• Save
Reforma Protestante
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • Na figura de Henrique VIII está como Henrique VII emende porque isso engana.... de resto está td bom
    Are you sure you want to
    Your message goes here
  • gostei da apresetnação! simples de entender.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
10,983
On Slideshare
10,721
From Embeds
262
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
2
Likes
5

Embeds 262

http://www.esds1.pt 183
http://www.slideshare.net 79

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Diversidade de credos
    • Durante a primeira metade do século XVI, a vontade de aproximação à doutrina original de Cristianismo, concretizou-se na Reforma , em que se inclui o luteranismo, o calvinismo e o anglicanismo.
    • Luteranos
    • Protestantes Calvinistas
    • Anglicanos
  • 2. A Reforma Protestante Zwinglio (1484-1531) Isabel I (1558 – 1603) Martinho Lutero (1483 – 1546) Jean Calvino (1509 – 1564) Henrique VII ( 1491 – 1547) Carlos V ( 1519-1556) Catarina de Médicis (1519 - 1589 )
  • 3. O Luteranismo Martinho Lutero (1483 – 1546)
  • 4. Princípios do Luteranismo
    • Segundo Lutero, o pecado original destruiu a vontade e a inteligência dos Homens, pelo que o Homem perdeu toda a sua liberdade (servo-arbítrio*).
    • Para obter a Salvação o Homem não precisa praticar boas acções, pois a sua vontade é condicionada pela vontade de Deus.
    • * (Devido ao pecado original o Homem é incapaz de escolher o seu caminho. Por isso, Deus é responsável pela sua vontade e pelo seu destino “predestinação”).
  • 5. Princípios do Luteranismo
    • 1 . Justificação pela fé – Só a fé em Deus (e não as boas obras) conduz à salvação.
    • 2 . Teoria da Predestinação – A fé um graça (um presente) de Deus, logo a Salvação depende da Sua vontade, pelo que o Homem, já está predestinado à partida a ser, ou não, salvo .
    As vestes dos pastores protestantes (uma única túnica preta e a decoração simples das Igrejas, contrariam a opulência em que havia caído a Igreja Católica).
  • 6. Princípios do Luteranismo
    • 3 . Primado das Escrituras – A fé é alimentada pela palavra de Deus, e todos os fiéis a podem compreender, sem a interpretação oficial do clero, ou de manuais teológicos. A Bíblia é mais importante do que os ritos religiosos (actos, palavras ou gestos que exteriorizam a fé) .
    • Bíblia
  • 7. Princípios do Luteranismo
    • 4. Ritos simplificados - A cerimónia litúrgica passou a ser em alemão (e não em latim); rejeitam o culto à virgem e aos santos.
    • 5 . Sacerdócio universal * – Todos os baptizados podem dedicar-se à vida religiosa, sendo sacerdotes sem terem a obrigação do celibato. Defende o fim das ordens religiosas (clero regular).
    • * (Pelo baptismo tornamo-nos padres)
    • Dentro da Igreja protestante St.Stephane.
  • 8. Princípios do Luteranismo
    • 6 . Igrejas Nacionais Evangélicas - A autoridade máxima da Igreja deixa de ser o Papa e passa a ser a autoridade local (reis, príncipes - Igrejas Nacionais);
    • Combate a imunidade do clero sobre as leis civis.
    • 7. Dois sacramentos (sinais de Cristo) – Baptismo e comunhão (Santa Ceia) porque instituídos pelo próprio Cristo *.
    • Na Eucaristia, Lutero aceitava que o vinho e o pão, coexistem com o sangue de Cristo (consubstanciação), mas que não se transformavam, por milagre em sangue e corpo de Cristo (transubstanciação), como queria a Igreja católica.
    • (* Os restantes foram aprovados pelo papado da Igreja Católica)
  • 9. Inovação teológica do luteranismo
    • Para Lutero a pratica cristã define-se pela relação pessoal do crente com Deus e não pelo comprometimento com regras leis e ritos estabelecidos pelos homens. Para o reformador alemão, a vida religiosa é acima de tudo, uma acção de amor fraternal e incondicional a Deus, a quem se devia expressar uma fé profunda.
  • 10. A rápida expansão do luteranismo
    • A expansão do luteranismo nos Estados alemães (e ainda nos séculos XVI, na Suécia, na Dinamarca, na Noruega e na Finlândia) ficou a dever-se:
    • - adesão dos príncipes e da nobreza que puderam apropriar-se dos bens materiais da igreja alemã que haviam sido secularizados;
    • - adesão dos burgueses que viram nos princípios teológicos dos protestantes uma forma de atingirem os seus objectivos:
    • - adesão dos camponeses que aspiravam a uma maior justiça social;
    • - avanço da tecnologia da informação : a impressão de livros, imagens e panfletos dos humanistas e artistas que actuou como veículo de propaganda dos luteranos.
  • 11. Princípios do Calvinismo
    • Tal como na doutrina de Lutero, também Calvino acredita na justificação pela fé, no sacerdócio universal e na autoridade da Bíblia.
    • No entanto:
    • A predestinação é absoluta . Deus, senhor absolutos (Teocentrismo) decide ,à partida, quem vai ser, ou não, salvo, visto conhecer antecipadamente o destino dos Homens (presciência);
    • Quem tivesse fé devia estar certo da sua salvação, pois uma vez esta adquirida não a perderia mais;
    • A única fonte de fé é a Bíblia mas a interpretada por Calvino;
    • Na Eucaristia, Cristo só está presente em espírito ;
    • Os Pastores são designados pelos fiéis e a hierarquia abolida;
    • O Estado era absorvido pela Igreja Calvinista ;
    • Abençoa os lucros e os ganhos provenientes do comércio se não forem exagerados. (O lucro capitalista é bem visto)
    Jean Calvino (1509 – 1564)
  • 12. O calvinismo e o capitalismo
    • Ao contrário do cristianismo que criticava a prática da usura* e via com maus olhos as actividades lucrativas em geral (fundamento da perseguição aos Judeus e Mouros) o calvinismo admitia a legitimidade do lucro e valorizava o trabalho e a poupança como referências válidas para a formação do ser humano.
    • * (Obtenção de juro de um capital ou de um empréstimo).
  • 13. Contexto histórico do Anglicanismo
    • Em Inglaterra, a reforma surge na sequência do desejo de divórcio do rei Henrique VIII.
    • Invocando a falta de um sucessor varão, pediu ao Papa Clemente VII que autorizasse a divorciar-se de Catarina de Aragão para contrair casamento com Ana Bolena.
    • Vendo o seu pedido negado, proclamou em 1534, o Acto de Supremacia , segundo o qual o rei passava a ser “o único chefe supremo da Igreja de Inglaterra ”
    Henrique VII ( 1491 - 1547
  • 14. Princípios do Anglicanismo
    • Justificação pela fé (“e não por causa das obras ou méritos”);
    • A primazia das Escrituras como fonte de fé;
    • A Bíblia interpretada pelos Bispos;
    • Dois Sacramentos -Baptismo e Eucarístia (Ceia do Senhor);
    • Abolição do celibato dos padres (mantém-se a hierarquia eclesiástica);
    • Culto em Língua Inglesa ;
    • Abolição do culto dos santos, imagens, relíquias e da doutrina do Purgatório;
    • Rejeição da predestinação absoluta do Calvinismo;
  • 15. A contestação religiosa
    • Alemanha – episódios de guerra entre senhores e camponeses, enquanto a controvérsia entre Carlos V e os príncipes só terminou com a Paz de Augsburgo que estabelece a liberdade religiosa (1555)
    • Países Baixos - Filipe II (católico) enfrenta uma revolta influenciada pelos calvinistas que termina com a separação das Províncias Unidas tornando-se estas independentes em 1579 adoptando o Protestantismo como religião;
    • Inglaterra – Isabel I teve que enfrentar os católicos e calvinistas (puritanistas) que acabou por perseguir;
    • França – assistiu-se a um período sangrento de perseguições aos calvinistas (huguenotes) tendo culminado no massacre na noite de São Bartolomeu em que os convidados do casamento da irmã do rei Carlos IX são massacrados nas ruas de Paris.
    • Guerra dos 30 Anos ( 1618 – 1648) – entre protestantes da Boémia; Alemanha, Dinamarca, Suécia, França e Províncias Unidas e a Casa dos Augsburgos, a qual, derrotada, assinou a Paz de Vestefália , reafirmando a liberdade de Culto.
  • 16. Massacre de São Bartolomeu
  • 17.  
  • 18. Bibliografia
    • Couto, C. & Rosas, M. (2009). O Tempo da História – 10º ano. Porto: Porto Editora
    • Nunes, S. (2006). Guia de Estudo – História A. Porto: Porto Editora