Gestão de stress nas organizações
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Gestão de stress nas organizações

on

  • 8,026 views

 

Statistics

Views

Total Views
8,026
Views on SlideShare
7,981
Embed Views
45

Actions

Likes
1
Downloads
141
Comments
0

3 Embeds 45

http://ruben-oeag.blogspot.pt 28
http://ruben-oeag.blogspot.com 16
http://ruben-oeag.blogspot.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Gestão de stress nas organizações Gestão de stress nas organizações Presentation Transcript

  • Gestão de stress nas organizações Curso Profissional Informática de Gestão Escola Secundária de Santo André Disciplina: OEAG Turma:12ºJ Alunos:Ricardo ParrinhaRuben Mauricio Ano Letivo: 2011/2012
  • O que é?• Stress resulta da interacção entre o indivíduo e a situação  Algumas situações são potencialmente mais stressantes que outras  Percepção de stress é subjectiva • Os mesmos stress’s provocam reacções distintas em diferentes indivíduos
  • Causas de Stress Ocupacional nas organizações contemporâneas Culturas de gestão orientadas para a produtividade Redução de custos Aumento da carga de trabalho Relações de trabalho e estrutura política Articulação entre a vida pessoal e a vida profissional Horários irregulares Intensificação do trabalho
  • Antecedentes e Causas do Stress Ocupacional• Causas: – Organizacionais – Extra-organizacionais• Antecedentes: – Variáveis sociais (Ex: crescimento, a instabilidade económica, a taxa de desemprego). – Características organizacionais (Ex: dimensão, tecnologia, número de níveis hierárquicos, grupo ocupacional a que se pertence).
  • Factores de Stress Organizacionais(I)• Características do Papel – Ambiguidade e conflito de papel – Sobrecarga ou sub-utilização – Exigências de papéis múltiplos (trabalho/família).• Liderança – Estilos de liderança autoritários e autocráticos – Falta de consideração pelas necessidades, atitudes e motivações dos empregados – Falta de latitude de decisão
  • Factores de Stress Organizacionais(II)• Relações de Trabalho• Estrutura e Clima Organizacional – Centralização, formalização, política de tomada de decisão, abertura de comunicação, justiça organizacional, tipo de ocupação – Desemprego e má qualidade do emprego – Insegurança de emprego (preocupação com a eventual perda de emprego)
  • Factores de Stress Organizacionais(III)• Condições Físicas – Barulho – Calor – Vibração – Espaço – Privacidade – Existência de agentes patogénicos
  • Consequências negativas do Stress(I)• Consequências individuais:Saúde física e mental – como o stress afecta os sistemas nervoso do organismopode causar doenças:• em situações muito prolongadas, intensas ou frequentes;• quando o indivíduo não possui recursos adequados de adaptação e resistência;
  • Consequências negativas do Stress(II)• Consequências organizacionais: – Custos Directos: • aumento do absentismo (incluindo falta de pontualidade) • aumento da taxa de rotatividade • quebra de performance dos trabalhadores • aumento do número de acidentes de trabalho e de erros de produção • custos de saúde e do pagamento de indemnizações e compensações por lesões relacionadas com o stress – Custos Indirectos: • reduções na motivação, no moral e na satisfação do trabalho • degradação das relações de trabalho, falhas na comunicação • erros na tomada de decisão.
  • Estratégias de Gestão do Stress(I) Primárias• Eliminar, ou reduzir, as fontes de stress do ambiente de trabalho, minimizando as pressões colocadas sobre os empregados• Mudança de ambiente físico ou sócio-politico para satisfazer as necessidades dos empregados; Exemplos:• Restruturação de unidades organizacionais• Mudanças no processo de tomada de decisão• Enriquecimento de funções• Reorganização das linhas de autoridade• Redesenho do layout físico• Estabelecimento de um sistema de compensação com maior equidade.
  • Estratégias de Gestão do Stress(II) • Secundárias• Dirigidas aos empregados (em grupo ou individualmente) destinam-se a reduzir o impacto dos stress’s organizacionaisExemplos: treino de relaxação, meditação, ioga, desenvolvimento decapacidades de gestão do tempo ou de resolução de conflitosVantagens: rapidez de implementação, desenvolvimento de uma maiorflexibilidade dos trabalhadores e de novas competências para lidar com stress’sque não podem ser eliminados do trabalhoDesvantagem: paliativo em situações de stress estrutural - a prazo os riscos deexaustão ou esgotamento mantêm-se passando a responsabilidade para osempregados, retirando-a da organização.
  • Estratégias de Gestão do Stress(III) • Terciárias• Dirige-se a pessoas com problemas de saúde e bem-estar, em resultado de stress ocupacional (perspectiva de tratamento e não prevenção)• Este tipo de intervenções são subcontratadas a consultores externos à empresa para garantir a confidencialidade e a protecção à privacidade do empregado
  • Processos de Intervenção na Gestão do Stress• Fases para a implementação: 1. Diagnóstico Saber quais os níveis de tensão existentes junto dos empregados da organização, quais as suas causas e factores mediadores (questionários, entrevistas, observação, indicadores objectivos) 2. Intervenção 3. Avaliação Verificar se foram alcançados os benefícios pretendidos, e os custos envolvidos os critérios de avaliação devem ser específicos, mensuráveis pelos instrumentos utilizados na fase de diagnóstico
  • Características necessárias a boas intervenções contra o stress• Ter em atenção factores individuais e organizacionais;• Incluir uma avaliação dos stress’s no ambiente de trabalho para compreender a dinâmica stress-saude;• Incluir trabalhadores no design e avaliação das intervenções;• Ser desenhado e avaliado dentro de um modelo conceptual bem definido
  • FIM