? Philo = amor sophós = sabedoria. O que é filosofar? Fazer reflexão avaliativa de maneira sistemática. Repensar o pensado. Questionar o saber instituído. Potencialidade crítica que permite a pessoa alterar sua visão da realidade. Expressão da razão para compreender a realidade. A Filosofia se afigura como uma interminável curiosidade contaminada por uma desconfiança sistemática incurável. O oposto de magia. ―É o esforço consciente, crítico e racional de ampliar conhecimento‖. ―É o estudo das grandes questões do homem no que diz respeito à vida, origens, universo‖. ―É busca da verdade que se faz em processo racional, aberto e contínuo‖. ―É o uso da razão e da argumentação como instrumentos para alcançar a verdade‖. ―... potencialidade crítica que permite ao homem alterar a sua visão de realidade‖. Antonio Grimm Para que serve a filosofia? . para questionar o conhecimento estabelecido; . para construir novos conceitos; . como instrumento, serve para abrir conceitos que se encontram fechados; . para ampliar a consciência do homem sobre si mesmo, sobre os outros, sobre o mundo, sobre o universo; . para nortear a ação, servir de referência; A filosofia levanta questões e constrói respostas que não são absolutas. A medida que se alcança uma verdade, ela serve de instrumento para se alcançar outras verdades. A filosofia busca pela razão o que está além da experiência Quais são as ferramentas do ato de filosofar? - a observação, o pensar, os conceitos, os dados, a informação, a lógica, a razão, a dedução... Você já viu um filósofo? O que é filosofar? -Questionar as certezas. (fantástico) Filosofamos quando: - Repensamos nossos valores. Quando submetemos as verdades ao crivo da razão.
  • 91. 87 Questão filosófica:- Se filosofar é sair em busca da sabedoria, o que é sabedoria para que possamos reconhecê-la quando a encontrarmos? O QUE É CIÊNCIA? Estudo das leis naturais. Busca do conhecimento verificável. O procedimento científico não utiliza o verbo crer; a ciência contenta-se em propor modelos explicativos provisórios da realidade; e está pronta para modificá-los, desde que uma nova informação traga alguma contradição. Albert Jacquard – no livro Filosofia para não filósofos. O QUE É RELIGIÃO? (dicionário) Conjunto de crenças e dogmas que definem a relação do homem com sua origem. O que é dogma? (dicionário) Uma crença que se sustenta em uma certeza injustificada. O QUE É TEMPLO? O QUE É IGREJA? O QUE É RELIGIOSIDADE? O QUE É RELIGIÃO? Estudo das leis morais. Segmento da cultura que busca compreender o sentido e o significado da vida. FILOSOFIA X MITO: Mito não é lógico, coerente, consistente, ou racional. Não se adapta às mudanças. Não se importa com contradições, mas é útil em um estágio da evolução. Biombos na porta das casas chinesas... TALES DE MILETO 546 a.C. - De onde surgiu a vida? - Onde quer que eu vá a terra termina em água! - Sob o frio a água vira pedra, sob o calor vira ar... -Quando chove, as plantas brotam – (o que deve ser água em outra forma). - Todos os serem precisam de água. –Será que a vida não veio da água? HERÁCLITO 483 a.C. ―Tudo flui.‖ Não é possível banhar-se duas vezes no mesmo rio. PARMÊNIDES 450 a.C. ― O nada não existe, pois se existisse seria algo.‖ ANAXÁGORAS 428 a.C. ―Em cada coisa há uma porção de cada coisa‖ Senão como pode o ar provir do que não é ar? Ou a carne provir do que não é carne? SÓCRATES 399 a.C. ―Antes de conhecer perfeitamente as coisas, precisamos conhecer a nós mesmos‖. O que é o ser? O que é justiça? O que é virtude? PLATÃO 347a.C. ―Tudo está se tornando; nada é.‖ EPÍCURO 270 a.C.-Como agir? - ―Faze tudo como se alguém te contemplasse.‖ ZENO DE CITIUM 263 a.C. ―Não pode haver nenhuma autoridade superior a da razão‖. FILOSOFIA X RELIGIÃO: Dogmas não permitem o pensamento crítico, a avaliação ou a mudança no entendimento. A Filosofia questiona os dogmas buscando coerência, consistência. É aberta e está em permanente construção. Busca sempre o desdobramento lógico. FILOSOFIA E CIÊNCIA: A Filosofia investiga os fundamentos do conhecimento sem preocupação de uma resposta única e pronta. Tanto a Ciência quanto a Filosofia trabalham o processo racional e lógico. CIÊNCIA E RELIGIÃO: A Ciência sabe muito sobre pouco, mas quando perguntada sobre o significado da vida, a Ciência não tem o que dizer. - As grandes questões da vida envolvem valor e não há como serem respondidas pela ciência, elas são questões filosóficas. ―Novas verdades se tornam evidentes, quando novos instrumentos se tornam disponíveis.‖ Rosalyn Yalow - Prêmio Nobel de Medicina Antes da luneta a maioria das estrelas não existiam, pois as escrituras diziam que os astros eram 1022. Blaise Pascal
  • 92. 88 Ciência Espírita Aplicação de metodologia científica na pesquisa espírita. FILOSOFIA ESPÍRITA: Aplicação da metodologia filosófica no pensamento espírita. ZENO DE CITIUM 263 a.C. ―Não pode haver nenhuma autoridade superior a da razão‖. O QUE É O SER? O DILEMA DA DOAÇÃO PARA QUE EXISTIMOS? QUAL A MAIOR INVENÇÃO HUMANA? As palavras são para o processo de pensar, o que os instrumentos são para o trabalho. ESPIRITISMO: ―O centro espírita é um laboratório que busca a verdade‖ Antonio Grimm Doutrina dos Espíritos X Doutrina Espírita X Espiritismo X Espiritualismo. Para que serve o espiritismo? - Para ensinar a pensar e não o que pensar... - Para ajudar o ser a fazer exercício pleno do livre arbítrio... - Para ajudar o ser a administrar os desafios e contradições do cotidiano... - Para fazer a unidade do conhecimento Ética – O imperativo categórico de Immanuel Kant ―Proceda em todas as suas ações de modo que a norma do seu proceder possa tornar-se uma lei universal.‖... ou seja, tornem-se aplicáveis também à você. A Filosofia, a Ciência e a Religião não tem falhas? As pessoas são fáceis ou difíceis, de se lidar e entender? A pessoa é um ser complexo. As pessoas são complexas... ... já nós... como não somos pessoas somos umas maravilhas, não somos? - Como praticar o espiritismo sem atitude filosófica, científica e ética? - Se não faço reflexão sobre a vida não estou aproveitando o potencial do meu livre arbítrio. - Moral => escolho como devo viver. Escolhendo valores, estou sempre me construindo. Paulo H. Wedderhoff – paulo@eloforte.com Fontes: - www.sbee.org.br - www.mediunato.org ; - Textos do Coordenador Mário Eduardo Branco apresentados na SBEE. - JACGUARD, A. - Filosofia para não filósofos - GRIMM, A – CRUZ, M.R, Cadernos de Psicofonias - DURANT, W. – História da Filosofia - OSBORNE, R. – Filosofia para principiantes. - Anotações das aulas do espírito Antonio Grimm (psicofonias do prof. Maury R. Cruz)
  • 93. 89 Carbono-14 uma testemunha do tempo
  • 94. 90 Análise da presença de elementos químicos radioativos permite estimar a idade dos fósseis Seis milhões de anos. Essa é a idade daquela que provavelmente é nosso ancestral mais antigo, conhecido pelo singelo nome Orrorin tugenensis. Apesar de bem velhinho, ele tem sido afrontado por muitos paleontólogos, que duvidam do seu pedigree (será ele realmente um hominídeo ou apenas um chimpanzé?). Assim, oficialmente, a coroa de vovô ainda pertence ao Ardipithecus ramidus, um garotão de 4,4 milhões de anos, e a briga entre esses dois parece muito longe do fim. Mas como os cientistas sabem que o Orrorin e o Ardipithecus viveram há tanto tempo? Ou, então, como poderiam afirmar que o Santo Sudário – o manto que teria envolvido Jesus Cristo depois da crucificação – deve ser falso, pois teria sido produzido na Idade Média, por volta de 1300 d.C.? Ou que certas pinturas nas cavernas de Lascaux, na França, foram feitas por homens pré- históricos há 16 mil anos? Resposta: por meio de testes com carbono-14. Mas que método é esse? Imagine a seguinte situação: um rapaz, aos 20 anos, ostenta uma enorme cabeleira. Mas, para seu desespero, a partir daí, o destino cruel começa a levar os cabelos. Aos 30 anos, restam metade dos fios dos 20. Aos 40, metade do que ele tinha aos 30. E assim por diante. Quer dizer: observando seus cabelos, sempre poderemos estimar a idade. Com os fósseis, o raciocínio é semelhante. Claro que ninguém analisa a cabeleira dos fósseis, mas sim o teor de determinados elementos químicos na sua constituição, ou nos utensílios e rochas encontrados a eles. No caso do carbono-14 (C-14), a idéia é a seguinte: as plantas absorvem o C-14 (14 é a soma de prótons e nêutrons no núcleo desse átomo) durante a fotossíntese. O C-14 passa dos vegetais para os animais pela cadeia alimentar. Assim, todos os seres vivos apresentam um certo teor fixo de C-14. Quando a planta ou o animal morre, suas reservas de C-14 diminuem porque, como todos os elementos radioativos, o C-14 decai (transforma-se em outro elemento químico, no caso, o nitrogênio-14). O C-14 perde metade de sua massa a cada 5.730 anos. Em outras palavras, temos um relógio que começa a funcionar no momento em que o ser morre. Esses 5.730 anos do C-14 são chamados de meia-vida. Dessa maneira, pode-se fazer a datação de um fóssil (ou de um artefato de madeira, ou de uma pintura) pelo raciocínio abaixo, muito parecido com o do caso do nosso amigo ex-cabeludo. O único porém é que, depois de 70 mil anos, sobra tão pouco que fica difícil medir. É por isso que esse método não serve para datação de materiais mais antigos. Para esses casos, existem outros testes, quase todos baseados nos mesmos princípios de meia-vida e radioatividade. Um exemplo é o método potássio (k-40)/argônio (Ar-40). O K-40, radioativo, decai, originando o Ar-40 (meia-vida: 1,3 bilhão de anos). Por raciocínio semelhante ao do C-14, pode-se estimar a idade, por exemplo, de rochas – como as lunares, de quatro bilhões de anos, trazidas pela expedição Apolo 11 – e de fósseis, como os dos nossos avós Orrorin e Ardipithecus. Até mesmo a idade do nosso planeta já foi calculada (método urânio-238/ chumbo-206) Com o conhecimento da meia-vida do urânio-238 (4,5 bilhões de anos), chegou-se à estimativa de mais de 4,5 bilhões de anos. É uma viagem no tempo que parece coisa de ficção científica. Mas que acontece de verdade, graças à precisão e à criatividade dos pesquisadores.
  • 95. 91 Caminhante Caminhante, são suas pegadas, O caminho e nada mais; Caminhante, não há caminho Se faz o caminho ao caminhar Ao andar se faz o caminho, E ao olhar para trás Se vê a trilha que nunca Voltaremos a pisar. Caminhante, não há caminho, Apenas rastros no mar Caminante, son tus huellas El camino, y nada más; Caminante, no hay camino, Se hace camino al andar. Al andar se hace camino, Y al volver la vista atrás Se ve la senda que nunca Se ha de volver a pisar. Caminante, no hay camino, Sino estelas en la mar. XXIX canto da Antologia Poética de Antonio Machado, em Provérbios Y Cantares. O espanhol A. Machado (1875-1939) foi o poeta da geração “noventa e oito “.
  • 96. 92 Religião do Eldorado Das coisas que presenciaram na terra do Eldorado. Cacambo manifestou ao hospedeiro toda a sua curiosidade; e este lhe disse: – Sou muito ignorante, e aliás me dou bem assim; mas temos aqui um velho retirado da Corte, que é o homem mais sábio do reino, e muito comunicativo. Em seguida conduz Cacambo à residência do velho. Cândido não desempenhava mais que o papel de segunda personagem, e acompanhava a seu criado. Entraram numa casa muito simples, pois a porta era apenas de prata e as salas modestamente revestidas de ouro, mas tudo trabalhado com tanto gosto que nada ficavam a dever aos mais ricos lambris. A antecâmara, na verdade, era incrustada somente de esmeraldas e rubis; mas a harmonia do conjunto compensava de sobra essa extrema simplicidade. O velho recebeu os dois estrangeiros num sofá forrado de penas de colibri, e lhes mandou servir licores em taças de diamante. Depois disso, satisfez-lhes a curiosidade nos seguintes termos: — Tenho cento e setenta e dois anos e ouvi de meu falecido pai, escudeiro do Rei, as espantosas revoluções do Peru, de que ele foi testemunha. O reino onde estamos é a antiga pátria dos incas, que daqui saíram imprudentemente para ir subjugar uma parte do mundo, e que foram afinal reduzidos ao aniquilamento pelos espanhóis. Mais sábios se mostraram os príncipes que permaneceram em seu país natal; ordenaram, com o consentimento da nação, que nenhum habitante jamais saísse do nosso pequeno reino; e foi isso que nos conservou a nossa inocência e felicidade. Os espanhóis tiveram um confuso conhecimento deste país, a que chamaram Eldorado, e um inglês, o cavaleiro Raleigh. chegou até a aproximar-se daqui há cerca de cem anos; mas, como estamos cercados de rochedos inacessíveis e de precipícios, conservamo-nos até agora ao abrigo da rapacidade dos europeus, que têm uma inconcebível loucura pelas pedras e a lama da nossa terra, e que, para as conseguir, são capazes de nos matar a todos, até o último. A conversação foi longa; versou sobre a forma de governo, os costumes, as mulheres, os espetáculos públicos, as artes. Afinal Cândido, que sempre tivera gosto pela metafísica, indagou, por intermédio de Cacambo, se no país não havia uma religião. O velho enrubesceu um pouco. — Como pode o senhor duvidar de tal coisa? – perguntou ele. – Será que nos toma por ingratos? Cacambo perguntou humildemente qual era a religião do Eldorado. O velho corou de novo. — Acaso pode haver duas religiões? – disse ele. – Temos, creio eu, a religião de todo o mundo: adoramos a Deus dia e noite. — Não adoram senão a um único Deus? – interrogou Cacambo, sempre servindo de intérprete às dúvidas de Cândido. — Quer-me parecer – tornou o velho, formalizado, – que não há nem dois, nem três, nem quatro deuses. Francamente, fazem cada pergunta! Cândido não se cansava de interrogar o bom do velho; quis saber como rezavam a Deus no Eldorado. Não lhe rezamos – disse o bom e respeitável sábio. – Nada temos que lhe pedir; ele nos deu tudo o que precisamos; nós lhe agradecemos sem cessar. Cândido teve curiosidade de ver os sacerdotes; e perguntou onde estavam. O bom do velho sorriu. — Meus amigos – disse ele, – nos todos somos sacerdotes; cada manhã, o rei e todos os chefes de família entoam, solenemente, cânticos de ações de graça; e cinco ou seis mil músicos os acompanham. — Como, os senhores não têm padres que ensinam, que disputam, que governam, que cabalam, e que mandam queimar as pessoas que não são da sua opinião? — Só se fôssemos loucos- disse o velho. – Aqui somos todos da mesma opinião, e não entendemos o que quer o senhor dizer com os seus padres. Cândido, a cada uma dessas palavras, cala em êxtase e dizia consigo: ―Como tudo isto é diferente da Vestfália e do castelo do senhor barão! Se o nosso amigo Pangloss visse o Eldorado, não diria mais que o castelo de Thunder-ten-tronckh era o que havia de melhor sobre a face da terra; não há dúvida de que é preciso viajar‖. Extraído do livro CANDIDO, e o Otimismo de Voltaire.
  • 97. 93 Doutrina dos Espíritos O que é uma Doutrina? - Doutrina é um conjunto de princípios que servem de base para um sistema de idéias. O direito, por exemplo, é baseado em princípios doutrinários como aquele que afirma: ―todos são iguais perante a lei‖, ou ―não se deve penalizar o mesmo réu duas vezes pela mesma falta‖. O Espiritismo é o conhecimento e a prática dos princípios da Doutrina dos Espíritos que os espíritas conseguem captar e aplicar no seu dia a dia. Estes princípios são, Deus como o fundamento do fundamento da vida; Jesus como exemplo de comportamento; reencarnação como oportunidade de voltar ao polisistema material para aplicar e ampliar o conhecimento; o livre arbítrio como meio de permitir o aprendizado da liberdade com responsabilidade e a mediunidade como meio de comunicação entre o polisistema material e o polisistema espiritual. Quanto mais estudamos, mais compreendemos que a Doutrina dos Espíritos faz parte do existente. Allan Kardec fez uma enorme contribuição para com a humanidade ao descobrir e registrar seus princípios. Entendemos que a Doutrina dos Espíritos não está pronta, pois o conhecimento se expande continuamente. O estudo da Doutrina dos Espíritos em torno dos eixos; filosofia, ciência e religião nos permite tecer a unidade do conhecimento de forma transdiciplinar e ir compreendendo os seus princípios e suas relações de causa e efeito. A Doutrina dos Espíritos quer ajudar o ser a revelar-se a si mesmo.
  • 98. 94 Cercas ou Pontes? Dois irmãos que moravam em fazendas vizinhas, separadas apenas por um riacho, entraram em conflito. Foi a primeira grande desavença em toda uma vida de trabalho lado a lado. Mas agora tudo havia mudado. O que começou com um pequeno mal entendido, finalmente explodiu numa troca de palavras ríspidas, seguidas por semanas de total silêncio. Numa manhã, o irmão mais velho ouviu baterem à sua porta. - Estou procurando trabalho. Sou carpinteiro. Talvez você tenha algum serviço para mim. - Sim, disse o fazendeiro. Vê aquela fazenda ali, além do riacho? É do meu vizinho. Na realidade do meu irmão mais novo. Nós brigamos e não posso mais suportá-lo. Vê aquela pilha de madeira ali no celeiro? Pois use para construir uma cerca bem alta. - Acho que entendo a situação, disse o carpinteiro. Mostre-me onde estão a pá e os pregos. O irmão mais velho entregou o material e foi para a cidade. O homem ficou ali cortando, medindo, trabalhando o dia inteiro. Quando o fazendeiro chegou, não acreditou no que viu: em vez de cerca, uma ponte foi construída ali, ligando as duas margens do riacho. Era um belo trabalho, mas o fazendeiro ficou enfurecido e falou: - Você foi atrevido construindo essa ponte depois de tudo que lhe contei. Mas as surpresas não pararam ai. Ao olhar novamente para a ponte viu o seu irmão se aproximando de braços abertos. Por um instante permaneceu imóvel do seu lado do rio. O irmão mais novo então falou: - Você realmente foi muito amigo construindo esta ponte mesmo depois do que eu lhe disse. De repente, num impulso, o irmão mais velho correu na direção do outro e abraçaram-se, chorando no meio da ponte. O carpinteiro que fez o trabalho começou a fechar a sua caixa de ferramentas. - Espere, fique conosco! Tenho outros trabalhos para você. E o carpinteiro respondeu: - Eu adoraria, mas tenho outras pontes a construir... Já pensou como as coisas seriam mais fáceis se parássemos de construir cercas e muros e passássemos a construir pontes com nossos familiares, amigos, colegas do trabalho e principalmente nossos inimigos... Muitas vezes desistimos de quem amamos por causa de magoas e mal entendidos. Vamos deixar isso de lado, ninguém é perfeito, mas alguém tem que dar o primeiro passo. Construa pontes ao seu redor. 1. Quem é o irmão mais velho? 2. Quem é o irmão mais novo? 3. Quem é o carpinteiro? 4. O que é a caixa de ferramentas?
  • 99. 95 Autoavaliação: 1) Quem eu sou? 2) Quem eu amo? 3) Como eu vejo e sinto DEUS? 4) Estou realizando meus objetivos? 5) O que eu quero fazer? 6) O que eu pensava há um ano atrás? 7) O que faço para deixar as pessoas mais alegres? 8) O que posso fazer para melhorar o mundo? 9) Faça um verbete: quem sou? Com se fosse para ser publicado em uma enciclopédia.
  • 100. 96 Duas Histórias, Dois Destinos 1ª História Certa vez um garoto entrou na sala de emergência de um hospital depois de ter sido atropelado. O motorista que o socorreu, ao ser interpelado para efetuar o depósito necessário ao atendimento, informou que não possuía, naquele momento, dinheiro ou cheque que pudesse oferecer em garantia, mas certamente, se o hospital aceitasse, poderia efetuar o depósito na primeira oportunidade. O atendente, na impossibilidade de liberar o atendimento, mas, com a vantagem de ter um dos diretores do hospital, que também era médico, de plantão naquele momento, resolveu consultá-lo. Todavia, por não ter dinheiro nem garantias para o tratamento, não liberou o atendimento, fato que levou a criança atropelada a falecer. O diretor, novamente chamado para assinar o atestado de óbito do garoto, ao chegar para o exame cadavérico, descobre que o garoto atropelado era seu filho, que poderia ter sido salvo, se tivesse recebido atendimento. 2ª História Antônio, um pai de família, um certo dia, quando voltava do trabalho, dirigindo num trânsito bastante pesado, deparou-se com um senhor que dirigia apressadamente. Vinha cortando todo o mundo e, quando se aproximou do carro de Antônio, deu-lhe uma tremenda fechada, já que precisava atravessar para a outra pista. Naquela hora, à vontade de Antonio foi de xingá-lo e impedir sua passagem, mas logo pensou: - Coitado! Se ele está tão nervoso e apressado assim... Vai ver que está com um problema sério e precisando chegar logo ao seu destino, pensando assim, foi diminuindo a marcha e deixou-o passar. Chegando em casa, Antonio recebeu a notícia de que seu filho de três anos havia sofrido um grave acidente e fora levado ao hospital pela sua esposa. Imediatamente seguiu para lá e, quando chegou, sua esposa veio ao seu encontro e o tranqüilizou dizendo: - Graças a Deus está tudo bem, pois o médico chegou a tempo para socorrer nosso filho. Ele já está fora de perigo. Antonio, aliviado, pediu que sua esposa o levasse até o médico para agradecer-lhe. Qual não foi sua surpresa quando percebeu que o médico era aquele senhor apressado para o qual ele havia dado passagem! DUAS HISTÓRIAS, DOIS DESTINOS "Esteja sempre alerta para ajudar o próximo, independentemente de sua aparência ou condição financeira". "Procure ver as pessoas além das aparências". Imagine que por trás de uma atitude, existe uma história, um motivo que leva a pessoa a agir de determinada forma." (Texto sem autor.) "JULGAMOS A NÓS MESMOS PELO QUE NÓS SOMOS CAPAZES DE FAZER, ENQUANTO OS OUTROS NOS JULGAM PELO QUE JÁ FIZEMOS..."
  • 101. 97 Trecho do Evangelho Então, levantando-se, disse-lhe um doutor da lei, para o tentar: Mestre, que preciso fazer para possuir a vida eterna? - Respondeu-lhe Jesus: Que é o que está escrito na lei? Que é o que lês nela? - Ele respondeu: Amarás o Senhor teu Deus de todo o coração, de toda a tua alma, com todas as tuas forças e de todo o teu espírito, e a teu próximo como a ti mesmo. - Disse-lhe Jesus: Respondeste muito bem; faze isso e viverás. Mas, o homem, querendo parecer que era um justo, diz a Jesus: Quem é o meu próximo? - Jesus, tomando a palavra, lhe diz: Um homem, que descia de Jerusalém para Jericó, caiu em poder de ladrões, que o despojaram, cobriram de ferimentos e se foram, deixando-o semimorto. - Aconteceu em seguida que um sacerdote, descendo pelo mesmo caminho, o viu e passou adiante. -Um levita, que também veio àquele lugar, tendo-o observado, passou igualmente adiante. - Mas, um samaritano que viajava, chegando ao lugar onde jazia aquele homem e tendo-o visto, foi tocado de compaixão. - Aproximou-se dele, deitou-lhe óleo e vinho nas feridas e as pensou; depois, pondo-o no seu cavalo, levou-o a uma hospedaria e cuidou dele. - No dia seguinte tirou dois denários e os deu ao hospedeiro, dizendo: Trata muito bem deste homem e tudo o que despenderes a mais, eu te pagarei quando regressar. Qual desses três te parece ter sido o próximo daquele que caíra em poder dos ladrões? - O doutor respondeu: Aquele que usou de misericórdia para com ele. - Então, vai, diz Jesus, e faze o mesmo. (S. LUCAS, cap. X, vv. 25 a 37.) 3. Toda a moral de Jesus se resume na caridade e na humildade, isto é, nas duas virtudes contrárias ao egoísmo e ao orgulho. Em todos os seus ensinos, ele aponta essas duas virtudes como sendo as que conduzem à eterna felicidade: Bem-aventurados, disse, os pobres de espírito, isto é, os humildes, porque deles é o reino dos céus; bem-aventurados os que têm puro o coração; bem-aventurados os que são brandos e pacíficos; bem-aventurados os que são misericordiosos; amai o vosso próximo como a vós mesmos; fazei aos outros o que quereríeis vos fizessem; amai os vossos inimigos; perdoai as ofensas, se quiserdes ser perdoados; praticai o bem sem ostentação; julgai-vos a vós mesmos, antes de julgardes os outros. Humildade e caridade, eis o que não cessa de recomendar e o de que dá, ele próprio, o exemplo. Orgulho e egoísmo, eis o que não se cansa de combater. E não se limita a recomendar a caridade; põe-na claramente e em termos explícitos como condição absoluta da felicidade futura. No quadro que traçou do juízo final, deve-se, como em muitas outras coisas, separar o que é apenas figura, alegoria. A homens como os a quem falava, ainda incapazes de compreender as questões puramente espirituais, tinha ele de apresentar imagens materiais chocantes e próprias a impressionar. Para melhor apreenderem o que dizia, tinha mesmo de não se afastar muito das idéias correntes, quanto à forma, reservando sempre ao porvir a verdadeira interpretação de suas palavras e dos pontos sobre os quais não podia explicar-se claramente. Mas, ao lado da parte acessória ou figurada do quadro, há uma idéia dominante: a da felicidade reservada ao justo e da infelicidade que espera o mau. Naquele julgamento supremo, quais os considerandos da sentença? Sobre que se baseia o libelo? Pergunta, porventura, o juiz se o inquirido preencheu tal ou qual formalidade, se observou mais ou menos tal ou qual prática exterior? Não; inquire tão-somente de uma coisa: se a caridade foi praticada, e se pronuncia assim: Passai à direita, vós que assististes os vossos irmãos; passai à esquerda, vós que fostes duros para com eles. Informa-se, por acaso, da ortodoxia da fé? Faz qualquer distinção entre o que crê de um modo e o que crê de outro'? Não, pois Jesus coloca o samaritano, considerado herético, mas que pratica o amor do próximo, acima do ortodoxo que falta com a caridade. Não considera, portanto, a caridade apenas como uma das condições para a salvação, mas como a condição única. Se outras houvesse a serem preenchidas, ele as teria declinado. Desde que coloca a caridade em primeiro lugar, é que ela implicitamente abrange todas as outras: a humildade, a brandura, a benevolência, a indulgência, a justiça, etc., e porque é a negação absoluta do orgulho e do egoísmo.
  • 102. 98 O mandamento maior 4. Mas, os fariseus, tendo sabido que ele tapara a boca aos saduceus, se reuniram; e um deles, que era doutor da lei, foi propor-lhe esta questão, para o tentar: -Mestre, qual o grande mandamento da lei? - Jesus lhe respondeu: Amarás o Senhor teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu espírito. - Esse o maior e o primeiro mandamento. - E aqui está o segundo, que é semelhante ao primeiro: Amarás o teu próximo, como a ti mesmo. - Toda a lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos. (S. MATEUS, cap. XXII, vv. 34 a 40.) 5. Caridade e humildade, tal a senda única da salvação. Egoísmo e orgulho, tal a da perdição. Este princípio se acha formulado nos seguintes precisos termos: "Amarás a Deus de toda a tua alma e a teu próximo como a ti mesmo; toda a lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos." E, para que não haja equívoco sobre a interpretação do amor de Deus e do próximo, acrescenta: "E aqui está o segundo mandamento que é semelhante ao primeiro" , isto é, que não se pode verdadeiramente amar a Deus sem amar o próximo, nem amar o próximo sem amar a Deus. Logo, tudo o que se faça contra o próximo o mesmo é que fazê-lo contra Deus. Não podendo amar a Deus sem praticar a caridade para com o próximo, todos os deveres do homem se resumem nesta máxima: FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO. Necessidade da caridade, segundo S. Paulo 6. Ainda quando eu falasse todas as línguas dos homens e a língua dos próprios anjos, se eu não tiver caridade, serei como o bronze que soa e um címbalo que retine; -ainda quando tivesse o dom de profecia, que penetrasse todos os mistérios, e tivesse perfeita ciência de todas as coisas; ainda quando tivesse a fé possível, até o ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, nada sou. - E, quando houver distribuído os meus bens para alimentar os pobres e houvesse entregado meu corpo para ser queimado, se não tivesse caridade, tudo isso de nada me serviria. A caridade é paciente; é branda e benfazeja; a caridade não é invejosa; não é temerária, nem precipitada; não se enche de orgulho; - não é desdenhosa; não cuida de seus interesses; não se agasta, nem se azeda com coisa alguma; não suspeita mal; não se rejubila com a injustiça, mas se rejubila com a verdade; tudo suporta, tudo crê, tudo espera, tudo sofre. Agora, estas três virtudes: a fé, a esperança e a caridade permanecem; mas, dentre elas, a mais excelente é a caridade (S. PAULO, 1ª Epístola aos Coríntios, cap. XIII, vv. 1 a 7 e 13.) 7. De tal modo compreendeu S. Paulo essa grande verdade, que disse: Quando mesmo eu tivesse a linguagem dos anjos; quando tivesse o dom de profecia, que penetrasse todos os mistérios; quando tivesse toda a fé possível, até ao ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, nada sou. Dentre estas três virtudes: a fé, a esperança e a caridade, a mais excelente é a caridade. Coloca assim, sem equívoco, a caridade acima até da fé. É que a caridade está ao alcance de toda gente: do ignorante, como do sábio, do rico, como do pobre, e independe de qualquer crença particular. Faz mais: define a verdadeira caridade, mostra-a não só na beneficência, como também no conjunto de todas as qualidades do coração, na bondade e na benevolência para com o próximo. Fora da Igreja não há salvação. Fora da verdade não há salvação 8. Enquanto a máxima - Fora da caridade não há salvação - assenta num princípio universal e abre a todos os filhos de Deus acesso à suprema felicidade, o dogma - Fora da Igreja, não há salvação -se estriba, não na fé fundamental em Deus e na imortalidade da alma, fé comum a todas as religiões, porém numa fé especial, em dogmas particulares; é exclusivo e absoluto. Longe de unir os filhos de Deus, separa-os; em vez de incitá-los ao amor de seus irmãos, alimenta e sanciona a irritação entre sectários dos diferentes cultos que reciprocamente se consideram
  • 103. 99 malditos na eternidade, embora sejam parentes e amigos esses sectários. Desprezando a grande lei de igualdade perante o túmulo, ele os afasta uns dos outros, até no campo do repouso. A máxima - Fora da caridade não há salvação consagra o princípio da igualdade perante Deus e da liberdade de consciência. Tendo-a por norma, todos os homens são irmãos e, qualquer que seja a maneira por que adorem o Criador, eles se estendem as mãos e oram uns pelos outros. Com o dogma - Fora da Igreja não há salvação, anatematizam-se e se perseguem reciprocamente, vivem como inimigos; o pai não pede pelo filho, nem o filho pelo pai, nem o amigo pelo amigo, desde que mutuamente se consideram condenados sem remissão. É, pois, um dogma essencialmente contrário aos ensinamentos do Cristo e à lei evangélica. 9. Fora da verdade não há salvação eqüivaleria ao Fora da Igreja não há salvação e seria igualmente exclusivo, porquanto nenhuma seita existe que não pretenda ter o privilégio da verdade. Que homem se pode vangloriar de a possuir integral, quando o âmbito dos conhecimentos incessantemente se alarga e todos os dias se retificam as idéias? A verdade absoluta é patrimônio unicamente de Espíritos da categoria mais elevada e a Humanidade terrena não poderia pretender possuí-la, porque não lhe é dado saber tudo. Ela somente pode aspirar a uma verdade relativa e proporcionada ao seu adiantamento. Se Deus houvera feito da posse da verdade absoluta condição expressa da felicidade futura, teria proferido uma sentença de proscrição geral, ao passo que a caridade, mesmo na sua mais ampla acepção, podem todos praticá-la. O Espiritismo, de acordo com o Evangelho, admitindo a salvação para todos, independente de qualquer crença, contanto que a lei de Deus seja observada, não diz: Fora do Espiritismo não há salvação; e, como não pretende ensinar ainda toda a verdade, também não diz: Fora da verdade não há salvação, pois que esta máxima separaria em lugar de unir e perpetuaria os antagonismos. INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS – Fora da Caridade não há salvação 10. Meus filhos, na máxima: Fora da caridade não há salvação, estão encerrados os destinos dos homens, na Terra e no céu; na Terra, porque à sombra desse estandarte eles viverão em paz; no céu, porque os que a houverem praticado acharão graças diante do Senhor. Essa divisa é o facho celeste, a luminosa coluna que guia o homem no deserto da vida, encaminhando-o para a Terra da Promissão. Ela brilha no céu, como auréola santa, na fronte dos eleitos, e, na Terra, se acha gravada no coração daqueles a quem Jesus dirá: Passai à direita, benditos de meu Pai. Reconhecê-los-eis pelo perfume de caridade que espalham em torno de si Nada exprime com mais exatidão o pensamento de Jesus, nada resume tão bem os deveres do homem, como essa máxima de ordem divina. Não poderia o Espiritismo provar melhor a sua origem, do que apresentando-a como regra, por isso que é um reflexo do mais puro Cristianismo. Levando-a por guia, nunca o homem se transviará. Dedicai-vos, assim, meus amigos, a perscrutar-lhe o sentido profundo e as conseqüências, a descobrir-lhe, por vós mesmos, todas as aplicações. Submetei todas as vossas ações ao governo da caridade e a consciência vos responderá. Não só ela evitará que pratiqueis o mal, como também fará que pratiqueis o bem, porquanto uma virtude negativa não basta: é necessária uma virtude ativa. Para fazer-se o bem, mister sempre se torna a ação da vontade; para se não praticar o mal, basta as mais das vezes a inércia e a despreocupação. Meus amigos, agradecei a Deus o haver permitido que pudésseis gozar a luz do Espiritismo. Não é que somente os que a possuem hajam de ser salvos; é que, ajudando-vos a compreender os ensinos do Cristo, ela vos faz melhores cristãos. Esforçai-vos, pois, para que os vossos irmãos, observando-vos, sejam induzidos a reconhecer que verdadeiro espírita e verdadeiro cristão são uma só e a mesma coisa, dado que todos quantos praticam a caridade são discípulos de Jesus, sem embargo da seita a que pertençam. Paulo, o apóstolo. (Paris, 1860.) NOVO CONCEITO: ―Fora da caridade não há evolução, pois o Espiritismo não é salvacionista; é iluminador.‖ Espírito Antonio Grimm.
  • 104. 100 Filmes FILMES IMPERDÍVEIS Atualizado 07.04.2005 TÍTULO TÍTULO Atores CATEGORIA COMENTÁRIO 1 Presente de Grego comédia mãe executiva 2 Destino em dose dupla aventura tudo seria diferente se.... 3 A corrente do bem drama cadeia causal 4 Pearl Harbor Pearl Harbor drama as tres frases 5 12 homens e uma sentença 12 Angry Man Henry Fonda drama liderança 6 Gandhi Gandhi historia a força do bem 7 O Clube do Imperador drama causa e efeito 8 Giordano Bruno Giordano Bruno drama um retrato da mentalidade religiosa 9 Meia Noite e um comédia repetir até aprender 10 Moisés Moses Charlton Heston épico histórico 11 Quo Vadis Quo Vadis épico histórico 12 Beh hur Beh hur Charlton Heston épico histórico 13 Contatos imediatos do 3o.G Close encounters of the 3rd kind ficção cient. intuição 14 K PAX ficção cient. como um ET nos vê 15 Irmão urso Desenho visão indigena da espiritualidade 16 Shrek Shrek Desenho sou o que sou, o que veêm? 17 Homem aranha Spider Man aventura a responsabilidade do poder 18 Felicidade não se compra James Stuart drama Se vc não existisse que falta faria? 19 Sete Homens e um destino Mgnificent Seven Yul Briner farwest Baseado no épico, os sete samurais 20 Inimigo meu Denis Quaid aventura É possível unir inimigos? 21 Golpe do destino Willian Hurt drama Um médico vira paciente 22 Quando os Anjos Falam A rumor of angels Vanessa Redgrave drama Há vida após a vida? 23 Ao mestre com carinho I To Sir with love I Sidnei Poitier drama O impacto de um professor 24 Ao mestro com carinho II To Sir with love II Sidnei Poitier drama O impacto de um professor 25 Lutero Lutero histórico O impacto de um homem integro 26 As sandálias do pescador Anthony Quinn drama Os dilemas de um papa 27 O Feitiço do Tempo Groundhog day Bill Murray ficção Aprendendo com os erros 28 Muito Loucos Crazy People Dudley Moore comédia Honestidade é loucura? 29 O Furacão Hurricane Denzel Washington drama o bem e seus desdobramentos