fenómenos de superfície
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

fenómenos de superfície

on

  • 4,493 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,493
Views on SlideShare
4,493
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
36
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

fenómenos de superfície Presentation Transcript

  • 1. ÓPTICA GEOMÉTRICA
    1
    Rui Rebelo
  • 2. Fenómenos de Superfície
    A óptica geométrica é a parte da óptica que estuda os fenómenos luminosos, considera-se que não ocorrerem fenómenos de interferência ou difracção.
    A finalidade da óptica geométrica é o estudo dos instrumentos ópticos.
    Microscópio, telescópio
    Máquina de filmar, fotografar, lentes
    Olho – órgão da visão
    2
    Rui Rebelo
  • 3. Fenómenos de Superfície
    Óptica Geométrica baseia-se nos seguintes
    princípios :
    A propagação rectilínea da luz.
    Independência dos raios luminosos.
    Reversibilidade dos raios luminosos.
    As leis da refracção e da reflexão.
     
    3
    Rui Rebelo
  • 4. Fenómenos de Superfície
    Propagação Rectilínea da Luz
    Num meio homogéneo e transparente a luz propaga-se em linha recta. A cada uma dessas "rectas de luz" chama-se de raio de luz, ou feixe de luz.
    4
    Rui Rebelo
  • 5. Fenómenos de Superfície
    Independência dos
    Raios de Luz.
    Quando dois raios de luz se cruzam, um não interfere na trajectória do outro, cada um comporta-se como se o outro não existisse.
    5
    Rui Rebelo
  • 6. Fenómenos de Superfície
    Reversibilidade dos Raios de Luz
    Se revertermos o sentido de propagação de um raio de luz ele continua a percorrer a mesma trajectória, em sentido contrário.
    6
    Rui Rebelo
  • 7. Fenómenos de Superfície
    Reflexão e Refracção
    Se existirem dois meios homogéneos transparentes, separados por uma superfície de contacto bem definida, há uma alteração no feixe de luz, parte da luz incidente é reflectida continuando a propagar-se no meio de onde vem, havendo uma inversão do sentido de propagação, e outra parte é refractada, isto é, penetra no segundo meio, mudando em geral de direcção.
    7
    Rui Rebelo
  • 8. Fenómenos de Superfície
    Reflexão Refracção
    8
    Rui Rebelo
  • 9. Fenómenos de Superfície
    Planos de incidência e reflexão
    Plano de Incidência
    O raio de luz incide sobre uma superfície de separação entre dois meios no ponto P, neste ponto P fazemos passar uma recta N perpendicular ao plano de reflexão (normal). O plano de incidência é o plano que contêm a normal e o raio incidente i.
    Plano de Reflexão
    O plano de reflexão é o plano que contém o raio reflectido r e a recta normal N.
    O plano de incidência coincide com o plano de reflexão.
    9
    Rui Rebelo
  • 10. Fenómenos de Superfície
    Leis da Reflexão
    1ª Lei: O raio incidente, a normal à superfície de separação no ponto de incidência e o raio reflectido são coplanaresestão no mesmo plano.
    N
    10
    Rui Rebelo
  • 11. Fenómenos de Superfície
    Leis da Reflexão
    2ª Lei: O módulo do ângulo de incidência é igual ao módulo do ângulo de reflexão
    11
    Rui Rebelo
  • 12. Fenómenos de Superfície
     Leis da Refracção
    1ª Lei: O raio incidente, a normal no ponto de incidência e o raio refractados estão no mesmo plano.
    12
    Rui Rebelo
  • 13. Fenómenos de Superfície
     Leis da Refracção
    2ª Lei: A razão entre o seno do ângulo de incidência,  , e o seno do ângulo de refracção,  , é constante e depende das características ópticas dos dois meios.
    13
    Rui Rebelo
  • 14. Fenómenos de Superfície
    A 2ª lei de Refracção, resume uma expressão que dá o desvio angular sofrido por um raio de luz ao passar para um meio com índice de refracção diferente do qual ele estava percorrendo.
    Lei de Snell-Descartes
    14
    Rui Rebelo
  • 15. Fenómenos de Superfície
    Lei de Snell
    n1 * sen 1 = n2 * sen 2
    15
    Rui Rebelo
  • 16. Fenómenos de Superfície
    Princípios de Óptica Geométrica
    Pelo princípio da propagação rectilínea dos raios de luz, um raio de luz propaga-se em linha recta em meios de propagação homogéneos.
    A luz propaga-se em linha recta enquanto as características do meio forem constantes.
    A formação da sombra, é entendida como a formação de uma região destituída de luz, é uma consequência do princípio de propagação rectilínea da luz.
    16
    Rui Rebelo
  • 17. Fenómenos de Superfície
    Em Meios Heterogéneos
    A luz, ou passa bruscamente de um meio para outro, ou pode ocorrer o fenómeno da refracção.
    É este fenómeno que produz aquele efeito conhecido do lápis parecer quebrado dentro do copo de água.
    17
    Rui Rebelo
  • 18. Fenómenos de Superfície
    O princípio da reversibilidade na trajectória da luz.
    A trajectória de um raio de luz continua a mesma quando o seu sentido de propagação é invertido, originando o fenómeno de Reflexão.
    18
    Rui Rebelo
  • 19. Fenómenos de Superfície
    Pelo princípio da reversibilidade, o motorista vê o passageiro pelo espelho retrovisor e este também vê o motorista pelo mesmo espelho.
    19
    Rui Rebelo
  • 20. Fenómenos Ópticos
    20
    Rui Rebelo
  • 21. Fenómenos Ópticos
    Um fenómeno óptico é qualquer evento observável que resulte da interacção de luz e matéria.
    É a forma como a luz interage com o meios em que se encontra, mudando quer o comportamento dos próprios raios luminosos, ou do meio em que se encontram.
    21
    Rui Rebelo
  • 22. Fenómenos Ópticos
    Reflexão Regular
    Reflexão Difusa
    Refracção
    Absorção
    Dispersão
    Transmissão -Transmitancia
    22
    Rui Rebelo
  • 23. Fenómenos Ópticos
    Reflexão Regular
    Quando um feixe de raios paralelos incide sobre uma superfície polida, propagando-se no meio 1, este retorna para o meio (1) sem perder o paralelismo.
    23
    Rui Rebelo
  • 24. Fenómenos Ópticos
    Reflexão Difusa
    O feixe de raios paralelos provenientes do meio (1) atinge a superfície de separação com o meio (2) perdendo seu paralelismo e sendo espalhado em todas as direcções.
    24
    Rui Rebelo
  • 25. Fenómenos Ópticos
    Refracção
    A luz, proveniente do meio (1), atravessa a superfície de separação entre os dois meios e passa a se propagar no meio (2), a luz, em geral, é desviada, assumindo uma direcção bem diferente da direcção de propagação no meio (1).
    25
    Rui Rebelo
  • 26. Fenómenos Ópticos
    Absorção
    A luz proveniente do meio (1) atinge o meio (2), porém, não retorna ao meio de propagação inicial e nem passa a se propagar no meio (2). Essa luz, por se tratar de energia, é absorvida pele superfície.
    26
    Rui Rebelo
  • 27. Fenómenos Ópticos
    Dispersão
    Quando a luz branca incide sobre uma superfície que separa dois meios e surge um leque de cores.
    Esse fenómeno é denominado dispersão da luz.
    Ocorre quando a luz branca se decompõe nas cores do arco-íris.
    27
    Rui Rebelo
  • 28. Fenómenos Ópticos
    Transmitância
    Transmitância é a fracção da luz incidente com um comprimento de onda específico, que atravessa uma amostra de matéria.
    É um fenómeno relacionado directamente à absorção.
    28
    Rui Rebelo