• Like
Capítulo 7 aleascript
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Capítulo 7 aleascript

  • 155 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
155
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. CAPÍTULO 7 "Os grandes acontecimentos do mundo têm lugar no cérebro." (Oscar Wilde) Às dez e meia da manhã da segunda-feira seguinte estavam a entrar no avião parao voo 501 da British Airways. Os estados de espírito de Paulo e de Rodolfo eram,naturalmente, bem diferentes, apesar de irem sentados mesmo lado a lado. Paulo, apesar do apelo do sangue, não tinha muita fé nos resultados daquelaviagem. Acreditava ser possível tirar o irmão da prisão, mas fazer com que ele deixassede lhes dar problemas é que não era muito provável. Além disso, a falta de contactoregular com o irmão, nos últimos anos, apagara quase por completo a ligação entre eles. Rodolfo, por seu lado, não podia estar mais satisfeito. Aquela viagem vinhamesmo a calhar, depois do impacte provocado pelo Aleascript. Além disso, a Austrália era um dos países que tinha intenção de visitar,principalmente desde a excelente publicidade feita aquando dos Jogos Olímpicos de2000, precisamente em Sydney e noutras quatro cidades australianas: Camberra,Adelaide, Melbourne e Brisbane. Apenas o facto de lhes terem chamado os Jogos do Novo Milénio lhe causavaalguma irritação. Amante dos números, não podia conceber que alguém não compreendesse que2000 era, precisamente, o último ano do século XX, do 2º milénio. Os verdadeirosJogos Olímpicos de Verão do novo milénio terão sido os de Atenas, num regresso àsorigens. — Então, Paulo, conseguiste saber o sítio onde o teu irmão está detido? — Não, Rodolfo. Mas não há problema, a polícia vai estar à nossa espera. Vai seruma estreia… — Ena, tratamento VIP: Visitar o Irmão do Paulo! — Isso, bem visto. Vamos ter direito a escolta. Sempre poupamos em transportes! — Pois, transportes. Essa palavra vai-nos acompanhar nas próximas muuuuitashoras! Para já vão ser três, como aperitivo. — Desculpa, mas vamos voar numa companhia inglesa. Se se respeitar apontualidade britânica, serão apenas duas horas e quarenta — rectificou Paulo. — Pois, tens razão. Vinte minutos fazem uma diferença danada em vinte e quatrohoras e quarenta e cinco minutos — ironizou Rodolfo.
  • 2. — Já viste? Ao todo vamos estar mais de um dia fechados dentro de aviões. — Fora as oito horas e tal de espera em Londres — lembrou Rodolfo. — O que vai custar mais são as vinte e duas horas de Londres para Sydney. Omáximo tempo seguido que andei de avião foram dez horas e pouco, quando fui aMoçambique. É quase como se fossemos até Maputo e voltássemos, sem parar! —desabafou Paulo, subitamente consciente da enormidade daquela jornada que seavizinhava. — Desculpa, mas como sou um fast learner, tenho de rectificar. Não serão vinte eduas horas mas sim vinte e duas horas e cinco minutos. Got it? Heathrow, Londres. 13h e 35m e as rodas a tocarem solo inglês. — Eu não disse? Malditos ingleses. Fazem de propósito para chegar a horas sópara gozar com os portugueses — comentou, espirituoso, Rodolfo. Estava tudo a correr bem. Como as malas tinham sido despachadas directamentepara Sydney, em pouco mais de trinta minutos estavam a apanhar o metro na estação doTerminal 3. Descontando o tempo necessário para o embarque seguinte, teriam quasesete horas para circular por Londres. Rodolfo conhecia relativamente bem a cidade, do seu tempo de jornalista. Paulonunca lá tinha estado. — Bem-vindo ao tube. Itube, Youtube, toda a gente tube. Mas atenção, mind thegap. By the way, já reparaste como estes bifes se julgam superiores a toda a gente? — Então? — Então? Fácil. Duvidam que a gente repare no espaço que vai da porta do metroao cais de embarque. Conduzir pela direita? Qual quê? Vamos ser diferentes e circularpela esquerda. Lá acham que a gente não vai olhar para a direita (sim, direita) quandoatravessa a rua e vai de pintar grandes letreiros nas estradas. Graus celcius? Ná, opessoal curte é Fahrenheit. Quilómetros? Milhas, meus caros, milhas! Qual euro, qualcarapuça, viva a bela da libra. Quilos? Credo, o que está a dar são libras. — Tens razão. Essa coisa de se pesarem em dinheiro é mesmo esquisita. Umaespécie de tiopatinhasice. — LOL. Libras, Ó Libras!
  • 3. Numa hora chegaram à estação de Piccadilly Circus, seguindo a linha azul escura,Piccadilly. Com outra hora para o regresso, dispunham de cinco horas para passear. — Proponho uma caneca num pub. Alinhas? — perguntou Paulo, animado. — Pois claro. Olha, vamos já a este. On Anon é um nome meio esquisito masparece ter bom aspecto. Em vez de uma, beberam duas canecas cada um. Saíram ainda mais animados doque haviam entrado e puseram-se a caminhar. Paulo gostava de ver o Palácio de Buckingham e, se possível, o render da guarda. Rodolfo queria visitar a London Library, a qual ficava a apenas alguns minutos apé, na St. James Square. Por coincidência, mesmo na direcção do Palácio. Combinado. Depois da visita à famosa biblioteca, passaram pelo Green Park¸ uma enorme áreaverde como tantas outras em Londres, e chegaram, finalmente, ao Palácio deBuckingham, residência oficial da rainha Isabel II. Para infelicidade de Paulo, o renderda guarda ocorre em dias alternados fora do verão mas por volta das onze da manhã. — Desculpa, Paulo, não me lembrei que a cerimónia já teria passado. Já lá vão unsanitos desde a minha última visita e o Aleascript, apesar de tudo, ocupa muito espaço domeu disco duro. — Paciência, Rodolfo, não faz mal. Já estou habituado a falhar coisas do género.O ano passado, em Roma, quando me estava a dirigir para o Vaticano, comecei a vermuita gente a caminhar na minha direcção, em sentido contrário ao meu. Claro, nãopodia ser eu o único a estar certo e a cerimónia papal tinha terminado há instantes. Noproblem! Perdida a possibilidade de assistir a esta tradicional cerimónia da Royal Guard,iniciada em 1660 e realizada, nos dias de hoje, da mesma maneira que se iniciou,optaram por dar um saltinho ao famoso Hyde Park, mais um dos prados verdejantes dacapital inglesa. Paulo ficou encantado com a extensão de relva e, sobretudo, com um animal quenunca vira ao vivo. Neste final de Outono, os esquilos andavam bastante atarefados,amealhando o que podiam para enfrentar o inverno que se avizinhava. Conseguiram verbastantes e, inclusive, dar-lhes pedaços de pão. — Bem, estes bichos são mesmo engraçados. Se bem que, pelo tamanho, sedevessem chamar esgramas!
  • 4. — E comem praticamente de tudo. Assim uma espécie de cabras dos parqueslondrinos — completou Rodolfo, lembrando-se do destino de um suculento hambúrguerque pretendera comer, há uns anos, neste mesmo parque. — Entretanto, o melhor é regressarmos, ou ainda temos de ir a nado até àAustrália! Let’s go! Chegaram a tempo. Ainda não estava ninguém na gate para o voo BA 15. — Paulo, estou preocupado com duas coisas. — Diz lá, Rodolfo. — Já reparaste que vamos voar num Triple Seven? — Num quê? — Num Boeing 777. — Não, não tinha reparado. Qual é o problema? — Espero bem que não comece a largar peças como o das Linhas Aéreas deAngola, há uns tempos, sobre Almada e Cacilhas! — Eh, pá, não sabia que íamos num avião desses. Cruzes, canhoto! E a segundacoisa que te preocupa, qual é? — Sabes qual é a autonomia dum 777, em quilómetros? — Não faço ideia. Dez mil? — Dezassete mil. — Como é que sabes isso, pá? — Não te esqueças que fui jornalista e agora escritor. Investigar é um hábito! Estasemana deu para pesquisar umas coisas… — E? — Sabes qual a distância entre Londres e Sydney? — Tendo em conta que o voo é directo, presumo que seja inferior aos dezassetemil quilómetros que referiste, não? — Não. Experimentei uma página da net1 onde se pode calcular a distância entrequaisquer duas cidades do mundo e descobri que Londres e Sydney distam,precisamente, dezassete mil e dois quilómetros! — Significa que teremos de ir dois quilómetros a planar, não? — zombou Paulo,divertido com aqueles dados que Rodolfo apresentava. 1 (http://www.horlogeparlante.com/pt/distance.php)
  • 5. — Ná. Cá para mim têm um jerrycan de combustível guardado na cozinha. Ameio da viagem, fazem um sorteio entre os passageiros para ver quem vai lá fora com ojerrycan e um funil — brincou Rodolfo, visivelmente bem-disposto. — LOL. Leva Oitenta Litros. A viagem decorreu sem incidentes, embora Paulo e Rodolfo quase desesperassempor as horas passarem tão devagar. Ainda assim, os filmes, as refeições e a leitura de jornais amenizaram um pouco otédio por passar tanto tempo a bordo. Umas caminhadas corredor afora serviram para desentorpecer as pernas e paraprevenir as indesejáveis tromboses venosas. Eram 6h30m locais, menos onze horas em Londres e em Lisboa, quando aterraramno aeroporto Kingsford Smith, em Sydney. Finalmente…