Your SlideShare is downloading. ×
Sabbatini Programa de Ação da Diretoria de Educação da SBIS - 2009-2010
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Sabbatini Programa de Ação da Diretoria de Educação da SBIS - 2009-2010

1,647
views

Published on

Documento aprovado pela diretoria da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde que especifica as ações a serem realizadas no biênio 2009-2010. Diretor de Educação e Capacitação Profissional: Dr. …

Documento aprovado pela diretoria da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde que especifica as ações a serem realizadas no biênio 2009-2010. Diretor de Educação e Capacitação Profissional: Dr. Renato M.E. Sabbatini. Presidente: Dr. Claudio Giulliano Alves da Costa.

Published in: Education, Health & Medicine

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,647
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Sociedade Brasileira de Informática em Saúde Diretoria de Educação e Capacitação Profissional Programa de Ação 2009-2010 História A Diretoria de Educação e Capacitação Profissional foi criada na gestão da diretoria da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde eleita em dezembro de 2008, no Congresso da SBIS em Campos do Jordão. Ela sucede ao Grupo de Interesse em Educação da Sociedade, criado anteriormente, e cujo objetivo era reunir os associados com interesse em educação em informática em saúde. Objetivos A Diretoria tem como objetivo principal coordenar e fomentar as ações referentes à promoção e melhoria da qualidade da educação em tecnologias de informação e comunicação em saúde (TICs) em todos os níveis (informal, técnico de nível médio, graduação de terceiro grau, pós-graduação lato- e stricto-sensu); bem como valorizar o acesso continuado à educação e treinamento através da regulamentação e concessão do Título de Especialista em Informática em Saúde, lançado também em programa específico em 2009. Programas de Ação • Normatizar currículos mínimos para cursos em nível técnico, de graduação e pós- graduação em nível de especialização; • Estabelecer e gerenciar um Programa de Aperfeiçoamento Profissional (PAP), com ênfase em educação continuada e concessão de créditos educacionais mediante o Certificado de Atualização Profissional (CAP) operado de forma semelhante ao do sistema AMB/CFM; • Credenciar e manter um cadastro de centros de excelência de educação, formação, capacitação e recapacitação em TICs em saúde, bem como de cursos e outras atividades educacionais oferecidos anualmente pelos mesmos; • Normatizar, regulamentar e conceder um Título de Especialista em Informática em Saúde, mediante exames e provas de titulação realizadas regularmente. Os títulos concedidos serão revalidados periodicamente usando novas provas ou créditos de educação continuada através do Programa PAP/CAP; • Manter um cadastro público de especialistas titulados formalmente, ou por notória especialização; • Criar e manter uma biblioteca digital on-line, contendo recursos educacionais, de aprendizado e atualização para os associados da SBIS; • Desenvolver, implementar, disponibilizar aos associados e parceiros, e manter recursos on- line para apoio virtual ao ensino e aprendizado (sistema de gestão de conteúdo, webconferência, sala de videoconferência na sede, etc.);
  • 2. • Desenvolver relacionamento de cooperação com os departamentos educacionais de outras entidades congêneres (sociedades regionais e nacionais, federações internacionais, órgãos do governo, entidades educacionais), no sentido de aperfeiçoar as atividades da Diretoria voltadas aos sócios da SBIS de fomento da educação em informática em saúde; • Dar assessoria às empresas e instituições educacionais interessadas em implantar cursos de formação e capacitação em informática em saúde; • Desenvolver cursos próprios, presenciais e a distância, isoladamente ou ministrados conjuntamente em congressos da SBIS; • Registrar, gravar e documentar cursos, disponibilizando esse conteúdo em forma impressa ou eletrônica; • Desenvolver e adotar critérios para apoio a congressos, cursos e outros eventos educacionais e científicos oferecidos por terceiros; • Estabelecer parcerias com outras empresas, sociedades e entidades educacionais, com o objetivo de montar um acervo permanente de cursos na área, reconhecidos e credenciados pela SBIS. Diretoria (2008-2010) Prof.Dr. Renato Marcos Endrizzi Sabbatini Membro fundador e ex-presidente da SBIS. Site profissional: http://renato.sabbatini.com Email: renato@sabbatini.com Comissão Educacional: A Diretoria é assessorada por uma comissão indicada pela diretoria da Sociedade, que é responsável por propor normas, regulamentos e avaliar programas, e elaborar os exames anuais para título de especialista em Informática em Saúde. PAP - Programa de Aperfeiçoamento Profissional As aceleradas mudanças e acumulação do conhecimento em profissões eminentemente técnicas, como às relacionadas à área de tecnologias de informação e comunicação (TICs) em ciências da saúde, tornam praticamente obrigatória a continua atualização, estudo e aprendizado dos que nela atuam. A competência, qualidade e reconhecimento social do profissional são enormemente valorizadas, à medida em que o mesmo se mantém atualizado e detém conhecimento profundo teórico e prático em sua área de atuação. A SBIS, como a associação científica e técnica que reúne e apoia esse profissional no Brasil, tem um papel muito importante a cumprir nesse aspecto. O que é O Programa de Aperfeiçoamento Profissional (PAP) foi instituído em 2009 pela Sociedade Brasileira de Informática em Saúde com o objetivo de fomentar e normatizar a educação continuada dos seus associados e especialistas credenciados, bem como certificar as atividades de aprendizado e aperfeiçoamento profissional dos integrantes, através da emissão quinquenal do Certificado de Atualização Profissional (CAP), que é um documento padronizado habilitando-o oficialmente ao exercício dessa especialidade. Qualquer associado da SBIS pode participar do Programa opcionalmente, cadastrando-se no mesmo e podendo utilizar a certificação emitida pelo CAP para fins curriculares, promoção funcional, etc. Para os associados que obtiveram o Título de Especialista em Informática em Saúde pela SBIS, a
  • 3. partir da data de sua concessão deverão obrigatoriamente a obter o CAP a cada cinco anos, sob pena de perda do registro de especialista. Como funciona Para obter o CAP, o participante deve acumular 100 pontos (créditos educacionais) ao longo de cinco anos, participando de diferentes atividades de atualização, com um máximo de 40 pontos por ano. A Diretoria de Educação mantem uma Tabela de Equivalência de Pontos, onde são listadas as atividades que contam pontos e sua sistemática. Somente poderão valer pontos as atividades educacionais registradas e credenciadas pela Comissão de Educação da SBIS, as quais serão propostas pelos seus realizadores e cadastradas em um Cadastro de Atividades de Educação Continuada. As atividades próprias da SBIS terão registro automático; ao passo que as atividades propostas por terceiros deverão passar pela aprovação da Comissão antes de poderem conceder créditos válidos. A SBIS proporcionará aos seus associados um mínimo de 40 créditos a cada ano, sendo 20 deles podendo ser referentes a atividades de caráter regional ou estadual. Além disso, a SBIS disponibilizará um mínimo de 10 créditos anuais correspondentes a programas à distância (on-line ou impressos). Título de Especialista em Informática em Saúde Este programa tem por objetivo instituir um sistema de reconhecimento e valorização da especialização dos recursos humanos em alta qualidade em Informática em Saúde, de maneira similar à que a Associação Médica Brasileira, os Ministérios da Educação e Saúde, e Conselho Federal de Medicina instituíram no Brasil para as especialidades médicas. Este programa constará dos seguintes elementos: • Definição das capacidades, habilidades e conhecimentos aceitáveis para um especialista em Informática em Saúde • Instituição e normatização de um título formal de Especialista em Informática em Saúde pela SBIS • Estabelecimento de um sistema de exame e avaliação de candidatos, com a finalidade de concessão de um título de Especialista, e de revalidação periódica obrigatória do mesmo • Desenvolvimento de ações junto à sociedade em geral, governos e empresas, para valorização e reconhecimento do título de Especialista Regulamentação As atividades relacionadas ao Título de Especialista em Informática em Saúde serão normatizadas, regulamentadas, aplicadas e fiscalizadas pela Diretoria de Educação e Capacitação Profissional da SBIS, através de sua Comissão de Educação. A Comissão desenvolverá as questões e critérios e aplicará um exame público pelo menos uma vez por ano, de preferência simultaneamente e no mesmo local que um dos congressos anuais da SBIS. Cerca de 6 meses antes da data marcada, será publicado um edital e divulgado por vários meios a abertura de inscrições para o exame de título de especialista, juntamente com o currículo mínimo a ser avaliado. Provas de Titulação As provas constarão de:
  • 4. • Fase 1: Exame de títulos, publicações, história educacional e profissional do candidato, mediante avaliação de um memorial sucinto escrito (curriculum vitae), enviado pelo candidato até 60 dias antes da data da fase 3. Para avaliação objetiva do currículo será utilizada a tabela de pontos constante do Anexo I, abaixo. Que deverá ser preenchida e totalizada pelo candidato, e homologada ou modificada por uma Banca de Examinadores constituída de três especialistas indicados pela Comissão de Título de Especialista. • Fase 2: Os candidatos deverão submeter-se a uma prova escrita de conhecimentos, que terá testes de múltipla escolha por ocasião do evento presencial. O exame objetivo terá cem questões. Serão considerados aprovados os candidatos que obtiverem nota final igual ou superior a sete. • Fase 3: Os candidatos que não forem aprovadosdeverão se submeter logo em seguida a uma entrevista com a banca de examinadores, que poderá ajustar a nota final. Revalidação do Título O título concedido terá a validade de 5 anos, e ao final deste período o Especialista deverá revalidar o título mediante a apresentação de um Certificado de Atualização Profissional (CAP) emitido pela SBIS, o qual certifica a avaliação de suas atividades de aprendizado e atualização ao longo do mesmo, as quais serão quantificadas mediante uma tabela de pontos publicada pela SBIS para cada atividade reconhecida, tais como cursos, publicação de atividades, docência, etc. Caso o candidato à revalidação não consiga atingir o número mínimo de pontos em 5 anos, deverá submeter-se novamente ao exame para concessão de título de especialista. Fase Especial Apenas nos dois primeiros editais de exame para Título de Especialista, haverá uma fase especial, denominada Reconhecimento de Notório Mérito, a qual será destinada aos candidatos que demonstrem pelo menos 10 anos de experiência em Informática em Saúde, através de atividades docentes, de pesquisa e de exercício profissional. A Fase Especial constará apenas da submissão e exame do curriculum vitae, e, em casos em que a Comissão julgar necessário, uma entrevista com o candidato. Comissão de Títulação da Especialidade Será indicada pela diretoria da SBIS, em colaboração com a Diretoria de Educação e constará de: • Representante da Diretoria da SBIS • Diretor de Educação da SBIS • Representante de um curso de graduação • Representante de um curso de pós-graduação stricto-sensu • Representante de um curso de pós-graduação lato-sensu • Representante do setor produtivo (empregadores) • Secretario executivo, indicado pela diretoria Cooperação Internacional em Educação em Informática em Saúde Este programa da Diretoria de Educação e Capacitação Profissional da SBIS tem por objetivos: • Entrar em contato e estabelecer relacionamentos de cooperação, trocas de informação e de experiência, compartilhamento de materiais didáticos, currículos, exames, etc., com
  • 5. sociedades congêneres de outros paises, federações inernacionais, instituições educacionais, entidades reguladoras, sociedades de classe e científicas, etc.; • Participar de atividades internacionais voltadas ao tema, tais como congressos, listas de discussão, fóruns, etc., e compartilhar as informações obtidas com os associados da SBIS; • Manter um cadastro de programas educacionais em informática em saúde disponíveis em todo o mundo, para os associados interessados; • Comunicar e divulgar os esforços da SBIS e das instituições brasileiras na área de educação em informática em saúde aos parceiros e fóruns internacionais; • Propor atividades de educação em informática em saúde nos congressos e cursos da SBIS, mediante convite de participação de pesquisadores e professores estrangeiros. Cadastro Nacional de Cursos, Estágios e Eventos O Cadastro de Cursos, Estágios e Eventos da SBIS tem como objetivo reunir informações básicas sobre as atividades educacionais e científicas em Informática em Saúde desenvolvidas no Brasil. É também o instrumento que a Comissão de Título de Especialista em Informática em Saúde utilizará para avaliar certos itens do currículo do candidato ao mesmo. Todos os cursos (extensão, treinamento, especialização, aperfeiçoamento, educação continuada, etc), estágios e eventos de Informática em Saúde, realizados a partir de 01 de junho de 2009 devem ser cadastrados, inclusive os realizados pela SBIS, suas regionais, e instituições reconhecidas de ensino. Somente as atividades cadastradas poderão ser usadas para a avaliação do currículo para o exame de títulos, ou para a pontuação no caso da revalidação do título de especialista. Esse cadastramento não implica em reconhecimento ou julgamento sobre a qualidade do curso, estágio ou evento, mas apenas se as informações fornecidas estão de acordo com os critérios indicados pela Comissão. Biblioteca Digital A Biblioteca Digital será um recurso totalmente on-line de apoio ao ensino, aprendizado e atualização dos associados da SBIS cadastrados no site. Conterá arquivos digitais em vários formatos, classificados e indexados, podendo ser pesquisados por descritores (palavras-chave). Os professores de cursos credenciados ou oferecidos pela SBIS através do seu site Moodle poderão utilizar esses recursos livremente, bastando fazer um link para o repositório digital da Biblioteca Digital. A Biblioteca Digital conterá o seguinte: • Próprios da SBIS • Artigos, resumos e slides dos congressos e eventos da Sociedade • Arquivo de noticias do boletim SBIS News • Artigos carregados no grupo SBIS-L • Vídeos e áudios gravados de eventos e cursos • Revista Journal of Health Informatics da SBIS • De Terceiros
  • 6. • Revistas com conteudo on-line de informática em saúde • Livros e monografias de informática em saúde • Artigos e arquivos dos sites Wikipedia, Wikiverse, Commons, Archive.org e outros repositórios de domínio público • Vídeos do YouTube, YahooVideos, GoogleVideos e outros repositórios semelhantes • Galerias de imagens • Apresentações públicamente disponíveis de slides • Apostilas • Teses e dissertações • Outras informações • Listas de sites e outros links interessantes da Internet • Listas e grupos de discussão Operacionalização A Biblioteca Digital também poderá receber contribuições de associados através de um formulário de envio. A montagem da Biblioteca Digital será um esforço cooperativo utilizando os recursos da Web 2.0, semelhantes ao Digg e outros softwares, feito pelos sócios e coordenados por um grupo editorial. Para dar inicio à Biblioteca Digital pretendemos montar um grupo de estudantes de Informática Biomédica que realizarão essa atividade como estágio voluntário certificado na SBIS. Sistema de Videoconferência e Transmissão Digital de Áudio e Vídeo Com o objetivo de dispor de recursos permanentes para realização de reuniões administrativas a distância, transmissão de palestras, seminários, congressos e cursos a distância, a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde, através de sua Diretoria de Educação e Capacitação Profissional está montando em sua sede em São Paulo uma sala de videoconferência e de transmissão de vídeo via IP (webconferência) O sistema contará com: • Videoconferência VCON HD 3000 de alta definição IP e ISDN • Microfone omnidirecional de mesa • Microfone cardióide de mão sem fio • Televisor/monitor LCD de 40" • Gravador DVD com disco rígido • Player DVD • Computador PC para videostreaming e slides Switcher de rede • Model de cabo (conectado à Internet) • Software para streaming O sistema poderá ser utilizado por associados.
  • 7. Ambiente Virtual de Apoio ao Ensino e Aprendizado A SBIS contará com um recurso de apoio on-line às suas atividades educativas, seja em cursos e eventos presenciais, semipresenciais ou inteiramente a distância. Trata-se de uma plataforma de software livre chamado Moodle, que permite a montagem de sites especializados, dotados de vários recursos e ferramentas de instrução, interação, avaliação, acompanhamento do aluno, etc., tais como fóruns, chats, blogs, wikis, biblioteca digital, slides, vídeos e áudios, questionários, trabalhos, etc., bem como a possibilidade de efetuar inscrição on-line nos cursos, e acompanhamento completo do aluno.
  • 8. Webconferência Será integrado à plataforma LMS Moodle acima referida um software de webconferência/classe virtual para ensino sincronizado vídeo/áudio/slides, dotado também de recursos interativos via voz, chat e videoconferência. Será usado o software livre DimDim, hospedado profissionalmente no site da empresa desenvolvedora, com capacidade para até 50 assistentes simultâneos. Essa versão profissional permitirá a colocação do logotipo da SBIS, e muitas outras possibilidades. O DimDim poderá ser usado para reuniões da diretoria e conselhos, grupos de trabalho e regionais; poderá ser usado também para transmitir simultaneamente para assistentes remotos eventos tais como: palestras, aulas, congressos, cursos, etc. As transmissões podem ser gravadas com slides e voz e posteriormente ficarem disponíveis para os participantes desses eventos. Os arquivos resultantes também poderáo ser distribuidos na forma de CD-ROMs e DVDs. O streaming de vídeo, áudio e slides gerado pelo DimDim poderá ser captado a partir da Sala de Videoconferência da SBIS, com alta qualidade, permitindo a retransmissão de sessões de videoconferência pela Web, mas também poderá ser utilizado a partir de outros pontos.
  • 9. Utilização Esta plataforma estará disponível no endereço http://www.sbis.virtual.org.br e será usado para apoio aos cursos regulares da SBIS, tais como o Curso de Certificação de Software AMB/CFM. Este curso, depois de preparado o conteúdo on-line, será oferecido a distância, também, permitindo ampliar a sua oferta para todo o Brasil com baixo custo. O Moodle também poderá ser usado para novos cursos a distância a serem ministrados pelo SBIS e seus associados que queiram cooperar como docentes, como o Curso On-Line de Atualização Científica em Informática em Saúde, o Curso de Introdução à Informática em Saúde para Gestores, e outros. Além disso, associados da SBIS poderão utilizar o Moodle para hospedar cursos em parceria com a Sociedade. Para a manutenção técnica, e suporte aos usuários, será contratado um webmaster exclusivo para o Moodle, que também poderá cuidar do site geral da SBIS, e que será pago com a participação da Diretoria de Educação e Capacitação Profissional nos rendimentos dos cursos. Dentro do possível, os cursos próprios da SBIS serão oferecidos gratuitamente para seu sócios quites, mas terão seus cursos cobertos por patrocínios e pelo ingresso financeiro de matrículas pagas por sócios não quites ou não sócios.
  • 10. Curso de Atualização Científica em Informática em Saúde Objetivo O curso tem por objetivo promover a atualização científica dos profissionais e estudantes na área de informática aplicada, através da leitura obrigatória semanal de um trabalho científico de grande relevância, da literatura mundial de melhor qualidade. Temas • Teoria e metodologia da informática aplicada a saúde • Sistemas de apoio à decisão, inteligência artificial e redes neurais • Processamento de sinais e de imagens • Automação de organizações clínicas • Aplicações em pesquisa e ensino em saúde • Bancos de dados e prontuário eletrônico do paciente • Avaliação tecnológica em informática em saúde • Sistemas de apoio à terapia e planejamento • Telemedicina e telessaúde • Robótica médica e realidade virtual • Aplicações da Internet na Saúde • Informática em odontologia, enfermagem, biologia, etc. Metodologia O trabalho é selecionado da literatura mundial e nacional pelo docente do curso e tem resumo em inglês e português, e texto completo do artigo. O docente também faz comentários e sugere temas para debate. Para demonstrar que aprendeu os conceitos transmitidos pelo trabalho, o aluno deve responder um questionário on-line com 2 a 3 perguntas sobre o tema do mesmo. Perguntas, dúvidas e comentários poderão ser enviados pelo aluno ao professor responsável através de um fórum de discussão on-line disponível no site. Além disso, o professor disponibilizará outros materiais de informação, notícias, links na Internet etc., sobre os temas do curso. Os trabalhos disponibilizados semanalmente ficarão disponíveis permanentemente no site do curso, permitindo que o aluno em atraso de suas obrigações possa completá-las a qualquer momento durante as 25 semanas do curso. O aluno pode se inscrever a qualquer momento durante o ano, passando a acompanhar a literatura a partir da data de aceitação no curso. Também é desenvolvida a metodologia de aprendizado cooperativo. Elas envolvem ações mais focalizadas referentes aos Temas do curso (vide acima), e funcionam com a formação de grupos de alunos, um para cada tema. Um aluno pode se inscrever em um mínimo de um grupo e um máximo de três grupos. Os componentes de um grupo contribuem com indicações de links, bibliografias, comentários, sugestões, artigos, arquivos, software, etc.; relativo ao seu tema do grupo, para que os demais possam aproveitar e compartilhar esse conhecimento coletivo. Também estão disponíveis foruns de discussão e salas de batepapo on-line para cada grupo, formando assim uma verdadeira comunidade do conhecimento. O professor responsável atua como orientador, intervindo ocasionalmente para acrescentar informações, fazer críticas e comentários, avaliar as atividades dos
  • 11. alunos, etc Público alvo Estudantes de graduação, pós-graduação, profissionais da saúde ou de tecnologia de qualquer tipo, interessados em acompanhar a literatura mundial sobre informática aplicada à saúde e receber créditos educacionais por esta atividade. Duração e Número de Créditos 25 semanas. Número de créditos-hora: 18 para cada 12 atividades. Critério de Aprovação e Certificação Os inscritos que completarem um total de 12 atividades, mediante envio dos questionários, receberão certificado de Curso de Educação Continuada do Instituto Edumed para Educação em Medicina e Saúde. O critério de atribuição semanal de créditos é a resposta correta ao questionário de avaliação on-line. O aluno poderá consultar a sua situação de atribuição de créditos a qualquer momento, através do site, bem como solicitar a emissão do certificado ao atingir o critério mínimo Endereço do Curso http://www.sbis.virtual.org.br/course/view.php?id=5 Dados de Contato Rua Tenente Gomes Ribeiro, 57 - sala 33 - Vila Clementino - SP Fone (11) 3791-3343 São Paulo - SP CEP: 04038-040 Horário de Atendimento - Segunda à sexta feira, das 08.00 as 12.00hrs E-mail: sbis@sbis.org.br Diretoria de Educação e Capacitação Profissional Tel (19) 3295-8191/3252-7762 Horário de Atendimento - Segunda à sexta feira, das 09.00 as 17.00hrs Email: diretoria_educacao@sbis.org.br São Paulo, maio de 2009 Prof.Dr. Renato M.E. Sabbatini
  • 12. Anexo I Programa da Prova de Conhecimento para Título de Especialista em Informática em Saúde • Introdução à Informática em Saúde História e Fundamentos da Informática em Saúde. Conceitos essenciais em sistemas de Informação em Saúde. Desenvolvimento histórico no Brasil e no mundo. Informática em Saúde como área de pesquisa e de ensino. Nomenclaturas e padrões para armazenamento e comunicação na área da Saúde. Ética em informática em saúde. Codificação de diagnósticos e procedimentos. Sistemas CID, Read, UMLS, SNOMED e outros. Padrões de representação e comunicação; DICOM, HL7 e outros. Fontes de informação em informática em saúde e telemedicina. • Informatização de Organizações de Saúde Princípios básicos e áreas da informatização de organização de instituições de atenção em saúde. Informatização administrativa-financeira, operacional e clínica: características, objetivos e necessidades. Sistemas ad-hoc e integrados. Sistemas de informatização para consultórios, clínicas, laboratórios e hospitais. Informatização da saúde pública. Subsistemas, Metodologia de implementação e de gestão. • Coleta e Armazenamento de Dados em Medicina. Coleta, aquisição e armazenamento de informação em medicina e saúde. Formas de coleta de informação. Anamnese computadorizada. Aquisição automática de dados. Armazenamento de dados: tecnologias de banco de dados na área de saúde. Registro de informações clínicas. O prontuário eletrônico na atenção ambulatorial e hospitalar. Certificação e segurança de informações clinicas. Integração com outros sistemas informatizados. Tecnologias de implementação. • Aquisição, Processamento e Transmissão de Sinais Biológicos e Imagens Médicas A natureza dos dados de sinais fisiológicos e imagens médicas. O sistema de registro de sinais. O canal de registro e seus componentes. Sinais analógicos e digitais.Digitalização de sinais analógicos. Parâmetros. Processamento computadorizado de sinais. Diagnóstico baseado em sinais. A natureza das imagens digitais, processo de digitalização, parâmetros. Os vários tipo de imagens biomédicas, sua utilidade diagnóstica e o funcionamento dos equipamentos. Processamento primário e secundário de imagens. Imagens em 3D e 4D, algoritmos de reconstrução. Tomografia computadorizada. Detecção de bordas. Técnicas baseadas em conhecimento. Armazenamento e transmissão de imagens médicas (PACS). • Telemática e Telecomunicações. Aplicações em Saúde. Redes de computadores. Introdução ás telecomunicações. Padrões e protocolos gerais e utilizados em saúde. Aplicações na atenção em saúde. Telemedicina e telesaúde. Modalidades: teleconsulta, telediagnóstico, telemonitoração, teleterapia, segunda opinião a distância. Algumas áreas de aplicação: teleradiologia, telecardiologia, telepsiquiatria. Realidade virtual e telepresença. Redes sem fio. Aplicações de acesso móvel (PDAs e celulares). • Inteligência Artificial e Sistemas de Apoio à Decisão em Saúde Pontos do processo médico onde existem decisões. Teoria básica de decisões e sua implementação em software. Indução, dedução e abdução. História da inteligência artificial e redes neurais, e dos sistemas de decisão em saúde e medicina. Técnicas de implementação: sistemas de apoio numérico e de acesso à informação. Sistemas baseados em lógica. Sistemas baseados em reconhecimento de padrões. Sistemas baseados em computação coletiva (redes neurais, algoritmos genéticos, etc). Sistemas baseados em raciocínio analógico e em modelos. Áreas de aplicação e estudos de caso. Sistema embebidos.
  • 13. • Aplicações da Informática na Educação e na Pesquisa Tecnologias de informação e comunicação e suas aplicações na educação em ciências da saúde. Áreas de aplicação. Educação mediada por tecnologia. Simulações. Ensino programado. Educação a distância: metodologias baseadas na Internet e na transmissão de áudio e vídeo, videoconferência, broadcasting de áudio e vídeo, satélite. Aplicações do computador na pesquisa médica e de saúde. Sistemas de análise estatística, organização e gestão de pesquisas, pesquisa bibiográfica, produção de textos e gráficos, publicação científica eletrônica. • Tecnologias e Aplicações da Internet em Saúde. Tecnologias da Web e Internet. Protocolos HTTP, FTP, IRC, NEWS, etc. e sua implementação sob vários sistemas operacionais. Desenvolvimento histórico geral e das aplicações em saúde. Acesso à informação: portais, bases de dados, bibliografia, etc. Tecnologias de interatividade e execução distribuida (CGI, Java, Ajax, etc.). Exemplos de aplicação em saúde. Mecanismos de busca. Web 2.0 e suas aplicações em saúde. Metodologias de desenvolvimento para a Web. • Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas para a Área da Saúde Metodologias de engenharia de software. Gestão de projetos de desenvolvimento. Ciclo de desenvolvimento e teste para softwares na área de saúde. Fatores humanos e metodologias de implementação no setor saúde. Sistemas operacionais, linguagens de programação e bancos de dados mais utilizados. Segurança e confidencialidade. Avaliação de custo e tempos de desenvolvimento, técnicas de testagem, homologação e certificação. Formas de comercialização. Compra x desenvolvimento. Software aberto; BIBLIOGRAFIA SUGERIDA • Shortliffe, E.H. Cimino, JE (Editores): Biomedical Informatics: Computer Applications in Health Care and Biomedicine . Third Edition, Springer. 2006. • Van Bemmel, JH, Musen MA. (Editors): Handbook of Medical Informatics, 1999. • Dick, SR, Steen, EB. Detmer, DE (Editors): The Computer Based Medical Record. An Essential Technology for Health Care. Institute of Medicine. National Academies Press, 1997. Site: http://www.nap.edu/openbook.php?isbn=0309055326 • Field, MJ (Editor): Telemedicine: A Guide for Assessing Telecommunications for Health Care. National Academies Press, 1996. Site:http://www.nap.edu/catalog.php? record_id=5296 • Massad, E; Marin, H; Azevedo Neto, R.S.. (Org.). O Prontuário Eletrônico do Paciente na Assistência, Informação e Conhecimento. Washington: Organização Panamericana de Saúde, 2003. Disponível na Internet: http://www.sbis.org.br/site/arquivos/prontuario.pdf
  • 14. Anexo II Sistema de Pontuação do Currículo Profissional No. Atividade Pontos Qtde TOTAL 01 Trabalho publicado em revista com revisão por pares 20 02 Trabalho publicado em revista sem revisão por pares 10 03 Artigo em publicação (revista, jornal ou site) de divulgação científica 6 04 Livro (como autor único ou co-autoria) 30 05 Livro (como editor ou organizador) 20 06 Editor de revista técnico-científica 30 07 Membro de conselho editorial de revista técnico-científica 20 08 Patente ou registro de software 30 09 Capítulo em livro internacional 20 10 Capítulo em livro nacional 15 11 Comunicação livre apresentada em congresso nacional 5 12 Comunicação livre apresentada em congresso internacional 7 13 Conferência ou palestra em evento nacional 8 14 Conferência ou palestra em evento internacional 10 15 Participação em painéis ou mesas redondas 6 16 Organização de congresso nacional (presidente) 30 17 Organização de congresso internacional (idem) 40 18 Presidente ou moderador de sessão em congresso nacional 8 19 Presidente ou moderador de sessão em congresso internacional 12 20 Participação em congresso no país 4 21 Participação em congresso no exterior 7 22 Participação como docente em curso no Brasil 12 23 Participação como docente em curso no Exterior 15 24 Participação como aluno em curso no Brasil 2 25 Participação como aluno em curso no Exterior 5 26 Coordenação de curso (com docência incluída) 25 27 Aprovação em concurso público 20 28 Graduação em informática ou engenharia biomédica 60 29 Estágio profissional certificado 15/ano 30 Especialista em informática em saúde ou similar 40 31 Mestrado (com tema de tese em informática em saúde ou similar) 60 32 Doutorado (idem) 80 33 Livre-docência (idem) 100 34 Titulação acadêmica em nível de instrutor ou professor assistente 60 35 Titulação acadêmica em nível de professor doutor 80 36 Titulação acadêmica em nível de professor adjunto ou associado 100 37 Titulação acadêmica em nível de professor titular 150 38 Coordenação em projeto de desenvolvimento ou implementação 40 39 Consultoria técnica-científica individual 30 40 Participação em equipe de consultoria técnico-científica 15 41 Criação de grupo técnico ou acadêmico 200 42 Coordenação de grupo técnico ou científico 150 43 Presidência de sociedade técnica ou cientifica 150 44 Participação em diretoria ou conselho de sociedade técnica ou científica 80 45 Associação a sociedade técnico-científica relacionada (como titular) 20 46 Associação a sociedade técnico-científica relacionada (como estudante) 15 47 Orientação de estudante de graduação (com bolsa oficial ou aprovado) 30 48 Orientação de estudante de especialização 40 49 Orientação de estudante de mestrado 60 50 Orientação de estudante de doutorado 80 51 Orientação de pós-doutorado 100 52 Participação como membro de banca de qualificação em pós-graduação 10 53 Participação como membro de banca de concurso público 20 54 Participação como membro de banca de mestrado, doutorado ou livre- 30 docência 55 Participação como membro de banca de professor titular 50 56 Prêmio de melhor trabalho em congresso 50 57 Prêmio ou honraria por entidade nacional 100 58 Prêmio ou honraria por entidade internacional ou transnacional 150
  • 15. Anexo III Tabela de Pontuação para o Certificado de Atualização Profissional No Atividade Pontos 0,5 ponto por hora 1 Cursos presenciais ou a distância atividade 2 Participação em congresso nacional 2 pontos 3 Participação em congresso internacional 4 pontos 4 Resumo publicado em anais de congressos ou revistas, 2 pontos Artigo original ou de revisão publicado em revistas técnico-científicas não constante da 5 5 pontos base MEDLINE ou similares Artigo original ou de revisão publicado em revistas constantes da base MEDLINE ou 6 10 pontos similares 7 Capítulo de livro nacional ou internacional 12 pontos 8 Trabalho de conclusão de curso de graduação 10 pontos 9 Trabalho de conclusão ou monografia de curso de especialização 12 pontos 10 Tese de mestrado profissionalizante ou acadêmico 15 pontos 11 Tese de doutorado ou livre-docência 20 pontos Regulamentação • O sistema de pontuação é baseado em créditos, no total de 100, que devem ser acumulados em até cinco anos. • O número máximo de pontos que podem ser obtidos com as atividades 2 a 11 é limitado a 50% desse total, o restante deverá ser obtido por frequencia a cursos, correspondendo a uma média de 20 horas por ano. • A pontuação máxima anual é limitada a 40% do total de 100 pontos • Somente serão pontuadas as atividades relacionadas aos temas da Informática em Saúde (TICs) • Os candidatos deverão encaminhar à SBIS os devidos comprovantes oficiais das atividades em que foram aprovados ou aceitos • Para fins de publicações, os pontos já podem ser contados antes da publicação final, bastando o atestado de aceitação do editor (atividades 4 a 6), com exceção de capítulos de livros, TCCs, dissertações e teses (atividades 7 a 11) • A publicação de artigos na Revista da SB IS valerá 10 pontos • Caso haja apresentação de resumo em congresso, será acumulada a contagem das atividades 2 ou 3, conforme o caso, mas apenas quando o autor comparecer ao mesmo • Participação em congressos virtuais será pontuada apenas quando houver controle de participação Copyright (c) 2009 Sociedade Brasileira de Informática em Saúde